Dilúvio, de Gerald Thomas | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
30385 visitas/dia
851 mil/mês
Mais Recentes
>>> Exposição destaca figura feminina com a leveza da aquarela
>>> Obra de paranaense radicada no Amazonas está entre as finalistas do prêmio Jabuti 2018
>>> Festival Dansk!!BR 10 anos de colaboração Dinamarca - Brasil
>>> Terapeuta de Ambientes Miguel Heilborn ministra palestra no Clube Hebraica, em São Paulo
>>> Livro Politicamente Incorreto da Virgem Maria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Que galho vai dar
>>> Relâmpagofágico
>>> Caminhada
>>> Chama
>>> Ossos perduram
>>> Pensamentos à política
>>> A santidade do pecado em Padre António Vieira
>>> Casa de couro III
>>> Nó de Ventos
>>> Letra & Música
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redentor, a versão nacional e atualizada da Paixão
>>> Como detectar MAVs (e bloquear)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II)
>>> Filmes on-line
>>> A Trilogia de Máximo Górki
>>> Apresentação
>>> A Estratégia de Barack Obama, por Libert e Faulk
>>> O som na cabeça
>>> Kasabian - Re-Wired
>>> Zicartola
Mais Recentes
>>> Divergente de Veronica Roth pela Rocco (2012)
>>> Migração e Mão-de-obra: Retirantes Cearenses na Economia Cafeeira... de Paulo Cesar Gonçalves pela Humanitas (2006)
>>> Italianos Sob a Mira da Polícia Polícia Política de Viviane Teresinha dos Santos pela Humanitas (2008)
>>> Catatau de Paulo Leminski pela Iluminuras (2010)
>>> Armagedom em Retrospecto de Kurt Vonnegut pela Lpm (2018)
>>> Democracia Sindical no Brasil de Ericson Crivelli pela LTr (2000)
>>> Instituições de Direito Civil - Volume 1 de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense/Gen (2010)
>>> Maçonaria - Coletânea de Trabalhos dos Anais de 10 Anos - Acomp. CD de Loja Francisco Xavier Ferreira pela Grande Oriente do Rio Grande do Sul (2007)
>>> Prática de Contratos e Instrumentos Particulares de Antonio Celso Pinheiro Franco e Celina Raposo do Amaral Pinheiro Franco pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> O Livro do Travesseiro de Sei Shonagon pela 34 (2018)
>>> O Homem Que Ri de Victor Hugo pela Liberdade (2014)
>>> Responsabilidade Civil - Lei 10.406, de 10.01.2002 de Arnaldo Rizzardo pela Forense (2006)
>>> Contratos e Regulamentações Especiais de Trabalho de Alice Monteiro de Barros pela LTr (2001)
>>> O Poder da Arte de Schama, Simon pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Sudário de John Benville pela Biblioteca Azul (2015)
>>> O violão azul de John Benville pela Biblioteca Azul (2016)
>>> Os infinitos de John Benville pela Nova Fronteira (2011)
>>> 2666 de Roberto Bolaño pela Companhia das Letras (2010)
>>> Box Fernando Pessoa: Ficções do interlúdio, Mensagem & Livro do desassossego de Fernando Pessoa pela Novo Século (2018)
>>> O leão e o chacal mergulhador de Anônimo pela Globo (2009)
>>> O Livro de Orações de Equipe da Editora Eco pela Eco (1973)
>>> Jeito de Ser de Marenos Schmidt e Cláudia Bruscagin Schwantes pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Há Poder em Suas Palavras de Don Gossett pela Vida (1993)
>>> Nada É Impossível Para Deus de Jocymar Fonseca pela Casa Nazareno de Publicações (2003)
>>> Quando o Falar É Ouro de Guiomar de Oliveira Albanesi pela Vida & Consciência (2008)
>>> A gazeta esportiva ilustrada nº295 de Fundação Cásper Libero pela Cásper Libero (1966)
>>> Sobrevivência e Comunicabilidade dos Espíritos de Hermínio C. Miranda pela Feb (1990)
>>> ...E as Vozes Falaram de Fernando do Ó pela Feb (1946)
>>> Instruções Psicofônicas de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1962)
>>> Amarás de Xavier de Chalendar pela Edições Paulinas (1967)
>>> Cristo em Retalhos de Lambert Noben Mo pela Edições Paulinas (1982)
>>> Luz Acima de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1984)
>>> Mãe: Antologia Mediúnica de Francisco Cândido Xavier pela Casa Ed. O Clarim (1971)
>>> Senzala de Salvador Gentile pela Instituto de Difusão Espírita (1992)
>>> Motoqueiros no Além de Eurícledes Formiga pela Instituto de Difusão Espírita (1996)
>>> Síntese de O Livro dos Espíritos de B. Godoy Paiva pela Edições Feesp (1978)
>>> Sulco de Josemaría Escrivá pela Quadrante (1987)
>>> Bezerra de Menezes: Ontem e Hoje de Equipe da Feb pela Feb (2000)
>>> Lições Para o Cotidiano de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ie (2008)
>>> Vida e Atos dos Apóstolos de Cairbar Schutel pela Casa Ed. O Clarim (1981)
>>> Mente, Corpo e Destino de Katsumi Tokuhisa pela Seicho-no-ie (1984)
>>> Estudando a Mediunidade de Martins Peralva pela Feb (1975)
>>> Escuta, Meu Filho de Corina Novelino pela Instituto de Difusão Espírita (1991)
>>> Anjos cabalisticos de Monica buonfiglio pela Rodar (2018)
>>> O zahir de Paulo coelho pela Gold (2018)
>>> Quatro num fusca de Esdras do nascimento pela Ediouro (2018)
>>> Alameda do sexo de Carlos frança pela Sorvil (2018)
>>> Direitos e garantias no processo penal brasileiro de Rogerio laura tucci pela Saraiva (2018)
>>> Contra o abuso dos bancos de Jonair nogueira martins pela Cs (2018)
>>> Arte no xadrez moderno de Barnie f. winkelman pela Hemus (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 6/2/2018
Dilúvio, de Gerald Thomas
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1900 Acessos



O cenário inicial (e final) da peça Dilúvio, de Gerald Thomas, apresenta uma paisagem solitária, com um amontoado de guarda-chuvas quebrados e contorcidos num ambiente esfumaçado. Antes que qualquer ator entre em cena, já estamos diante da imagem trágica do resultado de um dilúvio: aqueles guarda-chuvas que figuram em nossa mente como símbolo da proteção contra a tempestade, agora são apenas desolação e destruição. Essa imagem pós-dilúvio é desconcertante e é com ela gravada em nossa mente que assistimos toda a peça. (Um amigo artista plástico, Fabricio Nery, que assistiu Dilúvio comigo, me disse ao pé do ouvido que apenas essa abertura já teria valido a peça – avec toutes les raisons).

O guarda-chuva quebrado e abandonado, existindo como uma espécie de símbolo do desalento, do abandono, do imprestável é uma constante na obra plástica de Gerald Thomas. E agora ele figura como personagem central na sua nova peça. Não poderia ter escolhido imagem melhor como metáfora de sua visão pessimista do mundo contemporâneo.

Dessa imagem desoladora dos guarda-chuvas, passamos para outra mais perturbadora ainda: duas atrizes aparecem penduradas, com sangue jorrando pelos seus corpos nus, postas sobre colunas gregas, que são o símbolo da Civilização Ocidental. Gerald Thomas cria uma imagem que vale por mil tratados sociológicos sobre o Ocidente.



Como numa montagem cinematográfica, em cenas seguintes a imagem do guarda-chuva já destruído retorna, agora na mão da atriz que luta contra uma ventania enfurecida nos fazendo pensar em alguma tempestade infernal e dantesca. O resultado dessa luta inglória contra as tempestades do mundo (Gerald pensa por metáforas), é a destruição do guarda-chuva e o desaparecimento da espécie humana – dada a solidão dos guarda-chuvas despedaçados no início e fim da peça.



Gerald Thomas produz a sua obra através de imagens, sons, luzes, falas e performances corporais. Seu teatro é plástico, operístico e, porque não, carregado de uma energia que vem do rock e da batida dos tambores da escola de samba. As referências que desaguam do seu inconsciente estético, sejam plásticos, musicais ou literários, passam pela convivência com criadores como Wagner, Schöenberg, Glass, Stones, Beckett, Kafka, Gertrude Stein, Godard, Eisentein, com toda a vanguarda de artes plásticas, de Duchamp até Francis Bacon, o Pop e o Minimalismo, no mínimo. A modernidade e sua desconstrução é o solo onde seus pés pisam. Outro dado importa: sua atenta, aguda e crítica observação do mundo (suas crônicas em Nada Prova Nada refletem sua tensão e insatisfação diante das contradições do mundo).

“Dilúvio” me parece uma síntese criativa (ou um ir além) desse caldo estético citado acima sem o qual não se pode falar em arte contemporânea. Gerald Thomas já reclamou do “excesso desconstrutivo” que atordoa a arte atual, sugerindo que estamos no momento de catar os cacos e criar um vitral novo a partir deles. O dramaturgo está nesse momento fazendo isso. Com Dilúvio criou a possibilidade de lidarmos com os fragmentos, agora transformados num belíssimo mosaico, que não deixa de fora a rasteira que os bons artistas sempre nos dão.

E é esse mosaico ao mesmo tempo construído por belíssimas imagens, guiadas por escolhas musicais arrepiantes e pelo desempenho notável de atrizes e performances, além de um texto “em ruína”, que faz de Gerald Thomas um dramaturgo renovador. A sensação a partir dessa obra prima que é Dilúvio é que seu teatro está se revolucionando e apontando para o futuro. D’ après Kafka: dê-lhe o machado e ele abrirá nossas cabeças.

Sua entrada na área de risco, a partir da criação de imagens metafóricas e simbólicas, que possibilitam a criação de uma obra aberta (Umberto Eco), só é possível, no entanto, porque seu inconsciente estético foi fertilizado pelas referências acima citadas.

Em Dilúvio as imagens paradoxais revelam o desgaste das existências consumidas no nosso tempo de horrores midiatizados à exaustão. Uma espécie de café da manhã com sangue nos acorda e atordoa. Diferente da famosa frase de um filósofo (Heidegger?) que dizia que para o homem moderno o jornal era sua oração matinal, o Google, Instagram, Facebook e Twitter nos oferecem um circo de horrores e imbecilidades liquidificadas no nosso suco de laranja de toda manhã.

O paradoxo das imagens: a busca pela beleza e pela poesia aparecem e logo são corrompidas. Na performance da leveza das atrizes em sua delicada conjunção amorosa, flutuando como num balanço (que lembra a atmosfera de “O Balanço” de Fragonnard e Wim Wenders em “Asas do Desejo”), até a luta que encenam em câmera lenta - como as imagens que vemos e revemos a todo momento na tela do computador, num círculo infernal e dantesco do qual não conseguimos sair.



O paradoxo das imagens: uma cena brutal de sexo entre duas mulheres -“come o meu cu”, diz uma delas desesperadamente- , onde o desejo explode, mas a frase “o meu pau não sobe mais” revela a impotência diante da oferta descartável de imagens eróticas e produção insana e aberrantes de desejos. A cena recebe a luz de uma luminária-máquina-roda-duchampiana.



A importância da concepção plástica das imagens no teatro de Gerald Thomas aparece em “Dilúvio” nos desenhos que são carregados e que passam como imagens de um museu diante dos olhos dos espectadores. São partes da peça, não apenas ilustrações, e tem seu uso conjugado na ideia wagneriana de uma “arte total”, cara a Gerald Thomas. Dessas imagens o sempre enigmático tubarão ferido e uma referência ao São Sebastião flechado – signos da violência transformada em espetáculo.

A peça se encerra com uma fala em tom comovente da atriz Maria de Lima, que está num cenário de desolação, dizendo algo como “eu até poderia achar algo positivo nisso tudo”, que ressoa a frase dita anteriormente invocando Beckett, um dos mestres da consciência artística de Gerald Thomas – “Você conhece o mundo maravilhoso e, claro, sombrio e, ainda, melancólico e, porque não dizer, um tanto cinzento, de Samuel Beckett?”.



Sobre sua condição de criador, dentro desse universo aterrador, diz Gerald Thomas: “Eu me vejo, como autor, numa terra perdida, sozinho, depois de uma guerra nuclear, com um balde de pipoca na mão. É o sinal da minha sobrevivência”.

“Teatro é Risco!!!” diz o Dramaturgo. Não apenas risco na forma do que se apresenta, mas na maneira como ele é gerado/criado. Sabemos que uma peça não existe a priori na cabeça de Gerald Thomas. Work in progress, eis o lema da arte moderna e da direção e criação do autor de Dilúvio. Nisso, Gerald Thomas é um mestre! E pode haver algum artista se se estiver aquém disso?



ELENCO: Maria de Lima, Julia Wilkins, Lisa Giobbi, Ana Gabi, Beatrice Sayd, Isabella Lemos, André Bortolanza.

APRESENTAÇÃO: SESC SP: 11 nov a 17 de dez.

Obs: A fotos foram retiradas do Blogg do Gerald Thomas


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 6/2/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann de Jardel Dias Cavalcanti
02. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
03. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
04. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
05. Notas confessionais de um angustiado (VI) de Cassionei Niches Petry


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2018
01. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann - 26/6/2018
02. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti - 22/5/2018
03. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro - 3/4/2018
04. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin - 7/8/2018
05. Corot em exposição - 13/3/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EDUCAÇÃO BATISTA NO BRASIL UMA ANÁLISE COMPLEXA
JOSÉ NEMÉSIO MACHADO
CBB
(1999)
R$ 8,00



PROGRAMAÇÃO JAVA PARA WIRELESS
ÉRICO TAVARES DE MATTOS
DIGERATI
(2005)
R$ 7,00



FORMULÁRIO MÉDICO FARMACÊUTICO
JOSÉ ANTONIO DE OLIVEIRA BATISTUZZO E MASAYUKI ITAYA E YUKIKO ETO
TECNOPRESS
(2002)
R$ 130,00



VIDAS DE ESTADISTAS AMERICANOS - 1º VOLUME - 2ª EDIÇÃO
HENRY THOMAS; DANA LEE THOMAS
GLOBO
(1957)
R$ 10,00



GESCHICHTEN AUS DEM FABELWALD VON DEN TIEREN, ZWERGEN UND RIESEN
TONY WOLF (ILLUSTRATOR)
PESTALOZZI VERLAG
(1984)
R$ 29,90



UM MUNDO TRANSPARENTE
MORRIS WEST
RECORD
(1983)
R$ 7,00



TOBRUK A CHAVE DO EGITO
JAMES W. STOCK
RENES
(1973)
R$ 10,00



CAPACITAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO SUAS E DO PBF
MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL
MINISTÉRIO DO DENSENVOLVIMENT
(2008)
R$ 23,90



8 VITAL RELATIONSHIPS FOR THE GROWING CHRISTIAN
HADDON W. ROBINSON - R. LARRY MOYER
BIBLE BELIEVERS CASSETTES
(1982)
R$ 35,00



A NUVEM ENVENENADA
A. CONAN DOYLE
NEWTON COMPTON BRASIL
R$ 8,99





busca | avançada
30385 visitas/dia
851 mil/mês