A natureza se reveste de ti | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo “Canções Para Pequenos Ouvidos” chega ao Teatro Clara Nunes, em Diadema
>>> Escrever outros Corpos - Criar outras Margens || BELIZARIO Galeria
>>> SESC 24 DE MAIO RECEBE EVENTO DE LANÇAMENTO DA COLEÇÃO ARQUITETOS DA CIDADE
>>> Dramaturgo Ed Anderson lança livro com textos de espetáculos
>>> Encomenda De Livro On-Line É Disparo Para Novo Espetáculo Do Grupo Pano
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uísque ruim, degustador incompetente
>>> O bom e velho jornalismo de sempre
>>> Apresentação
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Felicidade
>>> Ano novo, vida nova.
>>> 31 de Maio #digestivo10anos
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
Mais Recentes
>>> Sexualidade na maturidade de Luciana Nobile pela Brasiliense (2002)
>>> Cristologia Narrativa do Novo Testamento de Frank J. Matera pela Vozes (2003)
>>> Monica and Friends Nº 5 - In an Elephant in the Room ... de Mauricio de Souza pela Panini Comics (2015)
>>> Livro de bolso - Romanceiro da Imigração Japonesa - Série Imigração de Célia Sakurai pela Sumaré Fapesp (1993)
>>> Arquipélago Gulag II - 1918-1956 de Alexandre Soljenitsin pela Difel (1976)
>>> Reflexões sobre Maquiavel de Leo Strauss pela É Realizações (2015)
>>> Livro de bolso - The Revenge Of Gaia de James Lovelock pela Penguin Books (2007)
>>> Tratamentos Naturais Saúde através do Naturismo 303 de Antônio Thomé pela Vida Plena (2003)
>>> A Hora é Agora! 303 de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2015)
>>> Livro de bolso - Livro - A República de Weimar e a Ascenção do Nazismo - Tudo é história 58 de Angela Mendes de Almeida pela Brasiliense (1982)
>>> Entre os fiéis: Irã, Paquistão, Malásia, Indonésia de V. S. Naipaul pela Companhia das letras (1999)
>>> Comece onde você está 303 de Pema Chodron pela Sextante (2003)
>>> Livro de bolso - Como Aprimorar As Vendas - Série Sucesso Profissional - Seu Guia de Estratégia Pessoal de Robert Heller pela Publifolha (2000)
>>> Noites Felinas 303 de Cyril Collard pela Brasiliense (1993)
>>> A Nova História de Jacques Le Goff, Le Roy Ladurie, Georges Duby e Outros pela Edições 70 (1977)
>>> Monica and Friends Nº 32 de Mauricio de Souza pela Panini Comics (2017)
>>> O Mapa da Felicidade 303 de heloísa Capelas pela Gente (2014)
>>> Livro - Peter Pan - Texto Integral de James Barrie , Ana Maria Machado pela Ftd (1992)
>>> Arquipélago Gulag I - 1918-1956 de Alexandre Soljenitsin pela Círculo do livro (1975)
>>> Livro - Gente, Bicho, Planta: O Mundo Me Encanta de Ana Maria Machado pela Global (2010)
>>> O Zahir 303 de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Universo e Vida 303 de Hernani T. Sant'Anna pela Federação Espírita Brasileira (1994)
>>> Mecânica dos fluidos de Victor L. Streeter pela McGraw-Hill do Brasil (1974)
>>> As duas faces do gueto de Loic Wacquant pela Boitempo (2008)
>>> Livro - International Guy - Paris Nova York Copenhague - Três cidades, três homens sedutores, três histórias da mesma série em um único volume de Audrey Carlan pela Verus (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/2/2010
A natureza se reveste de ti
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4200 Acessos


foto: Sissy Eiko

É pau, é pedra, é lata, é garrafa pet, são bagaços de laranjas rolando, cardume encantado de peixinhos dourados nadando rua abaixo, rio abaixo. Se não fosse imunda, essa água que beira entre o translúcido e o cinza correria a ladeira como um leito de rio desviado de sua natureza. E tudo vai para o escoadouro-mar, o piscinão do Pacaembu?

Ao lado do estádio, o bueiro vira chafariz, chamariz pra quem passa a toda de carro. Quando não espirra, a água escoa bonita pelo metal, e a tampa dança na melodia do fluxo. É tanto líquido que o subterrâneo regurgita pra não vomitar. Na minha rua, a violência das águas selvagens destroça sacos de lixo, rebenta com a tranquilidade do bairro classe média. Se nos dias comuns de sol e brisa ninguém olha pela janela, a chuvarada aguça a curiosidade adormecida pelo marasmo do embalo dos ônibus. Só mesmo a natureza em uma demonstração de força pra chamar a atenção num tempo em que tudo parece já ter sido visto. A tempestade é uma aberração benquista da segurança da sacada.

Eu ainda nem cheguei ao topo do morro e a chuva já começou. Calça clara, sandália rasteira, será sua hora derradeira. O guarda-chuva oferece uma proteção mínima. As pedrinhas brilhantes e duras da sarjeta seriam as do leito, redondinhas como as que meu avô me mostrou na secura do rio Paranapanema. Por isso eu desço a rua, empurrada pela enxurrada e cravejada por trovões, mas impávida se isso nada mais é do que andar na terra, e o que cai é apenas água benta.

Você se vê preso por todos os lados e encontra na rua pessoas assustadas como gatinhos ― a senhora está ilhada, tem medo de ser levada, vem, segura minha mão, titubeia mas percebe que não tem opção e juntas vencemos, atravessamos. O menino, solidário, me diz que lá para baixo está alagado. Seguro numa dessas lixeiras de rua para atravessar uma derradeira vez e sinto a água roçando meus dedos, adentrando nas fibras frágeis do linho. Água forte revestida de ferro e aço, como gato choramingo estar molhada por chorume e rato. Por que o asco se é água, apenas, se é água com restos da cidade produzidos por nós mesmos, pois não?

O paulistano tenta prever quando a chuva cai ― é fácil, ela cai na hora em que você estiver saindo para ir ao trabalho, e cai de novo na hora em que você estiver voltando para casa. O que Deus ou a Terra com sua água endemoniada querem mostrar aos paulistanos? Janeiro é mês de bombardeio. Foram muitas as semanas de chuva todos os dias ― a maior chuvarada dos últimos 75 anos, dizem os especialistas ―, essa só poderia ser uma provação divina para os moradores das áreas alagadas. Para outros, um motivo a mais de reclamação desse tempo louco. Quando fizer um sol de trinta graus, as chuvas serão invocadas na cadência dura do citadino.

Em uma dessas vezes em que o vento castiga as sombrinhas, os apaixonados vão dizer mui ridiculamente que a natureza compactua com sua dor: e por isso chora. Camões compartilharia deste amor ideal, surgido da altura e do nada, e caído como uma perdiz que perdeu as penas, pois nada voa para sempre. Castro Alves adoraria estar na chuva pra se molhar e voltar com uns versos langorosos de verão tropical. Vicente de Carvalho oscilaria entre o romântico e o parnasiano, uns pomos doirados e um amor galhardo. Os poetas de hoje se fazem de fortes, mas bem sabem que não há escapatória ― da chuva irrompem canivetes, farpas e ironia diluída, que é pra tentar não se machucar demais. Depois, ela vai embora como se nada tivesse acontecido, não é comigo, agora você que se vire com o que sobrou. O mormaço se encaregarrá da paisagem desolada. Dos cortes também.

Depois da enxurrada, à noite, quando os ônibus param de rolar ladeira abaixo, a natureza se faz ouvir na periferia do asfalto. À luz do arranha-céu ressoa riacho mínimo (a lua está em algum lugar), que desce tremelicando nos pedregulhos da sarjeta. Marinheiros felizes seríamos nos sonhos embalados nessa mansidão de ondas. Nada disso precisa ser visto, antes entendido, rente à cama. Fosse cristalina a nascente, a história seria um conto de fadas moderno com direito a príncipe e dragão emergindo da boca-de-lobo. Mas o aguaceiro jorra do cimo cimentado em direção ao abismo da Barra Funda, pequeno Tietê para embalar sonhos imperfeitos.

Melhor dormir sendo que, quando este texto for publicado, talvez a chuva já vai ter passado e ninguém mais irá se lembrar (pois a memória é fadada a esquecer a parte ruim das coisas, os traumas) das semanas em que choveram, todos os dias, dos píncaros enuviados, das lágrimas roladas.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 25/2/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pandemia de Albert Camus de Wellington Machado
02. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
03. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait
05. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2010
01. Tempo vida poesia 4/5 - 23/9/2010
02. Tempo vida poesia 2/5 - 19/8/2010
03. A arqueologia secreta das coisas - 4/2/2010
04. Sobre jabutis, o amor, a entrega - 2/12/2010
05. Como se enfim flutuasse - 3/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Col Dona Benta 12 Volumes
Vários Autores
Gold
(2009)



Arte Vida Sul Bahia
Rosa de Luca
Alles Trede
(2008)



Vamos ao Sitio Aprender Numeros - Coleção Sara e Daniel
Cristina Rodrigues
Impala
(2001)



Invasão do Mundo da Superfície
Mark Cheverton
Galera Record
(2015)



A Mansão da Pedra Torta
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho
Petit
(1995)



Maluquinho por Futebol
Ziraldo Alves Pinto
Globinho
(2015)



Nova Ortografia da Língua Portuguesa
Sérgio Nogueira
Iesde Brasil
(2009)



Toinzinho e o Anjo Galdino- Serie Infanto Juvenil
M. B. Tamassia
Lake
(1998)



Dicionario Inglês Português de Termos Econômicos e Comerciais
José Cândido Marques Cavalcante
Vozes
(1984)



O Pensamento Católico no Brasil
Antonio Carlos Villaça
civilização brasileira
(2006)





busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês