Sobre o Hino Nacional Brasileiro | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O escritor pode
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Os 60
>>> Tico-Tico de Lucía
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> Cinema é filosofia
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
Mais Recentes
>>> A Alma do Poeta (Vinicius de Moraes) de Revista Bravo - Janeiro 2009- Ano 11 - nº 137 pela Abril Cultural (2009)
>>> Jardim Botânico de São Paulo de Juan Esteves & Maria Guimarães pela Terceiro Nome (2012)
>>> Música Faz - vol. 1 - A arte musical na prática escolar - Ensino médio de Yara Alves- Larissa Vitorino pela Htc (2011)
>>> Teimosia da imaginação. Dez artistas brasileiros de Maria Lúcia Montes pela Martins Fontes (2012)
>>> Panoramas. A paisagem brasileira no acervo do Instituto Moreira Salles de Carlos Martins pela Ims (2012)
>>> Andanças de Um Cavaleiro e Outras Novelas de Tennesse Williams pela Espressão e Cultura (1970)
>>> Tributação de Bens Digitais: a Disputa Tributária ... de Tathiane Piscitelli/Fernando Rezende pela FGV Direito (2018)
>>> Caiapó Metutire. Os guerreiros pintados de negro. de Paulo Pinagé & Vito D'Alessio pela Dialeto (2004)
>>> Inglês Sem Mistério Para Concursos de Robson Machado pela Fortium (2005)
>>> Carnaval Brasileiro - O Vivido e o Mito de Maria Isaura Pereira de Queiroz pela Brasiliense/ SP (1992)
>>> Treinamento da Argumentação: Persuadir Em Vez de Contrariar... de Tom Werneck e Reinhard Grasse pela Ediouro/ RJ. (1982)
>>> O encanto das aves. The magic of birds de Ricardo Martins pela Fm (2009)
>>> Portoghese Dizionario essenzaiale Portoghese-Italiano - Italiano-Portoghese de Zanichelli pela Zanichelli (1997)
>>> Princípios de Organização Japoneses: Melhor Produtividade ... de Peter Engel pela Ediouro/ RJ. (1982)
>>> O Dom de Voar de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> O Dom de Voar de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> O Dom de Voar de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> Licença de Marca - Aspectos Jurídicos e Econômicos de Um Contrato ... de Thiago Jabur Carneiro pela Juruá (2012)
>>> O Aleijadinho Arquiteto e Outros Ensaios Sobre o Tema/ Inclui CD de André Guilherme Dornelles Dangelo (e outro) pela Ed. da Escola de Arquit. da UFMG./ Belo Hte. (2008)
>>> Concerto Carioca de Antonio Callado pela Nova Fronteira (1985)
>>> Imperialismo / Discutindo a História de Héctor H. Bruit pela Atual/ Sp. (2001)
>>> Imperialismo / Discutindo a História de Héctor H. Bruit pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Imperialismo / Discutindo a História de Héctor H. Bruit pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Prêmio FCW 2004 de Fotografia Publicitária Fundação Conrado Wessel de Diversos Autores pela Fcw (2005)
>>> A Questão dos Livros - Passado Presente e Futuro de Robert Darton pela Companhia das Letras (2010)
>>> Mar de homens de Roberto Linsker pela Terra Virgem (2005)
>>> Arte de Perto - Volume Único de Maurílio Andrade Rocha e outros pela Leya (2016)
>>> Palco Paulistano. São Paulo Stage de Vânia Toledo pela Imprensa Oficial (2009)
>>> Todo Paciente Tem Uma Historia Para Contar - Mistérios médicos e a arte do diagnóstico de Dra. Lisa Sanders pela Zahar (2010)
>>> Da Ação direta de declaração de Inconstitucionalidade no Direito Brasileiro de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1958)
>>> Ações Cominatórias no Direito Brasileiro de Moacyr Amarral Santos pela Max Limonad (1962)
>>> Do Mandado de Segurança e de Outros meios de Defesa Contra atos do poder público de Castro Nunes pela José Aguiar Dias (1967)
>>> Estudos e pareceres de direito processual Civil de Alfredo Buzaid pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Corinthians é preto no branco de Washington Olivetto e Nirlando Beirão pela Dba (2002)
>>> Do Mandado de Segurança Volume 1 de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1989)
>>> Estudos de Direito de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1972)
>>> Da Ação Renovatória de Alfredo Buzaid pela Saraiva (1981)
>>> Projeção do Corpo Astral de Sylvan J. Muldoon e Hereward Carrington pela Pensamento
>>> Atribuições dos juízes municipaes de Orphãos e Ausentes na Republica de José Tavares Bastos pela Livraria Garnier (1914)
>>> Novo Dicionário de Processo Civil de Eliézer Rosa pela Livraria Freitas Bastos S.A (1986)
>>> O Novo processo Civil Brasileiro de José Carlos Barbosa Moreira pela Forense (2005)
>>> Manual do Advogado de Valdemar P. da Luz pela Sagra (1999)
>>> Teoria e prática do Despacho Saneador de Jônatas Milhomens pela Forense (1952)
>>> Código de processo Civil Anotado de Sálvio de Figueiredo Teixeira pela Saraiva (1993)
>>> Novo processo Civil Brasileiro de José Carlos Barbosa Moreira pela Forense (1998)
>>> A Prova Civil de José Mendonça pela Livraria Jacintho (1940)
>>> A Morte de Rimbaud de Leandro Konder pela Companhia das Letras/SP. (2000)
>>> Prova Civil Legislação Doutrina Jurisprudência de Raphael Cirigliano pela Forense (1939)
>>> Código do Processo Civil e Commercial para Districto Federal de J. Miranda Valverde pela Impresa Nacional (1927)
>>> De Pessoa a Pessoa - Psicoterapia Dialógica de Richard Hycner pela Summus (1995)
COLUNAS

Segunda-feira, 29/8/2011
Sobre o Hino Nacional Brasileiro
Ricardo de Mattos

+ de 4600 Acessos

"A música está em tudo. Do mundo sai um hino"(Victor Hugo).

Somos do tempo em que o Hino Nacional Brasileiro era ensinado e cobrado com rigor na escola. Era nossa obrigação pesquisar as palavras desconhecidas, copiá-lo determinado número de vezes e decorá-lo para a temível chamada oral e individual. Esta prova era um recurso das professoras, pois as deficiências imperceptíveis em meio aos colegas revelavam-se no cantar isolado. A trabalheira da época converteu-se em gosto sincero pela música dedicada a simbolizar oficialmente nosso país. É comovente quando os primeiros acordes são emitidos e logo as pessoas demonstram lembrar a letra.

Foi surpreendente descobrir que a introdução, hoje apenas instrumental, também já teve uma letra para ser cantada. Recebemos por e-mail o vídeo no qual uma senhora explica como era na sua época e canta a parte até então para nós desconhecida. Ei-la:

"Espera o Brasil que todos cumprais com o vosso dever
"Eia! avante, brasileiros! Sempre avante
"Gravai com buril nos pátrios anais o vosso poder
"Eia! avante, brasileiros! Sempre avante

"Servi o Brasil sem esmorecer, com ânimo audaz
"Cumpri o dever na guerra e na paz
"À sombra da lei, à brisa gentil
"O lábaro erguei do belo Brasil
"Eia sus, oh sus!"

Atualmente o ensino é obrigatório em escolas públicas e particulares. Ignoramos como isto é feito. Dada a má qualidade do ensino e o desânimo que assola o professorado, suspeitamos que péssima gravação em CD tocada para que alunos insatisfeitos mexam a boca seja um quadro freqüente. Porquanto deficitário o estímulo, apostamos ainda que no futuro recrudescerão as vozes defensoras da substituição da peça ou, ao menos, da "atenuação" da letra. Volta e meia alguém cisma de investigar a este respeito. Em nossa opinião, a única música a altura seria Aquarela do Brasil, de Ary Barroso.


Francisco Manuel da Silva

A música do Hino foi composta em 1822. O autor foi o maestro e compositor brasileiro Francisco Manuel da Silva (1795-1865). Curioso descobrir que ele foi aluno do padre José Maurício Nunes Garcia (1767-1830), nome forte de nossa música no período colonial. A finalidade da composição foi outra, mas a melodia alcançou tal popularidade que atravessou os séculos XIX e XX, alcançando ilesa o século XXI. O concurso para um novo hino foi frustrado, restando à República nascente providenciar outro certame na busca de letra que melhor se adaptasse. Somente em 1909 o poema de Joaquim Osório Duque Estrada (1870-1927), com enxertos de Gonçalves Dias (1823-1864), foi definida vitoriosa. As datas adrede indicadas revelam que a concepção do Hino deu-se sob a regência da forma e da ideologia de dois importantes "ismos" - romantismo e nacionalismo - o que explica a exultação dos versos.

Salvo pesquisa minuciosa da imprensa e da correspondência pública e privada da primeira metade do século XIX, dificilmente podemos avaliar o que significou para os habitantes do novo país a independência de Portugal e o clima de autonomia instalado. Nós mesmos não temos noção da amplidão de nossa terra. Sequer aprendemos chamá-la "nossa". Com extrema lentidão e má vontade desenvolve-se a mentalidade que encara como problema pessoal as questões públicas. Quase um século separa a letra da melodia e o poema de Duque Estrada ainda insiste na admiração pelo "impávido colosso", a admiração que se tem diante do desconhecido.

Reparemos que o hino contém certa narrativa. Conquistamos a liberdade de viver neste país imenso: "Ouviram do Ipiranga (...) desafia o nosso peito à própria morte". Esta liberdade era um antigo desejo: "Brasil, um sonho intenso (...) à terra desce". Nosso novo país tem riquezas naturais que parecem inesgotáveis: "Gigante pela própria natureza (...) 'mais amores'". Reconhecida nossa autonomia, queremos paz no futuro: "paz no futuro e glória no passado". Todavia, saberemos lutar pelo que é nosso: "Mas, se ergues da justiça (...) a própria morte". Notemos ainda que, embora fale duas vezes na morte, o Hino menciona as palavras "amor", "amores" e "amada" num total de nove vezes.


Joaquim Osório Duque Estrada

Pode-se alegar que a existência ou não de um hino é indiferente ou mesmo irrelevante. Pode-se argumentar que hinos são vestígios de um militarismo que se quer esquecer. Entretanto, podemos resumir o Hino Nacional como um acerto de contas com o passado e como projeção para o porvir, mesmo que as gerações seguintes ou não mais acreditem, ou nem sejam ensinadas a buscar este futuro. Quando pipocam as crises, seria importante retomar os anseios de nossos ancestrais e tomar verdadeiramente as rédeas da nação. A leitura deve ser atualizada. Não se deve entender como povo heróico capaz de brado retumbante apenas aquelas pessoas que viveram nas primeiras décadas do século XIX. Este heroísmo deve alcançar o brasileiro de hoje. Continua bravo e audaz este povo, embora a Administração, através de tributos infindáveis, tome compulsoriamente parte substancial de seus rendimentos e depois faça-o pagar tudo novamente em convênios, planos e serviços. Conserva traços de heroísmo aquele que, não encontrando amparo para suas necessidades básicas, nem recebendo educação sólida que lhe desperte ou fortaleça suas boas disposições, entrega-se ao vício e tomba pelas ruas, apesar de financiarmos bolsas e mais bolsas com a suposta finalidade de evitar justamente isto.

Isentemos de culpa o Hino Nacional, pois não é sua culpa nossos concidadãos não aprenderem - e não haver interesse em ensiná-los - que a paz no futuro depende da glória em relação às lides do passado, e que o entendimento do binômio glória-paz não poderia ser apresentado como próprio de um tempo distante e de figuras vagas e espectrais, e sim, como algo que faz parte de nossa atualidade. Não amará a terra a juventude constrangida a repetir o que não entende, sem que lhe seja mostrado de alguma forma que berço esplêndido é este em que ela mesma vive, que campos e que bosques são estes com mais flores e mais vida. Nenhum peito será desafiado à própria morte caso esteja oprimido por obrigações diversas que lhe tolham o entendimento, e nenhuma pátria será amada enquanto o mutualismo do amor e do respeito não for atendido.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 29/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O túmulo do pássaro de Elisa Andrade Buzzo
02. São Paulo e o medo no cinema de Elisa Andrade Buzzo
03. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo
04. Hells Angels de Gian Danton
05. Medo e Delírio em Las Vegas de Gian Danton


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2011
01. Do preconceito e do racismo - 18/4/2011
02. Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo - 7/3/2011
03. A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal - 5/12/2011
04. Clássicos para a Juventude - 27/6/2011
05. Sobre um tratado chinês de pintura - 24/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PERDIDAMENTE
JÚLIO EMÍLIO BRAZ
FTD
(2000)
R$ 20,00



NÚMERO ESPECIAL COMEMORATIVO DOS 20 ANOS CPGD - Nº 27
SEQUÊNCIA 21 ANOS ESTUDOS JURÍDICOS E POLÍTIC
UFSC
(1993)
R$ 31,82



INTRODUCCION AL BUDISMO
H. SADDHATISSA
ALIANZA EDITORIAL SA
(1982)
R$ 19,28



A EVOLUÇÃO DO ESPORTE OLÍMPICO
SESI-SP
SESI - SP
(2012)
R$ 34,00



A MAQUINA DO AMOR - COLEÇÃO BEST SELLERS
JACQUELINE SUSANN
ABRIL CULTURAL
(1985)
R$ 7,00



THE GO-BETWEEN
L. P. HARTLEY
LONGMAN
(1973)
R$ 9,00



SUPERINTERESSANTE 186 PARANORMALIDADE EXISTE?
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2003)
R$ 5,90



O CÉU COMEÇA EM VOCÊ
ANSELM GRUN
VOZES
(2002)
R$ 15,00



A NOVA CONTABILIDADE SOCIAL
LEDA MARIA PAULANI, MÁRCIO BOBIK BRAGA
SARAIVA
(2005)
R$ 60,00



INTRODUÇÃO A ECONOMIA DA EDUCAÇÃO
MARK BLAUG
GLOBO
(1975)
R$ 23,90





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês