Kokoro, de Natsume Soseki | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 12/4/2010
Kokoro, de Natsume Soseki
Ricardo de Mattos

+ de 5400 Acessos


Natsume Soseki

"Ler um livro é para o bom leitor conhecer a pessoa e o modo de pensar de alguém que lhe é estranho. É procurar compreendê-lo e, sempre que possível, fazer dele um amigo." (Hermann Hesse)

A boa literatura é aquela que se liberta do tempo e lugar onde foi gestada e veio à luz, para ganhar o alcance não imaginado pelo autor. Desnecessário justificar a leitura alegando que "apesar de escrita há tantos anos, ela ainda é atual". Implicamo-nos com isso, inclusive, pois o hábito de trazer tudo para o presente faz perder a sequência dos passos da humanidade e a situação do trabalho em sua época. O desafio é conhecer o livro em seu contexto para depois acompanhar sua "fuga". Dele tiram proveito leitores de outros tempos e tradições, proveito imediato ou não. Conheça-se obras diversas e forme-se um cabedal de cultura cujo valor revelar-se-á no instante exato, como visitar um local sabendo o que procurar, observar e lembrar, ou vivenciar experiências avisados quanto ao mínimo a extrair delas. Viva o leitor onívoro, pois por melhor que seja a comida, a repetição indefinida torna o paladar insensível.

O escritor japonês Natsume Soseki ― nascido Kinnosuke ― é-nos apresentado como o mais relevante de sua época. Nascido em 1867 e desencarnado em 1916, vivenciou a totalidade do período Meiji. Até agora, recorreu-se a Machado de Assis como paralelo de apresentação ao público brasileiro, providência que questionamos. Parece recurso do senso comum aplicar à literatura a expressão "diga-me com quem andas que te direi quem és". Utilizar um escritor como muleta para entendimento do outro acaba prejudicando o recém-chegado. Ambos viveram a maior parte de suas vidas na segunda metade do século XIX. Machado de Assis testemunhou abolição dos escravos e o fim do Império. Soseki acompanhou mudanças extremas dentro do Império japonês. Não se deve ir muito adiante na questão, sob pena de ler-se Soseki como extensão de Machado e perder-se o melhor do extremo-oriental. Basta lembrar que Machado de Assis era católico romano, e até onde lembramo-nos, não é pela observação das mudanças nas tradições sociais e religiosas que se notabilizou. Soseki foi zen-budista, mantendo por si mesmo um intenso diálogo entre a literatura e a filosofia chinesas e as mesmas expressões do Japão. Conforme tentaremos salientar nesta coluna, é muito mais útil para a compreensão dos livros de Soseki o conhecimento d'O livro do chá, do também nipônico Kakuzo Okakura, que de qualquer outro escritor ocidental.

Era Meiji respeita ao período de governo do imperador Mutsuhito (1868-1912) e significa Era da Iluminação. Foi aquela em que se verificou e consolidou um período de profunda renovação econômica, social, industrial e cultural, por força da cobrança feita ao Japão pelos Estados Unidos para que saísse de seu isolamento e abrisse-se ao comércio internacional. O convite foi feito com a caraterística delicadeza ianque, através da invasão da baía de Uraga. Embora a força modificadora tenha sido externa, o Japão foi "preparado" para o mundo moderno, no qual se apresenta como potência econômica. O ponto negativo é que as mudanças, si necessárias, não foram pacíficas, gerando invasões na Coreia, Manchúria e Taiwan e guerras contra a China e a Rússia. "O ocidental comum se habituou a considerar o Japão como um país bárbaro enquanto este cultivou as suaves artes da paz, mas o classifica como civilizado desde que começou a perpetrar carnificina em massa nos campos de batalha da Manchúria", reclamou Okakura. Teve igualmente vez um amplo descontentamento interno, sendo o mais expressivo o dos samurais, que perderam seu status social de forma talvez impensada. Em lugares onde dá-se muita importância a símbolos de definição social, basta estendê-los a todos que o prestígio esvai-se. Portanto, como antes apenas os samurais podiam portar armas, a extensão do serviço militar obrigatório a todos os homens tornou imotivada a distinção em decorrência delas. Postumamente, Mutsuhito foi rebatizado como o nome do período, passando a ser referido como Imperador Meiji, o que não deixa de causar certa estranheza aos iniciantes. Na França, seria como deixar de chamar Louis XV pela referência numérica e chamá-lo "Louis Rococó".

Ao lado das mudanças econômicas e estruturais do Estado japonês, desenrolaram-se as mudanças culturais e sociais. Aqui entra Soseki com sua observação profunda dos fatos. "Soseki", conforme fonte mais segura, vem do chinês "obstinação", "resistência". O escritor não resistiu à mudança das coisas, mas à forma como ela se realizava. Ele criticou a atitude radical de simplesmente voltar as costas para o passado e acolher o novo somente porque é novo, sem questionamento. De fato, si não compramos um sapato antes de saber si ele calça-nos bem, e submetê-mo-lo à prova do uso para avaliar sua qualidade, como queremos adotar novas ideias e formas de pensamento ignorando a proporção de benefícios e malefícios que elas trarão consigo? Mudar pelo movimento de mudar, rejeitar o velho porque velho e receber o novo porque novo: eis a cisma do escritor. Quiçá ele mesmo soubesse ― e aqui especulamos ― que mudar a casca através da civilização compulsória trazia o risco inerente de rebuliço por parte dos descontentes, rebuliço acompanhado de revoltas civis e restauração reacionária dos costumes mexidos.

Desde a infância o escritor teve acesso à literatura tradicional chinesa. Iniciou estudos da língua e literatura inglesa na Universidade Imperial, o que lhe facilitou a ida para a Inglaterra em 1900, como bolsista do Ministério da Educação. Tornando ao seu país, dedica-se à carreira de escritor, poeta e crítico literário. Como poeta, esmerou-se no cultivo de formas consideradas arcaicas como o haiku ― ou haicai. Mais que mero saudosismo, sua intenção era demonstrar a riqueza literária japonesa, protegendo-a da extinção. Notamos que o haiku foi depreciado na Era Meiji, mas hoje conta com sítios especializados na internet e até com comunidades do Orkut. O fato de Soseki conhecer o externo mas continuar valorizando o interno estabelece um diálogo intertemporal com a escritora haitiana contemporânea Edwidge Danticat. Em entrevista ao último caderno "Cultura" do jornal O Estado de São Paulo, publicado em sete de março, ela surpreende-se com alunos universitários que teve contato. "Temos aqui", diz ela, "a geração de imigrantes que não lê em creole nem em francês. Porém, quando encontro a garotada nas universidades, detecto tanto orgulho... (...) Os estudantes aprendem sobre outras culturas e dizem: 'Espere aí, de onde eu venho há muito o que reconhecer e celebrar'" (grifamos).

O romance Kokoro (Coração) (Globo, 2008, 280 págs.), objeto desta coluna, foi escrito em 1914. O personagem narrador, o professor, e outros de presença incidental compartilham o anonimato. Caso "suavidade" seja um adjetivo atribuível a uma obra literária, este livro de Soseki merece-o. Nós, que digitamos e escrevemos a lápis ou caneta, surpreendemo-nos o iniciar a leitura e descobrir o autor "pegando no pincel" para escrever em folhas quadriculadas. O passar do tempo é medido pelas floradas: "Acompanhando as ameixeiras que floresciam, o vento frio foi aos poucos mudando a direção para o sul. Depois de um tempo, as notícias sobre as flores de cerejeiras chegavam ao meu ouvido". Porém, Roberto Kazuo Yokota, prefaciador da obra, adverte que o fato do personagem narrador apresentar-se como "eu" já é bastante revolucionário por chamar a atenção para uma individualidade autorreferente. Lembremo-nos do filme Sete anos no Tibet, daquela cena em que Heinrich Harrer é criticado pela "alfaiata" por ostentar as medalhas e prêmios conquistados na carreira de alpinista. Ela confirma não fazer parte de sua cultura admirar o inchaço do ego. O que há de revolucionário também há de conflituoso, no encontro do professor e sua mulher ― pessoas que "atingiram a maioridade dentro dos costumes de uma geração anterior" ― com o personagem narrador.

Neste ponto tornamos a chamar a atenção para O livro do chá. Quem o ler perceberá a sutileza que envolve o servir da bebida, seja no ritual específico, seja na hospitalidade do dia a dia. Sendo o professor e sua esposa oriundos da geração anterior à do personagem "Eu", é esperável que mesmo o cotidiano estivesse impregnado do cerimonial. A cerimônia realmente existe e é plena de detalhes e de carga filosófica embebida no taoísmo e no zen-budismo. A conversa do personagem com a mulher do professor, inofensiva na aparência, pode revelar-se um flerte. Lembremos que, além da mãe do protagonista, ela é a única a ser nomeada, o que revela uma elevação sutil no grau da atenção dispensada. O que pode ser entendido como Soseki querendo dizer que as mudanças sociais desencadearam mudanças comportamentais. Em momento algum fala-se escancaradamente em adultério, mas fica no ar a sutileza do mútuo e discreto entendimento. A mulher recebe maior atenção e passa a oferecer-lhe doces, bem como a lavar-lhos quimonos. O leitor da época talvez pensasse indignado: por que o personagem não se encarrega ele mesmo de lavar seus quimonos?

A rejeição das tradições teria afastado as bases éticas das novas gerações, e estas começaram a incursionar por terrenos antes impensáveis, como o caso de um estudante meter-se com a mulher alheia. O problema da tradição está no seu distanciamento em relação à origem. Uma prática esvaziada de seu valor original e complicada pelos acréscimos diz cada vez menos às gerações mais novas e tende ser abandonada. Observamos o exemplo colhido na revista National Geographic de janeiro deste ano. O repórter Peter Hessler acompanhou os moradores de um vilarejo do interior da China durante o festival do Qingming, no qual os túmulos dos antepassados recebem manutenção e ganham um acréscimo de terra. Um pouco mais de terra adicionado no tempo certo significa que o parente morto ganhará uma cobertura de telhas, e não de sapê, na casa onde mora. Hessler reparou que a cada ano diminui o número de participantes do festival e atribui a queda à preocupação dos chineses com a sobrevivência no mundo atual. Soseki conhecia seu mundo, admirava o passado e temia que o progresso material implicasse no retrocesso moral.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 12/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Relatório de compra de Ana Elisa Ribeiro
02. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
03. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
04. Manual para revisores novatos de Ana Elisa Ribeiro
05. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2010
01. Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim - 30/8/2010
02. O cérebro espiritual, de Mario Beauregard - 27/12/2010
03. Confissões do homem invisível, de Alexandre Plosk - 15/11/2010
04. Meu Marido, de Livia Garcia-Roza - 7/6/2010
05. Duas escritoras contemporâneas - 26/7/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEATRO INFANTIL
RUBEM ROCHA FILHO
LIDADOR
(1970)
R$ 12,00



O DESMONTE DE VÊNUS - CONTOS E CRÔNICAS
ALEXANDRU SOLOMON
TOTALIDADE
(2009)
R$ 15,17



A ROTA SANGRENTA
SVEN HASSEL
RECORD
(1977)
R$ 20,00



ANÁLISE DA INTELIGÊNCIA DE CRISTO: O MESTRE DA SENSIBILIDADE-LIVR
AUGUSTO JORGE CURY
ACADEMIA DE INTELIGENCIA
(2000)
R$ 10,00



MAIS FORTE EM MENOS TEMPO, EXERCÍCIOS DIÁRIOS PARA GANHAR O MÁXIM
BRIAN PAUL KAUFMAN E SID KIRCHHEIMER
LYON
(2001)
R$ 67,98



CATEGORIAS CONCEITUAIS DA SUBJETIVIDADE
FABIO THÁ
ANNABLUME
(2007)
R$ 18,00



CONTOS E CAUSOS DO RIO ARAGUAIA
FERNANDO ANTÔNIO SGRECCIA
EDIÇÃO DO AUTOR
R$ 8,00



SERVIÇO SOCIAL - DOCUMENTO HISTÓRICO
MARIA ESOLINA PINHEIRO
CORTEZ
(1985)
R$ 34,90



A QUESTÃO AMBIENTAL
LUIZ EDMUNDO DE MAGALHÃES COORDENADOR
TERRAGRAPH
(1994)
R$ 50,00



ARQUITETURA CIVIL III MOBILIÁRIO E ALFAIAS
VÁRIOS AUTORES
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
(1975)
R$ 45,00





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês