Festival Indie Rock | Débora Costa e Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
Mais Recentes
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Astrologia e Fatalismo Magnetismo e Hipnose de Ferni Genevè pela Fase (1983)
>>> Práticas da leitura de Roger Chartier (org.) pela Estação Liberdade (2001)
>>> Universo em Desencanto A Verdadeira Origem da Humanidade Vol 1 de Não Informada pela Mundo Racional
>>> Matemática Financeira de Roberto Zentgraf pela Ztg (2002)
>>> Como Negociar Qualquer Coisa Com Qualquer Pessoa Em Qualquer Lugar do Mundo de Frank L. Acuff pela Senac (1998)
>>> Morte e Vida Severinas: das Ressurreições e Conservações ... Ed. Ltda. de Nelci Tinem e Luizamorim: Organização pela Impre. Univ. J. Pessoa (2012)
>>> Mais Trinta Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura de Luiz Ruffato pela Record (2005)
>>> Príncipe Sidarta A Fuga do Palácio de Patricia Chendi pela Rocco (2000)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Como Criar Filhos Autoconfiantes de Anthony Gunn pela Gente (2011)
>>> Smart Work Why Organizations Full Of Intelligent People ... de Steven A. Stanton pela Do Autor (2016)
>>> Estatística Objetiva de Roberto Zentgraf pela Ztg (2001)
>>> Diários Messiânicos: uma Experiência de Extensão Universitária de Bruno Cesar Euphrasio de Mello pela Univ. Federal Rgs. (2015)
>>> The Lost Symbol de Dan Brown pela Doubleday (2009)
>>> Dez Dias de Cortiço de Ivan Jaf pela Ática (2009)
>>> Medicina do Além Um Presente de Jesus para a Humanidade de Fabio Alessio Romano Dionisi pela Dionisi (2014)
>>> Energia Renovável de Dme pela Dme
>>> São João Paulo Grande Seus Cinco Amores de Jason Evert pela Quadrante (2018)
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
>>> Gone For Good de Harlan Coben pela Na Orion Paperback (2007)
>>> When The Wind Blows de James Patterson pela Little Brown And Company (1998)
>>> Windmills Of The Gods de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1987)
>>> If Tomorrow Comes de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1985)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Children Of The Lamp Book One de P. B. Kerr pela Orchard Books (2004)
>>> The Tale Of Despereaux de Kate Di Camillo pela Candlewick Press (2003)
>>> What She Left For Me de Tracie Peterson pela Bethany House (2005)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> Ruby Dakotah Treasures 1 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2003)
>>> Opal Dakotah Treasures 3 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
COLUNAS

Quarta-feira, 1/8/2007
Festival Indie Rock
Débora Costa e Silva

+ de 3100 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Moptop abre o Festival Indie Rock (foto: Caio Kenji)

"Festa estranha com gente esquisita". A frase de Renato Russo poderia resumir muito bem o que aconteceu no Via Funchal nas noites dos dias 26 e 27 de julho. A festa foi estranha: platéia metade cheia, metade vazia, e as bandas que se apresentaram não tinham estilos muito semelhantes entre si (tinha som instrumental, pop, hard-core, mangue beat e uma big band com um completo naipe de metais). A gente era esquisita: uns com dreads, outros com cabelo bem liso; uns com roupas estampadas e colantes, outros de camisa listrada e folgada; uns com cara de tédio, outros que não paravam de pular. Mas toda essa "esquisitice" gerada pela diversidade me pareceu ser a característica central do evento e de seu público, que se auto denomina "alternativo". Pelo menos, foi o que vi no Festival Indie Rock.

Um fato curioso é a contradição que existe entre o termo indie rock e a proposta mainstream do festival. Indie é uma contração de independent ("independente", em inglês). Bandas que recebem esse tipo de definição são aquelas que não são lançadas por grandes gravadoras, que geralmente tocam para platéias pequenas, em locais de pouca (ou nenhuma) estrutura. Conceitos totalmente avessos ao que se passou no Via Funchal: uma casa de shows grande, uma infra-estrutura que suporta 6 mil pessoas e com ingressos entre R$ 100 a R$ 140.

Esta foi a primeira edição do festival em São Paulo (a primeira no Brasil foi no ano passado, no Rio de Janeiro, com a participação de Franz Ferdinand). Desde 1997 a organização do evento guarda a marca "Festival Indie Rock" patenteada. E por quê não foi feito antes? De acordo com Maria Luísa Jucá, produtora e curadora do festival, eles aguardavam um momento em que o público estivesse tão grande quanto a quantidade de bandas alternativas no circuito. "Agora a garotada está sedenta por esse tipo de banda, trocando informações e pesquisas na internet. Então decidimos que era o momento perfeito para a realização do festival", diz. "Queremos fortalecer a rota indie no Brasil. Quanto mais forte o mercado, melhor para todos."

Mercado? Essa palavra definitivamente não faz parte do vocabulário indie. Mas quem - além dos que pagaram mais de R$ 100 para assistirem aos shows - vai reclamar do lucro obtido nesse festival? Afinal, não se pode negar que é uma boa oportunidade para os músicos ganharem mais espaço, reconhecimento e até fãs.


A baixista do Magic Numbers vibrou com a platéia (foto: Caio Kenji)

As bandas
O Moptop abriu o primeiro dia do festival pontualmente às 21h30. A banda carioca, formada por dois guitarristas (um deles é o vocalista), um baixista e um baterista, tocou para um público desanimado, além de a platéia estar praticamente vazia. As pessoas que estavam na imensa pista poderiam encher facilmente as casas undergrounds daqui da capital. Depois fui entender que grande parte dos que compraram ingresso para o primeiro dia de show iria chegar mais tarde para ver apenas os ingleses do The Magic Numbers.

O Hurtmold tocou logo em seguida, mas não colaborou muito no quesito animação. Por ser uma banda instrumental, até fez com que os poucos que ainda estavam na pista aproveitassem o momento para ir beber alguma coisa no bar, fumar um cigarro ou dar uma volta. A banda faz mesmo um som diferente, misturando elementos eletrônicos com o rock, com muita percussão e improvisação. Percebi que há um público cativo, que deve estar sempre presente em seus shows, mas havia muita gente que não conhecia o grupo e não demonstrou interesse.

Mas quando o quarteto inglês The Magic Numbers começou a tocar, o cenário mudou. A platéia estava bem mais cheia e animada. Quase todos cantavam as letras junto com a banda que, por sinal, era muito carismática. A baixista Michele Stodart, além de ótima instrumentista, estava muito empolgada. Além de grandes sucessos como "Love's game", a banda, que é por muitos considerada uma nova versão de The Mamas & The Papas, tocou uma música brasileira. Diferente de outros gringos que vêm e tocam sempre Tom Jobim, eles mostraram que têm bom gosto e conhecem a música brasileira e tocaram "Baby", do Caetano Veloso.



No segundo dia do Festival, em que achei que ia encontrar uma platéia mais cheia, me enganei. Novamente, o Via Funchal estava meio vazio, mas, dessa vez, o público parecia mais animado. A Nação Zumbi abriu a noite, com o vocalista Jorge Du Peixe dedicando o show ao falecido flautista do Mombojó, Rafael Torres. Por conta deste incidente, os meninos do movimento mangue beat substituíram a banda, ainda fragilizada pela morte de um de seus integrantes, no Festival. Mas, apesar de os batuques de maracatu serem contagiantes, o repertório não era muito conhecido, nem as músicas tão criativas como as da época do Chico Science.


Nação Zumbi dedicou o show ao flautista do Mombojó

O grande destaque da noite, sem dúvida, foi a banda Móveis Coloniais de Acaju. Talvez por terem um estilo musical mais destoante das outras bandas (metais presentes em todas as músicas e alternância de ritmos em uma mesma canção), talvez por misturarem muitos ritmos (ska, rock, elementos de músicas brasileiras e ritmos do leste europeu), talvez por terem uma presença de palco muito forte, talvez por fazerem uma performance louca e eletrizante, ou talvez por tudo isso ao mesmo tempo.

Além de todos os integrantes (menos o baterista) dançar e tocar ao mesmo tempo, pulando ou correndo pelo palco, na última música, "Copacabana", a banda fez o inusitado: eles desceram do palco, foram para a pista e montaram uma roda imensa com o público. Ainda cantando e tocando, fizeram todos dançar. No final, todo mundo foi para o meio da roda fazer o tradicional "bate cabeça".



Em seguida, o The Rakes subiu ao palco para tocar. Mas tanto pelo estilo musical quanto pelo cansaço das pessoas que haviam dançado e pulado junto com o Móveis, o público não manteve a mesma energia. A tradução de rakes é "farrista", o que pode-se justificar pelo vocalista, que gemia e dava alguns gritinhos entre uma música que outra, mas nada comparado à simpatia do The Magic Numbers e o agito do Móveis.

Acho que para um Festival que pretendia ser grande, o Indie Rock não cumpriu totalmente sua função, por não ter lotado a casa. Público existe, a produtora do evento estava certa. No entanto, ingressos caros não funcionam muito para pessoas que não estão acostumadas a irem a mega eventos, muito menos pagar caro para isso. Mas pela qualidade de algumas bandas, acho que valeu a pena inciativa.


Débora Costa e Silva
São Paulo, 1/8/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
02. Fake news, passado e futuro de Luís Fernando Amâncio
03. Viena expõe obra radical de Egon Schiele de Jardel Dias Cavalcanti
04. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
05. HQs sombrias, anjos e demônios de Carla Ceres


Mais Débora Costa e Silva
Mais Acessadas de Débora Costa e Silva
01. Semana da Canção Brasileira - 20/12/2007
02. Balanço geral de 2008 - 8/1/2009
03. Depois do sexo... - 11/9/2008
04. Samba da Vela - 23/7/2007
05. A crítica musical - 10/4/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/8/2007
11h30min
Há sempre rótulos na música, talvez isso sirva simplesmente para separar os festivais por nomes. É uma pena ver o preço dos ingressos salgados e a falta de público, mas convenhamos o indie rock combina mais com locais pequenos, afinal você lembrou que eles são independentes. O Móveis Coloniais de Acaju é destaque em todos os festivais que toca, no meio de tantas bandas atuais, a banda de Brasília consegue sacudir multidões e a roda/ciranda no final do show é um clássico imperdível para qualquer fã do estilo "rock?" do Móveis.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
6/4/2008
00h21min
Sempre vibro quando encontro algo inteligente na Internet. O Digestivo Cultural é uma excelente iniciativa, que só faz somar o universo tão carente de coisas construtivas.
[Leia outros Comentários de Jacytan Melo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CIENTISTA
HENRY MARGENAU - DAVID BERGAMINI
JOSÉ OLYMPIO
(1970)
R$ 29,90
+ frete grátis



CONVENÇÃO EUROPÉIA DE DIREITOS HUMANOS
JOSÉ A F LOPES DE LIMA
MIZUNO
(2007)
R$ 10,00



O CORREIO DO CORPO
THÉRÈSE BERTHERAT
MARTINS FONTES
(1984)
R$ 25,00



SÍNTESE DE DOUTRINA SOCIAL
GABRIEL GALACHE
LOYOLA
R$ 16,07



IMPACTOS ECONOMICOS E FINANCEIROS DA UNESP PARA OS MUNICIPIOS
JOSÉ MURARI BOVO - ORG
UNESP
(2003)
R$ 5,00



THE MIND OF THE TOPS - A TRAJETÓRIA E A CONSTRUÇÃO DAS GRANDES MARCAS DO PARANÁ
JORGE POLYDORO ORG.
INSTITUTO AMANHÃ
(2015)
R$ 14,00



O FRACASSO DO ENSINO
CODECRI
REGIS FARR
(1982)
R$ 4,00



HISTÓRIAS PARA NINAR E SONHAR
RUTH MARSCHALEK NASCIMENTO
EKO
(2002)
R$ 14,77



INDEPENDÊNCIA - O COTIDIANO DA HISTÓRIA
EDGARD LUIZ DE BARROS
ÁTICA
(2000)
R$ 4,05



A FILHA DE BURGER
NADINE GORDIMER
ROCCO
(1985)
R$ 15,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês