Sobre o Hino Nacional Brasileiro | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Designer e arquiteto brasileiro, Giovanni Vannucchi participa da VIIBienal Ibero-americana de Design
>>> Risorama anuncia retorno aos palcos com grandes nomes do humor nacional em São Paulo
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Três Irmãs
>>> Sempre procurei a harmonia
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> O ensaísta Machado de Assis
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> Os narradores de Eliane Caffé
>>> 7 de Setembro
>>> 8º Salão do Livro
>>> Show him what he is like
>>> Machado polímata
Mais Recentes
>>> Monica Teen- The love Of An Angel de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2012)
>>> O Cachorrinho Samba de Maria José Dupré pela Ática (2006)
>>> Psicanálise e religião de Erich Fronm pela Livro íbero americano ltda (1962)
>>> Da Auto-estima a Individuação: Psicologia e espiritualidade de Jean Monbourquette pela Paulinas (2008)
>>> Vida: Oportunidade de Aprender de Alzemiro Rufino de Matos pela Editares (2014)
>>> Turma Da Mônica Jovem - Mônica E O Cavaleiro de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2008)
>>> O Matrimônio Perfeito de Samael Aun Weor pela Igb (2011)
>>> Transcendente de Lesley Livingston pela Jangada (2016)
>>> 50 Ideias de Filosofia que Você Precisa Conhecer de Ben Dupré pela Planeta (2015)
>>> O Rosto de Cristo: A Formação do Imaginário e da Arte Cristã de Armindo Trevisan pela Age (2003)
>>> A Sustentabilidade nos Tempos de Pandemia de Flavio Horowitz pela Brazil Publishing (2020)
>>> Ilíada de Homero pela L&Pm (2011)
>>> História Medieval de Cibele Carvalho pela Intersaberes (2016)
>>> Chico Bento Moço-Bravura Indomável de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2015)
>>> Outlander: A Libélula no Âmbar - Livro 2 de Diana Gabaldon pela Saída de Emergência (2014)
>>> Turma Da Monica Jovem-O Dono Do Mundo de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2009)
>>> Chico Bento Moço- O Manto Misterioso de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2015)
>>> Outlander: A Cruz de Fogo Livro 5 - Parte 2 de Diana Gabaldon pela Arqueiro (2017)
>>> Chico Bento Moço- Um Caipira na Corte do Rei Artur de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2008)
>>> Turma da Mônica Jovem -Surge Uma Estrela de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2008)
>>> Turma da Mônica Jovem - Fortes Emoções de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2008)
>>> Outlander: Os Tambores do Outono Livro 4 - Parte 2 de Diana Gabaldon pela Arqueiro (2016)
>>> Outlander: Os Tambores do Outono Livro 4 - Parte 1 de Diana Gabaldon pela Arqueiro (2016)
>>> Turma da Mônica Jovem -Eles Cresceram de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2008)
>>> Turma da Mônica Jovem - Novos Desafios! de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2008)
>>> Outlander: O Resgate no Mar Volume 3 - Parte 1 de Diana Gabaldon pela Saída de Emergência (2015)
>>> A História Não Contada dos Estados Unidos de Oliver Stone; Peter Kuznick pela Faro Editorial (2015)
>>> Turma da Mônica Jovem - O brilho de Um Pulsar de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2009)
>>> O Deus crucificado de Jurgen Moltmann pela Academia Cristã (2010)
>>> Chico Bento Moço- A Árvore da Vida de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2015)
>>> Paulo e Estêvão - Edição em Formato Grande de Francisco Cândido Xavier pela Feb (2013)
>>> Turma da Mônica Jovem - O Dono do Mundo de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2009)
>>> Os Sentidos da Paixão de Adauto Novaes ( Org. ) pela Companhia das Letras (2009)
>>> Jerusalém no tempo de Jesus de Joachim Jeremias pela Academia Cristã , Paulus (2010)
>>> Apóstolo Paulo: Vida, obra e teologia de Jurgen Becker pela Academia Cristã , Efatá (2020)
>>> O Mundo de Sofia: Romance da História da Filosofia de Jostein Gaarder pela Companhia das Letras (1995)
>>> Estudos no novo testamento de Joachim Jeremias pela Academia Cristã , Efatá (2020)
>>> O príncipe de Nicolau Maquiavel pela L&Pm (2011)
>>> Pai Rico, Pai Pobre: O que os ricos ensinam a seus filhos sobre dinheiro de Robert T. Kiyosaki; Sharon L. Lechter pela Campus (2000)
>>> Shantaram de Gregory David Roberts pela Landscape (2005)
>>> O significado e a mensagem de Deus na bíblia de Trggve N. D. Mettinger pela Academia Cristã , Efatá (2020)
>>> Chico Bento Moço- Muito Além do Anzol de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2015)
>>> Turma da Mônica Jovem - A Aventura Continua de Mauricio de Sousa pela Panini Comics (2008)
>>> Antígona de Sófocles pela L&Pm (2010)
>>> Febre do Ouro de Disney pela Abril (1990)
>>> O Elo de Alexandria de Steve Berry pela Record (2008)
>>> Big - Para levar Sempre com Você de Disney pela Abril (1990)
>>> Star Wars Episódio 1: A Ameaça Fantasma de Terry Brooks pela Meia Sete (1999)
>>> Aliens de Disney pela Abril (1990)
>>> Elis Regina: Nada Será Como Antes de Julio Maria pela Master Books (2015)
COLUNAS

Segunda-feira, 29/8/2011
Sobre o Hino Nacional Brasileiro
Ricardo de Mattos

+ de 5000 Acessos

"A música está em tudo. Do mundo sai um hino"(Victor Hugo).

Somos do tempo em que o Hino Nacional Brasileiro era ensinado e cobrado com rigor na escola. Era nossa obrigação pesquisar as palavras desconhecidas, copiá-lo determinado número de vezes e decorá-lo para a temível chamada oral e individual. Esta prova era um recurso das professoras, pois as deficiências imperceptíveis em meio aos colegas revelavam-se no cantar isolado. A trabalheira da época converteu-se em gosto sincero pela música dedicada a simbolizar oficialmente nosso país. É comovente quando os primeiros acordes são emitidos e logo as pessoas demonstram lembrar a letra.

Foi surpreendente descobrir que a introdução, hoje apenas instrumental, também já teve uma letra para ser cantada. Recebemos por e-mail o vídeo no qual uma senhora explica como era na sua época e canta a parte até então para nós desconhecida. Ei-la:

"Espera o Brasil que todos cumprais com o vosso dever
"Eia! avante, brasileiros! Sempre avante
"Gravai com buril nos pátrios anais o vosso poder
"Eia! avante, brasileiros! Sempre avante

"Servi o Brasil sem esmorecer, com ânimo audaz
"Cumpri o dever na guerra e na paz
"À sombra da lei, à brisa gentil
"O lábaro erguei do belo Brasil
"Eia sus, oh sus!"

Atualmente o ensino é obrigatório em escolas públicas e particulares. Ignoramos como isto é feito. Dada a má qualidade do ensino e o desânimo que assola o professorado, suspeitamos que péssima gravação em CD tocada para que alunos insatisfeitos mexam a boca seja um quadro freqüente. Porquanto deficitário o estímulo, apostamos ainda que no futuro recrudescerão as vozes defensoras da substituição da peça ou, ao menos, da "atenuação" da letra. Volta e meia alguém cisma de investigar a este respeito. Em nossa opinião, a única música a altura seria Aquarela do Brasil, de Ary Barroso.


Francisco Manuel da Silva

A música do Hino foi composta em 1822. O autor foi o maestro e compositor brasileiro Francisco Manuel da Silva (1795-1865). Curioso descobrir que ele foi aluno do padre José Maurício Nunes Garcia (1767-1830), nome forte de nossa música no período colonial. A finalidade da composição foi outra, mas a melodia alcançou tal popularidade que atravessou os séculos XIX e XX, alcançando ilesa o século XXI. O concurso para um novo hino foi frustrado, restando à República nascente providenciar outro certame na busca de letra que melhor se adaptasse. Somente em 1909 o poema de Joaquim Osório Duque Estrada (1870-1927), com enxertos de Gonçalves Dias (1823-1864), foi definida vitoriosa. As datas adrede indicadas revelam que a concepção do Hino deu-se sob a regência da forma e da ideologia de dois importantes "ismos" - romantismo e nacionalismo - o que explica a exultação dos versos.

Salvo pesquisa minuciosa da imprensa e da correspondência pública e privada da primeira metade do século XIX, dificilmente podemos avaliar o que significou para os habitantes do novo país a independência de Portugal e o clima de autonomia instalado. Nós mesmos não temos noção da amplidão de nossa terra. Sequer aprendemos chamá-la "nossa". Com extrema lentidão e má vontade desenvolve-se a mentalidade que encara como problema pessoal as questões públicas. Quase um século separa a letra da melodia e o poema de Duque Estrada ainda insiste na admiração pelo "impávido colosso", a admiração que se tem diante do desconhecido.

Reparemos que o hino contém certa narrativa. Conquistamos a liberdade de viver neste país imenso: "Ouviram do Ipiranga (...) desafia o nosso peito à própria morte". Esta liberdade era um antigo desejo: "Brasil, um sonho intenso (...) à terra desce". Nosso novo país tem riquezas naturais que parecem inesgotáveis: "Gigante pela própria natureza (...) 'mais amores'". Reconhecida nossa autonomia, queremos paz no futuro: "paz no futuro e glória no passado". Todavia, saberemos lutar pelo que é nosso: "Mas, se ergues da justiça (...) a própria morte". Notemos ainda que, embora fale duas vezes na morte, o Hino menciona as palavras "amor", "amores" e "amada" num total de nove vezes.


Joaquim Osório Duque Estrada

Pode-se alegar que a existência ou não de um hino é indiferente ou mesmo irrelevante. Pode-se argumentar que hinos são vestígios de um militarismo que se quer esquecer. Entretanto, podemos resumir o Hino Nacional como um acerto de contas com o passado e como projeção para o porvir, mesmo que as gerações seguintes ou não mais acreditem, ou nem sejam ensinadas a buscar este futuro. Quando pipocam as crises, seria importante retomar os anseios de nossos ancestrais e tomar verdadeiramente as rédeas da nação. A leitura deve ser atualizada. Não se deve entender como povo heróico capaz de brado retumbante apenas aquelas pessoas que viveram nas primeiras décadas do século XIX. Este heroísmo deve alcançar o brasileiro de hoje. Continua bravo e audaz este povo, embora a Administração, através de tributos infindáveis, tome compulsoriamente parte substancial de seus rendimentos e depois faça-o pagar tudo novamente em convênios, planos e serviços. Conserva traços de heroísmo aquele que, não encontrando amparo para suas necessidades básicas, nem recebendo educação sólida que lhe desperte ou fortaleça suas boas disposições, entrega-se ao vício e tomba pelas ruas, apesar de financiarmos bolsas e mais bolsas com a suposta finalidade de evitar justamente isto.

Isentemos de culpa o Hino Nacional, pois não é sua culpa nossos concidadãos não aprenderem - e não haver interesse em ensiná-los - que a paz no futuro depende da glória em relação às lides do passado, e que o entendimento do binômio glória-paz não poderia ser apresentado como próprio de um tempo distante e de figuras vagas e espectrais, e sim, como algo que faz parte de nossa atualidade. Não amará a terra a juventude constrangida a repetir o que não entende, sem que lhe seja mostrado de alguma forma que berço esplêndido é este em que ela mesma vive, que campos e que bosques são estes com mais flores e mais vida. Nenhum peito será desafiado à própria morte caso esteja oprimido por obrigações diversas que lhe tolham o entendimento, e nenhuma pátria será amada enquanto o mutualismo do amor e do respeito não for atendido.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 29/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O tempo de Arturo Pérez-Reverte de Celso A. Uequed Pitol
02. Pequenos combustíveis para leitores e escritores. de Guilherme Pontes Coelho
03. A internet não é isso tudo de Marta Barcellos
04. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti de Wellington Machado
05. Assim é... de Marta Barcellos


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2011
01. Do preconceito e do racismo - 18/4/2011
02. Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo - 7/3/2011
03. A lebre com olhos de âmbar, de Edmund de Waal - 5/12/2011
04. Clássicos para a Juventude - 27/6/2011
05. Sobre um tratado chinês de pintura - 24/1/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEGREDOS DA BEL PARA MENINAS
FRAN E BEL
ÚNICA
(2016)
R$ 9,90



RASTROS DE DOR
ROQUE JACINTHO
IDE / LUZ NO LAR
(2016)
R$ 23,00



DIVINA COMÉDIA- COLEÇÃO REENCONTRO LITERATURA
CECILIA CASAS - ADAPTAÇÃO
SCIPIONE
(2008)
R$ 29,00
+ frete grátis



SCIENCE ET STYLE CONEILS A UM JEUNE ÉCRIVAIN
TH. MOREUX
G DOIN & CIE
(1930)
R$ 186,76



CINTHIA HOLMES E WATSON E OUTRAS INCRIVEIS
CHRISTIANE GRIBEL; BRUNA ASSIS BRASIL
SALAMANDRA
(2015)
R$ 24,90



A SOLUÇÃO OTIMISTA
ÔMAR SOUKI
SOUKI HOUSE
(2001)
R$ 5,00



CONEXÃO MANHATTAN - CRONICAS DA BIG APPLE
LUCAS MENDES
CAMPUS
(1997)
R$ 6,90



A ODISSÉIA DE ASTERIX
GOSCINNY
RECORD
(1981)
R$ 25,00



MINI COLEÇÃO INFANTIL - ALÉM DO ARCO ÍRIS
EDITORA FAPI
FAPI
(2015)
R$ 10,37



A ESSÊNCIA DA FELICIDADE
DESMOND MORRIS
ROCCO
(2005)
R$ 22,39





busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês