A natureza se reveste de ti | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
46196 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/2/2010
A natureza se reveste de ti
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3700 Acessos


foto: Sissy Eiko

É pau, é pedra, é lata, é garrafa pet, são bagaços de laranjas rolando, cardume encantado de peixinhos dourados nadando rua abaixo, rio abaixo. Se não fosse imunda, essa água que beira entre o translúcido e o cinza correria a ladeira como um leito de rio desviado de sua natureza. E tudo vai para o escoadouro-mar, o piscinão do Pacaembu?

Ao lado do estádio, o bueiro vira chafariz, chamariz pra quem passa a toda de carro. Quando não espirra, a água escoa bonita pelo metal, e a tampa dança na melodia do fluxo. É tanto líquido que o subterrâneo regurgita pra não vomitar. Na minha rua, a violência das águas selvagens destroça sacos de lixo, rebenta com a tranquilidade do bairro classe média. Se nos dias comuns de sol e brisa ninguém olha pela janela, a chuvarada aguça a curiosidade adormecida pelo marasmo do embalo dos ônibus. Só mesmo a natureza em uma demonstração de força pra chamar a atenção num tempo em que tudo parece já ter sido visto. A tempestade é uma aberração benquista da segurança da sacada.

Eu ainda nem cheguei ao topo do morro e a chuva já começou. Calça clara, sandália rasteira, será sua hora derradeira. O guarda-chuva oferece uma proteção mínima. As pedrinhas brilhantes e duras da sarjeta seriam as do leito, redondinhas como as que meu avô me mostrou na secura do rio Paranapanema. Por isso eu desço a rua, empurrada pela enxurrada e cravejada por trovões, mas impávida se isso nada mais é do que andar na terra, e o que cai é apenas água benta.

Você se vê preso por todos os lados e encontra na rua pessoas assustadas como gatinhos ― a senhora está ilhada, tem medo de ser levada, vem, segura minha mão, titubeia mas percebe que não tem opção e juntas vencemos, atravessamos. O menino, solidário, me diz que lá para baixo está alagado. Seguro numa dessas lixeiras de rua para atravessar uma derradeira vez e sinto a água roçando meus dedos, adentrando nas fibras frágeis do linho. Água forte revestida de ferro e aço, como gato choramingo estar molhada por chorume e rato. Por que o asco se é água, apenas, se é água com restos da cidade produzidos por nós mesmos, pois não?

O paulistano tenta prever quando a chuva cai ― é fácil, ela cai na hora em que você estiver saindo para ir ao trabalho, e cai de novo na hora em que você estiver voltando para casa. O que Deus ou a Terra com sua água endemoniada querem mostrar aos paulistanos? Janeiro é mês de bombardeio. Foram muitas as semanas de chuva todos os dias ― a maior chuvarada dos últimos 75 anos, dizem os especialistas ―, essa só poderia ser uma provação divina para os moradores das áreas alagadas. Para outros, um motivo a mais de reclamação desse tempo louco. Quando fizer um sol de trinta graus, as chuvas serão invocadas na cadência dura do citadino.

Em uma dessas vezes em que o vento castiga as sombrinhas, os apaixonados vão dizer mui ridiculamente que a natureza compactua com sua dor: e por isso chora. Camões compartilharia deste amor ideal, surgido da altura e do nada, e caído como uma perdiz que perdeu as penas, pois nada voa para sempre. Castro Alves adoraria estar na chuva pra se molhar e voltar com uns versos langorosos de verão tropical. Vicente de Carvalho oscilaria entre o romântico e o parnasiano, uns pomos doirados e um amor galhardo. Os poetas de hoje se fazem de fortes, mas bem sabem que não há escapatória ― da chuva irrompem canivetes, farpas e ironia diluída, que é pra tentar não se machucar demais. Depois, ela vai embora como se nada tivesse acontecido, não é comigo, agora você que se vire com o que sobrou. O mormaço se encaregarrá da paisagem desolada. Dos cortes também.

Depois da enxurrada, à noite, quando os ônibus param de rolar ladeira abaixo, a natureza se faz ouvir na periferia do asfalto. À luz do arranha-céu ressoa riacho mínimo (a lua está em algum lugar), que desce tremelicando nos pedregulhos da sarjeta. Marinheiros felizes seríamos nos sonhos embalados nessa mansidão de ondas. Nada disso precisa ser visto, antes entendido, rente à cama. Fosse cristalina a nascente, a história seria um conto de fadas moderno com direito a príncipe e dragão emergindo da boca-de-lobo. Mas o aguaceiro jorra do cimo cimentado em direção ao abismo da Barra Funda, pequeno Tietê para embalar sonhos imperfeitos.

Melhor dormir sendo que, quando este texto for publicado, talvez a chuva já vai ter passado e ninguém mais irá se lembrar (pois a memória é fadada a esquecer a parte ruim das coisas, os traumas) das semanas em que choveram, todos os dias, dos píncaros enuviados, das lágrimas roladas.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 25/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A realidade, na verdade, é mentira de Ivan Bilheiro
02. Eu e o Digestivo de Eduardo Carvalho
03. Para você que escreve e tem mais ou menos 30 anos de Marcelo Spalding
04. Michael Moore e o grande mentecapto de Lucas Rodrigues Pires
05. Insatisfação de Ana Elisa Ribeiro


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2010
01. Tempo vida poesia 2/5 - 19/8/2010
02. A arqueologia secreta das coisas - 4/2/2010
03. Como se enfim flutuasse - 3/6/2010
04. Sobre jabutis, o amor, a entrega - 2/12/2010
05. A natureza se reveste de ti - 25/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DIREITO PASSADO A LIMPO
SÉRGIO SANTOS RODRIGUES
PERGAMUM
(2012)
R$ 6,90



HELLRAISER N°2
CLIVE BARKER
ABRIL JOVEM
(1991)
R$ 1.487,00



O ARCO-ÍRIS E A ROSA
NEVIL SHUTE
IBRASA
(1959)
R$ 8,00



É ISSO ALI POEMAS ADULTO-INFANTO- JUVENIS
JOSÉ PAULO PAES
RICHAMOND
(2007)
R$ 28,00



O ENGENHO COLONIAL
LUIZ ALEXANDRE TEIXEIRA JR.; IL; IL
ATICA
(2000)
R$ 14,90



NA COLMÉIA DO INFERNO - COLEÇÃO VEREDAS
PEDRO BANDEIRA
MODERNA
(1992)
R$ 13,00



O DIVINO, O SANTO E A SENHORA
CARLOS RODRIGUES BRANDÃO
FUNARTE
(1978)
R$ 29,00



O HOMEM MEDÍOCRE - COLEÇÃO FUNDAMENTOS DO DIREITO - 2ª EDIÇÃO
JOSÉ INGENIEROS
ÍCONE
(2017)
R$ 38,95



O PEQUENO PRÍNCIPE
ANTOINE DE SAINT-EXUPÉRY
AGIR
(2003)
R$ 25,00
+ frete grátis



SETE FACES DA FICÇÃO ESPACIAL
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(1992)
R$ 5,00





busca | avançada
46196 visitas/dia
1,8 milhão/mês