Equador, de Miguel Sousa Tavares | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
Mais Recentes
>>> Inner Work - A Chave do Reino Interior de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1989)
>>> Clássicos do Mundo Corporativo de Max Gehringer pela Globo (2008)
>>> Manual do Empregador Doméstico Prático de Eliane Maria Silva De Macedo pela Saraiva (2000)
>>> Cliente Nunca Mais de Telma Teixeira de Oliveira Almeida pela Casa da Qualidade (1997)
>>> A arte de separar-se de Edoardo Giusti pela Nova Fronteira (1987)
>>> Contribuições a uma Teoria de Personalidade de S. Elyseu Jr. pela Alínea (1996)
>>> Feminilidade - Perdida e Reconquistada de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1991)
>>> A Espiral em busca do infinito de Glória Kreinz e Crodowaldo Pavan pela Njr (2021)
>>> Anjos Cabalísticos de Monica Buonfiglio pela Própria (1993)
>>> Como a criança pensa de Ruth M. Beard pela Ibrasa (1976)
>>> A Força das Pirâmides de Max Toth e Greg Nielsen pela Record (1976)
>>> Deuses, Espaçonaves e Terra - Provas de Däniken de Erich Von Däniken pela Círculo do livro (1977)
>>> O Erotismo Fantasias e Realidades do Amor e da Sedução de Francesco Alberoni pela Circulo do livro (1992)
>>> Uma nova era para educação da humanidade de Nelson Ruas Santanna pela Caravela (1995)
>>> O Último Olimpiano - Volume 5. Série Percy Jackson e os Olimpianos EAN: 9788580575439 de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Documento de teresopolis de Vários Autores pela Cbcisc (1968)
>>> Lições de Ciência Política e Teoria do Estado de Espedito Pinheiro de Souza pela Mackenzie (2000)
>>> Bozza del testo della regola de Giuseppini del Murialdo pela Congregazione di san giuseppe (2005)
>>> A Batalha do Labirinto - Volume 4. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Nero de Alexandre Dumas pela Saraiva (1952)
>>> A Maldição do Titã - Volume 3. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> O Mar de Monstros - Volume 2. Série Percy Jackson e os Olimpianos de Rick Riodan pela Intrinseca (2014)
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift e Cláudia Lopes pela Scipione (1970)
>>> Líderes e Lealdade - as Leis da Lealdade de Dag Heward-mills pela Central Gospel (2011)
>>> Revista Manchete , Nº 1 , 907 - Novembro de 1988 de Varios pela Bloch (1988)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/7/2004
Equador, de Miguel Sousa Tavares
Ricardo de Mattos

+ de 22000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Onde é que estão os escritores portugueses no Brasil? E onde é que estão os escritores brasileiros em Portugal?"
(Joaquim Romero de Magalhães)

O escritor Miguel Sousa Tavares nasceu em 1.952 na cidade portuguesa do Porto, filho da recém falecida poetisa Sophia de Mello Breyner Adressen - prêmio Camões de 1.999. Cronista politemático da imprensa lusitana, escreve atualmente nos jornais Público e A Bola, na revista Máxima e é comentarista do Jornal da Noite, transmitido pela TV1. É autor de obra diversificada: Sul - Viagens, livro evidentemente sobre viagem; Anos Perdidos, crônicas; Não Te Deixarei Morrer, David Crockett, apresentado como ficção aproximada da reportagem; O Segredo do Rio, conto infantil; Um Nómada no Oásis (sic), textos políticos; e Sahara - A República da Areia, de reportagens.

Participou da Festa Literária Internacional de Paraty d'este ano. No dia dez passado, e junto com Pablo De Santis, palestrou em torno do tema A História Como Inspiração. Oxalá sua visita tenha estimulado nosso público a conhecer Equador, seu primeiro romance e primeiro livro a ser lançado aqui. A grafia original, mantida intacta, não apresenta mínimo óbice à fruição do valoroso livro, escrito n'um português elegantíssimo, praticamente a reeducar o brasileiro no trato do idioma. Dificilmente recorre-se ao dicionário durante a leitura, provando que as tão alardeadas diferenças no uso de cá e de lá residem mais no plano da lenda que no da realidade. Além d'isso, o escritor conciliou um enredo despretensioso à competência na pesquisa e organização de fatos históricos. Verifica-se seu amor ao debate quando no correr da estória os personagens discutem questões valendo-se de argumentos firmes e claros, o que impede indicar o autor como defensor de tal ou qual tese.

M. S. Tavares é muito comparado a Eça de Queirós, por críticas que teria tecido, n'este romance, à sociedade portuguesa do século XIX. Acrescenta-se ainda sua suposta intenção em mostrar a imutabilidade da cena política e social apesar o interstício de cem anos. Em que pese um escritor - qualquer um - escrever sempre com um pé em seu tempo, sequer o autor confirma o segundo ponto. Quanto ao anterior e lendo o livro por inteiro, repara-se no predomínio da descrição sobre a crítica. É mais adequado falar-se em reconstrução, pois tempo e local são recuperados com um esmero ímpar. Se um retrato fiel apresenta as mazelas com nitidez, não se pode simplesmente dizer que há crítica. Apenas não houve um cenário político e social favorável a ser mostrado. Estamos em Portugal e partimos do ano de 1.905 para chegar à véspera do famoso regicídio. O rei D. Carlos I e seu filho mais velho, o príncipe herdeiro D. Luis Filipe, morreram no atentado ocorrido em Primeiro de Fevereiro de 1.908. Foi o penúltimo rei português, pois em 1.910 proclamou-se a República e depôs-se o herdeiro que assumiu o trono, D. Manuel II. No mesmo país, dois casos idênticos de coroação de príncipes secundários na linha de sucessão.

O personagem principal Luís Eduardo Valença é caracterizado precisamente: "Era um homem livre: sem casamento, sem partido, sem dívidas nem créditos, sem fortuna nem apertos, sem o gosto da futilidade nem a tentação do desmedido. O que quer que el-rei tivesse para lhe dizer, para lhe propor, para lhe ordenar, a última palavra seria sempre sua". Em suma, um homem estabelecido social e profissionalmente, sem pretensões e livre, cuja tendência natural seria passar despercebido pela vida. Sempre sem compromisso, ele escreveu sobre a situação das colônias portuguesas um artigo jornalístico de repercussão inesperada. Como havia séria tensão entre Portugal e Inglaterra acerca da persistência ou não da escravidão nas colônias daquele, a atenção do rei D. Carlos recaiu sobre Luís Bernardo.

O governo português não via solução imediata para o insistente problema da escravidão velada em São Tomé e Príncipe. Se Luís Bernardo possuía uma, que fizesse o favor de aplicá-la in loco. Ele foi convocado pelo rei para cumprir uma tríplice missão: convencer os roceiros a obedecer as medidas antiescravagistas necessárias, com estas medidas não levar as ilhas à insurreição e finalmente manter à distância o enviado britânico. Eis aí o problema, pois se havia intenção, não havia preparo. O personagem chega à colônia - politicamente chamada de província - enfrentando a todos e perdendo-se com atos precipitados e impulsivos apesar de nobres. Pode-se afirmar que ele não soube dosar a própria virtude. Quis mostrar-se amigável com os criados n'um local onde preza-se a hierarquia - até hoje é assim: advogados apregoam a independência profissional, mas ao anunciar-se a aproximação d'um juiz, todos ficam em pé liberando assentos, penteiam-se às pressas e começam a pigarrear para as saudações. Quis alterar com argumentos novos uma ordem estabelecida durante os séculos. Quis, enfim, que os ilhéus desfizessem-se do que lutaram com imensa dificuldade para construir. Se ainda recorriam ao trabalho escravo, deve-se ao fato dos administradores das roças serem constrangidos a gastar o mínimo e obter o máximo de rendimento aos proprietários.

D'esta forma, se Luis Eduardo combateu a escravidão, e ele empenhou-se, não apresentou alternativas, não se dedicou ao convencimento dos proprietários residentes e não se apercebeu que o entrave talvez estivesse fora de lá. O prejuízo era causado tanto pela escravatura em São Tomé e Príncipe, quanto pelo proprietário residente na corte, que anelando rendimentos e despreocupado dos custos humanos. Demorou para ele atentar que sua carreira impetuosa defendia mais os interesses de empresários ingleses - tementes da concorrência das ilhas no mercado cacaueiro - que os de seus patrícios. Quando um fazendeiro local referendou as palavras de seu amigo João Forjaz e Luis Bernardo tomou definitivamente consciência de seus atos, sua missão já era inviável e carreira arruinada. Se parte da missão consistia em manter afastado o cônsul inglês, o governador fracassou ao tratá-lo como amigo pessoal e ao provocar escândalo no envolver-se com sua mulher. David Lloyd Jameson e sua mulher Ann são apresentados no capítulo X.

Em que pese a excelência da obra, aludo a dois pontos pouco simpáticos. O primeiro ponto concerne ao exagero de certas descrições. Há no livro cenas esplêndidas, como a do rei D. Carlos em caçada ou, bem mais adiante, aquela em que o novo governador consegue saber d'um operário as informações sonegadas pelos administradores das roças. Todavia, outras sobejam. Logo nas primeiras páginas, os detalhes das notícias d'um jornal de Dezembro de 1.905. No capítulo VI, Luis Eduardo chega à ilha e ao dirigir-se ao palácio do governo, pede que seu secretário nomeie as ruas pelas quais passam. Perde-se quem nunca pisou em São Tomé. No capítulo X, relatos das excentricidades dos marajás e demais potentados indianos. No capítulo XII, detalhes sobre a chegada do automóvel em Portugal. Parece entusiasmo do autor em aproveitar todo o material levantado e se não embaraça a leitura, diminui seu ritmo e distrai.

O segundo ponto respeita ao apelo ao repentino. Ann, sem mais, surge apaixonada por Luis Eduardo. Ou a sutileza foi muita, ou é sem maiores flertes que ambos declaram-se e entregam-se às cenas sensuais do livro, prenhes de detalhes. Nem mencionaria isso se o fim do mesmo Luis Eduardo não fosse também abrupto, imprevisto. Toda a estória sugere que, encerrado o mandato, ele passaria uma longa temporada no estrangeiro e tornaria a Lisboa para usufruir de suas rendas. Como a personagem foi construída com larga dose de brio e coragem e ressalvado o respeito do autor à verdade histórica - o que é difícil de apurar pelo leitor comum - M. S. Tavares age de forma contraditória ao suicidá-lo, considerando-se o suicídio como uma fraqueza do indivíduo diante das provações.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 29/7/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
02. Nos escuros dos caminhos noturnos de Elisa Andrade Buzzo
03. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
04. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
05. Quando amor e terra quase se confundem de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll - 1/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/10/2006
11h24min
Adoro o Miguel como escritor e como pessoa. O livro de que mais gostei foi o Planeta Branco. Também adorava a sua mãe, sinto pena de que tenha falecido...
[Leia outros Comentários de Ana Correia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The (diblos) Notebook: a Novel
James Merrill
Dalkey
(1994)



Muito Além dos Índices. Crônicas, História e Entrelinhas da Infla
Salomão Quadros
Fgv
(2008)



Expedição: Em Busca dos Dinossauros: uma Viagem Em Busca do Passa
Denise Gonçalves (textos e Edição)
Supernova (sp)
(2003)



Estilhaços
Guido Fidelis
Rg
(2011)



Sic Est in Provérbio: Assim Diz o Provérbio
Carlos Bachinski
Juruá
(2006)



Obra Poética de Carlos Drummond de Andrade 3
Carlos Drummond de Andrade
José Olímpio
(1983)



Lacoustique Appliquée
Jean Jacques Matras
Presses Universitaires
(1969)



A Little Piece of Ground
Elizabeth Laird
Macmillan
(2003)



A Epopeia das Misericórdias
Niversindo Antonio Cherubin
São Camilo
(2014)



Censis 33º Rapporto Sulla Situazione Sociale del Paese
Fondazione Censis
Fondazione Censis (roma)
(1999)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês