Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Brotas apresenta 2 Festival de Música Cristã
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A música que surge do nada
>>> Hackeando o Sistema Democrático
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Vontade de abraçar todo mundo
>>> Italo Calvino: descobridor do fantástico no real
>>> Notícias do Brasil
>>> Making it new
>>> Nick Carr sobre The Shallows
>>> O bom e velho formato site
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
Mais Recentes
>>> Gramática de Hoje - Curso Ilustrado para 5º a 8º Série de Ernani e Nicola pela Scipione (1995)
>>> Guia do Brigadeiro de Sem Autor pela Alto astral (2012)
>>> Dinâmicas de Grupo: Redescobrindo Valores de Giovanna Leal Borges pela Vozes (2002)
>>> A Chave dos Lusíadas 11ª edição. de Luís de Camões (prefacio e notas de José Agostinho pela Figueirinhas Porto
>>> Guia Arte e Artesanato Bonecas de Pano de Varios Autores pela Casadois (2014)
>>> Guia de Ouro: Patch Apliquê - 290 Ideias de Moldes de Guia de Ouro pela Alto Astral (2013)
>>> Páginas Preferidas (versos) primeiro volume de Armando Gonçalves pela Autor (1964)
>>> Guia Arte e Artesanato Applique 52 Modelos Passo a Passo de Janaina Medeiros pela Artesanato (2013)
>>> Market Leader Upper Intermediate Business English Practice File de John Rogers pela Pearson Longman (2006)
>>> Os Temperamentos - a Face Revela o Homem- II de Norbert Glas pela Antroposofica (2011)
>>> Noções fundamentais da língua latina de Napoleão Mendes de Almeida pela Saraiva (1957)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis (14) pela Folha (2008)
>>> Uma Historia de Sabedoria e Riqueza de Mark Fisher pela Ediouro (1997)
>>> Five-minute Activities: a Resource Book of Short Activities de Penny Ur e Andrew Wright pela Cambridge University Press (1992)
>>> Sexo e Sexualidade Adolescência: Feliz... Idade de TodoLivro pela Todolivro
>>> Quem mexeu na minha bagunça ? de Celi Piernikarz pela Cortez
>>> Viagem ao Centro da Terra Em Quadrinhos de Júlio Verne pela Farol Hq (2010)
>>> Crianca Aos 9 Anos, A de Hermann Koepke pela Antroposofica (2014)
>>> Dom Quixote. O Cavaleiro Da Triste Figura - Coleção Reencontro Literatura de Miguel De Cervantes pela Scipione (paradidaticos) (2007)
>>> Quando os Lobos Uivam de Aquino Ribeiro pela Livraria Bertrand (1958)
>>> Amargo Despertar de Sardou Victorien pela O Clarim (1978)
>>> Querida Mamãe: Obrigado Por Tudo de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Os Mais Relevantes Projetos de Conclusão dos Cursos - Mbas 2014 de Strong Educacional pela Fgv (2015)
>>> Mobimento: Educação e Comunicação Mobile de Wagner Merije pela Peirópolis (2012)
>>> Go beyond students book pack 2 workbook de Nina Lauder, Ingrid Wisniewska pela Macmillan Education (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 26/4/2022
Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 4400 Acessos



O poeta Maurício Arruda Mendonça lançou o livro Luzes de Outono (Editora Koter), onde reúne sua produção poética de 1983 até 2020, com aproximadamente mais de 170 poemas, que é a soma de seis livros.

Chama a atenção na produção de grande parte dos poemas de Arruda um traço comum, que é a junção de elementos contrastantes num mesmo poema. O contraste, de caráter filosófico (se assim posso dizer), marca a relação tensa entre o Ser e o fenecer. Como uma espécie de consciência aguda entre o Ser e seu caminho para o Nada, tece-se a referida tensão, que faz comungar desalento, melancolia e mal-estar no mundo. É o que veremos na sequência de poemas que comentaremos na brevidade desta resenha. Quatro versos são singulares nesse sentido: a geada queima/ a flor mais pura// nada a não ser/ este repentino fenecer. Traça-se aqui o rumo dado pela natureza, que cria e, ao mesmo tempo, faz fenecer, inesperadamente, o que é belo.

No poema Juvenília também o poeta aferra-se a essa tensão, significativamente gerando medo como consequência da destruição pelo tempo: O tempo incinera/ A juventude que era/ Feita de sonho e segredo// Aqui dentro esse medo/ o silêncio que fere/ a solidão, essa fera.

No poema Espinosa retoma-se a ideia de efemeridade, que se sobressai como resultado da experiência do engano e da desistência: um erro é perceptível e vegetal assim,/ nos une aos atributos do efêmero/ (...)as coisas então desistem/ de reiterar sua existência, de persistir em enganos.

O desconforto de quem luta contra o mal do tempo e os lamentos da matéria se dá num poema sem título, que reproduzo à seguir: Nem sei o que dorme na alma hoje/ esse desconforto traiçoeiro/ o não estar em paz que me persegue/ embora eu lute contra o mal do tempo/ talvez não devesse sentir tanta tristeza/ deixar pra lá os lamentos da matéria/ enquanto ando eu sopro as nuvens/ dos meus velhos sonhos pra mais longe.

Também o pensamento sofre as consequência do seu fracasso, assaltado que é pela melancolia. A ideia de ruína - e da impossibilidade de se controlar a história, feita da perda do que poderia ter sido - aplicada ao pensar e suas limitações, produz um belíssimo poema em prosa, Vultos da noite, que expressa essa sombria condição de desalento:

Quem se sentiu naquele limite extremo e prosseguiu pelas ruas escuras do pensamento, vila demolida, lua arrasando quarteirão. Vinha voltando, vomitando a biles negra da bebida, vertigem obsessiva, como uma floresta aberta a fogo ou um cinema destruído. O revólver da melancolia me assaltou, e, mirando um ponto distante no tempo, fez-me pensar sobre tudo o que na história poderia ter sido e que deixamos para trás, como uma roupa virada do avesso, sonho de um dia riscar a lataria do céu.

Os poemas de Arruda são muito imagéticos, transmitindo as tensões do ser no mundo pela via da construção plástica, como no exemplo seguinte: Folha soluçando no galho/ quase primeira geada. O exterior da natureza nos levando a pensar no sentido interior da existência. E, de certa forma, constantemente estas imagens estão banhadas em delicada e/ou sombria melancolia, como é o caso de outro poema em prosa, Old Pitmans blues, onde o saxofonista americano que viveu em Londrina transforma-se num vulto noturno refletido na calçada.

É evidente que nem só de galhos secos e folhas queimadas pela geada essas alegorias da melancolia vive a poesia de Arruda. O pequeno espaço da resenha me fez optar por uma vertente dentro de uma obra longa, com entradas e saídas diversas, que o leitor poderá percorrer parando mais detidamente nos universos de seu interesse.

O livro Luzes de Outono reúne não apenas temas variados como ruínas, amor, desalento, prazer etc, mas experiências múltiplas com a linguagem, seja nos poemas em prosa ou poemas experimentais, onde as palavras atravessam a página num dançar daqui para acolá, e um ou outro poema próximo ao hai-kai.

Os caminhos da vida urbana, entre bares, luas na sarjeta, amores e absinto, fazem da poesia de Arruda um perambular entre o desejo e sua desilusão, entre o viver e as decepções da vida, alegorizadas, muitas vezes, como já disse, na percepção aguda do movimento do viver e fenecer da natureza.

Um náufrago de si mesmo, como diz em certo poema, o poeta, no fim das contas, fala de um mundo e de experiências comuns aos homens contemporâneos, filtrados pela luz outonal da poesia.

Maurício Arruda Mendonça acaba de ganhar o prêmio da Biblioteca Nacional por seu ensaio sobre Kafka e Schopenhauer. São autores importantes para a modernidade, tal como Nietzsche. Como leitor desses desconstrutores da tradição e construtores do desalento moderno, o poeta não poderia ficar imune às suas interrogações sobre a existência. Há, portanto, muito do que se apresenta nesses autores estudados por Arruda em sua poesia. A dura travessia nietzschiniana do animal ao superhomem talvez seja impossível, por isso nossa angústia e desalento existencial. A poesia, talvez, seja o SIM exigido por Nietzsche para que a vida ganhe um sentido para além de si mesma. O poeta é quem melhor faz a travessia, e vamos seguindo seu caminho.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 26/4/2022

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. O palhaço, de Selton Mello de Wellington Machado
02. Manias de Julio Daio Borges
03. Outros estilos de Eduardo Carvalho
04. Transei com minha mãe, matei meu pai de Paulo Polzonoff Jr


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2022
01. Gramática da reprodução sexual: uma crônica - 7/6/2022
02. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção - 15/2/2022
03. Guignard, retratos de Elias Layon - 13/12/2022
04. Neste Momento, poesia de André Dick - 20/9/2022
05. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas - 1/3/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Literatura Estrangeira Bridget Jones Louca pelo Garoto
Helen Fielding;ana Ban;julia Romeu;renato Preloren
Companhia das Letras
(2013)



O Noviço - o Juiz de Paz na Roça
Martins Pena
São Paulo
(1998)



Box Sherlock Holmes
Arthur Conan Doyle
Principis
(2019)



Espírito Santo - um Pontinho do Brasil Que Não Pode Ser Apagado
José Vieira Camelo Filho (zuza)
Pulsar
(2001)



Projeto Felizes para Sempre
Alisa Bowman
Sextante
(2011)



Economia internacional teoria e politica
Krugman*obstfeld
Pearson
(2005)



Livro Crítica Literária Prezado Senhor Prezada Senhora Estudos Sobre Cartas
Walnice Nogueira Galvão e Nádia Battella Gotlib
Companhia das Letras
(2000)



El mensajero de los Astros
Galileo Galilei
Universitária
(1964)



Livro Administração Competências Críticas Dez Novas Idéias Para Revolucionar a Empresa
William A. Band
Campus
(1997)



O Corpo Humano
José Coimbra Duarte
Companhia
(1975)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês