Com pouco peso | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Palavras impressas
>>> Teoria da Conspiração
>>> Movimento Literatura Urgente
>>> O fim das mídias físicas
>>> Ayn Rand ou o primado da razão
>>> Viagem ao Âmago da Palavra
>>> Modelos plus size: as novas mulheres irreais
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Escrever não é para amadores
Mais Recentes
>>> Quem me roubou de mim? de fabio de Melo pela Canção Nova (2010)
>>> Se conto ninguem acredita- autografado de Rafael pedrosa pela pandogA (2018)
>>> The Young Riders of Mongolia de Rob Waring pela Footprint (2011)
>>> Let’s Do It Together de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2008)
>>> A Matter of Prejudice de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> Strange Noises de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> A Casa Vazia de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasill (2006)
>>> Lost in the Woods de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Devastação Ou a Volta à Natureza de Rene Barjavel pela Círculo do Livro (1976)
>>> Os segredos da mente milionária de T harv eker pela Sextante (2010)
>>> A Day on the Farm de Luiz H. Rose, Maiza Fatureto & Tereza Sekiya pela Cambridge University (2007)
>>> Economia Solar Global de Hermann Scheer pela Cresesb (2002)
>>> Alguém Que já Não Fui de Artur da Távola pela Nova Fronteira (1986)
>>> Enquanto Eu Estivesse Fora... de Sue Miller pela Bertrand Brasill (2000)
>>> Infâncias Roubadas o Ser Criança Como Desafio para o Reino de Silvana Bezerra de Castro Magalhães pela Coiô Coiô (2016)
>>> Já Pensou Se Alguém Acha e Lê esse Diário? de Nilza Rezende pela Record (2007)
>>> O Quiabo Comunista de Carlos Eduardo Novaes pela Nordica (1977)
>>> Mulheres ajudando mulheres de elyse Fitzpatrick e carol Cornish pela c p a D (2005)
>>> O poder dos Quietos de Susan Cain pela Agir (2012)
>>> O segredo de Luísa de Fernando Dolabela pela Sextante (2008)
>>> Marley & eu de John Grogan pela Ediouro (2010)
>>> O grande conflito de Ellen G. White pela Casa (2004)
>>> Problemas? OBA ! de Roberto Shinyahiki pela Gente (2011)
>>> Ali and his Camera de Raymond Pizante pela Penguin Readers (2008)
>>> Os 10 hábitos da memorização de Renato Alves pela Gente (2009)
>>> Billy and the Queen de Stephen Rabley pela Penguin Readers (2008)
>>> O código da inteligência de Augusto Cury pela Ediouro (2008)
>>> Manual de Normas Internacionais de Contabilidade: IFRS versus Normas Brasileiras de Ernst & Young - FIPECAFI pela Atlas (2010)
>>> Quem mexeu no meu queijo ? de Spencer Johnson,M.D pela Record (2010)
>>> Desenvolvimento Pessoal e Profissional de Josiane C. Cintra; Keli C. de L. Campos; Tatiane R. Bonfim; Yaeko Ozaki; Rodolfo L. de F. Olivo pela Anhanguera Publicações (2011)
>>> Simon and the Spy de Elizabeth Laird pela Penguin Readers (2008)
>>> 0870707329 de Paola Antonelli pela The Museum of Modern Art (2008)
>>> Contabilidade Financeira de Alessandra Cristina Fahl; José Carlos Marion. pela Anhanguera Publicações (2013)
>>> Perícia Contábil de Antônio Lopes de Sá pela Atlas (2011)
>>> Contabilidade Gerencial: Um Enfoque em Sistema de Informação Contábil de Clóvis Luís Padoveze pela Atlas (2010)
>>> Administração de Idalberto Chiavenato pela Elsevier (2010)
>>> João santana , um marqueteiro no poder de luiz Maklouf carvalho pela Record (2015)
>>> Custos e Formação de Preços de Eunir de Amorim Bomfim; João Passarelli; pela IOb (2011)
>>> Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras de Marcelo Cardoso de Azevedo; Fernando Coelho; José Carlos Ruiz; Paulo Neves. pela Alínea (2010)
>>> Desenvolvimento Econômico de Aderbal O. Damasceno; Ana Paula Avellar; Claúdio César de Paiva; Fernando C. B. Oliveira; Flávio V. Vieira; Michele P. Veríssimo; Suzana F. de Paiva. pela Alínea (2013)
>>> Educação Corporativa: Fundamentos, Evolução e Implantação de Projetos de Marisa Eboli; André Luiz Fischer; Fábio Cássio Costa Moraes; Wilson Ap. Costa de Amorim. pela Atlas (2012)
>>> 100 cronicas Escolhidas de Mauro Mota pela Cepe (2011)
>>> Mole at the Seaside de Julie Davies pela Richmond (2009)
>>> Contabilidade Avançada: Texto e Testes com as Respostas de José Hernandez Perez Junior; Luís Martins de Oliveira. pela Atlas (2012)
>>> Revista Civilização Brasileira 9 - 10 de Revista (Dias Gomes-Moacir Felix diretores) pela Civilização Brasileira (1966)
>>> Smellybear de John Foley pela Richmond (2009)
>>> Modelo de Competências e Gestão dos Talentos de Maria Rita Gramigna pela Pearson (2013)
>>> Contabilidade Pública de Heilio Kohama pela Atlas (2012)
>>> Fundamentos do Mercado de Capitais de Umbelina Cravo Teixeira Lagioia pela Atlas (2011)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/1/2005
Com pouco peso
Eduardo Carvalho

+ de 7800 Acessos
+ 5 Comentário(s)

I

Brugges, na Belgica: uma das minhas cidades preferidas

Há dois meses não publico minha coluna. Os leitores reclamam. Devo uma explicação. Tenho várias. E várias boas notícias também.

O semestre passado foi exigente e estimulante. Precisei acabar as últimas matérias da faculdade. Apareceram, ao mesmo tempo, várias novidades no estágio. Planejei, além disso, uma temporada na Universidade de Oxford, onde estou agora. Esses três fatores, acumulados, nem sempre me deixaram dormir bem. E ainda temos as obrigações normais de, como dizem, um bom filho, que me esforcei para manter: vários esportes, pequenas viagens, muitos jantares.

Mesmo com pouco sono, porém, acordei bem. Minha formatura está marcada para março. Deixo, assim, meu período universitário, que durou mais do que devia. Mas valeu a pena: principalmente pelos momentos que vivi longe da faculdade. Foram muitos: em Cuiabá, em Havana, em Vancouver, em Moscou, no Tocantins, no Alasca, em Roma, em Nova York, em Varsóvia, etc. E em São Paulo, claro, também. Afinal, acabei descobrindo, nos lugares mais distantes - nas piores estradas e nos mais agradáveis restaurantes -, que sempre carrego eu comigo mesmo. Melhor que a bagagem seja leve, portanto.

Carregando pouco peso, então, cheguei na Bélgica, há quinze dias. Em Knokke, para ser preciso: uma cidade que está fora do roteiro de qualquer turista brasileiro. A cidade, quase uma vila, à beira do mar do Norte, é uma espécie de Beverly Hills belga. O que, portanto, significa que não é cafona como Bervely Hills, apesar de van Dame estar lá todo verão. As casas tem nomes inesperados: como Dom Quixote e Peer Gynt, personagens favoritos de quem se interessa por literatura. Quase todos os restaurantes da cidade são excelentes, mas, ainda assim, é bom você ter alguma recomendação confiável, se quiser experimentar a culinária local: uma mariscada gigantesca.

Os melhores lugares de Knokke - ou os mais engraçados, pelo menos - estão escondidos. Como um restaurante perto da floresta, onde, depois da meia noite, a música começa a tocar: e o público local - de, na média, quarenta anos - começa a dançar. O Ministro de Interiores da Belgica, quando eu estava la, só observava o movimento. Não é exatamente o tipo de lugar em que pretendo estar, daqui a vinte anos, numa terça-feira à noite, mas o ambiente, pelo menos, é curioso.

É curioso também que a Bélgica, além de Bruxelas, seja desconhecida por brasileiros. Não deveria. Brugges e Genth, por exemplo, estão entre as cidades mais bonitas da Europa. Tem, aliás, todas as qualidades de Amsterdam - arquitetura medieval, canais abertos e limpos, museus excelentes -, sem os defeitos de Amsterdam: turismo trash, principalmente. E são menores, mais simpáticas, mais charmosas. Brugges - que está entre as minhas cidades favoritas - tem bares e restaurantes maravilhosos. Não me perguntem os nomes: estão até na praça principal, ou escondidos em becos, em ruas estreitas - como o menor bar da cidade, uma preciosidade apertada e engraçada, onde fui num aniversário. E Genth, neste Natal, estava especialmente decorada e iluminada. A impressão, numa noite de inverno - quando pais passeiam com carrinhos de criança e meninos correm pelas ruas - é a de que o mundo não tem problemas. E tem?

II

Oxford

Estou em Oxford há quatro dias. Passei o ano-novo em Antuérpia, na Bélgica, ancorado no porto - com os fogos estourando em nossa volta - e passei quase uma semana, depois, em Paris. Mas todo mundo sabe como é Paris: ou já foi ou já leu sobre, e é aquilo mesmo. Assisti, no boulevard St. Germain, a Dias no Campo, de Raul Ruiz: um filme bonito, de um diretor que, depois de O Tempo Redescoberto, não precisa fazer mais nada. É divertido ver que ainda existe, em Paris, esses intelectuais típicos, com jaqueta de couro e cabeludos, que se escondem na cadeira de um cinema escuro - como se isso lhes turbinasse o pensamento. Mas as meninas interessadas por filmes delicados, sensíveis, também estavam lá. Foi mais uma escala, essa passagem por Paris, para rever a cidade e me preparar, espiritualmente, para os estudos em Oxford - onde passarei, a partir de agora, mais ou menos um mês.

O St. Cross College, onde estou hospedado O St. Cross College, onde estou hospedado, fica no centro de Oxford. No meu quarteirão estão, em uma esquina, o Ashmoleam Museum, uma atração imperdível para estudantes de civilizações clássicas - com várias peças, por exemplo, coletadas e doadas por Lawrence da Arábia, que também estudou aqui; ao lado esquerdo do meu prédio, a três casas, está o pub The Eagle and the Child, onde o grupo de C.S. Lewis e J.R.R. Tolkien se reunia para conversar sobre a Idade Média - conversas que estimularam a imaginação de Tolkien, enquanto escrevia O Senhor dos Anéis.

A vista do apartamento em que estou hospedado é a fachada do St. Johns College, o mais rico da Universidade. As janelas do meu apartamento, em formato de vitral de igreja barroca, são parcialmente encobertas, no meu quarto, pelos retângulos que decoram a fachada do St. Cross, como em um castelo medieval. Duas capelas, de aproximadamente quatrocentos anos, estão dentro de St. Cross, e tenho quase que atravessá-las quando chego no college.

O St. John's College, em frente ao meu flat A Universidade de Oxford tem quase 900 anos. Os 35 colleges que a compõe foram fundados em diferentes períodos - mas existe, entre a maioria dos prédios, uma harmonia, uma certa unidade entre suas diferentes fachadas. O St. Cross é um college pequeno, e está instalado num prédio relativamente novo - de quase trezentos anos, no estilo convencional da Universidade: com seus tijolos cor de mel e uma porta pesada e enorme, de madeira, sempre fechada. Para quem já assistiu ao Inspetor Morse, filmado em Oxford, o ambiente pode ser assustador. Eu nunca assisti. Quando chego no college, à noite, abro, com um chip, essa porta de uma tonelada, e subo uma escada de pedra. Atravesso corredores labirínticos, com gravuras da Universidade nas paredes, e fotos de estudantes antigos, e as luzes, enquanto ando, se acendem automaticamente.

Os jardins de Oxford - especialmente dentro dos colleges - são impecáveis. O de St. Cross, por exemplo, é dividido por arcos, em duas partes, no centro do college, para onde a sala de estar e os escritórios têm vista. Os jardins mais bonitos de Oxford, aliás, devem ser os do Magdalen College, onde estudaram Oscar Wilde e Vinicius de Moraes, à beira do Rio Cherwell e em frente ao Jardim Botânico da Universidade. Num passeio pela beira do rio, atrás da residência dos estudantes, lembramos de Vinicius, aos 24 anos, pulando a janela do seu quarto, à noite, para se encontrar com a Tati, que veio lhe visitar.

Oxford, para um estudante, é talvez o melhor ambiente do mundo. Você anda pelas ruas, e parece que todos os habitantes têm entre 20 e 30 anos - exceto os professores, que, aliás, têm normalmente a cara e o estilo de um professor de Oxford, incluindo a bengala. Você olha, pelas janelas, o interior das salas dos colleges, e estão todas cheias de livros, do chão ao teto. Oxford oferece, ao mesmo tempo, um ambiente vibrante e aconchegante. No bistrô em que janto às vezes, por exemplo, como pelo menos tão bem quanto nos melhores de Paris - e ainda ouço, por acaso, trechos de conversas extremamente interessantes, como o futuro dos semicondutores ou a nova tendência na arquitetura japonesa.

Bill Clinton, que estudou no University College, disse que, deslumbrado com a cidade, andou 14 horas por dia em suas primeiras duas semanas aqui. É compreensível. Eu cheguei em Oxford há quatro dias. Ainda não andei tudo isso. Andarei, talvez. Mas, ainda assim, a gente desenvolve, depois de várias viagens, uma postura menos assustada, menos deslumbrada com novos lugares - como se todos fossem, afinal, uma extensão da nossa casa.

Essa postura nos ajuda inclusive a aproveitar melhor outros lugares. Voce não visita outro planeta nem se transforma em outra pessoa. Viajar não é uma experiencia intergaláctica nem transcedental. Aprendemos que - em Oxford ou em Osasco - o importante é, sempre, carregar pouco peso: e levar apenas o que é especial, essencial. E um bom espírito não pesa nada.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 14/1/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. Do abraço genital ao abraço virtual de Jardel Dias Cavalcanti
03. Meu nome é Gavião... de Félix Maier
04. Erik Satie de Nemo Nox


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2005
01. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005
02. Minha formatura - 5/8/2005
03. Uma conversa íntima - 11/2/2005
04. A prática e a fotografia - 25/2/2005
05. Com pouco peso - 14/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/1/2005
17h43min
Aproveita essa viagem! Depois de todo esse passeio, trabalhar em Oxford por um tempo foi uma ótima escolha e oportunidade. Você está em uma das melhores cidades do mundo! Seu texto está muito bem escrito; continue expondo suas idéias e experiências no Digestivo, pois você, como todo colunista, também tem aqueles leitores que o acompanham e, quando deixa de escrever, sentem sua falta. Boa viagem, divirta-se! Beijos.
[Leia outros Comentários de Maria Alice Andrade]
14/1/2005
09h01min
Estava com saudades, acredite, apesar de eu não ter reclamado, sempre procurava por sua coluna. Fiquei feliz em saber como vc está e quanto vai aproveitar este momento! Vc sabe como, disso eu não tenho dúvidas! Vera Lúcia
[Leia outros Comentários de Vera Lúcia]
18/1/2005
10h41min
Essa coluna foi bem inspiradora! Você sabe aproveitar muito bem suas viagens, e enxergar coisas interessantíssimas em pontos que muitos de nós nem percebem. Seu último parágrafo foi particularmente sugestivo. Abraços!
[Leia outros Comentários de Luiz Pereda]
18/1/2005
18h22min
Como voce escreve bem, nao esquece de ver algumas historias minhas, viu? Temos coisas em comum e eu vou pra la no oxford um dia! Boa sorte q vc merece, bjs
[Leia outros Comentários de Leticia ]
19/1/2005
17h02min
Sua coluna e seu comentário sobre o filme Tempo Redescoberto me fazem pensar que, sobretudo em suas viagens, você ultrapassa o mero deslumbramento com o encanto aparente das coisas. Não olha apenas, radiografa - "(...) mesmo jantando em sociedade não via os presentes, pois quando acreditava olhá-los eu os radiografava (...)", Marcel Proust. Isso transparece em seu texto, em outros também. Continue escrevendo!
[Leia outros Comentários de Camila Junqueira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS SOBRINHAS DA BRUXA ONILDA & CINDERELA - (LITERATURA INFANTIL)
M. COMPANY E R. CAPDEVILA
SCIPIONE
(1997)
R$ 10,00



A AGENDA DE CAROL
INÊS STANISIERE
LEITURA
(2007)
R$ 10,00



CURSO DE DIREITO CIVIL VOL. 1
WASHINGTON DE BARROS MONTEIRO
SARAIVA
(1997)
R$ 10,00



EMA LADY HAMILTON A DIVINA DAMA
F. W. KENYON
ITATIAIA
(1930)
R$ 10,00



O SORRISO DO GATO
FRANÇOIS MASPERO
NOVA FRONTEIRA
(1988)
R$ 10,00



FULL FRONTAL FASHION
MELISSA SONES
PENGUIN BOOKS
(2005)
R$ 10,00



A VIDA DE ALLAN KARDEC PARA AS CRIANÇAS 9600
CLÓVIS TAVARES E NINA ARUEIRA
LAKE
(2009)
R$ 10,00



SCRIPTA: LINGUISTICA E FILOLOGIA VOL2 NÚMERO 4
PTOF. PE. GERALDO MAGELA TEIXEIRA
PUC MINAS
(1999)
R$ 10,00



PARA QUERER BEM
MANUEL BANDEIRA
MODERNA
(2005)
R$ 10,00



REENCARNAÇÃO E VIDA
AMÁLIA DOMINGO SOLER
INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPIRITA
R$ 10,00





busca | avançada
71136 visitas/dia
2,4 milhões/mês