A Virada, de Stephen Greenblatt | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
75735 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
>>> Clássicos da Literatura Unesp ganha mais cinco títulos
>>> Bertolt Brecht inspira ÉPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Doutor Eugênio (1949-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Comum como uma tela perfeita
>>> Revista Meio Digital
>>> Do jornalismo como performance
>>> A Nova Revista da Cultura
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> A Teoria Hipodérmica da Mídia
>>> Os prédios mais feios de SP
>>> Fup, de Jim Dodge
>>> Harry Potter e eu
Mais Recentes
>>> História da Civilização Ocidental Vol 2 de Edward Mcnall Burns pela Globo
>>> As Vidas de Chico Xavier de Marcel Souto Maior pela Planeta (2003)
>>> História da Civilização Ocidental Vol 1 de Edward Mcnall Burns pela Globo
>>> COLONOS DO VINHO de JOSÉ VICENTE TAVARES DOS SANTOS pela HUCITEC (1984)
>>> Minas Colonial de Publicação Especial Casa & Jardim pela Efecê Editora S.A.
>>> AS LUTAS DO POVO BRASILEIRO DO DESCOBRIMENTO A CANUDOS de JÚLIO JOSÉ CHIAVENATO pela Moderna (1996)
>>> A única Esperança de Alejandro Bullon pela CPB Didáticos (2013)
>>> Exploração Submarina - Coleção Prisma Vol 9 de Ken Roscoe pela USP
>>> Os Pensadores - Rousseau de Jean-jacques Rousseau pela Nova Cultura
>>> Os Pensadores - Montesquieu de Montesquieu pela Abril
>>> OS PENSADORES de PLATÃO pela NOVA CULTURAL (1991)
>>> Deus não Joga Dados de Henri Laborit pela Trajetória Cultural
>>> RAÍZES DO OCULTO de HENRY STEEL OLCOTT pela Ibrasa SA (1983)
>>> OS FENÔMENOS PARANORMAIS DE THOMAS GREEN MORTON de MÁRIO AMARAL MACHADO pela EDIOURO
>>> O GRANDE LIVRO DO HORÓSCOPO de ANDRÉ BARBAULT pela Três (1984)
>>> GUIA PRÁTICO DE ASTROLOGIA de BEL-ADAR pela Circulo do Livro S A
>>> Tarot dos Anjos de Mônica Buonfiglio pela Oficina Cult Mônica Buonfiglio (2000)
>>> O evangelho de Judas de Marvin Meyer; Gregor Wurst; Rodolphe Kasser pela Ediouro (2006)
>>> A CURA ATRAVÉS DE VIDAS PASSADAS de BRIAN L. WEISS pela SALAMANDRA (1996)
>>> O DOCE BRASILEIRO de NESTLÉ pela NESTLÉ (1990)
>>> MANUAL DE ORIENTAÇÃO ALIMENTAR E RECEITAS de SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO pela SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO (1985)
>>> COZINHA DE A A Z - VOL 1 de VICTOR CIVITA pela Abril (1972)
>>> Melhor do Rock Brasil 2 de Luciano Alves - Silvio Essinger pela Irmãos Vitale (2002)
>>> COLEÇÃO BOM APETITE - VOL 12 de VICTOR CIVITA pela Abril (1971)
>>> COLEÇÃO BOM APETITE - VOL 11 de VICTOR CIVITA pela Abril (1971)
>>> COLEÇÃO BOM APETITE - VOL 10 de VICTOR CIVITA pela Abril (1971)
>>> COLEÇÃO BOM APETITE - VOL 09 de VICTOR CIVITA pela Abril (1971)
>>> COLEÇÃO BOM APETITE - VOL 08 de VICTOR CIVITA pela Abril (1971)
>>> COLEÇÃO BOM APETITE - VOL 07 de VICTOR CIVITA pela Abril (1971)
>>> COLEÇÃO BOM APETITE - VOL 06 de VICTOR CIVITA pela Abril (1971)
>>> COLEÇÃO BOM APETITE - VOL 05 de VICTOR CIVITA pela Abril (1971)
>>> COLEÇÃO BOM APETITE - VOL 04 de VICTOR CIVITA pela Abril (1971)
>>> Melhor do Rock Brasil 1 de Luciano Alves - Silvio Essinger pela Irmãos Vitale (2001)
>>> COLEÇÃO BOM APETITE - VOL 03 de VICTOR CIVITA pela Abril (1971)
>>> COLEÇÃO BOM APETITE - VOL 02 de VICTOR CIVITA pela Abril (1971)
>>> COLEÇÃO BOM APETITE - VOL 01 de VICTOR CIVITA pela Abril (1971)
>>> Os Meninos Morenos - Infanto Juvenil de Ziraldo pela Melhoramentos (2005)
>>> As Ervas do Sítio de Rosy L. Bornhausen pela Editora M A S
>>> Uma vida entre três cachorros de Abigail Thomas pela Planeta (2007)
>>> APRENDA A FAZER QUEIJOS de Editora Três pela Três (1986)
>>> APRENDA A FAZER PÃO de Editora Três pela Três (1986)
>>> APRENDA A FAZER EMBUTIDOS de Editora Três pela Três (1986)
>>> De gênio e louco todo mundo tem um pouco de Augusto Cury pela Academia (2010)
>>> A COZINHA BRASILEIRA de Circulo do Livro S A pela Circulo do Livro S A
>>> A culpa é das estrelas de John Green pela Intrínseca (2012)
>>> 50 PRATOS DELICIOSOS de Editora Três pela Três
>>> VEJA 25 ANOS - Reflexões para o Futuro de Editora Abril pela Abril
>>> Movida pela ambição de Eliana Machado Coelho pela Lúmen Editorial (2012)
>>> PSICOLOGIA DOS GESTOS DAS MÃOS de SÍLVIO MARONE pela EDITORA MESTRE JOU (1967)
>>> O Meio são as Massagens de Marshall Mcluhan Quentin Fiore pela Record
COLUNAS

Segunda-feira, 8/10/2012
A Virada, de Stephen Greenblatt
Ricardo de Mattos

+ de 4900 Acessos


Titus Lucretius

"Passar dos fantasmas da fé para os espectros da razão é somente ser mudado de cela" (Fernando Pessoa).

Durante o período olímpico tivemos oportunidade de aprofundar-nos a respeito de disputa tão antiga quanto os próprios jogos, ou mais. Trata-se do velho embate entre imanentismo e transcendentalismo que torna à pauta em virtude do reforço dos movimentos laico e ateu. Por imanentismo compreendemos a concepção de que tudo o que existe encontra-se limitado ao mundo físico e regido pelas leis naturais. Por transcendentalismo, a concepção de que o mundo físico é a parcela de algo maior, regido por leis naturais elaboradas por uma inteligência superior. O imanentismo pretende trazer para suas bases o pensamento filosófico e o científico e escuda-se no materialismo, tanto aquele baseado nos fatos do mundo quanto o promissório. O transcendentalismo lida, sobretudo, com a religião. Mais com a religião que com o espiritualismo, lamentamos observar. Em meio aos dois extremos, a massa cinzenta de pessoas de existência indefinida vagando desprovida de sentido.

O imanentismo encontra sua sedução no que de concreto apresenta às pessoas. "Veja esta semente", diz, "colocando-a no solo e irrigando-a, depois de realizados tais e quais processos, nascerá uma planta". A semente é plantada, o tempo passa, os processos se realizam e a planta surge. "Esta é a vida e não espere nada além disso", concluem vitoriosos seus adeptos. A seu turno, os que se julgam donos de visão mais ampla fazem promessas vagas de outro local que eles mesmos não sabem nem definir nem descrever. Recorrem à Fé pela Fé, o que a cega e enfraquece. Não conseguem compreender a Fé como um ponto ao qual se dirige o espírito em sua evolução: ontem uma promessa, hoje um fato. Por isso nossa adesão a Kardec e à Doutrina por ele codificada, na qual se privilegia a Fé raciocinada. Creia; contudo, verifique continuamente quais as bases de sua crença.

No tempo em que predominam o consumismo, a ignorância calculada, a busca desenfreada pelo prazer e a esquiva total da responsabilidade, não é difícil verificar qual competidor está em vantagem. Si os imanentistas satisfazem o intelecto com respostas adequadas ao atual estado do conhecimento humano, em longo prazo não saciam sede humana de afeto e de sentido. Desprovidos de melhores respostas, tornam-se tão apelativos quanto os próprios religiosos que criticam. Si os religiosos transformam a obra divina numa fuzarca da qual se quer distância e não convivência, a se turno alguns descrentes encaram os mais legítimos sentimentos meramente como instintos. Todos olham para todas as direções, menos para cima. Entretanto, ainda que de forma capenga, o Amor ainda é um trunfo dos transcendentalistas.

Aceite quem quiser: há autor espiritual contemporâneo - Inácio Ferreira - observando que no grande plano da Natureza é difícil afirmar categoricamente onde termina o mundo físico e onde começa o que se convencionou chamar "plano espiritual" - ou extrafísico, ou outra dimensão, etc. Desenvolvemos nossa existência naquela parcela da Natureza que acessamos mediante cinco portas, e esta parcela não sofre uma solução de continuidade quando o instrumento do qual nos utilizamos perde suas forças e desfaz-se. Daí a possibilidade de mútua interferência. Há, portanto, A Natureza, algo muito maior e mais abrangente do que querem uns e outros, e quem consegue vislumbrar isto não se conforma mais com qualquer tipo de reducionismo, seja de ordem pretensamente filosófica ou científica, seja de ordem pretensamente religiosa. Há harmonia na Natureza e há uma Inteligência que a rege.

A impressão que nos ficou da leitura d'A Virada, do celebrado estudioso norte-americano Stephen Greenblatt é a de que imanentistas querem definir seus profetas e livros sagrados. Os cristãos têm a Bíblia Sagrada, os cristãos espíritas O Livro dos Espíritos - embora não o leiam -, os fiéis muçulmanos o Corão, os hindus os Vedas e o Baghavad Gita, etc. Caso os imanentistas endossem a tese de Greenblatt, encontrarão no poeta romano Lucretius, e em seu poema De rerum natura os fundamentos de suas ideias. Logo, clero e ritos. Não fazemos aqui qualquer crítica às manifestações da descrença, mas reparamos na sutileza dos fatos, ao notarmos que o crítico, e uma forma ou outra, acaba por adotar as práticas do criticado.


Poggio Bracciolini

O que temos a respeito de Lucretius? Seus dados biográficos, além de reconhecidamente escassos, têm sua origem e exatidão questionadas por Greenblatt. Quem forneceu para a posteridade algumas linhas sobre o poeta foi Jerônimo - depois São Jerônimo -, erudito responsável pela tradução mais fiel dos textos bíblicos para o latim. Segundo este, Lucretius teria nascido em 94 A.C. e "depois que uma poção do amor o deixou louco, e ele escreveu, nos intervalos de sua insanidade, diversos livros que Cícero revisou, ele se matou por suas próprias mãos no quadragésimo quarto ano de sua vida". É tudo. Deixou um longo poema intitulado Da Natureza das Coisas - De Natura Rerum - que não é obra inaugural, mas pode ser compreendido como a síntese latina do pensamento do filósofo Epicuro de Samos. Possuímos um livro que traz fragmentos da obra do filósofo e o poema lucreciano completo. A tradução em prosa é do filosofo português Agostinho Silva e receamos que seja a única disponível no idioma e no mercado.

A Virada é um livro cuja leitura flui prazerosamente. Greenblatt faz um amplo painel da cultura latina e medieval. Investiga as bases do pensamento grego, latino e cristão, apontando onde há contradição e em que aspectos uma corrente desenvolvia suas ideias dialogando com as escolas anteriores. Contudo, em certos aspectos é tendencioso ou mesmo exagerado. Acerca do poema, o autor afirma: "...o poema de Lucrécio restaurou os átomos em seu contexto perdido, e as implicações - para a moralidade, a política, a ética e a teologia - eram perturbadoras". Antes, Greenblatt já havia dito: "Ao contrário da gigantesca cúpula de Brunelleschi, o maior domo construído desde a Antiguidade clássica, o grande poema de Lucrécio não se ergue contra o céu. Mas sua recuperação mudou para sempre a paisagem do mundo".

Em todo o oitavo capítulo da obra, Greenblatt aponta conclusões que acredita derivadas do poema: tudo é composto de partículas invisíveis, as partículas elementares da matéria são eternas, o Universo não tem um criador ou projetista, a alma morre, não há vida após a morte, etc. Aqui notamo-lo tendencioso e até reducionista, pois a aceitação da composição atômica da matéria não elenca o indivíduo, só por isso, entre ateus. Alguns alegarão uma inconciliável contradição entre o pensamento filosófico e o ensinamento bíblico. Neste caso, a discussão fica limitada aos fundamentalistas de ambos os partidos.

O fato é que o poema de Lucretius passou séculos perdido em bibliotecas monásticas. Esquecido e desconhecido. Foi localizado no século XV pelo humanista italiano e secretário papal Poggio Bracciolini, curiosa figura que Greenblatt nos apresenta. Estudioso esmerado das obras da antiguidade clássica, Poggio pôde ter acesso a diversas bibliotecas de seu tempo e sabia o que procurar nelas. Descoberto um livro excepcional, o florentino punha-se a copiá-lo à mão, ou pagava quem o fizesse. A Virada trata de uma época em que a imprensa ainda estava por chegar.

Stephen Greenblatt é considerado o pai do novo historicismo, linha de estudos que, em síntese, debruça-se na verificação do contexto de produção de uma obra, nas influências sofridas pelo autor e nas relações entre literatura e vida pessoal. Isto justifica a longa digressão que ele fez n'A Virada, partindo do mundo contemporâneo de Lucretius e chegando ao século de Poggio. No que se refere ao conteúdo desta digressão, a certa altura, perguntamo-nos si o objetivo da obra era tratar do poema ou expor as mazelas da Igreja Católica, instituição que ocupa mais espaço que o dedicado a Lucretius e Poggio juntos.


Sully de Prudhomme

Outro ponto que julgamos digno de nota: Greenblatt indica diversas personalidades como adeptas do pensamento derivado da obra de Lucretius, e atribui a conjecturas o status de confirmação. Para ele, Montaigne, Shakespeare e Thomas Jefferson seriam propagadores das ideias contidas em Da Natureza das Coisas. Verificando seus argumentos, contudo notamos que a certeza pretendida não é assim tão presente. No que diz respeito a Shakespeare, Greenblatt escreve: "Fosse como fosse, ele deve ter conhecido pessoalmente John Florio, amigo e Bruno, e pode também ter discutido Lucrécio com seu colega, o dramaturgo Ben Jonson..." (grifamos). Quanto a Montaigne, Greenblatt limita a amplidão de seu pensamento, enxergando entre o filosofo francês e o poeta latino "uma afinidade que vai além de qualquer passagem em particular". Por menos que isso, muita gente boa já foi acusada de superficial. Já o poeta francês Sully de Prudhomme, primeiro ganhador do prêmio Nobel de literatura, discípulo declarado do estilo e do pensamento de Lucretius mas muito menos vistoso, sequer é mencionado.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 8/10/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tricordiano, o futebol é cardíaco de Luís Fernando Amâncio
02. A metade da vida de Guilherme Pontes Coelho
03. As feéricas colagens de G.Comini de Eugenia Zerbini
04. Tempo de nebulosas de Elisa Andrade Buzzo
05. Coro dos Maus Alunos de Duanne Ribeiro


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2012
01. A ilha do Dr Moreau, de H. G. Wells - 12/3/2012
02. Aborto - 2/4/2012
03. Freud segundo Zweig - 25/6/2012
04. Deus: uma invenção?, de René Girard - 6/2/2012
05. A Virada, de Stephen Greenblatt - 8/10/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CIDADE EM PEQUENOS PASSOS
MICHEL L DUC E NATHALIE TORDJMAN
CIA EDIT NACIONAL
(2006)
R$ 10,00



O TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
CHARLES BERLITZ
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 10,00



MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS
MANUEL ANTÔNIO DE ALMEIDA
L&PM EDITORES
(1997)
R$ 10,00



O AMOR ME TROUXE DE VOLTA - HISTÓRIAS EMOCIONANTES SOBRE REENCARNAÇÃO EM FAMILIA
CAROL BOWMAN
SEXTANTE
(2010)
R$ 10,00



ESPERANÇA
INÊS STANISIERE
GMT
(2009)
R$ 10,00



ADELE
CHAS NEWKEY-BURDEN
LEYA
(2012)
R$ 10,00



VICENT VAN GOGH
NÃO INFORMADO
GRAPHIQUE DE FRANCE
(2006)
R$ 10,00



SUPERINTERESSANTE 17 CONSELHOS PARA NÃO SEGUIR EM 2013
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2013)
R$ 10,00



O SÉCULO XIX AS CIVILIZAÇÕES NÃO EUROPÉIAS O LIMIAR DO SÉCULO XX
ROBERT SCHNERB - 3480
DIFUSÃO EUROPÉIA DO LIVRO
(1958)
R$ 10,00



TERRA DA PROMISSÃO
ANDRÉ MAUROIS
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 10,00





busca | avançada
75735 visitas/dia
2,4 milhões/mês