Régis Bonvicino: voyeur-flânerie e estado crítico | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
57904 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> POETICAS de um outro || BELIZARIO Galeria
>>> Livro ajuda crianças a compreender novas configurações familiares
>>> Sesc Pinheiros recebe Paulinho Moska em ‘Beleza e Medo’,
>>> Sesc 24 de Maio recebe o espetáculo O Pessoa nas Pessoas com Mônica Salmaso e mais artistas
>>> Evento literário em BH reúne João Anzanello Carrascoza, Nelson Cruz e Anna Cunha
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Big Brother da Palmada
>>> Família
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Não, não gosto de Harry Potter
>>> A pequena grande obra de Josefina Vicens
>>> PARÁBOLA
>>> Haydn: 200 anos da morte
>>> Paquetá: Ilha Ditosa e Florida
>>> Listen Again
>>> Microcontos ou micropoemas?
Mais Recentes
>>> Coleção Eu Gosto Mais Matemática 2º ano(Edi. Refomulada) de Célio Passos pela Ibep (2012)
>>> Vida de Droga de Walcyr Carrasco pela Ática (2002)
>>> Box Música Clássica para Crianças de Folha de São Paulo pela Folha (2013)
>>> Dicionário De Direito, Economia E Contabilidade Português-Inglês de Marcilio Moreira de Castro pela Gen forense (2010)
>>> Mitos e Lendas - a Criação do Mundo de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Marca da escuridão - Livro 1 de Sylvia Day pela Faro Editorial (2015)
>>> Box Coleção Música Clássica para Crianças de Folha de São Paulo pela Folha (2013)
>>> En Busca De La Excelencia de Thomas J. Peters pela Atlantida (1982)
>>> A Ladeira da Saudade de Ganymédes José pela Moderna (2000)
>>> Wagner de Coleção Música Clássica para Crianças pela Folha (2013)
>>> Reino Colorido da Criança de Não Informado pela Farmar
>>> Round The World In Eighty Days - Level 5 de Jules Verne pela Penguin Readers (1999)
>>> Donoso Cortés Y Su Teoría Política de Santiago Calindo Herrero pela Badajos (1957)
>>> Jornada de Esperança Grandes Sucessos de Brian Aldiss pela Abril (1982)
>>> Regulamento Interno e dos Serviços Gerais (risg) de Ministério da Defesa pela Do Auto (1999)
>>> Uma História de Amor de Carlos Heitor Cony pela Ediouro (2002)
>>> Uma Canção Nas Trevas Grandes Sucessos de Edgar Wallace pela Abril (1982)
>>> Giovanni Grandes Sucessos de James Baldwin pela Abril (1981)
>>> A Comunidade do Rei de Howard Snyder pela Abu (2004)
>>> Tudo Que Você Sempre Quis Saber Sobre o Céu... de Robin Schmidt pela Gw (2005)
>>> Istambul Memória e Cidade de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Olhai os Lírios do Campo de Erico Verissimo pela Globo (2001)
>>> Passos de Gigante de Anthony Robbins pela Viva Livros (2013)
>>> Longe Daqui de Amy Bloom pela Nova Fronteira (2008)
>>> Longe Daqui de Amy Bloom pela Nova Fronteira (2008)
COLUNAS

Terça-feira, 29/10/2013
Régis Bonvicino: voyeur-flânerie e estado crítico
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5400 Acessos

A editora Hedra acaba de publicar o livro de poesias Estado Crítico, de Régis Bonvicino. Com seus travellings vertiginosos, versos são criados a partir do seu próprio desencanto em ser poesia. A poesia como um fracasso exemplar.

A poesia de Régis é crítica de si mesma e do mundo em que habita. Destroço entre os destroços do mundo. "Tudo existe, nada tem valor". Que poesia teria? Imagens como ready-mades. Cenas encontradas e transformadas - entre-re-cortadas - em versos-colagens. O poeta flâneur aturde a realidade, o vácuo social, levando a poesia ao estado crítico, ex officio, como única forma de impedir a sua cristalização como um entre outros "bens culturais" do mundo decadente.

Ao descrer da poesia confessional, Régis suprime a literatura do eu e avança na literatura do é. Para isso se faz poeta da tradição que cria a partir da cidade e da atmosfera urbana. Como diz Alcir Pécora na orelha do livro, Régis opera um movimento de "anotação crua dos eventos, de enumeração da atividade caótica das coisas tais como se oferecem ao voyeur, que mantém o olhar firme e interessado - mas nunca partidário - diante das cenas oferecidas a sua vista, sejam elas banais ou escabrosas".

Da tradição que vem de Baudelaire, passando por Mallarmé, Rilke, Valéry, Eliot e Pound, a poesia de Bonvicino se faz autocrítica e subverte, via linguagem, a relação entre o homem e o mundo. A modernidade produz a consciência poética de que se a realidade torna-se estranha e dentro dela move-se o homem estranho a si mesmo, a linguagem, consciente da sua impossibilidade de comunhão com o mundo, deve viver, por si mesma, em estado crítico (ou de estranhamento).

A criação artística, a poesia mais que todas as outras artes, torna-se estranha ao mundo, exigência mínima para produzir o colapso necessário do eu. Aquele eu que indagava por si mesmo, como em Rilke, e que não recebe resposta, sabe que só lhe resta, enquanto linguagem, aceitar o limite do dizível. A poesia aborta a possibilidade de comunicação. Só lhe resta o estado crítico, que no caso de Régis é, como disse Charles Bernstein, "descargas distópicas a infiltrar-se no próprio tecido prosódico".

Como numa colagem de Schwitters, Bonvicino opera sua poesia com os restos do mundo industrial, recortes e objetos desovados no lixo da cidade, que são recuperados em versos que são também "impasses" da linguagem. Também o mundo é feito de colagens re-insignificantes, como no poema "Um performer", onde o "xamã talmude de Nova Iorque (...)/ como sempre, o que diz/ não diz nada".

Exilados da terra, poetas sentem-se impotentes em desvendar o real, talvez até possam iluminar a paisagem, mas a partir do nada. Só deixam ao eu lírico a possibilidade de existir sem norte. Melhor que não exista então. O homem em face do nada. A terra estéril gera poesia estéril. Nenhum deslumbramento da linguagem, senão anotar, parafraseando o poema "Frase", que a poesia "é mais um cadáver/ não cabe na frase, acaba".

A poesia se livrou do discurso, já que não existe possibilidade lógica, inteligível, de compreender o homem e seu mundo. A fragmentação do mundo se reflete na fragmentação do discurso. Na poesia de Bonvicino, somam-se imagens que vão da grade de respiro do metrô, antenas de prédios, semáforos, copos furados de plástico ao cheiro de canela. Fazendo-se sinestésico, o poeta tromba com o mundo: calçadas de cemitério, sacos plásticos, alarme de carro, avenidas alagadas, barraca de camping, etc. Crítico, o poeta percebe que corpos são como marcas de roupa, almas são como mercadoria e a existência um péssimo tropeço.

Desses encontros nascem os versos oblíquos no qual o leitor passeia sem rumo. Encontros inusitados, esquinas perigosas, calçadas estranhas, vitrines edulcoradas. Universos habitados por mendigos, turistas, passantes, imagens de ídolos de rock e revolução, vedetes do mundo atual que "despem/ o último Ghesquière". Objetos, ruídos, cheiros, transeuntes, perdidos sem a devida redenção de si mesmos, nem mesmo a da poesia, que não glorifica a decadência, não a estetiza, mas, ao contrário, faz a fina flor da arte cheirar a gás e urina.

"Tortura"

Poesia é atraso de vida
é o maior desserviço
é masoquismo
é a cela vaga de um presídio

no máximo um dever de escola
Camões
é um belo de um castigo
Um livro de poemas

é papel jogado no lixo
Basta um verso de Pessoa,
para citar num artigo,
um verso de Vinícius,

útil para dizer no ouvido,
não chega aos pés
de uma letra realista de Chico
A verdadeira poesia

é um show de um ex-beatle
A poesia
dá nojo em barata
é suplicio

Para ir além:



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 29/10/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
02. Meu reino por uma webcam de Ana Elisa Ribeiro
03. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro
04. Predadores humanos de Gian Danton
05. O problema da Petrobras são vários de Julio Daio Borges


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2013
01. A Última Ceia de Leonardo da Vinci - 12/2/2013
02. Mondrian: a aventura espiritual da pintura - 22/1/2013
03. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo - 26/2/2013
04. Cinquenta tons de cinza no mundo real - 3/9/2013
05. O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães - 18/6/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Renegado
Honoré de Balzac
Clube do Livro
(1983)



Beauvoir Apaixonada (lacrado)
Irene Frain
Verus
(2013)



Gestão Financeira de Negócios
Aurélio Hess
Cart Impress
(2004)



A Nova era um Guia para Viver Em um Novo Tempo
Lorna St. Aubyn
Roca
(1992)



Morte e Vida Severina
João Cabral de Melo Neto
Nova Fronteira
(1994)



A mulher só - das relações degradantes à vida solitária
Harold Robbins
Abril Cultural
(1985)



O Tao da Liderança Pessoal
Diane Dreher
Ediouro
(1998)



Como Desenvolver Conteúdos Explorando as Inteligências Múltiplas
Celso Antunes
Vozes
(2002)



As Lágrimas da Girafa Novos Casos da Agência Nº 1 de Mulheres Detetive
Alexander Mccall Smith
Companhia das Letras
(2003)



Literatura Brasileira em foco IV - o eu e o outro
Ana Cristina & Fátima Cristinas Dias Rocha (orgs.)
Casa Doze
(2011)





busca | avançada
57904 visitas/dia
1,9 milhão/mês