Depois do ensaio | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 1/3/2002
Depois do ensaio
Rafael Azevedo

+ de 5300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Efter repetitionen
“Depois do Ensaio”. Dirigido por Ingmar Bergman, com Erland Josephson, Ingrid Thulin, e Lena Olin. Acho que já fazia tempo que um filme não exigia tanto de mim, em todos os sentidos. Antes de tudo, é necessária a devida atenção a um Bergman; cada diálogo, cada frase é importante. É estranho ter que dizer isso, mas é preciso, nestes tempos em que os filmes não passam de “chiclete visual” (definição do Nelson Motta para os videoclips) - e mental. Há muito mais coisa não dita, subentendida, do que propriamente dita, explícita no roteiro. Não há muito de cinema, tecnicamente falando - é quase como se estivéssemos vendo uma peça de teatro filmada. Somente os três atores, durante todo o filme. Francamente, isso não faz diferença - talvez seja até melhor assim. O bom cinema é, antes de tudo, roteiro.
Josephson faz Henrik Vogler, um diretor de teatro prestes a estrear sua montagem de "O sonho", de Strindberg. Em um de seus costumeiros cochilos, após o ensaio, é interrompido pela jovem Rakel, Lena, espetacular em seus vinte e poucos anos, que o procura, inventando a desculpa de que esquecera um bracelete . A jovem atriz, insegura com a magnitude de seu papel e o que sente pelo diretor, pede a ele que a ajude com trechos da peça. A partir daí, é a impressionante avalanche de sentimentos, as explosões do inconsciente que tipificam os diálogos de Bergman, que culminam com o velho diretor relembrando vivamente, através da jovem atriz, o relacionamento adúltero que tivera anos antes com a mãe dela, também dirigida por ele, e já devidamente morta pelo álcool. Atuação é direção, alguém já deve ter dito; e Bergman sempre nos deixa estarrecido - não há nada como um bom diretor para extrair o que um ator tem de melhor. Duvido que Lena Olin tenha tido algum desempenho sequer comparável em outro trabalho seu no cinema - em especial na cena em que encena Strindberg em frente ao espelho, sob a orientação do diretor – e Ingrid Thulin consegue colocar todo o exagero, na medida exata, que seu papel pede. Liv Ullman, “musa” e protagonista de tantos outros filmes de Bergman, também só atuou bem sob sua batuta.


Falou e disse
“Ator é gado.” Hitchcock, outro que também dirigia atores como ninguém. Fez milagres com o que teve em mãos.


Casa dos Artistas
E pensar que Bergman dirigiu o filme para a televisão sueca, há quase 20 anos atrás...


Talar ni svenska?
Um problema sério, e a princípio insolúvel, com Bergman, é entender seus filmes. As traduções são insuportáveis. Desta vez tentei ver com legendas em inglês; ajudou, ma non troppo. Os filmes dele disponíveis no mercado brasileiro são simplesmente incompreensíveis, se não se entende o sueco; as legendas são comparáveis àquelas da lendária tradução do Júlio César de Shakespeare feita pela Continental. Na versão americana que assisti, ainda existem trechos em que os personagens falam, e ficamos a ver navios, nada de legendas. Meu parco conhecimento dos idiomas nórdicos pôde auxiliar-me aqui e ali, o suficiente para que eu não me perdesse, mas será que é tanto pedir só uma legenda competente?


Cheech & Chomski
Noam Chomski, o célebre linguista, dá entrevista na BBC. Noam não fala uma palavra sequer sobre linguística há mais de vinte anos, ocupando-se desde então em palpitar sobre política internacional para a imprensa do mundo. É o queridinho de 10 entre 10 esquerdistas contemporâneos, um dinossauro político americano. O único comunista da América. Aqui faz sucesso. Mal começa a entrevista e já começa com aquela velha lenga-lenga, aquele multiculturalismo besta e mentiroso, enfim, os mesmos argumentos bobos e rasteiros, raciocínios simplistas que qualquer pessoa que saiba usar o intelecto pode questionar sem maior esforço. E há o ódio, muito ódio, ressentimento, disfarçados de caridade e de preocupação sincera e cristã com o bem do próximo, com "direitos humanos". Entre outras tolices, apregoa que as potências ocidentais pediram pelo terrorismo que estão colhendo com suas políticas passadas (só não disse “mereceram” por medo de um processo, provavelmente), e que o que os EUA haviam feito na Nicarágua e em El Salvador fora muito pior do que o ocorrido no World Trade Center – como se o financiamento de guerrilhas que se oponham a um governo comunista, corrupto e assassino possa, de alguma maneira, ser comparado ao massacre de 4000 pessoas de todos os cantos do mundo, absolutamente inocentes. Segundo Chomski, a comunidade internacional deveria ter se reunido, após o 11 de setembro, e investigado (sic) os autores do atentado, e somente então pressionado o governo do país onde estes criminosos estivessem a entregá-los. Ah, tá. Entendi.
Atacar o Afeganistão “de cara”, como os EUA fizeram, foi um erro, segundo ele. O entrevistador do Hardtalk, da BBC, que não prima exatamente pelo brilho intelectual, desta vez deu uma dentro - lhe perguntou: “Mas isso não seria como pedir a um sujeito que acordasse, no meio da noite, sendo ameaçado por um agressor que lhe aponta uma arma, pedisse para o agressor esperar enquanto ele liga para a polícia?” Noam ficou sem resposta, enrolou, fugiu do assunto. Conseguiu reverter sua falta de argumentos em mais ataques aos EUA. É a típica tática da esquerda, manjada...
Chomski não acredita que se possa condenar Osama bin Laden como autor dos atentados, mesmo após ele ter assumido essa autoria em várias gravações, e, como se não bastasse, ter vibrado ao descrever o ocorrido, confessando-se até positivamente surpreso pois esperava que morressem menos pessoas! Fico imaginando o que falta para convencer Mr Chomski... confissão assinada, com firma reconhecida? Que titio Osama jure por Alá, sobre o Corão?


Citar é preciso
Sabe que eu ficaria até surpreso, se já não soubesse tão bem que essa turma da esquerda nunca primou mesmo pela intelligentsia? Sério mesmo.
Mas pra que não digam que sou só eu que pego no pé, vou direto na fonte; eis o que Sir Winston já disse dessa patota.
"O vício inerente ao capitalismo é a divisão desigual de benesses; o vício inerente ao socialismo é a partilha total das misérias."
"É uma idéia socialista de que obter lucros é um vício; eu considero o verdadeiro vício obter perdas."
"Um comunista é como um crocodilo; quando abre sua boca você não consegue saber se ele está tentando sorrir ou se preparando para lhe comer."
"Se você não é liberal quando tem 25 anos, não tem coração; se não é um conservador quando chega aos 35, não tem cérebro."


Rafael Azevedo
São Paulo, 1/3/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
02. Livrarias de Ricardo de Mattos
03. Carmela morreu. de Ricardo de Mattos
04. O Jagunço degolado de Wellington Machado
05. Arte e liberdade de Diogo Salles


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2002
01. Banana Republic - 19/4/2002
02. Terra Papagalli - 22/2/2002
03. Depois do ensaio - 1/3/2002
04. O injustificável - 12/4/2002
05. Vidas Paralelas - 22/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/3/2002
1. Que?
13h07min
Rafael Meu amigo ... Olha, que Chomsky é óbvio e repetitivo até concordo (e a História é o quê ?), mas defender a política internacional norte-americana (!?). Lembrou de El Salvador e Nicarágua ? Lembre do Brasil, Colômbia,Chile, Cuba, Arábia Saudita, Iraque, Angola e assim por diante. Vc considera todos os governos de todos esses países em que os EUA se intrometeram por dinheiro simples "corruptos e assassinos" merecedores de serem depostos ? Depois: quem é a "turma de esquerda" ? Seus colegas de faculdade ? Outra : um assalto é imediato, revanche a terroristas não. ESQUEÇA essa comparação idiota. Nunca tive nada contra seus textos. Até é legal dar uma provocada, mas daí falar besteiras ... Sem querer ofender, é só um toque Obrigado Villela
[Leia outros Comentários de Villela]
19/3/2002
08h50min
Meu caro Villela, somente você dizer que eu "falei besteiras" não transforma o que eu disse em besteiras. São necessários, para se contestar algo ou alguém, argumentos - algo que ainda estou procurando em sua mensagem. Ofensas e reclamações só não bastam. Prove, se é que pode, que os EUA se intrometeram "por dinheiro" nesses países, e que os governos destes países não eram corruptos e assassinos. Ou como você descreveria Saddam Husseim, ou Fidel Castro? E os Taliban? Quanto à comparação, NÃO VOU ESQUECÊ-LA, porque continuo não a achando nem um pouco idiota. Abraço, Rafael.
[Leia outros Comentários de Rafael Azevedo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROBLEMAS BRASILEIROS DE ANTROPOLOGIA
GILBERTO FREYRE
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
(1962)
R$ 15,00



A SITUAÇÃO DO ESCRITOR E DO LIVRO NO BRASIL
MOACIR C LOPES
CÁTEDRA (RJ)
(1978)
R$ 23,82



ARQUITETO, O
TAVARES, RUI
MARTINS
(2008)
R$ 36,47



CURSO DE DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO
GUSTAVO FILIPE BARBOSA GARCIA
ABDR
(2017)
R$ 130,00



A GRANDE ESPERANCA
ELLEN G. WHITE
CPB DIDATICOS
(2011)
R$ 8,00



DICIONÁRIO DE CINEMA AMERICANO + OS ANOS CINQUENTA
OLIVIER-RENÉ VEILLON
DOM QUIXOTE PORTUGAL
(1985)
R$ 30,00



A BUSCA DE CADA UM
DENIS MANDARINO
PLÊNAIDE
(2010)
R$ 10,00



O SENHOR DOS ANÉIS AS DUAS TORRES
J R R TOLKIEN
MARTINS FONTES
(2002)
R$ 18,00



ACEITA UM CAFÉZINHO?- MEMÓRIAS DESINIBIDAS DE DUAS AEROMOÇAS
TRUDY BAKER & RACHEL JONES
EXPRESSÃO E CULTURA
(1971)
R$ 4,00



O FANTASMA - 1ª SÉRIE - Nº 28 - A LENDA DO DURUGU - O MACACO BRANCO
SABER S/A - EXPANSÃO INDUSTRIAL COMERCIAL CULTURA
SABER
(1972)
R$ 70,00





busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês