Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
31833 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor III: AMARELO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Companheiros de Jornada
>>> Aloysio Nunes sobre a mentira
>>> ambiguities and lies
>>> Literatura brasileira hoje
>>> Detefon, almofada e trato
>>> Noturno para os notívagos
>>> YouTube, lá vou eu
>>> O papel aceita tudo
>>> Orgulho e preconceito, de Jane Austen
>>> O Mistério dos Incas
Mais Recentes
>>> AFRICA de John Reader pela National Geographic (2001)
>>> LIFE: Our Century in Pictures for Young People de Richard B. Stolley pela Little Brown Young Readers (2000)
>>> Os Anos de Grace Kelly - Princesa de Mônaco de FAAP pela FAAP (2007)
>>> Ideia e Forma - Acompanha CD de Alexandre Gama pela FAAP
>>> O Cinema Em Cartaz de Fundação Armando Alvares Penteado pela MAB (2008)
>>> Prêmio Fundação Conrado Wessel de Fotografia de Fundação Conrado Wessel de Fotografia pela Talento (2002)
>>> Prêmio Fundação Conrado Wessel de Fotografia de Fundação Conrado Wessel de Fotografia pela Talento (2002)
>>> Hora da Vinganca: As Aventuras de Calvin e Haroldo de Bill Waterson pela Conrad (2009)
>>> SuperCroc de National Geographic pela National Geographic (2002)
>>> Graveyards of the Pacific - From Pearl Harbor to Bikini Atol de National Geographic pela National Geographic (2001)
>>> Momentos e Movimentos - Coleção de Fotografias do MAB de MAB fAAP pela MAB (2012)
>>> Auto Motor Esporte 20082009 de Reginaldo Leme pela Auto Motor (2009)
>>> Obras-Primas da Calábria - 700 Anos de Arte Italiana de Maria Izabel Branco Ribeiro pela Ministério da Cultura (2005)
>>> Sala São Paulo: Café, Ferrovia e a Metropole de IBRARP pela IBRARP (2001)
>>> São Paulo Imagens de 1998 de Rubens Fernandes Jr pela Marca D'Agua (1998)
>>> J R Duran de J. R. Duran pela W 11 (2003)
>>> Métodos de análise microscópica de alimentos I de Regina Morelli Silva Rodrigues pela Letras e Letras (1999)
>>> Cookies de Simon St. Laurent pela McGraw Hill (1999)
>>> Flash Fora do Ar de Amaury Jr. pela Elevação (1999)
>>> Além do Horizonte - Visões de um Novo Milênio de Walter Mercado pela Mandarim (1997)
>>> 99 Dias Virtuais de Arthur Ranieri Jr pela Mandarim (2001)
>>> O Que a Noite Conta para o Dia de Hector Bianciotti pela Siciliano (1995)
>>> Psicanálise do Teatro Infantil de Manoel de Lemos Barros Neto pela Traço (1984)
>>> Tênues Tensões de Maria Aparecida Saad pela Maltese (1996)
>>> O Livro do DVD de Egon Strauss pela Quark Books (1998)
>>> Full Disclosure - Como Aperfeiçoar o Relacionamento das Empresas de Francisco Augusto Tertuliano pela Maltese (1993)
>>> Boom - Como Prosperar na Competitiva Global do Século 21 de Frank Vocl e James Sinclair pela Futura (1996)
>>> Exercícios de Datilografia de Eli Rozendo Moreira dos Santos pela Ediouro (1987)
>>> Fabricação Classe Universal - A Próxima Década de Richard J. Schonberger pela Futura (1997)
>>> Ziriguidum de Oswaldo Sargentelli pela Lestra e Letras (1993)
>>> O Guia dos Guias de Orlando Volume II de Ginha Nader pela Panrotas (1998)
>>> Seu Peso Ideal - Como Alcançar e manter o Peso que lhe Convém de Jaap Huibers pela Hemus
>>> Cristal de Wilson Bueno pela Siciliano (1995)
>>> A Educação Sexual - O Sexo e o Amor I de David Saramon pela Pallas (1980)
>>> Arroz de Carreteiro, Churrasco e mais 100 Pratos da Região Sul de Vera Monteiro e Darci Pereira da Rocha pela Ediouro
>>> Da Impunidade de Laércio Laurelli pela Iglu (2000)
>>> Sistema Jurídico de Custeio dos Sindicatos de Eduardo Antônio Temponi Lebre pela Iglu (1997)
>>> Mc Cann 50 Anos em 2 de Jens Olesen e Altino Barros pela Siciliano (1995)
>>> Como Negociar Aumento De Salario: UM GUIA PARA O SUCESSO de George M. Hartman pela Singular Digital (1995)
>>> Sotaques na TV de Ana Lúcia Medeiros pela Annablume (2006)
>>> Contrabando (está com o postêr erótico da edição original) de Fernand de Villefond pela Pallas
>>> Brincando com as Neuroses de Nilson Bergonson pela Hermes (1989)
>>> Grupos de Pressão no Congresso Nacional de Murillo de Aragão pela Maltese (1994)
>>> Corrupção: Fator de Progresso? de Antenor Batista pela Letras e Letras (1999)
>>> São Paulo de Bar em Bar de Francesc Petit pela Siciliano (1995)
>>> Don Gil das Calcas Verdes de Tirso de Molina pela Ediouro
>>> Infertilidade - Tudo o que Devemos Saber de Pamela Patrick Novotny pela Ediouro (1995)
>>> Para Salvar a Universidade de Laurent Schwartz pela EDUSP (1984)
>>> Vidia e o Sumiço da Coroa - Disney Fadas de Haruhi Kato pela On line
>>> Variações sobre a Técnica de Gravador no Registro da Informação V de Maria Isaura Pereira de Queiroz pela TAQ (1991)
COLUNAS

Quinta-feira, 1/7/2004
Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll
Ricardo de Mattos

+ de 9200 Acessos

Creio que Mínimos, Múltiplos, Comuns (2.003), de João Gilberto Noll (1.946), é o livro mais difícil que recebi não para ler, mas para comentar. Primeiro porque o essencial a ser falado sobre o volume já consta da apresentação de Wagner Carelli e da introdução, que à falta de assinatura pressuponho ser d'ele mesmo. Segundo porque posso dar uma ideia da excelência do todo, mas ser negligente com a excelência da parte. Falar demais a respeito dele é assumir o comportamento do visitante que narra pelo telefone celular cada fotografia ou tela vista n'uma boa exposição. Primeira sugestão, portanto, é o silêncio durante a apreciação.

O volume é composto por 338 textos escritos para publicação na Folha de São Paulo entre Agosto de 1.998 e Dezembro de 2.001. Por opção do escritor, cada texto deveria ter o máximo de 130 palavras. Não faço grande questão de classificar um texto como novela, ensaio ficcional, conto, miniconto, romance. Nome por nome, prefiro o escolhido pelo próprio autor para classificação dos pequenos textos: instantes ficcionais. Tidos por ele mesmo como um "franco hibridismo entre a prosa e a poesia", não deve ser grande pecado apresentá-los, em suma, como prosa poética.

Os textos não foram publicados em jornal na mesma ordem constante do livro. O critério para o agrupamento posterior visou formar cinco conjuntos sucessivos seguindo uma "cronologia da Criação: Gênese, Os Elementos, As Criaturas, O Mundo e O Retorno". Estes conjuntos subdividem-se em outros subconjuntos, tornando a coesão perceptível e apreciável d'estes "microcontos poemáticos em que você suspende por agudos momentos o fluxo normal de uma narrativa, a princípio mais extensa e que parece correr pelo livro todo. Essa narrativa, é claro, só vai aparecer na ponta de icebergs de cada peça de escrita. Então a coerência do título: Mínimos, Múltiplos, Comuns" (entrevista concedida ao jornal O Estado de São Paulo de 27 de julho de 2003).

Algumas narrativas parecem recortadas de uma situação. Outras são uma síntese, uma conclusão, e há ainda as possuidoras de começo, meio e fim. Alguns d'estes minicontos tratam de pontos do cotidiano sem grande expressão temporal - Fôlegos. Outros, pelo contrário, referem-se àquele instante em que o homem dá-se conta da totalidade d'uma situação, o momento da conclusão de uma meditação paralela inconsciente - O Não. Ou um quadro trazido inteiro pela memória - Sarça Ardente. São mínimos na expressão do tempo, múltiplos pois corriqueiros - salvo exceções - e comuns, tão comuns que podemos vivenciá-los imperceptivelmente. Recomendo a leitura vagarosa, pausada e atenta, não o pantagruelismo que cometi.

Fúria, de Salman Rushdie.

Se Versos Satânicos colocou o escritor indiano Salman Rushdie (1.947) entre as personae non gratae do islamismo, seu romance Fúria (2.001) não provoca sustos sequer na velhinha mais sensível.

O personagem principal d'este romance é Malik Solanka, professor universitário e artesão de bonecos. O argumento é fraco: Solanka criava bonecos como passatempo. Um d'estes, "Little Brain", ganhou um programa de televisão cuja finalidade inicial era apresentar os grandes filósofos ao público. A boneca torna-se uma celebridade e foge do seu controle, desencadeando-lhe uma neurastenia que, muito mal conduzida, quase culmina na morte da mulher e do filho. Dificilmente o professor ganhará um lugar entre os famosos mal-humorados da literatura universal.

Após o quase homicídio, o personagem refugia-se nos Estados Unidos da América. Parece uma contradição, pois o anti-americanismo é o vinagre amaríssimo a encharcar as páginas. Se possui pavor indescritível pelo país, por que o escolheu como refúgio? A resposta demora um pouco, mas é presente. Espezinhado pelo remorso, reflecte durante uma conversa com o amigo Jack Rhinehart: "Como dizer a América é a grande devoradora, eu vim à América para ser devorado?". A intenção da viagem é sua própria aniquilação, como penitência pela ameaça infligida à família.

Em Fúria, Rushdie destaca-se pela prolixidade. Diz em dez páginas o que poderia resumir em apenas uma. Repete-se tanto que se pularmos alguns parágrafos, e mesmo algumas páginas, a compreensão da narrativa não é prejudicada. Daí duas perguntas. A primeira: se for para ler aos saltos, para que ler? A segunda: é realmente interessante uma estória que admite tanta superficialidade em sua leitura? Eis um dano causado pelo escritor a si mesmo. O que é uma pena, pois enxuto e bem ordenado o texto, teríamos um livrete interessante. Tenho para mim que a prolixidade, se contaminada pela repetição, revela pressa e falta de revisão. No geral, talvez indiferença da pessoa com seu trabalho. Por isso temos uma obra onde impera o "quase". "Quase" romance de ideias; "quase" ficção policial; "quase" romance psicológico. O personagem é "quase" ateu e "quase" politicamente correto.

As duas principais referências do professor Solanka têm verniz de ilustração. Para iniciar a confeição de bonecos, não lhe serviu um fantoche qualquer, mas precisou maravilhar-se com a exposição de casas de bonecas vista no Rijksmuseum de Amsterdan. Para explicar sua fuga de Londres a New York, e apesar de reconhecer a contradição, recorreu à filosofia indiana e proclamou-se adepto d'um tipo mui pessoal de sanyasi. O sanyasi pode ser entendido como o quarto estágio evolutivo da vida humana, caracterizado pela renúncia à totalidade dos bens materiais e pela busca solitária da divindade. Já foi mencionado com maior precisão n'O Fio da Navalha, de Maughan. O professor Solanka, contudo, renunciou à família e ao meio social em que vivia e esta renúncia é mero eufemismo para abandono. De mudança para New York, continuou recebendo seus direitos pela criação da boneca "Little Brain". Não se tornou mendicante nem abandonou o conforto habitual. Além disso, o estágio sanyasi pressupõe três anteriores: o brahmacharya, o grehasta - ou grhastha - e o vanaprastha. Mal e mal mencionando aquela quarta etapa, Rushdie perdeu a oportunidade de apresentar-nos mais de sua cultura original através d'uma obra mais consistente. Contudo, acaba descrevendo a situação de quem nem abandonou completamente as origens e nem foi completamente aceito pelo novo meio.

Para ir além









Ricardo de Mattos
Taubaté, 1/7/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
02. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
03. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
04. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
05. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. O Livro Impresso e O Livro Virtual - 26/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LITURGIA, DE CORAÇÃO
IONE BUYST
PAULUS
(2003)
R$ 28,82



AS HISTÓRIAS QUE OS PESCADORES NÃO CONTARAM
ALICE FOGAÇA MONTEIRO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



PSICOLOGIA GERAL E INFANTIL
FERNANDA BARCELLOS
EDIOURO
(1982)
R$ 34,00



É TARDE PARA SABER
JOSUÉ GUIMARÃES
L&PM
(1977)
R$ 5,05



ABUTRE
GIL SCOTT-HERON
CONRAD SÃO PAULO
(2002)
R$ 13,00



ADOÇÃO, GUARDA, INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE E CONCUBINATO
J FRANKLIN ALVES FELIPE
FORENSE (RJ)
(1995)
R$ 23,28



ME ESQUECI COMPLETAMENTE DE MIM SOU UM DEPARTAMENTO DE CULTURA - 9076
CARLOS AUGUSTO CALIL / FLÁVIO RODRIGO PENTEADO (OR
IMPRENSA OFICIAL DE SÃO PAULO
(2016)
R$ 37,00



GUIA BRASILEIRO DE FONTES PARA A HISTÓRIA DA ÁFRICA 1 E 2
ARQUIVO NACIONAL
ARQUIVO NACIONAL
(1988)
R$ 25,00



AMAR PODE DAR CERTO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(2019)
R$ 10,00



GUIA CAPRICHO - SEXO: COMO COMEÇAR BEM
LILIANE PRATA
MARCO ZERO
(2009)
R$ 18,00





busca | avançada
31833 visitas/dia
891 mil/mês