O melhor do teatro em 2005 | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
45185 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2005

Quarta-feira, 4/1/2006
O melhor do teatro em 2005
Guilherme Conte

+ de 5800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Se 2005 não foi um ano espetacular para o teatro em São Paulo, tampouco pode-se afirmar que ele deixou a desejar. Peças consagradas (e por vezes batidas) dividiram espaço com o experimental. Novos nomes, tanto nos palcos como por trás deles, começaram a ficar familiares ao público. Em suma, foi um ano bom.

A análise, em linhas gerais, é de que o papel do dramaturgo ganhou algum gás neste ano de 2005. Ocorre que existe no Brasil, há mais de 40 anos (e sobretudo nos últimos 20), um culto à figura do encenador. Culto, por vezes, exacerbado.

À exceção de alguns notáveis bastiões de resistência - e não me canso de citar neste aspecto o corajoso grupo TAPA, sob o punho forte do diretor Eduardo Tolentino -, pode-se perceber uma tímida porém crescente tendência de equilíbrio deste jogo. Em bom "economês": o cenário é de baixa, mas o viés é de alta.

Vamos, enfim, à lista do que de melhor aconteceu por aqui em 2005.

A tragédia das tragédias - Eis que o diretor Antunes Filho, depois de fazer um belíssimo trabalho com a Medéia, de Eurípedes, resolveu encarar outro monstro sagrado da tragédia grega: Antígona, de Sófocles. E ele, de novo, acertou em cheio.

Com um elenco afinadíssimo, capitaneado pelas atrizes Juliana Galdino e Arieta Corrêa, Antunes fez uma leitura particular e extremamente honesta do texto, que por si só já tem uma força que não encontra muitos paralelos na literatura dramática. A atualidade de Sófocles impressiona.

Alma russa - Muito bem-vinda foi a volta do ator Celso Frateschi aos palcos, depois de uma experiência à frente da Secretaria Municipal de Cultura. Frateschi respira teatro, e é muito bom no que faz. Sua volta não poderia ter sido melhor.

Ele encarnou um difícil monólogo, Sonho de um homem ridículo, baseado em um conto homônimo do escritor russo Fiodór Dostoievski. Nas mãos do sempre competente diretor Roberto Lage, Frateschi pôde dar asas a todo o seu talento - que não é pouco.

Vale ressaltar a coragem de escolher este texto, de uma relevância ímpar frente ao momento que o país atravessa. E festejar a inauguração de mais um palco preocupado com a qualidade e a não obviedade de seus espetáculos: o Instituto Cultural Capobianco.

Sensibilidade pernambucana - Este foi o ano para o público paulistano conhecer a fundo a obra de um dos mais talentosos dramaturgos brasileiros da atualidade: o jovem pernambucano Newton Moreno.

Para começar, sua obra-prima Agreste, que já havia arrebatado o APCA, permaneceu em cartaz na cidade por um bom tempo. Depois, ele estreou, com a Cia. Os Fofos Encenam, a ótima Assombrações do Recife Velho, baseada em livro homônimo do sociólogo Gilberto Freyre.

Por fim, a mesma companhia realizou uma mostra de seus trabalhos, que de Moreno incluíam a peça Deus sabia de tudo e não fez nada e mais leituras de outros dois textos.

Moreno tem um olhar sensível e aguçado para as indissiocrasias do ser humano. Seus textos têm uma poesia que comove e uma ironia cortante, sem nunca perderem de vista seu alvo: as contradições humanas.

Violência latente - Monique Gardenberg foi corajosa ao assumir a direção da peça Baque, de Neil LaBute. Depois de seu fragoroso sucesso no comando de Os Sete Afluentes do Rio Ota, resolveu encarar este difícil desafio. E deu certo.

Embora a grande estrela do espetáculo seja o próprio texto, de uma qualidade ímpar, quem rouba a cena é o ator Emílio de Melo. Ele encarna o executivo neurastênico da primeira das três histórias. Seu talento é arrebatador, vale por si só o ingresso.

Foco na atualidade - Dramaturgos modernos, que estão fazendo barulho lá fora, começam a ganhar espaço por aqui. É o caso de Kenneth Lonergan, autor de Essa Nossa Juventude. Uma "peça de formação". Ótimo trabalho da diretora Laís Bodanzky e do ator Gustavo Machado.

Outro bom (e inédito) dramaturgo que foi montado por aqui é Eric Bogosian. Prego na testa, do parlapatão Hugo Possolo e do diretor Aimar Labaki, é um verdadeiro soco no estômago. Teatro para incomodar.

A praça maldita - Os Satyros continuam seu corajoso trabalho de resistência na Praça Roosevelt. Agora com dois espaços (um ocupando o antigo Teatro Xis), são referência para quem quer um teatro diferente, fora dos padrões convencionais.

Os dois grandes espetáculos do ano ali foram Cosmogonia no. 1, de Rodolfo García Vasquez, e A Vida na Praça Roosevelt, de Dea Loher. O primeiro pela beleza e pela simplicidade, o segundo pela força do conjunto. É a tradição satyriana de dar voz aos excluídos.

Mais do mesmo - Outro ponto alto de 2005 foram os grandes espetáculos de anos anteriores que voltaram a ficar em cartaz na cidade. É triste ver montagens de excelente qualidade que saem depois de três ou quatro meses e não voltam mais.

Alguns destaques:

Aldeotas, de Gero Camilo, para mostrar que bom teatro é contar boas histórias. Mais simples, impossível.

Os Sete Afluentes do Rio Ota, que impressiona pela grandiosidade, pelo ótimo texto e pela interpretação pra lá de talentosa da atriz Maria Luísa Mendoça.

Avenida Dropsie, da Sutil Companhia de Teatro. Belíssima homenagem ao mestre dos quadrinhos Will Eisner.

Mire Veja, da Companhia do Feijão, baseado no livro homônimo de Luiz Ruffato. Pequenas grandes histórias de gente comum. Grandes atores.

Agreste, já citado, de Newton Moreno. Porque falar de amor nunca deixa de ser importante.

O também citado TAPA, além da mostra do início do ano, seguiu com dois excelentes espetáculos: A Mandrágora, de Maquiavel, e A Importância de Ser Fiel, de Oscar Wilde. Elegante, correto, belo. Além da temporada-relâmpago da ótima Major Bárbara, de Bernard Shaw.

Falando em mostras, duas boas e duas excelentes passaram pela cidade. O Cemitério de Automóveis mostrou diversas faces do trabalho de Mário Bortolotto. Já a Cia. Fraternal deu corpo e voz ao caipira, e destaco a peça Eh, Turtuvia!.

A Cia. do Latão mostrou que é um dos principais grupos de teatro em atividade por aqui. O ponto alto foi a peça Visões Siamesas, baseada em um conto de Machado de Assis. A grande mostra do ano, porém, foi do Grupo LUME, de Campinas. Me arrisco a dizer que o LUME é o maior grupo de teatro deste país. Com um trabalho exaustivo de pesquisa e um treinamento rigorosíssimo, o resultado atingido pelo grupo é algo impressionante. Café com queijo é tão belo quanto notável pelas atuações.

Destaco outros dois belos espetáculos que passaram por aqui. Por Elise, com a talentosa Grace Passô. Um retrato intimista e profundamente poético. Rara beleza - não levou o APCA à toa. E de Natal veio o grupo Clowns de Shakespeare com Muito barulho por quase nada. A alegria de se fazer teatro.

A corrosão do humano - O grande espetáculo do ano, na modesta opinião deste que vos escreve, foi Estação Terminal América, do grupo Volksbühne, de Hamburgo, sob a batuta do polêmico Frank Castorf.

O espetáculo é baseado em Um bonde chamado desejo, clássico de Tenessee Williams. Lamentavelmente, foram só duas apresentações em São Paulo, depois de fazer barulho no Festival de Porto Alegre. Simplesmente lindo, um desbunde.

Castorf conseguiu arrancar de seus excelentes atores as menores sutilezas do texto de Williams. Risos, choro, incômodo, afeição - o diretor, com o espetáculo na mão, conseguiu tocar fundo na platéia. Inesquecível.

A grande atriz do ano foi Juliana Galdino, por sua brilhante atuação em Antígona, com o CPT e Antunes Filho. O crítico Jefferson Del Rios deu a melhor definição sobre Juliana: é de um "talento assustador". Impressiona pela força que imprime ao personagem. Arranca lágrimas.

Mas a escolha da APCA, que premiou Denise Weiberg por Oração a um pé-de-chinelo, não pode ser considerada injusta. Denise também é brilhante. E Marília Pêra também passou por aqui.

E o grande ator é Marco Nanini, que fez miséria com Um circo de rins e fígados, de Gerald Thomas. O texto é fraco, quase chato. Mas Nanini brilha, engraçadíssimo. Não é à toa que Gerald, um grande diretor, o escolheu. E fez a peça para ele. É, hoje, o maior ator do teatro brasileiro.

Ok, justiça seja feita. Paulo Autran também mostrou seu talento de sobra em Adivinhe quem vem para rezar. E Luís Melo trouxe sua Daqui a duzentos anos, baseada em Tchekov.

Termino, o ano e a coluna, felicitando mais uma vez a Fundação Nobel pela escolha de Harold Pinter para o Prêmio Nobel de literatura. O velho Pinter merece.


Guilherme Conte
São Paulo, 4/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
02. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
03. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
04. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
05. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima


Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2006
01. Sua majestade, o ator - 18/1/2006
02. Um Brecht é um Brecht - 5/4/2006
03. 13º Porto Alegre em Cena - 15/9/2006
04. A essência da expressão dramática - 26/4/2006
05. Strindberg e o inferno de todos nós - 29/9/2006


Mais Especial Melhores de 2005
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/1/2006
02h17min
É, meu caro Guilherme, se o teatro do Rio de Janeiro não tomar rumo, ficará conhecido só pelo besteirol comumente! As pérolas vieram das plagas paulistanas.
[Leia outros Comentários de Leonardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTRATÉGIA DE EMPRESA
FRANCISCO GOMES DE MATOS
MCGRAW-HILL
(1993)
R$ 10,00



COMO VIVER EM HARMONIA COM O CANCER - 1ª EDIÇÃO
CELSO MASSUMOTO
CULTRIX
(2012)
R$ 27,00



ROYAL MARINE COMMANDO 7 - FIQUE EM PERFEITA FORMA
SIMON COOK - TONY TOMS
HEMUS
(1982)
R$ 7,80



NUEVO LISTO - CUADERNO DE EXÁMENES - ESPAÑOL
ROBERTA AMENDOLA
MODERNA
(2012)
R$ 7,00



UMA NOVA VISÃO DO SETOR POSTAL BRASILEIRO
MARIA NEUENSCHWANDER ESCOSTEGUY CARNEIRO
LUMEN JURIS
(2006)
R$ 19,82



HOMEM-ARANHA #122 VIDAS EM RISCO!
MARVEL
PANINI COMICS
(2012)
R$ 15,00



PROJETO BURITI - CIÊNCIAS 5
VIRGINA AOKI
MODERNA
(2009)
R$ 30,00



SEGREDOS DE MULHER A DESCOBERTA DO SAGRADO FEMININO
MARIA SILVIA P ORLOVAS
MADRAS
(2010)
R$ 61,75



MIDAS E SADIM. TUDO O QUE VOCE PRECISA EVITAR PARA TER SUCESSO
RICARDO BELLINO
CAMPUS
(2006)
R$ 5,00



GESTAO DE MARKETING
SERGIO ROBERTO DIAS
SARAIVA
(2003)
R$ 12,00





busca | avançada
45185 visitas/dia
1,2 milhão/mês