Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> ABERTURA DA EXPOSIÇÃO “O CAMINHO DAS PEDRAS'
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Notas de um ignorante
>>> Alumbramento
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> Rumos do cinema político brasileiro
>>> Black Sabbath 1970
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Manual prático do ódio
>>> Rhyme and reason
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
Mais Recentes
>>> Reaprendendo o Português [Capa Dura] de Carlos Eduardo de Bruin Cavalheiro (org.) pela Edic (2010)
>>> Revista Conexão Geraes: Seguridade Social Ampliada n6 ano 4 de Taysa Silva Santos; Soraya Magalhães Pelegrini; Matheus Thomaz da Silva pela Crssmg (2015)
>>> Revista Conexão Geraes: A Dimensão Técnico-Operativa no Serviço Social n3 ano 2 de Kênia Augusta Figueiredo; Elaine Rossetti Behring; Ana Cristina Brito Arcoverde pela Crssmg (2013)
>>> Revista Conexão Geraes: Expressões socioculturais n5 ano 3 de Carlos Montano; Cézar Henrique Maranhão; Yolanda Demétrio Guerra pela Crssmg (2014)
>>> Revista Conexão Geraes: Relatório de Gestão n8 ano 6 de Luana Braga; Rosilene Tavares; Marisaura pela Crssmg (2017)
>>> Revista Conexão Geraes:30 Horas Lei é Para Cumprir n7 ano 5 de Ivanete Boschetti; Ricardo Antunes; Marisaura dos Santos Cardoso pela Crssmg (2016)
>>> Revista Conexão Geraes: Direito à Cidade n4 ano 3 de Maria Lúcia Martinelli; Duriguetto; Joviano Mayer pela Crssmg (2014)
>>> Saúde Mental no SUS: Os Centros de Atenção Psicossocial de Ministério da Saúde pela Sas (2004)
>>> Ensaios Ad Hominem 1: Tomo 3 - Política de J. Chasin pela Ad Hominem (2000)
>>> Revista Histórica de Contagem 102 Anos de Ciro Carpentieri Filho pela Fundac (2013)
>>> O Brasil Desempregado de Jorge Mattoso pela Perseu Abramo (1996)
>>> Caderno do Plano de Manejo Orgânico de Mapa pela Secretaria de Cooperativismo (2014)
>>> Manual de Arborização Capa Verde de Cemig pela Cemig
>>> Manual de Arborização de Cemig pela Cemig (1996)
>>> Mata Atlântica: Mapa da Área de Aplicação da Lei n 11.428 de Ibge pela Ibge
>>> MG Biota v. 11 n 1 de Biologia Floral; aposematismo pela Ief (2018)
>>> MG Biota v. 10 n. 2 de Anfíbios pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 10 n. 1 de Germinação; Capões de Mata pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 10 n. 3 de Recuperação de Áreas Degradadas pela Ief (2017)
>>> MG Biota v. 6 n. 1 de Cerrado; Vale do Jequitinhonha pela Ief (2017)
>>> Informe Agropecuário 244 de Áreas Degradadas pela Epamig (2008)
>>> Informe Agropecuário 285 de Déficit Hídrico pela Epamig (2015)
>>> Informe Agropecuário 287 de Agricultura Orgânica e Agroecologia pela Epamig (2015)
>>> Contos de Amor e Morte de Arthur Schnitzler; George Bernard Sperber (trad.); Wolfgang Bader (apr.) pela Companhia das Letras (1999)
>>> Um Jovem Americano de Edmund White; Augusto de Oliveira (trad.) pela Siciliano (1995)
COLUNAS

Quinta-feira, 1/7/2004
Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll
Ricardo de Mattos

+ de 11500 Acessos

Creio que Mínimos, Múltiplos, Comuns (2.003), de João Gilberto Noll (1.946), é o livro mais difícil que recebi não para ler, mas para comentar. Primeiro porque o essencial a ser falado sobre o volume já consta da apresentação de Wagner Carelli e da introdução, que à falta de assinatura pressuponho ser d'ele mesmo. Segundo porque posso dar uma ideia da excelência do todo, mas ser negligente com a excelência da parte. Falar demais a respeito dele é assumir o comportamento do visitante que narra pelo telefone celular cada fotografia ou tela vista n'uma boa exposição. Primeira sugestão, portanto, é o silêncio durante a apreciação.

O volume é composto por 338 textos escritos para publicação na Folha de São Paulo entre Agosto de 1.998 e Dezembro de 2.001. Por opção do escritor, cada texto deveria ter o máximo de 130 palavras. Não faço grande questão de classificar um texto como novela, ensaio ficcional, conto, miniconto, romance. Nome por nome, prefiro o escolhido pelo próprio autor para classificação dos pequenos textos: instantes ficcionais. Tidos por ele mesmo como um "franco hibridismo entre a prosa e a poesia", não deve ser grande pecado apresentá-los, em suma, como prosa poética.

Os textos não foram publicados em jornal na mesma ordem constante do livro. O critério para o agrupamento posterior visou formar cinco conjuntos sucessivos seguindo uma "cronologia da Criação: Gênese, Os Elementos, As Criaturas, O Mundo e O Retorno". Estes conjuntos subdividem-se em outros subconjuntos, tornando a coesão perceptível e apreciável d'estes "microcontos poemáticos em que você suspende por agudos momentos o fluxo normal de uma narrativa, a princípio mais extensa e que parece correr pelo livro todo. Essa narrativa, é claro, só vai aparecer na ponta de icebergs de cada peça de escrita. Então a coerência do título: Mínimos, Múltiplos, Comuns" (entrevista concedida ao jornal O Estado de São Paulo de 27 de julho de 2003).

Algumas narrativas parecem recortadas de uma situação. Outras são uma síntese, uma conclusão, e há ainda as possuidoras de começo, meio e fim. Alguns d'estes minicontos tratam de pontos do cotidiano sem grande expressão temporal - Fôlegos. Outros, pelo contrário, referem-se àquele instante em que o homem dá-se conta da totalidade d'uma situação, o momento da conclusão de uma meditação paralela inconsciente - O Não. Ou um quadro trazido inteiro pela memória - Sarça Ardente. São mínimos na expressão do tempo, múltiplos pois corriqueiros - salvo exceções - e comuns, tão comuns que podemos vivenciá-los imperceptivelmente. Recomendo a leitura vagarosa, pausada e atenta, não o pantagruelismo que cometi.

Fúria, de Salman Rushdie.

Se Versos Satânicos colocou o escritor indiano Salman Rushdie (1.947) entre as personae non gratae do islamismo, seu romance Fúria (2.001) não provoca sustos sequer na velhinha mais sensível.

O personagem principal d'este romance é Malik Solanka, professor universitário e artesão de bonecos. O argumento é fraco: Solanka criava bonecos como passatempo. Um d'estes, "Little Brain", ganhou um programa de televisão cuja finalidade inicial era apresentar os grandes filósofos ao público. A boneca torna-se uma celebridade e foge do seu controle, desencadeando-lhe uma neurastenia que, muito mal conduzida, quase culmina na morte da mulher e do filho. Dificilmente o professor ganhará um lugar entre os famosos mal-humorados da literatura universal.

Após o quase homicídio, o personagem refugia-se nos Estados Unidos da América. Parece uma contradição, pois o anti-americanismo é o vinagre amaríssimo a encharcar as páginas. Se possui pavor indescritível pelo país, por que o escolheu como refúgio? A resposta demora um pouco, mas é presente. Espezinhado pelo remorso, reflecte durante uma conversa com o amigo Jack Rhinehart: "Como dizer a América é a grande devoradora, eu vim à América para ser devorado?". A intenção da viagem é sua própria aniquilação, como penitência pela ameaça infligida à família.

Em Fúria, Rushdie destaca-se pela prolixidade. Diz em dez páginas o que poderia resumir em apenas uma. Repete-se tanto que se pularmos alguns parágrafos, e mesmo algumas páginas, a compreensão da narrativa não é prejudicada. Daí duas perguntas. A primeira: se for para ler aos saltos, para que ler? A segunda: é realmente interessante uma estória que admite tanta superficialidade em sua leitura? Eis um dano causado pelo escritor a si mesmo. O que é uma pena, pois enxuto e bem ordenado o texto, teríamos um livrete interessante. Tenho para mim que a prolixidade, se contaminada pela repetição, revela pressa e falta de revisão. No geral, talvez indiferença da pessoa com seu trabalho. Por isso temos uma obra onde impera o "quase". "Quase" romance de ideias; "quase" ficção policial; "quase" romance psicológico. O personagem é "quase" ateu e "quase" politicamente correto.

As duas principais referências do professor Solanka têm verniz de ilustração. Para iniciar a confeição de bonecos, não lhe serviu um fantoche qualquer, mas precisou maravilhar-se com a exposição de casas de bonecas vista no Rijksmuseum de Amsterdan. Para explicar sua fuga de Londres a New York, e apesar de reconhecer a contradição, recorreu à filosofia indiana e proclamou-se adepto d'um tipo mui pessoal de sanyasi. O sanyasi pode ser entendido como o quarto estágio evolutivo da vida humana, caracterizado pela renúncia à totalidade dos bens materiais e pela busca solitária da divindade. Já foi mencionado com maior precisão n'O Fio da Navalha, de Maughan. O professor Solanka, contudo, renunciou à família e ao meio social em que vivia e esta renúncia é mero eufemismo para abandono. De mudança para New York, continuou recebendo seus direitos pela criação da boneca "Little Brain". Não se tornou mendicante nem abandonou o conforto habitual. Além disso, o estágio sanyasi pressupõe três anteriores: o brahmacharya, o grehasta - ou grhastha - e o vanaprastha. Mal e mal mencionando aquela quarta etapa, Rushdie perdeu a oportunidade de apresentar-nos mais de sua cultura original através d'uma obra mais consistente. Contudo, acaba descrevendo a situação de quem nem abandonou completamente as origens e nem foi completamente aceito pelo novo meio.

Para ir além









Ricardo de Mattos
Taubaté, 1/7/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
02. Jornalismo literário: a arte do fato? de Luiz Rebinski Junior


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll - 1/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor na boca do túnel
Edilberto coutinho
tempo brasileiro
(1992)



Metadologia da Pesquisa Juridica
Eduardo C B Bittar
Saraiva
(2002)



Consolidação das Leis do Trabalho Constituição Federal e Legislação
Rideel
Rideel
(2011)



Antologia Poética de Lêdo Ivp - Coleção Prestigio
Walmir Ayala
Ediouro
(1991)



Formaturas Infernais
Meg Cabot
Galera
(2009)



Amar é Servir
Isabel Lins
Construir
(2003)



Administração
Peter F Drucker
Pioneira
(1975)



Terra Espetacular
Seleções do Readers Digest
Readers Digest
(1997)



As Fúrias Invisíveis
Ricardo Ramos
Círculo do Livro



Galileu - Pensamento, Vida e Obra
Vários Autores
Ct
(2011)





busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês