'Hysteria' Revisitada | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
50836 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 20/12/2016
'Hysteria' Revisitada
Duanne Ribeiro

+ de 1800 Acessos

Primeiramente encenado em 2001, o espetáculo Hysteria, do Grupo XIX de Teatro, teve uma nova temporada neste 2016, em comemoração aos 15 anos da companhia. Montada em um casarão da Vila Maria Zélia, em São Paulo – primeira vila operária do Brasil, região tombada – a peça traz histórias de um asilo para mulheres diagnosticadas com histeria, na virada do século XIX ao XX. Conforme se conta as vidas fraturadas das personagens, elabora-se um pensamento sobre identidade e se constrói relações entre protagonistas, coadjuvantes e espectadores (essa distinção ficará clara). Hysteria é, sobretudo, uma obra em primeira pessoa: recupera raízes tendo em vista estabelecer uma sororidade nova e um passado reconhecível como comum.

O espetáculo é dirigido por Luiz Fernando Marques e conta com as atrizes Evelyn Klein, Mara Helleno, Janaina Leite, Juliana Sanches e Tatiana Caltabiano. Tendo sido a criação de estreia do XIX de Teatro, anunciou desde lá a sua preocupação perene com a pesquisa da história do país, o trabalho em relações a vozes suprimidas e a recuperação da memória dos espaços físicos. Na Maria Zélia, estão desde 2004. Ocupam lá o Armazém 19, onde estão em cartaz com Teorema 21, além de oferecer residências e projetos de formação (com editais 2017 abertos).

O primeiro recurso importante de Hysteria é a divisão do público. Os homens entram primeiro. Passam pelas internas e sentam em uma arquibancada nos fundos. O que pareceria prioridade é a colocação do público masculino em uma posição secundária. Logo, a governanta do hospício chama as mulheres — elas entram na peça como novas histéricas, e sentam-se nos bancos que formam o cenário. Serão interpeladas pelas veteranas, a gestora lhes percorrerá os cabelos em busca de piolhos, dançarão com as outras, em roda, rebeldes.

Dessa forma, como esbocei, são as mulheres pelo menos coadjuvantes e por vezes protagonistas, ao passo em que os homens permanecem na situação de espectadores. Assistem aos fatos, sem ação ou expressão, imobilizados atrás da quarta parede. Tal estrutura ecoa os debates em torno de “lugar de fala” — as circunstâncias pessoais, políticas e culturais que dão forma às atitudes e opiniões de alguém (mais sobre esse conceito, neste texto, do qual extraio minha metáfora). A escolha é por trazer à tona a experiência feminina; nesse sentido, a inversão é clara: essa conjuntura de inação e mudez é, com efeito, análoga a que marcou com mais violência as personagens da peça e que, com outras manifestações, pode marcar o público feminino presente.

A dramaturgia, por essa via, abre duas possibilidades de vivência. A primeira, às mulheres, que estarão sempre sublinhadas como sujeitos. A segunda, a nós, homens. Penso que o que se põe como tarefa para nós é notar que a nossa ausência, enquanto público, em relação à história, é a ausência do doutor que gere o asilo, dos maridos e pais que trancaram as meninas. Isentos, o que somos é da mesma matéria do poder que as cerca e oprime, mas se mantém só horizonte. Por isso, é preciso perceber que a a passividade em que nos colocam não é do mesmo gênero da de outros espetáculos. É preciso ver-se sem agir, ver-se sem falar, e compreender-se nisso.

Os Pontos de Vista são Únicos
Para construir ou potencializar a condição de sujeito quanto ao público feminino, Hysteria faz obliquidades, pontos cegos. É apenas uma mulher que ouve um segredo dito ao pé do ouvido. É apenas uma mulher a quem se pergunta vários dados da sua vida, dos quais se comporá um poema dedicado a ela. São apenas algumas mulheres a quem se pedirá que leiam os bilhetes dos abandonados à roda dos enjeitados. A peça se multiplica em vivências particulares. Nem todos veem as mesmas coisas, nem todos experimentam as mesmas coisas. É dessa maneira, é claro, a vida. O que nos permite expandir as perspectivas é o encontro, a congruência.

Hysteria me confirma nessa última tese? Creio que sim. A encenação procede por monólogos, quase sempre, a cada vez uma personagem expõe a sua dor intransferível. “Eu estou boa, meu marido João vem me buscar hoje”, repete e repete uma delas, sem que João chegue. Chegará? Sabemos (?) desde o início que não. Outra, marcada por uma timidez, por uma calma nervosa, esconde um crime, causado pelo não cumprimento do mínimo do contrato matrimonial. Ainda outra, envia cartas à Jesus e o sente adentrá-la como luz. A governanta, por fim, resíduo de um percurso de sonhos frustrados. Nós as escutamos uma a uma, todavia não se diminui isso a um solipsismo: através da fala individual se entrevê a comunidade.

A Memória Comum Perdura
“Você é como nós”, acusa uma interna à governanta quando esta teve o seu diário devassado. Você é uma de nós, o espetáculo declara a cada coadjuvante. Isto, desde as suas primeiras cenas, quando algumas se tornam cúmplices das veteranas, escondendo o citado caderno da gestora. Também quando, após uma rodada de declamação poética entre as personagens, uma pessoa do público é chamada a subir na mesa e ser poeta por sua vez. No dia em que eu estive lá, isso se deu de maneira maravilhosa: a mulher, antes um pouco constrangida pela interação com as atrizes, disse os versos com clareza, vividez e espontaneidade, provendo esta apresentação da montagem com algo de irredutível.

As identidades parciais vão, por esses diálogos, compondo uma identidade do grupo, que pode agora abranger de uma forma íntima o público, pelas interações criadas. Essa união ganha uma força maior que o poder masculino que as mantinha no armazém fechado. Era a disciplina dos doutores, dos maridos, dos pais, da religião, que trancavam de fato as portas, e isso se rompe. A chuva lá fora indica o instante de quebra: as internas abrem as saídas, conclamam: “Vem pra chuva! Vem sentir a chuva escorrer”. O símbolo é potente: estar em contato com o mundo, tê-lo no corpo, prescindir de proteção. Ouvimos o seu riso lá fora. De repente é tão claustrofóbico o espaço em que estamos. A liberdade tem sua simplicidade.

Destaca-se nessa cena o momento em que a personagem feminista, cabelos curtos, versos na ponta da língua, antagonista do pai e denunciadora da hipocrisia do esposo, retorna e, contra a luz do dia, anuncia: “Nós seremos lembradas”. Assim, a peça nos leva à conclusão com a mão de quem nos aponta uma estrada. Em Hysteria, o ponto final são portas abertas.

Nota do Editor
Mais conteúdo de Duanne Ribeiro (artigos, críticas, entrevistas e ensaios) em duanneribeiro.info.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 20/12/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
02. It's evolution, baby de Luís Fernando Amâncio
03. A grande luta das pessoas comuns de Guilherme Carvalhal
04. Nós, os afogados, de Carsten Jensen de Ricardo de Mattos
05. Por que a discussão política tem de evoluir de Julio Daio Borges


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BIOLOGIA1
ARMENIO UZUNIAN ERNESTO BINER
HARBRA
(2002)
R$ 20,00



ZERO HORA N° 4
UNIVERSO DC
ABRIL
R$ 8,90



O PRAZER DE FAZER: TRABALHOS MANUAIS
GABI BASTOS E RODRIGO GERHARDT
EUROPA
(2008)
R$ 24,00



SPACE ENGLISH BOOK FOUR
E. C. CHEIN CHAIA
EDIÇÕES SPACE
(1983)
R$ 10,48



LIBERDADE LIBERDADE
FLÁVIO RANGEL E MILLÔR FERNANDES
LEPM
(1987)
R$ 9,90



WHEN EVERY MOMENT COUNTS: WHAT YOU NEED TO KNOW ABOUT BIOTERRORIS
SENATOR BILL FRIST
ROWMAN LITTLEFIELD PUBLISHERS
(2002)
R$ 19,28



PARA ZOAR CRUZEIRENSE
MÁRIO BRITO DUKE
LEITURA
(2009)
R$ 5,00



ORGANIC CHEMISTRY
B. PAVLOV A. TERENTYEV
FOREIGN LANGUAGES PUBLISHING
R$ 28,75



CONTOS
MACHADO DE ASSIS
PAZ E TERRA
(1996)
R$ 6,90



HARMONIA NO CASAMENTO
SIDNEI MENEZES
DO AUTOR
(2015)
R$ 9,90





busca | avançada
50836 visitas/dia
1,8 milhão/mês