Equador, de Miguel Sousa Tavares | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 29/7/2004
Equador, de Miguel Sousa Tavares
Ricardo de Mattos

+ de 21200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Onde é que estão os escritores portugueses no Brasil? E onde é que estão os escritores brasileiros em Portugal?"
(Joaquim Romero de Magalhães)

O escritor Miguel Sousa Tavares nasceu em 1.952 na cidade portuguesa do Porto, filho da recém falecida poetisa Sophia de Mello Breyner Adressen - prêmio Camões de 1.999. Cronista politemático da imprensa lusitana, escreve atualmente nos jornais Público e A Bola, na revista Máxima e é comentarista do Jornal da Noite, transmitido pela TV1. É autor de obra diversificada: Sul - Viagens, livro evidentemente sobre viagem; Anos Perdidos, crônicas; Não Te Deixarei Morrer, David Crockett, apresentado como ficção aproximada da reportagem; O Segredo do Rio, conto infantil; Um Nómada no Oásis (sic), textos políticos; e Sahara - A República da Areia, de reportagens.

Participou da Festa Literária Internacional de Paraty d'este ano. No dia dez passado, e junto com Pablo De Santis, palestrou em torno do tema A História Como Inspiração. Oxalá sua visita tenha estimulado nosso público a conhecer Equador, seu primeiro romance e primeiro livro a ser lançado aqui. A grafia original, mantida intacta, não apresenta mínimo óbice à fruição do valoroso livro, escrito n'um português elegantíssimo, praticamente a reeducar o brasileiro no trato do idioma. Dificilmente recorre-se ao dicionário durante a leitura, provando que as tão alardeadas diferenças no uso de cá e de lá residem mais no plano da lenda que no da realidade. Além d'isso, o escritor conciliou um enredo despretensioso à competência na pesquisa e organização de fatos históricos. Verifica-se seu amor ao debate quando no correr da estória os personagens discutem questões valendo-se de argumentos firmes e claros, o que impede indicar o autor como defensor de tal ou qual tese.

M. S. Tavares é muito comparado a Eça de Queirós, por críticas que teria tecido, n'este romance, à sociedade portuguesa do século XIX. Acrescenta-se ainda sua suposta intenção em mostrar a imutabilidade da cena política e social apesar o interstício de cem anos. Em que pese um escritor - qualquer um - escrever sempre com um pé em seu tempo, sequer o autor confirma o segundo ponto. Quanto ao anterior e lendo o livro por inteiro, repara-se no predomínio da descrição sobre a crítica. É mais adequado falar-se em reconstrução, pois tempo e local são recuperados com um esmero ímpar. Se um retrato fiel apresenta as mazelas com nitidez, não se pode simplesmente dizer que há crítica. Apenas não houve um cenário político e social favorável a ser mostrado. Estamos em Portugal e partimos do ano de 1.905 para chegar à véspera do famoso regicídio. O rei D. Carlos I e seu filho mais velho, o príncipe herdeiro D. Luis Filipe, morreram no atentado ocorrido em Primeiro de Fevereiro de 1.908. Foi o penúltimo rei português, pois em 1.910 proclamou-se a República e depôs-se o herdeiro que assumiu o trono, D. Manuel II. No mesmo país, dois casos idênticos de coroação de príncipes secundários na linha de sucessão.

O personagem principal Luís Eduardo Valença é caracterizado precisamente: "Era um homem livre: sem casamento, sem partido, sem dívidas nem créditos, sem fortuna nem apertos, sem o gosto da futilidade nem a tentação do desmedido. O que quer que el-rei tivesse para lhe dizer, para lhe propor, para lhe ordenar, a última palavra seria sempre sua". Em suma, um homem estabelecido social e profissionalmente, sem pretensões e livre, cuja tendência natural seria passar despercebido pela vida. Sempre sem compromisso, ele escreveu sobre a situação das colônias portuguesas um artigo jornalístico de repercussão inesperada. Como havia séria tensão entre Portugal e Inglaterra acerca da persistência ou não da escravidão nas colônias daquele, a atenção do rei D. Carlos recaiu sobre Luís Bernardo.

O governo português não via solução imediata para o insistente problema da escravidão velada em São Tomé e Príncipe. Se Luís Bernardo possuía uma, que fizesse o favor de aplicá-la in loco. Ele foi convocado pelo rei para cumprir uma tríplice missão: convencer os roceiros a obedecer as medidas antiescravagistas necessárias, com estas medidas não levar as ilhas à insurreição e finalmente manter à distância o enviado britânico. Eis aí o problema, pois se havia intenção, não havia preparo. O personagem chega à colônia - politicamente chamada de província - enfrentando a todos e perdendo-se com atos precipitados e impulsivos apesar de nobres. Pode-se afirmar que ele não soube dosar a própria virtude. Quis mostrar-se amigável com os criados n'um local onde preza-se a hierarquia - até hoje é assim: advogados apregoam a independência profissional, mas ao anunciar-se a aproximação d'um juiz, todos ficam em pé liberando assentos, penteiam-se às pressas e começam a pigarrear para as saudações. Quis alterar com argumentos novos uma ordem estabelecida durante os séculos. Quis, enfim, que os ilhéus desfizessem-se do que lutaram com imensa dificuldade para construir. Se ainda recorriam ao trabalho escravo, deve-se ao fato dos administradores das roças serem constrangidos a gastar o mínimo e obter o máximo de rendimento aos proprietários.

D'esta forma, se Luis Eduardo combateu a escravidão, e ele empenhou-se, não apresentou alternativas, não se dedicou ao convencimento dos proprietários residentes e não se apercebeu que o entrave talvez estivesse fora de lá. O prejuízo era causado tanto pela escravatura em São Tomé e Príncipe, quanto pelo proprietário residente na corte, que anelando rendimentos e despreocupado dos custos humanos. Demorou para ele atentar que sua carreira impetuosa defendia mais os interesses de empresários ingleses - tementes da concorrência das ilhas no mercado cacaueiro - que os de seus patrícios. Quando um fazendeiro local referendou as palavras de seu amigo João Forjaz e Luis Bernardo tomou definitivamente consciência de seus atos, sua missão já era inviável e carreira arruinada. Se parte da missão consistia em manter afastado o cônsul inglês, o governador fracassou ao tratá-lo como amigo pessoal e ao provocar escândalo no envolver-se com sua mulher. David Lloyd Jameson e sua mulher Ann são apresentados no capítulo X.

Em que pese a excelência da obra, aludo a dois pontos pouco simpáticos. O primeiro ponto concerne ao exagero de certas descrições. Há no livro cenas esplêndidas, como a do rei D. Carlos em caçada ou, bem mais adiante, aquela em que o novo governador consegue saber d'um operário as informações sonegadas pelos administradores das roças. Todavia, outras sobejam. Logo nas primeiras páginas, os detalhes das notícias d'um jornal de Dezembro de 1.905. No capítulo VI, Luis Eduardo chega à ilha e ao dirigir-se ao palácio do governo, pede que seu secretário nomeie as ruas pelas quais passam. Perde-se quem nunca pisou em São Tomé. No capítulo X, relatos das excentricidades dos marajás e demais potentados indianos. No capítulo XII, detalhes sobre a chegada do automóvel em Portugal. Parece entusiasmo do autor em aproveitar todo o material levantado e se não embaraça a leitura, diminui seu ritmo e distrai.

O segundo ponto respeita ao apelo ao repentino. Ann, sem mais, surge apaixonada por Luis Eduardo. Ou a sutileza foi muita, ou é sem maiores flertes que ambos declaram-se e entregam-se às cenas sensuais do livro, prenhes de detalhes. Nem mencionaria isso se o fim do mesmo Luis Eduardo não fosse também abrupto, imprevisto. Toda a estória sugere que, encerrado o mandato, ele passaria uma longa temporada no estrangeiro e tornaria a Lisboa para usufruir de suas rendas. Como a personagem foi construída com larga dose de brio e coragem e ressalvado o respeito do autor à verdade histórica - o que é difícil de apurar pelo leitor comum - M. S. Tavares age de forma contraditória ao suicidá-lo, considerando-se o suicídio como uma fraqueza do indivíduo diante das provações.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 29/7/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Precisa-se de empregada feia. Bem feia. de Yuri Vieira
02. Discutir, debater, dialogar de Duanne Ribeiro
03. A alma boa de Setsuan e a bondade de Milena Carasso
04. A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb de Julio Daio Borges
05. Vou tentar não ser piegas para falar de amigos de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. O Livro Impresso e O Livro Virtual - 26/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/10/2006
11h24min
Adoro o Miguel como escritor e como pessoa. O livro de que mais gostei foi o Planeta Branco. Também adorava a sua mãe, sinto pena de que tenha falecido...
[Leia outros Comentários de Ana Correia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SAFARI DE ESTRATÉGIA
HENRY MINTZBERG; BRUCE AHLSTRAND; JOSEPH LAMPEL
BOOKMAN COMPANHIA
(2005)
R$ 60,00



RECEITA PARA A MORTE
NERO BLANC
EDIOURO
(2004)
R$ 17,00
+ frete grátis



FRANÇA
GLOBO
LONELY PLANET
(2012)
R$ 16,00



FUNDAMENTOS DE PERÍCIA CONTÁBIL VOL 18
VÁRIOS AUTORES
ATLAS
(2006)
R$ 20,00



INFLAÇÃO E DEFLAÇÃO - TEORIA DA DINÂMICA ECONÔMICA - COLEÇÃO OS PENSAD
JOHN MAYNARD KEYNES MICHAL KAECKI PAULO ISRAE...
ABRIL
(1978)
R$ 23,69



PEQUENOS GUIAS DA NATUREZA - MAR E VIDA MARINHA LITORAL ...
PÂMELA FOREY E CECÍLIA FITZSIMONS
PLATANO
(1994)
R$ 37,00



ABLA 35 ANOS EM MOVIMENTO
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOCADORAS DE VEICULOS
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOCAD
(2012)
R$ 65,00



O TESTAMENTO
DENCAN JONNY
CLUBE DO LIVRO
(1966)
R$ 6,00



RESISTÊNCIA E SUBMISSÃO
DIETRICH BONHOEFFER
PAZ E TERRA
(1968)
R$ 95,00



VENTO SUDOESTE
LUIZ ALFREDO GARCIA ROZA
COMPANHIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 12,00





busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês