Hebreus e monstros, parte I | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> Felipe Neto no Roda Viva
>>> Fabio Gomes
>>> O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
>>> Sou da capital, sou sem-educação
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
Mais Recentes
>>> A interpretação do assassinato de Jed Rubenfeld pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
COLUNAS

Quarta-feira, 11/8/2010
Hebreus e monstros, parte I
Guilherme Pontes Coelho

+ de 4100 Acessos

O Senhor lhe ordenou que voltasse ao Egito para libertar Seu povo da tirania do faraó. A ordem foi tão inesperada quanto a própria aparição do Senhor, manifesto numa incandescência não inflamável, que envolvia uma sarça sem consumi-la. Moisés, depois de ouvir perplexo a voz do Senhor, calçou as sandálias (fora ordenado que as retirasse, pisava em solo sagrado) e voltou para casa, suponho que ainda sentindo no espírito as reverberações das palavras EU serei contigo que emanava do mato candente, e contou à sua esposa, Zípora, num misto de entusiasmo e estupefação, o encontro inesperado que tivera enquanto cuidava do rebanho. Narrou o encontro, lhe disse a missão de que estava irresistivelmente incumbido. Ela, convencida por ele dos propósitos de Deus, disse que o acompanharia. E foram ao encontro do faraó, montados sobre o mesmo camelo.

Um desígnio imposto pelo Senhor já é, por si, uma coisa difícil de suportar. No caso de Moisés, era muito mais. Quando saiu de Midiã com o propósito de libertar os hebreus, ele imaginava que o faraó a quem teria de dar a notícia ("Olha, desculpa, mas vou levar todos os escravos hebreus comigo para a Terra Prometida. Sabe como é, foi Ele quem mandou.") fosse seu próprio pai, o homem que o criou, marido da mulher, sua mãe, que o tirou do rio Nilo, ainda bebê, de dentro de um cesto de junco, calafetado com betume e piche.

Moisés e Zípora são recebidos no palácio. A corte toda fica surpresa ao ver, depois de anos desaparecido, Moisés, outrora um príncipe desordeiro, vestido como um dueiro midianita. Surpreso também o próprio príncipe-pastor: o agora faraó é seu irmão Ramessés, que o recebe com ternos abraços. Este encontro traz felicidade imediata ao novo faraó. Ele sempre adorou o irmão baderneiro. Moisés sumira no deserto logo depois de matar, acidentalmente (ao contrário do que está em Êxodo 2.22), um capataz egípcio. O reaparecimento de Moisés quando o então faraó é Ramessés não poderia ser mais conveniente: o soberano poderia perdoar todo e qualquer crime, de quem quer que fosse. O que efetivamente fez, perdoou o crime do irmão.

Os planos de Deus e o destino dos israelitas, contudo, seriam obstáculos grandes demais, maiores que o amor fraterno que havia entre o jovem faraó e o enviado especial do Senhor.

* * *

A história de Moisés e de como ele liderou a fuga dos hebreus do Egito está no Êxodo, segundo livro do Pentateuco, no Velho Testamento. A narrativa acima tem algumas licenças, mas não são minhas. São dos roteiristas do filme O Príncipe do Egito, animação de estreia da Dreamworks, e filme predileto da minha filha, hoje com três anos e oito meses. O curioso é que não somos cristãos nem judeus (nem mesmo batizados), sequer ensinamos a ela o Pai Nosso, nem qualquer coisa similar. Mas sempre que assistimos a este filme juntos, o que aconteceu praticamente todos os dias das férias, vejo os olhinhos dela brilharem quando Moisés firma o bordão na areia e as águas do Mar Vermelho se abrem "qual um muro à sua direita e à sua esquerda" (Êxodo 14.22).

Ela já foi adicta a outros filmes. O Mágico de Oz, Branca de Neve, A Princesa e o Sapo (este, pela trilha jazzística, muito adequado ao gosto musical da criança), Wall-E e, insolitamente, O Cavaleiro das Trevas. Mas com "a história do Moisés" é diferente, é mais intenso. Eu tenho de contar a história a ela na hora de dormir da mesma maneira como é narrada no filme, ela exige. Cada vez que lhe conto, fico impressionado com o fascínio que a jornada do Moisés tem para ela. É o herói da menina. Um herói sem espada nem escudo, sem cavalo branco nem armadura reluzente; herói de chinelos e barba, carregando um cajado, estimulado por uma força absoluta e que em primeiro lugar busca o diálogo. Um herói muito próximo da ingenuidade.

Mas O Príncipe do Egito não é um filme exatamente ingênuo. É um tanto cruel, na verdade. Essa é sua maior virtude. A maneira como a décima praga do Egito é encenada é exemplo disso. A décima praga é a morte dos primogênitos, "desde o primogênito de Faraó, que se assenta no seu trono, até ao primogênito da serva que está junto à mó, e todo o primogênito dos animais" (Êxodo 11.5). No filme, o filho do faraó é atingido pela praga. Quem lhe trouxe a morte, no contexto do filme, foi seu próprio tio Moisés. Você pode achar que é muito para uma criança lidar. Porém, mesmo eu, que sou contra catequizações religiosas, percebo que a riqueza espiritual e a técnica narrativa do filme suavizam o infanticídio divino (há mais cenas de infanticídio na fita, inclusive). Além do mais, dramaticamente, todas as desgraças que caem sobre o faraó o tornam um dos personagens mais trágicos que já vi no cinema "infantil", porque ele não é vilão, um vilão puro e simples, daquele tipo de antagonista cuja única função é criar obstáculos na vida do mocinho, como a Malévola, da Bela Adormecida; nem mesmo daquele outro tipo similar, que até tem motivos, mas que são mesquinhos, como a madrasta da Branca de Neve. Embora o filme seja de Moisés, o faraó Ramessés é reconhecido em suas razões. Herdeiro do trono, pressões e responsabilidades de mil anos sobre si, ama um irmão que está encarregado lhe destruir o império, tem de lutar contra uma força incomensurável. Seu filho morre, seu reino desmorona, seu irmão o trai, o deus dos hebreus o derrota. Trágico.

* * *

A maneira como os conflitos infantis são tratados no cinema mudou. Evoluiu. O cinema evoluiu, inclusive esteticamente.

(Não faço coro com os pessimistas, o cinema está cada vez melhor. Sempre que algum cinéfilo lhe disser que não há mais filmes como antigamente, seja lá quando tenha sido este "antigamente", diga que poucos filmes nascem clássicos: a importância de um filme na história do cinema e na vida do espectador, por suas características básicas (a história contada e como foi narrada), se cristaliza com o tempo. Blade Runner foi um fracasso quando lançado. Iron Giant, já que falo de cinema infantil, ainda espera por ser redescoberto e virar cult.)

Há filmes classificados como "infantis" cujos conflitos, personagens, cenários e tramas são para todas as idades. Ratatouille. Filmes que não subestimam as crianças. O mais importante: filmes que não matam a própria riqueza estética porque tem de passar um ensinamento. Up ― Altas Aventuras. Apenas contam uma história.

Se há um filme perfeito, que respeita o espectador, criança ou adulto, que conta uma história cativante e que, preenchendo todos os requisitos da jornada arquetípica, narra como um pequeno herói adquire confiança, compreensão e maturidade, sem deixar de ser criança!, este filme é Onde vivem os monstros.

Nota do Editor
Guilherme Montana mantém o Montana, Blog.


Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 11/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Getúlio Vargas e sua nova biografia de Eugenia Zerbini


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2010
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. O retorno à cidade natal - 24/2/2010
05. O mundo pós-aniversário - 3/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Anti Sionismo Nova Face do Anti Semitismo
Eliyahu Biletzky
Bnai Brith
(1982)



Vladslav Ostrov, Príncipe do Juruena
Maria José de Queiroz
Record
(1999)



Era uma Vez... Realidade Talvez
Janaina Soares e Susana Nogueira (orgs)
Cbje
(2014)



Lógica Jurídica
Silvio de Macedo
Rio
(1978)



História Geral e Brasil - Nova Ortografia
José Geraldo Vinci de Moraes
Atual
(2009)



Afecções Menos Frequentes Em Gastroenterologia
Paulo Roberto Savassi-rocha e Outros
Medbook
(2007)



A Espécie Divina. Como o Planeta Pode Sobreviver À era dos Seres
Mark Lynas
Alta Books
(2012)



Psicologia da Criança
Arthur T. Jersild
Itatiaia Limitada
(1977)



O Mundo e Eu
João Mohana
Agir
(1984)



Systematic Database of Diptera of the Americas South of the United Sta
J H Guimarães
Pleiade
(1997)





busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês