Livros que aproximam | Ivan Bilheiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diploma ou não diploma... não é esta a questão
>>> Minha casa, sua casa
>>> Linger by IMY2
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
Mais Recentes
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Galera Junior (2015)
>>> Alimentação sem Carne de Eric Slywitch pela Alaúde (2016)
>>> Maus: A História de um Sobrevivente - História Completa de Art Spiegelman pela Cia. das Letras (2005)
>>> Alex no País dos Números de Alex Bellos pela Companhia das Letras (2011)
>>> A História da Medicina de Anne Rooney pela M. Books (2013)
>>> História da Arte Italiana - 3 Volumes de Giulio Carlo Argan pela Cosac Naify (2003)
>>> Justiça: O Que é Fazer a Coisa Certa (Edição Especial Capa Dura) de Michael J. Sandel pela Civilização Brasileira (2021)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Márquez pela Record (2009)
>>> O Outono da Idade Média de Johan Huizinga pela Cosac Naify (2010)
>>> Vocabulário da Psicanálise de Laplanche e Pontalis pela Martins Fontes (1998)
>>> Meditações Diárias Para Mulheres Que Amam Demais de Robin Norwood pela Rocco (2009)
>>> Supertição no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2001)
>>> Marketing Trends de Francisco Alberto Madia de Souza pela Makron Books (2000)
>>> Retorno Do Investimento Em Capital Humano de Jac Fitz-enz pela Makron Books (2001)
>>> O Gigante Enterrado de Kazuo Ishiguro pela Companhia das Letras (2017)
>>> O Fim Do Poder de Moisés Naím pela Leya (2013)
>>> Introdução as Obras de Freud, Ferenczi, Groddeck, Klein, Winnicott, Dolto, Lacan de J. D. Nasio pela Jorge Zahar (1995)
>>> Amor Incondicional E Perdão de Edith Stauffer pela Totalidade (2007)
>>> Tarde Demais de Colleen Hoover pela Record (2022)
>>> A Bíblia Dos Meninos de Carolyn Larsen pela Mundo Cristão (2000)
>>> Peter Camenzind de Hermann Hesse pela Todavia (2022)
>>> Cuidando da Família em Crise de T. Berry Brazelton pela Martins Fontes (1991)
>>> Livro Game Of Thrones: Guia Completo Da Serie Da Hbo de Bryan Cogman pela Leya (2013)
>>> Talvez Uma Historia De Amor de Martin Page pela Rocco (2009)
>>> Por Voce- Vol. 1 de Laurelin Paige pela Fabrica231 (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 12/11/2010
Livros que aproximam
Ivan Bilheiro
+ de 5500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Eu já me declarei, aqui mesmo, no Digestivo, um bibliófilo com preferência pelos sebos. E, cada vez mais, tenho motivos para reafirmar minha preferência. Acabei de ler, há poucos dias, A sociedade literária e a torta de casca de batata (Rocco, 2009, 304 págs. ― no original, The Guernsey Literary and Potato Peel Pie Society) da bibliotecária e livreira Mary Ann Shaffer com a colaboração de sua sobrinha Annie Barrows. Foi uma indicação do editor-assistente do Digestivo, Rafael Rodrigues, e este livro ratificou minha preferência. Para resumi-lo em uma só frase: é uma história de livros que aproximam pessoas. Exatamente o que eu penso deles.

Infelizmente, desta vez meu exemplar de sebo não veio com nenhuma marcação de seu dono anterior. Aliás, uma reflexão que me veio quando cheguei em uma parte em que Julliet Ashton, a escritora que é a personagem principal da história, pergunta ao seu editor Sidney Stark se, de fato, 30% dos livros são comprados para serem dados de presente: comprei o meu num sebo (como não poderia deixar de ser), e ele estava quase novo. Na verdade, velho: um pouco sujo nas bordas, um pouco mal-tratado. Mas não parecia que havia sido lido antes. E, assim, me deu a impressão de que foi um presente dispensado por alguém.

Esta reflexão me fez agir como a própria Julliet Ashton: ao olhar para as janelas das casas enquanto viaja de trem, ela capta detalhes e, a partir deles, imagina a vida das pessoas. Dá dinâmica e vivacidade àquela imagem. Eu faço isso pelos livros, como com este. Agora, retomando-o para escrever este texto, notei que a folha de rosto foi arrancada. Uma folha com dedicatória, talvez? Um presente de alguém não mais querido, cujas lembranças não devem mais ser guardadas? A imaginação vai mesmo longe com os livros de sebo.

Mas vamos ao conteúdo: trata-se de uma história inteiramente contada e registrada através das cartas trocadas entre os personagens. O contexto é o pós-Segunda Guerra Mundial, especificamente o ano de 1946, ainda com todos os traumas, as histórias e as dificuldades oriundas do conflito. Começa com o primeiro livro que aproxima pessoas: uma coletânea de textos escritos pela protagonista Julliet Ashton, moradora de Londres. A autora sai em turnê para divulgar o livro (coisa em falta no Brasil. Ela, então, vai se correspondendo com seu editor e alguns outros personagens do seu círculo de amizades, inclusive relatando as interações com seus leitores.

Aí entra um segundo livro que contribui nas aproximações humanas e, neste caso, vale citar uma frase da personagem principal: "Talvez haja algum instinto secreto nos livros que os leve a seus leitores perfeitos. Se isso fosse verdade, seria encantador". Ocorre que um dos livros vendidos por Julliet Ashton para abrir espaço em sua estante foi parar nas mãos de Dawsey Adams, um morador de Guernsey, uma ilha do Canal da Mancha que foi ocupada pelos alemães durante a guerra. Julliet havia colocado seu nome e endereço na folha de rosto (talvez, como o ex-dono do meu livro), o que permitiu que Dawsey escrevesse para ela, comentando notas marginais feitas por ela e pedindo informações para obter novos livros do autor.

Os dois passam, então, a se corresponder, e Julliet conhece a história da sociedade literária que dá o curioso título ao livro: A sociedade literária e a torta de casca de batata. Trata-se de uma espécie de grupo de leituras criado no total improviso. Uma noite, alguns moradores de Guernsey, entre eles o próprio Dawsey Adams, burlando o toque de recolher instituído pelos alemães durante a ocupação da ilha, foram à casa de uma vizinha comer um porco assado ― um delito grave na época, posto que os alimentos eram controlados pelos alemães. Na volta, foram abordados por bravos soldados e, questionados sobre o motivo de não estarem em suas respectivas casas, ficaram atônitos. Só uma das integrantes do grupo, Elizabeth McKenna, não se submeteu e reagiu de forma surpreendente: afirmou que eles estavam vindo do encontro da Sociedade Literária de Guernsey e que o debate do livro Elizabeth e seu jardim alemão havia sido tão interessante que eles perderam a noção do tempo. Assim apareceu, na história, mais um livro atuante nas relações humanas. Embora fictício, tal como a sociedade literária da fala de Elizabeth até então, contribuiu para que o grupo escapasse da situação. Desta forma surgiu a Sociedade: a necessidade do álibi deu o pontapé inicial e, para não confessar a mentira, foi necessário estruturar, de fato, um grupo de leituras.

Para a Sociedade entraram pessoas que nem sequer tinham o hábito da leitura, entre eles Will Thisbee, o responsável pela inserção de Torta de Casca de Batata no nome do grupo. Ele não ia a nenhuma reunião se não houvesse o que comer. Preocupava-se com isso. Como a situação durante a guerra era precária, ele montou a iguaria: purê de batatas como recheio, beterrabas coadas para adoçar e cascas de batata para cobrir.

A partir do momento em que Julliet Ashton tomou conhecimento destas histórias, ficou tão interessada que passou também a se corresponder com os demais membros da Sociedade. Neste caminho, a história vai apresentando os personagens, suas histórias, sua relação com as leituras e a Sociedade Literária, suas lembranças e traumas do período da Guerra etc. Os livros, pedras-angulares da Sociedade, vão entrando ao longo da história, estabelecendo as relações dos personagens.

Por fim, Julliet Ashton, que estava em busca de um novo tema para sua próxima empreitada como escritora, decide escrever sobre Elizabeth McKenna e sobre a Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata de Guernsey. E este último livro da história, responsável pela mudança de Julliet para a ilha, aprofunda os laços de amizade entre os personagens membros da sociedade e ela, bem como promove seu casamento com Dawsey.

A história em si é branda, mas o testemunho do potencial da leitura e dos livros é grandioso. Começando e terminando com a atuação magistral dos livros na vivificação das relações humanas, A sociedade literária e torta de casca de batata é, sem dúvida, uma leitura encantadora. Aí se encontra um forte argumento contrário à ideia da extinção dos livros: responsáveis por aproximações entre pessoas, eles são elementos importantíssimos para gozar a vida.

Por fim, reproduzo as palavras da protagonista para acrescentar uma ideia: "É isto que amo na leitura: uma pequena coisa o interessa num livro, e essa pequena coisa o leva a outro livro, e um pedacinho que você lê nele o leva a um terceiro. Isso vai em progressão geométrica ― sem nenhuma finalidade em vista, e unicamente por prazer". E quando, então, os livros nos levam a novos livros e também às pessoas? Que potencial, hein?!

Para ir além






Ivan Bilheiro
Juiz de Fora, 12/11/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por que as curitibanas não usam saia? de Adriana Baggio
02. Sobre jabutis, o amor, a entrega de Elisa Andrade Buzzo
03. Minhas caixas de bombons de Adriana Carvalho
04. Mapa da sala de aula de Ana Elisa Ribeiro
05. Um brasileiro no Uzbequistão (I) de Arcano9


Mais Ivan Bilheiro
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/11/2010
21h30min
Há livros que trazem o prazer da leitura e de um aprendizado. Já um trabalho literário que envolva alimentação traz a experiência do sabor e o prazer de cozer, comer e ler ao mesmo tempo.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Com os corações cheios de amor
Rabino Mattisyahu Salomon
ArtScrll Series



Antologia Efémera 1950-2000
E. M. de Melo e Castro
Lacerda
(2000)



Leite Derramado
Chico Buarque
Companhia das Letras
(2009)



Sucos e Vitaminas para Crianças
Amanda Cross
Manole
(2007)



O Universo Simbólico da Criança: Olhares Sensível para a Infância
Adriana Friedmann
Vozes
(2005)



O discurso da homossexualidade feminina
Denise Portinari
Brasiliense
(1989)



Otelo
Hildegard Feist
Scipione
(2015)



You Can Be Happy no Matter What
Richard Carlson
New World Library
(2006)



Livro Literatura Estrangeira Bela Distração Irmãos Maddox - Livro 1
Jamie Mc Guire
Verus
(2014)



Ele Vem do Fundão
Dyonelio Machado
Ática
(1982)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês