A Virada, de Stephen Greenblatt | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 8/10/2012
A Virada, de Stephen Greenblatt
Ricardo de Mattos

+ de 4500 Acessos


Titus Lucretius

"Passar dos fantasmas da fé para os espectros da razão é somente ser mudado de cela" (Fernando Pessoa).

Durante o período olímpico tivemos oportunidade de aprofundar-nos a respeito de disputa tão antiga quanto os próprios jogos, ou mais. Trata-se do velho embate entre imanentismo e transcendentalismo que torna à pauta em virtude do reforço dos movimentos laico e ateu. Por imanentismo compreendemos a concepção de que tudo o que existe encontra-se limitado ao mundo físico e regido pelas leis naturais. Por transcendentalismo, a concepção de que o mundo físico é a parcela de algo maior, regido por leis naturais elaboradas por uma inteligência superior. O imanentismo pretende trazer para suas bases o pensamento filosófico e o científico e escuda-se no materialismo, tanto aquele baseado nos fatos do mundo quanto o promissório. O transcendentalismo lida, sobretudo, com a religião. Mais com a religião que com o espiritualismo, lamentamos observar. Em meio aos dois extremos, a massa cinzenta de pessoas de existência indefinida vagando desprovida de sentido.

O imanentismo encontra sua sedução no que de concreto apresenta às pessoas. "Veja esta semente", diz, "colocando-a no solo e irrigando-a, depois de realizados tais e quais processos, nascerá uma planta". A semente é plantada, o tempo passa, os processos se realizam e a planta surge. "Esta é a vida e não espere nada além disso", concluem vitoriosos seus adeptos. A seu turno, os que se julgam donos de visão mais ampla fazem promessas vagas de outro local que eles mesmos não sabem nem definir nem descrever. Recorrem à Fé pela Fé, o que a cega e enfraquece. Não conseguem compreender a Fé como um ponto ao qual se dirige o espírito em sua evolução: ontem uma promessa, hoje um fato. Por isso nossa adesão a Kardec e à Doutrina por ele codificada, na qual se privilegia a Fé raciocinada. Creia; contudo, verifique continuamente quais as bases de sua crença.

No tempo em que predominam o consumismo, a ignorância calculada, a busca desenfreada pelo prazer e a esquiva total da responsabilidade, não é difícil verificar qual competidor está em vantagem. Si os imanentistas satisfazem o intelecto com respostas adequadas ao atual estado do conhecimento humano, em longo prazo não saciam sede humana de afeto e de sentido. Desprovidos de melhores respostas, tornam-se tão apelativos quanto os próprios religiosos que criticam. Si os religiosos transformam a obra divina numa fuzarca da qual se quer distância e não convivência, a se turno alguns descrentes encaram os mais legítimos sentimentos meramente como instintos. Todos olham para todas as direções, menos para cima. Entretanto, ainda que de forma capenga, o Amor ainda é um trunfo dos transcendentalistas.

Aceite quem quiser: há autor espiritual contemporâneo - Inácio Ferreira - observando que no grande plano da Natureza é difícil afirmar categoricamente onde termina o mundo físico e onde começa o que se convencionou chamar "plano espiritual" - ou extrafísico, ou outra dimensão, etc. Desenvolvemos nossa existência naquela parcela da Natureza que acessamos mediante cinco portas, e esta parcela não sofre uma solução de continuidade quando o instrumento do qual nos utilizamos perde suas forças e desfaz-se. Daí a possibilidade de mútua interferência. Há, portanto, A Natureza, algo muito maior e mais abrangente do que querem uns e outros, e quem consegue vislumbrar isto não se conforma mais com qualquer tipo de reducionismo, seja de ordem pretensamente filosófica ou científica, seja de ordem pretensamente religiosa. Há harmonia na Natureza e há uma Inteligência que a rege.

A impressão que nos ficou da leitura d'A Virada, do celebrado estudioso norte-americano Stephen Greenblatt é a de que imanentistas querem definir seus profetas e livros sagrados. Os cristãos têm a Bíblia Sagrada, os cristãos espíritas O Livro dos Espíritos - embora não o leiam -, os fiéis muçulmanos o Corão, os hindus os Vedas e o Baghavad Gita, etc. Caso os imanentistas endossem a tese de Greenblatt, encontrarão no poeta romano Lucretius, e em seu poema De rerum natura os fundamentos de suas ideias. Logo, clero e ritos. Não fazemos aqui qualquer crítica às manifestações da descrença, mas reparamos na sutileza dos fatos, ao notarmos que o crítico, e uma forma ou outra, acaba por adotar as práticas do criticado.


Poggio Bracciolini

O que temos a respeito de Lucretius? Seus dados biográficos, além de reconhecidamente escassos, têm sua origem e exatidão questionadas por Greenblatt. Quem forneceu para a posteridade algumas linhas sobre o poeta foi Jerônimo - depois São Jerônimo -, erudito responsável pela tradução mais fiel dos textos bíblicos para o latim. Segundo este, Lucretius teria nascido em 94 A.C. e "depois que uma poção do amor o deixou louco, e ele escreveu, nos intervalos de sua insanidade, diversos livros que Cícero revisou, ele se matou por suas próprias mãos no quadragésimo quarto ano de sua vida". É tudo. Deixou um longo poema intitulado Da Natureza das Coisas - De Natura Rerum - que não é obra inaugural, mas pode ser compreendido como a síntese latina do pensamento do filósofo Epicuro de Samos. Possuímos um livro que traz fragmentos da obra do filósofo e o poema lucreciano completo. A tradução em prosa é do filosofo português Agostinho Silva e receamos que seja a única disponível no idioma e no mercado.

A Virada é um livro cuja leitura flui prazerosamente. Greenblatt faz um amplo painel da cultura latina e medieval. Investiga as bases do pensamento grego, latino e cristão, apontando onde há contradição e em que aspectos uma corrente desenvolvia suas ideias dialogando com as escolas anteriores. Contudo, em certos aspectos é tendencioso ou mesmo exagerado. Acerca do poema, o autor afirma: "...o poema de Lucrécio restaurou os átomos em seu contexto perdido, e as implicações - para a moralidade, a política, a ética e a teologia - eram perturbadoras". Antes, Greenblatt já havia dito: "Ao contrário da gigantesca cúpula de Brunelleschi, o maior domo construído desde a Antiguidade clássica, o grande poema de Lucrécio não se ergue contra o céu. Mas sua recuperação mudou para sempre a paisagem do mundo".

Em todo o oitavo capítulo da obra, Greenblatt aponta conclusões que acredita derivadas do poema: tudo é composto de partículas invisíveis, as partículas elementares da matéria são eternas, o Universo não tem um criador ou projetista, a alma morre, não há vida após a morte, etc. Aqui notamo-lo tendencioso e até reducionista, pois a aceitação da composição atômica da matéria não elenca o indivíduo, só por isso, entre ateus. Alguns alegarão uma inconciliável contradição entre o pensamento filosófico e o ensinamento bíblico. Neste caso, a discussão fica limitada aos fundamentalistas de ambos os partidos.

O fato é que o poema de Lucretius passou séculos perdido em bibliotecas monásticas. Esquecido e desconhecido. Foi localizado no século XV pelo humanista italiano e secretário papal Poggio Bracciolini, curiosa figura que Greenblatt nos apresenta. Estudioso esmerado das obras da antiguidade clássica, Poggio pôde ter acesso a diversas bibliotecas de seu tempo e sabia o que procurar nelas. Descoberto um livro excepcional, o florentino punha-se a copiá-lo à mão, ou pagava quem o fizesse. A Virada trata de uma época em que a imprensa ainda estava por chegar.

Stephen Greenblatt é considerado o pai do novo historicismo, linha de estudos que, em síntese, debruça-se na verificação do contexto de produção de uma obra, nas influências sofridas pelo autor e nas relações entre literatura e vida pessoal. Isto justifica a longa digressão que ele fez n'A Virada, partindo do mundo contemporâneo de Lucretius e chegando ao século de Poggio. No que se refere ao conteúdo desta digressão, a certa altura, perguntamo-nos si o objetivo da obra era tratar do poema ou expor as mazelas da Igreja Católica, instituição que ocupa mais espaço que o dedicado a Lucretius e Poggio juntos.


Sully de Prudhomme

Outro ponto que julgamos digno de nota: Greenblatt indica diversas personalidades como adeptas do pensamento derivado da obra de Lucretius, e atribui a conjecturas o status de confirmação. Para ele, Montaigne, Shakespeare e Thomas Jefferson seriam propagadores das ideias contidas em Da Natureza das Coisas. Verificando seus argumentos, contudo notamos que a certeza pretendida não é assim tão presente. No que diz respeito a Shakespeare, Greenblatt escreve: "Fosse como fosse, ele deve ter conhecido pessoalmente John Florio, amigo e Bruno, e pode também ter discutido Lucrécio com seu colega, o dramaturgo Ben Jonson..." (grifamos). Quanto a Montaigne, Greenblatt limita a amplidão de seu pensamento, enxergando entre o filosofo francês e o poeta latino "uma afinidade que vai além de qualquer passagem em particular". Por menos que isso, muita gente boa já foi acusada de superficial. Já o poeta francês Sully de Prudhomme, primeiro ganhador do prêmio Nobel de literatura, discípulo declarado do estilo e do pensamento de Lucretius mas muito menos vistoso, sequer é mencionado.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 8/10/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A trilogia Qatsi de Guilherme Carvalhal
02. Memória insuficiente de Vicente Escudero
03. Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída... de Gabriela Vargas
04. O difícil diálogo de Guilherme Conte
05. Quem tem medo do Besteirol? de Andréa Trompczynski


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2012
01. A ilha do Dr Moreau, de H. G. Wells - 12/3/2012
02. Aborto - 2/4/2012
03. Freud segundo Zweig - 25/6/2012
04. Deus: uma invenção?, de René Girard - 6/2/2012
05. A Virada, de Stephen Greenblatt - 8/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROGRESSO, POBREZA E EXCLUSÃO
ROSEMARY THORP
BID
(1998)
R$ 35,00



A NOVA TRAJETÓRIA PROFISSIONAL
NEWTON JOSÉ DE OLIVEIRA NEVES E MILTON FAGUNDES
MISSION
(1999)
R$ 10,00



COMO E POR QUE LER OS CLÁSSICOS UNIVERSAIS DESDE CEDO
ANA MARIA MACHADO - NOVO
OBJETIVA
(2002)
R$ 54,00



UM AMOR DE GATO
GLENN DROMGOOLE
PUBLIFOLHA
(2002)
R$ 5,00



UM TURISTA NA TERRA
LEO P KELLEY
GALERIA PANORAMA
(1973)
R$ 10,00



CID-10 VOL. 1: CLASSIFICAÇÃO ESTATÍSTICA INTERNACIONAL DE DOENÇAS E PROBLEMAS RELACIONADOS À SAÚDE
OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE
EDUSP
R$ 102,00



OITENTA ANOS DE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
HUBERT ALQUERES
JATOBÁ
(2011)
R$ 120,00



A GAROTA DO CALENDÁRIO - SETEMBRO
AUDREY CARLAN
VERUS
(2016)
R$ 7,00



A CURVA DA ESTRADA
FERREIRA DE CASTRO
GUIMARÃES EDITORES
(2002)
R$ 29,70



TEXTOS FILOSÓFICOS
KARL MARX
MANDACARU
(1990)
R$ 13,41





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês