Minha história com Marisa Monte | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
35004 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fernanda Young (1970-2019)
>>> Estratégia das Privatizações
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A polêmica da leitura labial
>>> A ousadia de mudar de profissão
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> O Livro dos Insultos, de H.L. Mencken
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Sobre o Ronaldo gordo
>>> Do inferno ao céu
>>> Para entender Paulo Coelho
>>> O amor que choveu
Mais Recentes
>>> Como Trabalhar Para Um Idiota de John Hoover pela Saraiva (2010)
>>> Não Tenha Medo De Ser Chefe de Bruce Tulgan pela Sextante (2009)
>>> Fui Promovido! E Agora? de Roberto Ruban pela M. Books (2010)
>>> Faça O Que Tem De Ser Feito de Bob Nelson pela Sextante (2003)
>>> Deixar de Fumar O que Você Precisa Saber de Jorge Schemes pela Dpl (2004)
>>> Casamento Blindado de Renato & Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2012)
>>> Pai Rico Pai Pobre de Robert T. Kiyosaki pela Campus (2000)
>>> De Volta Ao Mosteiro de James C. Hunter pela Sextante (2014)
>>> Ufo Os Códigos Proibidos de Alfredo Lissoni pela Madras (2007)
>>> 12 Meses Para Enriquecer. O Plano da Virada de Marcos Silvestre pela Lua de Papel (2010)
>>> O Flagelo de Hitler de Albert Paul Dahoui pela Lachâtre (2012)
>>> Comunicação Global:A Mágica da Influência de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> Comunicação Global:A Mágica da Influência de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> Comunicação Global: Aumentando Sua Inteligência Interpessoal de Dr. Lair Ribeiro pela Rosa dos tempos/ RJ. (1992)
>>> Temperamento forte e bipolaridade de Diogo Lara pela Do autor (2004)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1993)
>>> O Sucesso Não Ocorre por Acaso/ Incluindo as 18 Leis Universais ... de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ.
>>> As Chaves da Autoconfiança: um Guia Avançado para Vencer na Vida de Robert Anthony pela Best Seller/ SP. (1989)
>>> Estruturas Clínicas de Freud a Lacan Travessia Nº 3 Jan/94 de Vários pela Gráfica da Ufes (1994)
>>> Viabilizando Talentos:Como Semear o Crescimento Pessoal e Profissional de J. R. Gretz pela Florianópolis (1997)
>>> O inumano: considerações sobre o tempo de Jean-François Lyotard pela Estampa (1997)
>>> Toque de Midas: Dinheiro, Poder e Riqueza, do Oriente ao Ocidente de Anthony Sampson pela Best Seller/ SP. (1989)
>>> Prepare-se para Enriquecer... de R. Stanganelli pela Eparma (1983)
>>> Viajando no Tempo: Recriando Seu Passado- Criando Seu Futuro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1994)
>>> Viajando no Tempo: Recriando Seu Passado- Criando Seu Futuro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1994)
>>> Apometria...E Por que Não? de Marcel Benedeti pela Mundo Maior (2008)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade Com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Prosperidade: Fazendo Amizade Com o Dinheiro de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva/ RJ. (1992)
>>> Concubinos: União Estável no Novo Código Civil/ Encad. de João Roberto Parizatto/ Autografado pela Edipa: Ed. Parizatto (2002)
>>> Principios Para Uma Clinica Antimanicomial e outros escritos 1 edição de Ana Marta Lobosque pela Hucitec (1997)
>>> Direito Administrativo de Diógenes Gasparini pela Saraiva/ SP. (1995)
>>> Recursos Humanos: Crise e Mudanças de Flávio de Toledo pela Atlas/ SP. (1989)
>>> Análise Sintática: a Oração na Frase Portuguesa de Antonio de Abreu Rocha/autografado pela São Vicente/ Belo Horizonte (1957)
>>> Filologia e Gramatica: Referente À Língua Portuguesa de J. Mattoso Câmara Jr pela J. Ozon Editor/ RJ. (1968)
>>> A Análise Matemática do Estilo: Aplicação do Processo de Fucks... de Tulo Hostílio Montenegro pela Ibge: / RJ. (1956)
>>> Atlas Previo dos Falares Baianos de N. Rossi pela Imprensa Nacional: Inl: Rio (1965)
>>> Sintomas Mórbidos - A Encruzilhada da Esquerda Brasileira de Sabrina Fernandes pela Autonomia Literária (2019)
>>> Trechos Selectos (trechos Seletos): Com uma Introdução ... de Sousa da Silveira pela Typogr. Bernard Frères/ RJ. (1919)
>>> Revolução Africana - Uma antologia do pensamento marxista de Jones Manoel e Gabriel Landi (orgs.) pela Autonomia Literária (2019)
>>> Antifa - O Manual Antifascista de Mark Bray pela Autonomia Literária (2019)
>>> A Narrative of Travels on the Amazon and Rio Negro de Alfred Russel Wallace (ll. D) pela Ward, Lock/ B. and Co. London (1892)
>>> O Ponto Zero da Revolução - Trabalho Doméstico, Reprodução e Luta Feminista de Silvia Federici pela Elefante (2019)
>>> Calibã e a Bruxa - Mulheres, Corpo e a Acumulação Primitiva de Silvia Federici pela Elefante (2017)
>>> Ah! Eu Não Acredito! de Sérgio Almeida pela Casa da Qualidade (2001)
>>> As Aventuras de Pedro Malasarte de Sérgio Augusto Teixeira pela Ediouro
>>> O'Hurley's Return de Nora Roberts pela Visit Silhouette Books (2010)
>>> Glory in Death de Nora Roberts (Writing as J. D. Robb) pela Berkley (2000)
COLUNAS

Quarta-feira, 3/5/2006
Minha história com Marisa Monte
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4800 Acessos

Não sou especialista em música e nem faço esse tipo de crítica como se fosse coisa séria. Talvez por isso eu mereça ser lida. Justamente por declarar meu amor e meu ódio ao artista que me definiu como fã, até o dia em que me senti abandonada em meu gosto inocente de ouvinte apaixonada. Talvez por isso eu possa dizer, sem compromisso e sem muita afetação, de um gosto como o de muitas pessoas. Gosto que tem força, mas não é inabalável.

Ainda na década de 1980, eu conheci a voz de uma moça que tinha ares do oriente médio. Sobrancelha grossa, cabelos soltos e ondulados, olhar itinerante, voz de sereia. Lembro até hoje de percorrer as lojas de discos, ainda vinis, do centro de Belo Horizonte em busca de um CD chamado MM. Não encontrava, ninguém tinha, e ninguém sabia direito quem era ela.

Lembro de aprender a pronunciar "E pó che fa", para dizer o nome da música da novela em italiano. Era das piores do CD, como geralmente acontece às "músicas de trabalho". Mas eram interessantes as versões de "Negro Gato" e de "Porgy and Bess". A moça misturava português com inglês, fazia duos improváveis e tinha peito para cantar o que as musas do jazz americano já haviam sublimado.

Essa era Marisa Monte. Garimpeira de repertórios, dona de grande autocrítica e de um sensacional talento de encontrar a música que melhor lhe caía na garganta.

Anos depois de descoberta por trilhas da Globo, Marisa apareceu com um CD autoral: Mais. Havia, nitidamente, se aproximado dos Titãs, e gravava ali as canções feitas por e para ela. "Diariamente", apesar de saída dos arquivos de listas de Nando Reis, tinha um clima de dia ensolarado. Bem-tocado e bem-cantado, o CD era a virada de Marisa do garimpo para o pop. Não foi à-toa que "Ainda lembro" apareceu nas trilhas do rádio e quem nunca ouvira falar na cantora já se sentia seu fã.

"Beija eu" foi o hit que explicitou a parceria, nunca terminada, de Marisa com Arnaldo Antunes. Vale a pena dedicar o próximo parágrafo aos Titãs, que começaram "Titâs do Iê-iê-iê" e hoje quase só vivem de músicas com letras de auto-ajuda.

Os Titãs também começaram sua carreira com discos perdidos entre um som Kid Abelha e uma levada rock'n'roll. Até o Cabeça Dinossauro, que os projetou, só haviam gravado memórias de estúdio. Os Titãs são um desses fenômenos que a sociologia adora estudar. Juntos são muito mais do que suas partes isoladas. Não se explica o que cada um deles faz solo, apenas do que são e, principalmente, do que já foram juntos.

Pois bem, num desses isolamentos dos Titãs, Arnaldo Antunes compôs com Marisa Monte. Bem-sucedida a parceria, mais tarde deu até em Tribalistas, que foi quando resolvi brigar com a cantora até que ela se redimisse a voltasse ao CD-player do meu carro (que é o único lugar em que tenho ouvido música).

Para abreviar o nome, Cor-de-rosa e carvão apareceu para variar a levada pop de Marisa. Nele, era possível ouvir "Balança Pema", espécie de forrozinho que funcionava bem até em festas. Marisa pôs nas paradas "Segue o seco" e "Maria", duas bem-sucedidas canções de fazer clipe. "Segue o seco" abria as portas para Carlinhos Brown, que é bom mesmo nos bastidores.

Mais tarde, eis que aparece Marisa com as Crônicas, transgênero que faz brincarem música e literatura. Daí já não sei mais dizer muita coisa. Foi um CD que ouvi cinco ou seis vezes e nem chegou a entrar no carro. Certo desinteresse intuitivo já me indicava os Tribalistas, cujo lançamento me deixou mesmo lamentosa. Parecia muito um programa de marketing, no mau sentido, em que tudo estava projetado como uma arapuca para pegar quem ainda não havia comprado presente de Natal. Eu sei, eu sei que algumas canções podem até ser bonitinhas, mas não era mais a Marisa Monte das divas do jazz, nem do canto limpo, nem mesmo era o Arnaldo Antunes dos discos ou dos livros. Não comprei.

Eu, como fã de Marisa, era condicional: não compro. Fiz minha greve particular, que sei que não fez a mínima diferença para ela. E nem era esse o meu intento. Marisa seria sempre Marisa. Enquanto eu deixava de comprar, quantos mil outros o faziam para dar de presente com laço de fita. Mas davam, no mesmo pacote e na mesma data, um CD de axé e um de pagode. Um sertanejo brega e um disco de trilha de novela. Marisa, para mim, não tinha mais identidade. Perdera o rigor, assim como a personalidade. Mas também me esforcei para entender que os Tribalistas não era ela. Adiante.

Gostar de Marisa Monte me fazia uma fã sua. Embora ela não soubesse, eu queria mesmo era a voz do primeiro CD. Queria ouvir na voz dela as músicas de Ella. Atrevia-me até a pensar para ela uns repertórios, mas ficavam para mim. Doía-me pensar que os mil compradores do CD de Marisa não a diferenciavam de "uma-zinha" qualquer. Compravam o CD porque uma, e apenas uma, música estava na moda. E para mim, valia mais o amor que eu tinha pela carreira da cantora do que aquele milhar de fãs de minuto.

Não vou à mesma livraria há anos à-toa. Vou porque tenho vivência espiritual lá. Não vou porque está na moda. Vou porque gosto do atendimento, escolho meus livros, leio na mesinha do canto, como uns pães de queijo, tomo um capucino, compro com desconto e saio feliz. Vou porque lá tem um ambiente que me agrada. Não sairá de moda enquanto eu souber o que quero e do que gosto. Já o leitor que compra em qualquer lugar, não sente o que há de especial nas coisas, nas mesas, nos garçons, afora uma diferença micro de preço.

Era isso, para mim, ouvir Marisa: discrepá-la do resto das cantoras. Comprar os CDs sem jamais ler a crítica especializada. Passar meses ouvindo as mesmas músicas, só para formar meu gosto e ser afetada por uma opinião.

E desde os Tribalistas que achei que Marisa não povoaria mais meus alto-falantes. No entanto, na semana passada, entrei numa loja e, sem pestanejar, comprei os dois CDs novos da cantora. Sem dó, de uma vez, sem barganha ou delonga.

Trouxe Marisa para o carro e escondi a capa do CD dentro do porta-luvas. Há semanas venho ouvindo o mesmo CD de sambas, canções cuidadosamente garimpadas pela musa de outrora. E tive, novamente, a sensação de que este Universo ao meu redor cumpre o papel que eu queria: voltar Marisa à mais alta conta do meu gosto musical.

Não sou do samba e nem sei bem do percurso desse gênero musical. Não conheço compositores antigos e nem faço parte de qualquer movimento sambista. Estou é curtindo a idéia de ser apresentada aos sambinhas da época do meu avô pela voz da Marisa Monte. Destaco duas canções, ao menos, que me surpreendem e me trazem arrepios: "Vai saber?" e "O Bonde do Dom". A primeira me deixou pasma quando soube que era composição de Adriana Calcanhoto. E não apenas isso. O arranjo tem lá ao menos uma trinca das cordas dos Morelenbaum. Perfeito. Cantos e contracantos, mil mesmas vozes de Marisa. "Bonde do Dom" é parceria manjada de Marisa, o Arnaldo ex-Titã e Carlinhos Brown, mas nem mesmo se parece com o que se fez nos tribais de antes.

Ainda estou por conhecer o CD gêmeo: Infinito particular, que deve entrar em meu carro daqui a duas semanas. Mais ou menos autoral? Vai saber?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 3/5/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Excessos de Marta Barcellos
02. Um grande sarau na região de Campos do Jordão de Tatiana Cavalcanti
03. O senhor das gotas de Arcano9
04. Duas formas de perder a virgindade no West End de Arcano9


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CARTAS AOS MEUS AMIGOS - FRANZ KAFKA (LITERATURA ALEMÃ)
FRANZ KAFKA
NOVA ÉPOCA EDITORIAL
R$ 15,00



OS LUSÍADAS DE CAMÕES
LUÍS DE CAMÕES PREF. ALVARO JULIO
INSTITUTO CAMÕES
(2000)
R$ 37,39



PSICOLOGIA CIÊNCIA E PROFISSÃO -Nº 1
CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA
PEPSIC
(2009)
R$ 6,00



LÁZARO: A AMIZADE NA BÍBLIA
MARCO GARZONI
PAULINAS
(1997)
R$ 12,82



E. BOUDIN NO BRASIL
JOSÉ ROBERTO TEIXEIRA LEITE

R$ 25,00



QUEDA DE GIGANTES
KEN FOLLETT
SEXTANTE
(2010)
R$ 25,00



O QUE É REVOLUÇÃO UTOPIA - ANARQUISMO
FLORESTAN FERNANDES- TEIXEIRA COELHO - CAIO TULIO
CIRCULO DO LIVRO
R$ 6,90



AFINAL, QUEM SOMOS?
PEDRO GRANJA
EDICEL
(1981)
R$ 40,00



CIENCIAS NATURAIS - APRENDENDO COM O COTIDIANO
EDUARDO LEITO DO CANTO
MODERNA DIDÁTICOS
(2013)
R$ 7,00



SEUS PONTOS FRACOS
DR. WAYNE W. DYER
RECORD
(1976)
R$ 6,80





busca | avançada
35004 visitas/dia
1,0 milhão/mês