Jornalismo em tempos instáveis | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
Colunistas
Últimos Posts
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
Últimos Posts
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Banana Republic
>>> Em terra de cego, quem tem olho é Pelé
>>> O MP3 aconselha
>>> Cultura pop
>>> Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Borges: uma vida, por Edwin Williamson
>>> Garanto que você não vai gostar
>>> Stan Lee - o reinventor dos super-heróis
>>> A poética anárquica de Paulo Leminski
Mais Recentes
>>> Amigos Íntimos, Rivais Perigosos de Duane Schultz, Ph.D pela Rocco (1991)
>>> Postais do Abismo - Segredos da droga em Hollywood de Carrie Fisher pela Nova Cultural (1989)
>>> O Apicultor - Um Romance de Mexence Fermine pela Objetiva (2001)
>>> O Bosque das Ilusões Perdidas de Alain-Fournier pela Círculo do Livro (1972)
>>> Thais de Anatole France pela Martin Claret (2006)
>>> A Lua de Mel de Knut Faldbakken pela Nórdica (1990)
>>> O Cerco de Krishnapur de J.G. Farrell pela Record (1973)
>>> Os Diamantes São Eternos de Ian Fleming pela Civilização Brasileira (1965)
>>> Exel 2010 - Avançado de Richard Martelli e Maria Silvia Mendonça Barros pela Senac São Paulo (2013)
>>> Brasil--pais do presente--socialismo cristao brasileiro. de Augusto ariston e jesus chediak. pela Pi (2001)
>>> Shopping centers de Mario cerveira filho pela Saraiva (1999)
>>> Divina comédia (Com Ilustrações de Sandro Boticelli) de Dante Alighieri pela Ateliê/Unicamp (2011)
>>> Dinâmica da Contra-revolução na Europa: 1870-1956 de Arno J. Mayer pela Paz e Terra (1977)
>>> Dialectic For Beginners de Carlos Cirne Lima pela Edipucrs (1997)
>>> Democracia, agência e estado: Teoria com intenção comparativa de Guillermo Alberto O. Donnell pela Paz e Terra (2010)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoievski pela 34 (2005)
>>> Conservadorismos, Fascismos e Fundamentalismos: Análises Conjunturais de Ronaldo Almeida e Rodrigo Toniol (Orgs.) pela Unicamp (2018)
>>> Condomínio do Diabo de Alba Zaluar pela Ufrj (1996)
>>> Combate nas Trevas de Jacob Gorender pela Ática (1998)
>>> Coisas da Cosa Nostra: A Máfia Siciliana Vista Por Seu Pior Inimigo de Giovanni Falcone; Marcelle Padovani pela Rocco (2012)
>>> Cidade Aberta de Teju Cole pela Cia. das Letras (2012)
>>> Carta Aberta Aos Gurus Da Economia Que Nos Julgam Imbecis de Bernard Maris pela Bertrand Brasil (2000)
>>> Abismo de Kurt Falkenburger pela Clube do Livro (1980)
>>> Anchieta: A restauração de um Santuário de Org. Carol de Abreu pela Ministério da Cultura - IPHAN (1998)
>>> Cimarron de Edna Ferber pela Abril Cultural (1983)
>>> A Chave de Rebeca de Ken Follett pela Círculo do Livro (1986)
>>> Le Grand Meaulnes de Alin-Fournier pela Livre de Poche (1983)
>>> Harry Potter e o Cálice de Fogo de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de J. K. Rowling pela Rocco (1999)
>>> O Amor Não Term Hora de Cynthia Freeman pela Record (1986)
>>> De Olho em Zumbi dos Palmares - Histórias, símbolos e memória social de Flávio dos Santos Gomes pela Claro Enigma (2011)
>>> Nei Lopes - Retratos do Brasil Negro de Oswaldo Faustino pela Selo Negro (2019)
>>> Cisne de Leonardo de Kren Essex pela Suma (2006)
>>> Diga Espelho Meu de Stanley Ellin pela Record (1972)
>>> Pecar e perdoar: Deus e o Homem na História de Leandro Karnal pela Harper Collins (2014)
>>> Dinastia de Robert S. Elegant pela Círculo do Livro (1977)
>>> The Wicca Handbook de Eileen Holland pela Samuel Weiser (2000)
>>> O Guerrilherio de Baker Street de B. Sweet-Escott pela Bloch (1965)
>>> A Filha do Milionário de Dorothy Eden pela Nova Cultural (1987)
>>> The Wicca Bible - The definitive guide to Magic and The Craft de Ann-Marie Gallagher pela Sterling Publishing - New York (2005)
>>> "Batman: Vigilantes de Gotham - N° 28: Viver e Morrer em Gotham City... de Vários pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 41: Gotham City: Contagem Regressiva para o Fim...! de Dennis Oneil: Argumento pela Dc Comics: Abril (2000)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 26: Mulher Gato Ano Dois de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 23: Batman - Procedimento Padrão de Alan Grant: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> As Grandes Correntes da Mística Judaica de Gershom Scholem pela Perspectiva (1972)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 19: Justiça Cega! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N° 16: Azrael - Anjo Em Guerra! de Jerry Ordway: Argumento pela Dc Comics: Abril (1998)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham - N°13: Batman Contra o Anjo Vingador de São Dumas! de Dennis Oneil: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Batman: Vigilantes de Gotham (N. 10): Retorno de Alfred: A Conspiração Inglesa de Alan Grant: Roteiro pela Dc Comics: Abril (1997)
>>> Os Quatro Elementos e os Caminhos da Energia de Karen Hamaker-Zondag pela Nova Fronteira (1989)
COLUNAS >>> Especial Blogueiros e Jornalistas

Quarta-feira, 16/4/2008
Jornalismo em tempos instáveis
Luiz Rebinski Junior

+ de 3400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Uma das coisas mais cansativas no debate acerca do papel da internet como meio de comunicação de massa, é a forma maniqueísta com que o assunto é discutido, tanto por parte dos detratores, quanto pelos entusiastas das chamadas "novas mídias". De um lado os novos agentes da informação, que há tempos decretaram a falência dos jornais e o fim do jornalismo tal como se conhece desde sempre. Na outra ponta estão aqueles que ainda acreditam que a chamada mídia impressa detém o monopólio da credibilidade e, portanto, não precisa se render aos novos tempos. Em geral o que se vê são discussões apaixonadas sobre o tema, mas pouco realistas. Mas existem exceções.

Em um artigo intitulado "Cyberutopias e jornalismo", publicado recentemente no jornal O Estado de São Paulo, Eugênio Bucci, jornalista e ex-presidente da Radiobrás, escreve de forma bastante esclarecedora sobre a possível morte dos jornais e o domínio da internet no campo da informação em um futuro próximo.

Comentando o relatório The State of the News Media 2008, que mapeia o estado atual da imprensa nos Estados Unidos, o jornalista traça um bom panorama sobre a influência da internet na comunicação norte-americana. Entre as informações mais interessantes do relatório comentado por Bucci, uma em especial chama a atenção: a de que a internet nos EUA tem sido uma importante alternativa para quem quer ir além daquilo que os diários noticiam, mas que, diferentemente do que se pensava sobre o caráter democrático e expansivo da web na veiculação de notícias, a concentração de audiência de sites noticiosos é maior do que a verificada na mídia tradicional.

"Os dez sites noticiosos de maior audiência, em sua maioria extensões de marcas já consagradas na televisão ou na chamada 'imprensa escrita' ― como CNN, com 29,1 milhões de visitantes únicos por mês em 2007, ou The New York Times, com 14,7 milhões ―, exercem praticamente uma 'oligarquia', nos termos do relatório, dentro da rede. No jornalismo on-line, a concentração de audiência é ainda maior do que a verificada na mídia convencional. Os dez maiores sites correspondem por 29% do total, enquanto os dez maiores jornais impressos representam apenas 19% do mercado. Essa concentração segue em crescimento, contrariando as previsões de que o aumento do número de portais, blogs e sites estilhaçaria o domínio de marcas tradicionais", escreve Bucci.

Isso não representa somente a garantia do monopólio das grandes redes de comunicação, que apenas transferiram seu domínio para o espaço virtual. Quer dizer mais. Confiabilidade e credibilidade talvez sejam fatores que ainda façam a diferença quando se fale em comunicação de massa. Ainda são elementos imprescindíveis que, em grande parte pelo pouco tempo de existência, a maioria dos blogs e sites independentes ainda não tem ― e confiança do leitor não se conquista a toque de caixa, é um processo longo e árduo.

Ainda que o relatório comentado por Bucci se refira exclusivamente à imprensa norte-americana, no Brasil a situação não é muito diferente. Pelo menos quando se fala de sites sobre política ou economia. Quais são os sites confiáveis hoje para se informar sobre os bastidores de Brasília ou as últimas decisões do Banco Central referentes à taxa de juros? Por aqui, a grande maioria dos blogs noticiosos relevantes e que tem alguma audiência expressiva é assinada por jornalistas figurões que foram ou ainda são ligados às grandes redes de comunicação, tal como jornais e televisões. E isso acontece pelo simples fato de que não existem blogueiros independentes dispostos a sujar os sapatos, como um Gay Talese da web, indo para a rua apurar fatos e tirar dos lugares menos prováveis as informações mais relevantes, como fazem os bons repórteres. E por que razão os nossos blogueiros não tiram a mão do mouse? Simples. Porque ninguém os paga para fazê-lo. É óbvio que há textos interessantíssimos em muitos blogs da internet brasileira. Mas a impressão que se tem é que a maioria dos blogueiros está sempre muito apressada quando posta um texto em sua página, pouco se importando em fazer uma pesquisa mais minuciosa sobre o que escreve ou uma revisão caprichada, detalhes bastante caros ao bom jornalismo, seja ele noticioso ou de opinião, pouco importa. Os poucos que encaram o trabalho duro são justamente aqueles que recebem para publicar em papel e (também) manter atualizado um blog, que não raramente é alimentado com o mesmo material da versão impressa. Tome-se como exemplo as versões on-line dos grandes jornais brasileiros. Praticamente quase tudo que está disponível on-line foi pensado para servir à versão impressa ― e aqui a falácia da tal "linguagem" da internet, que seria caracterizada por textos mais curtos e concisos, cai por terra. E isso se deve a um detalhe bastante simples, mas vital: a internet brasileira (leia-se sites noticiosos) ainda não consegue sustentar redações, pagar salários a jornalistas (ou não-jornalistas) e manter um bom quadro de colaboradores fixos. Fato que remete de imediato à questão da credibilidade. Anunciantes ainda preferem ver suas marcas estampadas em papel, ainda que os jornais, como é de conhecimento geral, tenham perdido muitos leitores nos últimos anos.

Mas mesmo a crise dos jornais, argumento tão utilizado pelos entusiastas da web para sacramentar a morte dos impressos, não se deve exclusivamente à internet. A tal crise envolve muitos outros aspectos, como estagnação econômica, que naturalmente afugenta anunciantes, e tem origem muito antes da popularização da internet ― que também pode ser vista com cautela, já que no Brasil ainda um número muito pequeno de pessoas tem acesso ilimitado à rede.

Então é no mínimo duvidoso apostar que a mídia impressa vai morrer. Não vai. Assim como o livro não morreu e não vai morrer nunca, mesmo que continue saindo das gráficas com tiragens irrisórias (principalmente quando se trata de literatura).

O que parece não ter ficado claro para muitos, é que o momento não é de total ruptura. O que está acontecendo é a transição de um modelo de jornalismo que não funciona mais como funcionava antes, mas que ainda guarda características que dificilmente vão deixar de ser relevantes no mundo da comunicação. A internet abriu importante espaço para que as pessoas possam se manifestar de forma livre e democrática, com iniciativas interessantes que não deixam o leitor refém dos grandes veículos de comunicação. Além disso, a chegada da web forçou mudanças nos meios tradicionais de informação que há tempos se avizinhavam e que estão melhorando o jornalismo tradicional. E este parece ser o grande legado da internet, pelo menos por enquanto.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 16/4/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O luto e o luto de Valter Hugo Mãe de Wellington Machado
02. Brasil em novo tempo de cinema de Humberto Pereira da Silva
03. Tempo de nebulosas de Elisa Andrade Buzzo
04. Digam a Satã que estreei de Luiz Rebinski Junior
05. Bruce, Bane e Batman de Vicente Escudero


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


Mais Especial Blogueiros e Jornalistas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/4/2008
13h31min
Luiz, seu artigo está perfeito. Adorei ler suas observações porque realmente acredito nisso. Certas convenções como jornalismo e livro podem ser inovadas e devem buscar melhorias, mas isso jamais representa ruptura. Acho que a confusão acontece justamente porque o poder institucional perde valor diante do poder pessoal. Ou seja, marcas como Noblat e Nassif não precisam obrigatoriamente ter suas entidades para serem o que são. E isso representa uma mudança drástica porque permite aos bons jornalistas serem ainda mais opinativos, o que é esplêndido para o mundo. Por outro lado, percebo que há coisas novas no mercado a partir da expressão pessoal que os blogs permitem. Há trocas de vivências que nunca foram tão bem apuradas pelo jornalismo como é caso dos bons diários on-line. Até mesmo o humor é um ganho novo quando se lê blogs. Meu receio é que estamos criando nichos completamente diferentes e tentando misturá-los na mesma salada.
[Leia outros Comentários de Ceila Santos]
23/4/2008
15h40min
Luis, um ótimo texto, desapaixonado e, principalmente, objetivo. Já decretaram o fim do papel, do jornal, da literatura e até mesmo, ainda que implicitamente, dos escritores. Estas previsões não consideram os grandes mercados, que inicialmente antecipam estas transformações, não levam em conta a situação econômica do país, nem suas implicações e não resistem a uma comparação com eventos ou previsões semelhantes. As pautas seguem rumo a conclusão do articulista, como se o fato não determinasse qualquer juízo. Esta dinâmica é que, de maneira geral, prevalece, por indolência e vício. O jornalismo sim passa por uma revisão, a unilateralidade do veículo ainda que permeado por segmentação, não sustenta mais a sua relação com o leitor. A expressiva quantidade de leigos escrevendo artigos de opinião, confundindo matéria jornalística com a visão pessoal de um profissional sem o aparato técnico para o tema. Isto sim é uma crise, que há muito assola o jornalismo no Brasil.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FITA AZUL DE MARIA ANO V MAIO E JUNHO Nº60 - 61
FEDERAÇÃO MARIANAS
FEDERAÇÃO MARIANAS
(1958)
R$ 12,00



APONTAMENTOS PARA FUTURO
NELSON MANDELA , DESMOND TUTU
RAACO
(2018)
R$ 15,00



REDAÇÃO -PARA CONCURSOS
MARCELO PORTELLA
VESTCON
(2007)
R$ 9,70



A LISTA NEGRA
JENNIFER BROWN
GUTENBERG
(2012)
R$ 32,00



ESCOLAS INCLUSIVAS
ELISANGELA DA SILVA BERNARDO, HELENICE MAIA
MARSUPIAL
(2016)
R$ 40,00



ANTARCTICA COM A FOLHA ARTES
VARIOS AUTORES
COSAC NAIFY
(1998)
R$ 150,00



CARTAS A CHE GUEVARA - O MUNDO, TRINTA ANOS DEPOIS
EMIR SADER
PAZ / TERRA
(2003)
R$ 16,80



RETRATO DO BRASIL - ENSAIO SOBRE A TRISTEZA BRASILEIRA
PAULO PRADO
JOSÉ OLYMPIO
(1962)
R$ 50,00
+ frete grátis



FATORES DE RISCO PARA O BAIXO PESO AO NASCER
RAFAELLA MARIA MONTEIRO SAMPAIO UND FRANCISCO JOSÉ MAIA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 230,00



EM MEIA HORA... A MORTE
FRANCISCO MARTÍN MORENO
PLANETA
(2014)
R$ 18,28





busca | avançada
33461 visitas/dia
922 mil/mês