Meu Marido, de Livia Garcia-Roza | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
>>> O prazer, origem e perdição do ser humano
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Os Estertores da Razão
Mais Recentes
>>> Farmácia Hospitalar de Marcelo Polacow Bisson; Míriam Elias Cavallini pela Manole (2010)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Filosofia da Educação de Paulo Ghiraldelli Jr. pela Ática (2006)
>>> Farmácia Hospitalar de Marcelo Polacow Bisson; Míriam Elias Cavallini pela Manole (2010)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Filosofia da Educação de Paulo Ghiraldelli Jr. pela Ática (2006)
>>> Farmácia Hospitalar de Marcelo Polacow Bisson; Míriam Elias Cavallini pela Manole (2010)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> The Wanted de Chas Newkey Burden; Mariana Varella pela Prumo (2013)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Filosofia da Educação de Paulo Ghiraldelli Jr. pela Ática (2006)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Farmácia Hospitalar de Marcelo Polacow Bisson; Míriam Elias Cavallini pela Manole (2010)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Filosofia da Educação de Paulo Ghiraldelli Jr. pela Ática (2006)
>>> Farmácia Hospitalar de Marcelo Polacow Bisson; Míriam Elias Cavallini pela Manole (2010)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Filosofia da Educação de Paulo Ghiraldelli Jr. pela Ática (2006)
>>> Brunner e Suddarth - Tratado de Enfermagem Médico-cirúrgica - Vol 1 de Kerry H. Cheever; Janice L. Hinkle pela Gen Guanabara Koogan (2016)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Microbiologia de Gerard J. Tortora; Berdell R. Funke pela Artmed (2005)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
>>> Por Que Arte-Educação? de João Francisco Duarte Jr. pela Papirus (1991)
>>> Economia Brasileira na Encruzilhada de Pereira Luiz Carlos Bresser Goncalves pela Fgv (2006)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/6/2010
Meu Marido, de Livia Garcia-Roza
Ricardo de Mattos
+ de 9100 Acessos

"Mas o que é a literatura, senão uma manipulação melancólica ou feliz da realidade?" (Georges Picard)

A escritora e psicanalista carioca Livia Garcia-Roza, autora de Quarto de Menina, Meus queridos estranhos e A cara da mãe, entre diversos outros livros, já foi festejada pelo Digestivo Cultural em textos de outros anos. A leitura de Meu Marido (Record, 2006, 188 págs.), romance de 2006, faz-nos engrossar o coro dos que se entusiasmaram com sua obra. Este romance parece mais uma banal história acerca das vicissitudes de uma dona de casa e seu marido, mas o fácil é uma colcha que encobre dramas familiares e existenciais de causas remotas, expressão presente e manutenção futura.

À moda do seriado norte-americano, podemos dizer que o romance é composto por dois personagens e meio: Belmira (Bela), seu marido Eduardo e Raphael, filho do casal. Bela é a moça oriunda do interior mineiro que se casa com um jovem delegado carioca e vai morar com ele no Rio de Janeiro. Como algumas pessoas de nosso conhecimento, por mais "avançadas" que sejam para o seu meio social, acabam retraídas quando alocadas em ambiente mais amplo. Professora de inglês numa escola de línguas, seu maior feito foi a maternidade. Em primeiro plano, vive para o filho e o marido, nesta sequência, e depois para si. Num dos capítulos do já comentado livro Uma noite no Majestic, Davenport-Hines detém-se na discussão acerca do "material humano" utilizado por Marcel Proust na definição de seus personagens. Cada personagem correspondia a uma pessoa da sociedade parisiense, como afirmavam desde os críticos até os colunistas sociais, ou cada personagem era a reunião de caracteres disseminados em diversos indivíduos, como insistia o escritor em sua defesa? Neste romance de Garcia-Roza, temos para nós que muitas "Belas" compuseram uma só, tal a frequência com que certos comportamentos repetem-se.

O mesmo pode-se dizer sobre o delegado Eduardo Durand. Não se pode dizer que suas questões pessoais em relação ao seu pai, em relação a sua família bem como à de sua mulher, e mesmo de sua paternidade foram mal resolvidas, pois sequer foram identificadas. Ele vive a agonia constante de quem ou sofre e quer esquecer, ou sofre ignorando a própria dor, sendo o alcoolismo e o uso de drogas apenas a tentativa de fuga mais óbvia. Óbvia e paralela ao alvoroço constante de sua vida, pois seu histrionismo parece denunciar alguém que prevê o futuro, quer modificá-lo, mas nem imagina como. Também acreditamos que muitos Eduardos reais formaram o personagem, visto o repertório de situações criadas por ele para conquistar o filho e a quantidade de hábitos antipáticos que mantém. No fundo, é um carente, mas um carente chato e agressivo.

Brás Cubas não transmitiu a nenhuma criatura o legado de nossa miséria. Eduardo fez questão de garantir o legado para seu filho Raphael, uma daquelas crianças que fariam a alegria de Charles Dickens.

Chama a atenção a narrativa em primeira pessoa feita por Bela. Ignoramos a intenção inicial de Garcia-Roza, mas parece autoanálise mediante o uso da escrita que algumas pessoas fazem com ou sem validação científica. Caso não queiram expor-se através da fala, escrevem. "Por que escrevo?", perguntou-se o escritor português Vergílio Ferreira (1916-1996). Dos motivos apresentados, dois afinam-se com o relato de Bela. O primeiro é a criação de um espaço entre a necessidade, a opressão, a dificuldade e o excesso. Tantas coisas sobrecarregam o indivíduo e tolhem-lhos movimentos que é preciso afastar o entulho para posicionar-se e tentar restaurar o equilíbrio, antes de cair, ser encoberto e perder a identidade. Identidade que Bela já não tinha muita, pois só na metade final do livro descobrimos sua idade. O segundo motivo apresentado por Vergílio Ferreira ― "...(escrevo) para evocar e fixar o percurso que realizei, as terras, gentes e tudo o que vivi e que só na escrita eu posso reconhecer, por nela recuperarem a sua essencialidade, a sua verdade emotiva, que é a primeira e a última que nos liga ao mundo" ― liga-se ao passado para preparar o futuro. Fazendo o balanço das situações vividas, e da forma como foram vividas, o indivíduo pode contar com um apoio valioso para sua conduta futura.

Evidente que se pisa aqui em terreno traiçoeiro. Dependendo da clareza com que Bela enxergou os fatos, seu discurso pode adotar rumos diversos. Marcel Proust asseverou que "uma verdade claramente compreendida não pode ser escrita com sinceridade", alertando a respeito do comprometimento do conteúdo da narrativa e contestando frontalmente Francis Bacon, para quem "a leitura traz ao homem plenitude, o discurso segurança e a escrita exatidão". Pouca coisa é mais inexata que o ser humano. Revendo o imutável, assumimos nossos erros e ajustamos a conduta futura ou viramos justiceiros e saímos em busca dos causadores de nossos males. Si o título do romance é Meu marido, fica fácil descobrir qual a opção da personagem narradora. Quando frequentávamos a missa católica, rimos ao ouvir um padre anunciando: "Semana que vem haverá confissão. Quem for se confessar, faça o favor de só contar os próprios pecados". Muitos psicólogos e psicanalistas devem conhecer profundamente a família do paciente antes de conhecer o próprio paciente.

Como quase fomos apedrejados por revelar o final do romance Equador, do português Miguel Sousa Tavares ― foi necessária proteção policial ―, limitamo-nos agora a uma distinção. O texto termina com intervenção externa. A história ainda desenrola-se, tanto na família de Bela, quanto em diversas casas pelo mundo.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 7/6/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
02. Nos tempos de Street Fighter II de Luís Fernando Amâncio
03. O poeta, a pedra e o caminho de Wellington Machado
04. O tempo de Arturo Pérez-Reverte de Celso A. Uequed Pitol
05. Só uma descrição de Eugenia Zerbini


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2010
01. Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim - 30/8/2010
02. O cérebro espiritual, de Mario Beauregard - 27/12/2010
03. Confissões do homem invisível, de Alexandre Plosk - 15/11/2010
04. Meu Marido, de Livia Garcia-Roza - 7/6/2010
05. São Luiz do Paraitinga - 11/1/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lazarillo de Tormes - Nivel 3 - Inclui CD
Anónimo
Santillana
(2008)



Runas O Oráculo dos Deuses
Maya Garcia Câmara
Icone
(1995)



Confesso que vivi
Pablo Neruda
Círculo do livro
(1983)



O Combate a Corrupcão Nas Prefeituras do Brasil
Antoninho Marmo Trevisan; Antonio Chizzotti
Atêlia
(2003)



Livro Religião Bílbia Sagrada Edição Pastoral
Diversos
Paulus
(2003)



Livro Literatura Estrangeira Diários de Stefan Volume 2 Sede de Sangue
L. J. Smith
Galera
(2012)



Livro Literatura Estrangeira A Princesa Sob os Refletores
Meg Cabot
Galera Record
(2008)



Literary Essays
Jean Paul Sartre
Citadel



Contratos nominados
Araken De Assis
Revista dos tribunias
(2009)



Livro Literatura Brasileira O Buraco na Parede
Rubem Fonseca
Companhia das Letras
(1995)





busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês