História e Lenda dos Templários | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
55186 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
>>> Evento Super Hacka Kids reúne filmes, games, jogos de mesa e muita diversão para a família
>>> SESC BELENZINHO RECEBE RÁDIO DIÁSPORA
>>> Música de Feitiçaria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Últimas Notas Sobre A FLIP
>>> O futuro a Deus pertence (e Ele é brasileiro)
>>> Junho artístico em Sampa
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Feedback
>>> A Epopeia de Gilgamesh, pela WMF Martins Fontes
>>> A Era do Gelo
>>> Bar ruim é lindo, bicho
>>> Speak, Memory
>>> 24 de Fevereiro #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Auto da barca do inferno farsa de Inês Pereira auto da índia de Gil Vicente pela Ática (2003)
>>> O Sombrio Chamado de Kelly Shimohiro pela Novo Século (2019)
>>> Auto da compadecida de Ariano Suassina pela Nova Fronteira (2014)
>>> Uma Janela Aberta de Nadir Paes Viana pela Aliança (2012)
>>> O Crime do Padre Amaro - Série bom livro de Eça de Queirós pela Ática (2006)
>>> Os Meninos da Caverna de Rodrigo Carvalho pela Globo (2018)
>>> O Último Olimpiano - Percy Jackson Livro 5 de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> Club Penguin: O passageiro clandestino de Disney pela Melhoramentos (2010)
>>> Kindred: Laços de Sangue de Octavia E. Butler pela Morrobranco (2019)
>>> Ciência & Fé: Milagres e Mensagens de Nilson Dimarzio pela Do Autor (2005)
>>> Moby Dick - Trad. e adap. Carlos Heitor Cony de Heman Melville pela Nova Fronteira (2013)
>>> 1001 Filmes para ver antes de morrer de Steven Jay Schneider pela Sextante (2010)
>>> Diário de um Banana 11 - Vai ou Racha (pocket) de Jeff Kinney pela V&R (2018)
>>> Diário de um Banana 10 - Bons Tempos (pocket) de Jeff Kinney pela V&R (2018)
>>> Diário de um Banana 13 - Batalha Neval (pocket) de Jeff Kinney pela Diário de um Banana 13 - Batalha Neval (2018)
>>> Diário de um Banana 12 - Apertem os Cintos (pocket) de Jeff Kinney pela V&R (2018)
>>> Diário de um Banana 9 - Caindo na Estrada de Jeff Kinney pela V&R (2015)
>>> Diário de um Banana -Faça Você mesmo de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 1 - Um Romance em Quadrinhos de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 2 - Rodrick é o Cara de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 3 - A Gota D'água de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 4 - Dias de Cão de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 5 - A Verdade Nua e Crua de Jeff Kinney pela V&R (2013)
>>> Diário de um Banana 6 - Casa dos Horrores de Jeff Kinney pela V&R (2013)
>>> Diário de um Banana 7 - Segurando Vela de Jeff Kinney pela V&R (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 1/4/2004
História e Lenda dos Templários
Ricardo de Mattos

+ de 21100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Partiu do rei Davi a iniciativa de edificar uma casa para Deus. Habitando um palácio em Jerusalém - antiga cidade de Jebus onde viviam primitivamente os jebuseus -, sentiu-se tocado pelo facto da Arca da Aliança estar recolhida sob uma tenda. Ciente d'este pensar, Deus faz-se intermediar pelo profeta Natan e declina do favor alegando nunca ter pedido ou condicionado seu auxílio à construção de moradas. Por conseguinte, ao invés de uma casa, ou templo, em honra de Deus, preferiu-se construir uma em honra do Seu Nome. Todavia, Davi bateu-se em demasia contra os sobitas e filisteus, contra os amonitas e os sírios, além de outros povos. Além d'isso, ofendera a Deus ao ordenar o recenseamento de Israel para descobrir de quantos soldados poderia dispor em novas guerras. Ora, se sempre coube a Deus guiar os exércitos do povo eleito às vitórias bélicas, ao recensear Israel e assegurar-se do número de soldados, o autor dos Salmos peca por menosprezar o auxílio divino. "Tu não edificarás uma casa ao meu nome, porque és um homem guerreiro e tens derramado sangue" (1Crôn. 28,3).

O encargo da edificação do Templo foi transferido para o filho de Davi, Salomão. Por isso também diz-se "Templo de Salomão". Restou ao velho rei apenas adquirir o terreno e reunir operários, dinheiro, materiais e a própria planta para a grande obra, pois ela deveria "ser tal que seja nomeada em todos os países" (1Crôn. 22,5). O sítio escolhido por Deus para o templo foi sobre o monte Moriá, onde Abraão quase realiza o sacrifício de Isaac e onde localiza-se hoje a Cúpula da Rocha - Kubat al-Sakhra -, relicário erigido entre 688 e 691 por Abdul Malik Ibn Marwan, décimo califa da dinastia omíada. Foi ele também quem emitiu a primeira moeda muçulmana e determinou o emprego do árabe nos assuntos administrativos.

Quando Davi morreu, o príncipe já havia sido ungido o novo monarca, e dirige-se ao altar de bronze localizado em Gaabão para lá oferecer a Deus um sacrifício de mil vítimas. Durante a noite, Deus visita Salomão em sonho. Tem lugar uma das cenas bíblicas de minha predileção: "Naquela mesma noite, apareceu-lhe Deus dizendo: Pede-me o que queres que eu te dê. Salomão disse a Deus: Tu usaste com Davi, meu pai, de grande misericórdia, e a mim me constituíste rei em seu lugar. Agora, pois, Senhor Deus, cumpra-se a tua palavra, que prometeste a meu pai Davi, pois que tu me estabeleceste rei sobre o teu grande povo, que é tão inumerável como o pó da terra. Dá-me sabedoria e inteligência, a fim de que eu saiba conduzir-me bem diante de teu povo, porque quem poderá governar dignamente este povo que é tão grande? Deus disse a Salomão: Visto que isso agradou mais ao teu coração e não me pediste riquezas, nem bens, nem glória, nem a morte dos que te odeiam, nem muitos dias de vida, mas me pediste sabedoria e ciência para poderes governar o meu povo, sobre o qual eu te constituí rei, a sabedoria e a ciência te são dadas. Além disso, te darei riquezas, bens e glória, de modo que nenhum rei, nem antes de ti, nem depois de ti, te seja semelhante" (1Crôn. 1,7-13).

Impossível imaginar perfeitamente o resultado. Os textos sacros, apesar do estilo sintético, trazem detalhes tais de riqueza que nossos dedos começam a dourar conforme viramos as páginas. As madeiras mais finas revestidas do ouro igualmente empregado nos instrumentos utilizados pelos músicos; perfumes e incensos variados misturando nos ambientes; tecidos de várias origens; o sangue dos sacrifícios recolhido em recipientes dourados e prateados, assim como as armas todas da guarda pessoal. Lendas ocidentais e orientais, inventadas e transmitidas, fazem a concentração da sumptuosidade atingir paroxismos.

Como ocorre repetitivamente na história trazida pelos livros do Velho Testamento, o Templo virou lugar de idolatria. Considerava-se suficiente adentrá-lo para encontrar o perdão das faltas todas. Já no reinado seguinte, de Roboão, ocorre a invasão e saque pelo rei Sesac - ou Xexonque - do Egipto. Informa o II Macabeus que o rei Antíoco saqueou-o e contaminou-o, construiu e permitiu construir altares para as divindades pagãs. Segundo o capítulo 52 do livro de Jeremias, no undécimo ano do reinado de Sedecias, Nabuzardan, o general caldeu de Nabucodonosor, invadiu Jerusalém e destruiu o Primeiro Templo, levando os judeus como escravos para Babilônia (cerca de 586 a.C.). Setenta anos mais tarde, quando Ciro, após ter vencido os caldeus, autorizou o retorno dos judeus para Jerusalém, foi com a finalidade de construir o Segundo Templo, conforme conta-se em detalhes nos livros de Esdras e Neemias. Há quem mencione o Terceiro Templo, não sendo este outro senão o Segundo englobado por um complexo sagrado erguido por Herodes.

Seguiu-se uma longa alternância de domínios e revoluções. Nos anos 69-70 d.C., os judeus revoltam-se contra a dominação de Roma. De alguma forma, Herodes mantinha certa estabilidade política até Caio César, o Calígula, determinar que toda cidade ostentasse uma estátua sua. Em Jerusalém, esta estátua deveria ser localizada dentro do edifício sagrado. Evidente a insubordinação dos hebreus a este desrespeito imperial e a conseqüente tomada d'armas. O futuro imperador Tito - filho de Vespasiano - é enviado para silenciá-los e destrói não só o santuário como também a cidade. Aqui inicia-se a diáspora dos judeus pelo Oriente e pelo Ocidente. Novamente é reerguida dos escombros, d'esta vez por Adriano, que lhe confere feição clássica e denomina-a Aelia Capitolina. O Segundo Templo é mantido em ruínas. No século IV Constantino declara-a cidade cristã. No século VII, Jerusalém cai em poder dos persas. Até o século X está sob domínio islâmico e a partir de 969 sob um califado egípcio. Uma apropriação relevante para a História foi a dos turcos seljúcidas no ano 1.071. Eles que tomaram a cidade e proibiram aos outros povos o acesso a ela, provocando movimentos cristãos de reconquista denominados Cruzadas. E segue-se nova instabilidade: os cruzados tomam a Cidade Santa em 1.099, tornando-a sede oriental do cristianismo; Saladino toma-a em 1.187; volve aos cristãos em 1.229 e para os muçulmanos em 1.244, com estes permanecendo até 1.247, ano de sujeição ao poder egípcio, que durou até o século XVI.

Tomada pelos primeiros cruzados a região conhecida como "Terra Santa", fundaram-se pequenos Estados feudais latinos dentre os quais o Reino de Jerusalém. Após a batalha, os cavaleiros que não retornaram à pátria ficaram presos nas terras conquistadas e novamente ameaçadas por invasões. Entre os cavaleiros, Hugo de Payns idealizou uma ordem monástica de monges soldados. A Ordem dos Templários foi reconhecida oficialmente pela Igreja no Concílio de Troyes realizado em 1.128 e n'esta mesma ocasião tiveram início as tractativas para elaboração da Regra com o auxílio de São Bernardo de Claraval. Em 1.143, o Papa Eugênio III concede a primeira versão da cruz pela qual estes monges militares são conhecidos, "a cruz de oito pontas". O livro mais completo sobre a história dos templários continua sendo o de Piers Paul Read. Recentemente lançou-se uma edição de bolso, História e Lenda dos Templários, que não passa de uma sinopse do outro, além de mencionar a abordagem dos templários por correntes esotéricas. É um volume destinado ao público popular, de superficialidade proporcional ao número de pessoas que deseja alcançar. Não é ruim, mas quem leu a obra de Read não encontrará novidade alguma.

Hoje ainda existe uma Ordem dos Templários, quer por derivação da original, quer por sebastianismo. Diz-se destinada à promoção do bem estar material e moral das civilizações e do ser humano. Certa vez, eu e minha mãe fomos convidados à afiliação e se não nos envolvemos, foi porque os esclarecimentos seriam posteriores à adesão, atitude a nós desagradável seja qual for o assunto. Tanto o livro quanto o sítio na Internet revelam o envolvimento da maçonaria.

O nome de Walter Scott (1.771/1.832) situa-se entre os primeiros do romantismo inglês. Na imagem, o escritor aparece com um de seus galgos, talvez Maida, seu predilecto, um galgo escocês merecedor d'um monumento fúnebre. Grande admirador dos cães, possuía-os às dezenas em seu castelo de Abbotsford. Um de seus primeiros, "Camp", mereceu poemas em sua homenagem apesar de morto há mais de vinte anos.

Devorador de livros desde o berço e inspirado em Goethe, iniciou seu envolvimento com as Letras ao publicar recolhas de lendas escocesas e poesias nelas mesmas inspiradas. Eu havia esquecido o quanto é agradável ler suas obras. Ricardo Coração de Leão foi o primeiro, há uma década atrás. Agora terminei Ivanhoé e só não aproveitei a ocasião para ler também Lucia de Lammermoor - inspiradora da ópera de Donizetti e também conhecido como A Noiva de Lammermoor - porque o volume foi entregue à encadernação. Com o seu Waverley nasceu o romance histórico. Não há segredo: uma trama fictícia emoldurada por factos históricos reais, mesma mistura entre os personagens. Talvez esta seja a melhor receita. Os romances históricos hodiernos baseados em personagens reais não passam de meros exercícios de erudição. Basta uma nova descoberta sobre esta ou aquela figura e logo surge um livro no qual o novo facto aparece mesmo discretamente. Observei que apesar da reconstrução de verdadeira riqueza, ao menos quanto foi-lhe permitido fazer nos primórdios do século XIX, Scott remete o leitor mais à época em que escreve, e menos a qual descreve. Tendo uma de suas obras em mãos, é mais fácil imaginar-se refestelado n'uma poltrona diante da lareira em Holland House do que nas fortalezas do romance.

Ivanhoé já mereceu duas adaptações cinematográficas. Uma antiga, em preto e branco, que eu gostaria muito de rever, e outra ridícula que mal merece menção. Os templários aparecem tal como concebidos à época, hipócritas administrando riquezas imensas, intrigantes, agindo sem lei. Papel assemelhado ao dos jesuítas, em certas obras. O vilão do romance é Brian de Bois Gilbert e apesar d'esta parcialidade, muitos detalhes acerca da Ordem são discretamente incorporados na trama, como a referência ao leão e ao medalhão com dois cavaleiros sobre um cavalo, as constantes citações da Regra. São 44 capítulos de uma narrativa mui coesa a prender a atenção do leitor, cada capítulo antecedido por epígrafes engenhosamente selecionadas. O narrador dá a entender que segue o texto do Manuscrito de Wardour, peça inexistente mas também mencionada na novela O Antiquário escrita pelo escocês. Às vivazes descrições dos torneios e do garbo da cavalaria, alia-se o humor inesperado, como a "ressurreição" d'um nobre saxónio.

Goya

Tenho em mãos dois livrinhos. O primeiro mede 14x14 cm - pouco mais que uma caixa de CD -, tem 109 páginas e traz o ensaio Tauromaquia na Cultura Ibérica escrito por Juan Manuel Oliver. Acompanham-no todas as gravuras de Goya sobre o assunto. O segundo mede 11,5x17,8cm, tem 115 páginas e traz completa a série Os Desastres da Guerra, do mesmo pintor, acompanhada de alguns excertos de Victor Hugo, Tolstoi, Voltaire, Lamennais, entre outros. As editoras d'este segundo volume planejam lançar outro contendo a série Os Caprichos. Infelizmente, quem lançou aquele sobre tauromaquia, entre outros de notável cuidado apesar do tamanho exíguo, já fechou suas portas.

Quero apenas salientar o esforço das pequenas casas editoriais - de recursos financeiros proporcionais - em reunir e imprimir reunidas as séries de gravuras do grande pintor. Tal iniciativa deveria caber às editoras maiores que, lançando estas séries e outras em volumes de formato maior e melhor acabados, talvez obtivessem maior retorno do que com as tranqueiras inexpressivas com as quais se preocupam.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 1/4/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quem Resenha as Resenhas de Som? de Stan Molina
02. Minha experiência com rádio de Julio Daio Borges


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll - 1/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/3/2004
12h39min
Ricardo, já que vc falou em templários e gravuras, recomendo o livro "Doré's Illustrations of the Crusades", da editora norte-americana Dover, que pode ser encontrado no site da editora ou na Amazon. Gustave Doré (1832-1883) é o autor das ilustrações que acompanham a maioria das edições de "A Divina Comédia".
[Leia outros Comentários de Mauricio Dias ]
2/4/2004
09h59min
Quando a Ordem do Templo foi extinta e seus membros perseguidos, Portugal foi uma exceção. Sendo o primeiro estado moderno organizado na Europa, lá a ordem não causava maiores problemas ao rei, seguro de seu poder. Como ainda é comum nos países lusófonos, mudaram apenas o nome da ordem para "Ordem de Cristo" e tudo continuou tal e qual antes. Os mesmos monges, no mesmo lugar (Convento de Cristo, em Tomar), só que agora passou a ser "a meca" de todo templário perseguido. Consta inclusive que o "tesouro do templo", seja lá o que isso for, acabou em Porugal, por ser o único lugar onde apenas a forma havia mudado, mantendo-se o conteúdo. Uma boa especulação é que para lá afluiram os conhecimentos esparsos pela Europa e que vieram culminar com o projeto do Infante Dom Henrique (mestre da ordem e senhor de Tomar) que resultou na fundação da Escola de Sagres e no início do processo de globalização mundial. A Ordem de Cristo acabou tornando-se apenas honorífica pela mãe de D. João VI (D. Maria, a louca), a qual veio falecer no Rio de Janeiro. A única ordem militar católica canônica e ainda existente é a Ordem de S.João, também fundada em Jerusalém na mesma época que a do Templo. Depois de muitas vicissitudes hoje é mais conhecida como Ordem de Malta, sendo soberana e reconhecida por vários países, inclusive o Brasil, onde mantém embaixador oficial. Sua soberania hoje se limita à sua sede dentro do Vaticano, onde o Papa abriu mão de sua soberania para conferir "status" de soberana à ordem.
[Leia outros Comentários de pedro servio]
2/4/2004
16h03min
Sim, conheço a história. Entretanto, refiro-me a outra organização, inclusive com sítio na Internet. Agradeço ao Sr. Dias pela sugestão e ao Sr. Sérvio pelos acréscimos.
[Leia outros Comentários de Ricardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




História
Maria Lucia Ruiz Di Giovanni
Cortez
(1992)



A Identidade Secreta dos Super Heróis
Brian J. Robb
Valentina
(2017)



Nada a Perder - Livro 3
Edir Macedo; Douglas Tavolaro
Planeta do Brasil
(2014)



Livro - As Colinas Ocas
Mary Stewart
Best Seller
(1973)



De Minas para o Mundo (lacrado)
Leda Nagle
Autêntica
(2010)



Psicologia Tratado Sobre las Ciencias de La Conducta
Henry Clay Lindgren
Labor
(1977)



Sobre o Conceito e Consciência de Classe
Georg Lukacs e Adam Schaff
Escorpiao
(1973)



Entre Palácios e Pavilhões: a Arquitetura Efêmera da Exposição
Ruth Levy
Eba Publicações
(2008)



Vozes e Silêncios
José Luís Monteiro
Musa
(1997)



Democracia, Hoje - Um Modelo Político Para o Brasil
Maria Garcia (Coord)
Ibdc
(1997)





busca | avançada
55186 visitas/dia
2,0 milhão/mês