Uma fábula anticatólica | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
>>> Amor, entre o céu e o fardo
>>> O Estranho Mundo Atual que Julgamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Festival da Mantiqueira
>>> Eleições
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Por que ler poesia?
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Influências da década de 1980
Mais Recentes
>>> S. O. S Corpo Viagem ao Mundo da Contracepção de Rose Marie Muraro pela Rosa dos Tempos (1991)
>>> Uma Vida Em Alta Velocidade Em Depoimento a Peter Golenbock de Emerson Fittipaldi e Peter Golenbock pela Objetiva (2003)
>>> Uma Mulher Egípcia de Jehan Sadat pela Bibliex (2005)
>>> Econometric Methods de J. Johnston pela Mcgraw Hill (ny) (1972)
>>> O Continente Desaparecido de Gianni Minà pela Record (2007)
>>> Era uma Vez Fh: o Humor na História do Brasil de 1994 a 2002 de Chico Caruso pela Devir (2002)
>>> As Regras do Jogo: o Plano Real, 1997-2000 de Jorge Vianna Monteiro pela Fgv (2000)
>>> As Regras do Jogo: o Plano Real, 1997-2000 (2ª Ed.) de Jorge Vianna Monteiro pela Fgv (2001)
>>> Ciclos de Formação: uma Reorganização do Tempo Escolar de Elvira Souza Lima pela Sobradinho 107 (2002)
>>> Perdão: o Segredo da Cura Total de Roberto Mcalister (2ª Edição) pela Carisma (1982)
>>> A Luz Imortal de Vasco da Gama de João Lyra Filho pela Club de Regatas Vasco da Gama (1969)
>>> A Fartura das Juventudes: Tramas Entre Educação, Mídia e Arte de Aldo Victorio Filho pela Nau (2013)
>>> A Fartura das Juventudes: Tramas Entre Educação, Mídia e Arte de Aldo Victorio Filho e Outros (orgs) pela Nau (2013)
>>> Esquerda no Brasil: uma História Nas Sombras de História Viva, Nº 5 - Temas Brasileiro pela Duetto
>>> Entre sem Bater: o Humor na Imprensa - do Barão de Itararé ao Pas de Luís Cunha Pimentel pela Ediouro (2004)
>>> E Agora, Che? a Revolução das Bananas de Humberto Borges pela Europa (rj) (1980)
>>> Arbeitswert, Mehrwert Und Verteilung: Zur Problematik Von Theorie de Gerhard Himmelmann (em Alemão) pela Westdeutscher Verlag (1974)
>>> El Hombre Ilustrado de Ray Bradbury pela Minotauro (buenos Aires) (1980)
>>> Profissionais de Saúde: Vivendo e Convivendo Com Hivaids de Elaine Gomes e Dalton Luiz de Paula Ramos pela Santos (2002)
>>> Namoros Com a Medicina - 4ª Edição de Mário de Andrade pela Martins e Itatiáia (1980)
>>> Los Pajaros Regresan de La Niebla de Pedro Rivera (dedicatória) pela Ministerio de Educacion Panamá (1970)
>>> Racionalidade Retórica; América Latina; Onda Movimentalista e Açã de Estudos Leopoldinenses Vol 33 Nº 151 de 1997 pela Univ do Vale do Rio dos Sinos (1997)
>>> O Imperador da Fome de Newton Belleza pela Edições o Cruzeiro (1974)
>>> Vocabulário e Texto do Disco de Sons de Curso de Conversação: Alemão pela Linguaphone Institute
>>> Billy Hooten Owlboy: the Girl With the Destructo Touch de Thomas E. Sniegoski pela A Yearling Book (2007)
>>> Brésil, Pays Du Ballon Rond : Essai de Betty Milan pela Laube (frança) (1998)
>>> Taxionomia Contratual de Marcos Cavalcante de Oliveira pela Forense (1981)
>>> Leurope Au Moyen Age de Georges Duby pela Flammarion (1993)
>>> Liturgia, de Coração de Ione Buyst pela Paulus (2003)
>>> Acaso, Necessidade, Acção: Entre Aristóteles e Verdi de Revista Travessias, Nº 2e3 de 2000e01 pela Faperj (2000)
>>> Ill Let You Go: a Novel de Bruce Wagner pela Random House (new York) (2003)
>>> Catálogo da Secção Ivan Lins de Universidade Gama Filho - Biblioteca Central pela Univ Gama Filho (1977)
>>> Las Ruedas de un Alma de Dr Philip S. Berg pela Ci de La Cabala (jerusalem-ny) (1986)
>>> Quien Es y Quien Fue El Conde St Germain: Metafísica 3 de Conde St. Germain pela Ecologic Argentina (1986)
>>> A Idade Média:a Expansão do Oriente e o Nascimento da Civilização Ocid de Édouard Perroy pela Bertrand Brasil (1994)
>>> Ciência Tecnologia Teologia de João Vieira Martins (2ª Edição) pela Marques Saraiva (2000)
>>> O Conselho de Segurança Após a Guerra do Golfo de Antonio de Aguiar Patriota pela Fundação Alexandre de Gusmão (2010)
>>> Castro Alves: Imagens Fragmentadas de um Mito de Edilene Matos pela Fapesp (2001)
>>> Teoria Geral das Obrigações. Parte Geral de Leonardo Pantaleão pela Manole (2007)
>>> Transferências de Impostos aos Estados e Municípios de Aloísio B de Araujo, Maria Helena e Claudio M pela Ipea (rj) (1973)
>>> Alma y Espiritu: Profundo Análisis y Cuidadosa Interpretación Al de Felas Du Richard, S I pela Luis Carmo (1989)
>>> Grammaire de Lespagnol de Bernard Pottier pela Puf (1972)
>>> La Sociologie Du Langage (que Sais-je?) de Pierre Achard pela Puf (1993)
>>> Agricultura e Perestroika de Dados Vol 32 Nº 2 de 1989 (revista) pela Vértice (1989)
>>> Carnaval Brasileiro: da Origem Européia ao Símbolo Nacional de Revista Brasileira para Progresso Ciência, 8 pela Sbpc (1987)
>>> Los Primitivos Reyes de Noruega de Tomás Carlyle pela Espasa (buenos Aires) (1944)
>>> Bunge and Born: Crecimiento y Diversificación de un Grupo Economi de Jorge Schvarzer pela Cisea (1989)
>>> You Can Draw de Adrian Hill pela Hart Publishing (nova Iorque) (1966)
>>> Dicionário de Medicina Natural (capa Dura) de Readers Digest pela Readers Digest (1998)
>>> The Complete Works of O. Henry - Vol. Ii (capa Dura) de O. Henry ; Fareword Harry Hansen pela Doubleday & Company (1953)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/12/2010
Uma fábula anticatólica
Daniel Lopes

+ de 6400 Acessos

Em uma coleção literária que pretende recontar mitos e que tem a presença de nomes como Karen Armstrong e David Grossman, o britânico Philip Pullman resolveu participar recontando nada menos que a história de Jesus Cristo. Ou melhor, de Jesus e de Cristo, porque neste O bom Jesus e o infame Cristo (Companhia das Letras, 2010, 184 págs.) José e Maria, a caminho de Belém, têm duas crianças e não apenas uma. Pastores vão ao estábulo onde esperam ver o Messias. Na dúvida sobre qual dos dois meninos seria aquele que redimiria a humanidade, Maria se decide pelo segundo a nascer, menino mais frágil que o primeiro: o nome desse é Cristo, diz Maria. O outro se virará muito bem sem esse título.

Durante a infância, Jesus é um menino danado como outro qualquer, perpetrando peraltices por toda parte. Cristo, fraquinho e comportado, fica espreitando o irmão. Apesar de tirá-lo mais de uma vez de enrascadas, usando de sua lábia e conhecimento das Escrituras, no fundo o menino Cristo é um invejoso, orgulhoso, ambicioso, malicioso, mentiroso. É por essas alturas que seu irmão Jesus o chama de patife - ("scoundrel", que virou o "infame" do título brasileiro).

Desde cedo, Jesus começa a operar milagres, ou assim se comenta. A inveja de Cristo aumenta, pois ele próprio não consegue levar a cabo esses truques. Jesus começa a arregimentar seguidores, pregando sobre o Reino de Deus que em breve se inauguraria. Cristo é profunda e genuinamente interessado pelo Reino. Já que não tem os poderes de Jesus, poderia ao menos ajudar na organização para a chegada do Reino? Ele tenta. Explica a Jesus seu plano: ele, Jesus, deveria impressionar as massas com seus milagres, e o poder e admiração com isso adquiridos deveriam ser investidos na constituição de uma organização, uma igreja, que por muitas gerações cuidaria das vidas e das almas dos membros da humanidade, dizendo qual o caminho correto para se seguir e punindo adequadamente quem dele se desviar. Jesus discorda. O "Reino na terra" lhe é um completo nonsense. O Reino verdadeiro de qualquer forma já está bem próximo, não havendo necessidade de se apelar para uma burocracia onipotente e onipresente.

Cristo é então induzido, por um "estranho" que lhe aparece subitamente, a acompanhar e registrar os passos, atos e discursos de Jesus. Com isso, diz o estranho, eu e você estaremos ajudando a levar a cabo o projeto de Deus na terra, não obstante o espírito pouco resolutivo de Jesus. Cristo concorda e passa aos calcanhares do irmão, tomando o cuidado de manter-se o tempo todo fora de suas vistas. Quando isso não é possível, em reuniões fechadas, apela para o recurso de um informante, estrategicamente localizado no círculo íntimo de Jesus. Cristo registra tudo em papiros que de tempos em tempos são recolhidos pelo estranho.

A partir de um dado momento, Cristo resolve deturpar o que lhe relata o informante, a fim de a narrativa condizer com a teoria da história e do Reino declamada pelo estranho. Tempos turbulentos se aproximam, lhe diz o estranho:

"(...) se o caminho para o Reino de Deus deve ser aberto, nós que sabemos devemos estar preparados para fazer com que a história seja uma criada da posteridade, e não sua mestra. 'O que deveria ter sido' é um melhor servo para o Reino do que 'o que foi'. Estou certo de que você me entende." Cristo entendeu. Assim, quando o informante lhe revela que, diante da fala do discípulo Pedro de que ele seria o Messias, Jesus retrucou "É isso que você acha? Bem, é melhor não soltar a língua sobre isso. Eu não quero ouvir esse tipo de conversa, entendido?", Cristo resolve pôr em seu relato o que "teria sido" melhor para o advento e futuro do Reino, a saber, que Jesus não apenas não tinha admoestado Pedro como havia-lhe prometido as chaves do céu. Em outro momento, ao tomar ciência de um evento de moral até relevante mas pouco edificante para o "Reino na terra", Cristo "soube que seria outro daqueles dizeres de Jesus que estariam melhor como verdade do que como história".

Começamos aqui a ver o livro de Philip Pullman pelo que ele realmente é: uma fábula anticatólica, mais do que anticristã. Não é um percurso inédito na carreira do autor. Quando postei no meu blog um vídeo com resposta direta e reta do Pullman a alguns críticos de O bom Jesus..., um leitor esperto lembrou da trilogia fantástica His Dark Materials. Mas, neste novo livro, Pullman vai mais ao ponto.

Para o "estranho" da fábula, os crentes deveriam terceirizar algumas responsabilidades, delegando-as à igreja:

"(...) a vida humana é difícil; existem profundidades e compromissos e mistérios que parecem aos olhos inocentes como traição. Deixe que os sábios da igreja carreguem estes fardos, porque existem muitos outros fardos para o crente carregar. Há crianças para educar, doentes para cuidar, famintos para alimentar. (...) A igreja não será o Reino, porque o Reino não é deste mundo; mas ela será um prenúncio do Reino, e o caminho certo para se chegar até ele."

Mas para ter vida, e uma vida longa e plena, explica o estranho a Cristo, a igreja precisa do cadáver de Jesus, da presença sempre viva de um homem que é tanto um homem e mais do que um homem, um homem que seja também Deus e a palavra de Deus, um homem que morra e retorne novamente à vida. Sem isso, a igreja definhará e perecerá, uma casca vazia, como toda outra estrutura humana que vive por um momento e então morre e desaparece.

Dadas as maquinações e os aparecimentos mágicos ou quase isso desse estranho, algumas nuvens carregadas começam a se formar na cabeça do leitor a respeito de qual possa ser sua verdadeira identidade.

Embora Cristo continue essencialmente um patife, desse ponto da trama em diante ele começa a ser corroído por dúvidas: "Estarei fazendo a coisa certa?" "Merecerá meu irmão a morte?" "Ele é um teimoso, sovina de seus reais poderes, mas ainda assim sua morte valeria a pena, mesmo se para trazer à vida um Reino de felicidade?".

Mas para o estranho que quer fundar uma igreja por cima do cadáver de Jesus, o ceticismo de Cristo, por mais vago e pontual que seja, é uma verdadeira afronta aos projetos de Deus.

Da mesma forma que é preciso atentar para os diferentes graus de "patifaria" de Cristo ao longo da história, devemos perceber quando, realmente, Jesus é "bom". Quando este prevê (para si mesmo, em um monólogo com Deus) nos mínimos detalhes como seria terrível o futuro com uma igreja que se quer instrumento da vontade de Deus, é aí que ele é verdadeiramente um profeta, e não quando prediz o Reino. Essa é a parte menos relevante de sua condição de bom, no entanto. A parte mais relevante aparece quando, à beira de ser aprisionado por soldados romanos que o levariam a Pôncio Pilatos, Jesus se ajoelha e invecta contra Deus, quando admite mesmo que pode ter se equivocado o tempo todo, que não haveria Reino, que não havia Deus. Almejando receber um sinal de vida, de existência, de Deus, Jesus escuta de volta apenas os sons à sua volta - um cachorro latindo ao longe, uma coruja mais próxima:

"Se eu achasse que você está nesses sons", diz ele, "eu poderia te amar com todo meu coração, ainda que esses fossem os únicos sons que tu fizesses. Mas tu estás no silêncio. Tu não és nada.

Deus, há alguma diferença entre dizer isso e dizer que tu não estás aí de forma alguma? Eu posso imaginar algum padre esperto em anos vindouros enganando seus pobres seguidores: 'A grande ausência de Deus é, claro, o sinal mesmo de sua presença', ou algum disparate do tipo."

E fazendo referência ao Salmo 53 ("Disse o néscio no seu coração: Não há Deus"): "Esse padre é pior do que o néscio do salmo, que ao menos é um homem honesto".

A questão sobre o "silêncio" de Deus é, de fato, uma constante no debate teológico desde sempre. Só para ficar no exemplo de Joseph Ratzinger, em O sal da terra, livro que publicou nos anos 90, quando ainda era cardeal, ele escreveu:

"Na nossa maneira de viver e de pensar, há tantas interferências perturbadoras que não somos capazes de captar o som, que também se tornou tão estranho para nós que não o reconhecemos como vindo dEle. (...) [Deus fala] através de sinais e dos acontecimentos da vida, e através das outras pessoas. É necessário, pois, ter uma certa vigilância e perseverança para não ser dominado pelas coisas que ocupam o primeiro plano."

E a mesma questão também é prato cheio para ateus, como o filósofo André Comte-Sponville, que relatou em O espírito do ateísmo que, em sua infância católica, certo dia disse ao padre com quem se confessava: "Eu rogo a Deus, mas ele não me responde". O padre respondeu: "Deus não fala porque ouve". André: "Isso me fez pensar por muito tempo. Com o passar deste, porém, esse silêncio me cansou, depois me pareceu suspeito. Como saber se é o silêncio da escuta ou da inexistência?".

Na fábula de Philip Pullman, foi quando passou por um forte momento de suspeita em relação a esse silêncio que Jesus nos deixou ver seu lado cético e racional, componente principal de seu caráter de "homem bom". Pena que, àquela altura, graças às maquinações de Cristo e da figura estranha a favor da igreja, ele já era vítima do futuro.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no coletivo Amálgama. Os trechos citados da obra foram traduzidos pelo próprio autor, a partir do original em inglês.

Para ir além






Daniel Lopes
Teresina, 23/12/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim de Julio Daio Borges
02. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
03. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos
04. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
05. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes
01. Não gostar de Machado - 3/6/2008
02. Chris Hedges não acredita nos ateus - 1/7/2008
03. Umas e outras sobre Franz Kafka - 27/8/2007
04. O romance espinhoso de Marco Lacerda - 11/7/2007
05. Quem é Daniel Lopes - 28/2/1984


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SONATA DE OUTONO - INGMAR BERGMAN
INGMAR BERGMAN
NORDICA
(1978)
R$ 12,00



A UTOPIA - UM CONVITE À FILOSOFIA
JEAN-YVES LACROIX
JORGE ZAHAR RIO DE JANEIRO
(1996)
R$ 12,00



LYGIA PAPE, INTRINSECAMENTE ANARQUISTA
DENISE MATTAR
RELUME DUMARÁ
(2003)
R$ 13,00



OS ANOS 80: CONTAGEM REGRESSIVA PARA O JUÍZO FINAL
HAL LINDSEY
MUNDO CRISTÃO
(1981)
R$ 9,00



DESCOBERTA DE INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS COM MINERAÇÃO DE DADOS
FELIPE FERRÉ
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE OVINOS NO BRASIL
MARCOS ANTONIO DE OLIVEIRA, FABRÍCIO E. ARAÚJO UND ALEXANDRE A. MEXIA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



POPE JOAN
LAWRENCE DURRELL
SPHERE BOOKS
(1971)
R$ 27,28



RABISCADO NO TEATRO
STÉPHANE MALLARMÉ
AUTÊNTICA
(2010)
R$ 41,83



PREVENÇÃO DE QUEDAS EM IDOSOS
PEDRO PASSARINHA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



INDICADORES CARDIOVASCULARES E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS
JANAISA GOMES DIAS DE OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00





busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês