Depois do ensaio | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
Mais Recentes
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
>>> Walk, run, or retreat de Neil V. Sullivan pela Indiana university press (1971)
>>> enciclopédia dos museus--galeria nacional washington de Sem Autor pela Ceam (1970)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Four Weddings and a Funeral de Richard Curtis pela Peguin Readers (1999)
>>> a Presidência Afortunada de Candido Mendes pela Record (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 1/3/2002
Depois do ensaio
Rafael Azevedo

+ de 5100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Efter repetitionen
“Depois do Ensaio”. Dirigido por Ingmar Bergman, com Erland Josephson, Ingrid Thulin, e Lena Olin. Acho que já fazia tempo que um filme não exigia tanto de mim, em todos os sentidos. Antes de tudo, é necessária a devida atenção a um Bergman; cada diálogo, cada frase é importante. É estranho ter que dizer isso, mas é preciso, nestes tempos em que os filmes não passam de “chiclete visual” (definição do Nelson Motta para os videoclips) - e mental. Há muito mais coisa não dita, subentendida, do que propriamente dita, explícita no roteiro. Não há muito de cinema, tecnicamente falando - é quase como se estivéssemos vendo uma peça de teatro filmada. Somente os três atores, durante todo o filme. Francamente, isso não faz diferença - talvez seja até melhor assim. O bom cinema é, antes de tudo, roteiro.
Josephson faz Henrik Vogler, um diretor de teatro prestes a estrear sua montagem de "O sonho", de Strindberg. Em um de seus costumeiros cochilos, após o ensaio, é interrompido pela jovem Rakel, Lena, espetacular em seus vinte e poucos anos, que o procura, inventando a desculpa de que esquecera um bracelete . A jovem atriz, insegura com a magnitude de seu papel e o que sente pelo diretor, pede a ele que a ajude com trechos da peça. A partir daí, é a impressionante avalanche de sentimentos, as explosões do inconsciente que tipificam os diálogos de Bergman, que culminam com o velho diretor relembrando vivamente, através da jovem atriz, o relacionamento adúltero que tivera anos antes com a mãe dela, também dirigida por ele, e já devidamente morta pelo álcool. Atuação é direção, alguém já deve ter dito; e Bergman sempre nos deixa estarrecido - não há nada como um bom diretor para extrair o que um ator tem de melhor. Duvido que Lena Olin tenha tido algum desempenho sequer comparável em outro trabalho seu no cinema - em especial na cena em que encena Strindberg em frente ao espelho, sob a orientação do diretor – e Ingrid Thulin consegue colocar todo o exagero, na medida exata, que seu papel pede. Liv Ullman, “musa” e protagonista de tantos outros filmes de Bergman, também só atuou bem sob sua batuta.


Falou e disse
“Ator é gado.” Hitchcock, outro que também dirigia atores como ninguém. Fez milagres com o que teve em mãos.


Casa dos Artistas
E pensar que Bergman dirigiu o filme para a televisão sueca, há quase 20 anos atrás...


Talar ni svenska?
Um problema sério, e a princípio insolúvel, com Bergman, é entender seus filmes. As traduções são insuportáveis. Desta vez tentei ver com legendas em inglês; ajudou, ma non troppo. Os filmes dele disponíveis no mercado brasileiro são simplesmente incompreensíveis, se não se entende o sueco; as legendas são comparáveis àquelas da lendária tradução do Júlio César de Shakespeare feita pela Continental. Na versão americana que assisti, ainda existem trechos em que os personagens falam, e ficamos a ver navios, nada de legendas. Meu parco conhecimento dos idiomas nórdicos pôde auxiliar-me aqui e ali, o suficiente para que eu não me perdesse, mas será que é tanto pedir só uma legenda competente?


Cheech & Chomski
Noam Chomski, o célebre linguista, dá entrevista na BBC. Noam não fala uma palavra sequer sobre linguística há mais de vinte anos, ocupando-se desde então em palpitar sobre política internacional para a imprensa do mundo. É o queridinho de 10 entre 10 esquerdistas contemporâneos, um dinossauro político americano. O único comunista da América. Aqui faz sucesso. Mal começa a entrevista e já começa com aquela velha lenga-lenga, aquele multiculturalismo besta e mentiroso, enfim, os mesmos argumentos bobos e rasteiros, raciocínios simplistas que qualquer pessoa que saiba usar o intelecto pode questionar sem maior esforço. E há o ódio, muito ódio, ressentimento, disfarçados de caridade e de preocupação sincera e cristã com o bem do próximo, com "direitos humanos". Entre outras tolices, apregoa que as potências ocidentais pediram pelo terrorismo que estão colhendo com suas políticas passadas (só não disse “mereceram” por medo de um processo, provavelmente), e que o que os EUA haviam feito na Nicarágua e em El Salvador fora muito pior do que o ocorrido no World Trade Center – como se o financiamento de guerrilhas que se oponham a um governo comunista, corrupto e assassino possa, de alguma maneira, ser comparado ao massacre de 4000 pessoas de todos os cantos do mundo, absolutamente inocentes. Segundo Chomski, a comunidade internacional deveria ter se reunido, após o 11 de setembro, e investigado (sic) os autores do atentado, e somente então pressionado o governo do país onde estes criminosos estivessem a entregá-los. Ah, tá. Entendi.
Atacar o Afeganistão “de cara”, como os EUA fizeram, foi um erro, segundo ele. O entrevistador do Hardtalk, da BBC, que não prima exatamente pelo brilho intelectual, desta vez deu uma dentro - lhe perguntou: “Mas isso não seria como pedir a um sujeito que acordasse, no meio da noite, sendo ameaçado por um agressor que lhe aponta uma arma, pedisse para o agressor esperar enquanto ele liga para a polícia?” Noam ficou sem resposta, enrolou, fugiu do assunto. Conseguiu reverter sua falta de argumentos em mais ataques aos EUA. É a típica tática da esquerda, manjada...
Chomski não acredita que se possa condenar Osama bin Laden como autor dos atentados, mesmo após ele ter assumido essa autoria em várias gravações, e, como se não bastasse, ter vibrado ao descrever o ocorrido, confessando-se até positivamente surpreso pois esperava que morressem menos pessoas! Fico imaginando o que falta para convencer Mr Chomski... confissão assinada, com firma reconhecida? Que titio Osama jure por Alá, sobre o Corão?


Citar é preciso
Sabe que eu ficaria até surpreso, se já não soubesse tão bem que essa turma da esquerda nunca primou mesmo pela intelligentsia? Sério mesmo.
Mas pra que não digam que sou só eu que pego no pé, vou direto na fonte; eis o que Sir Winston já disse dessa patota.
"O vício inerente ao capitalismo é a divisão desigual de benesses; o vício inerente ao socialismo é a partilha total das misérias."
"É uma idéia socialista de que obter lucros é um vício; eu considero o verdadeiro vício obter perdas."
"Um comunista é como um crocodilo; quando abre sua boca você não consegue saber se ele está tentando sorrir ou se preparando para lhe comer."
"Se você não é liberal quando tem 25 anos, não tem coração; se não é um conservador quando chega aos 35, não tem cérebro."


Rafael Azevedo
São Paulo, 1/3/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma livrada na cara de Guilherme Carvalhal
02. Humor x Desamparo de Carla Ceres
03. A Poética do Chá de Felipe Leal
04. 20 anos de Trapo de Daniel Lopes
05. Legião o quê? de Lucas Rodrigues Pires


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2002
01. Banana Republic - 19/4/2002
02. Terra Papagalli - 22/2/2002
03. Depois do ensaio - 1/3/2002
04. O injustificável - 12/4/2002
05. Vidas Paralelas - 22/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/3/2002
1. Que?
13h07min
Rafael Meu amigo ... Olha, que Chomsky é óbvio e repetitivo até concordo (e a História é o quê ?), mas defender a política internacional norte-americana (!?). Lembrou de El Salvador e Nicarágua ? Lembre do Brasil, Colômbia,Chile, Cuba, Arábia Saudita, Iraque, Angola e assim por diante. Vc considera todos os governos de todos esses países em que os EUA se intrometeram por dinheiro simples "corruptos e assassinos" merecedores de serem depostos ? Depois: quem é a "turma de esquerda" ? Seus colegas de faculdade ? Outra : um assalto é imediato, revanche a terroristas não. ESQUEÇA essa comparação idiota. Nunca tive nada contra seus textos. Até é legal dar uma provocada, mas daí falar besteiras ... Sem querer ofender, é só um toque Obrigado Villela
[Leia outros Comentários de Villela]
19/3/2002
08h50min
Meu caro Villela, somente você dizer que eu "falei besteiras" não transforma o que eu disse em besteiras. São necessários, para se contestar algo ou alguém, argumentos - algo que ainda estou procurando em sua mensagem. Ofensas e reclamações só não bastam. Prove, se é que pode, que os EUA se intrometeram "por dinheiro" nesses países, e que os governos destes países não eram corruptos e assassinos. Ou como você descreveria Saddam Husseim, ou Fidel Castro? E os Taliban? Quanto à comparação, NÃO VOU ESQUECÊ-LA, porque continuo não a achando nem um pouco idiota. Abraço, Rafael.
[Leia outros Comentários de Rafael Azevedo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COM VINHO E SANGUE
JANET DAILEY
RECORD
(1995)
R$ 6,00



SOCIEDADE MIDIATIZADA
ORGANIZADOR DÊNIS DE MORAES
MAUAD X
(2008)
R$ 27,00



ELEGIAS DE BIERVILLE BILINGUE
CARLES RIBA
VISOR
(1982)
R$ 50,00
+ frete grátis



AMOR NUNCA É DEMAIS
HELEN VAN SLYKE
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 6,00



PASCHOAL CARLOS MAGNO - CRÍTICA TEATRAL E OUTRAS HISTÓRIAS
MARTINHO DE CARVALHO E NORMA DUMAR
FUNARTE
(2006)
R$ 80,00



SOBRE AS FEITICEIRAS
JULES MICHELET
AFRODITE
(1974)
R$ 50,00



REENCARNAÇÃO E VIDA
AMÁLIA DOMINGO SOLER
INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPIRITA
R$ 10,00



ARMANDO A BARRACA
NICK FISHER
MELHORAMENTO
(2001)
R$ 15,00



DIÁLOGOS IMPOSSÍVEIS
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(2012)
R$ 15,00



CLEOPATRA
BENOIST MECHIN
NOVA FRONTEIRA
(1978)
R$ 10,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês