Xamãs & Concurseiros | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Escafandro e a Borboleta, com Mathieu Amalric
>>> A literatura contra o sistema
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Uma vida para James Joyce
>>> As Classes e as Redes Sociais
>>> Crônica de um jantar em São Paulo
>>> Defesa eloqüente do Twitter
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Margarita Paksa: Percepção e Política
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
Mais Recentes
>>> Ecce Homo de Friedrich Nietzsche pela L&PM (2003)
>>> No Mundo Maior de Francisco Cândido Xavier - André Luiz pela Feb (2013)
>>> Quase Verdade de Jennifer Kaufman - Karen Mack pela Leya Casa Da Palavra (2011)
>>> A Arte de Cultivar Líderes Como Se Tornar um Mestre de Ram Charan e Bill Conaty pela Campus (2011)
>>> The Secret - o Segredo de Rhonda Byrne pela Ediouro (2007)
>>> Ramses o Filho da Luz de Christian Jacq pela Bertrand Brasill (2000)
>>> Portugal e a Revolução Global de Martin Page pela Nova Fronteira (2011)
>>> O Código da Vinci Roteiro Ilustrado de Akiva Goldsman pela Sextante (2006)
>>> Os Estudantes de Medicina e o Ato Médico de Conselho Federal de Medicina pela Cfm (2004)
>>> Lábios Que Beijei - o Romance da Lapa de Aguinaldo Silva pela Siciliano (1992)
>>> O Novo Mundo Digital Você já Está Nele de Ricardo Neves pela Refume Dumara (2007)
>>> Comunicação Tecnoestética Nas Mídias Audiovisuais de Denise Azevedo Duarte Guimarães pela Sulina (2007)
>>> A Filha mais Velha - Uma Imagem de Família de Selma Carvalho Souza pela Catavento (2005)
>>> Livro da Sorte e do Destino de J. Della Monica pela Madras (2000)
>>> Vencedor de Varios Autores pela New Live
>>> O Livro do Bem de F. Ramon pela Espaço e Tempo (1994)
>>> Pequeno Livro da Sorte de Heloisa Galves pela AlemdaLenda (2016)
>>> Ânimo de Lourival Lopes pela Otimismo (2007)
>>> Minuto Mediúnico de Vitor Ronaldo Costa pela Seda
>>> Memorização - Aumente em até 10 vezes a Capacidade da Memorização de Varios Autores pela Sintec
>>> Sexo e Felicidade de L. Silveira pela Saúde Brasil (1992)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Feesp (1991)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 3 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Uma Viagem Entre o Céu e o Inferno de Luiz H. Leite Lopes - Maria Ziravello pela Planeta (2007)
>>> O Testamento de São João de J.J. Benítez pela Mercuryo (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 20/10/2011
Xamãs & Concurseiros
Guilherme Pontes Coelho

+ de 3000 Acessos

Uma vez, em 1998, quando eu havia terminado o segundo grau e não sabia o que fazer da vida (nem saberia pelos dez anos seguintes), uma tia me aconselhou a fazer concursos públicos. Como incentivo, ela me presenteou com uma palestra sobre como passar neles. Ela soube da tal palestra pelo jornal, não sei se na seção classificados. Um guru prometia transformar seus ouvintes em vencedores aprovados e economicamente estáveis, a despeito da função que o aprovado exerceria, porque vocação, ou sonho profissional, é um detalhe sórdido que às vezes se mete à frente da almejada estabilidade. Fui à palestra, que foi no Templo da Boa Vontade, aqui em Brasília. Um dia inteiro de conversa. Não lembro se oito ou seis horas. Algo assim. O evento era longo o suficiente para haver intervalo de almoço, que não estava incluído na fortuna que tias, pais, mães e alguns dos próprios concurseiros pagaram.

Pois bem, o palestrante havia passado num concurso público. Dataprev, INSS, TCU, um concurso assim. Esta, na verdade, era sua única credencial (que tem seu mérito, claro). Nada, nenhuma experiência como palestrante, instrutor, facilitador, nada. Eu, sentado numa desconfortável cadeira de plástico, dediquei horas àquele sujeito para ouvi-lo dizer, sem brilho algum e repetidamente, que só passa em concurso quem estuda. Quem estuda, estuda, estuda. Ele não contou piadas. Nem fábulas edificantes. Ele falou muito, mas à minha frente, e eu estava na fila dos perdigotos, eram só ele, seu cabelo arquitetado em gel, sua gravata de liquidação, seu relógio jurássico e um microfone, que transmitia às caixas de som uma voz cadenciada e anódina. Ele não usou o então onipresente retroprojetor, sobre o qual costumavam repousar transparências rabiscadas à mão com pincel atômico. O hoje estapafúrdio e constrangedor PowerPoint era uma realidade muito distante. Àquela época, acho que só o Steve Jobs usaria*.

O palestrante. Ele tampouco agraciou os presentes com histórias divertidas de primos distantes ou de antepassados batalhadores - narrativas que forçosamente teriam de ter uma mensagem edificante. Não, nada, ele não as contou. Fofoquinhas de cunho profissional-moralizante sobre colegas de trabalho? Nenhuma. Macetes de memorização e leitura dinâmica? Nem de longe. Indicações de livros e, se possível, breves análises bibliográficas? Inexistentes. Instruções sobre como montar mind maps? Esqueçam, não havia essa moda naquela época. Recomendação de alimentos bons para o cérebro e de snacks que combinam com a hora de estudos? Não, nada. (Embora ele tenha dito que "Tomar suco é bom", genericamente falando.) Breves explanações, só a título de vaidade promocional, sobre a diferença entre complementos nominais e adjuntos adnominais, ou sobre a diferença habeas corpus e habeas data, ou sobre a diferença entre atos normativos e atos enunciativos? Não, nenhum conteúdo da santa trindade das disciplinas concurseiras (língua portuguesa, direito constitucional e direito administrativo) foi contemplado, por mais rasteiro que fosse.

Enfim, o homem cobrou uma fortuna, umas duzentas - duzentas! - pessoas, um bando de inseguros, néscios, angustiados, compareceram e elogiaram o desempenho do palestrante insípido. Alguns saíram até comentando que "Poxa, faz todo sentido", ou "É, ele tá certo", ou "Ah, agora, sim, eu passo", ou "Podia ter demorado mais, né?" e por aí vai. O ilustre palestrante conseguiu segurar sua platéia por milênios, numa palestra sem graça e totalmente desinstrutiva, para repetir, tautologicamente, o que todos aqueles imbecis poderiam dizer, ou diziam, à frente do espelho: "Preciso estudar".

Ele conseguiu a proeza de não usar nenhum clichê de palestras motivacionais para concursos e, mesmo assim, fazer um trabalho insípido, apenas repetindo o mantra: "Estudem". Achei curiosa a postura de conselheiro do palestrante. Ele falava - mas não conversava com a plateia, não houve interação - como se fosse um padrinho que dava uma gentil bronca nos afilhados, como se os pais verdadeiros tivessem acabado de sair da sala, furiosos, e o afilhados, se sentindo culpados por alguma bobagem que tenham feito, estivessem para ser reconfortados pelo padrinho, o good cop. "Estudem", dizia o palestrante, sorrindo - e a combinação do sorriso sem vida com a gravata ordinária era perturbadora.

Hoje, me parece, os mestres concurseiros fazem tudo aquilo que o palestrante insosso deixou de fazer - e fazem mais. Cantam, dançam, improvisam. Contam histórias e piadas, fazem confissões e choram. Inventam macetes para aprender macetes. Criam acrósticos e anagramas para memorizar acrósticos, anagramas, macetes e metamacetes. Ensinam a arte da confecção de mapas mentais (para organizar melhor os decorados acrósticos, anagramas, macetes e metamacetes) e alguns oferecem a técnica da árvore hiperbólica. Os novos palestrantes sobem ao palco e quebram tábuas com golpes de caratê! Vale tudo para convencer uma pessoa de que ela pode passar num concurso público (relembrando, "aprendizado de conteúdo" ou "realização profissional" são fatores secundários).

Mesmo que a performance dos palestrantes tenha sido enhanced (eles adoram esses termos, você sabe), a impressão que tive em 1998, quando saí do Templo da Boa Vontade e, faminto e furioso, fui caçar uma pizzaria, é a mesma que tenho hoje. As pessoas pagam para ter a autoestima insuflada, em muitos casos sabendo que o cotidiano vai cuidar de murchá-la novamente. O serviço pelo qual pagam não é um desempenho pedagógico, mas uma atuação de baixo xamanismo.

No fim das contas, não é o clichê de que as pessoas pagam para se sentirem capazes que sobressai, mas o de que é fácil ganhar dinheiro. "Estudem."

* Brincadeirinha.


Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 20/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva
02. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' de Humberto Pereira da Silva
03. Projeto Itália ― Parte I de Eduardo Mineo
04. Palácio dos sabores 4/5 de Elisa Andrade Buzzo
05. De como os medíocres atrapalham os bons de Rafael Rodrigues


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2011
01. A sordidez de Alessandro Garcia - 9/2/2011
02. Churchill, de Paul Johnson - 2/2/2011
03. Cisne Negro - 16/2/2011
04. Pequenos combustíveis para leitores e escritores. - 7/9/2011
05. Derrotado - 2/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Scientific Aspects of Forensic Medicine
C. J. Polson
Oliver & Boyd
(1969)



Bresil et Argentine La Competitivite Agricole et Agro-alimentaire
Jean Pierre Bertrand e Guillermo Hillcoat
Inra; Lharmattan (paris)
(1996)



Como Ficamos Amigas - Coleção Amigas para Sempre. Volume 1
Care Santos
Record
(2007)



As Instituições Médicas no Brasil
Madel T. Luz
Graal
(1979)



A União Europeia
Faculdade de Direito - Curso de Estudos Eu...
Faculdade de Direito (coimbra)
(1994)



Maps and Mapmakers of the Civil War
Earl B. Mcelfresh (capa Dura)
Harry N Abrams
(1999)



Terra Lusíada - Antologia Poética Internacional
Euclides Cavaco e Zeni Brasil ( Org.)
Zeni Leal Ed
(2005)



Desenhos Antelo
Fernando Lindote
Nova Letra Florianópolis
(2008)



The Flora and Vegetation of Japan
M. Numata
Elvevier Scientific
(1974)



Farmácia de pensamentos
Sonia de Aguiar
Relume Dumará
(2000)





busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês