Os EEUU e o golpe de 64 | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> Controlando o acesso à Web
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
Mais Recentes
>>> 4 Vols. Elric - Navegante nos Mares do Destino de Michael Moorcock; Roy Thomas; M. Gilbert pela Abril (1991)
>>> África, Missão Possível: Uma Fantástica Aventura Missionária Pelos Países Da Janela 10/40 de Davi Tavares; Ângela Tavares pela Paradigma (2013)
>>> Victor Hugo - Poèmes de Isabelle Jan, Emmanuel Fraisse pela Nathan (1985)
>>> Talvez Agora de Colleen Hoover pela Galera (2023)
>>> Relações Étnico-raciais Para o Ensino da Identidade e da Diversidade Cultural Brasileira de Mario Sergio Michaliszyn pela InterSaberes (2014)
>>> The postal history research magazine 13 - Chinese de Varios Autores pela Chinesa (1910)
>>> Livro Literatura Brasileira Um Exu Em Nova York de Cidinha da Silva pela Pallas (2018)
>>> Um Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Do fracasso ao sucesso na arte de vender de Frank Bettger pela Ibrasa (1978)
>>> Livro Administração A Nova Gestão na era do Conhecimento Visão 16 Mentes Influentes de Marcello Beltrand - Coord. pela Leader (2016)
>>> Bibliocollège - Andromaque, Racine de Jean Racine pela Hachette (2000)
>>> Livro Medicina Laboratorial Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar de Adagmar Andriolo pela Manole (2005)
>>> Direito e Justiça Em Terras D El Rei na São Paulo Colonial 1709 - 1822 de Adelto Gonçalves pela Imprensa Oficial (2015)
>>> Dez Formas De Fazer Um Coração Se Derreter de Sarah Maclean pela Arqueiro (2016)
>>> Livro Administração Building Public Trust the Future of Corporate Reporting de Samuel A. Dipiazza Jr. & Robert G. Eccles pela John Wiley & Sons (2002)
>>> Maior Espetaculo Da Terra, O: 30 Anos De Sambodromo de Luiz Carlos Prestes Filho pela Lacre (2015)
>>> Miles Morales: Homem - Aranha Cai dentro! de Ahmed Garron pela Panini Comics
>>> Esthétique du Cinéma de Gerard Betton pela Presses Universitaires De France (1994)
>>> Livro Administração Fazer Acontecer de Júlio Ribeiro pela Cultura Editores Associados (1994)
>>> Livro Literatura Brasileira Memorial de Maria Moura de Rachel de Queiroz pela Siciliano (1992)
>>> As Coisas Que Nunca Superamos de Lucy Score pela AltaNovel (2023)
>>> O Paciente de Jasper DeWitt pela Planeta Minotauro (2021)
>>> Spy Dog - Volume 2 de Andrew Cope pela Fundamento
>>> Reverbero constitucional fluminense edição fac-similar 1821-1822 3 Volumes de N/a pela Biblioteca Nacional
>>> Livro Literatura Estrangeira O Lado Bom da Vida de Matthew Quick; Alexandre Raposo pela Intrinseca (2012)
COLUNAS

Quarta-feira, 22/5/2013
Os EEUU e o golpe de 64
Humberto Pereira da Silva
+ de 4000 Acessos



No decênio mais recente, o cinema documental brasileiro está passando por momento prolífico. A cada ano, novas e instigantes produções revelam, principalmente, aspectos de nossa história cultural e política. Num rápido golpe d´olhos nota-se um "boom" de documentários sobre movimentos como o Tropicalismo (Uma noite em 67, de Renato Terra e Ricardo Calil, e Tropicália, de Marcelo Machado), tanto quanto de instantes da cena política (Dossiê Jango, de Paulo Henrique Fontenelle, Marighella, de Isa Grinspum Ferraz, e Iara, de Flavio Frederico e Mariana Pamplona).

O foco sobre os anos 60, ou mesmo os 70, mereceria discussão pausada. Tanto mais porque com a repercussão de O Som ao Redor, de Kleber Mendonça, desponta a necessidade de se discutir o Brasil, o vazio cultural, as mudanças nas esferas sociais e o alheamento político dos anos recentes. Portanto, o sentido de investimento artístico e de comprometimento de uma obra de arte em confronto com o que se fez, e aconteceu, décadas atrás.

Nesse sentido, a extrema urgência de se ver e discutir O Dia Que Durou 21 anos, documentário dirigido por Flávio e Camilo Tavares. Pai e filho, Flávio, o pai, foi jornalista de destaque nos anos 60, no jornal A Ultima Hora. Militante de esquerda preso pela ditadura, Flávio tornou-se conhecido ao fazer parte do grupo trocado pelo embaixador americano Charles Elbrick, que havia sido sequestrado pela guerrilha, em 1969.

Camilo foi criado no exílio, no México, e, sintomático, agora com pouco mais de quarenta anos, junto com o pai, realiza um filme com o objetivo explícito de mostrar o momento pré-golpe de 64, assim como a efetiva participação dos EEUU para garantir a investida militar e a adesão de seguimentos da sociedade civil. Para tanto, eles contaram com a abertura de arquivos da CIA, cujos relatórios não deixam dúvida de que, por meio da operação Brother Sam, os EEUU interviriam no Brasil caso a resistência levasse o país a uma guerra civil. É a partir desse material de arquivo que se evidencia como os EEUU intervieram no processo político brasileiro, tanto nos preparativos que antecederam ao golpe, quanto na garantia de sustentação do regime nos anos seguintes.

Desde a época do golpe, houve as mais diversas insinuações e acusações explícitas de participação americana. Nisso, claro, o contexto da Guerra Fria, a bipolarização entre capitalismo e comunismo, os jogos de propaganda ideológica de ambos os lados. O Dia..., então, confirma as suspeitas, tanto quanto cala aqueles que acusavam a participação americana de mistificação. Vale lembrar, contudo, que justamente com a abertura dos arquivos da CIA historiadores acadêmicos têm se debruçado sobre o tema (Carlos Fico, da UFRJ, escreveu em 2008 O grande irmão: da operação Brother Sam aos anos de chumbo). O que O Dia... traz como novidade inequívoca para se chegar ao público externo às fronteiras da Universidade é o meio: o cinema documental.

O Dia..., de fato, acompanha de perto o livro de Carlos Fico, o qual, inclusive, participa do documentário com esclarecimentos sobre resultados de sua pesquisa nos arquivos da CIA. Mas a vantagem do filme é justamente a do cinema: pode chegar a espectadores que dificilmente se disporiam a passar pelas páginas de um livro acadêmico. Ou seja, não se pode perder de vista a força do cinema - para o bem e para o mal - destacada por teóricos como Theodor Adorno: servir-se com veículo de expressão na Indústria Cultural.

Para isso o filme conta com recursos que lhe são próprios. Em 77 minutos, O Dia... percorre os acontecimentos que prenunciam o golpe e as tensões pós-golpe que levam ao AI5, com os chamados "anos de chumbo". Como obra cinematográfica, O Dia... faz o que lhe cabe: exibir imagens, depoimentos e documentos por meio de uma narrativa que prende a atenção do espectador e evidencia o papel dos EEUU num momento capital de nossa história. O fluxo das imagens, ajustadas à banda sonora, persuade, toca a sensibilidade com propósito bem claro: exibir material com evidências que calam quem via os defensores da ingerência americana no golpe de 64 como propaladores de teorias conspiratórias.

Mas nunca é demais ressaltar que um filme, documental ou não, é uma obra de ficção; portanto, um artefato. Desde a Poética, de Aristóteles, uma das finalidades da arte é provocar a purificação, a catarse, enfim. Sendo assim, o espectador deve ser lembrado de que arte é mimese e não a própria realidade. O Dia... é um filme, montado (ou esculpido) de acordo com a visão de mundo de Flavio e de Camilo Tavares; impossível, pois, filtrar o parti pris ideológico colado em suas respectivas biografias. Eles respondem pela forma do filme; por conseguinte, todos os resíduos que pudessem comprometer suas intenções foram devidamente desbastados.

Com isso não se quer questionar as escolhas que fizeram - legítimas e bem sucedidas para o propósito de uma obra fílmica -, mas tão somente lembrar que arte não se confunde com ciência histórica. O Dia... é um filme a ser visto e, com ele, ser impulsionado a refletir sobre nossa condição, sobre o momento em que vivemos: nele um sopro de vento que busca um acerto de contas com o passado, e ao mesmo tempo aponta para as contradições do presente; um sopro que tem o cinema como veículo de expressão privilegiado.

O Dia Que Durou 21 anos se insere, assim, num conjunto de obras recentes que acentuam a necessidade de reflexão cultural, social e política. Os últimos anos têm sido invariavelmente caracterizados pelo excessivo individualismo, pela apatia e alienação política. A iniciativa de Flavio e Camilo Tavares deixa sinais de que há inquietações latentes, de que o cinema pode canalizar anseios, reativar debates e revelar facetas de um país com muito a ser desvelado.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 22/5/2013

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Deixe-me ir, preciso andar, vou por aí a procurar de Renato Alessandro dos Santos
02. As luzes se apagam de Cassionei Niches Petry
03. Cantei parabéns para o Tom de Vitor Nuzzi


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2013
01. Olgária Matos - 1/2/2013
02. Toda poesia de Paulo Leminski - 8/5/2013
03. Mídia Ninja coloca o eixo em xeque - 21/8/2013
04. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' - 6/3/2013
05. O Som ao Redor - 13/2/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Meals For Good Health
Karen Graham
Canadian Diabetes Association
(1998)



Às Margens do Sena
Reali Jr.
Ediouro
(2007)



Milho pra Galinha, Mariquinha
Marisa Raja Gabaglia
Sabiá
(1972)



Pérola e a Bolsa Perdida
Wendy Harmer
Fundamento
(2006)



A Revolução Dos Bichos
George Orwell
Companhia Das Letras
(2007)



Cultura e Comunicação
Edmund Leach
Edições 70
(2009)



O Primo do Amigo do meu Irmão
Angela CArneiro
Quinteto
(1994)



Arbitragem e Poder Judiciário - Proposta para um Diálogo
Maria Carolina Nery
Revista dos Tribunais
(2020)



Passageiro do Fim do Dia
Rubens Figueiredo
Companhia das Letras
(2010)



Livro Literatura Brasileira Surpresa
Fernando Alberto
Mente Cerebro
(2010)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês