Por favor, leiam até o fim | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 16/1/2002
Por favor, leiam até o fim
Daniela Sandler

+ de 3200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Sei que não devia, mas ainda me surpreendo com as reações de leitores. O clichê de que um texto tem vida própria não nos prepara, como escritores, para a multiplicidade de interpretações e os mal-entendidos. Claro, muitas vezes a surpresa é grata, e o modo como alguém entende o que digo presenteia-me com leituras insuspeitas, novos pensamentos, sentidos latentes ou alternativos. Diálogo! Mas, às vezes, as interpretações são angustiantes, e meu impulso é gritar ao leitor urgentemente que suspenda seu julgamento e que me dê o benefício da dúvida antes de formar opinião a respeito não só de meu texto, mas de mim.

Alguns teóricos definem toda tentativa de comunicar sentido como “productive miscommunication” – algo como “comunicação imprecisa, mas produtiva”. Para essa vertente, a coincidência exata entre aquilo que eu quis dizer e aquilo que você ouviu é impossível: há sempre dissonâncias, sempre lacunas. O que define a comunicação bem-sucedida é a produção de sentido a partir desse encontro entre escritor e leitor, orador e ouvinte, emissor e receptor. Isso pressupõe que os papéis se invertam, sejam intercambiáveis – você, ao ler meu texto, já está também emitindo mensagens.

O bom dessa visão é permitir diálogo ainda que o entendimento mútuo pleno não ocorra (se é que é possível), ainda que haja ruído na comunicação. Essa visão não tem nada a ver com relativismo banal e leniente, vale-tudo, segundo o qual toda interpretação é aceitável, ainda que absurda. A permissividade desse relativismo assume que as eventuais falhas de compreensão justificam qualquer versão, inclusive manipulações conscientes ou reações delirantes. Leva à comunicação improdutiva em suas várias encarnações: um emaranhado de monólogos esquizofrênicos; distorções deliberadas ou não de sentido; choques verbais que logo se transformam em embates pessoais; pontos de divergência que separam a trajetória dos que falam.

Reconhecimento de campo

O que define a validade de uma interpretação é o modo pelo qual ela se liga ao texto original: a leitura tem de tomar como base o texto apresentado, tirar desse texto (nem sempre verbal – pode ser uma imagem, uma peça teatral, uma canção) as suas pistas, guiar-se pelos dados presentes (ainda que implicitamente) na obra original. Isso inclui o conteúdo do texto, mas também seu contexto histórico, social, epistemológico. O texto, ou a emissão original, são o solo do qual devemos partir, lutando para que nossas concepções prévias – das quais é impossível nos desfazer – não embacem nossa visão do terreno. De nada adianta projetar maravilhosa estrutura se a mecânica do solo em que ela se assentará não suporta sua fundação. É preciso atentar ao terreno, adequar a ele a bela estrutura, mudar talvez o projeto original.

Com isso digo que as pessoas podem construir elaborados argumentos, muito persuasivos, para defender pontos-de-vista que não têm raízes no diálogo. Um raciocínio pode ser convincente pela engenhosidade de pensamento ou pelo brilho aparente de suas provas e razões, sem por isso corresponder ao texto referido. Às vezes, a intenção é boa, e creio que nesses casos sempre há chance de restaurar o diálogo produtivo. Mas pode ocorrer também que a interpretação seja feita com má-fé – e aí não há muito o que discutir, pois a falha comunicativa é intencional e estabelecida a priori. Ninguém discute ética, ou moral, com o ladrão, pois roubar é exatamente o que ele quer.

Como alcançar a tal comunicação imprecisa, porém produtiva? De minha parte, tento tomar a minha interpretação de um texto como provisória – ainda que seja necessária como ponto-de-partida, não deve por isso congelar em ponto-de-vista. Uso dessas “certezas temporárias”, que tento fazer fiéis à obra, mas modifico-as com a seqüência do diálogo. Esse diálogo não envolve necessariamente o autor da obra – minha visão trava contato com a visão de outros leitores, ou outros autores; com outras obras, com o conhecimento histórico; e muda com o tempo, comigo mesma, em leituras subsequentes do mesmo texto.

Com tudo isso, quero dizer que a responsabilidade sobre o entendimento de um texto pesa tanto sobre mim, como autora, como sobre você, que me lê. Quando a interpretação é injusta, sinto-me traída por minhas próprias palavras (pela minha incapacidade de me fazer mais clara), mas também pela incapacidade de compreensão do leitor. Entender um texto requer atenção, respeito e cuidado. É preciso ler do começo ao fim – sei que isso parece óbvio, mas muitas vezes tenho a sensação de meus leitores não lêm (ao menos, não com a mesma atenção) o todo de meus textos, ignorando por exemplo a conclusão essencial que dá sentido ao resto e que às vezes muda seu significado aparente. É o caso de meu texto de fim-de-ano (“Os melhores votos, de uma cética”), assim como de “Uma coluna sem coração” e “Virtudes e pecados”.

Meias-palavras

Claro, alguns hão de me criticar por isso – por não construir o raciocínio linear e redundante que anuncia todos os seus passos de início e que passa o resto do texto a repetir o anúncio com frases diferentes ou evidência variada. Ora, se o destino do texto já está traçado no primeiro parágrafo, para que ler o resto? Sim, às vezes é preciso abrir o jogo logo no início, seja por estratégia retórica, seja pelo contexto (um tribunal, por exemplo), seja por opção criativa. Mas não deve ser essa uma obrigação constante. Como leitora, sinto que “finais surpresa” são um elogio à minha inteligência, uma recompensa por meu esforço de compreensão, além da valiosa oferta de sentido novo. Textos que repetem, na conclusão, a tese do primeiro parágrafo parecem supor que sou surda ou desatenta (ou talvez burra), além de desperdiçar tempo e espaço com redundâncias. Para bom leitor, meia palavra basta...

Além da leitura integral – do começo ao fim, e sem pular partes –, outros aspectos requerem o cuidado do leitor. A escolha das palavras: o porquê deste, e não daquele, vocábulo corresponde a nuances de significado essenciais à precisão do texto. Parece sutil demais? Ora, bons textos, em sua maioria, são sutis. Opiniões consistentes, bem-fundamentadas, são nuançadas pela consideração de suas próprias limitações ou contradições. São o oposto de declarações peremptórias, do tipo amo-ou-odeio, 8 ou 80, preto no branco – que são simplistas, maniqueístas ou reducionistas.

Isso tudo não tem a ver apenas com textos formais – livros, ensaios, colunas, cartas de leitores. Digo tudo isso pensando também nas comunicações cotidianas, nos diálogos prosaicos, nos emails – e, mais profundamente, nos relacionamentos entre as pessoas. E, como você é bom leitor, não precisarei repetir as implicações todas descritas até agora apenas para mostrar como elas ocorrem nesses casos. Você há de refletir e, no processo, há de pensar em um monte de coisas que não me ocorreram, ou que não escrevi. Talvez essa reflexão tome tempo (mais que a leitura casual, incompleta ou desatenta) e demande mais esforço. Talvez você chegue à conclusão, como eu, de que para ler bem não é possível ler tudo, nem mesmo muito, e nunca rápido. Talvez você pense em coisas que demolirão minhas palavras. Talvez eu perca um leitor. Mas, como escreveu Clarice Lispector, perder-se também é caminho.



Daniela Sandler
São Paulo, 16/1/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O livro do Natal de Marta Barcellos
02. Festival de Mantiqueira, Oprah Winfrey e Ronaldo de Daniel Bushatsky


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2002
01. Virtudes e pecados (lavoura arcaica) - 9/1/2002
02. Nas garras do Iluminismo fácil - 10/4/2002
03. Iris, ou por que precisamos da tristeza - 24/4/2002
04. Crimes de guerra - 13/3/2002
05. Somos diferentes. E daí? - 30/1/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/4/2002
20h24min
Daniela! Esse seu texto me deixou impressionada: mandei pra tudo que é meu amigo! Estava aqui procurando um texto sobre ruído na comunicação (por conta de um projeto de leitura de textos que estou escrevendo) e aí aquele buscador Google me trouxe até aqui. Quanta precisão, atenção, inteligência, e... e, inda por cima, no final tem a Clarice Lispector? Assim é demais. Parabéns! Lúcia
[Leia outros Comentários de Lucia Leal]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DICTIONNAIRE RAISONNÉ ET ILLUSTRÉ DU THÉÂTRE À LITALIENNE
ALAIN ROY
ACTES SUD-PAPIERS
(1992)
R$ 99,82



O EREMITA DA FLORESTA EYCON
ELLIS PETERS
RECORD
(1998)
R$ 21,00



NAZISTAS ENTRE NÓS: A TRAJETÓRIA DOS OFICIAIS DE HITLER .. - 1ª EDIÇÃO
MARCOS GUTERMAN
CONTEXTO
(2016)
R$ 35,95



VIDA URBANA ARTIGOS E CRÔNICAS 9847
LIMA BARRETO
BRASILIENSE
(1956)
R$ 17,00



VOCÊ TAMBÉM PODE CHEGAR LÁ ( O REENCONTRO )
SHIRLEY MACLAINE
RECORD
(1975)
R$ 7,00



AMOR E AMIZADE
WHIT STILLMAN
GUTENBERG
(2016)
R$ 14,00



A MÁGICA DO MARKETING
CLÓVIS TAVARES
NAVEGAR
(2000)
R$ 7,80



MOTIVATE! WORKBOOK WITH AUDIO
FIONA MAUCHLINE; E. HEYDERMAN
MACMILLAN EDUCATION
(2013)
R$ 40,00



OS EXTRATERRESTRES NA HISTÓRIA
JACQUES BERGIER
HEMUS
(1970)
R$ 10,00



A GUERRA
QUINCY WRIGHT
BIBLIEX
(1988)
R$ 22,42





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês