Strange days: a improvável trajetória dos Doors | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
>>> CANTORA E ATRIZ SANDRA PÊRA NO SESC BELENZINHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> Vida conjugal
>>> Querem acabar com as livrarias
>>> Cisne Negro
>>> Avassalador
Mais Recentes
>>> Cantos do Rio de Roberto Acízelo de Souza (org) pela Ponteio (2019)
>>> Joana d'Arc: Jovem, Líder, Bruxa, Santa - A Surpreendente História da Heroína que Comandou o Exército Francês de Helen Castor pela Gutenberg (2018)
>>> Brunner & Suddarth Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica Nº 4 de Suzanne C. Smeltzer e Brenda G. Bare pela Guanabara (1996)
>>> Exclusão Social e Questões de Gênero de Valdir Pretto pela Educs (2015)
>>> Corpos secos: um romance de Luisa Geisler/ Marcelo Ferroni e outros pela Alfaguara (2020)
>>> Triste fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Ftd (2013)
>>> Investimento privado e desenvolvimento : balanço e desafios de Marta Porto (org.) pela Senac Rio (2005)
>>> Sherlock Holmes o Vale do Terror de Arthur Conan Doyle pela Martin Claret (2018)
>>> ABC da Palavra Fácil 346 de Sharon Bower pela Círculo do Livro
>>> O Colapso do Universo 346 de Isaac Asimov pela Círculo do Livro
>>> Crime, Drogas e Políticas de Paulo Cesar Pontes Fraga pela Editus (2010)
>>> 2666 de Roberto Bolaño pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Livro - O Livro de Kristine Oconnell George pela Paulinas (2007)
>>> Genocídio Americano: A Guerra do Paraguai 346 de Julio José Chiavenatto pela Círculo do Livro
>>> Teresa de Ávila de Marcelle Auclair pela Quadrante (1995)
>>> Livro - Juca Brasileiro e o Hino Nacional de Patricia Angel Secco pela Fund. Educar Dpaschoal
>>> Fernão Capelo Gaivota 346 de Richard Bach pela Círculo do Livro
>>> Livro - Aprendendo com os Animais: Campeão Tem Dor de Dentes de Vani Mehra pela Edic (2013)
>>> O Livro Tibetano dos Mortos de W. Y. Evans Wentz pela Pensamento (1993)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Ftd (2011)
>>> Livro - Mundo de Coisas de Marcelo Xavier pela Formato (2009)
>>> O Holograma Humano: O Paradigma Holográfico e suas Aplicações na Medicina, na Psicologia e na Vida Diária de Dr. Robin Kelly pela Cultrix (2015)
>>> Livro - A Organização do Trabalho no Século 20 de Geraldo Augusto Pinto pela Expressão Popular (2010)
>>> O Naufrágio do Titanic de Hans Magnus e Enzens Berger pela Companhia das Letras (2000)
>>> Livro - O Menino Que Espiava pra Dentro de Ana Maria Machado; Alê Abreu pela Global (2008)
COLUNAS

Quarta-feira, 18/8/2010
Strange days: a improvável trajetória dos Doors
Luiz Rebinski Junior

+ de 7000 Acessos


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Os Doors, uma das principais bandas da prolífica década de 1960, foram um produto do acaso. Jim Morrison, que entraria para a história como um dos mais carismáticos vocalistas do rock, era um garotão que não sabia muito bem o que queria da vida quando, em maio de 1965, encontrou com o colega de faculdade Ray Manzarek, futuro tecladista da banda, nas areias de Venice Beach. Ray então o convidou para ser vocalista de sua banda e Morrison, mesmo sem nunca ter cantado na vida, aceitou.

É sobre essa improvável união que trata o livro de Ben Fong-Torres, que a editora Agir publica aqui com o nome de The Doors por The Doors (Agir, 2010, 432 págs.). O livro não é uma biografia convencional, mas sim um entrevistão coletivo com as personalidades que testemunharam a trajetória da banda. O formato é meio caótico, com comentários do autor, trechos de músicas, poemas e outros tipos de depoimentos entrecortando as entrevistas. No meio disso, dezenas e dezenas de fotos pouco vistas por aí.

Depois de terminar a faculdade de cinema na Universidade da Califórnia (UCLA), onde foram colegas de figurões como Francis Ford Coppola, Manzarek e Morrison vagavam a esmo esperando que alguma coisa de sensacional lhes acontecessem. Morrison era um vagabundo que havia lido On the Road e sonhava em flanar como um beat pelas ruas de Greenwich Village, à época o santuário dos desajustados. Manzarek, por sua vez, estava esperando que algum produtor gente boa lhe chamasse para dirigir um filme em Hollywood. Como nada disso aconteceu, eles foram parar na garagem da casa de Ray, na companhia de John Densmore e Robby Krieger, este último o único que tinha alguma formação em música. Krieger era ligado em música flamenca e indiana e foi em um centro de meditação, onde alguns malucos tomavam ácido e depois tentavam alcançar o nirvana, que Manzarek conheceu aqueles que seriam o baterista e o guitarrista dos Doors.

Os caras poderiam não ter alcançado a luz divina, mas certamente algum dos milhares de deuses que povoam as religiões hindus deu uma forcinha pra eles. Jim Morrison era um cantor desleixado, faltava a ensaios e shows antes mesmo de ser uma estrela do rock. Mas mesmo assim, de forma meteórica, os caras foram parar na Elektra Records, onde foram agraciados com um contrato para três álbuns. O primeiro deles foi um estouro, e com razão. É um puta disco, onde não se nota o amadorismo de Morrison nos vocais, nem a pouca experiência da banda. Além disso, a bolacha foi gravada em quatro canais, ou seja, na manivela para os padrões atuais.

Jim Morrison queria ser poeta, não cantor. E foi de seus rompantes de bardo que surgiram músicas como "Break on through", "Twentieth century fox", "Soul Kitchen" e seu épico poema incestuoso "The end", em que, entre outras coisas, Morrison, ovelha negra da família, mata o pai e depois come a mãe. Um horror para a época. Sem contar que a música tem mais de dez minutos.

Uma das coisas mais curiosas que o livro revela é sobre o método de composição e gravação dos Doors. Quando ainda sonhava ser um beatnik à moda de Ginsberg, Morrison andava pra cima e pra baixo com um caderno em espiral em que residiam poemas, frases soltas, máximas e outros pensamentos. Vários desses poemas foram musicados, adaptados e viraram sucessos dos Doors. Quando a banda assinou contrato com a Elektra, os caras tinham repertório para dois discos cheios, ou quase, já que no primeiro álbum entraram dois covers, "Alabama song" e "Back door man". A partir do segundo disco, Strange days, as composições rarearam. As músicas que a banda cantava antes mesmo de se tornar conhecida, quando eram uma das atrações do Whisky a Go Go, já haviam sido gravadas. Em Waiting for the sun, o terceiro disco, o tacho já tinha sido raspado, não sobrara mais nada.

Em The soft parade, a banda também entrou no estúdio sem um número suficiente de músicas. Depois de um show desastroso em Miami, em maio de 1969, em que Morrison não parava em pé de tanta cana e drogas, os Doors tinham sido banidos do circuito de shows dos Estados Unidos. Durante o show, Jim incitou a plateia a tirar a roupa e a tocar o horror no local. Jim teve a prisão decreta por uma série de crimes e a banda seus shows cancelados.

A boa notícia é que, depois de muito tempo, os Doors tinham tempo para compor. O problema é que Morrison não tinha a mínima vontade de fazer verter uns versinhos. "Jim não estava mais interessado depois do terceiro álbum. Foi se tornando muito difícil fazer com que se envolvesse com as gravações. Quando fizemos The soft parade, tivemos que tirar leite de pedra para manter Jim interessado", diz Paul Rothchild, o quinto "Door" e produtor de cinco dos seis álbuns de estúdio da banda.

A banda, mesmo com o desinteresse de Morrison, quis inovar no som, adicionando naipe de metais e outros adereços, e se deu mal. O disco colecionou críticas negativas e não mandou nenhum grande hit para o topo das paradas ― apesar de ter "Touch me" no repertório.

Como não havia música suficiente para preencher o álbum, a banda recorreu ao caderninho de poemas de Morrison. De lá tirou poemas inacabados, frases soltas e insights. A partir daí saíram algumas letras. Esse tipo de composição, baseada na técnica do cut-up de Burroughs, seria utilizada até o último disco, o poderoso L.A. Woman. Ainda que com muitos percalços, The soft parade não é um disco ruim. É diferente, não ruim. Aliás, é incrível como quase tudo que a banda produziu é bom. Os caras gravaram cinco discos em três anos, às vezes lançando dois álbuns em menos de um ano, como foi o caso de The Doors e Strange days, os dois primeiros trabalhos. Jim Morrison passou a vida inteira fazendo bico em uma banda de rock até tomar coragem para se lançar na carreira literária e o que acontece? Essa banda, contrariando todas as expectativas, se torna um ícone e Morrison, seu vocalista desleixado, um herói do rock, morto aos 27 anos e membro do seleto grupo que reúne talentosos músicos que aceleraram demais e morreram todos com a mesma idade ― Janis Joplin, Jimi Hendrix e Kurt Cobain.

Mesmo os discos menos comentados dos Doors venderam muito. Nos cinco primeiros álbuns, a banda levou cinco discos de ouro, o que, na época, representava uma quantidade astronômica de discos se comparado com os padrões atuais. E é essa impressão, de que tudo na história do The Doors não passou de mero acaso, com muitas pitadas de sorte, que paira sobre o livro de Ben Fong-Torres, que foi editor da Rolling Stone americana e o último jornalista a entrevistar Morrison.

A banda durou somente cinco anos, de 1967 a 1971, mas todos os seus discos são muito intensos e contêm grandes pérolas do rock. L.A. Woman, que foi gravado quando a banda estava em frangalhos e Jim Morrison já pensava em ir para Paris, é um ótimo disco de blues, com Morrison cantando muito e a banda criando ótimas melodias. Ainda que não seja impecável, o disco tem "Riders on the storm", "Love her medly" e a faixa-título, também tirada do caderninho de Morrison enquanto os músicos se embrenhavam com a parte instrumental no estúdio. Além disso, havia o blues "Car hiss by my window" e uma pérola, escondida no meio do álbum, chamada "Hyacinth House". Um belo disco de despedida para uma banda que já havia feito álbuns fantásticos, como Strange days, Waiting for de Sun e Morrison Hotel.

Há diversas outras biografias sobre os Doors. Ray Manzarek, John Densmore e outros personagens que estiveram no olho do furação com a banda também escreveram as suas versões dos acontecimentos. Mas aqui no Brasil há muito pouca coisa, a maioria de péssima qualidade. Então o livro de Ben Fong-Torres é uma boa fonte. Assim como também é o filme de Oliver Stone. Ray Manzarek torceu o nariz para a produção, talvez porque ele mesmo quisesse ter sido o diretor. Mas o filme é ótimo e Val Kilmer bastante convincente no papel de Jim Morrison. Tudo que Torres descreve em The Doors por The Doors, com sua infalível imparcialidade jornalística, está presente no filme de Stone, este mais preocupado com o andamento da trama. As drogas, o encontro em Venice Beach, os escândalos, os amores de Morrison e o sucesso, tudo está no filme de Stone. Mas tanto o jornalista Torres quanto o cineasta Oliver Stone, cada um a sua maneira, prestam um bom serviço à história do rock e a uma de suas bandas mais singulares.

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 18/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Rebocos da memória: 1929, de Rafael Fava Belúzio de Jardel Dias Cavalcanti
02. Os bastidores de Psicose de Gian Danton
03. Ensaio sobre a surdez de Antônio Sérgio Valente
04. Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação de Marcelo Miranda
05. Jovens blogueiros, envelheçam (extras) de Rafael Rodrigues


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2010
01. A morte anunciada dos Titãs - 3/3/2010
02. O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro - 20/1/2010
03. Os diários de Jack Kerouac - 8/9/2010
04. Dalton Trevisan ou Vampiro de Curitiba? - 14/4/2010
05. Strange days: a improvável trajetória dos Doors - 18/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Estudo da História
Arnold Toynbee
Martins Fontes
(1987)



Investigando a Reencarnação
John Algeo
teosófica
(1995)



Escolas, Conhecimentos e Culturas
Adélia Maria Nehme Simão e Koff
7letras
(2009)



A Relação Adulto-Criança
Dora M. de Almeida Sousa Tedrus
unicamp
(1998)



Cultura da Reclamação O Desgaste Americano
Robert Hughes
companhia das letras
(1993)



Travessuras da menina má
Mario Vargas Llosa
Alfaguara
(2006)



Memorização Cybernetic Learning Systems Volume 2 Etapa 7
Varios
Personal Ind



Como Fazer Simpatias
Maria Bebiana Ferreira dos Santos
eco



O Céu Está Caindo
Sidney Sheldon
record
(2000)



História & Livro e Leitura
André Belo
autentica
(2008)





busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês