Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
59013 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Festival Brincando na Praça acontece em versão online com atrações para toda a família
>>> IED lança blogs sobre Design
>>> SENTENÇA DISCUTE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER E TRAZ CRÍTICA AO SISTEMA LEGAL BRASILEIRO
>>> Universidades públicas apresentam lições aprendidas com as crises
>>> Mega evento de preparação ao ENEM reúne personalidades e conteúdo exclusivo ao público jovem
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Coisa mais bonita é São Paulo...
>>> Cuba e O Direito de Amar (1)
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Toma Vacilão: clip de Natasha Sahar no YouTube
>>> Startup lança projeto para retorno às aulas
>>> Os Doidivanas chegam às plataformas de podcasts
>>> Saudade do amanhã
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Roots, bloody roots
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Escritor: jovem, bonito, simpático...
>>> O iPad, da Apple e de Steve Jobs
>>> Poesia para os ouvidos e futebol de perebas
>>> Hell’s Angels
>>> Desfile de homens ocos
>>> Na casa do mouro
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Mais Recentes
>>> Senhor das Moscas de William Golding pela Alfaguara (2014)
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo de Leandro Narloch pela Leya (2013)
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo de Leandro Narloch pela Leya (2013)
>>> Dez Mulheres de Marcela Serrano pela Alfaguara (2012)
>>> Quem Tem Medo de Escuro ? de Sidney Sheldon pela Record (2005)
>>> Manual de Direito das Famílias de Maria Berenice Dias pela Revista dos Tribunais (2015)
>>> O infame comércio de Jaime Rodrigues pela Unicamp (2000)
>>> O Clube do Livro do Fim da Vida de Will Schwalbe pela Objetiva (2013)
>>> O Amigo de Infância de Donna Tartt pela Companhia das Letras (2004)
>>> Antologia dos Santos padres de C. Folch Gomes pela Paulinas (1979)
>>> Mentiras no divã de Irvin D. Yalom pela Ediouuro (2006)
>>> Construção da nação e escravidão no pensamento de José Bonifácio de Ana Rosa Cloclet da Silva pela Unicap (1999)
>>> As Forças do Bem de Diamantino Coelho Fernandes pela Freitas Bastos (1979)
>>> Francisco Félix de Souza: mercador de escravos de Alberto da Costa e Silva pela Nova Fronteira (2004)
>>> Francisco Félix de Souza: mercador de escravos de Alberto da Costa e Silva pela Nova Fronteira (2004)
>>> Bravo! 90 - Março 2005 - Zé Celso e o Teatro de Michel Laub pela Abril (2005)
>>> As muitas mães de Ariel de Mirna Pinsky pela Melhoramentos
>>> Bravo! 108 - Agosto 2006 - Jorge Amado de Ricardo Lombardi pela Abril (2006)
>>> Um Passeio pelo Tempo Machadiano - Suplemento Pedagógico de Adriane Gomes Farah e Outros pela Rovelle (2009)
>>> As 16 Leis do Sucesso de Napoleon Hill pela Faro Editorial (2017)
>>> O Segredo do Meu Marido de Liane Moriarty pela Intrínseca (2014)
>>> Bravo! 95 - Agosto 2005 - Cinema: os Brasileiros no Exterior de Almir de Freitas pela Abril (2005)
>>> O milagre da manhã para se tornar um milionário de Hal Elrod pela Best Seller (2019)
>>> O símbolo perdido de Dan Brown pela Arqueiro (2009)
>>> As 5 Habilidades Essenciais do Relacionamento de Dale Carnegie pela Companhia Nacional (2012)
>>> Uma breve história do Universo de Ken Wilber pela Nova Era (2006)
>>> História 2° Ano Ensino Fundamental de Cândido Domingues Grangeiro pela Cereja (2014)
>>> Oye orixa - umbanda e a síntese dos princípios do Branco de Rafael Alves; Marcelo Costa Nunes pela Casa Das Musas (2009)
>>> De costa a costa de Jaime rodrigues pela Companhia das letras (2005)
>>> Dicionário de teatro de Patrice Pavis pela Perspectiva (2005)
>>> Historia da África: Anterior aos descobrimentos de Mário Curtis Giordani pela Vozes (2007)
>>> O Papel do Corpo no Corpo do Ator de Sônia Machado De Azevedo pela Perspectiva (2008)
>>> Longe é Um Lugar Que Não Existe de Richard Bach pela Record (1979)
>>> Muita Alma Nessa Hora - Lições para Empreender com Propósito de Kiko Kislansky pela Voo (2018)
>>> Etnologia africana de Eduardo dos Santos pela J. Castelo Branco, Lisboa (1969)
>>> Decifre e Influencie Pessoas de Paulo Vieira + Deibson Silva pela Gente (2018)
>>> Bravo! 105 - Maio 2006 - Degas de Ricardo Lombardi pela Abril (2006)
>>> Que mundo? que homem? que Deus? de Juan Luis Segundo pela Paulinas (1995)
>>> Consciéncia -Volume 8 -/2p de instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo pela Lilacl (2000)
>>> Amor Com Amor Se Paga: a nova moeda no mundo do trabalho de Dulce Ribeiro pela Doravante (2005)
>>> As origens cristãs a partir da mulher: uma nova hermenêutica de Elisabeth S. Fiorenza pela Paulinas (1992)
>>> Fama, fortuna e ambição de Osho pela Academia (2012)
>>> Mistérios Ocultos de Joshua David Stone pela Pensamento (1995)
>>> Como Fazer : Guia Pratico de Tecnicas ,projetos e Ideias para o Lar -Vol3 = de Jorge Adib pela Rio Grafica (2000)
>>> Luta por um mundo Melhor de Robert F. Kennedy+ Álvaro Cabral pela Biblioteca do Exercito (1968)
>>> Luta por um mundo Melhor de Robert F. Kennedy+ Álvaro Cabral pela Biblioteca do Exercito (2020)
>>> A hora da estrela de Clarice Lispector pela Rocco (1998)
>>> Encontro: Fragmentos Autobiográficos de Martin Buber pela Vozes (1991)
>>> Triste fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Penguin (2020)
>>> O livro da sabedoria de Pe. Mário de Oliveira pela Edium editores (2020)
COLUNAS

Quinta-feira, 1/7/2004
Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll
Ricardo de Mattos

+ de 10100 Acessos

Creio que Mínimos, Múltiplos, Comuns (2.003), de João Gilberto Noll (1.946), é o livro mais difícil que recebi não para ler, mas para comentar. Primeiro porque o essencial a ser falado sobre o volume já consta da apresentação de Wagner Carelli e da introdução, que à falta de assinatura pressuponho ser d'ele mesmo. Segundo porque posso dar uma ideia da excelência do todo, mas ser negligente com a excelência da parte. Falar demais a respeito dele é assumir o comportamento do visitante que narra pelo telefone celular cada fotografia ou tela vista n'uma boa exposição. Primeira sugestão, portanto, é o silêncio durante a apreciação.

O volume é composto por 338 textos escritos para publicação na Folha de São Paulo entre Agosto de 1.998 e Dezembro de 2.001. Por opção do escritor, cada texto deveria ter o máximo de 130 palavras. Não faço grande questão de classificar um texto como novela, ensaio ficcional, conto, miniconto, romance. Nome por nome, prefiro o escolhido pelo próprio autor para classificação dos pequenos textos: instantes ficcionais. Tidos por ele mesmo como um "franco hibridismo entre a prosa e a poesia", não deve ser grande pecado apresentá-los, em suma, como prosa poética.

Os textos não foram publicados em jornal na mesma ordem constante do livro. O critério para o agrupamento posterior visou formar cinco conjuntos sucessivos seguindo uma "cronologia da Criação: Gênese, Os Elementos, As Criaturas, O Mundo e O Retorno". Estes conjuntos subdividem-se em outros subconjuntos, tornando a coesão perceptível e apreciável d'estes "microcontos poemáticos em que você suspende por agudos momentos o fluxo normal de uma narrativa, a princípio mais extensa e que parece correr pelo livro todo. Essa narrativa, é claro, só vai aparecer na ponta de icebergs de cada peça de escrita. Então a coerência do título: Mínimos, Múltiplos, Comuns" (entrevista concedida ao jornal O Estado de São Paulo de 27 de julho de 2003).

Algumas narrativas parecem recortadas de uma situação. Outras são uma síntese, uma conclusão, e há ainda as possuidoras de começo, meio e fim. Alguns d'estes minicontos tratam de pontos do cotidiano sem grande expressão temporal - Fôlegos. Outros, pelo contrário, referem-se àquele instante em que o homem dá-se conta da totalidade d'uma situação, o momento da conclusão de uma meditação paralela inconsciente - O Não. Ou um quadro trazido inteiro pela memória - Sarça Ardente. São mínimos na expressão do tempo, múltiplos pois corriqueiros - salvo exceções - e comuns, tão comuns que podemos vivenciá-los imperceptivelmente. Recomendo a leitura vagarosa, pausada e atenta, não o pantagruelismo que cometi.

Fúria, de Salman Rushdie.

Se Versos Satânicos colocou o escritor indiano Salman Rushdie (1.947) entre as personae non gratae do islamismo, seu romance Fúria (2.001) não provoca sustos sequer na velhinha mais sensível.

O personagem principal d'este romance é Malik Solanka, professor universitário e artesão de bonecos. O argumento é fraco: Solanka criava bonecos como passatempo. Um d'estes, "Little Brain", ganhou um programa de televisão cuja finalidade inicial era apresentar os grandes filósofos ao público. A boneca torna-se uma celebridade e foge do seu controle, desencadeando-lhe uma neurastenia que, muito mal conduzida, quase culmina na morte da mulher e do filho. Dificilmente o professor ganhará um lugar entre os famosos mal-humorados da literatura universal.

Após o quase homicídio, o personagem refugia-se nos Estados Unidos da América. Parece uma contradição, pois o anti-americanismo é o vinagre amaríssimo a encharcar as páginas. Se possui pavor indescritível pelo país, por que o escolheu como refúgio? A resposta demora um pouco, mas é presente. Espezinhado pelo remorso, reflecte durante uma conversa com o amigo Jack Rhinehart: "Como dizer a América é a grande devoradora, eu vim à América para ser devorado?". A intenção da viagem é sua própria aniquilação, como penitência pela ameaça infligida à família.

Em Fúria, Rushdie destaca-se pela prolixidade. Diz em dez páginas o que poderia resumir em apenas uma. Repete-se tanto que se pularmos alguns parágrafos, e mesmo algumas páginas, a compreensão da narrativa não é prejudicada. Daí duas perguntas. A primeira: se for para ler aos saltos, para que ler? A segunda: é realmente interessante uma estória que admite tanta superficialidade em sua leitura? Eis um dano causado pelo escritor a si mesmo. O que é uma pena, pois enxuto e bem ordenado o texto, teríamos um livrete interessante. Tenho para mim que a prolixidade, se contaminada pela repetição, revela pressa e falta de revisão. No geral, talvez indiferença da pessoa com seu trabalho. Por isso temos uma obra onde impera o "quase". "Quase" romance de ideias; "quase" ficção policial; "quase" romance psicológico. O personagem é "quase" ateu e "quase" politicamente correto.

As duas principais referências do professor Solanka têm verniz de ilustração. Para iniciar a confeição de bonecos, não lhe serviu um fantoche qualquer, mas precisou maravilhar-se com a exposição de casas de bonecas vista no Rijksmuseum de Amsterdan. Para explicar sua fuga de Londres a New York, e apesar de reconhecer a contradição, recorreu à filosofia indiana e proclamou-se adepto d'um tipo mui pessoal de sanyasi. O sanyasi pode ser entendido como o quarto estágio evolutivo da vida humana, caracterizado pela renúncia à totalidade dos bens materiais e pela busca solitária da divindade. Já foi mencionado com maior precisão n'O Fio da Navalha, de Maughan. O professor Solanka, contudo, renunciou à família e ao meio social em que vivia e esta renúncia é mero eufemismo para abandono. De mudança para New York, continuou recebendo seus direitos pela criação da boneca "Little Brain". Não se tornou mendicante nem abandonou o conforto habitual. Além disso, o estágio sanyasi pressupõe três anteriores: o brahmacharya, o grehasta - ou grhastha - e o vanaprastha. Mal e mal mencionando aquela quarta etapa, Rushdie perdeu a oportunidade de apresentar-nos mais de sua cultura original através d'uma obra mais consistente. Contudo, acaba descrevendo a situação de quem nem abandonou completamente as origens e nem foi completamente aceito pelo novo meio.

Para ir além









Ricardo de Mattos
Taubaté, 1/7/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu malvado favorito de Renato Alessandro dos Santos
02. Crítica à internet chega à ficção de Marta Barcellos


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll - 1/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PARA MINHA ASSISTENTE COISAS QUE EU NUNCA FAREI PARA VOÇÊ
LYDIA WHITLOCK
PLANETA
(2014)
R$ 9,90



EU MEREÇO TER DINHEIRO!
REINALDO DOMINGOS
DSOP
(2013)
R$ 9,90



MACHADO DE ASSIS, PERSONAGENS E DESTINOS
ANTENOR SALZER RODRIGUES
BOM TEXTO
(2008)
R$ 24,90



ENCONTRO MARCADO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
FEB
(1992)
R$ 5,00



PRETÉRITO QUASE PERFEITO
RONALD GUIMARÃES
RHJ
(2004)
R$ 9,90



POLÍTICA EDUCATIVA COMO TECNOLOGIA SOCIAL, AS REFORMAS DO ENSINO
SÉRGIO GRÁCIO
LIVROS HORIZONTE
(1986)
R$ 31,88



O MAL NO PENSAMENTO MODERNO - UMA HISTÓRIA ALTERNATIVA DA FILOSOFIA
SUSAN NEIMAN
DIFEL
(2003)
R$ 100,00



AO CORRER DA PENA
JOSE DE ALENCAR
MELHORAMENTOS
R$ 6,90



A DANÇA DA SERPENTE
SEBASTIÃO MARTINS

(1990)
R$ 8,00



CURSO DE INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DO DIREITO
PAULINO JACQUES
FORENSE
(1971)
R$ 22,50





busca | avançada
59013 visitas/dia
2,0 milhão/mês