Festival Indie Rock | Débora Costa e Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição A Tragédia do Holocausto
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
>>> Big Bang
>>> 2013: mulheres escritoras e suas artes
>>> Les Misérables
Mais Recentes
>>> Guia Completo Do Tricô de Denise Gianoglio pela Escala (2019)
>>> Livro Literatura Estrangeira Um luxo de Perfume de Roberto DAngelo pela Caravana
>>> Educação Escolar das Relações Étnico-raciais de José Antônio Marçal, Silvia Maria Amorim Lima pela Intersaberes (2015)
>>> Batman - A Maldição do Caveliro Branco de Sean Murphy pela Panini Comics (2020)
>>> A Guardia Da Minha Irma de Jodi Picoult pela Verus (2011)
>>> Livro Psicologia Motivação, Liderança e Lucro A trilogia para uma empresa de sucesso de Marco Aurélio Ferreira Vianna pela Gente (1999)
>>> Heróis De Verdade: Pessoas Comuns Que Vivem Na Sua Essência de Roberto Shinyashiki pela Gente (2005)
>>> Leonardo Da Vinci E Seu Supercérebro de Michael Cox pela Seguinte (2004)
>>> Ponto de Criação - Contos e Crônicas de Temáticas Livre de Alfer Medeiros pela Andross (2016)
>>> Finding Sky Die Macht Der Seelen: Roman de Joss Stirling pela Dtv Verlagsgesellschaft (2014)
>>> A Menina Que Contava Histórias de Jodi Picoult pela Verus (2015)
>>> Livro Filosofia Platão de Nova Cultural Ltda. pela Nova Cultural Ltda. (2004)
>>> Prosperity? de Ken, Maura, Michael, Piper, John, Grudem, Wayne, Mbewe, Conrad Mbugua pela Acts Kenya (2016)
>>> Introdução a psicologia de Donald Olding Hebb pela Atheneu (1971)
>>> Livro Literatura Estrangeira Meridian Um romance sobre o movimento dos direitos civis e a luta das mulheres negras de Alice Walker pela José Olympio (2022)
>>> O Despertar de Snyder, Murphy pela Panini Comics
>>> Ensaios de Michel De Montaigne pela Edit 34 (2016)
>>> Livro Turismo Mil Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> Coleção Biblioteca Infantil Encyclopedia Britânica do Brasil 10 Livros do Eu + Das Cores + Animais + Formas + Palavras + Números + Animais + Tempo de Christine Timmons pela Encyclopedia Britannica do Brasil Publicações (1979)
>>> Diálogos Da Perplexidade de Bernardo Kucinski pela Fundacao Perseu Abramo (2009)
>>> Livro Literatura Brasileira O Sedutor do Sertão de Ariano Suassuna pela Nova Fronteira (2020)
>>> Introducao À Leitura De Hegel de Alexandre Kojève pela Contraponto (2014)
>>> Encontrando Deus em O Senhor dos Anéis de Kurt Bruner, Jim Ware pela Bompastor (2002)
>>> O Poder Da Mente de R. Stanganelli pela Martin Claret (2006)
>>> Livro Poluição do Ar Polêmica Coleção Polêmica de Samuel Murgel Branco; Eduardo Murgel pela Moderna (2004)
COLUNAS

Quarta-feira, 1/8/2007
Festival Indie Rock
Débora Costa e Silva
+ de 4200 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Moptop abre o Festival Indie Rock (foto: Caio Kenji)

"Festa estranha com gente esquisita". A frase de Renato Russo poderia resumir muito bem o que aconteceu no Via Funchal nas noites dos dias 26 e 27 de julho. A festa foi estranha: platéia metade cheia, metade vazia, e as bandas que se apresentaram não tinham estilos muito semelhantes entre si (tinha som instrumental, pop, hard-core, mangue beat e uma big band com um completo naipe de metais). A gente era esquisita: uns com dreads, outros com cabelo bem liso; uns com roupas estampadas e colantes, outros de camisa listrada e folgada; uns com cara de tédio, outros que não paravam de pular. Mas toda essa "esquisitice" gerada pela diversidade me pareceu ser a característica central do evento e de seu público, que se auto denomina "alternativo". Pelo menos, foi o que vi no Festival Indie Rock.

Um fato curioso é a contradição que existe entre o termo indie rock e a proposta mainstream do festival. Indie é uma contração de independent ("independente", em inglês). Bandas que recebem esse tipo de definição são aquelas que não são lançadas por grandes gravadoras, que geralmente tocam para platéias pequenas, em locais de pouca (ou nenhuma) estrutura. Conceitos totalmente avessos ao que se passou no Via Funchal: uma casa de shows grande, uma infra-estrutura que suporta 6 mil pessoas e com ingressos entre R$ 100 a R$ 140.

Esta foi a primeira edição do festival em São Paulo (a primeira no Brasil foi no ano passado, no Rio de Janeiro, com a participação de Franz Ferdinand). Desde 1997 a organização do evento guarda a marca "Festival Indie Rock" patenteada. E por quê não foi feito antes? De acordo com Maria Luísa Jucá, produtora e curadora do festival, eles aguardavam um momento em que o público estivesse tão grande quanto a quantidade de bandas alternativas no circuito. "Agora a garotada está sedenta por esse tipo de banda, trocando informações e pesquisas na internet. Então decidimos que era o momento perfeito para a realização do festival", diz. "Queremos fortalecer a rota indie no Brasil. Quanto mais forte o mercado, melhor para todos."

Mercado? Essa palavra definitivamente não faz parte do vocabulário indie. Mas quem - além dos que pagaram mais de R$ 100 para assistirem aos shows - vai reclamar do lucro obtido nesse festival? Afinal, não se pode negar que é uma boa oportunidade para os músicos ganharem mais espaço, reconhecimento e até fãs.


A baixista do Magic Numbers vibrou com a platéia (foto: Caio Kenji)

As bandas
O Moptop abriu o primeiro dia do festival pontualmente às 21h30. A banda carioca, formada por dois guitarristas (um deles é o vocalista), um baixista e um baterista, tocou para um público desanimado, além de a platéia estar praticamente vazia. As pessoas que estavam na imensa pista poderiam encher facilmente as casas undergrounds daqui da capital. Depois fui entender que grande parte dos que compraram ingresso para o primeiro dia de show iria chegar mais tarde para ver apenas os ingleses do The Magic Numbers.

O Hurtmold tocou logo em seguida, mas não colaborou muito no quesito animação. Por ser uma banda instrumental, até fez com que os poucos que ainda estavam na pista aproveitassem o momento para ir beber alguma coisa no bar, fumar um cigarro ou dar uma volta. A banda faz mesmo um som diferente, misturando elementos eletrônicos com o rock, com muita percussão e improvisação. Percebi que há um público cativo, que deve estar sempre presente em seus shows, mas havia muita gente que não conhecia o grupo e não demonstrou interesse.

Mas quando o quarteto inglês The Magic Numbers começou a tocar, o cenário mudou. A platéia estava bem mais cheia e animada. Quase todos cantavam as letras junto com a banda que, por sinal, era muito carismática. A baixista Michele Stodart, além de ótima instrumentista, estava muito empolgada. Além de grandes sucessos como "Love's game", a banda, que é por muitos considerada uma nova versão de The Mamas & The Papas, tocou uma música brasileira. Diferente de outros gringos que vêm e tocam sempre Tom Jobim, eles mostraram que têm bom gosto e conhecem a música brasileira e tocaram "Baby", do Caetano Veloso.



No segundo dia do Festival, em que achei que ia encontrar uma platéia mais cheia, me enganei. Novamente, o Via Funchal estava meio vazio, mas, dessa vez, o público parecia mais animado. A Nação Zumbi abriu a noite, com o vocalista Jorge Du Peixe dedicando o show ao falecido flautista do Mombojó, Rafael Torres. Por conta deste incidente, os meninos do movimento mangue beat substituíram a banda, ainda fragilizada pela morte de um de seus integrantes, no Festival. Mas, apesar de os batuques de maracatu serem contagiantes, o repertório não era muito conhecido, nem as músicas tão criativas como as da época do Chico Science.


Nação Zumbi dedicou o show ao flautista do Mombojó

O grande destaque da noite, sem dúvida, foi a banda Móveis Coloniais de Acaju. Talvez por terem um estilo musical mais destoante das outras bandas (metais presentes em todas as músicas e alternância de ritmos em uma mesma canção), talvez por misturarem muitos ritmos (ska, rock, elementos de músicas brasileiras e ritmos do leste europeu), talvez por terem uma presença de palco muito forte, talvez por fazerem uma performance louca e eletrizante, ou talvez por tudo isso ao mesmo tempo.

Além de todos os integrantes (menos o baterista) dançar e tocar ao mesmo tempo, pulando ou correndo pelo palco, na última música, "Copacabana", a banda fez o inusitado: eles desceram do palco, foram para a pista e montaram uma roda imensa com o público. Ainda cantando e tocando, fizeram todos dançar. No final, todo mundo foi para o meio da roda fazer o tradicional "bate cabeça".



Em seguida, o The Rakes subiu ao palco para tocar. Mas tanto pelo estilo musical quanto pelo cansaço das pessoas que haviam dançado e pulado junto com o Móveis, o público não manteve a mesma energia. A tradução de rakes é "farrista", o que pode-se justificar pelo vocalista, que gemia e dava alguns gritinhos entre uma música que outra, mas nada comparado à simpatia do The Magic Numbers e o agito do Móveis.

Acho que para um Festival que pretendia ser grande, o Indie Rock não cumpriu totalmente sua função, por não ter lotado a casa. Público existe, a produtora do evento estava certa. No entanto, ingressos caros não funcionam muito para pessoas que não estão acostumadas a irem a mega eventos, muito menos pagar caro para isso. Mas pela qualidade de algumas bandas, acho que valeu a pena inciativa.


Débora Costa e Silva
São Paulo, 1/8/2007

Mais Débora Costa e Silva
Mais Acessadas de Dbora Costa e Silva
01. Semana da Canção Brasileira - 20/12/2007
02. Balanço geral de 2008 - 8/1/2009
03. Depois do sexo... - 11/9/2008
04. A crítica musical - 10/4/2008
05. Samba da Vela - 23/7/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/8/2007
11h30min
Há sempre rótulos na música, talvez isso sirva simplesmente para separar os festivais por nomes. É uma pena ver o preço dos ingressos salgados e a falta de público, mas convenhamos o indie rock combina mais com locais pequenos, afinal você lembrou que eles são independentes. O Móveis Coloniais de Acaju é destaque em todos os festivais que toca, no meio de tantas bandas atuais, a banda de Brasília consegue sacudir multidões e a roda/ciranda no final do show é um clássico imperdível para qualquer fã do estilo "rock?" do Móveis.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
6/4/2008
00h21min
Sempre vibro quando encontro algo inteligente na Internet. O Digestivo Cultural é uma excelente iniciativa, que só faz somar o universo tão carente de coisas construtivas.
[Leia outros Comentários de Jacytan Melo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Em Busca da Espiritualidade
James Van Praagh
Sextante
(1999)



Os Presidentes - Afonso Pena
Hélio Silva
Grupo de Comunicação Três
(1983)



Arquitetos Do Brasil - Athie/Wohnrath
Varios autores
Victoria Books
(2008)



Tratado de Direito Processual Civil
Celso Marcelo de Oliveira
Juridica Brasileira
(2006)



Padre Nostro: Preghiera Della Liberazione Integrale
Leonardo Boff
Cittadella
(1989)



O Poder do Clímax - Fundamentos de Roteiro de Cinema e Tv
Luiz Carlos Maciel
Record
(2003)



Histórias À Brasileira A Donzela Guerreira e outras
Ana Maria Machado
Companhia Das Letrinhas
(2010)



Um Lugar para Todos
Thrity Umrigar
Nova Fronteira
(2008)



Contabilidade Introdutória - livro texto
Stephen Charles Kanitz; Sérgio De Iudícibus; Luiz Benatti
Atlas
(2011)



O Prazer Do Poema. Uma Antologia Pessoal
Ferreira Gullar
Edições De Janeiro
(2014)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês