O bosque inveterado dos oitis | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
>>> CANTORA E ATRIZ SANDRA PÊRA NO SESC BELENZINHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> Vida conjugal
>>> Querem acabar com as livrarias
>>> Cisne Negro
Mais Recentes
>>> Lições de Sociologia de Émile Durkheim pela Martins Fontes (2002)
>>> Entrevista Com o Vampiro de Anne Rice pela Rocco (2020)
>>> Orações da noite junto a um recém-nascido de Jean Yves Garneau pela Ave-Maria (2019)
>>> Le Lagon Noir de Arnaldur Indridason pela Métailié (2016)
>>> Vernon Subutex - Tome 1 de Virginie Despentes pela Bernard Grasset (2015)
>>> Com Teresa de Jesus, Desejo ver a Face de Deus! de Irmã Maria José do Espírito Santo pela Edições Loyola (2013)
>>> A Náusea de Sartre Jean-Paul pela Europa-América
>>> The petroleum handbook de Royal detch e outros B8 pela Elsevier (1983)
>>> O Conto Da Aia de Margaret Atwood pela Rocco (2021)
>>> Um Chute Na Rotina de Roger Von Oech pela Cultura (2006)
>>> Os poderes de cura da Cabala de Dr. Raphael Kellman pela Campus (2004)
>>> Os Endereços Curiosos de Roma de Claudia Monteiro de Castro pela Panda Books (2002)
>>> Teresa de Ávila: É Tempo de Caminhar de Frei Patrício Sciadini pela Edições Loyola (2015)
>>> Laços Eternos de Zibia Gasparetto pela Espaço (1997)
>>> Les Émotions Cachées des Plantes de Didier Van Cauwelaert pela Plon (2018)
>>> Los abogados del dolar de Joseph C goulden pela Grijalbo (1973)
>>> Guia da Ecologia de Fábio Feldmann pela Abril (1992)
>>> Gramática da Língua Portuguesa de Pasquale & Ulisses pela Scipione (1998)
>>> Signos da Marca: Expressividade e Sensorialidade de Clotide Perez pela Thomson (2004)
>>> As 48 Leis do Poder de Robert Greene, Joost Elffers pela Rocco (2021)
>>> Anna Karenina - Volume I e II de Tolstói pela Nova Cultural (1995)
>>> Un Avios Sans Elle de Michel Bussi pela Presses de La Citê (2016)
>>> Caminho para a Plenitude: As Três Vidas de Teresa D'Ávila de Erika Lorenz pela Santuário (2017)
>>> Os Endereços Curiosos de São Paulo volumes 1 e 2 de Marcelo Duarte pela Panda Books (2004)
>>> La Muraille de lave de Arnaldur Indridason pela Métailié (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/4/2020
O bosque inveterado dos oitis
Elisa Andrade Buzzo

+ de 1500 Acessos

Em certas ruas já vivi. Ruas com casebres, prédios baixos, oficinas de máquinas de costura e tecido à porta. Ruas de prostituição, danceterias, edifícios abandonados com cortinas rendadas de teias de aranha. Ruas de areia, de paralelepípedo, de pedra portuguesa, de asfalto ou concreto. Algumas humildes, outras sofisticadas, com movimento de bares à porta, padarias fumegantes na manhã primeira, velhos bronzes e alta-costura. Noutras emaranhavam-se fios de eletricidade, helicópteros, casarões com vista para vales de rios tamponados. Certas delas, decoradas com o badalar de sinos, o trepidar de trens, a buzina de navios cautelosos. Hoje, vivo em uma rua muito distante do mundo, a última transversal de um bairro, onde não se antevê ninguém chegando, mas se divisam gaivotas partindo.

Ainda assim, as coisas andam mudando; da rua, lentamente se precipitam novos elementos, engatinhando, trepando por sua ladeira ressentida. Há construções, há demolições, há abandono na antevisão da janela. Por isso mesmo, nessa mescla de espera, transição e ação, é que se engendra uma educação compulsória da paciência e de certa resignação desexpectante. Na sucessão de brilhos que se acendem a cada entardecer, um signo de novidade estaca dentro de cada lâmpada longínqua na cintura do porto. Em certa noite, reacende um ponto vermelho inédito, piscante, na outra margem do rio. Focos ilusórios que se desfazem no branco lavado da aurora, antes mesmo de olharmos mais uma vez para atestar sua veracidade.

Desta rua, avistam-se muitas coisas ao longe, sim. Assim como se veem elementos de episódios passados, difundidos no presente. Há depósitos sem nada dentro, como um peito tóxico esvaziado, carcaça de torres sem flâmula, que já não queimam nem poluem. E caminhar por seus arredores traz a continuação de outras alamedas de calçadas riscadas, desertas e largas, pontuadas por palmeiras franzinas e desencontradas, guindastes silenciosos e caminhões de cimento na entrada das obras. Os ecos de marteladas, que fixam pontos diversos de futura solidez, dão um ar de melancolia e susto, badalos de carrilhão ressonando no tempo. É como se houvesse um prenúncio da inutilidade da força mesmo na tenra idade das construções, diante da inconstância mesquinha a que se submeterão adiante. Nasce-se, mas fraqueja-se, não no instante seguinte, mas no momento mesmo da força maior.

Como se tivesse sobrado pelo silêncio autoimposto nessa conjunção de pedras partidas e encavaladas, sobressai um pequeno bosque de oitis. Talvez tenha sobrevivido mesmo pelo abandono, fincado no descampado por tantas vezes reocupado. Oito oitis, de caules portentosos, galhos rijos, folhas pequenas nas copiosas copas espiraladas. Encampados, fincados, enfileirados, como um túnel fresco. E no interlúdio da passagem por seu caminho de sombra e musgo, pesar fundo, ser parte presente no profundo daquele conjunto orgânico, desenganchado de ruínas e escombros, distanciado de previsões ou profecias. Que importam as ruas alijadas, as ruas projetadas, as ruas onde jaz o esquecimento? entra-se pelo momento do bosque dos oitis, apenas esta-se no ato de passar por ele, nele estando, indo dentro de si, terráqueo.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 23/4/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2020
01. Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa - 20/8/2020
02. Alma indígena minha - 14/5/2020
03. Na translucidez à nossa frente - 10/12/2020
04. Vandalizar e destituir uma imagem de estátua - 1/10/2020
05. Alameda de água e lava - 29/10/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Felicidade das Borboletas
Patrícia Engel Secco (autor), Daniel Kondo
Melhoramentos
(2003)



Didatica de Cinecias - Atraves de Módulos Instrucionais
Vera Joullie e Wanda Mafra
Vozes
(1977)



Negrinha - 30ª
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1998)



Livro - A Audaciosa: uma Pungente e Empolgante Estória de uma Mulher
Henry Kane
Nova Época Editorial
(1975)



Inflação Zero: Brasil , Argentina, Israel
Persio Arida
Paz e Terra
(1986)



Anglo Saxon Attitudes
Angus Wilson
Penguin Books
(1978)



Real Talk Series
Wise Up
Wise Up
(2016)



Livro Físico - Um Sorriso Ou Dois: para Mulheres Que Querem Mais
Frederico Elboni
Benvirá
(2014)



Livro - Os Filhos Vêm do Céu
John Gray
Rocco
(2003)



10 O Antigo Regime e a Revolução
Alexis de Tocqueville
universidade de brasilia
(1979)





busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês