A futebolização da política | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 29/3/2016
A futebolização da política
Luís Fernando Amâncio

+ de 2400 Acessos

Que há muito de política no futebol não é mistério algum. Pelo contrário: a política impregna o esporte de cima a baixo, desde as federações que o regem até as diretorias de times amadores.

Historicamente, aliás, o futebol sempre foi um tema que esbarrou na política. Ele já foi utilizado como vitrine para regimes autoritários divulgarem seus ideais de progresso – na Itália fascista, em 1934, no Brasil, na década de 1970, e na Argentina, na Copa de 1978, entre outros. O futebol também representou formas de resistência a esses regimes, como no esforço de Catalunha e País Basco, através de, respectivamente, Barcelona e Atlethic Bilbao, em confrontar o ditador Franco na Espanha. No Brasil, o movimento por eleições diretas na década de 1980 (Diretas Já) teve apoio de boleiros e foi reforçado pela experiência da Democracia Corintiana.

O que nós temos acompanhado nos últimos tempos, entretanto, não é tão natural: a futebolização da nossa política. E mesmo que não seja exclusividade nacional, a situação passa longe de ser desejável.

Nossos eleitores comportam-se como torcedores. Aliás, como o pior tipo de torcedor: o cego pela paixão. Na atual polarização política, há um lado que não reconhece que seu time tem jogado mal. Por isso, justifica suas derrotas mostrando que os rivais também têm suas deficiências e colocando a culpa no juiz. Já seus opositores querem ganhar de qualquer forma. Não se importam se o gol for feito com ilegalidade (impedimento, mão na bola e ligação telefônica grampeada ilegalmente dão no mesmo). Os fins não importam, só querem ganhar o campeonato. Nem que seja no tapetão.

A divisão por cores nunca foi tão forte na política nacional. Vermelho é dos petralhas, verde e amarelo, dos coxinhas. Preto também é coxinha, só que de luto. “Petralhas” e “coxinhas”, sim, pois tamanha é a maturidade de nosso eleitorado que é assim, pejorativamente, que se prefere lidar com o oposto. Como no futebol, onde temos as galinhas ou gambás (corintianos), os porcos (palmeirenses), as marias (cruzeirenses), os bambis (são-paulinos), etc.

Apelidos jocosos, é verdade, não são exclusivos deste momento de nossa história. No império, tivemos a oposição entre saquaremas (conservadores) e luzias (liberais). Só que, atualmente, os ânimos estão muito acirrados. Usar a cor de um no dia das manifestações adversárias tem sido perigoso. Há vários casos de agressões recentes, sobretudo vindos de “pessoas de bem”, nessas circunstâncias. Ou seja, nossa política está incorporando os hábitos mais boçais das torcidas organizadas. Os militantes de partido viraram hooligans.

Nas redes sociais, a agressividade não é menor. As discussões são freqüentes e, sobretudo, improdutivas. Ninguém quer ouvir o outro lado, só se quer agredir. Como combate, o diálogo emburrece. Não há argumentos e sobra compartilhamento de mentiras. Aparentemente, nosso eleitorado não é questionador: se está na internet, se foi compartilhado na WhatsApp, é porque é verdade.

Antigamente, diziam que o Brasil seria um país melhor quando se discutisse política como se discute futebol. Que mentira. O futebol não é um terreno da razão. Por mais que se discutam esquemas táticos e estatísticas, quando um brutamontes está em prantos porque seu time foi rebaixado, não há razão ali. Não há explicação racional que dê sentido à jornada do torcedor que pega ônibus para ver um jogo às 22h00 de uma quarta-feira, paga caro pelo ingresso, corre risco de ser agredido pela torcida adversária e, por fim, poderá adentrar a madrugada do dia seguinte, dia de labuta, com o time derrotado. Inexiste justificativa racional em hostilizar a pobre coitada da mãe árbitro.

Na política as escolhas precisam ser racionais. E bem construídas – tem muita gente querendo te enganar, sobretudo aqueles que deveriam dar informações. Deixemos o coração de lado. O amor incondicional deve ser exclusivo das mães e dos torcedores fanáticos. Um político sempre poderá te trair com uma conta secreta na Suíça.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 29/3/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Leblon de Marta Barcellos
02. Uma de nós de Marilia Mota Silva
03. A despedida de Ingmar Bergman de Marcelo Miranda
04. Notas sobre Jornalismo Cultural de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2016
01. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão - 30/8/2016
02. Tricordiano, o futebol é cardíaco - 26/4/2016
03. Nos tempos de Street Fighter II - 31/5/2016
04. Radiohead e sua piscina em forma de lua - 28/6/2016
05. A futebolização da política - 29/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A TRAGÉDIA SEXUAL DE LEÃO TOLSTOI
JOSÉ KALLINIKOW
LIVRARIA FIGUEIRINHAS - PORTO
R$ 15,00



FATOR K - CONSCIENTIZAÇÃO & COMPROMETIMENTO
DÉBORA DIAS GOMES
PIONEIRA
(1994)
R$ 12,00



BERNARDO E O BRONTO
ROGERIO BORGES
ATICA
(1996)
R$ 10,00



HISTÓRIA VIVA 17 - OS PRIMEIROS CRISTÃOS
VARIOS AUTORES
DUETTO
R$ 7,00



ENTRE DUAS REPÚBLICAS: ÀS ORIGENS DA DEMOCRACIA ITALIANA
NORBERTO BOBBIO
UNB
(2001)
R$ 15,00



O SISTEMA POLÍTICO DO IMPÉRIO
BRASIL GERSON
PROGRESSO
(1970)
R$ 29,90
+ frete grátis



MEU FILHO CHE
ERNESTO GUEVARA
BRASILIENSE
(1986)
R$ 15,00



A VIDA PRODIGIOSA DE BALZAC
RENÉ BENJAMIN
EDIÇÕES CULTURA BRASILEIRA
R$ 19,70



CONEXOES COM A HISTÓRIA 2 DA COLONIZAÇÃO DA AMERICA AO SECULO XIX MA
ALEXANDRE ALVES LETICIA FAGUNDES DE OLIVEIRA
MODERNA
(2013)
R$ 17,00



BATMAN A QUEDA DO MORCEGO Nº 10
ABRIL
ABRIL
(1995)
R$ 6,00





busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês