Consumidor, você tem toda a razão! | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
>>> Para ler no botequim
>>> O blog da Bundas
>>> Introdução à lógica do talento literário
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Nada a comemorar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O desafio de formar leitores
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> O pensamento vivo de Rui Barbosa de Américo Jacobina Lacombe pela Livraria Martins (1944)
>>> Jornal Pasquim ANO X de 1979- Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1979)
>>> Memórias inacabadas de Humberto de Campos pela José Olympio (1935)
>>> O cortiço de Aluis Azevedo pela Circulo do Livro (1991)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade Gráfica (1962)
>>> O leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Abril Cultural (1974)
>>> O amigo fritz de Erckmann Chatrian pela Saraiva (1955)
>>> Não Posso Deixar-te de Luciana Peverelii pela Vecchi (1961)
>>> O País das uvas de Fialho D Almeida pela Livraria Clássica (1946)
>>> Literatura Comentada Oswald de Andrade de (Oswald de Andrade) pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo de John Reed pela Circulo do Livro (1986)
>>> Compêndio da Cambridge sobre Voltaire de Nicholas Cronk (Editor) pela Madras (2010)
>>> O Jornal da Noite de Arthur Hailey pela Record (1990)
>>> As meninas de Lygia Fagundes Telles pela Circulo do Livro (1979)
>>> Um estranho no espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro (1976)
>>> O Universo Das Comunicaçoes Humanas - Comunicação de Eneas Machado de Assis pela Mageart (1997)
>>> Literatura Comentada Guimarães Rosa de (Guimarães Rosa) pela Nova Cultural (1988)
>>> O Peregrino de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> O livro de san michele de Axel Munthe pela Círculo Do Livro (1985)
>>> Vargas E A Crise Dos Anos 50 - C. Politica de Org. Angela de Castro Gomes pela Relume (2011)
>>> Noel Rosa (literatura Comentada) de (Noel Rosa) pela Nova Cultural (1981)
>>> A Peregrina de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> Para Falar E Escrever Melhor O Portugues - Linguistica de Adriano Dagamakury pela Nova Fronteira (1989)
>>> O navegante de Morris West pela Circulo do Livro (1980)
>>> Conjunção Dos Verbos Em portugues -Pratico e Eficiente - Linguistica de Maria Aparecida Ryan pela Atica (1995)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/4/2013
Consumidor, você tem toda a razão!
Daniel Bushatsky

+ de 3000 Acessos

Já tive oportunidade de contar aqui no Digestivo Cultural uma maré de azar que ocorreu comigo ("O Código de Defesa do Consumidor e Maradona"). Desta vez vou desabafar pelos outros e continuar o grito de que ainda falta muito para no Brasil se respeitar o consumidor.

O primeiro episódio foi em uma tradicional pizzaria, na Avenida Treze de Maio. Um casal de amigos pediu para substituir a mussarela por catupiry na cobertura da calabresa. A mudança custou quase a metade de uma pizza pequena. Questionando o garçom, este fez uma cara paradoxal de que não era com ele, mas entendia perfeitamente o problema. Chamou o gerente, que, com ares de superior, deu um sermão no jovem casal afirmando que estava claro no cardápio que a mudança da cobertura era cobrada à parte. O casal, por sua vez, simplesmente retrucou que não estavam se negando a pagar e sim questionando se aquilo estava correto (talvez a palavra fosse "justo"), porque na maioria das pizzarias (renomadas) de São Paulo a simples troca de cobertura (não estávamos falando de caviar) não custava metade da pizza. Ainda assim, o casal saiu com fama de "malandros" que não queriam pagar a cobertura da pizza e "clientela dispensável", quando o gerente sugeriu que não precisava deixar mais explícito aos clientes o valor que se cobra nessas situações, pois "quem sempre vai ao restaurante" não se importa de pagar o preço que for.

Saindo da área gastronômica e indo para a financeira, um amigo meu teve suas ações de companhias abertas, em custódia em famoso banco espanhol, perdidas. Sim, isto mesmo: o banco não conseguia localizar as ações e, portanto, não realizava a ordem de venda. Ajuizada ação judicial, o banco foi condenado a pagar o prejuízo da desvalorização das ações, mas o valor de dano moral, que deveria cobrir o desrespeito pelo serviço mal prestado, bem como o stress de oito meses sem saber onde estavam os títulos (e o dinheiro). Foram indenizados em R$1000. Certamente não foi uma indenização que fez o banco (ou seus concorrentes) pensarem em investir em infraestrutura e melhorar o atendimento aos seus clientes. Ainda vale mais a pena contratar bons atores globais para garantir novos consumidores.

As últimas passagens têm a ver como a "Broadway brasileira".

No teatro Bradesco, do Shopping Bourbon, na tentativa de comprar ingressos com "meia-entrada", outro casal de amigos se dirigiu a bilheteria, após pegarem um cinema patrocinado pelo banco concorrente. Não tendo os comprovantes de estudante, solicitaram o famoso "carimbo", para apresentarem na hora do espetáculo. A resposta direta, sem nenhum jogo de cintura, foi: "Não é possível. Se você quiser, compre depois pela internet". Aqui dois são os problemas. O primeiro é que ninguém se negou a mostrar a carteirinha, só foi solicitado, como é prática comum, que a apresentação fosse à entrada do teatro. Parece que o teatro não gosta e não confia em estudantes. Segundo, que a compra pela internet é mais custosa, pois tem taxas que, não raro e dependendo da quantidade de ingressos comprados, os deixam consideravelmente mais caros.

Esta história só não foi pior do que a do casal que comprou o Rei Leão pela internet. Quando os ingressos foram entregues, a data da apresentação não era a escolhida. Após inúmeras ligações e horas com telemarketing, a empresa confessou que para alterar a data (eles não podiam na data escolhida pelo teatro), eles teriam que mandar por correio os ingressos recebidos, com documentação pessoal e aguardar a comunicação de uma possível nova data. Engraçado, para mudar a data, os consumidores não foram sequer consultados. Para resolver o problema que o teatro criou terão que perder tempo e dinheiro!

O que fazer à frente de todos estes problemas? No artigo a que remeti os leitores sugeri que houvesse leis mais coercitivas, sancionando o fornecedor que não entregasse o produto bem feito e, enquanto isto não ocorresse, vaiássemos todos os comerciantes que não nos respeitassem, como os torcedores fazem com seus times de coração.

Passado um tempo, minha previsão continua infelizmente correta. As operadoras de celular, os bancos e o comércio, em geral, não respeitam o consumidor. Histórias são o que não falta! Mesmo a concorrência, tão saudável para o mercado, não resolve o problema que, sinto, é cultural.

O povo brasileiro não sabe se impor como consumidor e os fornecedores não fazem nada porque não são punidos. É um ciclo vicioso!

Se no caso das ações perdidas do meu amigo a indenização por dano moral fosse de R$100.000 aposto que o banco se coçava; se fosse de um milhão de reais, algum diretor passaria a noite em claro pensando em mudanças rápidas e eficientes, se é que não perderia o emprego!

Penso que para chegarmos ao estágio cultural no qual pela simples demora (não absurda) do atendimento, na Chessecake Factory, rede de lanchonete nos Estados Unidos, o gerente distribuiu sobremesas de graça para se desculpar, precisamos, infelizmente, de grandes indenizações.

É a cultura do medo das decisões do judiciário que fará as empresas mudarem e, de quebra, conscientizar os consumidores.

Até lá vai ser muito difícil ouvir um grito forte e consistente: Consumidor, você tem toda a razão!


Daniel Bushatsky
São Paulo, 1/4/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
02. De Middangeard à Terra Média de Celso A. Uequed Pitol
03. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
04. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
05. O quanto podemos compreender de Guilherme Carvalhal


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2013
01. Palavra de Honra - 9/9/2013
02. Amar a vida! - 10/6/2013
03. Rejeição - 21/4/2013
04. Formatura - 18/2/2013
05. Família e Maldade - 20/5/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Se Preparar para o Exame de Ordem 1ª e 2ª Fases
Vauledir Ribeiro Santos
Método
(2000)



Natal Especial
Halia Pauliv de Souza
Vozes
(2003)



Tradição, Cultura e Protesto Popular no Brasil (1780-1880); Escra
Projeto Historia 16 - Cultura e Trabalho
Puc Sp
(1998)



O Que é Contracepção
Kurt Kloetzel
Brasiliense
(1987)



As Mulheres na Guerra: 1939 - 1945 - Dois Volumes
Claude Quétel
Larousse
(2009)



A Questão Urbana - Industrialização na Bahia; Politica Salarial;
Cláudio Penani (responsável) Cadernos do Ceas
Ceas (salvador)
(1976)



Missão Reciclar Papai
Pete Johnson
Melhoramentos
(2005)



1º de Abril
Cloder Rivas Martos
Escrituras
(2013)



Reb - Revista Eclesiástica Brasileira Volume 30
Frederico Vier
Ltr
(1970)



You Can Draw
Adrian Hill
Hart Publishing (nova Iorque)
(1966)





busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês