Como se fosse fácil escrever | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Local, Global de Heloisa Buarque de Almeida pela Berlendis & Vertecch (2013)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> Geometria Analítica Plana de Steinbruch Basso pela Makron Books (1991)
>>> Plano de Negócios de Egoy Walter Wildauer pela Intersaberes (2012)
>>> A Rendeira Borralheira de Socorro Acioli; Alexandre Camanho pela Positivo Livros (2009)
>>> How to Launch a Brazilian Depositary Receipts (bdrs) Program de Vários Autores pela Pwc
>>> Amanhã é outro dia de J.m. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> Tempo Bom, Tempo Ruim de Jean Wyllys pela Paralela (2014)
>>> O Fantasma de Canterville de Oscar Wide pela Scpione (2006)
>>> não vi enão gastei - O fenômeno do Prenconceito de Renato da Siva Queiroz pela Moderna (1997)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2016)
>>> Giocondo Dias - a Vida de Revolucionario de João Falçãqo pela Agir (1993)
>>> Passenger to Frankfurt de Agatha Christie pela Harpercollins Uk (2017)
>>> Por Que Sonhei Com Isso? de Evelyn Kay Massaro; Lauri Quinn Lowenberg pela Best Seller (2017)
>>> Born Montoneros - 9 Meses En las Entranãs de Montoneros de María Odonnell pela Sudamericana (2015)
>>> Mesa para Dois de Nora Roberts pela Harlequin Books Br (2007)
>>> Controle o Estresse de Augusto Cury pela Gold
>>> Schwert, Das de Daniel Easterman pela Aufbau Tb (2009)
>>> English in Formation 3rd Edition 8 Teacher Book de Wilson Liberato pela Standfor (2016)
>>> Metade de uma Rosa de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2007)
>>> Alarde Poético de Vários pela Não consta (2006)
>>> Perfume Derramado de Denise Seixas pela Bolabooks (2016)
>>> Evangelho Eterno e Orações Prodigiosas de Osvaldo Polidoro pela Do Autor (2009)
>>> Nao Pergunte Se Ele Estudou de Renato Alves pela Humano (2011)
>>> Habermas e a Dialética de David Igram pela Edunb (1993)
COLUNAS

Sexta-feira, 28/11/2003
Como se fosse fácil escrever
Eduardo Carvalho

+ de 8100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Disparada na África

Defeito Manada

Um amigo, dia desses, na praia, depois de uma partida de tênis, me explicou, em linhas gerais, a tese que pretende desenvolver, no ano que vem, na London School of Economics and Political Science: o efeito manada aplicado ao mercado financeiro. O assunto é complicado, envolvendo - e exigindo conhecimento de - Economia, Finanças, Estatística, Psicologia, etc.

Voltei para casa, no domingo, e continuei lendo Ébano - Minha vida na África, do jornalista polonês Ryszard Kapuscinski. O livro já é um clássico para a compreensão do Continente, suas culturas e seus conflitos, porque Kapuscinski acompanha de perto, há quatro décadas, a situação africana, como jornalista profissional e viajante casual. Numa passagem, o narrador descreve a experiência de um amigo, que durante anos observou de avião o comportamento dos búfalos africanos, sozinhos e em bandos. E reparou no seguinte: quando se aproxima de avião de um animal solitário, perdido do grupo, normalmente ele não se assusta; percebe a presença da máquina, mas continua pastando, tranqüilamente. Quando, porém, o avião, num vôo rasante, passa por cima de uma manada de búfalos, os animais inicialmente mantém silêncio - e depois explodem numa corrida desordenada, nervosos e cegos, em estado de pânico.

O que, afinal, acontece? Não deveria o grupo se sentir mais seguro do que o indivíduo, e preservar a calma enquanto passa o avião? Não. Porque a tendência, nesse caso, é de que o comportamento do grupo se iguale ao do animal mais sensível. Se, portanto, apenas um búfalo começar a correr, o resto, aos poucos, o imita - provocando, pelo mais simples motivo, uma situação de pavor generalizado. Não tenho aqui as bases estatísticas, nem uma teoria sólida trabalhada. Mas acho que essa observação africana ilustra com nitidez alguns movimentos do mercado financeiro.

Bárbaro babão

Ouvi, dias atrás, no elevador da faculdade, de um nerd, desses que babam - com óculos torto e bigodinho -, contando para o seu amigo peralta: "Pô, velho, eu tenho um amigo que trabalha na PF (Polícia Federal; repare na intimidade). É animal. Outro dia, na balada, ele mandou baterem nos seguranças. Tesão, diz aí...".

A nota média desse sujeito deve ser, por baixo, uns 7,5. Desconfio que seja, em algumas matérias, dos melhores da classe. E é nisto que dá: continua sendo um bárbaro babão. Não que isso seja, para mim, novidade. Para certas pessoas, entretanto, ainda é. Que fique, então, pelo menos, registrada a situação.

Mongólia

Bernardo Carvalho não é apenas um escritor com sobrenome bonito. É também um autor novo e competente, que busca assuntos diferentes para os seus livros, fugindo dos temas que dominam os lançamentos editoriais brasileiros. Seu mais recente livro, o festejado Mongólia, nem parece ter sido escrito por um brasileiro, apesar das eventuais referências ao País. Pode-se reclamar do estilo, ou da ausência dele: mas a prosa, mecânica, é eficiente. Bernardo Carvalho é um autor com interesse cosmopolita e de, no melhor sentido da expressão, qualidade internacional.

Há no livro, porém, no final - que evito contar -, uma sutil influência de Chico Mineiro, aquele clássico da música sertaneja. A coincidência, casual ou não, é evidente. Ninguém, porém, ousará apontar essa comparação, porque música caipira legítima, no Brasil, é diversão apenas para caipiras - e dos legítimos, que, aliás, estão desaparecendo.

A música sertaneja, eu diria, é o oposto do axé. Dizer que gosta de Tião Carreiro não pega bem. No entanto, não há nada mais verdadeiro, original, espontâneo. Chico Mineiro possui uma beleza simples e triste, real, que pertence ao coração humano - e não, como é o caso do axé, a uma gigantesca bunda artificial. Além de ser melodicamente pobre, o axé é um estilo falso, fabricado, forçado. Ninguém razoavelmente sensível consegue absorver essa suposta alegria distribuída.

Transposta a comparação acima, com todos os cuidados, para a literatura contemporânea, eu enquadraria então Bernardo Carvalho como um escritor - nessa onda de lançamentos vulgares e barulhentos - caipira. Dos legítimos. Não pelo seu provincianismo - que, em sua obra, inexiste. Mas pela sua produção honesta e bonita, que segue silenciosamente marginal - enquanto os trios elétricos literários dominam a avenida.

Como se fosse fácil escrever

Como se fosse fácil escrever. Se fosse assim: eu sento, com calma e tempo, e digito palavras, que escapam ordenadamente dos meus dedos. Sento então, e tento. Saem, contudo, idéias desordenadas, em frases feias e feitas. Faltou sempre, e faltará, uma capacidade natural para a comunicação agradável, composta por um texto fluente e lógico. Morro, e antes não escreverei bem.

E, pior, vou morrendo, enquanto isso, de inveja, de quem sabe - ou soube - escrever. É uma habilidade milagrosa. Exige esforço metódico e talento natural, mas não só, - repito - não só. Porque se esforçar todo mundo pode; e talento é uma sorte pequena. A prosa precisa e criativa é provavelmente uma das opções disponíveis ao gênio, para que imponha sua inteligência e confirme sua especialidade. Continua, no entanto, um mistério, onde reside a origem dessa genialidade. Sinto-me analfabeto, lendo Machado de Assis. Não sei mais como expressar isso. É a impressão que me resta, depois de ler Memorial de Aires.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 28/11/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A suíte melancólica de Joan Brossa de Jardel Dias Cavalcanti
02. Errando por Nomadland de Elisa Andrade Buzzo
03. O dia em que não conheci Chico Buarque de Elisa Andrade Buzzo
04. Um lugar para o tempo de Elisa Andrade Buzzo
05. Cheiro de papel podre de Carlos Goetteanuer


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2003
01. Preconceito invertido - 4/7/2003
02. Da dificuldade de se comandar uma picanha - 25/7/2003
03. Contra os intelectuais - 12/12/2003
04. Não li em vão - 17/10/2003
05. Geração abandonada - 14/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/12/2003
12h31min
Realmente, escrever é ofício para poucos, assim como cozinhar e fazer boa música. Tentem ler João Antonio:"Malagueta, Perus e Bacanaço", fritem (ou tentem) um ovo a là Paul Bocouse ou escreva uma canção como "modinha" e talvez vocês se surpreendam com o fato de que o simples e o belo escondem sutilezas tão perversas quanto as mais herméticas das ciências.
[Leia outros Comentários de Aguinaldo da Silva]
9/12/2003
14h41min
Pois escrever bem eh o misterio maior. Acho que a escrita, antes de ser um dom, eh um exercicio. Mas, para exercitar, temos que gostar. As vezes fico horas para escrever um tantinho assim. Outras, que facilidade, parece que as palavras ja estavam ali e eu simplesmente fui descobrindo-as da nevoa em que estavam envoltas. Sinto como se escrevesse com uma borracha no papel, apagando em vez de digitando. O texto jah existia. Porisso, louvo os escritores, esses seres que estao acima de nos mortais, livres como sua imaginacao.
[Leia outros Comentários de Marco Linhares]
19/12/2003
04h21min
A escrita distraída, na caneta, de saída, flui com volteios mansinhos e nos despe aos pouquinhos. A boca, maior orifício, desnuda, enquanto veículo, a emoção que em amplo espaço tropeça nos próprios laços. Assim, prefiro escrever, uma vez que o leitor, tão discreto esse ser, oculta-se atrás dos livros, quando, disposto a saber. O difícil é falar, tendo logo e bem à frente, olhos que fitam a gente, ansiosos, aguardando por dizeres indulgentes. Falando, faço-me breve, escrevendo, mais eu me estendo... O som esvai-se ao vento, mas, as letras no papel, seguras, vencem o tempo. maria da graça almeida
[Leia outros Comentários de maria da graça]
24/12/2003
10h56min
As palavras faladas têm uma vida mais efêmera e um raio de ação menor. No entanto têm um vigor maior, estão no presente. A palavra escrita ganha mais espaço e durabilidade no tempo. No entanto perde significado na medida em que se afasta do ato. Poucas leis antigas têm validade duradoura. Escrever sobre o dia-a-dia é um exemplo marcante da perda de significado. É como jornal de ontem. Escrever com conteúdo duradouro é bem mais difícil. Mas o mais triste é que uma grande maioria cada vez lê menos. E dos poucos que leem, ainda existe nas ofertas a parafernália do inútil. Mas em todo o caso, devemos ter esperança que cresçam as ofertas de escritos de valor.
[Leia outros Comentários de Vladimir D. Dias]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Esboços de Sermões
Luis Roberto Silvado
A. D Santos
(2012)



Outras do Analista de Bagé
Luis Fernando Veríssimo
L pm
(2022)



Boas Maneiras e Sucesso nos Negócios
Celia Ribeiro
L&pm
(1993)



O Perito
Robert Finn
Publicações Europa-américa
(2009)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 155
Pini
Pini



O Estudante
Adelaide Carraro
Global
(2001)



Comunicacao Modernizacao e Difusao de Inovacoes no Brasil
Jose Marques de Melo
Vozes
(1978)



Inteligência - Perspectivas Teóricas
Leandro S. Almeida, Aristides Ferreira
Almedina
(2009)



Wireless Java With J2me - Sams Teach Yourself - in 21 Days.
Michael Morrison
Sams



Historias da Vo Cotinha Vivencias e Virtudes
Lucia Nobrega
Rideel
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês