Pensando a retomada do cinema brasileiro | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/1/2006
Pensando a retomada do cinema brasileiro
Marcelo Miranda

+ de 9000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Para compreender e apreciar o cinema, ver filmes é obviamente fundamental, mas não só isso. Ler livros sobre o assunto e estudar a história, a teoria e a análise fílmica são formas de se aprofundar no que de melhor os sons e imagens da tela grande podem nos proporcionar. Um espectador educado na arte que consome a aproveita muito mais e de formas variadas, intensas e estimulantes. Nesse sentido, acompanhar o que se pensa a respeito do cinema feito na contemporaneidade torna-se tarefa imprescindível e prazerosa quando se tem à disposição escritos de relevância. É o caso da atual publicação de livros que refletem sobre a chamada retomada do cinema brasileiro.

A retomada é historicamente demarcada pelo lançamento do longa-metragem Carlota Joaquina - Princesa do Brazil, de Carla Camurati, em 1995. Inicia um novo ciclo da nossa cinematografia, após o quase vazio da produção existente entre 1990, ano em que o presidente Fernando Collor acabou com a Embrafilme (empresa estatal que subsidiava os filmes no país), e a chegada deste primeiro projeto de Camurati. Ou seja, é um tempo ainda recente, quase em andamento e que oficialmente completou dez anos em 2005 - pretexto para uma interessante revisão em várias publicações a respeito.

A última e mais notória veio no final do ano passado: Cinema Brasileiro 1995-2005: Ensaios Sobre uma Década (Azougue Editorial, 351 páginas), editada pela revista eletrônica Contracampo e organizada pelo crítico Daniel Caetano. São diversos textos colocando literalmente na berlinda mitos acerca da retomada - ou "retomada", como preferem os redatores, já que eles consideram o termo questionável e simplista frente à maior das características do período: o uso das leis de incentivo fiscal para a realização dos filmes. Logo na abertura, em introdução assinada por Caetano junto a Eduardo Valente, Luís Alberto Rocha Melo e Luiz Carlos Oliveira Jr, decreta-se: "nestes dez anos (...) o cinema brasileiro não construiu uma cinematografia sólida. (...) Não delineou movimentos estéticos (...) mas vestiu a máscara ideológica de retomada. (...) Sem nome e sem rosto, assim se passaram estes dez anos da história do cinema brasileiro".

São afirmações sérias e categóricas, que o livro vai buscar analisar ao longo das suas mais de três centenas de páginas - e não apenas com os 15 ensaios que o título adianta, mas com 14 entrevistas de técnicos e realizadores ativos nesta fase mais recente de produção. Nomes de peso, como a produtora Sara Silveira, o fotógrafo Walter Carvalho e os cineastas Beto Brant, Carlos Reichenbach, Domingos Oliveira, Fernando Meirelles, Walter Salles e Jorge Furtado, falam de suas experiências e da inserção nesse novo mundo surgido na era pós-Collor. Já nos textos ensaísticos, há três subdivisões ("Temas e Gêneros", "Abordagens" e "Características Históricas"), reunindo baterias de artigos, e um momento de licença poética ("Crônicas"), formando grande, completo e controverso mosaico de pensamentos que ajudam o leitor cinéfilo a tentar compreender o que, afinal, foi essa retomada, sempre sob a ótica do enfrentamento assumida pela turma da Contracampo.

Igualmente crítico, mas menos ácido, Luiz Zanin Oricchio, que escreve no Estadão, lançou em 2003 Cinema de Novo: Um Balanço Crítico da Retomada (Estação Liberdade, 255 páginas), já considerado uma referência. Menos preocupado em defender tese, Zanin ambiciona radiografar as abordagens que o cinema brasileiro teve quanto à figura dos próprios cidadãos do país, através de recortes temáticos dos principais filmes do período. Assim, temos um texto que se aprofunda nos significados de determinadas produções e na forma como elas lidam com as narrativas e os personagens inseridos ali. Dá para entender melhor pelos capítulos moldados pelo autor: "A Representação da História", "Eu e o Outro", "A Esfera Privada", "A Esfera Pública", "O Sertão e a Favela", "A Arte da Violência" e "Classes em Choque" reúnem, cada um, análises de filmes específicos a serem pensados e comparados entre si. No fim, Zanin arrisca uma breve história da crítica no Brasil, colocando em evidência seu papel de enriquecedora da compreensão do cinema e suas engrenagens.

Se o livro da Contracampo ou o de Oricchio podem parecer voltados a iniciados, há outras duas boas opções mais introdutórias circulando. Cinema Brasileiro Hoje (Publifolha, 96 páginas), do crítico Pedro Butcher, é curto e possível de ser lido de um único fôlego. Resumindo os dez anos de retomada sem simplificar nada e passando pelos principais momentos da época, Butcher lança uma idéia fundamental para se entender o período: diferente de quando as telas nacionais foram sacudidas pela chanchada, pela indústria da Vera Cruz, pelo Cinema Novo e pelo Cinema Marginal, a retomada nunca pareceu ser um "movimento" propriamente dito, mas uma tentativa quase unicamente de levar o público para uma sala de exibição, ganhar dinheiro e garantir espaço. "O grande projeto da retomada, mais do que qualquer ambição artística, é reocupar seu próprio mercado", escreve o autor, matando a charada que tanto aflige produtores e público.

Afinal, é preciso entender que, apesar de ainda termos autores de verdade em atividade (Reichenbach, Oliveira, Bressane), o maior de todos os objetivos não é mais revolucionar linguagens ou demarcar ideologias, mas simplesmente comercializar filmes - no fundo, o que norteia o cinema desde sua criação no fim do século XIX. A retomada, nesse sentido, é o período em que os filmes brasileiros voltam a render nas bilheterias, por mais que isso possa comprometer sua qualidade - e não é à toa que Carlota Joaquina seja o grande marco: foi o primeiro filme desde os anos 80 a levar mais de um milhão de espectadores aos cinemas.

Cinema Brasileiro: Das Origens à Retomada (Empório do Livro, 160 páginas), do professor Sidney Ferreira Leite, é mais amplo na sua proposta e inventaria toda a história do nosso cinema. Muito detalhado e didático, é um dos melhores livros para quem quer entender a trajetória brazuca nas telas. No fim, o autor reflete sobre o atual momento, sem somar grandes novidades, mas fechando bem o caminho até então delineado. Foca a maior parte da discussão na força da Globo Filmes dentro da retomada - algo em pauta em todas as demais publicações aqui citadas, aliás. A presença do maior canal de televisão da América Latina na produção cinematográfica é tão forte e intimidante que merece discussão à parte.

Nenhuma publicação, até onde eu sei, bateu de frente com esse assunto, e apenas com ele. Todas reservam espaço para abordar a Globo Filmes, mas ela ainda não foi o foco principal. E dentro de uma realidade em que as leis de incentivo são a pedra de toque da mais cara das artes e enquanto políticos e intelectuais se digladiam em praça pública por conta do dinheiro distribuído, está na hora de colocar em xeque a utilização das verbas públicas para projetos de uma rede de TV de concessão igualmente pública e com capacidade de se auto-sustentar. Mas não serei eu, humilde escriba, a comprar essa briga agora, no calor da batalha. Prefiro ler meus livrinhos e tentar entender melhor todo esse universo antes de dar maiores pitacos.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 23/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma Viagem à Índia, de Gonçalo M. Tavares de Carina Destempero
02. A polícia militar e o atentado à democracia de Gian Danton
03. Wikipedia: fama e anonimato de Fabio Silvestre Cardoso
04. Marmitex de Adriana Baggio


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
02. Tabus do Orkut - 6/2/2006
03. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
04. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/1/2006
17h19min
O cinema brasileiro já foi fraquinho, fraquinho. Não saía do binômio favela-miséria sertaneja. Mas, de uns tempos para cá, abriu sua ótica, ampliou a estética, aventurando-se por trilhas leves, bonitas e humorísticas. Também melhorou muito a qualidade de som e fotografia. Isso o enriqueceu porque não é todos dias que estamos com vontade de rever misérias e problemáticas sociais. Afinal cinema também é diversão.
[Leia outros Comentários de Dalila Flag]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quarteto Fantástico - o Dia do Juízo Final
Stan Lee & Jack Kirby
Salvat
(2016)



The networking survival guide
Diane Darling
MCGraw Hill
(2003)



Coisas do Destino &outras Historias
Maria Helena Whately
Vermelho Marinho
(2015)



Novo Passaporte para Língua Portuguesa 7
Norma Discini e Lucia Teixeira
Do Brasil
(2009)



O Príncipe Feliz e Outros Contos
Oscar Wilde
Ediouro
(1970)



World Tax 2018
Vários Autores
Euromoney
(2017)



Monstros Em Crise
Alcides Goulart e Roney Bunn
Jovem
(2013)



Retórica do Silêncio - teoria e prática do texto literário - 2ª ed.
Gilberto Mendonça Teles
José Olympio
(1989)



Desperte o Milionário Que Há Em Você
Carlos Wizard Martins
Gente
(2012)



The International Review of Psycho-analysis Volume 19 Special
Vários Autores
David Tuckett
(1992)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês