Equador, de Miguel Sousa Tavares | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Kafka e as narrativas
>>> Raul Cortez no YouTube
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
Mais Recentes
>>> Hagadá Kabalística Pêssach Decodificado de Yehuda Berg pela Kabbalah Publishing (2011)
>>> O Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (2001)
>>> Pensar pelo Avesso - O Modelo Japonês de Trabalho e Organização de Benjamin Coriat pela Revan/UFRJ (1994)
>>> Vidas dos Santos - 22 Volumes de Padre Rohrbacher pela Das Américas (1959)
>>> Benetton - A Família, a Empresa e a Marca de Jonathan Mantle pela Nobel (1999)
>>> Mais Semelhante a jesus de Alejandro Bullón pela Casa Publicadora Brasileira (1994)
>>> Vencendo com Jesus de Alice P. Cavalieri pela Casa Publicadora Brasileira (1997)
>>> Universo de Amor de Irene Pacheco Machado pela Rema (1998)
>>> Babado Forte Moda Música e Noite de Erika Palomino pela Mandarin (1999)
>>> Babado Forte Moda Música e Noite de Erika Palomino pela Mandarin (1999)
>>> Perguntas Sobre o Dízimo de Roberto R. Roncarolo pela Divisão Sul-Americana (1984)
>>> Uma Viagem Pessoal pelo Cinema Americano de Martin Scorsese e Michael Henry Wilson pela CosacNaify (2004)
>>> A Grande Guerra pela Civilização - a Conquista do Oriente Médio de Robert Fisk pela Planeta (2007)
>>> Asanas de Swami Kuvalayananda pela Cultrix/Pensamento
>>> O Amor que Restaura de Dick Winn pela Casa Publicadora Brasileira (1987)
>>> Colosso - Ascensão e Queda do Império Americano de Niall Ferguson pela Planeta (2011)
>>> Venturas e Aventuras de um Pioneiro de Gustavo S. Storch pela Casa Publicadora Brasileira (1982)
>>> Contradigo de Herminio Bello de Carvalho pela Folha Seca (1999)
>>> Público Cativo de Fabio Cortez pela Oficina (2007)
>>> Andando com Deus Todos os Dias de Moysés S. Nigri pela Casa Publicadora Brasileira (1993)
>>> A Porta do Inferno de Auguste Rodin pela Artmed (2001)
>>> Poemas De Natal de Luiz Coronel pela Sulina (1999)
>>> Buque Cenas de Rua de José de Carvalho pela Córrego (2013)
>>> Opções de Liv Ullmann pela Nórdica (1985)
>>> Perguntas que Eu Faria à Irmã White de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1977)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/7/2004
Equador, de Miguel Sousa Tavares
Ricardo de Mattos
+ de 23000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Onde é que estão os escritores portugueses no Brasil? E onde é que estão os escritores brasileiros em Portugal?"
(Joaquim Romero de Magalhães)

O escritor Miguel Sousa Tavares nasceu em 1.952 na cidade portuguesa do Porto, filho da recém falecida poetisa Sophia de Mello Breyner Adressen - prêmio Camões de 1.999. Cronista politemático da imprensa lusitana, escreve atualmente nos jornais Público e A Bola, na revista Máxima e é comentarista do Jornal da Noite, transmitido pela TV1. É autor de obra diversificada: Sul - Viagens, livro evidentemente sobre viagem; Anos Perdidos, crônicas; Não Te Deixarei Morrer, David Crockett, apresentado como ficção aproximada da reportagem; O Segredo do Rio, conto infantil; Um Nómada no Oásis (sic), textos políticos; e Sahara - A República da Areia, de reportagens.

Participou da Festa Literária Internacional de Paraty d'este ano. No dia dez passado, e junto com Pablo De Santis, palestrou em torno do tema A História Como Inspiração. Oxalá sua visita tenha estimulado nosso público a conhecer Equador, seu primeiro romance e primeiro livro a ser lançado aqui. A grafia original, mantida intacta, não apresenta mínimo óbice à fruição do valoroso livro, escrito n'um português elegantíssimo, praticamente a reeducar o brasileiro no trato do idioma. Dificilmente recorre-se ao dicionário durante a leitura, provando que as tão alardeadas diferenças no uso de cá e de lá residem mais no plano da lenda que no da realidade. Além d'isso, o escritor conciliou um enredo despretensioso à competência na pesquisa e organização de fatos históricos. Verifica-se seu amor ao debate quando no correr da estória os personagens discutem questões valendo-se de argumentos firmes e claros, o que impede indicar o autor como defensor de tal ou qual tese.

M. S. Tavares é muito comparado a Eça de Queirós, por críticas que teria tecido, n'este romance, à sociedade portuguesa do século XIX. Acrescenta-se ainda sua suposta intenção em mostrar a imutabilidade da cena política e social apesar o interstício de cem anos. Em que pese um escritor - qualquer um - escrever sempre com um pé em seu tempo, sequer o autor confirma o segundo ponto. Quanto ao anterior e lendo o livro por inteiro, repara-se no predomínio da descrição sobre a crítica. É mais adequado falar-se em reconstrução, pois tempo e local são recuperados com um esmero ímpar. Se um retrato fiel apresenta as mazelas com nitidez, não se pode simplesmente dizer que há crítica. Apenas não houve um cenário político e social favorável a ser mostrado. Estamos em Portugal e partimos do ano de 1.905 para chegar à véspera do famoso regicídio. O rei D. Carlos I e seu filho mais velho, o príncipe herdeiro D. Luis Filipe, morreram no atentado ocorrido em Primeiro de Fevereiro de 1.908. Foi o penúltimo rei português, pois em 1.910 proclamou-se a República e depôs-se o herdeiro que assumiu o trono, D. Manuel II. No mesmo país, dois casos idênticos de coroação de príncipes secundários na linha de sucessão.

O personagem principal Luís Eduardo Valença é caracterizado precisamente: "Era um homem livre: sem casamento, sem partido, sem dívidas nem créditos, sem fortuna nem apertos, sem o gosto da futilidade nem a tentação do desmedido. O que quer que el-rei tivesse para lhe dizer, para lhe propor, para lhe ordenar, a última palavra seria sempre sua". Em suma, um homem estabelecido social e profissionalmente, sem pretensões e livre, cuja tendência natural seria passar despercebido pela vida. Sempre sem compromisso, ele escreveu sobre a situação das colônias portuguesas um artigo jornalístico de repercussão inesperada. Como havia séria tensão entre Portugal e Inglaterra acerca da persistência ou não da escravidão nas colônias daquele, a atenção do rei D. Carlos recaiu sobre Luís Bernardo.

O governo português não via solução imediata para o insistente problema da escravidão velada em São Tomé e Príncipe. Se Luís Bernardo possuía uma, que fizesse o favor de aplicá-la in loco. Ele foi convocado pelo rei para cumprir uma tríplice missão: convencer os roceiros a obedecer as medidas antiescravagistas necessárias, com estas medidas não levar as ilhas à insurreição e finalmente manter à distância o enviado britânico. Eis aí o problema, pois se havia intenção, não havia preparo. O personagem chega à colônia - politicamente chamada de província - enfrentando a todos e perdendo-se com atos precipitados e impulsivos apesar de nobres. Pode-se afirmar que ele não soube dosar a própria virtude. Quis mostrar-se amigável com os criados n'um local onde preza-se a hierarquia - até hoje é assim: advogados apregoam a independência profissional, mas ao anunciar-se a aproximação d'um juiz, todos ficam em pé liberando assentos, penteiam-se às pressas e começam a pigarrear para as saudações. Quis alterar com argumentos novos uma ordem estabelecida durante os séculos. Quis, enfim, que os ilhéus desfizessem-se do que lutaram com imensa dificuldade para construir. Se ainda recorriam ao trabalho escravo, deve-se ao fato dos administradores das roças serem constrangidos a gastar o mínimo e obter o máximo de rendimento aos proprietários.

D'esta forma, se Luis Eduardo combateu a escravidão, e ele empenhou-se, não apresentou alternativas, não se dedicou ao convencimento dos proprietários residentes e não se apercebeu que o entrave talvez estivesse fora de lá. O prejuízo era causado tanto pela escravatura em São Tomé e Príncipe, quanto pelo proprietário residente na corte, que anelando rendimentos e despreocupado dos custos humanos. Demorou para ele atentar que sua carreira impetuosa defendia mais os interesses de empresários ingleses - tementes da concorrência das ilhas no mercado cacaueiro - que os de seus patrícios. Quando um fazendeiro local referendou as palavras de seu amigo João Forjaz e Luis Bernardo tomou definitivamente consciência de seus atos, sua missão já era inviável e carreira arruinada. Se parte da missão consistia em manter afastado o cônsul inglês, o governador fracassou ao tratá-lo como amigo pessoal e ao provocar escândalo no envolver-se com sua mulher. David Lloyd Jameson e sua mulher Ann são apresentados no capítulo X.

Em que pese a excelência da obra, aludo a dois pontos pouco simpáticos. O primeiro ponto concerne ao exagero de certas descrições. Há no livro cenas esplêndidas, como a do rei D. Carlos em caçada ou, bem mais adiante, aquela em que o novo governador consegue saber d'um operário as informações sonegadas pelos administradores das roças. Todavia, outras sobejam. Logo nas primeiras páginas, os detalhes das notícias d'um jornal de Dezembro de 1.905. No capítulo VI, Luis Eduardo chega à ilha e ao dirigir-se ao palácio do governo, pede que seu secretário nomeie as ruas pelas quais passam. Perde-se quem nunca pisou em São Tomé. No capítulo X, relatos das excentricidades dos marajás e demais potentados indianos. No capítulo XII, detalhes sobre a chegada do automóvel em Portugal. Parece entusiasmo do autor em aproveitar todo o material levantado e se não embaraça a leitura, diminui seu ritmo e distrai.

O segundo ponto respeita ao apelo ao repentino. Ann, sem mais, surge apaixonada por Luis Eduardo. Ou a sutileza foi muita, ou é sem maiores flertes que ambos declaram-se e entregam-se às cenas sensuais do livro, prenhes de detalhes. Nem mencionaria isso se o fim do mesmo Luis Eduardo não fosse também abrupto, imprevisto. Toda a estória sugere que, encerrado o mandato, ele passaria uma longa temporada no estrangeiro e tornaria a Lisboa para usufruir de suas rendas. Como a personagem foi construída com larga dose de brio e coragem e ressalvado o respeito do autor à verdade histórica - o que é difícil de apurar pelo leitor comum - M. S. Tavares age de forma contraditória ao suicidá-lo, considerando-se o suicídio como uma fraqueza do indivíduo diante das provações.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 29/7/2004

Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll - 1/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/10/2006
11h24min
Adoro o Miguel como escritor e como pessoa. O livro de que mais gostei foi o Planeta Branco. Também adorava a sua mãe, sinto pena de que tenha falecido...
[Leia outros Comentários de Ana Correia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Auto da Barca do Inferno
Gil Vicente
Núcleo
(2003)



Planeta Química - Volume Único 1ªedição 1ªimpressão (2008)
Carlos A. M. Ciscato, Luis Fernando Pereira
Atica
(2008)



O Gigante de Botas 3ª Edição (1979)
Ofélia e Narbal Fontes
Atica
(1979)



História e Vida - as Américas
Nelson Pilettie Valentim Lazzarotto
Atica
(1995)



Os Smurds 2 - uma Surpresa para Smurfette
Vários Autores
Vale das Letras
(2013)



Aventuras Inéditas de Sherlock Holmes - Livro de Bolso
Arthur Conan Doyle
L&pm Pocket
(2003)



Guia Básico para Administração da Manutenção Hoteleira
Eduardo Linzmayer
Senac
(2002)



Sistemas Digitais: Projeto, Otimização e Hdls - Confira !!!
Frank Vahid
Bookman
(2008)



Livro - Os Jogos do Poder - Como Entender e Analisar...
Marcio Florencio Nunes Cambraia
Senado Federal
(2015)



Sonho de uma Noite de Verão - Confira!
William Shakespeare
Global
(2004)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês