Fechado para balanço, a poesia de André Luiz Pinto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> A Ciência Médica de House de Andrew Holtz pela Best Seller (2008)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Cure Seu Corpo as Causas Mentais dos Males Físicos... de Louise L. Hay pela Best Seller (1988)
>>> Vinho Tinto para Leigos de Ed Maccarthy pela Mandarim (1998)
>>> Os Direitos Humanos na Sala de Aula - a Ética Como Tema Transversal de Ulisses F. Araújo e Júlio Groppa Aquino pela Moderna (2001)
>>> Radiologia Odontologica de Aguinaldo de Freitas e Outros pela Arte Medicas (1984)
>>> Infinity da Scorlatti de John Mcnally pela Irado (2014)
>>> Quero Viver de Fernando Carraro; Lima pela Ftd (2007)
>>> Vale a Pena Esperar de Tim Stafford pela Vida (1992)
>>> Além dos Marimbus de Herberto Sales pela Aché
>>> Conecte Matematica - 1 - Primeira Parte de Osvaldo Dolce; David Degenszajn; Nilze de Almeida pela Atual Didáticos (2014)
>>> Jack Sparrow - a Espada de Cortés Vol 4 de Rob Kidd pela Melhoramentos (2007)
>>> Mwninas e Meninos de Domingos Pellegrini pela Ática (2011)
>>> Out of This Century: Confessions of An Art Addict de Peggy Guggenheim pela Anchor Books (1980)
>>> Padre Germano- Memórias de Amalia Domingo Soler; Germano; Eudaldo Pages pela Instituto Lachatre (2011)
>>> Reflexoes politica-poeticas de Jose Olinto pela marx (2000)
>>> As Mil e uma Noites - as Paixões Viajantes de Rene Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> Infância de Graciliano Ramos pela Folha de São Paulo (2008)
>>> Shanghai Girls de Lisa See pela Random House (2010)
>>> Larousse Ortografia de Reglas y 4ejercicios pela Larousse (1996)
>>> O Colecionador de Crespúsculos de Anna Maria cascudo Barreto pela Do Autor (2003)
>>> Law of Attraction de Allison Leotta pela Touchstone Books (2010)
>>> Truques, Trotes, Brincadeiras de Robert Nyberg; Lasse Rade pela Callis (1996)
>>> Sociedade dos Pais Mortos de Matt Haig pela Record (2011)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável (em Portuguese do Brasil) de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 8/2/2022
Fechado para balanço, a poesia de André Luiz Pinto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2200 Acessos



O poeta André Luiz Pinto acaba de reunir em um livro uma centena de seus poemas. Trata-se de Balanço: poemas reunidos (1990-2020), publicado pela editora paulista Patuá. O livro ainda traz, para uma avaliação da poesia de André Luiz, excelente prefácio de Diana Junkes e um posfácio de fôlego de Alberto Pecheu.

Anteriormente publicados em livros que vão dos anos de 1990 a 2020, a organização dos poemas parte de uma perspectiva particular, que revela muito da forte persona poética de André Luiz. Ao contrário do que geralmente se faz, o poeta optou por fazer uma seleção de poemas que lhe parecem mais relevantes na sua trajetória e que podem ter importância pontual no presente.

Não se trata de uma amostragem simples do que cada livro trouxe de importante. O que se pode perceber nessa organização é que alguns temas centrais de sua poesia se reorganizam frente às questões do mundo atual (que pode ser também uma definição do que lhe é importante enquanto construção poética).

O livro é dividido em 13 seções. Sugestivo o número 13 nesse caso de uma reavaliação ou balanço de sua trajetória. A carta 13 do tarô é a carta da morte, mas no sentido positivo do fim de um ciclo, portanto, de uma mudança. Como uma espécie de autopsicanálise poética, passa-se a limpo questões muito diretamente ligadas ao EU existencial e social do poeta (o título da primeira série se chama “Pessoa”, não por acaso).

Não passa despercebido também a tensão ligada aos problemas da atividade da poesia. É sintomático que a questão apareça justamente na abertura, onde se lê: “Quando nos mudamos,/ meus pais fizeram/ de tudo/ para se livrar/ da mochila que levava meus poemas. // (...) Desde então,/ levo essa mochila comigo/ como um cachorro/ que me segue na rua.” Maculado pela poesia, sua desconfiança em relação à atividade poética é premente: “Tinha tudo/ para ser feliz (p. ex./ caminhoneiro)/ então preferiu fazer uso/ da palavra// : mágoa.”

Nessa reunião de poemas, por vezes enigmática (porque esse e não aquele poema entrou na reunião?), funcionando como uma espécie de “decifra-me ou devoro-te”, André Luiz parece refazer o trajeto existencial para si mesmo mediado pela tensão entre a realidade do mundo e as necessidades da linguagem.

O problema da relação entre sujeito e mundo se estabelece, nesse sentido, a partir da necessidade de construção de uma espécie de poema como “as dores do mundo” e que quer transferir para o leitor o resultado dessa ferida constante que incomoda aqui e ali, intermitentemente, por vezes em um ou mais versos dentro dos poemas.

A realidade insuportável deve ser tratada e retratada pela poesia. Mastigar a podridão do mundo, cuspi-la em seguida, pisoteando-a na sua incompreensão - e a carta 13 do tarô reaparece para justificar-: “O temido arcano da morte não decifra seus mortos.” O que clarifica o diálogo sempre difícil que o poeta tem com a tentativa de compreender o mundo: “O mundo girava sozinho na corda de um eixo/ invisível.”



Até que ponto a poesia pode dar conta de revelar esse “eixo invisível” é que complica a ideia de uma poesia social (no pior caso, que não é o de André Luiz, poesia sociológica). Por isso (talvez como autoconsciência da dificuldade em redimir o mundo com a poesia -essa é sua fragilidade e virtude) a descrença no sentido atual da poesia que pipoca várias vezes no livro, e em confluência com a denúncia social, como no caso seguinte: “A poesia/ não há/ de vingar. (...) A poesia será extinta./ Poetas a sepultarão./ Será eliminada como eliminado pela polícia/ favelado fujão.”

No fundo dessa intricada – e porque não, difícil - relação entre o real e a construção poética, ainda resta para o poeta a consciência de que o buraco da poesia é mais embaixo, ele sabe disso, apesar da dívida que tem com seus pares injustiçados pelo mundo:

Poemas não pedem para nascer.
Deslocam o ponteiro daquilo que funciona.
Cinco dedos são insuficientes
muito menos uma cabeça para pensar.
Para fazer um poema funcionar,
ausenta-se de todas as regras
bota o coração na ré.
É preciso ter fé de que nada vai dar certo
para escrever como
se fosse.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 8/2/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eu, o insular Napumoceno de Renato Alessandro dos Santos
02. As luzes se apagam de Cassionei Niches Petry
03. A biografia possível de Marta Barcellos
04. Flores Azuis, de Carola Saavedra de Mariana Mendes
05. Twitter e as amebas de Rafael Fernandes


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2022
01. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção - 15/2/2022
02. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas - 1/3/2022
03. Sobre a literatura de Evando Nascimento - 8/3/2022
04. Fechado para balanço, a poesia de André Luiz Pinto - 8/2/2022
05. Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça - 26/4/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Para Gostar de Ler, Contos Brasileiros 2
Clarice Lispector; Outros
Atica
(2006)



O Segredo do Genesis
Tom Knox; Angela Pessoa
Suma de Letras Brasi
(2010)



O Gatinho Fofo Gueiro
Elaine de Prá
Paulinas
(2017)



Help! Sistema de Consulta Interativa - Língua Portuguesa
Estadão
Klick



Cândido Ou o Otimismo - Série Reencontro
Voltaire / José Arrabal
Scipione
(1991)



Nietzsche para Estressados
Allan Percy
Sextante
(2011)



O Livro de Jó - Saga O Turno da Noite Vol.3
Andre Vianco
Novo Seculo
(2007)



Tudo por um Feriado
Thalita Rebouças
Rocco
(2007)



Elis 1977
Folha de São Paulo
Folha de São Paulo



O Valor Terapêutico do Perdão
Francisco Cajazeiras
Eme
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês