Literatura como arte | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
58736 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Festival online reverencia mestres e mestras da cultura tradicional do Brasil
>>> Sesc Pinheiros recebe ‘Rio e também posso chorar - Fatal 50’, primeiro passo solo de Assucena
>>> Cia O Grito apresenta experimento cênico no Brás
>>> Amadores - com a Cia. Hiato
>>> Um dos maiores festivais de música do Rio chega para agitar os cariocas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marcelo Gleiser #EuMaior
>>> Falsos intelectuais
>>> Mosaico de Rancores, romance de Márcia Barbieri
>>> @mores bizarros
>>> Agonia
>>> PROCURA-SE
>>> 1 de Maio #digestivo10anos
>>> Chopin Andante Spianato
>>> Ideologia retrô
>>> 31 de Agosto #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Homem Sem Qualidades, O de Robert Musil pela Nova Fronteira (1989)
>>> Alexis Ou O Tratado Do Vão Combate de Marguerite Yourcenar pela Nova Fronteira (1981)
>>> Escritos de Antonin Artaud - Rebeldes Malditos 5 de Cláudio Willer pela L&PM (1983)
>>> Devassos no Paraíso de João Silvério Trevisan pela Maxlimonad (1986)
>>> A Volta da Prisão de Marguerite Yourcenar pela Nova Fronteira (1992)
>>> O menino de areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1986)
>>> Os 120 Dias de Sodoma de Marquês de Sade pela Aquarius (1980)
>>> Notas A Margem Do Tempo de Marguerite Yourcenar pela Nova Fronteira (1988)
>>> Revisão de Sousândrade de Augusto e Haroldo de Campos pela Nova Fronteira (1982)
>>> Os 11 Sexos. As Multiplas Faces Da Sexualidade Humana de Ronaldo Pamplona da Costa pela Gente (1994)
>>> Os 11 Sexos. As Multiplas Faces Da Sexualidade Humana de Ronaldo Pamplona da Costa pela Gente (1994)
>>> Etiqueta Sem Frescura de Claudia Matarazzo pela Melhoramentos (1995)
>>> A Vida Cotidiana de Freud e Seus Pacientes de Lydia Flem pela L&PM (1986)
>>> Medicina Holística: A harmonia do ser humano de Dr. Sérgio Teixeira pela Campus (2003)
>>> Hélio Pellegrino de Paulo Roberto Pires pela Relume Dumará (1998)
>>> Curando Corações de Dr. Roque Marcos Savioli pela Gente (2004)
>>> Os Que Partem Os Que Ficam de Evaldo Alves D'Assumpção pela Vozes (1991)
>>> O Corpo Tem Suas Razões: Antiginástica e Consciência de Si de Thérèse Bertherar e Carol Bernstein pela Martins Fontes (1977)
>>> A Competência ao Alcance de Todos de Laurence J. Peter pela José Olympio (1979)
>>> Quase Memória - Quase-Romance de Carlos Heitor Cony pela Companhia das Letras (1995)
>>> O Sucesso é Ser Feliz de Roberto Shinyashiki pela Gente (1997)
>>> O Mundo de Sofia: Romance da História da Filosofia de Jostein Gaarder pela Companhia das Letras (1995)
>>> Academia de Vampiros 1, 2 e 3 (O Beijo das Sombras, Aura Negra e Tocada pelas Sombras) de Richelle Mead pela Nova Fronteira (2009)
>>> Mundo das Sombras : Vampiro Secreto (Vol.1) de Lisa J. Smith pela Galera Record (2011)
>>> Desirée de Annemarie Selinko pela Abril Cultural (1975)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/8/2004
Literatura como arte
Ana Elisa Ribeiro

+ de 7900 Acessos

Na esteira das discussões sobre ensino de leitura, escrita e letramento, assim como no vácuo da lembrança dos professores ruins e das atividades inúteis, dou continuidade à série de textos que traz à tona as experiências mais recônditas da vida escolar de um brasileiro médio.

Saco da memória as aulas de Literatura Brasileira, nas quais os livros de literatura pareciam haver sido produzidos só até a metade do século XX, quando qualquer cataclismo impediu que surgissem outros livros e outros talentos da língua portuguesa, tanto aqui quanto em Portugal.

O professor adentrava a sala de aula de posse de seu livro didático, ordenava que abríssemos o manual na página tal ou qual e então dávamos início à leitura de mais um texto clássico. Após a leitura silenciosa, a turma se revezava na leitura expressiva de algum conto ou poema. Enfadados, fazíamos força para não deixar as pálpebras fecharem os olhos ou tratávamos de evitar que o mestre percebesse que nos enviávamos bilhetinhos de amor ou fofocas internas.

Vez ou outra eu me interessava por um verso, uma palavra desconhecida e muito sonora ou um livro que cairia na prova da semana seguinte. Também certas atividades obrigavam a certo afinco: o teatro sobre passagem escolhida de Dom Casmurro ou a mímica sobre conto de Lima Barreto. Poesia parecia sempre tão lúdico e nós podíamos escrever poemas para o dia dos pais. Isso seria nossa máxima aproximação com a Literatura e talvez nos questionássemos sobre a utilidade da matéria em nossas vidas cotidianas.

Demorou muito para que eu aprendesse que literatura (sem caixa-alta) era uma das artes, a que privilegiava a língua (falada ou escrita) e que eu poderia ter gosto por ela do lado de fora da sala de aula, para além das provas bimestrais e para aquém da obrigação de escrever acrósticos de Natal.

Aos poucos, foram surgindo nomes de autores que não estavam nas listas dos manuais didáticos e descobri que alguns estavam vivos e moravam no Brasil. Também soube que não se publicam livros apenas postumamente e que se discute literatura em eventos culturais.

Entendendo que a literatura era lida na sala de aula com o objetivo seco e explícito de fazer provas de múltipla escolha (ou peças de teatro precárias) e que poderia ser lida à soleira da porta de casa, ou deitada na cama à hora de dormir, ou durante férias e feriados, sentada na praia e em horas de prazer, passei a dividir minha atitude com relação aos livros de literatura conforme o ambiente em que eu estava.

A questão relativa à (in)utilidade da literatura não mais me importou ou importunou. Se me serve como diversão, aprimoramento ou auto-ajuda, eu que me dê com ela. O que sei é que me adianta a vida e faz muito bem. Há quem prefira futebol ou gamão. Já a Literatura como disciplina escolar pareceu-me bastante objetiva: servia para marcar pontos no diário e me fazer passar de ano. Também serviria, mais tarde, para o vestibular e para as redações que tratavam de intertextualidades calculadas.

Enquanto o mestre entrava em sala despejando as páginas do livro, eu pensava que seria bom se meus colegas percebessem certas nuances do conto de Clarice ou que conhecessem, ao menos, Ana Cristina César e Paulo Leminski. Também pensava que seria interessante se certo escritor fosse à escola nos falar do texto, do livro, do processo de criação, da publicação. Ou que alguém nos deixasse conhecer a obra por dentro, sem decorebas e predições sobre a prova.

O que me aturde, no entanto, não é tão isso. Provavelmente, a Literatura escolar será sempre tratada como uma lista de obras obrigatórias para a feitura de provas bimestrais. Também pode ser que a Literatura seja considerada um luxo de desocupados, matéria para quem não quer fazer Medicina ou Engenharia, ou ainda disciplina de distração, sem vínculo com a vida prática. Literatura como parte do currículo obrigatório, formadora de certo repertório mínimo de cultura inútil para cidadãos envernizados, banco de nomes de livros e de autores necessário ao estudante médio que pretende parecer culto.

Mesmo as provas bimestrais queriam avaliar não a leitura, mas a memória do aluno, o quanto ele gravava nomes de personagens e teorias tais como o que é protagonista. Também pareciam de suma importância o foco narrativo e a categoria tempo-espaço. Rima e estrofe eram conceitos importantíssimos e o poema que se exploda. Para ser poeta, há que estar morto há muito e ter vivido uma vida bêbada.

Não se compreendia o trabalho na linguagem, a forma como se contava certo roteiro simples, mas a narrativa linear, historinha de uma moça que mascava chicletes ou de uma família de retirantes vinda do Nordeste. Talvez por isso, tudo parecesse tão óbvio e comum, enquanto a literatura como arte da lingua(gem) se desvanecia em nossa frente.

Recentemente, para minha surpresa indisfarçada, recebi o fôlder de um congresso que discutia o ensino de disciplinas de arte. Qual não foi meu espanto quando, entre as matérias em debate, não se encontrava a Literatura! Havia lá um currículo inteiro (Artes Plásticas, Música, Dança, Escultura, Pintura, etc.), mas não havia Literatura, que é matéria pertencente ao rol das disciplinas "sérias", das que dão provas e reprovam ao final do ano.

Tive vontade de participar do congresso e levar um texto sobre Ensino de Literatura como Arte, para medir as reações. Mas o que eu queria mesmo era ver se a platéia do encontro reagiria à minha comunicação com olhares de espanto: "é mesmo! a Literatura é uma das sete artes!"

as moças do sabonete araxá e a orientação sexual
certa vez me disseram, dentro de um carro sedã, que elizabeth bishop era lésbica e que havia morado [ou coisa assim] em ouro preto. aquilo me impressionou muito. ser lésbica sempre me impressionava, porque as mulheres não me parecem seres amáveis.

também frida kahlo [reza a lenda que] era bissexual. os bissexuais me impressionam menos, porque, afinal, cria-se a rotina de não deixar que qualquer sexo ocupe todo o espaço. mas frida tinha uma beleza tão pouco admirável... e conseguia seduzir qualquer um.

adília lopes é virgem [também reza a lenda]. preciso ter cuidado porque ela é viva, embora não pareça, já que vive em uma pequeníssima cidade portuguesa e não responda nem mesmo às cartas entregues pelos correios. o fato de adília ser virgem muito me impressiona, porque isso é lastimável, verdadeiramente. toda mulher devia experimentar uns cinco ou seis homens antes de pensar em escolher um. ou devia viver cinco ou seis relações sexuais antes dos trinta anos. adília tem mais de quarenta. e se ela for lésbica, talvez possa não ser virgem.

virginia wolf suicidou-se plasticamente. morreu afogada num lago entediante, cheia de pedras nos bolsos. um vestido de florezinhas que eu jamais vestiria, ainda mais quando fosse me suicidar. um evento tão importante e único não devia prescindir de um belo terno preto ou de um sapato de bico quadrado. virginia tinha um marido, mas beijava meninas enquanto tecia personagens enfadadas.

linda carter foi a heroína da minha infância. foi a única mulher que me pareceu elegante usando braceletes dourados. aliás, talvez seja a única ocorrência de dourado que não me tenha soado brega. linda carter me intrigava porque se chamava linda. somente bem mais tarde fui ter nojo daquela bandeira americana que ela ostentava no corpo. uma amazona não devia ter um dos seios. e linda carter devia ser lésbica.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 25/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os bigodes do senhor autor de Renato Alessandro dos Santos
02. Notas confessionais de um angustiado (Final) de Cassionei Niches Petry
03. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 de Renato Alessandro dos Santos
04. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva de Renato Alessandro dos Santos
05. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004
05. Literatura como arte - 25/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teorias de Linguagens - Pesquisa e Ensino (lacrado)
Marinalva Barbosa, Carlos Francisco de Morais
Mercado de Letras
(2017)



Livre-se da Síndrome da Super Esposa
Carin Rubenstein
Gente
(2010)



Alemão - Método Prático de Conservação
Ute Hitchin e Jill Norman
Presença - Martins Fontes
(1980)



Kairós
Marcelo Rossi; Fábio de Melo
Principium
(2013)



A-z Great Modern Artists
Andy Tuohy
Cassell Uk
(2015)



A Carícia Essencial: uma Psicologia do Afeto
Roberto Shinyashiki
Gente



Sobre Schmidt
Louis Begley
Companhia das letras
(1999)



O Rio de Janeiro no Tempo dos Vice-reis
Luiz Edmundo
Conquista
(1956)



República dos Bacharéis no Século XXI (lacrado)
André Luís Alves de Melo
Lumen Juris
(2016)



De Cabeça Para Baixo
Fernando Sabino
Record
(1990)





busca | avançada
58736 visitas/dia
1,9 milhão/mês