Régis Bonvicino: voyeur-flânerie e estado crítico | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
Mais Recentes
>>> Almanaque Ilustrado Símbolos de Mark O'Connell & Raje Airey pela Escala (2017)
>>> Francisco Valdomiro Lorenz - Uma Obra com Vida de Waldomiro Lorenz pela Parma (2000)
>>> O Retorno à Origem de Lex Hixon pela Cultrix (1992)
>>> Episódio da Vida de Tibério de Wera Krijanowsky pela Lake (1999)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2011)
>>> Férias Pagãs - Na Trilha dos Antigos Turistas Romanos de Tony Perrottet pela Rocco (2006)
>>> A Luz que Cura Oração Pelos Doentes de Agnes Sanford pela Loyola (1985)
>>> Doze Passos Para os Cristãos Jornada Espiritual Com Amor-Exigente de Pe Haroldo J Rahm pela Loyola (2000)
>>> A Águia e a Galinha de Leonardo Boff pela Vozes (1997)
>>> Ele andou entre nós Evidências do Jesus Histórico de Josh Mcdowell pela Candeia (1998)
>>> Contabilidade de Custos de Osni Moura Ribeiro pela Saraiva (2013)
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
>>> Pirâmides E Soberanos Do Egito de Sérgio Pereira Couto pela Escala (2015)
>>> O Velho Monge do Castelo de Lauro Trevisan pela Mente (2010)
>>> Dinâmica do Desejo de Frei Carmelo Surian pela Vozes (1982)
>>> Testemunho Sem Medo Como Partilhar sua Fé com Segurança de Bill Bright pela Candeia (1988)
>>> Cachaça. The Authentic Brazilian Drink de Diversos Autores pela Abrabe (2010)
>>> Natal a Humanidade e a Jovialidade de Nosso Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Blitzkrieg 1940 de Ward Rutherford pela Bison (1985)
>>> Cantores do Rádio. A trajetória de Nora Ney e Jorge Goulart e o meio artístico de seu tempo de Alcir Lenharo pela Unicamp (1995)
>>> Titeres y marionetas en alemania de Hans R. Purshke pela Neue Darmstädter Verlagsanstalt Darmstadt (1957)
>>> Aritmética da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias Diversas de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Emilia no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Histórias de tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Picapau amarelo de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Só o Amor é Real de Brian Weiss pela Sextante (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2017)
>>> O clamor do Mundo de Oswaldo Smith pela Vida (2009)
>>> DVD Coleção Mazzaropi Tristeza do Jeca vol. 3 de Direção, Amácio Mazzaropi / Milton Amaral pela Pam filmes (1961)
>>> A Cinco Passos de Você de Rachael Lippincott pela Alt (2019)
>>> O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Memórias da Emília de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> História do Mundo para Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Dom Quixote das Crianças de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> As Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> A chave do Tamanho de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> viagem ao Céu de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Serões de dona Benta de Monteiro Lobato pela Ciranda cultural (2019)
>>> Go Down Together The true Untold story of Bonnie and Clyde de Jeff Guinn pela Simon & Schuster (2009)
>>> Fbi--43--o grande golpe--105--41--67 de Monterrey pela Monterrey
>>> Hh--epopeias de guerra--375--furia e odio--6--160--146--153--158-- 23--141 de Peter kapra pela Monterrey
>>> Rpg--29--anjos e demonios--58--temporada de caça. de Trama pela Trama
>>> Egw--100--call of duty--black ops de Tambor pela Tambor
>>> A Saga dos Cristãos Novos de Joseph Eskenazi Pernidji pela Imago (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 29/10/2013
Régis Bonvicino: voyeur-flânerie e estado crítico
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5000 Acessos

A editora Hedra acaba de publicar o livro de poesias Estado Crítico, de Régis Bonvicino. Com seus travellings vertiginosos, versos são criados a partir do seu próprio desencanto em ser poesia. A poesia como um fracasso exemplar.

A poesia de Régis é crítica de si mesma e do mundo em que habita. Destroço entre os destroços do mundo. "Tudo existe, nada tem valor". Que poesia teria? Imagens como ready-mades. Cenas encontradas e transformadas - entre-re-cortadas - em versos-colagens. O poeta flâneur aturde a realidade, o vácuo social, levando a poesia ao estado crítico, ex officio, como única forma de impedir a sua cristalização como um entre outros "bens culturais" do mundo decadente.

Ao descrer da poesia confessional, Régis suprime a literatura do eu e avança na literatura do é. Para isso se faz poeta da tradição que cria a partir da cidade e da atmosfera urbana. Como diz Alcir Pécora na orelha do livro, Régis opera um movimento de "anotação crua dos eventos, de enumeração da atividade caótica das coisas tais como se oferecem ao voyeur, que mantém o olhar firme e interessado - mas nunca partidário - diante das cenas oferecidas a sua vista, sejam elas banais ou escabrosas".

Da tradição que vem de Baudelaire, passando por Mallarmé, Rilke, Valéry, Eliot e Pound, a poesia de Bonvicino se faz autocrítica e subverte, via linguagem, a relação entre o homem e o mundo. A modernidade produz a consciência poética de que se a realidade torna-se estranha e dentro dela move-se o homem estranho a si mesmo, a linguagem, consciente da sua impossibilidade de comunhão com o mundo, deve viver, por si mesma, em estado crítico (ou de estranhamento).

A criação artística, a poesia mais que todas as outras artes, torna-se estranha ao mundo, exigência mínima para produzir o colapso necessário do eu. Aquele eu que indagava por si mesmo, como em Rilke, e que não recebe resposta, sabe que só lhe resta, enquanto linguagem, aceitar o limite do dizível. A poesia aborta a possibilidade de comunicação. Só lhe resta o estado crítico, que no caso de Régis é, como disse Charles Bernstein, "descargas distópicas a infiltrar-se no próprio tecido prosódico".

Como numa colagem de Schwitters, Bonvicino opera sua poesia com os restos do mundo industrial, recortes e objetos desovados no lixo da cidade, que são recuperados em versos que são também "impasses" da linguagem. Também o mundo é feito de colagens re-insignificantes, como no poema "Um performer", onde o "xamã talmude de Nova Iorque (...)/ como sempre, o que diz/ não diz nada".

Exilados da terra, poetas sentem-se impotentes em desvendar o real, talvez até possam iluminar a paisagem, mas a partir do nada. Só deixam ao eu lírico a possibilidade de existir sem norte. Melhor que não exista então. O homem em face do nada. A terra estéril gera poesia estéril. Nenhum deslumbramento da linguagem, senão anotar, parafraseando o poema "Frase", que a poesia "é mais um cadáver/ não cabe na frase, acaba".

A poesia se livrou do discurso, já que não existe possibilidade lógica, inteligível, de compreender o homem e seu mundo. A fragmentação do mundo se reflete na fragmentação do discurso. Na poesia de Bonvicino, somam-se imagens que vão da grade de respiro do metrô, antenas de prédios, semáforos, copos furados de plástico ao cheiro de canela. Fazendo-se sinestésico, o poeta tromba com o mundo: calçadas de cemitério, sacos plásticos, alarme de carro, avenidas alagadas, barraca de camping, etc. Crítico, o poeta percebe que corpos são como marcas de roupa, almas são como mercadoria e a existência um péssimo tropeço.

Desses encontros nascem os versos oblíquos no qual o leitor passeia sem rumo. Encontros inusitados, esquinas perigosas, calçadas estranhas, vitrines edulcoradas. Universos habitados por mendigos, turistas, passantes, imagens de ídolos de rock e revolução, vedetes do mundo atual que "despem/ o último Ghesquière". Objetos, ruídos, cheiros, transeuntes, perdidos sem a devida redenção de si mesmos, nem mesmo a da poesia, que não glorifica a decadência, não a estetiza, mas, ao contrário, faz a fina flor da arte cheirar a gás e urina.

"Tortura"

Poesia é atraso de vida
é o maior desserviço
é masoquismo
é a cela vaga de um presídio

no máximo um dever de escola
Camões
é um belo de um castigo
Um livro de poemas

é papel jogado no lixo
Basta um verso de Pessoa,
para citar num artigo,
um verso de Vinícius,

útil para dizer no ouvido,
não chega aos pés
de uma letra realista de Chico
A verdadeira poesia

é um show de um ex-beatle
A poesia
dá nojo em barata
é suplicio

Para ir além:



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 29/10/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O novo frisson da Copa de Jardel Dias Cavalcanti
02. Carnaval, Gilberto Freyre e a democracia racial de Aline Pereira
03. Baudolino e a obra aberta de Eco de Gian Danton


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2013
01. A Última Ceia de Leonardo da Vinci - 12/2/2013
02. Mondrian: a aventura espiritual da pintura - 22/1/2013
03. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo - 26/2/2013
04. Cinquenta tons de cinza no mundo real - 3/9/2013
05. O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães - 18/6/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DIREITO PASSADO A LIMPO
SÉRGIO SANTOS RODRIGUES
PERGAMUM
(2012)
R$ 6,90



VALE A PENA RIR DE NOVO
CLÉSIO R. TARDELLI
SULMINAS
(1999)
R$ 10,00



MANET - UM NOVO REALISMO - GRANDES ARTISTAS
DAVID SPENCE
MELHORAMENTOS
(1998)
R$ 7,00



CHINA
FERNANDO PORTELA ARMEN MAMIGONIAM
ATICA
(1988)
R$ 5,00



MEDEIAS LATINAS
MÁRCIO MEIRELLES GOUVÊA, OSÉIAS SILAS FERRAZ
AUTÊNTICA
(2014)
R$ 40,00



A CASA VERDE
MARIO VARGAS LLOSA
NOVA FRONTEIRA
(1971)
R$ 5,00



BRASIL HOLANDÊS: 1624-1654
REVISTA TEMAS BRASILEIROS - EDIÇÃO ESPECIAL
DUETTO
R$ 22,82



PROJETO PENSE RÁPIDO
ROS JAY
MANOLE
(2003)
R$ 12,00



O HERÓI, O MITO E A EPOPÉIA - 3172
LUÍS TOLEDO MACHADO
ALBA
(1962)
R$ 10,00



SER CRIANÇA A ESPERANÇA DE UM NOVO MILÊNIO
ELIANE CARONE
OBRA PRIMA
(2004)
R$ 12,00





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês