Literatura como arte | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/8/2004
Literatura como arte
Ana Elisa Ribeiro

+ de 7400 Acessos

Na esteira das discussões sobre ensino de leitura, escrita e letramento, assim como no vácuo da lembrança dos professores ruins e das atividades inúteis, dou continuidade à série de textos que traz à tona as experiências mais recônditas da vida escolar de um brasileiro médio.

Saco da memória as aulas de Literatura Brasileira, nas quais os livros de literatura pareciam haver sido produzidos só até a metade do século XX, quando qualquer cataclismo impediu que surgissem outros livros e outros talentos da língua portuguesa, tanto aqui quanto em Portugal.

O professor adentrava a sala de aula de posse de seu livro didático, ordenava que abríssemos o manual na página tal ou qual e então dávamos início à leitura de mais um texto clássico. Após a leitura silenciosa, a turma se revezava na leitura expressiva de algum conto ou poema. Enfadados, fazíamos força para não deixar as pálpebras fecharem os olhos ou tratávamos de evitar que o mestre percebesse que nos enviávamos bilhetinhos de amor ou fofocas internas.

Vez ou outra eu me interessava por um verso, uma palavra desconhecida e muito sonora ou um livro que cairia na prova da semana seguinte. Também certas atividades obrigavam a certo afinco: o teatro sobre passagem escolhida de Dom Casmurro ou a mímica sobre conto de Lima Barreto. Poesia parecia sempre tão lúdico e nós podíamos escrever poemas para o dia dos pais. Isso seria nossa máxima aproximação com a Literatura e talvez nos questionássemos sobre a utilidade da matéria em nossas vidas cotidianas.

Demorou muito para que eu aprendesse que literatura (sem caixa-alta) era uma das artes, a que privilegiava a língua (falada ou escrita) e que eu poderia ter gosto por ela do lado de fora da sala de aula, para além das provas bimestrais e para aquém da obrigação de escrever acrósticos de Natal.

Aos poucos, foram surgindo nomes de autores que não estavam nas listas dos manuais didáticos e descobri que alguns estavam vivos e moravam no Brasil. Também soube que não se publicam livros apenas postumamente e que se discute literatura em eventos culturais.

Entendendo que a literatura era lida na sala de aula com o objetivo seco e explícito de fazer provas de múltipla escolha (ou peças de teatro precárias) e que poderia ser lida à soleira da porta de casa, ou deitada na cama à hora de dormir, ou durante férias e feriados, sentada na praia e em horas de prazer, passei a dividir minha atitude com relação aos livros de literatura conforme o ambiente em que eu estava.

A questão relativa à (in)utilidade da literatura não mais me importou ou importunou. Se me serve como diversão, aprimoramento ou auto-ajuda, eu que me dê com ela. O que sei é que me adianta a vida e faz muito bem. Há quem prefira futebol ou gamão. Já a Literatura como disciplina escolar pareceu-me bastante objetiva: servia para marcar pontos no diário e me fazer passar de ano. Também serviria, mais tarde, para o vestibular e para as redações que tratavam de intertextualidades calculadas.

Enquanto o mestre entrava em sala despejando as páginas do livro, eu pensava que seria bom se meus colegas percebessem certas nuances do conto de Clarice ou que conhecessem, ao menos, Ana Cristina César e Paulo Leminski. Também pensava que seria interessante se certo escritor fosse à escola nos falar do texto, do livro, do processo de criação, da publicação. Ou que alguém nos deixasse conhecer a obra por dentro, sem decorebas e predições sobre a prova.

O que me aturde, no entanto, não é tão isso. Provavelmente, a Literatura escolar será sempre tratada como uma lista de obras obrigatórias para a feitura de provas bimestrais. Também pode ser que a Literatura seja considerada um luxo de desocupados, matéria para quem não quer fazer Medicina ou Engenharia, ou ainda disciplina de distração, sem vínculo com a vida prática. Literatura como parte do currículo obrigatório, formadora de certo repertório mínimo de cultura inútil para cidadãos envernizados, banco de nomes de livros e de autores necessário ao estudante médio que pretende parecer culto.

Mesmo as provas bimestrais queriam avaliar não a leitura, mas a memória do aluno, o quanto ele gravava nomes de personagens e teorias tais como o que é protagonista. Também pareciam de suma importância o foco narrativo e a categoria tempo-espaço. Rima e estrofe eram conceitos importantíssimos e o poema que se exploda. Para ser poeta, há que estar morto há muito e ter vivido uma vida bêbada.

Não se compreendia o trabalho na linguagem, a forma como se contava certo roteiro simples, mas a narrativa linear, historinha de uma moça que mascava chicletes ou de uma família de retirantes vinda do Nordeste. Talvez por isso, tudo parecesse tão óbvio e comum, enquanto a literatura como arte da lingua(gem) se desvanecia em nossa frente.

Recentemente, para minha surpresa indisfarçada, recebi o fôlder de um congresso que discutia o ensino de disciplinas de arte. Qual não foi meu espanto quando, entre as matérias em debate, não se encontrava a Literatura! Havia lá um currículo inteiro (Artes Plásticas, Música, Dança, Escultura, Pintura, etc.), mas não havia Literatura, que é matéria pertencente ao rol das disciplinas "sérias", das que dão provas e reprovam ao final do ano.

Tive vontade de participar do congresso e levar um texto sobre Ensino de Literatura como Arte, para medir as reações. Mas o que eu queria mesmo era ver se a platéia do encontro reagiria à minha comunicação com olhares de espanto: "é mesmo! a Literatura é uma das sete artes!"

as moças do sabonete araxá e a orientação sexual
certa vez me disseram, dentro de um carro sedã, que elizabeth bishop era lésbica e que havia morado [ou coisa assim] em ouro preto. aquilo me impressionou muito. ser lésbica sempre me impressionava, porque as mulheres não me parecem seres amáveis.

também frida kahlo [reza a lenda que] era bissexual. os bissexuais me impressionam menos, porque, afinal, cria-se a rotina de não deixar que qualquer sexo ocupe todo o espaço. mas frida tinha uma beleza tão pouco admirável... e conseguia seduzir qualquer um.

adília lopes é virgem [também reza a lenda]. preciso ter cuidado porque ela é viva, embora não pareça, já que vive em uma pequeníssima cidade portuguesa e não responda nem mesmo às cartas entregues pelos correios. o fato de adília ser virgem muito me impressiona, porque isso é lastimável, verdadeiramente. toda mulher devia experimentar uns cinco ou seis homens antes de pensar em escolher um. ou devia viver cinco ou seis relações sexuais antes dos trinta anos. adília tem mais de quarenta. e se ela for lésbica, talvez possa não ser virgem.

virginia wolf suicidou-se plasticamente. morreu afogada num lago entediante, cheia de pedras nos bolsos. um vestido de florezinhas que eu jamais vestiria, ainda mais quando fosse me suicidar. um evento tão importante e único não devia prescindir de um belo terno preto ou de um sapato de bico quadrado. virginia tinha um marido, mas beijava meninas enquanto tecia personagens enfadadas.

linda carter foi a heroína da minha infância. foi a única mulher que me pareceu elegante usando braceletes dourados. aliás, talvez seja a única ocorrência de dourado que não me tenha soado brega. linda carter me intrigava porque se chamava linda. somente bem mais tarde fui ter nojo daquela bandeira americana que ela ostentava no corpo. uma amazona não devia ter um dos seios. e linda carter devia ser lésbica.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 25/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
02. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
03. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
04. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
05. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Literatura como arte - 25/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INDICADORES DE JURUTI - 8958
DIVERSOS
F G V
(2009)
R$ 15,00



SOMOS TODOS FILHOS DE DEUS? - 3ª
EDIR MACEDO
UNIPRO
(2012)
R$ 14,00



PROJETO MULTIPLO BIOLOGIA 2
FERNANDO GEWANDSZNAJDER SÉRGIO LINHARES
ATICA
(2014)
R$ 139,90



OS MOEDEIROS FALSOS
ANDRÉ GIDE
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 30,00



THE GREAT WHITE BROTHERHOOD
ELIZABETH CLARE PROPHET
SUMMIT UNIVERSITY PRESS
(1987)
R$ 130,00



A MISSÃO DOS SETENTA E O "LOBO INVISÍVEL"
PAIVA NETTO
ELEVAÇÃO
(2018)
R$ 24,00



FASHION IS SPINACH
ELIZABETH HAWES
FORGOTTEN BOOKS
(2012)
R$ 90,00



EL CINE AL DIA
D. A. SPENCER E H. D. WALEY
EDITORIAL NOVA (BUENOS AIRES)
(1944)
R$ 19,28



CONFERÊNCIA ÍNDIA - III CONFERÊNCIA NACIONAL POLÍTICA EXTERNA
III CONFERÊNCIA NACIONAL DE POLÍTICA EXTERNA
FUND ALEXANDRE DE GUSMÃO
(2009)
R$ 26,82



SEXTA FEIRA TRIANGULAR
J. P. DONLEAVY
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1967)
R$ 12,00





busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês