A natureza se reveste de ti | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
45069 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto cultural leva cinema até paradas de descanso de caminhoneiros
>>> HOMENS NO DIVÃ Ano XV
>>> Paulo Goulart Filho é S. Francisco de Assis na peça de Dario Fo
>>> Momo e o Senhor do Tempo estreia dia 15 de janeiro
>>> Rafa Castro leva canções de Teletransportar ao palco do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O engano do homem que matou Lennon
>>> 1º de Novembro de 2014
>>> Overmanos e Overminas do Brasil, uni-vos!
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> BDRs, um guia
>>> Papai Noel Existe
>>> Viva a revolução
>>> Blogs: uma ficção
>>> Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques
>>> A natureza se reveste de ti
Mais Recentes
>>> Mba Compacto - Planejamento de Negócios para o Crescimento de Philip Walcoff pela Campus (2003)
>>> Pode beijar a noiva de Patricia Cabot; Sulamita Pen pela Essencia (2011)
>>> Lava Jato - o Juiz Sérgio Moro e os Bastidores da Operação Que Abalou de Vladimir Netto pela Primeira Pessoa (2016)
>>> A Empresa Pensante de Moshe F Rubinstein; Iris R Firstenberg pela Futura (2000)
>>> Mal Secreto de Zuenir Ventura pela Objetiva (1988)
>>> As 100+: O guia de estilo que toda mulher fashion deve ter de Nina Garcia pela BestSeller (2009)
>>> Caderno de Rabiscos Para Adultos Entediados no Trabalho de Claire Faÿ pela Intrínseca (2008)
>>> Filha, Mãe, Avó e Puta: A história de uma mulher que decidiu ser prostituta de Gabriela Leite pela Objetiva (2009)
>>> O Filme Perfeito: picture perfect de Jodi Picoult pela Planeta (2009)
>>> Lealdade E-loyalty de Ellen Reid Smith pela Campus (2001)
>>> Histórias Amareladas de Sonia Rosa pela Rovelle (2015)
>>> Os Judeus Povo Ou Religião? de Francisco Corrêa Neto pela Francisco Corrêa Neto (1987)
>>> Gerenciando Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Makron Books (1992)
>>> Santinho de Luis Fernando Verissimo pela Cia Das Letrinhas (2017)
>>> Tudo Pode Mudar de Jonathan Tropper pela Arqueiro (2012)
>>> Álgebra Linear de Plinio Barbieri Filho; Isabel Cristina de Oliveira; Laura Maria da Cunha pela Autores
>>> Poesia Numa Hora Dessas? de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2002)
>>> Longe é um lugar que não existe de Richard Bach; A. B. Pinheiro De Lemos; H. Lee Shapiro pela Record (1990)
>>> Cidadão Turner de Robert Goldberg e Gerald Jay Goldberg pela Record (1997)
>>> Planos de Marketing - Como Preparar - Como Usar de Malcolm H. B. Mcdonald pela Gráfica e Jb (1993)
>>> Nada a Perder Minha Biografia de Edir Macedo pela Unipro (2012)
>>> O Momento da Sua Virada de César Souza pela Gente (2004)
>>> Cromoterapia - Cores para a Vida e para a Saúde de Eneida Duarte Gaspar pela Pallas (1997)
>>> Solilóquios de Santo Agostinho pela Paulinas (1993)
>>> Às Avessas -Trad. José Paulo Paes de J. K. Huysmans pela Companhia Das Letras (1987)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/2/2010
A natureza se reveste de ti
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4000 Acessos


foto: Sissy Eiko

É pau, é pedra, é lata, é garrafa pet, são bagaços de laranjas rolando, cardume encantado de peixinhos dourados nadando rua abaixo, rio abaixo. Se não fosse imunda, essa água que beira entre o translúcido e o cinza correria a ladeira como um leito de rio desviado de sua natureza. E tudo vai para o escoadouro-mar, o piscinão do Pacaembu?

Ao lado do estádio, o bueiro vira chafariz, chamariz pra quem passa a toda de carro. Quando não espirra, a água escoa bonita pelo metal, e a tampa dança na melodia do fluxo. É tanto líquido que o subterrâneo regurgita pra não vomitar. Na minha rua, a violência das águas selvagens destroça sacos de lixo, rebenta com a tranquilidade do bairro classe média. Se nos dias comuns de sol e brisa ninguém olha pela janela, a chuvarada aguça a curiosidade adormecida pelo marasmo do embalo dos ônibus. Só mesmo a natureza em uma demonstração de força pra chamar a atenção num tempo em que tudo parece já ter sido visto. A tempestade é uma aberração benquista da segurança da sacada.

Eu ainda nem cheguei ao topo do morro e a chuva já começou. Calça clara, sandália rasteira, será sua hora derradeira. O guarda-chuva oferece uma proteção mínima. As pedrinhas brilhantes e duras da sarjeta seriam as do leito, redondinhas como as que meu avô me mostrou na secura do rio Paranapanema. Por isso eu desço a rua, empurrada pela enxurrada e cravejada por trovões, mas impávida se isso nada mais é do que andar na terra, e o que cai é apenas água benta.

Você se vê preso por todos os lados e encontra na rua pessoas assustadas como gatinhos ― a senhora está ilhada, tem medo de ser levada, vem, segura minha mão, titubeia mas percebe que não tem opção e juntas vencemos, atravessamos. O menino, solidário, me diz que lá para baixo está alagado. Seguro numa dessas lixeiras de rua para atravessar uma derradeira vez e sinto a água roçando meus dedos, adentrando nas fibras frágeis do linho. Água forte revestida de ferro e aço, como gato choramingo estar molhada por chorume e rato. Por que o asco se é água, apenas, se é água com restos da cidade produzidos por nós mesmos, pois não?

O paulistano tenta prever quando a chuva cai ― é fácil, ela cai na hora em que você estiver saindo para ir ao trabalho, e cai de novo na hora em que você estiver voltando para casa. O que Deus ou a Terra com sua água endemoniada querem mostrar aos paulistanos? Janeiro é mês de bombardeio. Foram muitas as semanas de chuva todos os dias ― a maior chuvarada dos últimos 75 anos, dizem os especialistas ―, essa só poderia ser uma provação divina para os moradores das áreas alagadas. Para outros, um motivo a mais de reclamação desse tempo louco. Quando fizer um sol de trinta graus, as chuvas serão invocadas na cadência dura do citadino.

Em uma dessas vezes em que o vento castiga as sombrinhas, os apaixonados vão dizer mui ridiculamente que a natureza compactua com sua dor: e por isso chora. Camões compartilharia deste amor ideal, surgido da altura e do nada, e caído como uma perdiz que perdeu as penas, pois nada voa para sempre. Castro Alves adoraria estar na chuva pra se molhar e voltar com uns versos langorosos de verão tropical. Vicente de Carvalho oscilaria entre o romântico e o parnasiano, uns pomos doirados e um amor galhardo. Os poetas de hoje se fazem de fortes, mas bem sabem que não há escapatória ― da chuva irrompem canivetes, farpas e ironia diluída, que é pra tentar não se machucar demais. Depois, ela vai embora como se nada tivesse acontecido, não é comigo, agora você que se vire com o que sobrou. O mormaço se encaregarrá da paisagem desolada. Dos cortes também.

Depois da enxurrada, à noite, quando os ônibus param de rolar ladeira abaixo, a natureza se faz ouvir na periferia do asfalto. À luz do arranha-céu ressoa riacho mínimo (a lua está em algum lugar), que desce tremelicando nos pedregulhos da sarjeta. Marinheiros felizes seríamos nos sonhos embalados nessa mansidão de ondas. Nada disso precisa ser visto, antes entendido, rente à cama. Fosse cristalina a nascente, a história seria um conto de fadas moderno com direito a príncipe e dragão emergindo da boca-de-lobo. Mas o aguaceiro jorra do cimo cimentado em direção ao abismo da Barra Funda, pequeno Tietê para embalar sonhos imperfeitos.

Melhor dormir sendo que, quando este texto for publicado, talvez a chuva já vai ter passado e ninguém mais irá se lembrar (pois a memória é fadada a esquecer a parte ruim das coisas, os traumas) das semanas em que choveram, todos os dias, dos píncaros enuviados, das lágrimas roladas.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 25/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como não comprar livros de Lisandro Gaertner


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2010
01. Tempo vida poesia 2/5 - 19/8/2010
02. Tempo vida poesia 4/5 - 23/9/2010
03. A arqueologia secreta das coisas - 4/2/2010
04. Como se enfim flutuasse - 3/6/2010
05. Sobre jabutis, o amor, a entrega - 2/12/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Memories of Midnight
Sidney Sheldon
Harper Trade
(1991)



Blade a Lâmina do Imortal 4
Hiroaki Samura
Jbc
(2016)



Projeto Universos - História - Ensino Fundamental 7º Ano
Valéria Vaz Editora Responsável
Sm
(2012)



A Psicologia da Infância e da Adolescência
C. I. Sandström
Zahar
(1969)



Memórias de Adriano
Marguerite Yourcenar
Supersellers Record
(1974)



De Volta ao Jogo
Pedro Afonso Rezende
Suma de Letras
(2016)



Perspicácia - o Que o Presidente da Sua Empresa Quer Que Você Saiba
Ram Charan
Negócio
(2001)



Manual de Prática Previdenciária 4 Com Cd-rom
Ruy Barbosa Marinho Ferreira
Anhanguera Jurídica
(2011)



Mais do Que Boas Intenções (lacrado)
Dean Karlan, Jacob Appel
Elsevier
(2011)



Negociando Racionalmente
Max H. Bazerman; Margaret A. Neale
Atlas
(2011)





busca | avançada
45069 visitas/dia
1,9 milhão/mês