Hebreus e monstros, parte I | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 11/8/2010
Hebreus e monstros, parte I
Guilherme Pontes Coelho

+ de 3500 Acessos

O Senhor lhe ordenou que voltasse ao Egito para libertar Seu povo da tirania do faraó. A ordem foi tão inesperada quanto a própria aparição do Senhor, manifesto numa incandescência não inflamável, que envolvia uma sarça sem consumi-la. Moisés, depois de ouvir perplexo a voz do Senhor, calçou as sandálias (fora ordenado que as retirasse, pisava em solo sagrado) e voltou para casa, suponho que ainda sentindo no espírito as reverberações das palavras EU serei contigo que emanava do mato candente, e contou à sua esposa, Zípora, num misto de entusiasmo e estupefação, o encontro inesperado que tivera enquanto cuidava do rebanho. Narrou o encontro, lhe disse a missão de que estava irresistivelmente incumbido. Ela, convencida por ele dos propósitos de Deus, disse que o acompanharia. E foram ao encontro do faraó, montados sobre o mesmo camelo.

Um desígnio imposto pelo Senhor já é, por si, uma coisa difícil de suportar. No caso de Moisés, era muito mais. Quando saiu de Midiã com o propósito de libertar os hebreus, ele imaginava que o faraó a quem teria de dar a notícia ("Olha, desculpa, mas vou levar todos os escravos hebreus comigo para a Terra Prometida. Sabe como é, foi Ele quem mandou.") fosse seu próprio pai, o homem que o criou, marido da mulher, sua mãe, que o tirou do rio Nilo, ainda bebê, de dentro de um cesto de junco, calafetado com betume e piche.

Moisés e Zípora são recebidos no palácio. A corte toda fica surpresa ao ver, depois de anos desaparecido, Moisés, outrora um príncipe desordeiro, vestido como um dueiro midianita. Surpreso também o próprio príncipe-pastor: o agora faraó é seu irmão Ramessés, que o recebe com ternos abraços. Este encontro traz felicidade imediata ao novo faraó. Ele sempre adorou o irmão baderneiro. Moisés sumira no deserto logo depois de matar, acidentalmente (ao contrário do que está em Êxodo 2.22), um capataz egípcio. O reaparecimento de Moisés quando o então faraó é Ramessés não poderia ser mais conveniente: o soberano poderia perdoar todo e qualquer crime, de quem quer que fosse. O que efetivamente fez, perdoou o crime do irmão.

Os planos de Deus e o destino dos israelitas, contudo, seriam obstáculos grandes demais, maiores que o amor fraterno que havia entre o jovem faraó e o enviado especial do Senhor.

* * *

A história de Moisés e de como ele liderou a fuga dos hebreus do Egito está no Êxodo, segundo livro do Pentateuco, no Velho Testamento. A narrativa acima tem algumas licenças, mas não são minhas. São dos roteiristas do filme O Príncipe do Egito, animação de estreia da Dreamworks, e filme predileto da minha filha, hoje com três anos e oito meses. O curioso é que não somos cristãos nem judeus (nem mesmo batizados), sequer ensinamos a ela o Pai Nosso, nem qualquer coisa similar. Mas sempre que assistimos a este filme juntos, o que aconteceu praticamente todos os dias das férias, vejo os olhinhos dela brilharem quando Moisés firma o bordão na areia e as águas do Mar Vermelho se abrem "qual um muro à sua direita e à sua esquerda" (Êxodo 14.22).

Ela já foi adicta a outros filmes. O Mágico de Oz, Branca de Neve, A Princesa e o Sapo (este, pela trilha jazzística, muito adequado ao gosto musical da criança), Wall-E e, insolitamente, O Cavaleiro das Trevas. Mas com "a história do Moisés" é diferente, é mais intenso. Eu tenho de contar a história a ela na hora de dormir da mesma maneira como é narrada no filme, ela exige. Cada vez que lhe conto, fico impressionado com o fascínio que a jornada do Moisés tem para ela. É o herói da menina. Um herói sem espada nem escudo, sem cavalo branco nem armadura reluzente; herói de chinelos e barba, carregando um cajado, estimulado por uma força absoluta e que em primeiro lugar busca o diálogo. Um herói muito próximo da ingenuidade.

Mas O Príncipe do Egito não é um filme exatamente ingênuo. É um tanto cruel, na verdade. Essa é sua maior virtude. A maneira como a décima praga do Egito é encenada é exemplo disso. A décima praga é a morte dos primogênitos, "desde o primogênito de Faraó, que se assenta no seu trono, até ao primogênito da serva que está junto à mó, e todo o primogênito dos animais" (Êxodo 11.5). No filme, o filho do faraó é atingido pela praga. Quem lhe trouxe a morte, no contexto do filme, foi seu próprio tio Moisés. Você pode achar que é muito para uma criança lidar. Porém, mesmo eu, que sou contra catequizações religiosas, percebo que a riqueza espiritual e a técnica narrativa do filme suavizam o infanticídio divino (há mais cenas de infanticídio na fita, inclusive). Além do mais, dramaticamente, todas as desgraças que caem sobre o faraó o tornam um dos personagens mais trágicos que já vi no cinema "infantil", porque ele não é vilão, um vilão puro e simples, daquele tipo de antagonista cuja única função é criar obstáculos na vida do mocinho, como a Malévola, da Bela Adormecida; nem mesmo daquele outro tipo similar, que até tem motivos, mas que são mesquinhos, como a madrasta da Branca de Neve. Embora o filme seja de Moisés, o faraó Ramessés é reconhecido em suas razões. Herdeiro do trono, pressões e responsabilidades de mil anos sobre si, ama um irmão que está encarregado lhe destruir o império, tem de lutar contra uma força incomensurável. Seu filho morre, seu reino desmorona, seu irmão o trai, o deus dos hebreus o derrota. Trágico.

* * *

A maneira como os conflitos infantis são tratados no cinema mudou. Evoluiu. O cinema evoluiu, inclusive esteticamente.

(Não faço coro com os pessimistas, o cinema está cada vez melhor. Sempre que algum cinéfilo lhe disser que não há mais filmes como antigamente, seja lá quando tenha sido este "antigamente", diga que poucos filmes nascem clássicos: a importância de um filme na história do cinema e na vida do espectador, por suas características básicas (a história contada e como foi narrada), se cristaliza com o tempo. Blade Runner foi um fracasso quando lançado. Iron Giant, já que falo de cinema infantil, ainda espera por ser redescoberto e virar cult.)

Há filmes classificados como "infantis" cujos conflitos, personagens, cenários e tramas são para todas as idades. Ratatouille. Filmes que não subestimam as crianças. O mais importante: filmes que não matam a própria riqueza estética porque tem de passar um ensinamento. Up ― Altas Aventuras. Apenas contam uma história.

Se há um filme perfeito, que respeita o espectador, criança ou adulto, que conta uma história cativante e que, preenchendo todos os requisitos da jornada arquetípica, narra como um pequeno herói adquire confiança, compreensão e maturidade, sem deixar de ser criança!, este filme é Onde vivem os monstros.

Nota do Editor
Guilherme Montana mantém o Montana, Blog.


Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 11/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
02. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry
03. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
04. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
05. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2010
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. O retorno à cidade natal - 24/2/2010
05. O mundo pós-aniversário - 3/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIÇÕES DE DIREITO PARA PROFISSIONAIS E ESTUDANTES DE ADMINISTRAÇÃO
JOÃO BAPTISTA HERKENHOFF
FUNDO DE CULTURA
(2006)
R$ 45,00



NOVA ESCOLA Nº 216 EFEITO DOMINÓ
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2008)
R$ 5,90



E-MAIL - A COMÉDIA DOS SEM-CARÁCTER...
MATT BEAUMONT
BERTRAND BRASIL
(2005)
R$ 10,00



LAÇOS DE AMOR
ANDREIE BAKRI
MADRAS
(2001)
R$ 20,00



CENTURION
SIMON SCARROW
HEADLINE
(2007)
R$ 20,00



PARTIDO REPUBLICANO FEDERAL 1893-1897
JOSÉ S. WITTER
BRASILIENSE
(1987)
R$ 7,00



100 SEGREDOS DAS PESSOAS DE SUCESSO
DAVID NIVEN
SEXTANTE
(2002)
R$ 10,00



O MANUAL DA FELICIDADE O SERMAO DA MONTANHA
PE ALBERTO LUIZ GAMBARINI
LOYOLA
R$ 6,00



O VERDE VIOLENTOU O MURO
IGNÁCIO LOYOLA BRANDÃO
GLOBAL
(1984)
R$ 4,00



CADERNO PEDAGÓGICO 3º TEMA GERADOR: O SENTIDO DA VIDA
PROJETO PARA O ENSINO RELIGIOSO ESCOLAS PÚBLICAS
PAULUS (SP)
(1995)
R$ 31,28





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês