Vida e morte do Correio da Manhã | Ruy Castro

busca | avançada
28258 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
>>> Quando a alma é visível
>>> A MECÂNICA CELESTE
>>> Diagnóstico falho
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Animismo
>>> Para tudo existe uma palavra
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Entrevista com André Fonseca
>>> Google: utopia ou distopia?
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> A Casa do Saber no Rio de Janeiro
>>> Marcel Proust e o tempo reencontrado
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
Mais Recentes
>>> Saara de Suzane Worcman pela Relume Dumara (2000)
>>> A Antecipação da Tutela Ex Officio de Fernando Luís França pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2003)
>>> Música e Literatura de Federico Sopena pela Nerman (1989)
>>> Paz e guerra entre as nações de Raymond Aron pela UnB (1979)
>>> Palavra de Advogado de José Anchieta da Silva/ Autografado pela Del Rey/ Belo Horizonte (2012)
>>> Dez Anos da Lei de Arbitragem: Aspectos Atuais e Perspectivas... de Ana Paula Rocha do Bomfim (e outro): Coord. pela Lumen Juris (2007)
>>> Responsabilidade e Eticidade de José Jairo Gomes pela Del Rey/ Belo Horizonte (2005)
>>> A Era da Globalismo de Octavio Ianni pela Civilização Brasileira (1996)
>>> História Sincera da República de Leôncio Basbaum pela Alfa-Omega (1985)
>>> Á Sombra de Hipocrates de Orlando de Albuquerque pela Appacdm (1995)
>>> Psicologia del Niño de Jean Piaget - Bärbel Inhelder pela Ediciones Morata, Madrid (1969)
>>> História da Literatura: Oriental, Grega, Latina... S/ Versificação de Marques da Cruz pela Comp. Melhoramentos de SP. (1933)
>>> Cenário Mundial - A Nova ordem Internacional de Cláudio Vicentino , Reinaldo Scalzaretto pela Scipione (1992)
>>> Sexualidade da Mulher Brasileira: Corpo e Classe Social no Brasil de Rose Marie Muraro (e Cola boradores) pela Vozes/ Petrópolis (1983)
>>> Desigualdade Reexaminada de Amartya Sen pela Record (2001)
>>> Eclipse de Lua um Dossiê Sobre a Menopausa de Alberto Goldin pela Relume (1994)
>>> Religião e Politização no Brasil ´A Igreja e o regime Autoritário de Thomas c. Bruneau pela Loyola (1979)
>>> Facts About Israel de Edited By Ellen Hirsch pela Israel Information Center (1996)
>>> Clássicos da Educação Brasileira- Volume 1 de Maria do Carmo Xavier: Organizadora pela Mazza/ Fapemig (2010)
>>> Marxismo Vivo - Revista N: 18 -Crise dos Alimentos -O Imperialismo e a fome -Campo Argentino , A rebelião dos ricos divide a esquerda de Revista Marxismo Vivo pela Marxismo Vivo (2008)
>>> Ritos de Passagem da Nossa Infância e Adolescência de Fanny Abramovich: Organização pela Summus Editorial (1985)
>>> Jakob: o Mentiroso de Jurek Becker pela Companhia das Letras/SP. (1987)
>>> Jakob: o Mentiroso de Jurek Becker pela Companhia das Letras/SP. (1987)
>>> Sociologia & Administração de Reinaldo Dias pela Alínea (2001)
>>> A Hora de Cinquenta Minutos: ... Contos Psicanalíticos Verídicos de Robert Lindner pela Imago (1972)
>>> Cousteau-Uma Biografia de Axel Madsen pela Campus (1989)
>>> Sexologia Forense de Orlando Soares pela Lfb (1996)
>>> Ética de Newton Bignotto e outros pela Companhia das Letras (1993)
>>> Nanook - Ele está chegando de Gustavo Bernardo pela Rocco (2016)
>>> Design e comunicação visual de Bruno Munari pela Martins Fontes (2006)
>>> Do Luxo ao Fardo de Pedro Salem pela Relume Dumara; (2004)
>>> Administração , Poder e Ideologia de Maurício Tragtenberg pela Unesp (2004)
>>> O caçador de pipas de Khaled Hosseini pela Nova fronteira (2005)
>>> Três Casos Policiais de Mário Livramento de Flávio Moreira da Costa pela Ediouro (2003)
>>> Grande Sertão - Veredas de João Guimarães Rosa pela Nova fronteira (2019)
>>> Memórias sentimentais de João Miramar de Oswalde de Andrade pela Globo (2006)
>>> Serafim Ponte Grande de Oswalde de Andrade pela Globo (2007)
>>> 10 Respostas Que Vão Mudar Sua Vida de Pe. Reginaldo Manzotti pela Ediouro (2010)
>>> Meu coração desnudado de Charles Baudelaire pela Autêntica (2019)
>>> Um artista da fome de Franz Kafka pela L&PM Editores (2009)
>>> Manuel Bandeira - Coleção melhores poemas de Francisco de Assis Barbosa, Manuel Bandeira pela Global (2007)
>>> Luna Clara & Apolo Onze de Adriana Falcão pela Salamandra (2002)
>>> A Casa Soturna de Charles Dickens pela Nova Fronteira (1986)
>>> Robinson Crusoé - Português/Inglês - Ilustrado de Daniel Defoe pela Ciranda (2017)
>>> Terrores da Noite - Quando a Noite Cai, os Morcegos Atacam de Martin Cruz Smith pela Record (1977)
>>> Códigos Eternos de Legrand pela Soler (2004)
>>> O Livro das Cortesães de Susan Griffin pela Susan Griffin (2003)
>>> O Mundo e Suas Maravilhas -A Aventura do Homem no Espaço e no Tempo de R. Argentiere pela Anchieta (1945)
>>> Escaldado em água fria de John Straley pela Globo (2002)
>>> O Oitavo Mandamento de Lawrence Sanders pela Nova Cultural (1989)
ENSAIOS

Segunda-feira, 26/10/2009
Vida e morte do Correio da Manhã
Ruy Castro

+ de 16200 Acessos

Os jornais, quando morrem, não vão para o céu. Sobrevivem por algum tempo nos corações e mentes de seus leitores, mas, com os anos, esse amor e memória coletivos vão se dissolvendo. A única sobrevida certa é a de suas coleções na Biblioteca Nacional, onde, dependendo de sua atuação em vida, servirão de pasto para pesquisadores. Mas mesmo isso é relativo: em seu lugar, novos jornais se impõem e, às vezes injustamente, os obscurecem como testemunhas ou agentes da História. Poucos jornais, por exemplo, foram tão importantes no Brasil quanto o carioca Correio da Manhã. Hoje, é provável que os mais jovens, exceto ― talvez ― alguns estudantes de Comunicação, nunca tenham ouvido falar dele. Certamente não é o jornal mais procurado na seção de periódicos da Biblioteca Nacional.

O Correio da Manhã protagonizou na imprensa brasileira uma história gloriosa, começada no dia 15 de junho de 1901. Uma história que, durante boa parte dos 74 anos seguintes, iria alterar várias vezes a vida política do país, inspirar a vocação de milhares de jornalistas e dar aulas diárias de como fazer jornal. Era um jornal do Rio, que o país inteiro lia. Apesar disso, foi também uma história que terminou ― cruel, mesquinha e desnecessariamente ― a 16 de junho de 1975, num leilão em que máquinas, móveis e arquivos (o que restara de um corpo já em decomposição) foram arrematados ao bater de um martelo. É triste que o Correio da Manhã não tenha vivido para comemorar seu centenário. Mais ainda porque seu silêncio, seguido de sua morte (na verdade, assassinato), foi uma consequência do pior período da vida nacional: os anos do Ato Institucional nº 5.

O Correio da Manhã deixou de circular em 1974, mas pode-se datar sua morte de alguns anos antes: 13 de dezembro de 1968. Naquela noite, assim que o locutor Alberto Curi terminou a comunicação do AI-5 ao país pela televisão, agentes do DOPS (Delegacia de Ordem Política e Social) atravessaram a rua e invadiram a sede do jornal. O DOPS ficava na esquina da rua da Relação com a avenida Gomes Freire, na Lapa; o Correio da Manhã ficava na mesma Gomes Freire, em diagonal, a poucos metros da esquina da Relação. Eram vizinhos havia 37 anos, período em que os dois prédios abrigaram Brasis totalmente opostos: o da polícia simbolizava as ditaduras, como o Estado Novo (1937-1945) e o regime militar imposto em 1964; o do jornal pregava a liberdade e a luta contra a mentira e a corrupção. Tal vizinhança nunca o assustara: em sua longa trajetória, o jornal de Edmundo e Paulo Bittencourt fizera oposição a quase todos os presidentes; fora perseguido, fechado, tivera seus proprietários presos, e saíra mais forte a cada embate. Mas, desta vez, seria diferente.

Uma semana antes da noite do AI-5, na madrugada de 7 de dezembro, uma bomba explodira em sua agência de anúncios classificados no térreo do edifício Marquês do Herval, na avenida Rio Branco, no Centro do Rio. A explosão foi tão forte que arrancou vidraças, lambris, mármores e esquadrias de lojas e escritórios em dez andares do prédio. Três toneladas de vidro caíram na calçada da Rio Branco. No solo da agência, totalmente destruída, a bomba abriu uma cratera de mais de um metro de diâmetro, revelando até os ferros da laje. Quem quer que a tenha posto, sabia o que queria: impedir que o jornal continuasse respirando pelos classificados. Isto porque o grosso da publicidade já se reduzira a zero: o governo federal cortara a sua e pressionava os empresários para que não anunciassem no Correio da Manhã. Queriam silenciá-lo por asfixia.

Na invasão do jornal, em 13 de dezembro, seu redator-chefe, Osvaldo Peralva, foi preso no saguão e os censores militares se instalaram na redação, como fariam na de outros jornais. Só que, enquanto a censura a estes foi levantada no dia 4 de janeiro de 1969, a do Correio da Manhã estendeu-se ao dia 6. Quando seus diretores foram comunicados de que a censura estava suspensa, já saíram no dia 7 com uma edição histórica, publicando tudo que não tinham podido noticiar nos 25 dias anteriores: as prisões, as torturas e as críticas da imprensa estrangeira à ultraditadura que se sucedia à ditadura. A edição foi apreendida na oficina.

Por causa dela, a diretora-presidente do jornal, Niomar Moniz Sodré Bittencourt, foi presa e levada para um cárcere em Bangu, reservado a ladras e prostitutas. Na prisão, Niomar (tão chique quanto corajosa) recusou-se a usar o uniforme da penitenciária, alegando que era presa política, não presa comum. Nas semanas seguintes de prisão, fez greve de fome, sofreu uma tentativa de envenenamento por gás e teve seus direitos políticos cassados. Entre os regimes carcerário, hospitalar e domiciliar, ficou presa mais de dois meses ― período em que a censura voltou ao jornal e, mesmo assim, ele foi ilegalmente impedido de circular por cinco dias. Em março, sangrado de todas as maneiras, o Correio da Manhã pediu concordata. Em setembro, Niomar, ante a alternativa de fechá-lo ou submeter-se à nova ordem, arrendou-o a um grupo de empreiteiros que se comprometeu a recuperá-lo, pagar as prestações da concordata e devolvê-lo saneado à sua dona. Em vez disso, dali a menos de cinco anos, em 1974, esses empreiteiros o deixaram falir e morrer, reduzido a tristes oito páginas. Um ano depois, a massa falida (incluindo o título, que não constava dela) foi a leilão. Nunca mais tivemos o Correio da Manhã.

Do meu ponto de vista, já não o tínhamos desde a noite do AI-5 ― embora eu ainda não soubesse disso quando vi Peralva saindo, preso, pela porta do jornal. Para mim, o Correio da Manhã seria eterno. Era o jornal favorito de meu pai e, antes disso, do pai dele, desde sua fundação por Edmundo Bittencourt, em 1901. Cresci ouvindo histórias de como os governos não toleravam sua independência e, se sempre senti antipatia pelo presidente Arthur Bernardes, foi porque me contavam que Bernardes prendera Edmundo e fechara o jornal durante quase um ano em 1924.

Era o veículo das grandes causas, nem todas vitoriosas, mas sempre honradas. Em 1922, o Correio da Manhã já apoiara o levante dos "Dezoito do Forte". Depois, apoiaria a Coluna Prestes (foi, aliás, quem batizou Luís Carlos Prestes de "Cavaleiro da Esperança"). Apoiou também a revolução de 30, mas logo passaria a combater Getúlio, numa oposição que atravessaria o Estado Novo, apesar da censura e da vizinhança com a polícia. A essa altura, o jornal já tinha o comando de Paulo Bittencourt, filho de Edmundo. Em 1945, seria decisivo para a queda da ditadura, desafiando a censura ao publicar uma entrevista do repórter Carlos Lacerda com o escritor e político José Américo de Almeida, grande adversário de Getúlio. Na República Velha, o Correio da Manhã se habituara a demitir ministros com um editorial. Mas aquela era a primeira vez que ajudava a derrubar um presidente. Não seria a última.

Em 1955, o Correio da Manhã defendeu a posse de Juscelino Kubitschek contra o obsessivo golpismo da UDN. Mas, com Juscelino presidente, foi um de seus piores opositores. Com a renúncia de Jânio Quadros em 1961, o jornal defendeu a posse do vice João Goulart, para também logo tornar-se o seu mais temido crítico (o jornal defendia as "reformas de base" pregadas por ele, mas atacava a demagogia com que estavam sendo propostas). Ao mesmo tempo em que fazia carga contra o governo federal, o jornal era também oposição no plano estadual, colocando-se contra o governo Lacerda na Guanabara ― o mesmo Lacerda que fora seu repórter nos anos 40 e do qual saíra para fundar seu próprio jornal, a Tribuna da Imprensa.

Dois editoriais, intitulados "Basta!", no dia 31 de março de 1964, e "Fora!", no dia 1o. de abril (com redação final e títulos por Moniz Vianna), anteciparam a queda de João Goulart. Ante a falência do governo, o jornal queria o seu impeachment ou renúncia, sempre dentro dos quadros constitucionais. Mas quem tomou o poder foram os militares e, já nos primeiros dias, quando se viu que, desta vez, eles vinham para ficar, o Correio da Manhã foi o primeiro jornal a levantar a voz ― a princípio, a voz isolada de Carlos Heitor Cony, depois seguida por muitos outros. Em 1965, dois repórteres do Correio da Manhã elegeram-se deputados federais pela oposição: Hermano Alves e Marcio Moreira Alves. Em 1968, um discurso deste último na Câmara daria o pretexto para o AI-5, que, por uma conjuntura de fatores políticos e econômicos, acabaria por destruir o jornal.

Dizia-se que o cargo de redator-chefe do Correio da Manhã tinha o peso de um ministério (e um de seus mais longevos ocupantes no passado, o alagoano Costa Rego, fora ministro e governador de seu estado na República Velha). Antonio Callado (duas vezes), Luiz Alberto Bahia e Janio de Freitas foram outros que honraram a cadeira. E quer saber o nome de dois redatores, encarregados de zelar pela famosa "ortografia da casa", precursora dos atuais manuais de redação? Aurélio Buarque de Holanda Ferreira (sim, o do dicionário Aurélio) e Graciliano Ramos. Uma "ortografia", aliás, fanática até nos pontos mais discutíveis: enquanto os Bittencourts foram vivos, certos nomes não saíam no jornal, como o de Lima Barreto (o escritor) e Juracy Magalhães (o político). Eram desafetos seculares da família.

Apesar da perseguição a Lima Barreto, o Correio da Manhã, muito por inspiração do elegante (educado em Cambridge) Paulo Bittencourt, era um jornal voltado para a cultura. Seu primeiro crítico literário deitou as bases da especialidade no Brasil: José Veríssimo. Em 1921, o sexto centenário do nascimento de Dante foi manchete do jornal. Em todos os anos 40, o pernambucano Alvaro Lins ditou em suas páginas o que valia ou não na literatura. E, em fins daquela década, Niomar, mulher de Paulo, começou a luta pela criação do Museu de Arte Moderna, do Rio, vitoriosa alguns anos depois. O próprio Paulo Bittencourt, aristocrático como ele só, era amigo de Pixinguinha e frequentava a casa do músico em Olaria. Quando Paulo morreu em Paris, em 1963, Niomar assumiu o jornal e lutou por ele até a sua destruição.

Tornei-me jornalista por causa do Correio da Manhã. Era o jornal em que, desde as calças curtas, eu sonhava em trabalhar. Quando entrei, como "foca", levado por José Lino Grünewald, em março de 1967, lá já não estavam Cony, Callado, Janio de Freitas, Otto Maria Carpeaux, Sérgio Augusto e outros heróis dos anos 60. Mas havia Paulo Francis, Franklin de Oliveira, Aluízio Branco, Antonio Moniz Vianna, Edmundo Moniz, Salvyano Cavalcanti de Paiva, Van Jafa, Eurico Nogueira França, José Condé, Germana Delamare, Elizabeth de Carvalho, Maria Claudia Bonfim, Fuad Atala, Mauro Ivan, Arthur José Poerner, Pery Cotta, o cartunista Fortuna e tantos mais. O velho Bueno, o primeiro fotógrafo contratado pela imprensa no Brasil e já com mais de cinquenta anos de Correio da Manhã, continuava lá e era um prazer ouvir suas histórias. Carlos Drummond de Andrade ainda era o cronista (sob as iniciais C.D.A.) e Nelson Rodrigues estava escrevendo suas memórias no "Segundo Caderno" (cuja primeira página, em mais de uma ocasião, dividi com ele). Francis, dublê de editorialista e editor, logo iria assumir e reestruturar o "Quarto Caderno", um suplemento dominical de cultura para fazer inveja ao de qualquer jornal europeu ou americano.

E a redação, no prédio da avenida Gomes Freire (considerada por Callado a melhor em que ele trabalhou na vida), era uma delícia: no coração da Lapa, a dois passos do Centro da cidade e a quinze minutos da Zona Sul, e cercada por restaurantes lendários, como o Capela (depois, Novo Capela), o Brasil e a Leiteria Bol. Alguns habitués do jornal (iam lá para matar o tempo) eram os sambistas Nelson Cavaquinho e Ismael Silva ― os jornalistas mais velhos já não lhes davam bola, mas, nós, os "focas", descíamos com eles para bebericar no botequim ao lado do hotel Marialva, em frente, e esquecíamos de voltar para o jornal.

No dia seguinte ao AI-5, Paulo Francis foi preso e os milicos exigiram sua cabeça. Com a dele, rolou a de todos nós, que compúnhamos sua equipe. Um ano depois, com o jornal na mão dos empreiteiros, alguns de nós, eu inclusive ― mas não Francis ―, pudemos voltar. Fui até, por breve tempo, editor de seu segundo caderno, rebatizado de "Anexo". Mas, em tudo e por tudo, tornara-se outro jornal. Não era mais o Correio da Manhã. Em menos de seis meses, saí e fui cuidar da vida alhures. E, em 1974, estava longe do Brasil, do Rio e da Lapa, quando os empreiteiros o deixaram morrer. Foi um privilégio não assistir à sua agonia.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Parte integrante do livro O leitor apaixonado, coletânea de textos sobre literatura de Ruy Castro.


Ruy Castro
Rio de Janeiro, 26/10/2009

Mais Ruy Castro
Mais Acessados de Ruy Castro
01. O Frankenstein de Mary Shelley - 25/7/2005
02. Delírios da baixa gastronomia - 26/9/2011
03. Vida e morte do Correio da Manhã - 26/10/2009
04. A Geração Paissandu - 30/10/2006
05. Chico Buarque falou por nós - 9/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




IN MEMORIAM DE DELFIM GUIMARÃES 1872 - 1933
GALINO MARQUES
GUIMARÃES
(1934)
R$ 50,00



PORTUGUÊS. CONTEXTO, INTERLOCUÇÃO E SENTIDO. 2º ANO
OUTROS; MARIA LUIZA M. ABAURRE
MODERNA
(2008)
R$ 50,00



SERPENTES DO CERRADO - GUIA ILUSTRADO
OTAVIO A. V. MARQUES
HOLOS
(2015)
R$ 55,06



O MUSEU DO SENHOR ASDRÚBAL
MARIA PRADO SARTORELLI
FTD
(1999)
R$ 12,00



MINHA PRISÃO SEM GRADES (5866)
WILLIAM CÉSAR ALVES MACHADO
KELPS
(1999)
R$ 46,00



A GRANDE BARREIRA DE RECIFES
GRAIG MCGREGOR
CIDADE CULTURAL
(1983)
R$ 15,00



REVISTA ÁLVARES PENTEADO - VOL. 3 - Nº 7-DEZEMBRO - NOVA
AUTOR FECAP
FECAP
(2001)
R$ 10,00



LONGA JORNADA NOITE ADENTRO
EUGENE O , NEILL
PEIXOTO
(2018)
R$ 25,00



GRANDES SUCESSOS SÉRIE OURO - O SEQUESTRO DO METRÔ
JOHN GODEY
CÍRCULO DO LIVRO
(1984)
R$ 7,00



BOSQUE ENCANTADO - PARA COLORIR, ESTIMULAR A IMAGINAÇÃO E RELAXAR
VÁRIOS
EDIOURO
(2015)
R$ 9,90





busca | avançada
28258 visitas/dia
890 mil/mês