Fechado para balanço, a poesia de André Luiz Pinto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pousada e Recanto dos Pássaros – Sítio Vô Elias Maffei
>>> Coreógrafa carioca Esther Weitzman ministra oficina gratuita de dança no Sesc Santana
>>> Caleidos apresenta “Entrevista” para gestores e professores da rede pública de São Paulo
>>> É HOJE (30/9): Mostra Imaginários no Cine Bijou
>>> Etapa apresenta concerto gratuito da Camerata Fukuda com o violinista Ricardo Herz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 50 anos de Bossa Nova
>>> O humor da Belle Époque
>>> 24 de Março #digestivo10anos
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Kindle DX salvando os jornais?
>>> A Casa de Ramos
>>> Reconhecimento
>>> A hora exata em que me faltaram as palavras
>>> Salão do Livro para crianças
Mais Recentes
>>> Os Pensadores- Vida e Obra (1694-1778) de Voltaire pela Abril (1978)
>>> Iluminando o Morrer de Júlio de Queiroz pela Insular (2007)
>>> Marketing sem Pena - Só Quem Anuncia Vende Dúzias de Antonio Trotta pela Gutenberg (2004)
>>> Diogo & Diana - a Trilha da Lua Cheia de Tabajara Ruas e Nei Duclós pela Galera Record (2011)
>>> Marketing For Hospitality and Tourism de Philip Kotler John Bowen James Makens pela Prentice Hall (1999)
>>> A Força da Mente de Heigorina Cunha pela Instituto de Difusão Espírita (2006)
>>> Coração Estranho de Jakson Luiz Collaço pela Do Autor (2006)
>>> Meus Filhos - 14ª Edição de A Balbach pela Edel
>>> Os Gaúchos e o Churrasco, uma Jornada ao Redor do Fogo de Ricardo Bueno pela Quattro (2018)
>>> Rifare La Casa a Trem Po Di Record , Le Case Disegnate Dal Clima de Varios Autores pela Do Autor (1977)
>>> Tia Magi Ensina o Abracadabra de Terence Blacker pela Melhoramentos (1998)
>>> Análise de Projetos de Investimento de Paulo Henrique Soto Costa Ediardo Vieira Attie pela Fundação Getúlio Vargas (1984)
>>> O Escravismo Antigo de Mario José Mastri Filho pela Atual (1985)
>>> Intimidades: Em Busca do Amor-perfeito de Rita Fedon pela Imprensa Livre (2006)
>>> Calentura de Paulo Aberto e Monteiro de Barros pela Nova Fronteira (1986)
>>> Medicina e Manipulação de Bernhard Haering pela Paulinas (1977)
>>> Exercise Electrocardiography de Edward K. Chung pela Williams & Wilkins (1984)
>>> Vi Simpósio Latinoamericano de Aquicultura de Associação Latinoamericana de Aquicultura pela Abraq (1988)
>>> Antibióticos na Prática Médica de Amato Neto e Outros pela Gremed (1978)
>>> O Policial Militar e o Estatuto da Criança e do Adolescente de Silva Dejai Pinto Coordenação pela Ioesc
>>> Política Cultural - Série Tempo de Pensar de Marilena Chauí e Outros pela Mercado Aberto (1984)
>>> Psicologia Geral - Elementos de Psicologia de Abel B Pereira pela Do Autor
>>> A Literatura Brasileira no Século XX - Série Revisão 13 de José Hildebrando Dacanal pela Mercado Aberto (1984)
>>> A Economia da Transformação de Carlos Geraldo Langoni pela Bibliex (1976)
>>> Orientação Alimentar do Lactente de Orlando a Monassa pela Ufpr (1984)
COLUNAS

Terça-feira, 8/2/2022
Fechado para balanço, a poesia de André Luiz Pinto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3400 Acessos



O poeta André Luiz Pinto acaba de reunir em um livro uma centena de seus poemas. Trata-se de Balanço: poemas reunidos (1990-2020), publicado pela editora paulista Patuá. O livro ainda traz, para uma avaliação da poesia de André Luiz, excelente prefácio de Diana Junkes e um posfácio de fôlego de Alberto Pecheu.

Anteriormente publicados em livros que vão dos anos de 1990 a 2020, a organização dos poemas parte de uma perspectiva particular, que revela muito da forte persona poética de André Luiz. Ao contrário do que geralmente se faz, o poeta optou por fazer uma seleção de poemas que lhe parecem mais relevantes na sua trajetória e que podem ter importância pontual no presente.

Não se trata de uma amostragem simples do que cada livro trouxe de importante. O que se pode perceber nessa organização é que alguns temas centrais de sua poesia se reorganizam frente às questões do mundo atual (que pode ser também uma definição do que lhe é importante enquanto construção poética).

O livro é dividido em 13 seções. Sugestivo o número 13 nesse caso de uma reavaliação ou balanço de sua trajetória. A carta 13 do tarô é a carta da morte, mas no sentido positivo do fim de um ciclo, portanto, de uma mudança. Como uma espécie de autopsicanálise poética, passa-se a limpo questões muito diretamente ligadas ao EU existencial e social do poeta (o título da primeira série se chama “Pessoa”, não por acaso).

Não passa despercebido também a tensão ligada aos problemas da atividade da poesia. É sintomático que a questão apareça justamente na abertura, onde se lê: “Quando nos mudamos,/ meus pais fizeram/ de tudo/ para se livrar/ da mochila que levava meus poemas. // (...) Desde então,/ levo essa mochila comigo/ como um cachorro/ que me segue na rua.” Maculado pela poesia, sua desconfiança em relação à atividade poética é premente: “Tinha tudo/ para ser feliz (p. ex./ caminhoneiro)/ então preferiu fazer uso/ da palavra// : mágoa.”

Nessa reunião de poemas, por vezes enigmática (porque esse e não aquele poema entrou na reunião?), funcionando como uma espécie de “decifra-me ou devoro-te”, André Luiz parece refazer o trajeto existencial para si mesmo mediado pela tensão entre a realidade do mundo e as necessidades da linguagem.

O problema da relação entre sujeito e mundo se estabelece, nesse sentido, a partir da necessidade de construção de uma espécie de poema como “as dores do mundo” e que quer transferir para o leitor o resultado dessa ferida constante que incomoda aqui e ali, intermitentemente, por vezes em um ou mais versos dentro dos poemas.

A realidade insuportável deve ser tratada e retratada pela poesia. Mastigar a podridão do mundo, cuspi-la em seguida, pisoteando-a na sua incompreensão - e a carta 13 do tarô reaparece para justificar-: “O temido arcano da morte não decifra seus mortos.” O que clarifica o diálogo sempre difícil que o poeta tem com a tentativa de compreender o mundo: “O mundo girava sozinho na corda de um eixo/ invisível.”



Até que ponto a poesia pode dar conta de revelar esse “eixo invisível” é que complica a ideia de uma poesia social (no pior caso, que não é o de André Luiz, poesia sociológica). Por isso (talvez como autoconsciência da dificuldade em redimir o mundo com a poesia -essa é sua fragilidade e virtude) a descrença no sentido atual da poesia que pipoca várias vezes no livro, e em confluência com a denúncia social, como no caso seguinte: “A poesia/ não há/ de vingar. (...) A poesia será extinta./ Poetas a sepultarão./ Será eliminada como eliminado pela polícia/ favelado fujão.”

No fundo dessa intricada – e porque não, difícil - relação entre o real e a construção poética, ainda resta para o poeta a consciência de que o buraco da poesia é mais embaixo, ele sabe disso, apesar da dívida que tem com seus pares injustiçados pelo mundo:

Poemas não pedem para nascer.
Deslocam o ponteiro daquilo que funciona.
Cinco dedos são insuficientes
muito menos uma cabeça para pensar.
Para fazer um poema funcionar,
ausenta-se de todas as regras
bota o coração na ré.
É preciso ter fé de que nada vai dar certo
para escrever como
se fosse.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 8/2/2022


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2022
01. Gramática da reprodução sexual: uma crônica - 7/6/2022
02. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção - 15/2/2022
03. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas - 1/3/2022
04. O canteiro de poesia de Adriano Menezes - 31/5/2022
05. Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça - 26/4/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Férias na Draculândia
Carlos Queiroz Telles e Eneas Carlos Pereira
Ftd
(1991)



O Corpo Traído
Alexander Lowen
Summus Editorial
(1979)



Livro - A Linha de Sombra
Joseph Conrad
Biblioteca Folha
(2003)



Psicologia Nas Organizações/ 3ª Ed
Paul E. Spector
Saraiva
(2010)



Antigos e Modernos Diálogos Sobre a (Escrita da) História
Francisco Murari Pires
alameda
(2009)



Epistemologia das Ciências Hoje
Carlos Henrique Escobar
pallas
(1975)



Dominando Netbeans
Edson Gonçalves
Ciência Moderna
(2006)



Os Magnatas - Confira !!!
Charles R. Morris
L&pm Editores
(2006)



Gendarme
Mark T. Mustian
Record
(2011)



Anjos, Demônios e Espíritos
Francisco Cartaxo Rolim
vozes
(1998)





busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês