O ano em que estou pouco me lixando para o Oscar | Clayton Melo | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A visão certa
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Asia de volta ao mapa
>>> 7 de Setembro
>>> Rebelde aristocrático
>>> Cócegas na língua
>>> Animazing
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
Mais Recentes
>>> Minha vida de menina de Helena Morley pela Companhia das Letras (2020)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela 34 (2020)
>>> Mestre da Critica de Vários autores pela Topbooks (2020)
>>> Memórias para servir à História do Reino do Brasil de Luís Gonçalves dos Santos pela Senado (2020)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Abc (2020)
>>> A Unica Esperança de Alejandro Bullon pela Casa Publicadora Brasileira (2013)
>>> Memórias de Carlota Joaquina de Marsilio Cassotti pela Planeta (2020)
>>> Marquês de São Vicente de Eduardo Kugelmas pela 34 (2020)
>>> Machado de Assis & Joaquim Nabuco. Correspondência de Graça Aranha pela Topbooks (2020)
>>> Obra Completa de Luis De Camoes pela Nova (2020)
>>> Literatura e Sociedade de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> O Tigre na Sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Juca Paranhos, o Barão do Rio Branco de Luís Cláudio Villafañe G. Santos pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ingleses no Brasil de Gilberto Freyre pela UniverCidade (2020)
>>> Histórias da Gente Brasileira. República. Memórias. 1889-1950 - Volume 3 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Império - Vol. 2 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Colônia - Vol. 1 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Tensoes Mundiais Volume 4 Numero 5 de Manoel Domingos Neto e Monica Dias Martins pela Observatorio das Nacionalidades (2008)
>>> História econômica do Brasil de Roberto C. Simonsen pela Senado (2020)
>>> História dos Fundadores do Império do Brasil - 7 volumes - coleção completa de Otávio Tarquínio de Sousa pela Senado (2020)
>>> História do Brasil: Uma interpretação de Mota, Carlos Guilherme and Lopez, Adriana pela 34 (2020)
>>> História do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: Volume 1 Idade Média de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: OS Nossos Dias de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> História da saúde no Brasil de Luiz Antonio Teixeira (Compilador), Tânia Salgado Pimenta (Compilador), Gilberto Hochman (Compilador) pela Hucitec (2020)
>>> História da Arte no Brasil: Textos de Síntese de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Angela Ancora da Luz, Sonia Gomes Pereira pela Ufrj (2020)
>>> Temas de Direito Constitucional Volume 1 de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2002)
>>> História Da América Portuguesa de Sebastião Da Rocha Pita pela Senado (2020)
>>> História da Alimentação no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2020)
>>> No caminho de Swann. de Marcel Proust pela Globo (2003)
>>> Hipólito José da Costa de Sergio Goes de Paula pela 34 (2020)
>>> Serious Candida Infections: Risk Factors, Treatment and Prevention de John H. Rex e Françoise Meunier Editores pela Pfizer (1995)
>>> Grande Reforma Urbana Do Rio De Janeiro, A: Pereira Passos, Rodrigues Alves E As Ideias De Civilização E Progresso de Andre Nunes De Azevedo pela PUC Rio (2020)
>>> Natural Racional Social - Razão Médica e Racionalidade Científica Moderna. de Madel T. Luz pela Campus (1988)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Getulio 1930-1945: Do Governo Provisorio Ao Estado Novo de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Para gostar de ler. Vol.4 - Crônicas.. de Vários pela Ática (1980)
>>> Getúlio 1 (1882-1930) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Viver o Amor. de José Carlos Pedroso pela Edições Paulinas (1978)
>>> General Osorio de Doratioto, Francisco pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ganhadores: A greve negra de 1857 na Bahia de João José Reis pela Companhia das Letras (2020)
>>> Formação de Cidades no Brasil Colonial de Santos, Paulo Ferreira pela Ufrj - IPHAN (2020)
>>> Flores votos e balas de Alonso, Angela pela Companhia das Letras (2020)
>>> A Saude dos Filhos de E. Nauta pela Circulo do Livro (1987)
>>> Gibi Mônica N°8. Lendas da Jumenta Voadora de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2007)
>>> Ficção e Confissão de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> Essencial padre Antônio Vieira: o que o turista deve ver de Vieira, Padre Antônio and Bosi, Alfredo pela Penguin (2020)
>>> Gibi Mônica N°83 A árvore encantada de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2013)
>>> Escravidão - Vol. 1: Do primeiro leilão de cativos em Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares de Laurentino Gomes pela Globo Livros (2020)
>>> Esaú e Jacó de Assis, Machado de pela Abc (2020)
COLUNAS

Segunda-feira, 22/10/2007
O ano em que estou pouco me lixando para o Oscar
Clayton Melo

+ de 6100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

O ano em que meus pais saíram de férias, filme dirigido por Cao Hamburger, acaba de ser escolhido como representante brasileiro no Oscar. Sim, é "festa da indústria", não vou engrossar o coro verde-e-amarelo para que papemos o caneco dourado e nem me interessa aqui conjecturar sobre as reais possibilidades de vitória do longa brasileiro. Em todo caso, fiquei feliz com sua indicação, pois se trata de um belo filme e que faz parte da fina flor do nosso cinema contemporâneo.

O primeiro ponto que sobressai nesse longa-metragem é o deslocamento do foco quando o assunto é a memória dos anos de chumbo. O ano em que meus pais saíram de férias traz latente a questão da ditadura militar vista pela ótica da infância roubada. Também evoca reflexões sobre a relação paradoxal do futebol com a alma de um país - paixão nacional utilizada como instrumento de alienação pelo governo militar.

Além desses temas, no entanto, há um outro que corre subjacente, mas cuja força se impõe para além das demais abordagens possíveis: é o despertar do sentido de humanidade frente a situações-limite. É o resgate da fraternidade em tempos sombrios.

Um personagem em particular simboliza esse movimento: é Shlomo (Germano Haiut), um velho judeu solitário que se vê forçado a cuidar de Mauro (Michel Joelsas), menino de aproximadamente 11 anos. Perseguidos pela ditadura militar, os pais do garoto fogem e o deixam aos cuidados do avô (Paulo Autran), que morre no mesmo dia em que recebe a notícia de que passaria a se responsabilizar pelo neto.

Mauro então se vê sozinho no mundo. Shlomo entra na história por ser vizinho do avô do garoto. Ao perceber que o menino não tem onde ficar, acolhe-o em seu apartamento - a contragosto, quase que por obrigação.

No início, a relação entre ambos é pautada pela frieza do velho, que por vezes se mostra indiferente ou dá lampejos de impaciência. Com o passar do tempo, no entanto, estabelece-se sorrateiramente uma relação de cumplicidade, como se a solidão de ambos pavimentasse o terreno para o afeto, para o carinho - ainda que tudo se dê quase que no silêncio. Com poucas palavras e sem toques, desenvolve-se entre eles um poderoso sentido de fraternidade.

A partir desse contato, Shlomo começa a se transformar. Fica nítida a preocupação sincera com o bem-estar, com o destino de Mauro. O grande mérito de Cao Hamburger é ter feito com que o processo de humanização de Shlomo - que tem no menino o agente da transformação - se desse sutilmente, sem arremedos de pieguices, sem o estratagema das histórias de Hollywood. Não há excessos, e os sentimentos se manifestam pelo olhar - da câmera e dos personagens.

As mudanças em Shlomo atingem o ápice quando ele empreende uma busca para saber do paradeiro dos pais de Mauro. Arrisca a própria pele, tanto que é preso pela polícia acusado de subversão - tudo porque manteve contatos com quem não devia. "Foi virar comunista depois de velho?", ironiza um policial.

Todas essas questões me remetem ao que Hannah Arendt analisa em Homens em tempos sombrios. No livro, a pensadora alemã reflete sobre a transformação por que passa o ser humano em épocas terríveis. Ela cita Rousseau, para quem a "natureza humana comum a todos os homens se manifesta não na razão, mas na compaixão, numa aversão inata, conforme colocou, a ver um companheiro humano suportando sofrimentos", escreve Hannah. Ela continua: "Lessing estava bem familiarizado com ela (a fraternidade); ele falou dos sentimentos filantrópicos, de um apego fraternal a outros seres humanos que brota do ódio ao mundo onde os homens são tratados 'inumanamente'. Para nossos propósitos, porém, é importante o fato de a humanidade se manifestar mais freqüentemente em 'tempos sombrios'".

O fato de Shlomo ser judeu só reforça a representação do sentido de fraternidade em tempos sombrios de que fala Hannah Arendt. Afinal, trata-se de um povo que sofreu na pele a opressão - vide o nazismo. Recorrendo mais uma vez às palavras de Hannah, "a humanidade sob a forma de fraternidade, de modo invariável, aparece historicamente entre povos perseguidos e grupos escravizados; e, na Europa do século XVIII, deve ter sido natural detetá-la entre os judeus, que eram então recém-chegados ao círculo literário".

E veja como são as coisas: uma das amiguinhas de Mauro se chama Hanna (sem "h" no final), papel interpretado com brilho por Daniela Piepszyk, garotinha para lá de talentosa que rouba a cena. Pode não ter sido proposital, mas a semelhança com o nome de Hannah Arendt não deixa de ser simbólica.

De resto, O ano em que meus pais saíram de férias é pura poesia, pelo que diz e não diz; pelos recados no silêncio, pelo olhar da câmera que se faz criança; pela certeza de que, embora as feridas abertas pelos anos de chumbo não estejam plenamente cicatrizadas, a experiência humana supera o Arbítrio.

Nota do Editor
Clayton Melo é jornalista e assina o blog Ponto de Fuga.


Clayton Melo
São Paulo, 22/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A casa da Poesia de Mariana Portela
02. Muito além do bang bang de Marcelo Miranda
03. Há vida inteligente fora da internet? de Andréa Trompczynski
04. Vida virtual, vida real de Julio Daio Borges
05. Leituras Inglesas (I) - W.S. Maugham de Ricardo de Mattos


Mais Clayton Melo
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/10/2007
18h26min
Salve Clayton! O filme do Cao tem seus méritos, mas acho que ele acrescenta muito pouco ao gênero "filme da ditadura militar brasileira". Com raras exceções, como "Iracema, uma Transamazônica", o tema parte de um ponto de vista da classe média. Nenhum discurso à esquerda ou à direita, mas acabo me convencendo de que a ditadura foi uma questão importante para essa população, especialmente a urbana, ligada a atividades mais liberais. Os ricos se beneficiaram dela e os pobres não foram sequer considerados. Então achei que o filme carece de originalidade. E no que toca especificamente à relação ditadura x criança, ele lembra demaaaaais dois ótimos filmes latinos "Kanchatka" (Argentina), e Machuca (Chile). Sem falar no repeteco da idéia ditadura x futebol, de "Pra frente Brasil". Em resumo, tem poucos méritos para Oscar, salvo (sem nenhum anti-semitismo, pelamordedeus) o fato dos personagens judaicos serem muito bem recebidos pela Academia.
[Leia outros Comentários de Arnaldo]
23/10/2007
06h35min
Salve, salve, Arnaldo! Sim, ele pode ser colocado lado a lado com Kamtchaka e Machuca, dois belos filmes latinos que também abordam a ditadura a partir do ponto de vista da criança (e nos três casos prevalecem os meninos, tendo Machuca uma dupla nos papéis principais). Isso, para mim, não o diminui. Mas acho que a maior riqueza de "O ano" é justamente extrapolar a questão meramente relacionada à ditadura, como muitas vezes fazem os filmes nacionais que têm esse tema como ponto de partida. "O ano" parte daí, mas não se encerra no assunto. Você citou Iracema e Pra frente Brasil (ótimos), mas não creio que "O ano" possa ser colocado lado a lado com eles. Vai em outra direção. A originalidade pode ter saído de férias, mas voltou cheia de poesia.
[Leia outros Comentários de Clayton Melo]
23/10/2007
09h08min
Ainda bem que o filme não se enquadra no gênero "filme da ditadura militar brasileira". Por mais que devemos nos posicionar politicamente em relação aos fatos, o cinema é um lugar para se contar histórias e já estamos cansados de tantos filmes sobre os guerrilheiros de não sei de onde, assim como não agüentamos mais adaptaçãoes cinematográficas de peças teatrais. Acho "O Ano" um filme bem original justamente por utilizar a ditadura como um pano de fundo e destacar a relação que Mauro estabelece com pessoas completamente estranhas a ele. A importância do futebol e a esperança de que com a chegada da Copa os pais retornem. Há cenas lindíssimas como aquela em que Mauro larga o jogo de futebol para correr atrás de um fusca. Os personagens são simples, sinceros e possuem essa fraternidade que o Clayton tanto citou. Quanto ao Oscar eu não sei, mas aí concordo com Arnaldo, comunidade judaica, criança e situação-limite têm boas chances.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
23/10/2007
19h13min
Opa, o assunto está rendendo. Primeiro, quero deixar claro: gostei do filme. Ele tem poesia, sim, e tem atuações convincentes. Mas não acho que essas qualidades redimam um argumento pouco original. Achei o resultado, no todo, um tanto morno. Embora o Oscar não seja uma referência de qualidade artísitca irrefutável, gostaria muito que "O cheiro do ralo" fosse o indicado. Sem dúvida, o melhor filme do cinema independente americano já feito no Brasil :-)
[Leia outros Comentários de Arnaldo]
27/10/2007
10h23min
Se tem um filme que eu achava que estava cagando e andando para o Oscar é "O cheiro do ralo". Até me espantei quando o vi na lista dos indicados brasileiros. Comparado ao "Cheiro", é claro que o "Ano" é menos original, mas são filmes extremamente diferentes. A originalidade do "Ano" está justamente na poesia que o Clayton citou, na maneira como ele se utiliza de um tema tão batido, seja o tema da ditadura ou da criança que precisa viver sem os pais, e aborda de uma maneira diferente, colocando Mauro como centro e abordando o período da perspectiva de uma criança. Acho que o que você quer dizer que faltou ao "Ano" seja talvez mais conflito entre os personagens, mas aí o filme seria prosa e não poesia, mas originalidade continuo não concordando.
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SONHOS DE UMA NOITE DE VERÃO E O MERCADOR DE VENEZA
WILLIAM SHAKESPEARE
EDIOURO
R$ 10,00



MENSAGEIRO DE SANTA RITA - OUTUBRO Nº392
NÃO INFORMADO
NÃO INFORMADA
(1965)
R$ 10,00



O DIREITO PENAL DO AMBIENTE E A TUTELA DAS GERAÇÕES FUTURAS
GUILHERME COSTA CÂMARA
LUMEN JURIS
(2016)
R$ 75,00



REVISTA PAULISTA DE MEDICINA VOL. 57 Nª 5
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDICINA
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE MEDI
(1957)
R$ 10,89



MEMÓRIAS SENTIMENTAIS DE JOÃO MIRAMAR/SERAFIM PONTE GRANDE 8208
OSWALD DE ANDRADE
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1971)
R$ 15,00



CÂNDIDO
VOLTAIRE
SCIPIONE
(2006)
R$ 20,00



COMENTÁRIOS AO NOVO CÓDIGO CIVIL - VOLUME 10
GUSTAVO TEPEDINO
FORENSE
(2008)
R$ 20,85



TODA POESIA (1950 - 1999)
FERREIRA GULLAR
JOSÉ OLYMPIO
(2000)
R$ 110,00



LENIN E A REVOLUÇÃO RUSSA. SECULO XX
ANTONELLA SALOMONI
ÁTICA
(1995)
R$ 20,00



MARKETING TITÂNICO
ALEXANDRE LUZZI LAS CASAS
SAINT PAUL
(2009)
R$ 5,00





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês