Meu Marido, de Livia Garcia-Roza | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura contra o sistema
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Uma vida para James Joyce
>>> As Classes e as Redes Sociais
>>> Crônica de um jantar em São Paulo
>>> Defesa eloqüente do Twitter
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Margarita Paksa: Percepção e Política
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> Perguntas sagradas
Mais Recentes
>>> Noli me tangere e poemas selecionados de José Rizal pela Ex libris (1886)
>>> América Pré-colombiana de Joathan Norton Leonard pela José Olympo (1967)
>>> Lixo e limpeza urbana: entender para educar. de Emílio Maciel Eigenheer e João Alberto Ferreira pela UERJ: Depext (2011)
>>> Enciclopédia dos Museus. Museu de Belas-artes Boston de Diversos Autores pela Mirador (1969)
>>> Fumar ou não fumar. A decisão é sua. de Lair Ribeiro pela Prestígio (2001)
>>> 70 Anos - Gerações a Serviço da Advocacia de Aasp. - Associação dos Advogados de São Pauço pela Dba (2013)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (1997)
>>> The heart of the city towards the humanisation of urban life de Varios Autores pela Lund humphries (1952)
>>> Bagagem de Adélia Prado pela Record (2012)
>>> Dicionário de Símbolos de Jean Chevalier Alain Cheerbrant pela José Olympio (1991)
>>> Figuras de Linguagem, Col. Tópicos de Linguagem, Gramática de Hélio de Seixas Guimarães e Ana Cecília Lessa pela Atual (1988)
>>> O Ritmo da Vida de Matthew Kelly pela Sextante (2006)
>>> Kama Sutra para lésbicas. Para viver livremente a sexualidade. de Alicia Gallotti pela Planeta (2005)
>>> Operação Cavalo de Tróia 5 - os Outros Mundos de J. J. Benitez pela Mercuryo (1996)
>>> Folclore do Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Fundo de Cultura (1967)
>>> O Ladrão de Raios - Percy Jackson e os Olimpianos Livro Um de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> O Ponto Cego de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Um Jogo Chamado Futuro de Douglas Rushkoff pela Revan (1999)
>>> América Pré-colombiana de Joathan Norton Leonard pela José Olympo (1967)
>>> Vampiros Emocionais - Como Lidar Com Pessoas Que Sugam Você de Albert J. Bernstein pela Campus (2001)
>>> Mesopotâmia: o Berço da Civilização de Samuel Noah Kramer pela José Olympio (1969)
>>> Alimentos Prejudiciais como Substituí-los de Rômulo França pela Do Autor (2008)
>>> Deus quer que Você seja Feliz de Fábio Teruel pela Do Autor
>>> Antologia Mediúnica do Natal de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1943)
>>> Como Evitar Preocupações e Começar a Viver de Dale Carnigie pela Companhia Nacional (1987)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/6/2010
Meu Marido, de Livia Garcia-Roza
Ricardo de Mattos

+ de 8000 Acessos

"Mas o que é a literatura, senão uma manipulação melancólica ou feliz da realidade?" (Georges Picard)

A escritora e psicanalista carioca Livia Garcia-Roza, autora de Quarto de Menina, Meus queridos estranhos e A cara da mãe, entre diversos outros livros, já foi festejada pelo Digestivo Cultural em textos de outros anos. A leitura de Meu Marido (Record, 2006, 188 págs.), romance de 2006, faz-nos engrossar o coro dos que se entusiasmaram com sua obra. Este romance parece mais uma banal história acerca das vicissitudes de uma dona de casa e seu marido, mas o fácil é uma colcha que encobre dramas familiares e existenciais de causas remotas, expressão presente e manutenção futura.

À moda do seriado norte-americano, podemos dizer que o romance é composto por dois personagens e meio: Belmira (Bela), seu marido Eduardo e Raphael, filho do casal. Bela é a moça oriunda do interior mineiro que se casa com um jovem delegado carioca e vai morar com ele no Rio de Janeiro. Como algumas pessoas de nosso conhecimento, por mais "avançadas" que sejam para o seu meio social, acabam retraídas quando alocadas em ambiente mais amplo. Professora de inglês numa escola de línguas, seu maior feito foi a maternidade. Em primeiro plano, vive para o filho e o marido, nesta sequência, e depois para si. Num dos capítulos do já comentado livro Uma noite no Majestic, Davenport-Hines detém-se na discussão acerca do "material humano" utilizado por Marcel Proust na definição de seus personagens. Cada personagem correspondia a uma pessoa da sociedade parisiense, como afirmavam desde os críticos até os colunistas sociais, ou cada personagem era a reunião de caracteres disseminados em diversos indivíduos, como insistia o escritor em sua defesa? Neste romance de Garcia-Roza, temos para nós que muitas "Belas" compuseram uma só, tal a frequência com que certos comportamentos repetem-se.

O mesmo pode-se dizer sobre o delegado Eduardo Durand. Não se pode dizer que suas questões pessoais em relação ao seu pai, em relação a sua família bem como à de sua mulher, e mesmo de sua paternidade foram mal resolvidas, pois sequer foram identificadas. Ele vive a agonia constante de quem ou sofre e quer esquecer, ou sofre ignorando a própria dor, sendo o alcoolismo e o uso de drogas apenas a tentativa de fuga mais óbvia. Óbvia e paralela ao alvoroço constante de sua vida, pois seu histrionismo parece denunciar alguém que prevê o futuro, quer modificá-lo, mas nem imagina como. Também acreditamos que muitos Eduardos reais formaram o personagem, visto o repertório de situações criadas por ele para conquistar o filho e a quantidade de hábitos antipáticos que mantém. No fundo, é um carente, mas um carente chato e agressivo.

Brás Cubas não transmitiu a nenhuma criatura o legado de nossa miséria. Eduardo fez questão de garantir o legado para seu filho Raphael, uma daquelas crianças que fariam a alegria de Charles Dickens.

Chama a atenção a narrativa em primeira pessoa feita por Bela. Ignoramos a intenção inicial de Garcia-Roza, mas parece autoanálise mediante o uso da escrita que algumas pessoas fazem com ou sem validação científica. Caso não queiram expor-se através da fala, escrevem. "Por que escrevo?", perguntou-se o escritor português Vergílio Ferreira (1916-1996). Dos motivos apresentados, dois afinam-se com o relato de Bela. O primeiro é a criação de um espaço entre a necessidade, a opressão, a dificuldade e o excesso. Tantas coisas sobrecarregam o indivíduo e tolhem-lhos movimentos que é preciso afastar o entulho para posicionar-se e tentar restaurar o equilíbrio, antes de cair, ser encoberto e perder a identidade. Identidade que Bela já não tinha muita, pois só na metade final do livro descobrimos sua idade. O segundo motivo apresentado por Vergílio Ferreira ― "...(escrevo) para evocar e fixar o percurso que realizei, as terras, gentes e tudo o que vivi e que só na escrita eu posso reconhecer, por nela recuperarem a sua essencialidade, a sua verdade emotiva, que é a primeira e a última que nos liga ao mundo" ― liga-se ao passado para preparar o futuro. Fazendo o balanço das situações vividas, e da forma como foram vividas, o indivíduo pode contar com um apoio valioso para sua conduta futura.

Evidente que se pisa aqui em terreno traiçoeiro. Dependendo da clareza com que Bela enxergou os fatos, seu discurso pode adotar rumos diversos. Marcel Proust asseverou que "uma verdade claramente compreendida não pode ser escrita com sinceridade", alertando a respeito do comprometimento do conteúdo da narrativa e contestando frontalmente Francis Bacon, para quem "a leitura traz ao homem plenitude, o discurso segurança e a escrita exatidão". Pouca coisa é mais inexata que o ser humano. Revendo o imutável, assumimos nossos erros e ajustamos a conduta futura ou viramos justiceiros e saímos em busca dos causadores de nossos males. Si o título do romance é Meu marido, fica fácil descobrir qual a opção da personagem narradora. Quando frequentávamos a missa católica, rimos ao ouvir um padre anunciando: "Semana que vem haverá confissão. Quem for se confessar, faça o favor de só contar os próprios pecados". Muitos psicólogos e psicanalistas devem conhecer profundamente a família do paciente antes de conhecer o próprio paciente.

Como quase fomos apedrejados por revelar o final do romance Equador, do português Miguel Sousa Tavares ― foi necessária proteção policial ―, limitamo-nos agora a uma distinção. O texto termina com intervenção externa. A história ainda desenrola-se, tanto na família de Bela, quanto em diversas casas pelo mundo.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 7/6/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (VII) de Cassionei Niches Petry
02. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
03. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro
04. Mente Turbinada e Brasil na Copa de Marilia Mota Silva
05. Woody Allen quer ser Manoel de Oliveira de Wellington Machado


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2010
01. Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim - 30/8/2010
02. O cérebro espiritual, de Mario Beauregard - 27/12/2010
03. Confissões do homem invisível, de Alexandre Plosk - 15/11/2010
04. Meu Marido, de Livia Garcia-Roza - 7/6/2010
05. Duas escritoras contemporâneas - 26/7/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Economia Solidaria da Cultura e Cidadania Cultural
Neusa Serra e Hamilton Faria
Ufabc
(2016)



Curso de Derecho Penal: Fundamentos y Teorias Generales
Juan P. Ramos (tomo 2) Capa Dura
Ariel (buenos Aires)
(1928)



Enfermagem Médico Cirúrgica - Volume 1
Janice Boundy
Reichmann Affonso
(2004)



Cansei de Você
Michael French
Best Seller
(2007)



Gente Que Você Não Deveria Conhecer Volume 13
Fátima Deitos
Cone
(2007)



O Dicionário Kazar
Milorad Pávitch
Marco Zero
(1989)



La Infección de Boswell y Otros Ensayos
William B. Ober
Fondo de Cultura Economica
(1995)



A Túnica e os Dados
José Geraldo Vieira
Martins
(1963)



Dantes, Durantes e Depois
J. F. de Souza
Patuá
(2013)



Globalização e Socialismo (socialismo Em Discussão)
Maria da Conceição Tavares/emir Sader/eduardo Jorg
Perseu Abramo
(2001)





busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês