'Hysteria' Revisitada | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
28879 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Tejon e banda Rock For All apresentam hoje (23), em São Paulo,
>>> 'D. Quixote de La Mancha pelas mãos de Canato'
>>> Projeto nacional de educação musical estará em santos no próximo dia 24.10, em Guarujá 25.09 e Santo
>>> Teatro Fase abre palco para comédia
>>> Artistas da 33ª Bienal participam do open studio na Residência Artística da FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A dignidade da culpa, em Graciliano Ramos
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE FINAL)
>>> Os livros sem nome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Uma Vaga para o Integral
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Retrato em branco e preto
>>> Dilma na Copa 2014
>>> Receita para se esquecer um grande amor
>>> Duas escritoras contemporâneas
>>> Henry Moore: o Rodin do século XX
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> O assassinato de Jesse James pelo covarde Robert Ford
Mais Recentes
>>> The Spectator: O Teatro das Luzes de Maria Lúcia Garcia Pallares-Burke pela Hucitec (1995)
>>> As Ciências Geológicas no Brasil de Silvia Figueirôa pela Hucitec (1997)
>>> Bons Amigos, Maus Amigos de Jan Yager pela Gente (2007)
>>> Da Luta Pela Terra à Luta Pela Vida de Eliane Brenneisen pela Annablume (2004)
>>> Políticas Sociais e Transição Democrática de Reginaldo Souza Santos pela Mandacaru/ Cetead (2001)
>>> Cidadãos Não Vão ao Paraíso de Alba Zaluar pela Escuta/ Unicamp (1994)
>>> O sofrimento de Deus de Jamê nobre e Christopher walker pela Impacto (2018)
>>> Oração um encontro com Deus de Oswald chambers pela Vida (2009)
>>> Entre Arte e Ciência: Fundamentos Hermenêuticos da Medicina Homeopática de Paulo Rosenbaum pela Hucitec (2006)
>>> Folclore e Cultura Popular Judaicos de Dov Noy pela Associação Universitária de Cultura Judaica
>>> O Meio Ambiente de Jacques Vernier pela Papirus (1994)
>>> Diálogos Interculturais de Pierre Rivas pela Hucitec (2005)
>>> A Santificação do Trabalho de José Luis Illanes pela Quadrante (1982)
>>> Pacto Re-Velado: Psicanálise e Clandestinidade Política de Maria Auxiliadora de Almeida Cunha Arantes pela Escuta (1999)
>>> O Espaço Geográfico: Ensino e Representação de Rosângela D. de Almeida e Elza Y. Passini pela Contexto (1999)
>>> Refrigeração de Ennio Cruz da Costa pela Blucher (2005)
>>> Isaías Melsohn: A Psicanálise e a Vida de Bela M. Sister e Marilsa Taffarel pela Escuta (1996)
>>> A Imagem Rebelde: A Trajetória Libertária de Avelino Fóscolo de Regina Horta Duarte pela Pontes/ Unicamp (1991)
>>> A Noite da Memória de Péricles Eugênio da Silva Ramos pela Art (1988)
>>> A Carga e a Culpa de Fernando Teixeira da Silva pela Hucitec (1995)
>>> Mudança de Harvard Business Review pela Campus (2000)
>>> O Vôo do Cisne: A Revolução dos Diferentes de José Luiz Tejon Megido pela Gente (2004)
>>> Terror e Esperança na Palestina de José Arbex Jr. pela Casa Amarela (2002)
>>> O Doido da Garrafa de Adriana Falcão pela Planeta do Brasil (2003)
>>> El Lazarillo de Tormes de Anónimo Español pela Edelsa (2005)
>>> Mulher Daqui Pra Frente de Marina Colasanti pela Círculo do Livro (1983)
>>> Aspectos Politicos de la Sociedad de Masas de William Kornhauser pela Amorrortu Editores (1969)
>>> Gaúchos: A Fisionomia Social do Rio Grande do Sul de Thales de Azevedo pela Livraria Progresso (1958)
>>> Guerra e anti-guerra de Alvin e heide toffler pela Record
>>> A paz como caminho de Dulce magalhaes pela Qualitymark
>>> Vale tudo--tim maia. de Nelson motta pela Objetiva
>>> Marketing-o que e?--quem faz?--quais as tendencias?. de Carlos frederico de andrade pela Ibpex
>>> Analise de credito e risco de Christian marcelo rodrigues pela Ibpex
>>> Judas--maxi-serie-1-3-4-5-7-9-10-11-12-13-14-16. de Sergio bonelli pela Record
>>> Richard ferber de Bom sono pela Celebris
>>> Ze colmeia--numero 1--raro. de Editora abril pela Abril
>>> Turma da monica-coleçao coca cola de Editora globo pela Globo
>>> Almanaque do popeye--2--raro. de Editora rge pela Rge
>>> Cura pela agua--a nova ciencia de curar. de Louis kuhne pela Hemus
>>> Mandrake--254. de Editora rge pela Rge
>>> Gibi de ouro-os classicos em quadrinhos-mandrake-cavaleiro negro-ferdinando--nick holmes de Editora rge pela Rge
>>> Popeye--13--rge. de Editora rge pela Rge
>>> Maldito-a vida e o cinema de jose mojica marins,o ze do caixao. de Andre barcinski e ivan finotti pela 34
>>> Materiais de construçao de W. j. patton pela E. p. u (1978)
>>> Diferentes formas de amar de Susana balan pela Best seller
>>> O novo paradigma dos negocios de Michael ray e alan rizsler pela Um
>>> Prisma--girando a piramide corporativa. de Werner k. p. kugelmeier pela Publit
>>> A fazenda mal assombrada de Alexandre dias pela Lachatre
>>> Conhecendo e trabalhando com o visual basic 6.0. de Pedro luiz cortes e roberto alessandre scherr. pela Erica
>>> Aguerra se torna mundial de Folha de sao paulo pela Folha de sao paulo
COLUNAS

Terça-feira, 20/12/2016
'Hysteria' Revisitada
Duanne Ribeiro

+ de 1400 Acessos

Primeiramente encenado em 2001, o espetáculo Hysteria, do Grupo XIX de Teatro, teve uma nova temporada neste 2016, em comemoração aos 15 anos da companhia. Montada em um casarão da Vila Maria Zélia, em São Paulo – primeira vila operária do Brasil, região tombada – a peça traz histórias de um asilo para mulheres diagnosticadas com histeria, na virada do século XIX ao XX. Conforme se conta as vidas fraturadas das personagens, elabora-se um pensamento sobre identidade e se constrói relações entre protagonistas, coadjuvantes e espectadores (essa distinção ficará clara). Hysteria é, sobretudo, uma obra em primeira pessoa: recupera raízes tendo em vista estabelecer uma sororidade nova e um passado reconhecível como comum.

O espetáculo é dirigido por Luiz Fernando Marques e conta com as atrizes Evelyn Klein, Mara Helleno, Janaina Leite, Juliana Sanches e Tatiana Caltabiano. Tendo sido a criação de estreia do XIX de Teatro, anunciou desde lá a sua preocupação perene com a pesquisa da história do país, o trabalho em relações a vozes suprimidas e a recuperação da memória dos espaços físicos. Na Maria Zélia, estão desde 2004. Ocupam lá o Armazém 19, onde estão em cartaz com Teorema 21, além de oferecer residências e projetos de formação (com editais 2017 abertos).

O primeiro recurso importante de Hysteria é a divisão do público. Os homens entram primeiro. Passam pelas internas e sentam em uma arquibancada nos fundos. O que pareceria prioridade é a colocação do público masculino em uma posição secundária. Logo, a governanta do hospício chama as mulheres — elas entram na peça como novas histéricas, e sentam-se nos bancos que formam o cenário. Serão interpeladas pelas veteranas, a gestora lhes percorrerá os cabelos em busca de piolhos, dançarão com as outras, em roda, rebeldes.

Dessa forma, como esbocei, são as mulheres pelo menos coadjuvantes e por vezes protagonistas, ao passo em que os homens permanecem na situação de espectadores. Assistem aos fatos, sem ação ou expressão, imobilizados atrás da quarta parede. Tal estrutura ecoa os debates em torno de “lugar de fala” — as circunstâncias pessoais, políticas e culturais que dão forma às atitudes e opiniões de alguém (mais sobre esse conceito, neste texto, do qual extraio minha metáfora). A escolha é por trazer à tona a experiência feminina; nesse sentido, a inversão é clara: essa conjuntura de inação e mudez é, com efeito, análoga a que marcou com mais violência as personagens da peça e que, com outras manifestações, pode marcar o público feminino presente.

A dramaturgia, por essa via, abre duas possibilidades de vivência. A primeira, às mulheres, que estarão sempre sublinhadas como sujeitos. A segunda, a nós, homens. Penso que o que se põe como tarefa para nós é notar que a nossa ausência, enquanto público, em relação à história, é a ausência do doutor que gere o asilo, dos maridos e pais que trancaram as meninas. Isentos, o que somos é da mesma matéria do poder que as cerca e oprime, mas se mantém só horizonte. Por isso, é preciso perceber que a a passividade em que nos colocam não é do mesmo gênero da de outros espetáculos. É preciso ver-se sem agir, ver-se sem falar, e compreender-se nisso.

Os Pontos de Vista são Únicos
Para construir ou potencializar a condição de sujeito quanto ao público feminino, Hysteria faz obliquidades, pontos cegos. É apenas uma mulher que ouve um segredo dito ao pé do ouvido. É apenas uma mulher a quem se pergunta vários dados da sua vida, dos quais se comporá um poema dedicado a ela. São apenas algumas mulheres a quem se pedirá que leiam os bilhetes dos abandonados à roda dos enjeitados. A peça se multiplica em vivências particulares. Nem todos veem as mesmas coisas, nem todos experimentam as mesmas coisas. É dessa maneira, é claro, a vida. O que nos permite expandir as perspectivas é o encontro, a congruência.

Hysteria me confirma nessa última tese? Creio que sim. A encenação procede por monólogos, quase sempre, a cada vez uma personagem expõe a sua dor intransferível. “Eu estou boa, meu marido João vem me buscar hoje”, repete e repete uma delas, sem que João chegue. Chegará? Sabemos (?) desde o início que não. Outra, marcada por uma timidez, por uma calma nervosa, esconde um crime, causado pelo não cumprimento do mínimo do contrato matrimonial. Ainda outra, envia cartas à Jesus e o sente adentrá-la como luz. A governanta, por fim, resíduo de um percurso de sonhos frustrados. Nós as escutamos uma a uma, todavia não se diminui isso a um solipsismo: através da fala individual se entrevê a comunidade.

A Memória Comum Perdura
“Você é como nós”, acusa uma interna à governanta quando esta teve o seu diário devassado. Você é uma de nós, o espetáculo declara a cada coadjuvante. Isto, desde as suas primeiras cenas, quando algumas se tornam cúmplices das veteranas, escondendo o citado caderno da gestora. Também quando, após uma rodada de declamação poética entre as personagens, uma pessoa do público é chamada a subir na mesa e ser poeta por sua vez. No dia em que eu estive lá, isso se deu de maneira maravilhosa: a mulher, antes um pouco constrangida pela interação com as atrizes, disse os versos com clareza, vividez e espontaneidade, provendo esta apresentação da montagem com algo de irredutível.

As identidades parciais vão, por esses diálogos, compondo uma identidade do grupo, que pode agora abranger de uma forma íntima o público, pelas interações criadas. Essa união ganha uma força maior que o poder masculino que as mantinha no armazém fechado. Era a disciplina dos doutores, dos maridos, dos pais, da religião, que trancavam de fato as portas, e isso se rompe. A chuva lá fora indica o instante de quebra: as internas abrem as saídas, conclamam: “Vem pra chuva! Vem sentir a chuva escorrer”. O símbolo é potente: estar em contato com o mundo, tê-lo no corpo, prescindir de proteção. Ouvimos o seu riso lá fora. De repente é tão claustrofóbico o espaço em que estamos. A liberdade tem sua simplicidade.

Destaca-se nessa cena o momento em que a personagem feminista, cabelos curtos, versos na ponta da língua, antagonista do pai e denunciadora da hipocrisia do esposo, retorna e, contra a luz do dia, anuncia: “Nós seremos lembradas”. Assim, a peça nos leva à conclusão com a mão de quem nos aponta uma estrada. Em Hysteria, o ponto final são portas abertas.

Nota do Editor
Mais conteúdo de Duanne Ribeiro (artigos, críticas, entrevistas e ensaios) em duanneribeiro.info.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 20/12/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minha finada TV analógica de Elisa Andrade Buzzo
02. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
03. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva
04. O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope' de Duanne Ribeiro
05. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTADOS UNIDOS - COLEÇÃO VIAGEM PELA GEOGRAFIA
FERNANDO PORTELA / JOÃO RUA
ÁTICA
(2011)
R$ 13,90



ZÉ PREQUETÉ - COLEÇÃO TABA - COM VINIL / MILTON NASCIMENTO
MIRNA PINSKY
ABRIL CULTURAL
(1982)
R$ 50,00



O PENSAMENTO POLÍTICO CLÁSSICO: MAQUIÁVEL, HOBBES, LOCKE, MONTESQUIEU, ROSSEAU.
CÉLIA GALVÃO QUIRINO E MARIA TERESA SADEK R. DE SOUZA.
T.A. QUEIROZ
(1980)
R$ 35,00



A ORGANIZAÇÃO MUNICIPAL E A POLÍTICA URBANA
JORGE BERNARDI
IBPEX
(2009)
R$ 5,00



A ÚLTIMA MORTE
RICARDO LAURINO
INVERSO
(2018)
R$ 48,00



ELOGIO DA MADRASTA
MARIO VARGAS LLOSA
ALFAGUARA
(2009)
R$ 29,90



DE FRUTO ONDE DEUS SEMEAR VOCÊ
CAIO FÁBIO
SEPAL
(1995)
R$ 19,00



O LIVRO DOS MILAGRES
ZSOLT ARADI
IBRASA
(1967)
R$ 13,68



CONFIANÇA: A ARTE DE SE ENTREGAR A VIDA E CONFIAR EM SI MESMO - 1ª EDIÇÃO
OSHO
CULTRIX
(2016)
R$ 28,95



ATRÁS DA VITÓRIA - ERLON JOSÉ PACHOAL E MARGARETE GALVÃO (TEATRO BRASILEIRO)
ERLON JOSÉ PACHOAL E MARGARETE GALVÃO
STUDIO ARTE
(1992)
R$ 8,00





busca | avançada
28879 visitas/dia
957 mil/mês