Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
78320 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta novos episódios do projeto Música Fora da Curva
>>> Quarador de imagens partilha experiências em música, teatro e cinema
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Temporada Alfa Criança estreia Zazou, um amor de bruxa dia 24 de abril
>>> Operilda na Orquestra Amazônica Online tem temporada grátis pela Lei Aldir Blanc
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A morte da Gazeta Mercantil
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Blogging+Video=Vlogging
>>> In London
>>> Mil mortes de Michael Jackson
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Dalton Trevisan revisitado
>>> Who killed the blogosphere?
Mais Recentes
>>> Metanoia - A Chave Está Em Sua Mente de JB Carvalho pela Chara (2018)
>>> 8 Hábitos Do Líder Eficaz De Grupos Pequenos de Dave Earley pela Ministério Igreja em Células (2013)
>>> Final Da Tempestade de Deive Leonardo pela Quatro Ventos (2020)
>>> Enquanto Isso (journal) de Fernanda Witwytzky pela Quatro Ventos (2020)
>>> A caminho do Sótão de Denis Mattar pela Livraria Cultura (1978)
>>> Devocional Simplificando O Secreto (Capa Dura) de Vários pela Quatro Ventos (2020)
>>> A santa sem véu de Tibério Vargas Ramos pela Age (2013)
>>> Danuza & sua visão de mundo sem juízo de Danuza Leão pela Agir (2012)
>>> Fora de mim de Martha Medeiros pela Objetiva (2010)
>>> Contos de Voltaire pela Abril Cultural (1983)
>>> O assassino de Evelyn Anthony pela Martins (1974)
>>> O condenado de Gabriel Lacerda pela Lacerda Ed. (1998)
>>> Curso de Aperfeiçoamento Em Betão Armado - livro de J. Darga e Lima e Outros pela Lnec (1969)
>>> O dinheiro de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1975)
>>> A insurreição de Antonio Skármeta pela Francisco Alves (1983)
>>> Era Uma Vez o Amor, Mas Tive Que Matá-lo de Efraim Medina Reyes pela Planeta (2006)
>>> Dominó de Ross King pela Record (2010)
>>> Jogos Surrealistas de Robert Irwin pela Record (1998)
>>> Revista Planeta 11 - Julho 1973 - a Psicologia Pode Melhorar o Mundo de Ignácio de Loyola Brandão pela Três (1973)
>>> O Último Cabalista de Lisboa de Richard Zimler pela Companhia das Letras (1997)
>>> Livro Alegria e triunfo de Lourenço Prado pela Pensamento (2021)
>>> Perigos Que Rondam o Ministério de Richard Exley pela Ucb (2003)
>>> Revista Planeta 12 - Agosto 1973 - Para que serve a Ioga de Ignácio de Loyola Brandão pela Três (1973)
>>> Predestinação e Livre-arbítrio de John Feinberg pela Mundo Cristão (1989)
>>> Cartas de João Guia de Estudos Práticos de Laudir e Sonia Pezzatto pela Sepal (1989)
COLUNAS

Quinta-feira, 1/7/2004
Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll
Ricardo de Mattos

+ de 10500 Acessos

Creio que Mínimos, Múltiplos, Comuns (2.003), de João Gilberto Noll (1.946), é o livro mais difícil que recebi não para ler, mas para comentar. Primeiro porque o essencial a ser falado sobre o volume já consta da apresentação de Wagner Carelli e da introdução, que à falta de assinatura pressuponho ser d'ele mesmo. Segundo porque posso dar uma ideia da excelência do todo, mas ser negligente com a excelência da parte. Falar demais a respeito dele é assumir o comportamento do visitante que narra pelo telefone celular cada fotografia ou tela vista n'uma boa exposição. Primeira sugestão, portanto, é o silêncio durante a apreciação.

O volume é composto por 338 textos escritos para publicação na Folha de São Paulo entre Agosto de 1.998 e Dezembro de 2.001. Por opção do escritor, cada texto deveria ter o máximo de 130 palavras. Não faço grande questão de classificar um texto como novela, ensaio ficcional, conto, miniconto, romance. Nome por nome, prefiro o escolhido pelo próprio autor para classificação dos pequenos textos: instantes ficcionais. Tidos por ele mesmo como um "franco hibridismo entre a prosa e a poesia", não deve ser grande pecado apresentá-los, em suma, como prosa poética.

Os textos não foram publicados em jornal na mesma ordem constante do livro. O critério para o agrupamento posterior visou formar cinco conjuntos sucessivos seguindo uma "cronologia da Criação: Gênese, Os Elementos, As Criaturas, O Mundo e O Retorno". Estes conjuntos subdividem-se em outros subconjuntos, tornando a coesão perceptível e apreciável d'estes "microcontos poemáticos em que você suspende por agudos momentos o fluxo normal de uma narrativa, a princípio mais extensa e que parece correr pelo livro todo. Essa narrativa, é claro, só vai aparecer na ponta de icebergs de cada peça de escrita. Então a coerência do título: Mínimos, Múltiplos, Comuns" (entrevista concedida ao jornal O Estado de São Paulo de 27 de julho de 2003).

Algumas narrativas parecem recortadas de uma situação. Outras são uma síntese, uma conclusão, e há ainda as possuidoras de começo, meio e fim. Alguns d'estes minicontos tratam de pontos do cotidiano sem grande expressão temporal - Fôlegos. Outros, pelo contrário, referem-se àquele instante em que o homem dá-se conta da totalidade d'uma situação, o momento da conclusão de uma meditação paralela inconsciente - O Não. Ou um quadro trazido inteiro pela memória - Sarça Ardente. São mínimos na expressão do tempo, múltiplos pois corriqueiros - salvo exceções - e comuns, tão comuns que podemos vivenciá-los imperceptivelmente. Recomendo a leitura vagarosa, pausada e atenta, não o pantagruelismo que cometi.

Fúria, de Salman Rushdie.

Se Versos Satânicos colocou o escritor indiano Salman Rushdie (1.947) entre as personae non gratae do islamismo, seu romance Fúria (2.001) não provoca sustos sequer na velhinha mais sensível.

O personagem principal d'este romance é Malik Solanka, professor universitário e artesão de bonecos. O argumento é fraco: Solanka criava bonecos como passatempo. Um d'estes, "Little Brain", ganhou um programa de televisão cuja finalidade inicial era apresentar os grandes filósofos ao público. A boneca torna-se uma celebridade e foge do seu controle, desencadeando-lhe uma neurastenia que, muito mal conduzida, quase culmina na morte da mulher e do filho. Dificilmente o professor ganhará um lugar entre os famosos mal-humorados da literatura universal.

Após o quase homicídio, o personagem refugia-se nos Estados Unidos da América. Parece uma contradição, pois o anti-americanismo é o vinagre amaríssimo a encharcar as páginas. Se possui pavor indescritível pelo país, por que o escolheu como refúgio? A resposta demora um pouco, mas é presente. Espezinhado pelo remorso, reflecte durante uma conversa com o amigo Jack Rhinehart: "Como dizer a América é a grande devoradora, eu vim à América para ser devorado?". A intenção da viagem é sua própria aniquilação, como penitência pela ameaça infligida à família.

Em Fúria, Rushdie destaca-se pela prolixidade. Diz em dez páginas o que poderia resumir em apenas uma. Repete-se tanto que se pularmos alguns parágrafos, e mesmo algumas páginas, a compreensão da narrativa não é prejudicada. Daí duas perguntas. A primeira: se for para ler aos saltos, para que ler? A segunda: é realmente interessante uma estória que admite tanta superficialidade em sua leitura? Eis um dano causado pelo escritor a si mesmo. O que é uma pena, pois enxuto e bem ordenado o texto, teríamos um livrete interessante. Tenho para mim que a prolixidade, se contaminada pela repetição, revela pressa e falta de revisão. No geral, talvez indiferença da pessoa com seu trabalho. Por isso temos uma obra onde impera o "quase". "Quase" romance de ideias; "quase" ficção policial; "quase" romance psicológico. O personagem é "quase" ateu e "quase" politicamente correto.

As duas principais referências do professor Solanka têm verniz de ilustração. Para iniciar a confeição de bonecos, não lhe serviu um fantoche qualquer, mas precisou maravilhar-se com a exposição de casas de bonecas vista no Rijksmuseum de Amsterdan. Para explicar sua fuga de Londres a New York, e apesar de reconhecer a contradição, recorreu à filosofia indiana e proclamou-se adepto d'um tipo mui pessoal de sanyasi. O sanyasi pode ser entendido como o quarto estágio evolutivo da vida humana, caracterizado pela renúncia à totalidade dos bens materiais e pela busca solitária da divindade. Já foi mencionado com maior precisão n'O Fio da Navalha, de Maughan. O professor Solanka, contudo, renunciou à família e ao meio social em que vivia e esta renúncia é mero eufemismo para abandono. De mudança para New York, continuou recebendo seus direitos pela criação da boneca "Little Brain". Não se tornou mendicante nem abandonou o conforto habitual. Além disso, o estágio sanyasi pressupõe três anteriores: o brahmacharya, o grehasta - ou grhastha - e o vanaprastha. Mal e mal mencionando aquela quarta etapa, Rushdie perdeu a oportunidade de apresentar-nos mais de sua cultura original através d'uma obra mais consistente. Contudo, acaba descrevendo a situação de quem nem abandonou completamente as origens e nem foi completamente aceito pelo novo meio.

Para ir além









Ricardo de Mattos
Taubaté, 1/7/2004


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll - 1/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Política X Técnica No Planejamento Perspectivas Críticas
Ray Bromley / Eduardo S. Bustelo Orgs.
Brasiliense
(1982)



Acesso aos Direitos Socias: Infância, saúde, educação, trabalho
Paulo Sérgio Pinheiro e Regina Pahim Pinto
Contexto
(2010)



O Segundo Círculo
Patsy Rodenburg
Best Seller
(2009)



Bons Mots & Facéties des Pères Du Désert
Piero Gribaudi
Oeil
(1987)



Justiça, Direito e Cidadania
Marcelo Ribeiro Uchoa
Lumen Juris
(2014)



Teatro Mexicano: Teatro Mexicano del Siglo XX
Antonio Magaña-Esquivel
Fondo de Cultura Económica
(1970)



Matar por Prazer
Linda Howard
Bertrand Brasil
(2019)



Pedagogia e Comunicaçao no Registro da Liberdade
Sandra de Fátima Pereira Tosta
Puc Minas
(2006)



Quando a vida escolhe
Zíbia Gasparetto
Vida
(1997)
+ frete grátis



O livreiro de Cabul
Asne Seierstad
Record
(2006)





busca | avançada
78320 visitas/dia
2,6 milhões/mês