Uma fábula anticatólica | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/12/2010
Uma fábula anticatólica
Daniel Lopes

+ de 6700 Acessos

Em uma coleção literária que pretende recontar mitos e que tem a presença de nomes como Karen Armstrong e David Grossman, o britânico Philip Pullman resolveu participar recontando nada menos que a história de Jesus Cristo. Ou melhor, de Jesus e de Cristo, porque neste O bom Jesus e o infame Cristo (Companhia das Letras, 2010, 184 págs.) José e Maria, a caminho de Belém, têm duas crianças e não apenas uma. Pastores vão ao estábulo onde esperam ver o Messias. Na dúvida sobre qual dos dois meninos seria aquele que redimiria a humanidade, Maria se decide pelo segundo a nascer, menino mais frágil que o primeiro: o nome desse é Cristo, diz Maria. O outro se virará muito bem sem esse título.

Durante a infância, Jesus é um menino danado como outro qualquer, perpetrando peraltices por toda parte. Cristo, fraquinho e comportado, fica espreitando o irmão. Apesar de tirá-lo mais de uma vez de enrascadas, usando de sua lábia e conhecimento das Escrituras, no fundo o menino Cristo é um invejoso, orgulhoso, ambicioso, malicioso, mentiroso. É por essas alturas que seu irmão Jesus o chama de patife - ("scoundrel", que virou o "infame" do título brasileiro).

Desde cedo, Jesus começa a operar milagres, ou assim se comenta. A inveja de Cristo aumenta, pois ele próprio não consegue levar a cabo esses truques. Jesus começa a arregimentar seguidores, pregando sobre o Reino de Deus que em breve se inauguraria. Cristo é profunda e genuinamente interessado pelo Reino. Já que não tem os poderes de Jesus, poderia ao menos ajudar na organização para a chegada do Reino? Ele tenta. Explica a Jesus seu plano: ele, Jesus, deveria impressionar as massas com seus milagres, e o poder e admiração com isso adquiridos deveriam ser investidos na constituição de uma organização, uma igreja, que por muitas gerações cuidaria das vidas e das almas dos membros da humanidade, dizendo qual o caminho correto para se seguir e punindo adequadamente quem dele se desviar. Jesus discorda. O "Reino na terra" lhe é um completo nonsense. O Reino verdadeiro de qualquer forma já está bem próximo, não havendo necessidade de se apelar para uma burocracia onipotente e onipresente.

Cristo é então induzido, por um "estranho" que lhe aparece subitamente, a acompanhar e registrar os passos, atos e discursos de Jesus. Com isso, diz o estranho, eu e você estaremos ajudando a levar a cabo o projeto de Deus na terra, não obstante o espírito pouco resolutivo de Jesus. Cristo concorda e passa aos calcanhares do irmão, tomando o cuidado de manter-se o tempo todo fora de suas vistas. Quando isso não é possível, em reuniões fechadas, apela para o recurso de um informante, estrategicamente localizado no círculo íntimo de Jesus. Cristo registra tudo em papiros que de tempos em tempos são recolhidos pelo estranho.

A partir de um dado momento, Cristo resolve deturpar o que lhe relata o informante, a fim de a narrativa condizer com a teoria da história e do Reino declamada pelo estranho. Tempos turbulentos se aproximam, lhe diz o estranho:

"(...) se o caminho para o Reino de Deus deve ser aberto, nós que sabemos devemos estar preparados para fazer com que a história seja uma criada da posteridade, e não sua mestra. 'O que deveria ter sido' é um melhor servo para o Reino do que 'o que foi'. Estou certo de que você me entende." Cristo entendeu. Assim, quando o informante lhe revela que, diante da fala do discípulo Pedro de que ele seria o Messias, Jesus retrucou "É isso que você acha? Bem, é melhor não soltar a língua sobre isso. Eu não quero ouvir esse tipo de conversa, entendido?", Cristo resolve pôr em seu relato o que "teria sido" melhor para o advento e futuro do Reino, a saber, que Jesus não apenas não tinha admoestado Pedro como havia-lhe prometido as chaves do céu. Em outro momento, ao tomar ciência de um evento de moral até relevante mas pouco edificante para o "Reino na terra", Cristo "soube que seria outro daqueles dizeres de Jesus que estariam melhor como verdade do que como história".

Começamos aqui a ver o livro de Philip Pullman pelo que ele realmente é: uma fábula anticatólica, mais do que anticristã. Não é um percurso inédito na carreira do autor. Quando postei no meu blog um vídeo com resposta direta e reta do Pullman a alguns críticos de O bom Jesus..., um leitor esperto lembrou da trilogia fantástica His Dark Materials. Mas, neste novo livro, Pullman vai mais ao ponto.

Para o "estranho" da fábula, os crentes deveriam terceirizar algumas responsabilidades, delegando-as à igreja:

"(...) a vida humana é difícil; existem profundidades e compromissos e mistérios que parecem aos olhos inocentes como traição. Deixe que os sábios da igreja carreguem estes fardos, porque existem muitos outros fardos para o crente carregar. Há crianças para educar, doentes para cuidar, famintos para alimentar. (...) A igreja não será o Reino, porque o Reino não é deste mundo; mas ela será um prenúncio do Reino, e o caminho certo para se chegar até ele."

Mas para ter vida, e uma vida longa e plena, explica o estranho a Cristo, a igreja precisa do cadáver de Jesus, da presença sempre viva de um homem que é tanto um homem e mais do que um homem, um homem que seja também Deus e a palavra de Deus, um homem que morra e retorne novamente à vida. Sem isso, a igreja definhará e perecerá, uma casca vazia, como toda outra estrutura humana que vive por um momento e então morre e desaparece.

Dadas as maquinações e os aparecimentos mágicos ou quase isso desse estranho, algumas nuvens carregadas começam a se formar na cabeça do leitor a respeito de qual possa ser sua verdadeira identidade.

Embora Cristo continue essencialmente um patife, desse ponto da trama em diante ele começa a ser corroído por dúvidas: "Estarei fazendo a coisa certa?" "Merecerá meu irmão a morte?" "Ele é um teimoso, sovina de seus reais poderes, mas ainda assim sua morte valeria a pena, mesmo se para trazer à vida um Reino de felicidade?".

Mas para o estranho que quer fundar uma igreja por cima do cadáver de Jesus, o ceticismo de Cristo, por mais vago e pontual que seja, é uma verdadeira afronta aos projetos de Deus.

Da mesma forma que é preciso atentar para os diferentes graus de "patifaria" de Cristo ao longo da história, devemos perceber quando, realmente, Jesus é "bom". Quando este prevê (para si mesmo, em um monólogo com Deus) nos mínimos detalhes como seria terrível o futuro com uma igreja que se quer instrumento da vontade de Deus, é aí que ele é verdadeiramente um profeta, e não quando prediz o Reino. Essa é a parte menos relevante de sua condição de bom, no entanto. A parte mais relevante aparece quando, à beira de ser aprisionado por soldados romanos que o levariam a Pôncio Pilatos, Jesus se ajoelha e invecta contra Deus, quando admite mesmo que pode ter se equivocado o tempo todo, que não haveria Reino, que não havia Deus. Almejando receber um sinal de vida, de existência, de Deus, Jesus escuta de volta apenas os sons à sua volta - um cachorro latindo ao longe, uma coruja mais próxima:

"Se eu achasse que você está nesses sons", diz ele, "eu poderia te amar com todo meu coração, ainda que esses fossem os únicos sons que tu fizesses. Mas tu estás no silêncio. Tu não és nada.

Deus, há alguma diferença entre dizer isso e dizer que tu não estás aí de forma alguma? Eu posso imaginar algum padre esperto em anos vindouros enganando seus pobres seguidores: 'A grande ausência de Deus é, claro, o sinal mesmo de sua presença', ou algum disparate do tipo."

E fazendo referência ao Salmo 53 ("Disse o néscio no seu coração: Não há Deus"): "Esse padre é pior do que o néscio do salmo, que ao menos é um homem honesto".

A questão sobre o "silêncio" de Deus é, de fato, uma constante no debate teológico desde sempre. Só para ficar no exemplo de Joseph Ratzinger, em O sal da terra, livro que publicou nos anos 90, quando ainda era cardeal, ele escreveu:

"Na nossa maneira de viver e de pensar, há tantas interferências perturbadoras que não somos capazes de captar o som, que também se tornou tão estranho para nós que não o reconhecemos como vindo dEle. (...) [Deus fala] através de sinais e dos acontecimentos da vida, e através das outras pessoas. É necessário, pois, ter uma certa vigilância e perseverança para não ser dominado pelas coisas que ocupam o primeiro plano."

E a mesma questão também é prato cheio para ateus, como o filósofo André Comte-Sponville, que relatou em O espírito do ateísmo que, em sua infância católica, certo dia disse ao padre com quem se confessava: "Eu rogo a Deus, mas ele não me responde". O padre respondeu: "Deus não fala porque ouve". André: "Isso me fez pensar por muito tempo. Com o passar deste, porém, esse silêncio me cansou, depois me pareceu suspeito. Como saber se é o silêncio da escuta ou da inexistência?".

Na fábula de Philip Pullman, foi quando passou por um forte momento de suspeita em relação a esse silêncio que Jesus nos deixou ver seu lado cético e racional, componente principal de seu caráter de "homem bom". Pena que, àquela altura, graças às maquinações de Cristo e da figura estranha a favor da igreja, ele já era vítima do futuro.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no coletivo Amálgama. Os trechos citados da obra foram traduzidos pelo próprio autor, a partir do original em inglês.

Para ir além






Daniel Lopes
Teresina, 23/12/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
02. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
04. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
05. Brasil, o buraco é mais embaixo de Luís Fernando Amâncio


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes
01. Não gostar de Machado - 3/6/2008
02. Chris Hedges não acredita nos ateus - 1/7/2008
03. Quem é Daniel Lopes - 28/2/1984
04. Umas e outras sobre Franz Kafka - 27/8/2007
05. O romance espinhoso de Marco Lacerda - 11/7/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIVRO DO PRÁTICO DE FARMÁCIA 5A. EDIÇÃO
HEITOR LUZ
TEIXEIRA
(1954)
R$ 19,97



MANUAL PRÁTICO DOS CONTRATOS
JONATAS MILHOMENS
FORENSE
(2001)
R$ 20,00



HORA ZERO
AGATHA CHRISTIE
NOVA FRONTEIRA
(1944)
R$ 10,00



LIMITES DA VOZ (MONTAIGNE, SCHLEGEL, KAFKA)
LUIZ COSTA LIMA
TOPBOOKS
(2005)
R$ 26,91



DROGAS: AÇÕES E REAÇÕES
GESINA L. LONGENECKER
MARKET BOOKS
(2002)
R$ 7,19



ASSOMBRAÇÕES
COLIN JACQUI HAWKINS
MARTINS FONTES
(1997)
R$ 14,00



ATÉ AS PRINCESAS SOLTAM PUM
ILAN BRENMAN
BRINQUE-BOOK
R$ 39,95



NOÇÕES DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE PERDAS EM SEGURANÇA DO TRABALHO 7ª EDIÇÃO REVISTA E ATUALIZADA
TAVARES, JOSÉ DA CUNHA
SENAC
(2010)
R$ 5,30



O ANJO, A PÉROLA E O PEQUENO DEUS - CAPA DURA
WINSTON GRAHAM
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 7,00



DEPOIS, O SILÊNCIO
GANYMÉDES JOSÉ
EDIOURO
(1975)
R$ 11,49





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês