Strange days: a improvável trajetória dos Doors | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
70622 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
>>> Designer e arquiteto brasileiro, Giovanni Vannucchi participa da VIIBienal Ibero-americana de Design
>>> Risorama anuncia retorno aos palcos com grandes nomes do humor nacional em São Paulo
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Pouca gente sabe
>>> O chilique do cabeleireiro diante da modelo
>>> Paradiso por Metheny
>>> A nova propaganda anda ruim
>>> A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda
>>> Manual para o leitor de transporte público
>>> Ganha-pão
>>> Comunicação: conselhos para (jovens) pesquisadores
>>> Guia Crowdfunding de Livros
Mais Recentes
>>> National Geographic Brasil Nº 224 de Diversos Autores pela National Geographic (2018)
>>> Esaú e Jacó / Memorial de Aires de Machado de Assis pela Nova Cultural (2003)
>>> National Geographic Brasil Nº 225 de Diversos Autores pela National Geographic (2018)
>>> Montaigne - Os Pensadores de Michel de Montaigne pela Nova Cultural (2004)
>>> National Geographic Brasil Nº 218 de Diversos Autores pela National Geographic (2018)
>>> Sociologia do sobrenatural de Luigi Sturzo pela Aster, Casa do castelo (1960)
>>> Do direito natural á sociologia de Jacques Leclercq pela Duas cidades
>>> Ciência x Espiritualidade de Chopra e mlodinow pela Sextante (2018)
>>> Ciência x Espiritualidade de Chopra e mlodinow pela Sextante (2018)
>>> Desvendando os Segredos da Linguagem Corporal de Allan Pease & Barbara Pease pela Sextante (2004)
>>> O Gerente Minuto de Kenneth Blanchard & Spencer Johnson pela Record (1981)
>>> Contabilidade Geral: Teoria e mais de 1.000 questões de Ed Luiz Ferrari pela Impetus (2013)
>>> Aulas de Direito Constitucional para Concursos de Vicente Paulo; Marcelo Alexandrino; Frederico Dias pela Método (2012)
>>> Finanças Públicas: Teoria e Prática no Brasil de Fabio Giambiagi; Ana Cláudia Além pela Elsevier (2011)
>>> Genética: Texto e Atlas de Eberhard Passarge pela Artmed (2004)
>>> Gestão por Processos: Uma Abordagem da Moderna Administração de José Osvaldo de Sordi pela Saraiva (2008)
>>> Gestão de Contratos: Melhores Práticas Voltadas aos Contratos Empresariais de Walter Freitas pela Atlas (2009)
>>> Desafios eclesiais e missionários da cooperação de Israel Batista (org) pela Sinodal (2007)
>>> Marketing de A a Z de Philip Kotler pela Campus (2003)
>>> Contos de Fadas e Suas Versões Originais - Sem Censura de Marina Avila (org.) pela Wish (2016)
>>> Cuidando de quem cuida de Roseli M. kuhnrich de Oliveira pela Sinodal (2007)
>>> Marketing 4.0 - do tradicional ao digital de Philip Kotler pela Sextante (2017)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Globo (2001)
>>> Crer: informações sobre fé de Helmut Thilicke (cord). pela Sinodal /EST (2007)
>>> Com Açúcar, Com Afeto: Fiz Seu Poema Predileto de Danci Ramos pela Edigal (2009)
>>> Missão e evangelização na América Latina e Caribe de Nilton Giese (org) pela Sinodal (2012)
>>> Estratégia de Richard Luecke pela Record (2009)
>>> A Homeopatia e Você de Ernst Grimm pela Plus Saber (2001)
>>> Onde está Deus? de Jon Sobrino pela Sinodal (2020)
>>> Desafios da Educação Municipal de Donaldo Bello de Souza; Lia Ciomar Macedo de Faria pela DP&A (2003)
>>> Gerenciando mudança e transição de Mike Beer ( Org. ) pela Record (2003)
>>> Eu Sou Eternamente Livre: Ensinamentos dos Mestres Ascensionados de Luiz Carlos Silveira Dias Júnior pela Divina Presença (2008)
>>> O Que Acontece em Londres - Trilogia Bevelstoke Volume 2 de Julia Quinn pela Arqueiro (2020)
>>> A autoridade da bíblia de Gottfried Brakemeier pela Sinodal, CEBI (2014)
>>> Conectando: Ciência, Saúde e Espiritualidade Volume 1 de Carlos Eduardo Accioly Durgante pela Francisco Spinelli (2012)
>>> Tentação de Diethich Bonhoeffer pela Sinodal (2007)
>>> Hagakure de Yamamoto Tsunetomo pela Hunter Books (2014)
>>> Principio de igualdade de Wilson Engelmann pela Sinodal (2008)
>>> A Vida Como Ela É Para Cada Um de Nós: Em Busca do Eu-caleidoscópio de Denise Aerts; Christiane Ganzo pela Age (2008)
>>> Orientações para a vida de Hans Jochen Boecker pela Sinodal (2004)
>>> Martim Lutero de Ricardo Willy Rieth pela Sinodal (2007)
>>> Da Revolução Francesa até Nossos Dias: Um Olhar Histórico de Samara Feitosa pela Intersaberes (2016)
>>> Tomando Decisões de Richard Luecke pela Record (2009)
>>> A diplomacia na construção do brasil: 1750 - 2016 de Rubens Ricupero pela Versal Editores (2017)
>>> Separação: Angústia e Raiva - Apego e Perda Volume 2 de John Bowlby pela Martins Fontes (1998)
>>> Ferramentas para Empreendedores de Richard Luecke pela Record (2007)
>>> As Vinhas da Ira de John Steinbeck pela Bestbolso (2008)
>>> Contratando e Mantendo as Melhores Pessoas de Peter Cappelli pela Record (2003)
>>> Processo penal - 8 Coleção Sinopes de Leonardo Barreto Moreira Alves pela Juspodivm (2014)
>>> Mentes inquietas de Ana Beatriz B. Silva pela Gente (2003)
COLUNAS

Quarta-feira, 18/8/2010
Strange days: a improvável trajetória dos Doors
Luiz Rebinski Junior

+ de 6200 Acessos


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Os Doors, uma das principais bandas da prolífica década de 1960, foram um produto do acaso. Jim Morrison, que entraria para a história como um dos mais carismáticos vocalistas do rock, era um garotão que não sabia muito bem o que queria da vida quando, em maio de 1965, encontrou com o colega de faculdade Ray Manzarek, futuro tecladista da banda, nas areias de Venice Beach. Ray então o convidou para ser vocalista de sua banda e Morrison, mesmo sem nunca ter cantado na vida, aceitou.

É sobre essa improvável união que trata o livro de Ben Fong-Torres, que a editora Agir publica aqui com o nome de The Doors por The Doors (Agir, 2010, 432 págs.). O livro não é uma biografia convencional, mas sim um entrevistão coletivo com as personalidades que testemunharam a trajetória da banda. O formato é meio caótico, com comentários do autor, trechos de músicas, poemas e outros tipos de depoimentos entrecortando as entrevistas. No meio disso, dezenas e dezenas de fotos pouco vistas por aí.

Depois de terminar a faculdade de cinema na Universidade da Califórnia (UCLA), onde foram colegas de figurões como Francis Ford Coppola, Manzarek e Morrison vagavam a esmo esperando que alguma coisa de sensacional lhes acontecessem. Morrison era um vagabundo que havia lido On the Road e sonhava em flanar como um beat pelas ruas de Greenwich Village, à época o santuário dos desajustados. Manzarek, por sua vez, estava esperando que algum produtor gente boa lhe chamasse para dirigir um filme em Hollywood. Como nada disso aconteceu, eles foram parar na garagem da casa de Ray, na companhia de John Densmore e Robby Krieger, este último o único que tinha alguma formação em música. Krieger era ligado em música flamenca e indiana e foi em um centro de meditação, onde alguns malucos tomavam ácido e depois tentavam alcançar o nirvana, que Manzarek conheceu aqueles que seriam o baterista e o guitarrista dos Doors.

Os caras poderiam não ter alcançado a luz divina, mas certamente algum dos milhares de deuses que povoam as religiões hindus deu uma forcinha pra eles. Jim Morrison era um cantor desleixado, faltava a ensaios e shows antes mesmo de ser uma estrela do rock. Mas mesmo assim, de forma meteórica, os caras foram parar na Elektra Records, onde foram agraciados com um contrato para três álbuns. O primeiro deles foi um estouro, e com razão. É um puta disco, onde não se nota o amadorismo de Morrison nos vocais, nem a pouca experiência da banda. Além disso, a bolacha foi gravada em quatro canais, ou seja, na manivela para os padrões atuais.

Jim Morrison queria ser poeta, não cantor. E foi de seus rompantes de bardo que surgiram músicas como "Break on through", "Twentieth century fox", "Soul Kitchen" e seu épico poema incestuoso "The end", em que, entre outras coisas, Morrison, ovelha negra da família, mata o pai e depois come a mãe. Um horror para a época. Sem contar que a música tem mais de dez minutos.

Uma das coisas mais curiosas que o livro revela é sobre o método de composição e gravação dos Doors. Quando ainda sonhava ser um beatnik à moda de Ginsberg, Morrison andava pra cima e pra baixo com um caderno em espiral em que residiam poemas, frases soltas, máximas e outros pensamentos. Vários desses poemas foram musicados, adaptados e viraram sucessos dos Doors. Quando a banda assinou contrato com a Elektra, os caras tinham repertório para dois discos cheios, ou quase, já que no primeiro álbum entraram dois covers, "Alabama song" e "Back door man". A partir do segundo disco, Strange days, as composições rarearam. As músicas que a banda cantava antes mesmo de se tornar conhecida, quando eram uma das atrações do Whisky a Go Go, já haviam sido gravadas. Em Waiting for the sun, o terceiro disco, o tacho já tinha sido raspado, não sobrara mais nada.

Em The soft parade, a banda também entrou no estúdio sem um número suficiente de músicas. Depois de um show desastroso em Miami, em maio de 1969, em que Morrison não parava em pé de tanta cana e drogas, os Doors tinham sido banidos do circuito de shows dos Estados Unidos. Durante o show, Jim incitou a plateia a tirar a roupa e a tocar o horror no local. Jim teve a prisão decreta por uma série de crimes e a banda seus shows cancelados.

A boa notícia é que, depois de muito tempo, os Doors tinham tempo para compor. O problema é que Morrison não tinha a mínima vontade de fazer verter uns versinhos. "Jim não estava mais interessado depois do terceiro álbum. Foi se tornando muito difícil fazer com que se envolvesse com as gravações. Quando fizemos The soft parade, tivemos que tirar leite de pedra para manter Jim interessado", diz Paul Rothchild, o quinto "Door" e produtor de cinco dos seis álbuns de estúdio da banda.

A banda, mesmo com o desinteresse de Morrison, quis inovar no som, adicionando naipe de metais e outros adereços, e se deu mal. O disco colecionou críticas negativas e não mandou nenhum grande hit para o topo das paradas ― apesar de ter "Touch me" no repertório.

Como não havia música suficiente para preencher o álbum, a banda recorreu ao caderninho de poemas de Morrison. De lá tirou poemas inacabados, frases soltas e insights. A partir daí saíram algumas letras. Esse tipo de composição, baseada na técnica do cut-up de Burroughs, seria utilizada até o último disco, o poderoso L.A. Woman. Ainda que com muitos percalços, The soft parade não é um disco ruim. É diferente, não ruim. Aliás, é incrível como quase tudo que a banda produziu é bom. Os caras gravaram cinco discos em três anos, às vezes lançando dois álbuns em menos de um ano, como foi o caso de The Doors e Strange days, os dois primeiros trabalhos. Jim Morrison passou a vida inteira fazendo bico em uma banda de rock até tomar coragem para se lançar na carreira literária e o que acontece? Essa banda, contrariando todas as expectativas, se torna um ícone e Morrison, seu vocalista desleixado, um herói do rock, morto aos 27 anos e membro do seleto grupo que reúne talentosos músicos que aceleraram demais e morreram todos com a mesma idade ― Janis Joplin, Jimi Hendrix e Kurt Cobain.

Mesmo os discos menos comentados dos Doors venderam muito. Nos cinco primeiros álbuns, a banda levou cinco discos de ouro, o que, na época, representava uma quantidade astronômica de discos se comparado com os padrões atuais. E é essa impressão, de que tudo na história do The Doors não passou de mero acaso, com muitas pitadas de sorte, que paira sobre o livro de Ben Fong-Torres, que foi editor da Rolling Stone americana e o último jornalista a entrevistar Morrison.

A banda durou somente cinco anos, de 1967 a 1971, mas todos os seus discos são muito intensos e contêm grandes pérolas do rock. L.A. Woman, que foi gravado quando a banda estava em frangalhos e Jim Morrison já pensava em ir para Paris, é um ótimo disco de blues, com Morrison cantando muito e a banda criando ótimas melodias. Ainda que não seja impecável, o disco tem "Riders on the storm", "Love her medly" e a faixa-título, também tirada do caderninho de Morrison enquanto os músicos se embrenhavam com a parte instrumental no estúdio. Além disso, havia o blues "Car hiss by my window" e uma pérola, escondida no meio do álbum, chamada "Hyacinth House". Um belo disco de despedida para uma banda que já havia feito álbuns fantásticos, como Strange days, Waiting for de Sun e Morrison Hotel.

Há diversas outras biografias sobre os Doors. Ray Manzarek, John Densmore e outros personagens que estiveram no olho do furação com a banda também escreveram as suas versões dos acontecimentos. Mas aqui no Brasil há muito pouca coisa, a maioria de péssima qualidade. Então o livro de Ben Fong-Torres é uma boa fonte. Assim como também é o filme de Oliver Stone. Ray Manzarek torceu o nariz para a produção, talvez porque ele mesmo quisesse ter sido o diretor. Mas o filme é ótimo e Val Kilmer bastante convincente no papel de Jim Morrison. Tudo que Torres descreve em The Doors por The Doors, com sua infalível imparcialidade jornalística, está presente no filme de Stone, este mais preocupado com o andamento da trama. As drogas, o encontro em Venice Beach, os escândalos, os amores de Morrison e o sucesso, tudo está no filme de Stone. Mas tanto o jornalista Torres quanto o cineasta Oliver Stone, cada um a sua maneira, prestam um bom serviço à história do rock e a uma de suas bandas mais singulares.

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 18/8/2010


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2010
01. O pior Rubem Fonseca é sempre um bom livro - 20/1/2010
02. A morte anunciada dos Titãs - 3/3/2010
03. Os diários de Jack Kerouac - 8/9/2010
04. Dalton Trevisan ou Vampiro de Curitiba? - 14/4/2010
05. Strange days: a improvável trajetória dos Doors - 18/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A NINFA INCONSTANTE
GUILLERMO CABRERA INFANTE
FOLHA DE SÃO PAULO
(2012)
R$ 13,90



TERRA DOS HOMENS
ANTOINE DE SAINT-EXUPÉRY
NOVA FRONTEIRA
(2016)
R$ 15,00



UM BRASILEIRO NA CHINA
GILBERTO SCOFIELD JR.
EDIOURO
(2007)
R$ 14,30



FAHRENHEIT 451 - 2018
RAY BRADBURY
GLOBO
(2018)
R$ 25,00



PRESENÇA DO AXE - 1ª EDIÇÃO
DENISE PINI ROSALEM DA FONSECA
PALLAS
(2014)
R$ 36,00



DESENVOLVIMENTO DE COMPETENCIAS MATEMÁTICAS COM RECURSOS LÚDICO MANIPULATIVOS
ANGEL ALSINA
BASE
(2009)
R$ 17,90



TERRA LUSÍADA - ANTOLOGIA POÉTICA INTERNACIONAL
EUCLIDES CAVACO E ZENI BRASIL ( ORG.)
ZENI LEAL ED
(2005)
R$ 30,00



IMMIGRATION NATION
FOREIGN AFFAIRS, NOVEMBEREDECEMBER, 2006
MONTEFIORE
(2006)
R$ 29,82



365 HISTÓRIAS DA FAZENDA
VIDEU, VALÉRIE
CIRANDA CULTURAL
(2011)
R$ 39,00



ANÁLISE TRANSACIONAL NAS VENDAS
EGÍDIO VECCHIO
VOZES
(1979)
R$ 15,00





busca | avançada
70622 visitas/dia
2,0 milhões/mês