Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> Zé Carioca Nº 1821 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> The Theory of Economic Development de Lord Robbins pela Macmillan (1968)
>>> Matemática - Magistério 1 de Ruy Madsen Barbosa pela Atual (1985)
>>> Do alto da tribuna de Ademar rigueira neto pela Lumen juris (2017)
>>> A Vida de D. Pedro I - Tomo I de Octávio Tarquínio de Sousa pela José Olympio (1972)
>>> Novos Canticos de Dolares Bacelar Espíritos Diversos pela Não Informada (1983)
>>> O Clube do Filme de David Gilmour; Luciano Trigo pela Intrinseca (2009)
>>> Zé Carioca Nº 1820 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> Cozinha do Mundo: Itália Vol. 1 de Abril Coleções pela Abril Coleçoes (2010)
>>> Who's Best? de Varios Autores pela Foundations Reading Library (2006)
>>> The Elements of Typographic Style de Robert Bringhurst pela Hartley & Marks (1997)
>>> Doctor Who: Adventures in time and space de Vários autores pela Bbc (2009)
>>> Cálculos Trabalhistas de Adalberto José do Amaral Filho pela Ltr (2002)
>>> A Fenda do Tempo de Dionísio Jacob pela Infanto Juvenis (2005)
>>> Lobo Solitário 8 de Kazuo Koike e Goseki Kojima pela Cedibra (1989)
>>> Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter de Mário de Andrade pela Penguin Companhia (2016)
>>> Oficina de História - Volume único de Flávio Campos pela Leya (2012)
>>> Zé Carioca Nº 1818 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Romance Senzala de Salvador Gentile pela Instituto Difusão Espirita (1993)
>>> Cartas Chilenas de Tomás Antônio Gonzaga pela Martin Claret (2007)
>>> Skate - Guia Passo a Passo Ilustrado de Clive Gifford pela Zastras (2008)
>>> Mensagens de Matthew Mckay; Martha Davis; Patrick Fanning pela Summus (1999)
>>> Zé Carioca Nº 1798 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Ente Osso agora de Maitê Proença pela Record (2015)
>>> Aprendi com meu pai - 54 pessoas bem-sucedidas contam a maior lição que receberam do seu pai de Luís Colombini pela Virsar (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 26/4/2022
Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1500 Acessos



O poeta Maurício Arruda Mendonça lançou o livro Luzes de Outono (Editora Koter), onde reúne sua produção poética de 1983 até 2020, com aproximadamente mais de 170 poemas, que é a soma de seis livros.

Chama a atenção na produção de grande parte dos poemas de Arruda um traço comum, que é a junção de elementos contrastantes num mesmo poema. O contraste, de caráter filosófico (se assim posso dizer), marca a relação tensa entre o Ser e o fenecer. Como uma espécie de consciência aguda entre o Ser e seu caminho para o Nada, tece-se a referida tensão, que faz comungar desalento, melancolia e mal-estar no mundo. É o que veremos na sequência de poemas que comentaremos na brevidade desta resenha. Quatro versos são singulares nesse sentido: “a geada queima/ a flor mais pura// nada a não ser/ este repentino fenecer”. Traça-se aqui o rumo dado pela natureza, que cria e, ao mesmo tempo, faz fenecer, inesperadamente, o que é belo.

No poema “Juvenília” também o poeta aferra-se a essa tensão, significativamente gerando “medo” como consequência da destruição pelo tempo: “O tempo incinera/ A juventude que era/ Feita de sonho e segredo// Aqui dentro esse medo/ o silêncio que fere/ a solidão, essa fera.”

No poema “Espinosa” retoma-se a ideia de efemeridade, que se sobressai como resultado da experiência do engano e da desistência: “um erro é perceptível e vegetal assim,/ nos une aos atributos do efêmero/ (...)as coisas então desistem/ de reiterar sua existência, de persistir em enganos”.

O desconforto de quem luta contra “o mal do tempo” e “os lamentos da matéria” se dá num poema sem título, que reproduzo à seguir: “Nem sei o que dorme na alma hoje/ esse desconforto traiçoeiro/ o não estar em paz que me persegue/ embora eu lute contra o mal do tempo/ talvez não devesse sentir tanta tristeza/ deixar pra lá os lamentos da matéria/ enquanto ando eu sopro as nuvens/ dos meus velhos sonhos pra mais longe.”

Também o pensamento sofre as consequência do seu fracasso, assaltado que é pela melancolia. A ideia de ruína - e da impossibilidade de se controlar a história, feita da perda do que poderia ter sido - aplicada ao pensar e suas limitações, produz um belíssimo poema em prosa, “Vultos da noite”, que expressa essa sombria condição de desalento:

“Quem se sentiu naquele limite extremo e prosseguiu pelas ruas escuras do pensamento, vila demolida, lua arrasando quarteirão. Vinha voltando, vomitando a biles negra da bebida, vertigem obsessiva, como uma floresta aberta a fogo ou um cinema destruído. O revólver da melancolia me assaltou, e, mirando um ponto distante no tempo, fez-me pensar sobre tudo o que na história poderia ter sido e que deixamos para trás, como uma roupa virada do avesso, sonho de um dia riscar a lataria do céu.”

Os poemas de Arruda são muito imagéticos, transmitindo as tensões do “ser no mundo” pela via da construção plástica, como no exemplo seguinte: “Folha soluçando no galho/ quase primeira geada”. O exterior da natureza nos levando a pensar no sentido interior da existência. E, de certa forma, constantemente estas imagens estão banhadas em delicada e/ou sombria melancolia, como é o caso de outro poema em prosa, “Old Pitman´s blues”, onde o saxofonista americano que viveu em Londrina transforma-se num vulto noturno refletido na calçada.

É evidente que nem só de galhos secos e folhas queimadas pela geada – essas alegorias da melancolia – vive a poesia de Arruda. O pequeno espaço da resenha me fez optar por uma vertente dentro de uma obra longa, com entradas e saídas diversas, que o leitor poderá percorrer parando mais detidamente nos universos de seu interesse.

O livro Luzes de Outono reúne não apenas temas variados como ruínas, amor, desalento, prazer etc, mas experiências múltiplas com a linguagem, seja nos poemas em prosa ou poemas experimentais, onde as palavras atravessam a página num dançar daqui para acolá, e um ou outro poema próximo ao hai-kai.

Os caminhos da vida urbana, entre bares, luas na sarjeta, amores e absinto, fazem da poesia de Arruda um perambular entre o desejo e sua desilusão, entre o viver e as decepções da vida, alegorizadas, muitas vezes, como já disse, na percepção aguda do movimento do viver e fenecer da natureza.

Um náufrago de si mesmo, como diz em certo poema, o poeta, no fim das contas, fala de um mundo e de experiências comuns aos homens contemporâneos, filtrados pela luz outonal da poesia.

Maurício Arruda Mendonça acaba de ganhar o prêmio da Biblioteca Nacional por seu ensaio sobre Kafka e Schopenhauer. São autores importantes para a modernidade, tal como Nietzsche. Como leitor desses desconstrutores da tradição e construtores do desalento moderno, o poeta não poderia ficar imune às suas interrogações sobre a existência. Há, portanto, muito do que se apresenta nesses autores estudados por Arruda em sua poesia. A dura travessia nietzschiniana do animal ao superhomem talvez seja impossível, por isso nossa angústia e desalento existencial. A poesia, talvez, seja o SIM exigido por Nietzsche para que a vida ganhe um sentido para além de si mesma. O poeta é quem melhor faz a travessia, e vamos seguindo seu caminho.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 26/4/2022


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait
03. Marcelo Mirisola: entrevista de Jardel Dias Cavalcanti
04. A jornada do herói de Gian Danton
05. A Copa mais triste de todos os tempos de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2022
01. Risca Faca, poemas de Ademir Assunção - 15/2/2022
02. G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas - 1/3/2022
03. Sobre a literatura de Evando Nascimento - 8/3/2022
04. Fechado para balanço, a poesia de André Luiz Pinto - 8/2/2022
05. Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça - 26/4/2022


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




De fora da arca
Ana Maria Machado e Ziraldo
Salamandra
(1996)



Eurico, o Presbítero - Clássicos de Ouro
Alexandre Herculano - Apresentação Antônio Soares
Ouro
(1969)



Lucréce Borgia
Cecil Saint-laurent
Stock
(1988)



O Aprendiz da Madrugada
Luiz Carlos Lisboa
Gente
(1994)



Psicologia Moderna
Antônio Xavier Teles
ática
(1983)



Dirigindo Com Sabedoria sem o Cd
Tony Gandra
Abrather
(2002)



Direito do Comercio Internacional
Antonio Carlos Rodrigues do Amaral
Edicoes Aduaneiras
(2005)



O vento nas vidraças
Roberto Bittencourt Martins
Lpm
(1983)



História: Sociedade & Cidadania - 7º Ano
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(2015)



Fundamentos da Reforma Íntima
Abel Glaser pelo Espírito Cairbar Schutel
O Clarim
(2011)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês