A futebolização da política | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
64869 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
>>> Como Passar Um Ano Sem Facebook
>>> Mulheres de cérebro leve
>>> O curioso caso de Alberto Mussa
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> Digestivo Cultural: 10 anos de autenticidade
Mais Recentes
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro
COLUNAS

Terça-feira, 29/3/2016
A futebolização da política
Luís Fernando Amâncio

+ de 3000 Acessos

Que há muito de política no futebol não é mistério algum. Pelo contrário: a política impregna o esporte de cima a baixo, desde as federações que o regem até as diretorias de times amadores.

Historicamente, aliás, o futebol sempre foi um tema que esbarrou na política. Ele já foi utilizado como vitrine para regimes autoritários divulgarem seus ideais de progresso – na Itália fascista, em 1934, no Brasil, na década de 1970, e na Argentina, na Copa de 1978, entre outros. O futebol também representou formas de resistência a esses regimes, como no esforço de Catalunha e País Basco, através de, respectivamente, Barcelona e Atlethic Bilbao, em confrontar o ditador Franco na Espanha. No Brasil, o movimento por eleições diretas na década de 1980 (Diretas Já) teve apoio de boleiros e foi reforçado pela experiência da Democracia Corintiana.

O que nós temos acompanhado nos últimos tempos, entretanto, não é tão natural: a futebolização da nossa política. E mesmo que não seja exclusividade nacional, a situação passa longe de ser desejável.

Nossos eleitores comportam-se como torcedores. Aliás, como o pior tipo de torcedor: o cego pela paixão. Na atual polarização política, há um lado que não reconhece que seu time tem jogado mal. Por isso, justifica suas derrotas mostrando que os rivais também têm suas deficiências e colocando a culpa no juiz. Já seus opositores querem ganhar de qualquer forma. Não se importam se o gol for feito com ilegalidade (impedimento, mão na bola e ligação telefônica grampeada ilegalmente dão no mesmo). Os fins não importam, só querem ganhar o campeonato. Nem que seja no tapetão.

A divisão por cores nunca foi tão forte na política nacional. Vermelho é dos petralhas, verde e amarelo, dos coxinhas. Preto também é coxinha, só que de luto. “Petralhas” e “coxinhas”, sim, pois tamanha é a maturidade de nosso eleitorado que é assim, pejorativamente, que se prefere lidar com o oposto. Como no futebol, onde temos as galinhas ou gambás (corintianos), os porcos (palmeirenses), as marias (cruzeirenses), os bambis (são-paulinos), etc.

Apelidos jocosos, é verdade, não são exclusivos deste momento de nossa história. No império, tivemos a oposição entre saquaremas (conservadores) e luzias (liberais). Só que, atualmente, os ânimos estão muito acirrados. Usar a cor de um no dia das manifestações adversárias tem sido perigoso. Há vários casos de agressões recentes, sobretudo vindos de “pessoas de bem”, nessas circunstâncias. Ou seja, nossa política está incorporando os hábitos mais boçais das torcidas organizadas. Os militantes de partido viraram hooligans.

Nas redes sociais, a agressividade não é menor. As discussões são freqüentes e, sobretudo, improdutivas. Ninguém quer ouvir o outro lado, só se quer agredir. Como combate, o diálogo emburrece. Não há argumentos e sobra compartilhamento de mentiras. Aparentemente, nosso eleitorado não é questionador: se está na internet, se foi compartilhado na WhatsApp, é porque é verdade.

Antigamente, diziam que o Brasil seria um país melhor quando se discutisse política como se discute futebol. Que mentira. O futebol não é um terreno da razão. Por mais que se discutam esquemas táticos e estatísticas, quando um brutamontes está em prantos porque seu time foi rebaixado, não há razão ali. Não há explicação racional que dê sentido à jornada do torcedor que pega ônibus para ver um jogo às 22h00 de uma quarta-feira, paga caro pelo ingresso, corre risco de ser agredido pela torcida adversária e, por fim, poderá adentrar a madrugada do dia seguinte, dia de labuta, com o time derrotado. Inexiste justificativa racional em hostilizar a pobre coitada da mãe árbitro.

Na política as escolhas precisam ser racionais. E bem construídas – tem muita gente querendo te enganar, sobretudo aqueles que deveriam dar informações. Deixemos o coração de lado. O amor incondicional deve ser exclusivo das mães e dos torcedores fanáticos. Um político sempre poderá te trair com uma conta secreta na Suíça.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 29/3/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
02. Nós o Povo de Marilia Mota Silva
03. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva
04. Quando a Páscoa chega ao Sul de Celso A. Uequed Pitol
05. A História de Alice no País das Maravilhas de Marcelo Spalding


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2016
01. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão - 30/8/2016
02. Tricordiano, o futebol é cardíaco - 26/4/2016
03. Nos tempos de Street Fighter II - 31/5/2016
04. Meu pé quebrado - 18/10/2016
05. Radiohead e sua piscina em forma de lua - 28/6/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Positivismo Jurídico – Lições de Filosofia do Direito - 1ª Edição
Norberto Bobbio
Ícone
(1995)



Mundrackz - Coleção Piririca da Serra
Eva Furnari
Atica
(2001)



Fundamental Methods of Mathematical Economics
Chiang
International Students Edition
(1967)



Ri Melhor Quem Ri ... no Fim!
Telma Guimarães Castro Andrade
Do Brasil
(2005)



Deuses do Olimpo, Os: da Antiguidade aos Dias de Hoje
Barbara Graziosi
Cultrix
(2016)



A Fantástica Corrupção no Brasil
Mario Barros Junior
Do Autor
(1982)



De Olho Nas Penas
Ana Maria Machado
Salamandra
(1984)



Conversas Com Joao Carlos Martins
David Dubal
Green Forest do Brasil
(1999)



A Ditadura dos Cartéis: Anatomia de um Subdesenvolvimento
Kurt Rudolf Mirow
Civilização Brasileira
(1978)



Medidas Educacionais
Richard H. Lindeman
Globo
(1978)





busca | avançada
64869 visitas/dia
2,2 milhões/mês