História (não só) de livraria | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Tiro de Letra
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Mais Recentes
>>> Manual jurídico para agências de turismo de Joandre Antonio Ferraz pela Baraúna (2015)
>>> O Menino Do Dinheiro. Sonhos De Família de Unknown Author pela Dsop (2011)
>>> Apometria Para Iniciantes de Patricia Barz pela Conhecimento (2002)
>>> O fio da aranha,o fio da vida de Renan Eraldo Soeiro de Faria pela Cortez (2008)
>>> Ideias que colam de Chip Heath pela Alta Books (2018)
>>> O segredo do meu marido de Liane Moriarty pela Intrínseca (2013)
>>> Gabriel E A Torre De Pedra de Max Velati pela Ftd (2008)
>>> O zoológico em Festa de Evan Bessa pela Imeph (2009)
>>> As miniaturas de Andréa Del Fuego pela Companhia das letras (2013)
>>> Química Geral de I. M. Rozenberg pela Edgard Blucher (2002)
>>> O Amigo Do Rei de Ruth Rocha pela Salamandra (2009)
>>> O lobo e as sete cabritinhas de Irmãos Grimm pela Prazer de Ler (1963)
>>> Livro Literatura Estrangeira Wicked A Historia Não Contada das Bruxas de OZ de Gregory Maguire pela Leya Casa da Palavra (2016)
>>> É O Primeiro Dia De Aula... Sempre! de R. L. Stine pela Seguinte (2012)
>>> The Original Allustrated de Arthur Gonan Doyle pela Castle (1908)
>>> Justiça: O Que é Fazer a Coisa Certa de Michael J. Sandel pela Civilização Brasileira (2011)
>>> Livro Literatura Brasileira Meu Eu de Ilze Lisboa Ferreira pela Chiado
>>> A queda de Atlântida - 2 volumes de Marion Zimmer Bradley pela Círculo do livro
>>> Max Havelaar de Multatuli pela New York Review of Books (2019)
>>> Os Americanos de Antonio Pedro Tota pela Contexto (2009)
>>> Livro Literatura Estrangeira A Cabeça de Alvise de Lina Wertmüller pela Record (1981)
>>> Reencarnação de Roque Jacintho pela Luz No Ar (1990)
>>> Livro Religião Teologia e os LGBT+ de Luís Corrêa Lima pela Vozes (2021)
>>> Como Criar Filhos Tiranos: Manual De Antiajuda Para Pais de Mark Beyebach E Marga Herrero de Vega pela Vozes (2017)
>>> O menino que furou o céu de João Anzanello Carrascoza pela Scipione (2012)
COLUNAS

Terça-feira, 15/12/2009
História (não só) de livraria
Rafael Rodrigues
+ de 4200 Acessos
+ 8 Comentário(s)

De maio a setembro do ano passado trabalhei na livraria que fica no shopping aqui da cidade. Logo nos primeiros meses, apareceu um senhor mal-educado soltando os cachorros em cima de mim e de um outro funcionário, apenas porque, quando ele perguntou se poderíamos abrir um livro, que estava lacrado, para ele, dissemos que geralmente não podemos abrir, mas "iríamos ver".

Era um dos exemplares da coletânea do Pasquim. Mantínhamos lacrado ― e é assim até hoje ― por duas razões: uma é que a maioria dos clientes é meio grossa mesmo; tem gente que não sabe nem abrir e folhear um livro direito: abre o livro todo (em ângulo de 180 graus), mela o dedo na língua pra virar as páginas, machuca as páginas, enfim. Como esses livros do Pasquim são caros, é bom preservá-los, porque pra um indivíduo danificar ou sujar o livro com os dedos melados de gordura é daqui prali. A outra razão é que, geralmente, quem pede para abrir os livros não os compra. E aí o trabalho de abrir e, depois, de lacrar de novo é em vão.

Enfim. Voltei dizendo que não podia abrir o livro e o cara chiou, reclamou, fez um carnaval. Como não sou de dar corda para esse tipo de gente, abri o livro e deixei com o mal-educado. Ele viu lá umas páginas e depois abandonou o exemplar na mesa do café. Tremenda falta de educação.

Saí da livraria em setembro e voltei a trabalhar lá, temporariamente, em meados de dezembro, e fiquei por lá até meados de janeiro deste ano. Só para dar uma força no natal e cobrir parte das férias de uma pessoa. Quando, no meu último dia por lá, pensava que iria passar ileso desta vez, sem confusões ou estresses com clientes, eis que chega o mesmo mal-educado para me torrar a paciência.

Eu estava atendendo um casal que queria comprar o livro A pedra do reino, de Ariano Suassuna, que deu origem à série da Globo e tal. Tive que subir umas duas ou três vezes para atender o casal, porque não estávamos nos entendendo direito. Eles queriam um livro e eu pensava que estavam querendo outro ― além do livro com a obra de Suassuna, há mais 1 ou dois títulos ligados a ela, mas também à série. Na segunda ou terceira vez que subi para atender o casal, o mal-educado estava lá, na prateleira de Cinema, que fica exatamente ao lado da de Teatro, que era onde estávamos o casal e eu.

Ele estava olhando uns livros e eu já pensava no que poderia acontecer. Eu tinha certeza de que, dentre todos os títulos da seção (ok, não são muitos, mas não são poucos), ele escolheria um que estava lacrado para folhear. Dito e certo. Ele pegou o livro e perguntou por que uma livraria mantinha seus livros lacrados, que aquilo era uma burrice etc. Respondi, calmamente, porque aquele era meu último dia na livraria e nada nem ninguém me tiraria do sério ― ou pelo menos eu não demonstraria isso ―, que alguns livros já vinham lacrados das editoras e, por uma questão de comodidade nossa e segurança do livro, assim os mantínhamos. Além disso, alguns exemplares tinham espécies de encartes que não poderiam ficar soltos etc. Depois de explicar isso, ele aumentou o tom da voz e começou a dar um "piti" que não entendi muito bem, dizendo que em Salvador não é assim, que aquela deveria ser a única livraria a manter livros lacrados, porque livraria é lugar de folhear livro etc. Confesso a vocês que estava pedindo para ele dizer isso, que "livraria é lugar de folhear livro".

Porque da outra vez ele disse o mesmo e eu só fui pensar numa boa resposta minutos depois que ele foi embora. Desta vez eu não perderia a deixa, que estava em minha mente há meses. Mui tranquilamente eu disse: "olha, lugar de folhear livro é na biblioteca, livraria é lugar de comprar livro". Entendam: eu folheio livros em livrarias, adoro fazer isso ― às vezes, é a única coisa que posso fazer, porque no mais das vezes estou liso e não posso comprar. Mas eu realmente não poderia perder a chance de dizer isso na cara dele.

Que, aliás, ficou vermelha de uma hora pra outra e cheguei a ficar com um pouco de medo. Ele começou a me encher de desaforos, os quais não lembro bem agora, mas acho que iam pela linha do "é por isso que não venho aqui, você está sendo muito mal-educado, me atenda direito" etc. E eu, que estava demorando um pouco para abrir o livro, porque ele parecia ser um tanto frágil, apenas disse: "senhor, aqui está o livro, aberto". Ele gritava ainda mais, já chamando a atenção de quem estava no térreo. E eu repetia: "senhor, aqui está o livro, aberto".

Neste momento, o casal que eu estava atendendo subiu de novo ― em algum momento desta odisseia eles desceram para fazer uma ligação, a fim de confirmar qual livro iriam comprar ―, e com certeza eles me salvaram de levar um tapa cliente nervoso. Quando desci as escadas, acompanhado do casal, ouvi uma pancada na prateleira ― certamente foi ele dando nela o soco que não pôde dar em mim.

Lembrei de tudo isso e resolvi escrever um texto sobre porque, há pouco tempo, fui a uma farmácia nas redondezas e, ao entrar, quem estava no caixa, esperando pela vez de passar suas compras? Ele, claro. Enquanto eu procurava o corredor de vitamina C, o cara continuava lá. Quando fui me aproximando do caixa (duas moças atendiam, cada uma em uma máquina, uma de costas para a outra), percebi que ele discutia com um delas. Eu, claro, fui em direção à outra, que estava sem cliente. Pois meu velho cliente estava mais uma vez inspirado e, além de ofender a mulher do caixa (ia escrever "garota", mas ela deve ter seus 30 e poucos anos), ofendeu o rapaz que o atendeu no balcão de medicamentos.

Daí, quando ele saiu, esbravejando contra sabe-se lá o quê, comentei com a moça que me atendia que esse mesmo cara discutiu comigo duas vezes, e que ele deve ser maluco mesmo. Até para tranquilizar a outra moça, porque às vezes, nós, funcionários que lidamos com atendimento ao público, quando um cliente começa a falar grosso conosco, podemos pensar que o problema está em nós ou na falha de algum colega nosso. Há até aquela frase ridícula, "O cliente tem sempre razão". Mas, no caso desse lunático ― e de muitos outros ―, não. O problema está nele mesmo, em algum lugar muito sujo e distorcido da sua mente.

Sobre ele, tenho curiosidade de saber duas coisas, apenas: o que ele faz (onde trabalha, no caso, para nunca deixar currículo lá) e por que raios é desse jeito. Espero nunca descobrir.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 15/12/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O palhaço, de Selton Mello de Wellington Machado
02. Outros estilos de Eduardo Carvalho
03. O problema de São Paulo é a falta de boteco de Alexandre Petillo
04. Maldita Ciência de Alexandre Soares Silva
05. Educação versus Marxismo de Pedro Paulo Rocha


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2009
01. Meus melhores livros de 2008 - 6/1/2009
02. Sociedade dos Poetas Mortos - 10/11/2009
03. Indignação, de Philip Roth - 27/10/2009
04. A resistência, de Ernesto Sabato - 15/9/2009
05. No line on the horizon, do U2 - 24/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/12/2009
15h57min
Caro Rafael, o teu texto me remete aos 12 trágicos anos que trabalhei no balcão de atendimento da CPFL. Em resumo, quanto menos razão possuía o cliente, mais violento ele se apresentava. Desafortunadamente, assim se define o caráter da maior parte da população brasileira. Quanto às suas duas curiosidades sobre o mal-educado: 1) não trabalha! no máximo, finge que trabalha; 2) por que ele é deste jeito? Lamento informá-lo, mas o brasileiro, em geral, é violento! Abs do Sílvio Medeiros.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
15/12/2009
22h26min
Esse é um animal que eu odeio: Cliente. Trabalhei durante anos em uma grande rede de supermercados, e posso dizer que saí de lá descrente na humanidade, tamanha a falta de educação e civilidade desse bicho, o cliente. Acho que são pessoas solitárias, que na falta de habilidade social, e no desconhecimento das regras mais básicas da assertividade, tentam chamar alguma atenção para as suas tristes existências dessa maneira ridícula, incomodando quem vier pela frente.
[Leia outros Comentários de Helton]
16/12/2009
10h10min
Ué... Mas eu pensava também que livraria era lugar de se folhear livros! Ou alguém compra algo sem ver do que se trata? Aliás, sim, compro livro sem ver, pela internet, mas só porque é mais barato. Agora, se não puder folhear na livraria, vou comprar lá por quê? E, não! Antes que você já me rotule de "pessoa que dá piti com vendedor", eu não sou violento (abraços so Dr. Sívio de Medeiros, grande saudade do Leia Livro e de sua gentileza sempre presente!!)! Livro de criança, com encarte e figurinha de dinossauro dentro, tem até razão para se manter lacrado, mas deve existir sempre um reservado, já aberto, para o cliente que quiser ver as tais figurinhas. E ninguém é obrigado a comprar qualquer produto que seja, se não quiser. Se você tem um emprego numa livraria é para atender o comprador, sim! Você só está lá porque existe uma vaga para a função que diz que você deve fazer isso. Agora, se você não quer ter "trabalho" de abrir o livro... Meu, se mata.
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
21/12/2009
09h28min
Cliente mais simpático ou menos simpático sempre vai ter. Agora que é um absurdo os livros serem lacrados, isso é mesmo. A meu ver, fere inclusive o código do consumidor, pois, por exemplo, a tradução é item essencial numa obra traduzida, e geralmente é o tipo de informação que, a despeito da lei, não fica na capa e sim dentro do livro. Então peço, sim, para o atendente abrir o livro para eu ver quem traduziu. E muitas vezes não levo mesmo o livro. Incrível pensar que alguém poderia me criticar por isso. Quando eu for comprar sapatos, nem vou pedir mais para experimentar para não dar trabalho ao atendente - pois vai que o sapato não me serve ou não gosto dele no meu pé, e aí o rapaz ou a moça vai ficar chateado(a)...
[Leia outros Comentários de denise bottmann]
21/12/2009
15h47min
Rafael, meus parabéns! Qualquer pessoa que já tenha passado pela experiência de atender ao público - às vezes interessantíssimo, mas algumas vezes apenas pedante e mal-educado - que frequenta as livrarias brasileiras vai se identificar com o que você escreveu. Ninguém imagina o trabalho que é ficar ali seis, oito, até nove horas, aguentando todo tipo de desaforo, e ver os objetos que você cuidou com tanto amor sendo esmagados, torcidos, amassados por gente que acha que pode tudo, só porque é "cliente". A pessoa acha que tem direito a tudo por causa deste título, esquecendo inclusive que, acima de tudo, a criatura à sua frente é um ser humano, que poderia ajudá-lo muito mais se o tal cliente chegasse até a loja com uma postura mais pacífica e generosa.
[Leia outros Comentários de marcia men]
21/12/2009
23h22min
É. Realmente há muito cliente que trata o vendedor com grosseria e sem razão. Mas, Rafael, eu infelizmente me deparo com frequência com vendedoras (sim, em geral são mulheres) que parece que estão fazendo um favor de vender. São indiferentes, antipáticas ou julgam que você não pode pagar por aquilo que pediu. Eu hoje pedi para que uma vendedora me mostrasse perfumes em determinada faixa de preço (até 100 reais). Ela me mostrou vários perfumes. Como não gostei de nenhuma fragrância, ela disse: "é por causa do valor." Eu respondi: "não, já encontrei perfumes com esse preço em vários lugares.". Mas eu sou que nem você: só elaboro uma boa resposta minutos depois. E o que eu deveria ter dito à desalmada era: "então, se você só tinha perfume ruim nesse preço, porque me mostrou? Não deveria nem ter mostrado, ora". Afff!
[Leia outros Comentários de Juliana Galvão]
22/12/2009
00h44min
Rafael, ninguém deve ser mal educado com ninguém, mas livro empacotado é um absurdo. É por essas e outras que sou fã da Livraria Cultura. Os livros são abertos e eles têm tudo o que você pede. Diferente destas livrarias pequenas que o balconista nem conhece o autor do livro que você quer...
[Leia outros Comentários de stefano kerhart]
21/4/2010
18h05min
Concordo, Rafael, que os livros devem ser lacrados, sim! Sou uma que entro em livrarias muitas vezes lisa também, apenas com a intenção de folhear e ver o que há de novo, mas, é claro, não melando as páginas conforme você disse... rsrsrs Quanto ao mal criado... bom, esse é o tipo do cliente arrogante, sim, pois acha que entrando num estabelecimento, está fazendo um grande favor em comprar algo... Tudo bem, está, mas ele esquece que o estabelecimento também está lhe fornecendo algo que ele quer adquirir. Portanto, tanto um como o outro devem se comportar da melhor maneira possível, nem que, pra isso, tenha que se fazer uma força danada como você fez. Bom, saber quem é esse sujeito? Só se for pra não deixar um currículo teu por lá... Pro resto, vale à pena saber? Beijos, Rafael!
[Leia outros Comentários de fernanda flores ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Entre Fantasmas
Fernando Vallejo
Alfaguara Argentina
(2005)



Livro de bolso Poesia Mensagem Obra Poética I
Fernando Pessoa
L&pm Pocket
(2010)



Livro Literatura Brasileira Grandeza e Misérias no Caminho da Liberdade
José Barbosa Ferreira
Confluência
(1997)



Muito Além do Paraíso
Jorge Luis Gomez
Livre Expressão
(2012)



Pequenos Milagres
Yitta Halberstam
Sextante
(1998)



Dread: The Dizziness of Freedom
Juha Zelfde
‎ Valiz
(2013)



Livro Literatura Estrangeira Anjos e Demônios A primeira aventura de Robert Langdon
Dan Brown
Sextante
(2004)



Geometria Analítica
Smith-Gale-Neeley
Ao Livro Técnico



A vida em poesia
A vida em poesia
Lura Editorial
(2021)



Naquele Exato Momento
Dino Buzzati
Nova Fronteira
(1986)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês