'Hysteria' Revisitada | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
48754 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Atom Pink Floyd faz show dia 1º e público usa óculos 3D no Teatro Alfa
>>> Musical Guerra de Papel reestreia dia 9 no Complexo Funarte
>>> Daniela Galanti autografa livro em São Paulo
>>> Death Note - O Musical reestreia no Teatro Miguel Falabella
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Toilet Paper, Papel Sanitário
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caro Francis, documentário de Nelson Hoineff
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Quando a incapacidade é valorizada
>>> Do amanhecer ao adormecer: leitura, ato de amor
>>> Entrevista com Franklin Costa
>>> Curriculum vitae
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Caí na besteira de ler Nietzsche
>>> Dentes usados, dentes guardados
>>> Procissão
Mais Recentes
>>> Patrimônio Práticas e Reflexões 4 de Varios pela Iphan / Copedoc (2010)
>>> Literatura Comentada Lima Barreto de Antônio Arnoni Prado pela Nova Cultura (1988)
>>> Bolos Artísticos: Suplemento da Primeira e Segunda Séries de Dolores Botafogo pela Científica (1957)
>>> Descole e Decole: Hora de Virar o Jogo Interior e Expressar A... de Mônica Lan pela Juizforana (2013)
>>> Jujutsu Kaisen - Nº 0 ao Nº 5 de Gege Akutami pela Panini Comics Planet Manga (2020)
>>> Eu não consigo emagrecer de Dr. Pierre Dukan pela BestSeller (2014)
>>> Caminhos e Escolhas de Abilio Diniz pela Campus (2004)
>>> Expressionismo uma Revoluçao Alemã na Arte de Dietmar Elger pela Taschen (1998)
>>> Dom Quixote de la Mancha de Cervantes pela Abril Cultural (1978)
>>> O diário de Lúcia Helena de Álvaro Cardoso Gomes pela FTD (1992)
>>> Romanceiro Gitano e Outros Poemas de Federico Garcia Lorca pela Nova Fronteira (1985)
>>> Capacitação Tecnológica da População de Ângelo Azevedo Queiroz (org.) pela Câmara dos Deputados (2007)
>>> Meditações Diárias para Casais de Dennis e Barbara Rainey pela United Press (1998)
>>> As Origens da Primeira Guerra - As Grandes Guerras Mundiais Nº 1 de Vários Autores pela Folha de S. Paulo (2014)
>>> Guia de Roteiros do Rio Antigo de Berenice Seara pela O Globo (2004)
>>> O golpe de 64 e a ditadura militar de Júlio José Chiavenato pela Moderna (1995)
>>> Férias na provence você pode! (Inclui receitas) de Ana Toscano pela Thesaurus (2011)
>>> Livro - Saúde é prevenção de Gilberto Ururahy pela Rocco (2022)
>>> A Viagem Marítima da Família Real: A Transferência da Corte Portuguesa para o Brasil de Kenneth Light pela Zahar (2008)
>>> A Guerra de Trincheiras - As Grandes Guerras Mundiais Nº 2 de Vários Autores pela Folha de S. Paulo (2014)
>>> Às portas da revolução - Escritos de Lenin de 1917 de Slavoj Zizek pela Boitempo (2005)
>>> O ato e o fato- O som e a fúria das crônicas contra o golpe de 1964 de Carlos Heitos Cony pela Objetiva (2004)
>>> Vaya País de Werner Herzog pela Aguilar (2006)
>>> Vitória a Qualquer Preço - As Grandes Guerras Mundiais Nº 3 de Vários Autores pela Folha de S. Paulo (2014)
>>> Pais e mães- Culpados ou inocentes? de Aldo Naouri pela Campus (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 20/12/2016
'Hysteria' Revisitada
Duanne Ribeiro

+ de 2300 Acessos

Primeiramente encenado em 2001, o espetáculo Hysteria, do Grupo XIX de Teatro, teve uma nova temporada neste 2016, em comemoração aos 15 anos da companhia. Montada em um casarão da Vila Maria Zélia, em São Paulo – primeira vila operária do Brasil, região tombada – a peça traz histórias de um asilo para mulheres diagnosticadas com histeria, na virada do século XIX ao XX. Conforme se conta as vidas fraturadas das personagens, elabora-se um pensamento sobre identidade e se constrói relações entre protagonistas, coadjuvantes e espectadores (essa distinção ficará clara). Hysteria é, sobretudo, uma obra em primeira pessoa: recupera raízes tendo em vista estabelecer uma sororidade nova e um passado reconhecível como comum.

O espetáculo é dirigido por Luiz Fernando Marques e conta com as atrizes Evelyn Klein, Mara Helleno, Janaina Leite, Juliana Sanches e Tatiana Caltabiano. Tendo sido a criação de estreia do XIX de Teatro, anunciou desde lá a sua preocupação perene com a pesquisa da história do país, o trabalho em relações a vozes suprimidas e a recuperação da memória dos espaços físicos. Na Maria Zélia, estão desde 2004. Ocupam lá o Armazém 19, onde estão em cartaz com Teorema 21, além de oferecer residências e projetos de formação (com editais 2017 abertos).

O primeiro recurso importante de Hysteria é a divisão do público. Os homens entram primeiro. Passam pelas internas e sentam em uma arquibancada nos fundos. O que pareceria prioridade é a colocação do público masculino em uma posição secundária. Logo, a governanta do hospício chama as mulheres — elas entram na peça como novas histéricas, e sentam-se nos bancos que formam o cenário. Serão interpeladas pelas veteranas, a gestora lhes percorrerá os cabelos em busca de piolhos, dançarão com as outras, em roda, rebeldes.

Dessa forma, como esbocei, são as mulheres pelo menos coadjuvantes e por vezes protagonistas, ao passo em que os homens permanecem na situação de espectadores. Assistem aos fatos, sem ação ou expressão, imobilizados atrás da quarta parede. Tal estrutura ecoa os debates em torno de “lugar de fala” — as circunstâncias pessoais, políticas e culturais que dão forma às atitudes e opiniões de alguém (mais sobre esse conceito, neste texto, do qual extraio minha metáfora). A escolha é por trazer à tona a experiência feminina; nesse sentido, a inversão é clara: essa conjuntura de inação e mudez é, com efeito, análoga a que marcou com mais violência as personagens da peça e que, com outras manifestações, pode marcar o público feminino presente.

A dramaturgia, por essa via, abre duas possibilidades de vivência. A primeira, às mulheres, que estarão sempre sublinhadas como sujeitos. A segunda, a nós, homens. Penso que o que se põe como tarefa para nós é notar que a nossa ausência, enquanto público, em relação à história, é a ausência do doutor que gere o asilo, dos maridos e pais que trancaram as meninas. Isentos, o que somos é da mesma matéria do poder que as cerca e oprime, mas se mantém só horizonte. Por isso, é preciso perceber que a a passividade em que nos colocam não é do mesmo gênero da de outros espetáculos. É preciso ver-se sem agir, ver-se sem falar, e compreender-se nisso.

Os Pontos de Vista são Únicos
Para construir ou potencializar a condição de sujeito quanto ao público feminino, Hysteria faz obliquidades, pontos cegos. É apenas uma mulher que ouve um segredo dito ao pé do ouvido. É apenas uma mulher a quem se pergunta vários dados da sua vida, dos quais se comporá um poema dedicado a ela. São apenas algumas mulheres a quem se pedirá que leiam os bilhetes dos abandonados à roda dos enjeitados. A peça se multiplica em vivências particulares. Nem todos veem as mesmas coisas, nem todos experimentam as mesmas coisas. É dessa maneira, é claro, a vida. O que nos permite expandir as perspectivas é o encontro, a congruência.

Hysteria me confirma nessa última tese? Creio que sim. A encenação procede por monólogos, quase sempre, a cada vez uma personagem expõe a sua dor intransferível. “Eu estou boa, meu marido João vem me buscar hoje”, repete e repete uma delas, sem que João chegue. Chegará? Sabemos (?) desde o início que não. Outra, marcada por uma timidez, por uma calma nervosa, esconde um crime, causado pelo não cumprimento do mínimo do contrato matrimonial. Ainda outra, envia cartas à Jesus e o sente adentrá-la como luz. A governanta, por fim, resíduo de um percurso de sonhos frustrados. Nós as escutamos uma a uma, todavia não se diminui isso a um solipsismo: através da fala individual se entrevê a comunidade.

A Memória Comum Perdura
“Você é como nós”, acusa uma interna à governanta quando esta teve o seu diário devassado. Você é uma de nós, o espetáculo declara a cada coadjuvante. Isto, desde as suas primeiras cenas, quando algumas se tornam cúmplices das veteranas, escondendo o citado caderno da gestora. Também quando, após uma rodada de declamação poética entre as personagens, uma pessoa do público é chamada a subir na mesa e ser poeta por sua vez. No dia em que eu estive lá, isso se deu de maneira maravilhosa: a mulher, antes um pouco constrangida pela interação com as atrizes, disse os versos com clareza, vividez e espontaneidade, provendo esta apresentação da montagem com algo de irredutível.

As identidades parciais vão, por esses diálogos, compondo uma identidade do grupo, que pode agora abranger de uma forma íntima o público, pelas interações criadas. Essa união ganha uma força maior que o poder masculino que as mantinha no armazém fechado. Era a disciplina dos doutores, dos maridos, dos pais, da religião, que trancavam de fato as portas, e isso se rompe. A chuva lá fora indica o instante de quebra: as internas abrem as saídas, conclamam: “Vem pra chuva! Vem sentir a chuva escorrer”. O símbolo é potente: estar em contato com o mundo, tê-lo no corpo, prescindir de proteção. Ouvimos o seu riso lá fora. De repente é tão claustrofóbico o espaço em que estamos. A liberdade tem sua simplicidade.

Destaca-se nessa cena o momento em que a personagem feminista, cabelos curtos, versos na ponta da língua, antagonista do pai e denunciadora da hipocrisia do esposo, retorna e, contra a luz do dia, anuncia: “Nós seremos lembradas”. Assim, a peça nos leva à conclusão com a mão de quem nos aponta uma estrada. Em Hysteria, o ponto final são portas abertas.

Nota do Editor
Mais conteúdo de Duanne Ribeiro (artigos, críticas, entrevistas e ensaios) em duanneribeiro.info.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 20/12/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. TV aberta em 2004: o ano do Orgulho Nacional de Andréa Trompczynski


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
03. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - O Gerente Comunicador
José Eustaquio Oliveira de Souza
Aberje
(2010)



O Universo de Jorge Amado
Lilia Moritz Schwarcz
Companhia das Letras
(2009)



Pandora Hearts 3
Jun Mochizuki
Panini Comics



O Amor e o Sexo - a História do Kama Sutra
James Mc Connachie
Record
(2012)



O Modernismo - Coleção Stylus/ST.01
Affonso Ávila (Organizador)
Perspectiva
(2013)



Contos da Lua e da Beleza Perdida
Sunny
Paulinas



As duas vidas de Audrey Rose
Franks de Fellita
Círculo do Livro
(1980)



A Câmara de Inverno
Anne Michaels
Companhia das Letras
(2010)



Você é o que você compartilha
Gil Giardelli (Autor)
Gente
(2012)



Livro - Os Incríveis Seres Fantásticos
Samir Meserani
Ftd
(1993)





busca | avançada
48754 visitas/dia
2,0 milhão/mês