Jornalismo em tempos instáveis | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
35116 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Vila 567 promove Quintaneja para comemorar feriado prolongado
>>> Musical gratuito "Brincando com a Broadway" chega ao Teatro UMC
>>> Cantor israelense Rami Kleinstein se apresenta em São Paulo
>>> EM AÇÃO INÉDITA, BLACK FRIDAY SAI DA INTERNET E DOMINA AS RUAS DE SÃO PAULO
>>> Filmaê - 1º Festival de Cinema Móvel de Brasília estreia no Espaço Cultural Renato Russo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso:
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
>>> Cabeças Cortadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A universalidade de Anish Kapoor
>>> A internet não é isso tudo
>>> Tom Zé por Giron
>>> A boa literatura brasileira
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O país dos imbecis
>>> Um Jogador
>>> Literatura em 2000-2009
>>> Entre o copo, a vitrola, a fumaça e o boicote
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
Mais Recentes
>>> A Doutrina Secreta - Volume 3 - Antropogênese de H.P. Blavatsky pela Pensamento (2017)
>>> Liderança Executiva - Uma Proposta Racional de Dr. Albert Ellis pela Record (1972)
>>> Destruiaçao e equilibrio de Sergio de almeida rodrigues pela Atual
>>> Os livros da fuvest--2 de Objetivo pela Objetivo
>>> Teste 4 de Camila pela Camila (2018)
>>> A Odisseia (Em Forma de Narrativa) de Homero pela Ediouro (1991)
>>> Wuthering heights de Emily bronte pela Penguin books
>>> Anave de noe de Trigueirinho pela Pensamento
>>> Cozinha Maravilhosa de Ofélia - Bifes e Acompanhamentos de Ofélia Ramos Anunciato pela Melhoramentos (2006)
>>> Tortas Salgadas de Vários pela Melhoramentos (2007)
>>> Docinhos para festas de Vários pela Melhoramentos (2012)
>>> Teste2 de Camila Pontes pela Teste (2018)
>>> Astrologia,sexo e amor. de Sydney omarr pela Market books
>>> Sucos e Vitaminas de Caroline Bergerot pela Cultrix (2003)
>>> Bandeirantes e Pioneiros de Vianna Moog pela Civilização Brasileira (1964)
>>> Carne de Vários pela Impala (2012)
>>> Doces de Vários pela Impala (2012)
>>> A arte da cura espiritual de Keith sherwood pela Siciliano
>>> Saladas de Vários pela Impala (2012)
>>> Petiscos - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> O homem e seus poderes de Eunilto carvalho souza pela Petit
>>> Pizzas - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> Sandes - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> Simplesmente Divina de Wendy Holden pela Best Seller (2000)
>>> O evangelho segundo o espiritismo de Allan kardec pela Lake
>>> Saladas - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> Sobremesas - 14 receitas de Vários pela Impala (2009)
>>> Em busca de outros mundos de Ronaldo rogerio de freitas mourao pela Circulo do lvro
>>> Fenomenos ocultos de Zsolt aradi pela Ibrasa
>>> Homeostase no homem de Stanley mikal pela Edart
>>> O principe de Machiavelli pela Ediouro
>>> Direito e processo do trabalho - Teoria e Prática - 1ª e 2ª fase de Rafael Tonassi Souto, Aryanna Linhares e Renato Saraiva pela Juspodivm (2018)
>>> Guia pratico do zodiaco chines de Melanie claire pela Pensamento
>>> Magias para ganhar dinheiro de Novo mundo pela Novo mundo
>>> Codigos-4 em 1-clt-cpc-legislaçao previdenciaria-constituiçao federal. de Saraiva pela Saraiva
>>> Um guia competo--astrologia de Eclipse pela Eclipse
>>> Now that youre back de A. l. kennefy pela Vintage
>>> Minidicionario de Ruth rocha pela Scipione
>>> Dona flor e seus dois maridos de Jorge amado pela Martins
>>> Astrobiologia de Flavio pereira pela Traço
>>> Palavra possuída de Fleury, Beth pela Orobó Edições (2005)
>>> O segredo de uma família feliz de Associação Torre de Vigia de Biblias e Tratados pela Fy-t (2006)
>>> O Reino Das Vozes Que Não Se Calam de Carolina Munhóz & Sophia Abrahão pela Fantástica Rocco (2014)
>>> O príncipe: a natureza do poder e as formas de conservá-lo. Texto integral de Maquiavel pela Gb (2008)
>>> Extratos do coração de Finamora, José Florêncio pela Ophicina de Arte & Prosa (2013)
>>> O livro neurótico de receitas de Carvalho, Ana Cecília pela Ophicina de Arte & Prosa (2012)
>>> O homem que calculava de Tahan, Malba pela Record (1994)
>>> O zapear a informação em bibliotecas e na Internet de Blattmann, Ursula (Org.); Fragoso, Graça Maria pela Autêntica (2003)
>>> Hegel de Benoit Timmermans pela Estação Liberdade (2005)
>>> Flávio Josefo de Denis Lamour pela Estação Liberdade (2006)
COLUNAS >>> Especial Blogueiros e Jornalistas

Quarta-feira, 16/4/2008
Jornalismo em tempos instáveis
Luiz Rebinski Junior

+ de 3300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Uma das coisas mais cansativas no debate acerca do papel da internet como meio de comunicação de massa, é a forma maniqueísta com que o assunto é discutido, tanto por parte dos detratores, quanto pelos entusiastas das chamadas "novas mídias". De um lado os novos agentes da informação, que há tempos decretaram a falência dos jornais e o fim do jornalismo tal como se conhece desde sempre. Na outra ponta estão aqueles que ainda acreditam que a chamada mídia impressa detém o monopólio da credibilidade e, portanto, não precisa se render aos novos tempos. Em geral o que se vê são discussões apaixonadas sobre o tema, mas pouco realistas. Mas existem exceções.

Em um artigo intitulado "Cyberutopias e jornalismo", publicado recentemente no jornal O Estado de São Paulo, Eugênio Bucci, jornalista e ex-presidente da Radiobrás, escreve de forma bastante esclarecedora sobre a possível morte dos jornais e o domínio da internet no campo da informação em um futuro próximo.

Comentando o relatório The State of the News Media 2008, que mapeia o estado atual da imprensa nos Estados Unidos, o jornalista traça um bom panorama sobre a influência da internet na comunicação norte-americana. Entre as informações mais interessantes do relatório comentado por Bucci, uma em especial chama a atenção: a de que a internet nos EUA tem sido uma importante alternativa para quem quer ir além daquilo que os diários noticiam, mas que, diferentemente do que se pensava sobre o caráter democrático e expansivo da web na veiculação de notícias, a concentração de audiência de sites noticiosos é maior do que a verificada na mídia tradicional.

"Os dez sites noticiosos de maior audiência, em sua maioria extensões de marcas já consagradas na televisão ou na chamada 'imprensa escrita' ― como CNN, com 29,1 milhões de visitantes únicos por mês em 2007, ou The New York Times, com 14,7 milhões ―, exercem praticamente uma 'oligarquia', nos termos do relatório, dentro da rede. No jornalismo on-line, a concentração de audiência é ainda maior do que a verificada na mídia convencional. Os dez maiores sites correspondem por 29% do total, enquanto os dez maiores jornais impressos representam apenas 19% do mercado. Essa concentração segue em crescimento, contrariando as previsões de que o aumento do número de portais, blogs e sites estilhaçaria o domínio de marcas tradicionais", escreve Bucci.

Isso não representa somente a garantia do monopólio das grandes redes de comunicação, que apenas transferiram seu domínio para o espaço virtual. Quer dizer mais. Confiabilidade e credibilidade talvez sejam fatores que ainda façam a diferença quando se fale em comunicação de massa. Ainda são elementos imprescindíveis que, em grande parte pelo pouco tempo de existência, a maioria dos blogs e sites independentes ainda não tem ― e confiança do leitor não se conquista a toque de caixa, é um processo longo e árduo.

Ainda que o relatório comentado por Bucci se refira exclusivamente à imprensa norte-americana, no Brasil a situação não é muito diferente. Pelo menos quando se fala de sites sobre política ou economia. Quais são os sites confiáveis hoje para se informar sobre os bastidores de Brasília ou as últimas decisões do Banco Central referentes à taxa de juros? Por aqui, a grande maioria dos blogs noticiosos relevantes e que tem alguma audiência expressiva é assinada por jornalistas figurões que foram ou ainda são ligados às grandes redes de comunicação, tal como jornais e televisões. E isso acontece pelo simples fato de que não existem blogueiros independentes dispostos a sujar os sapatos, como um Gay Talese da web, indo para a rua apurar fatos e tirar dos lugares menos prováveis as informações mais relevantes, como fazem os bons repórteres. E por que razão os nossos blogueiros não tiram a mão do mouse? Simples. Porque ninguém os paga para fazê-lo. É óbvio que há textos interessantíssimos em muitos blogs da internet brasileira. Mas a impressão que se tem é que a maioria dos blogueiros está sempre muito apressada quando posta um texto em sua página, pouco se importando em fazer uma pesquisa mais minuciosa sobre o que escreve ou uma revisão caprichada, detalhes bastante caros ao bom jornalismo, seja ele noticioso ou de opinião, pouco importa. Os poucos que encaram o trabalho duro são justamente aqueles que recebem para publicar em papel e (também) manter atualizado um blog, que não raramente é alimentado com o mesmo material da versão impressa. Tome-se como exemplo as versões on-line dos grandes jornais brasileiros. Praticamente quase tudo que está disponível on-line foi pensado para servir à versão impressa ― e aqui a falácia da tal "linguagem" da internet, que seria caracterizada por textos mais curtos e concisos, cai por terra. E isso se deve a um detalhe bastante simples, mas vital: a internet brasileira (leia-se sites noticiosos) ainda não consegue sustentar redações, pagar salários a jornalistas (ou não-jornalistas) e manter um bom quadro de colaboradores fixos. Fato que remete de imediato à questão da credibilidade. Anunciantes ainda preferem ver suas marcas estampadas em papel, ainda que os jornais, como é de conhecimento geral, tenham perdido muitos leitores nos últimos anos.

Mas mesmo a crise dos jornais, argumento tão utilizado pelos entusiastas da web para sacramentar a morte dos impressos, não se deve exclusivamente à internet. A tal crise envolve muitos outros aspectos, como estagnação econômica, que naturalmente afugenta anunciantes, e tem origem muito antes da popularização da internet ― que também pode ser vista com cautela, já que no Brasil ainda um número muito pequeno de pessoas tem acesso ilimitado à rede.

Então é no mínimo duvidoso apostar que a mídia impressa vai morrer. Não vai. Assim como o livro não morreu e não vai morrer nunca, mesmo que continue saindo das gráficas com tiragens irrisórias (principalmente quando se trata de literatura).

O que parece não ter ficado claro para muitos, é que o momento não é de total ruptura. O que está acontecendo é a transição de um modelo de jornalismo que não funciona mais como funcionava antes, mas que ainda guarda características que dificilmente vão deixar de ser relevantes no mundo da comunicação. A internet abriu importante espaço para que as pessoas possam se manifestar de forma livre e democrática, com iniciativas interessantes que não deixam o leitor refém dos grandes veículos de comunicação. Além disso, a chegada da web forçou mudanças nos meios tradicionais de informação que há tempos se avizinhavam e que estão melhorando o jornalismo tradicional. E este parece ser o grande legado da internet, pelo menos por enquanto.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 16/4/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quem é mesmo massa de manobra? de Cassionei Niches Petry
02. Redescobrir as palavras, reinventar a vivência de Duanne Ribeiro
03. Abominável Mundo Novo de Marilia Mota Silva
04. Um outro mundo de Daniel Bushatsky
05. Senhora Victor de Guilherme Pontes Coelho


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Crônicas do anonimato - 19/3/2008


Mais Especial Blogueiros e Jornalistas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/4/2008
13h31min
Luiz, seu artigo está perfeito. Adorei ler suas observações porque realmente acredito nisso. Certas convenções como jornalismo e livro podem ser inovadas e devem buscar melhorias, mas isso jamais representa ruptura. Acho que a confusão acontece justamente porque o poder institucional perde valor diante do poder pessoal. Ou seja, marcas como Noblat e Nassif não precisam obrigatoriamente ter suas entidades para serem o que são. E isso representa uma mudança drástica porque permite aos bons jornalistas serem ainda mais opinativos, o que é esplêndido para o mundo. Por outro lado, percebo que há coisas novas no mercado a partir da expressão pessoal que os blogs permitem. Há trocas de vivências que nunca foram tão bem apuradas pelo jornalismo como é caso dos bons diários on-line. Até mesmo o humor é um ganho novo quando se lê blogs. Meu receio é que estamos criando nichos completamente diferentes e tentando misturá-los na mesma salada.
[Leia outros Comentários de Ceila Santos]
23/4/2008
15h40min
Luis, um ótimo texto, desapaixonado e, principalmente, objetivo. Já decretaram o fim do papel, do jornal, da literatura e até mesmo, ainda que implicitamente, dos escritores. Estas previsões não consideram os grandes mercados, que inicialmente antecipam estas transformações, não levam em conta a situação econômica do país, nem suas implicações e não resistem a uma comparação com eventos ou previsões semelhantes. As pautas seguem rumo a conclusão do articulista, como se o fato não determinasse qualquer juízo. Esta dinâmica é que, de maneira geral, prevalece, por indolência e vício. O jornalismo sim passa por uma revisão, a unilateralidade do veículo ainda que permeado por segmentação, não sustenta mais a sua relação com o leitor. A expressiva quantidade de leigos escrevendo artigos de opinião, confundindo matéria jornalística com a visão pessoal de um profissional sem o aparato técnico para o tema. Isto sim é uma crise, que há muito assola o jornalismo no Brasil.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DIA DA TEMPESTADE
ROSAMUNDE PILCHER
BERTRAND BRASIL
(1997)
R$ 14,90



VINHO NOVO EM ODRES VELHOS. SACRAMENTOS DA LIBERTAÇÃO
FERDINAND KERSTIENS
VOZES
(1999)
R$ 20,00



ERÓTICA (CONTOS ERÓTICOS ESCRITOS POR MULHERES
ORGANIZADORA: BEBÉTI DO AMARAL GURGEL
BRASILIENSE
(1993)
R$ 18,00



O CACHORRINHO SAMBA NA BAHIA
MARIA JOSÉ DUPRÉ
SARAIVA
(1967)
R$ 29,10



ROSANE MALTA TUDO O QUE VI E VIVI
ROSANE MALTA
LEYA
(2014)
R$ 15,00



ESCOLIOSE--A CAUSA DAS NOSSA DORES FISICAS.
ANTONIO BENEDITO DO NASCIMENTO
OTTONI
R$ 18,00



O ESPECTRO DISCIPLINAR DA CIÊNCIA DA RELIGIÃO
FRANK USARSKI (ORG.)
PAULINAS
(2007)
R$ 32,00



GUIA DA LONGEVIDADE
REGINALDO J.M. RENA
PANCAST
(2001)
R$ 13,00



HIDRÁULICA BÁSICA
RODRIGO DE MELO PORTO
EESC USP
(2006)
R$ 85,00



VILA OLÍMPIA
FERNANDO STICKEL
TERCEIRO NOME
(2006)
R$ 19,00





busca | avançada
35116 visitas/dia
922 mil/mês