Das Virtudes do Papa e dos Vícios de Crumb | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
>>> Debate Democrata na CNN
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> Bhagavad Gita de Krishna pela Martin Claret (2005)
>>> Cyrano de Bergerac (capa dura) de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2002)
>>> A arte de amar de Ovídio pela L&PM Pocket (2010)
>>> A Única Coisa de Gary Keller; Jay Papasan pela Novo Século (2014)
>>> Prestígio e Personalidade de Lewis Victor pela Ediouro
>>> Maze Runner: Ordem de Extermínio de James Dashner pela V&R (2013)
>>> A Semente da Vitória de Nuno Cobra pela Senac (2002)
>>> Maze Runner: A Cura Mortal de James Dashner pela V&R (2012)
>>> Maze Runner: Prova de Fogo de James Dashner pela V&R (2011)
>>> Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> Maze Runner: Correr ou Morrer de James Dashner pela V&R (2010)
>>> O Livro dos 5 Anéis de Miyamoto Musashi pela Madras (2005)
>>> A Resposta do Mar de Rubens Paulo Gonçalves pela Alegro (2000)
>>> Como Planejar Sua Vida! de Dernizo Pagnoncelli pela Publit (2014)
>>> Fantasmas de Antonio Carlos Neves pela Saraiva (2006)
>>> Mal-Entendido em Moscou de Simone de Beauvoir pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> 40 Dias de Amor - Princípios de Relacionamento de Jesus de Tom Holladay pela Vida (2017)
>>> A Caçadora de Bruxos - Magia. Traição. Sacrifício. de Virginia Boecker pela Record (2016)
>>> Noite de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> Maldosas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2010)
>>> Exercícios de Matemática - Revisão do Ensino Fundamental - Volume 1 de Álvaro Zimmermann Aranha; Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo (1994)
>>> Anjos Caidos e as Origens do Mal de Elizabethe Prophet pela Nova Era (2002)
>>> Ozônio: Aliado e Inimigo de Vera Lucia Duarte de Novais pela Scipione (2006)
>>> A Ultima Carta de Amor de Jojo Moyes pela Intrínseca (2016)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1993)
COLUNAS

Segunda-feira, 11/4/2005
Das Virtudes do Papa e dos Vícios de Crumb
Andréa Trompczynski

+ de 5000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Ninguém é mais pop que o Papa. Jesus Cristo ou os Beatles não foram tão famosos, nem arrastaram milhões de pessoas em funerais fantásticos como este que estamos vendo. Penso no corpo deteriorando em dias e dias levado daqui para lá. Tantos católicos! Nunca se soube que eram tantos. Presidentes e governantes de joelhos, o povo atropela-se e sacrifica horas sem fim nas filas, o Vaticano em polvorosa pelo Papa que virá. Como nos velórios do interior em que o defunto transforma-se em santo, o papa transformou-se no próprio redentor da humanidade, um Cristo de corpo morto, sem possibilidade de ressurreição. Que venha o próximo, precisamos de deuses.

Um dos requisitos para o candidato é a intimidade com a mídia. O futuro papa deve ter carisma e estar antenado com as novidades da comunicação global. Talvez ter um blog. Com o Cristo crucificado ao fundo e posts em prol da tolerância. Mas, isto é o de menos. Importantíssimo para chegar a Papa é ser um manancial de virtudes.

(A exibição das virtudes humanas nos jornais e tevês tem-me estapeado nos últimos dias, estão em todos os cantos, gritando sua pureza em detrimento de meus defeitos.)

Perdoem-me as senhoras católicas, aliás, creio que a partir de hoje pedirei a elas perdão em todas as minhas colunas, mas não vejo diferença entre essa agitação em volta do Papa e de uma santa celebridade criada pela mídia, como o Jean Willys do Big Brother Brasil. Um cordeiro sacrificado, exposto, como símbolo da bem-aventurança, da moral e da bondade. Constrói-se um destes com técnicas publicitárias: o apresentador do telejornal muda discretamente o tom de voz, transita entre o "também sou humano e estou quase chorando" e o "há pessoas boas no mundo, vejam, amigos, que exemplo". Um filminho conta vida e as dificuldades passadas. A difícil época da faculdade ao som de "Coração de Estudante", ou seu similar em italiano, inglês ou polonês. Nós, em casa, sentimos um reconforto, como se houvesse ainda alguma esperança para o mundo cão. Pessoas boas nos emocionam, confesso que no dia da morte do Papa, tive por instantes os olhos rasos d'água. A mesma reação que tive quando Jean ganhou o Big Brother, meu conhecido e vergonhosamente assumido programa de televisão predileto, exatamente a mesma.

Esgotado, cansado, doente, numa das últimas aparições na janela do hospital, temi que um dos acessores fosse levantar santa mão papal por algum fio invisível para que ele abençoasse a multidão. Como temi que Jean Willys fosse dizer em alto e bom som "quero voltar a ser mortal!" quando, forçado pelo contrato com a Globo, com olhos submissos, sem encarar a câmera, precisou fazer uma cena ridícula no programa Casseta e Planeta. Deve ser duro ser um exemplo para a humanidade. Deve cansar um homem. Convém lembrar: Karol Wojtyla era um homem.

Um dia, oferecerei meu corpo em sacrifício, como exemplo para a humanidade. Nem sequer peço um palácio no Vaticano para morar, que aqueles me parecem gelados. Dêem-me um bom homem de marketing, o William Bonner com a voz embargada e um belo fundo musical. Mostrarão meu negro passado com drogas, outras lutas internas, meu presente como mãe dedicada e amorosa. Nas televisões, as cenas de minha vida em que perdoei meus inimigos, intercaladas com as do Papa perdoando o atirador e o Jean Willys perdoando Sammy. As pessoas todas, sem mais ídolos, me amariam.

Eu não iria tão longe quanto o Papa, admiro-o pela persistência. Abaixaria os olhos, sim, como o Jean, quando perguntado "como se sentia em ser um exemplo para o Brasil e um orgulho para sua mãe". Abaixaria meus olhos, envergonhada de minha virtude.

Lar, doce lar
"E agora, deixa-me mostrar, por meio de uma comparação, até que ponto nossa natureza humana vive banhada em luz ou mergulhada em sombras. Vê! Seres humanos vivendo em um abrigo subterrâneo, uma caverna, cuja boca se abre para a luz, que a atinge em toda a extensão. Aí sempre viveram, desde crianças, tendo as pernas e o pescoço acorrentados, de modo que não podem mover-se, e apenas vêem o que está à sua frente, uma vez que as correntes os impedem de virar a cabeça.

Acima e por trás deles, um fogo arde a certa distância e, entre o fogo e os prisioneiros, a uma altura mais elevada, passa um caminho. Se olhares bem, verás uma parede baixa que se ergue ao longo desse caminho, como se fosse um anteparo que os animadores de marionetes usam para esconder-se enquanto exibem os bonecos.

[...] Pois esses seres são como nós. Vêem apenas suas próprias sombras, ou as sombras uns dos outros, que o fogo projeta na parede que lhes fica à frente."

(Platão, República, Livro 7)

(Tateio na escuridão, encontro o elo quebrado. Está da mesma maneira que o deixei. E a pedra afiada que havia usado para quebrar a corrente, uso para abrir um novo elo e prender-me novamente. Nada parece ter mudado, eles continuam assistindo ao teatro das sombras na parede, um pouco anestesiados. Alguns babam. Ajeito a coluna na pedra úmida, estive com saudades daqui. Nada encontrei de diverso entre o teatro das sombras e o mundo das idéias. Na verdade, prefiro as sombras. Dá menos trabalho: é só sentar e assistir.)

- E aí, como foi?

Era Robert Crumb, que também tinha voltado.

- Tá pior, Crumb, agora só há gente virtuosa.
- Triste. E a música?
- Foi-se.
- Agora eles dançam aquelas coisas.
- Chamam a si mesmos de "cena musical". E a você de "ícone da contra-cultura".

- Damn it! E o Bruce Springsteen, morreu?
- Nada. Até se multiplicou. Em George Michael, Lenny Kravitz, Felipe Dylon.
- Quem é Felipe Dylon?
- Deixa pra lá, Crumb... Trouxe o banjo?
- Yeah.

Ele toca Howlin' Wolf, "Driving this Highway", choramos.

Rec, rec, rec.

- Ei, Crumb, você despertou um, parece que está tentando soltar a corrente.
- Deixa.
- Coitado. Tá indo lá pra fora.
- Ótimo. Estou precisando mesmo de uma corrente extra, nos pés. Sabe como é, melhor prevenir...

Blues, de Robert Crumb
Crumb é impaciente e imoral. Odeia com fervor a dança e a música pop. O crítico mais ácido da América faz em Blues a definitiva homenagem à velha música negra norte-americana. Os malditos bluesmen que fizeram pactos com o demônio nas encruzilhadas, um homem negro e alto que afinava os instrumentos como ninguém, ressuscitam sua vida viciada no traço sujo de Crumb. Charley Patton, beberrão e violento, morre anônimo e ouvindo a voz da morte em delírios. Mas deixa a melhor música do mundo para os bons. A edição da Conrad é perfeita: cores, papel e cheiro que me fizeram fazer uma prece de agradecimento. Não às virtudes de algum Papa, nem à moral inatacável de Jean Willys. À Crumb, o infernal Crumb.

Para ir além






Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 11/4/2005


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2005
01. A Auto-desajuda de Nietzsche - 13/10/2005
02. Há vida inteligente fora da internet? - 9/6/2005
03. O lado louco de Proust - 22/9/2005
04. Se o Lula falasse inglês... - 28/7/2005
05. Deus está morto: Severino para presidente - 14/3/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/4/2005
12h54min
Olá, Andréa! Estou aqui com meus 44 papagaios cantando "a benção... João de Deus". Suas vozes esganiçadas certificam-me do encantado e católico manto que envolve o mundo por ora. Depois será outra coisa, outro manto ou mantra. E não é que o Ronaldo fez gol no clássico? O filho dele será um tributo. Nada mais perfeito e eu estou cansado disso tudo. Clarice está fazendo 15 anos e continua cortando-se com seu pequeno canivete. Poderia ser muito mais, muito mais... talvez ela se conforme enfim e até espere com ansiedade pelas estréias da TV brasileira. Mas o cigarro apagou e acabou a cerveja. Ninguém esperava que o CD estivesse riscado e a festa teve de parar até encontrarem outro CD legal. Um pouco de falta de originalidade... sempre os mesmos ídolos, o mesmo espetáculo, o CD remasterizado e algum remix... céus, quero meu inferno!!! Desligo a TV no meio do último capítulo da novela. Talvez eu vá ler Crumb ou outro que me agrade. Beijão! Até a próxima! Meus papagaios mandaram avisar que hoje tem festa no meu apê... (urgh...)
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
14/4/2005
15h40min
Andréa, foi a mais perfeita análise sobre João Paulo 2º que li neste período. P-A-R-A-B-É-N-S ! A você e ao Digestivo Cultural.
[Leia outros Comentários de Fernando Lyra]
19/4/2005
10h33min
Que alívio! Se não houvesse outra utilidade (ôps, olha o utilitarismo consequencialista aí, gente!) para o Digest, eu já estaria muito feliz por perceber que não sou o único que já está farto de ver os noticiários do mundo todo perdendo tempo com o besteirol do Vaticano. Obrigado Andréa, Alessandro e Fernando por compartilharem da fumacinha - negra - que está saindo... da minha cabeça, para não falar coisa pior.
[Leia outros Comentários de Marcelo Zanzotti]
23/4/2005
08h16min
Sei que causa escândalo dizer isso, ao menos por aqui, mas Jesus também era um homem (filho de Deus, como todos nós, segundo ele próprio)... A única diferença é que acho que ele sempre pregou que seguissem suas palavras e não sua imagem... Mas como sempre, este é um espinheiro em que eu não me meto :).
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pequenas Piadas Grandes Negocios
Renato Rodrigues
Gênero
(2000)



Achieve - Volume Único -
Varios
Oxford
(2018)



Sonetos Típicos da Bahia de Outrora
Silva Dutra
Egba
(1997)



Novos Espaços Democráticos Vol 1
Antonio Gutiérrez Vegara e Outros
Perseu Abramo
(2003)



Hot Pusuit
Karen Van Der Zee
Harlequin
(1988)



A Ilha do Tesouro
Robert Louis Stevenson; Robert Louis Stevenson
Ibep Nacional
(2004)



Auto da Barca do Inferno
Gil Vicente
Núcleo
(2003)



Ai!!
Natalie Babbitt
Companhia das Letrinhas
(2001)



Renda Básica de Cidadania
Yannick Vanderborght
civilização brasileira
(2006)



Moderna Plus Literatura - Caderno do Estudante Parte 3 - 10ª Ed
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês