Xamãs & Concurseiros | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 20/10/2011
Xamãs & Concurseiros
Guilherme Pontes Coelho

+ de 2700 Acessos

Uma vez, em 1998, quando eu havia terminado o segundo grau e não sabia o que fazer da vida (nem saberia pelos dez anos seguintes), uma tia me aconselhou a fazer concursos públicos. Como incentivo, ela me presenteou com uma palestra sobre como passar neles. Ela soube da tal palestra pelo jornal, não sei se na seção classificados. Um guru prometia transformar seus ouvintes em vencedores aprovados e economicamente estáveis, a despeito da função que o aprovado exerceria, porque vocação, ou sonho profissional, é um detalhe sórdido que às vezes se mete à frente da almejada estabilidade. Fui à palestra, que foi no Templo da Boa Vontade, aqui em Brasília. Um dia inteiro de conversa. Não lembro se oito ou seis horas. Algo assim. O evento era longo o suficiente para haver intervalo de almoço, que não estava incluído na fortuna que tias, pais, mães e alguns dos próprios concurseiros pagaram.

Pois bem, o palestrante havia passado num concurso público. Dataprev, INSS, TCU, um concurso assim. Esta, na verdade, era sua única credencial (que tem seu mérito, claro). Nada, nenhuma experiência como palestrante, instrutor, facilitador, nada. Eu, sentado numa desconfortável cadeira de plástico, dediquei horas àquele sujeito para ouvi-lo dizer, sem brilho algum e repetidamente, que só passa em concurso quem estuda. Quem estuda, estuda, estuda. Ele não contou piadas. Nem fábulas edificantes. Ele falou muito, mas à minha frente, e eu estava na fila dos perdigotos, eram só ele, seu cabelo arquitetado em gel, sua gravata de liquidação, seu relógio jurássico e um microfone, que transmitia às caixas de som uma voz cadenciada e anódina. Ele não usou o então onipresente retroprojetor, sobre o qual costumavam repousar transparências rabiscadas à mão com pincel atômico. O hoje estapafúrdio e constrangedor PowerPoint era uma realidade muito distante. Àquela época, acho que só o Steve Jobs usaria*.

O palestrante. Ele tampouco agraciou os presentes com histórias divertidas de primos distantes ou de antepassados batalhadores - narrativas que forçosamente teriam de ter uma mensagem edificante. Não, nada, ele não as contou. Fofoquinhas de cunho profissional-moralizante sobre colegas de trabalho? Nenhuma. Macetes de memorização e leitura dinâmica? Nem de longe. Indicações de livros e, se possível, breves análises bibliográficas? Inexistentes. Instruções sobre como montar mind maps? Esqueçam, não havia essa moda naquela época. Recomendação de alimentos bons para o cérebro e de snacks que combinam com a hora de estudos? Não, nada. (Embora ele tenha dito que "Tomar suco é bom", genericamente falando.) Breves explanações, só a título de vaidade promocional, sobre a diferença entre complementos nominais e adjuntos adnominais, ou sobre a diferença habeas corpus e habeas data, ou sobre a diferença entre atos normativos e atos enunciativos? Não, nenhum conteúdo da santa trindade das disciplinas concurseiras (língua portuguesa, direito constitucional e direito administrativo) foi contemplado, por mais rasteiro que fosse.

Enfim, o homem cobrou uma fortuna, umas duzentas - duzentas! - pessoas, um bando de inseguros, néscios, angustiados, compareceram e elogiaram o desempenho do palestrante insípido. Alguns saíram até comentando que "Poxa, faz todo sentido", ou "É, ele tá certo", ou "Ah, agora, sim, eu passo", ou "Podia ter demorado mais, né?" e por aí vai. O ilustre palestrante conseguiu segurar sua platéia por milênios, numa palestra sem graça e totalmente desinstrutiva, para repetir, tautologicamente, o que todos aqueles imbecis poderiam dizer, ou diziam, à frente do espelho: "Preciso estudar".

Ele conseguiu a proeza de não usar nenhum clichê de palestras motivacionais para concursos e, mesmo assim, fazer um trabalho insípido, apenas repetindo o mantra: "Estudem". Achei curiosa a postura de conselheiro do palestrante. Ele falava - mas não conversava com a plateia, não houve interação - como se fosse um padrinho que dava uma gentil bronca nos afilhados, como se os pais verdadeiros tivessem acabado de sair da sala, furiosos, e o afilhados, se sentindo culpados por alguma bobagem que tenham feito, estivessem para ser reconfortados pelo padrinho, o good cop. "Estudem", dizia o palestrante, sorrindo - e a combinação do sorriso sem vida com a gravata ordinária era perturbadora.

Hoje, me parece, os mestres concurseiros fazem tudo aquilo que o palestrante insosso deixou de fazer - e fazem mais. Cantam, dançam, improvisam. Contam histórias e piadas, fazem confissões e choram. Inventam macetes para aprender macetes. Criam acrósticos e anagramas para memorizar acrósticos, anagramas, macetes e metamacetes. Ensinam a arte da confecção de mapas mentais (para organizar melhor os decorados acrósticos, anagramas, macetes e metamacetes) e alguns oferecem a técnica da árvore hiperbólica. Os novos palestrantes sobem ao palco e quebram tábuas com golpes de caratê! Vale tudo para convencer uma pessoa de que ela pode passar num concurso público (relembrando, "aprendizado de conteúdo" ou "realização profissional" são fatores secundários).

Mesmo que a performance dos palestrantes tenha sido enhanced (eles adoram esses termos, você sabe), a impressão que tive em 1998, quando saí do Templo da Boa Vontade e, faminto e furioso, fui caçar uma pizzaria, é a mesma que tenho hoje. As pessoas pagam para ter a autoestima insuflada, em muitos casos sabendo que o cotidiano vai cuidar de murchá-la novamente. O serviço pelo qual pagam não é um desempenho pedagógico, mas uma atuação de baixo xamanismo.

No fim das contas, não é o clichê de que as pessoas pagam para se sentirem capazes que sobressai, mas o de que é fácil ganhar dinheiro. "Estudem."

* Brincadeirinha.


Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 20/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. Fragmentos de Leituras e Sentido de Ricardo de Mattos
03. Notas confessionais de um angustiado (IV) de Cassionei Niches Petry
04. O que você vai ser quando crescer? de Fabio Gomes
05. Lira da resistência ao futebol gourmet de Luís Fernando Amâncio


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2011
01. A sordidez de Alessandro Garcia - 9/2/2011
02. Churchill, de Paul Johnson - 2/2/2011
03. Pequenos combustíveis para leitores e escritores. - 7/9/2011
04. Cisne Negro - 16/2/2011
05. Derrotado - 2/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FIGHTING THE WAR OF IDEAS IN LATIN AMERICA
JOHN C GOODMAN E RAMONA MAROTZ BADEN
NATIONAL CENTER FOR POLICY
(1990)
R$ 19,82



O REVÓLVER QUE SEMPRE DISPARA
EMANUEL FERRAZ VESPUCCI E RICARDO VESPUCCI
CASA AMARELA
(2001)
R$ 6,50



GEOGRAFIA REGIONAL
AROLDO DE AZEVEDO
COMPANHIA NACIONAL
(1954)
R$ 8,90



A ARTE DA NEGOCIAÇÃO BEM-SUCEDIDA
ALEX PIMENTEL
DIGERATI
(2007)
R$ 7,90



HISTÓRIA DAS GRANDES ÓPERAS E DE SEUS COMPOSITORES VOL V
ERNEST NEWMAN
GLOBO
(1952)
R$ 25,00



XEQUE E MATE
GILBERTO MILOS JÚNIOR / DAVY DISRAEL
ADONIS
(2000)
R$ 10,00



NOÇÕES BÁSICAS DO COMPUTADOR
MARCO ANTONIO FERREIRA DA SILVA
TECNOPRINT
(1980)
R$ 5,00



A CASA DOS BRONZES
ELLERY QUEEN
CÍRCULO DO LIVRO
(1976)
R$ 21,00
+ frete grátis



DEUS E O COMPUTADOR
ROBERTO VACCA
EDIÇÕES AFRONTAMENTO
(1987)
R$ 25,17



O QUE É CULTURA CONTRACULTURA POLÍTICA CULTURAL
JOSÉ LUIZ DOS SANTOS - CARLOS ALBERTO E MARTIN CEZ
CIRCULO DO LIVRO
R$ 5,00





busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês