O jornalismo na fervura | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37104 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/9/2013
O jornalismo na fervura
Marta Barcellos

+ de 2200 Acessos

Imagine a compra do Washington Post pela Amazon e multiplique por dez. Foi mais ou menos assim o susto quando a AOL comprou a Time Warner, no finzinho de 1999. Eu estava de licença maternidade e o excesso de hormônios talvez explique o meu primeiro delírio em relação à revolução da internet: achei que precisaria mudar de área de atuação quando retornasse ao jornal onde trabalhava.

Na época, eu cobria o setor de shopping centers, supermercados etc, e por alguns dias fiquei convicta de que todo o comércio físico fecharia as portas por causa das vendas online. As pessoas só comprariam - tudo - pela internet. Para me manter atualizada, entre fraldas e mamadeiras, corri ao computador para fazer minhas primeiras - e únicas - compras de supermercado pela internet.

A fusão AOL-Time Warner se revelaria um fiasco, mas isso é outra história. Ou melhor, faz parte dos altos e baixos dos quais vou falar em seguida. De qualquer forma, faz sentido eu me lembrar hoje desse episódio, porque eu trabalhava em um jornalão de economia quebrado e orgulhoso de sua isenção (era o único veículo que não aceitava convites/jabás para fazer as reportagens do caderno de turismo). Excitada com as possibilidades da internet, achei que os supermercados iam acabar, mas não usei o mesmo raciocínio para fazer previsões sobre jornais.

De lá para cá, confesso que me precipitei em muitas previsões sobre impactos tecnológicos, intercalando excitações e ceticismos exagerados com alguns poucos acertos. Por exemplo: eu odiava celulares e achei uma bobagem quando apareceram os primeiros com câmeras. Aquilo não ia "pegar", repeti várias vezes. Mas aderi de primeira hora aos smartphones, embora muitos rissem do meu "tijolão" (um Moto Q com tecnologia CDMA, mais rápido para navegar na internet do que o Blackberry. Não havia iPhones).

Essas reflexões me vieram à mente quando assisti pela primeira vez a uma cobertura feita pela Mídia Ninja. Helicópteros sobrevoavam o meu bairro e eu esperava em vão as imagens que estavam sendo feitas pela Rede Globo ir ao ar, e nada. Zapeava os canais na TV, e nada. Enquanto isso, pelo Facebook instalado no meu iPhone, surgiam de novo aqueles links para a transmissão ao vivo feita pela tal Mídia Ninja. Sem muita convicção - achei que precisaria estar num computador -, cliquei. E surgiram ali com nitidez as imagens da passeata contra o governador Sérgio Cabral.

Eu tinha voltado há pouco da manifestação, que acontecia na frente do prédio do governador, e reconheci naquelas imagens a evolução do clima que tinha visto pessoalmente. Era como seu eu estivesse lá, ainda. Já quando a Globonews finalmente entrou no ar com as imagens do protesto, uma hora depois, apenas com imagens aéreas e uma narração cheia de informações equivocadas - a apresentadora paulista, visivelmente exausta, por duas vezes disse que o Leblon era um bairro chique da zona sul de ... São Paulo! - fiquei revoltada. Aquilo, no mínimo, não era bom jornalismo.

No Facebook, meus amigos e conhecidos do Rio percebiam a mesma coisa, indignados. De madrugada, excitada com tudo aquilo que estava acontecendo, eu não conseguia dormir e pensei: esse será o novo jornalismo. Tudo se encaixava: a crise nas empresas jornalísticas, o barateamento dos meios necessários para se produzir jornalismo, os novos parâmetros de credibilidade (um tanto flexíveis) já aceitos na internet (ninguém acha problema compartilhar um texto do Jabor com a ressalva de que talvez não seja dele).

Claro que não é bem assim, pude constatar com calma alguns dias depois. Naquela noite, juntando os efeitos da insônia à minha indignação contra Cabral e contra a cobertura da Globo, eu tinha vivido um daqueles delírios em torno das transformações radicais que são causadas pela internet. Mas que alguma coisa tinha mudado na minha cabeça, depois da experiência de assistir àquela primeira cobertura Ninja, lá isso tinha.

Não me arrisco hoje a previsões. O jornalismo tradicional pode nunca acabar, como não acabou quando surgiram os blogueiros (lembram da guerra jornalistas X blogueiros?), como sabemos que não acabarão os shoppings e supermercados. Mas acho natural que pessoas que se empolgam - ao invés de resistir - com inovações tecnológicas vivam esses momentos bipolares. Até as empresas embarcam em ondas assim - e, entre uma bolha e outra, um novo patamar de comportamento realmente se estabelece, mudando definitivamente o mercado.

Enquanto não se estabelece, sempre há aqueles que apostam naquela novidade (o mídia ativismo dos ninjas, por exemplo) como a melhor das revoluções, algo que vai beneficiar a humanidade, enquanto outros se mostram sinceramente preocupados com os perigos daquela mudança radical. Sempre existem interesses por trás, sempre existem vencedores e perdedores, quando um novo patamar de comportamento se estabelece de forma implacável.

Talvez por isso toda a discussão sobre o jornalismo (ou o não jornalismo) da mídia Ninja tenha se desviado para a experiência dos "fora do eixo" no campo cultural, aparentemente dez anos na frente do que ameaça acontecer com os jornais. Quem ganhou e quem perdeu, com a revolução que aconteceu de forma rápida e implacável na distribuição da música, por exemplo? Mas será que no jornalismo as mudanças serão tão rápidas e implacáveis?

Há uma velha história no mundo corporativo usada como metáfora do nosso comportamento diante de mudanças, sobre uma experiência feita com sapos. Se você colocar um sapo num recipiente, com a mesma água de sua lagoa, e aquecer aquela água, o sapo simplesmente não notará a mudança. Ficará ali quietinho e feliz, enquanto é fervido. Morre. Já se você colocar o sapo nesse recipiente com a água já fervendo, ele salta imediatamente para fora. Se queima um pouco, mas sobrevive.

Aos jornalistas que estão no olho do furacão das transformações tecnológicas: vale a pena ficar atento à temperatura da água.

Nota do Editor:
Leia também "Mídia Ninja coloca o Eixo em Cheque", de Humberto Pereira da Silva, e "Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia", de Duanne Ribeiro.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 20/9/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O testemunho de Bernanos de Celso A. Uequed Pitol
02. Presenças de Paula Ignacio
03. Um certo tom musical de Eduardo Mineo
04. Copa do Avesso de Adriano Maesano
05. Ano Novo, vida nova, de novo!!! de Rennata Airoldi


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2013
01. Para viver de literatura - 7/2/2013
02. Mamãe cata-piolho - 31/5/2013
03. Suicídio - 15/2/2013
04. Suicídio, parte 2 - 15/3/2013
05. Até eu caí nessa - 8/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIA DA LITERATURA REALISTA
FIDELINO DE FIGUEIREDO
ANCHIETA
(1946)
R$ 17,64



ESTUDO DE LÍNGUA E LITERATURA 1
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
(1985)
R$ 6,00



COLEÇÃO PROFESSOR PASQUALE EXPLICA 1 - ORTOGRAFIA
PASQUALE CIPRO NETO
GOLD
(2011)
R$ 6,90



VIAGENS NA MINHA TERRA
ALMEIDA GARRETT
MARTIN CLARET
(2012)
R$ 5,50



O CONTO BRASILEIRO CONTEMPORÂNEO
ALFREDO BOSI (ORG.)
CULTRIX
R$ 12,00



O MUNDO VEGETAL
XAVIER LLIMONA
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 10,00



KNAURS KONVERSATIONS LEXIKON A-Z
KNAURS KONVERSATIONS LEXIKON
VERLAG VON TH. KNAUR NACHF
(1936)
R$ 41,00



TURISMO GLOBAL
WILLIAM F. THEOBALD (ORG.)
SENAC
(2002)
R$ 75,00



ARMAS & CORAÇÕES
AUTRAN DOURADO
ROCCO
(2006)
R$ 14,90



OS LUSÍADAS
LUÍS DE CAMÕES; RUBEM BRAGA; EDSON R. BRAGA
SCIPIONE
(2002)
R$ 12,00





busca | avançada
37104 visitas/dia
1,3 milhão/mês