Minha história com Marisa Monte | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Leblon
>>> Uma entrevista literária
>>> A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
>>> Salinger, de David Shields e Shane Salerno
>>> O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> #ImpeachemnetPapaFrancisco
>>> Presenças
>>> Se você não fosse tão burro...
Mais Recentes
>>> Chico Xavier Nº 1 Vida e Obra de Vários Autores pela Escala
>>> Terra meus primeiros 4,54 Bilhões de Anos 379 de Stacy McAnulty pela Melhoramentos (2022)
>>> O Ressurgimento de Fátima de Trigueirinho pela Pensamento (1992)
>>> O Patinho Matemático 379 de Jean-Claude Alphen pela Melhoramentos (2017)
>>> Te Quero Verde (ótimo estado) de Ieda Martins De Oliveira pela Cpb (1999)
>>> Roteiro - Pocket de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1994)
>>> Com Vacina tudo em Cima 379 de Carme Dolz pela Melhoramentos (2022)
>>> A História do Lobo Solitário 379 de Lúcia Brandão pela Melhoramentos (2022)
>>> A Política do Precariado do Populismo à Hegemonia Lulista de Ruy Braga pela Boitempo (2012)
>>> Nosso corpo é Demais 379 de Tyler Feder pela Melhoramentos (2022)
>>> A Menina e o Vestido de Sonhos 379 de Alexandre Rampazo pela Melhoramentos (2022)
>>> Cosmogênese de Dr. Jorge Adoum pela Feeu (1977)
>>> Araxá - Põe a Mesa - Vol. 2 de Fernando Braga de Araújo pela O Lutador
>>> Os Fundamentos Da Fisica 1- Mecanica - 7ª Ed (muito bom) de Toledo Ramalho, Nicolau pela Moderna (2000)
>>> O Trabalho no Mundo Contemporâneo: fundamentos e desafios para a saúde de Ialê Falleiros Braga, Muza Clara Chaves Velasques e outros (Orgs.) pela Fiocruz (2016)
>>> A Garota que não se Calou de Daré pela Tag (2021)
>>> "Eu Sou" o "Eu Sou" de Ponte Para a Liberdade pela Feeu (1979)
>>> Escravidão Volume 1 de Laurentino Gomes pela Globo Livros (2019)
>>> O Novo Livro de Massagem de Lucy Lidell / Sara Thomas pela Manole (2000)
>>> Ultimate Guide to Link Building de Eric Ward pela Entrepreneur (2013)
>>> Herdeiras do Mar de Mary Lynn Bracht pela Paralele (2020)
>>> A serra do rola-moça de Martinho da Vila pela Zfm (2009)
>>> Sexo, Amor e Sedução (como novo) de Fatima Moura pela Harbra (2006)
>>> Dom Quixote vol. 1 de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural (1981)
>>> Potestade de Gleides Giorgio Affonso (Org) pela Átomo (1999)
COLUNAS

Quarta-feira, 3/5/2006
Minha história com Marisa Monte
Ana Elisa Ribeiro
+ de 5800 Acessos

Não sou especialista em música e nem faço esse tipo de crítica como se fosse coisa séria. Talvez por isso eu mereça ser lida. Justamente por declarar meu amor e meu ódio ao artista que me definiu como fã, até o dia em que me senti abandonada em meu gosto inocente de ouvinte apaixonada. Talvez por isso eu possa dizer, sem compromisso e sem muita afetação, de um gosto como o de muitas pessoas. Gosto que tem força, mas não é inabalável.

Ainda na década de 1980, eu conheci a voz de uma moça que tinha ares do oriente médio. Sobrancelha grossa, cabelos soltos e ondulados, olhar itinerante, voz de sereia. Lembro até hoje de percorrer as lojas de discos, ainda vinis, do centro de Belo Horizonte em busca de um CD chamado MM. Não encontrava, ninguém tinha, e ninguém sabia direito quem era ela.

Lembro de aprender a pronunciar "E pó che fa", para dizer o nome da música da novela em italiano. Era das piores do CD, como geralmente acontece às "músicas de trabalho". Mas eram interessantes as versões de "Negro Gato" e de "Porgy and Bess". A moça misturava português com inglês, fazia duos improváveis e tinha peito para cantar o que as musas do jazz americano já haviam sublimado.

Essa era Marisa Monte. Garimpeira de repertórios, dona de grande autocrítica e de um sensacional talento de encontrar a música que melhor lhe caía na garganta.

Anos depois de descoberta por trilhas da Globo, Marisa apareceu com um CD autoral: Mais. Havia, nitidamente, se aproximado dos Titãs, e gravava ali as canções feitas por e para ela. "Diariamente", apesar de saída dos arquivos de listas de Nando Reis, tinha um clima de dia ensolarado. Bem-tocado e bem-cantado, o CD era a virada de Marisa do garimpo para o pop. Não foi à-toa que "Ainda lembro" apareceu nas trilhas do rádio e quem nunca ouvira falar na cantora já se sentia seu fã.

"Beija eu" foi o hit que explicitou a parceria, nunca terminada, de Marisa com Arnaldo Antunes. Vale a pena dedicar o próximo parágrafo aos Titãs, que começaram "Titâs do Iê-iê-iê" e hoje quase só vivem de músicas com letras de auto-ajuda.

Os Titãs também começaram sua carreira com discos perdidos entre um som Kid Abelha e uma levada rock'n'roll. Até o Cabeça Dinossauro, que os projetou, só haviam gravado memórias de estúdio. Os Titãs são um desses fenômenos que a sociologia adora estudar. Juntos são muito mais do que suas partes isoladas. Não se explica o que cada um deles faz solo, apenas do que são e, principalmente, do que já foram juntos.

Pois bem, num desses isolamentos dos Titãs, Arnaldo Antunes compôs com Marisa Monte. Bem-sucedida a parceria, mais tarde deu até em Tribalistas, que foi quando resolvi brigar com a cantora até que ela se redimisse a voltasse ao CD-player do meu carro (que é o único lugar em que tenho ouvido música).

Para abreviar o nome, Cor-de-rosa e carvão apareceu para variar a levada pop de Marisa. Nele, era possível ouvir "Balança Pema", espécie de forrozinho que funcionava bem até em festas. Marisa pôs nas paradas "Segue o seco" e "Maria", duas bem-sucedidas canções de fazer clipe. "Segue o seco" abria as portas para Carlinhos Brown, que é bom mesmo nos bastidores.

Mais tarde, eis que aparece Marisa com as Crônicas, transgênero que faz brincarem música e literatura. Daí já não sei mais dizer muita coisa. Foi um CD que ouvi cinco ou seis vezes e nem chegou a entrar no carro. Certo desinteresse intuitivo já me indicava os Tribalistas, cujo lançamento me deixou mesmo lamentosa. Parecia muito um programa de marketing, no mau sentido, em que tudo estava projetado como uma arapuca para pegar quem ainda não havia comprado presente de Natal. Eu sei, eu sei que algumas canções podem até ser bonitinhas, mas não era mais a Marisa Monte das divas do jazz, nem do canto limpo, nem mesmo era o Arnaldo Antunes dos discos ou dos livros. Não comprei.

Eu, como fã de Marisa, era condicional: não compro. Fiz minha greve particular, que sei que não fez a mínima diferença para ela. E nem era esse o meu intento. Marisa seria sempre Marisa. Enquanto eu deixava de comprar, quantos mil outros o faziam para dar de presente com laço de fita. Mas davam, no mesmo pacote e na mesma data, um CD de axé e um de pagode. Um sertanejo brega e um disco de trilha de novela. Marisa, para mim, não tinha mais identidade. Perdera o rigor, assim como a personalidade. Mas também me esforcei para entender que os Tribalistas não era ela. Adiante.

Gostar de Marisa Monte me fazia uma fã sua. Embora ela não soubesse, eu queria mesmo era a voz do primeiro CD. Queria ouvir na voz dela as músicas de Ella. Atrevia-me até a pensar para ela uns repertórios, mas ficavam para mim. Doía-me pensar que os mil compradores do CD de Marisa não a diferenciavam de "uma-zinha" qualquer. Compravam o CD porque uma, e apenas uma, música estava na moda. E para mim, valia mais o amor que eu tinha pela carreira da cantora do que aquele milhar de fãs de minuto.

Não vou à mesma livraria há anos à-toa. Vou porque tenho vivência espiritual lá. Não vou porque está na moda. Vou porque gosto do atendimento, escolho meus livros, leio na mesinha do canto, como uns pães de queijo, tomo um capucino, compro com desconto e saio feliz. Vou porque lá tem um ambiente que me agrada. Não sairá de moda enquanto eu souber o que quero e do que gosto. Já o leitor que compra em qualquer lugar, não sente o que há de especial nas coisas, nas mesas, nos garçons, afora uma diferença micro de preço.

Era isso, para mim, ouvir Marisa: discrepá-la do resto das cantoras. Comprar os CDs sem jamais ler a crítica especializada. Passar meses ouvindo as mesmas músicas, só para formar meu gosto e ser afetada por uma opinião.

E desde os Tribalistas que achei que Marisa não povoaria mais meus alto-falantes. No entanto, na semana passada, entrei numa loja e, sem pestanejar, comprei os dois CDs novos da cantora. Sem dó, de uma vez, sem barganha ou delonga.

Trouxe Marisa para o carro e escondi a capa do CD dentro do porta-luvas. Há semanas venho ouvindo o mesmo CD de sambas, canções cuidadosamente garimpadas pela musa de outrora. E tive, novamente, a sensação de que este Universo ao meu redor cumpre o papel que eu queria: voltar Marisa à mais alta conta do meu gosto musical.

Não sou do samba e nem sei bem do percurso desse gênero musical. Não conheço compositores antigos e nem faço parte de qualquer movimento sambista. Estou é curtindo a idéia de ser apresentada aos sambinhas da época do meu avô pela voz da Marisa Monte. Destaco duas canções, ao menos, que me surpreendem e me trazem arrepios: "Vai saber?" e "O Bonde do Dom". A primeira me deixou pasma quando soube que era composição de Adriana Calcanhoto. E não apenas isso. O arranjo tem lá ao menos uma trinca das cordas dos Morelenbaum. Perfeito. Cantos e contracantos, mil mesmas vozes de Marisa. "Bonde do Dom" é parceria manjada de Marisa, o Arnaldo ex-Titã e Carlinhos Brown, mas nem mesmo se parece com o que se fez nos tribais de antes.

Ainda estou por conhecer o CD gêmeo: Infinito particular, que deve entrar em meu carro daqui a duas semanas. Mais ou menos autoral? Vai saber?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 3/5/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Autobiografia musical de Gian Danton


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cozinhando Com o Microondas Vol 1 (1995)
Não Especificado
Circulo do Livro
(1995)



Fabrica e a Cidade Ate 1930, a - a Vida no Tempo
Nicolina Luiza de Petta
Atual
(2002)



Port Out , Starboard Home
Michael Quinion
Penguin Uk
(2005)



Os Subterrâneos da Liberdade Iii - a Luz no Túnel 1974
Jorge Amado
Martins Fontes
(1951)



O Imperador Vol. 4 - os Deuses da Guerra - Confira!
Conn Iggulden
Record
(2008)



Scooby-doo! Em Múmias no Shopping
Gail Herman
Babel
(2011)



1808 - Edição Juvenil - Laurentino Gomes
Laurentino Gomes
Planeta Jovem
(2009)



Quem é essa Mulher Vestida de Sol
Biba Arruda
Gente
(1998)



Uma Estranha Aventura Em Talalai
Joel Rufinho dos Santos
Pioneira
(1982)



Livro da Familia - Coleção Pessoinhas - Natureza e Sociedade 2
Ruth Rocha; Anna Flora / 1ª Ed
Ftd
(2010)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês