O caminho rumo ao som e a fúria | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
27984 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
>>> O Julgamento Secreto de Joana D'Arc com Silmara Deon estreia no Teatro Oficina
>>> Novo app conecta, de graça, clientes a profissionais e prestadores de serviço
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
>>> CONFRARIA COMEDY SE APRESENTA EM OSASCO, NESTE SÁBADO, TRAZENDO DIVERSOS CONVIDADOS
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lui Liu
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Leis de incentivo e a publicação independente
>>> Amor e relacionamentos em tempos de transição
>>> O óbvio final de Belíssima
>>> Defesa dos Rótulos
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> 9º Búzios Jazz & Blues - I
>>> Sobre palavras mal ditas
Mais Recentes
>>> O Pássaro Azul
>>> Zagreb
>>> The Rough Guide to Turkey
>>> Prague
>>> Dados Sobre a Coréia
>>> The Rough Guide to Morocco
>>> Lonely Planet - Argentina
>>> Lonely Planet - Bermuda
>>> Lonely Planet - Zimbabwe
>>> Hill Country
>>> Guatemala Sensacional
>>> Nova York no Meu Bolso
>>> Itália by Train
>>> Buenos Aires de A a Z
>>> Badajoz
>>> Imigrantes da Bessarábia - Jornada em Terras Tropicais
>>> Let's Visit Thailand
>>> The Man Who Deciphered Linear B - the Story of Michael Ventris
>>> Jean-Pierre Mocky
>>> Dialoguer Avec Son Ange - Une Voie Spirituelle Occidentale
>>> La Société de Consommation de Soi
>>> Cadernos de Lanzarote - Diário 1
>>> Marcelo Caetano - O Homem Que Perdeu a Fé
>>> A Construção da Beleza
>>> História dos Conceitos - Debates e Perspectivas
>>> Cidadania Proibida - O Caso Herzog Através da Imprensa
>>> Cleo e Daniel
>>> Children and Television
>>> Cholera and the Ecology of Vibrio Cholerae
>>> The Encyclopedia of Ancient Egypt
>>> Maravilhas do Conto de Aventuras
>>> Reproposta - a Revista da Terceira Idade para Todas as Idades
>>> Scribes, Warriors and Kings - The City of Copan and the Ancient Maya
>>> O'Neill - Long Day's Journey Into Night
>>> The Fall of Constantinople 1453
>>> Morality
>>> Collaboration in the Holocaust - Crimes of the Local Police in Belorussia and Ukraine, 1941-44
>>> Gandhara - The Memory of Afghanistan
>>> Tales, Speeches, Essays and Sketches
>>> A Evocação do Zé Batalha - uma História Afro-brasileira - Teatro Rural
>>> Na Relva da Tua Lembrança
>>> The Quest For Paradise - Visions of Heaven and Eternity in the World's Myths and Religions
>>> Assombrações e Coisas do Além
>>> Dicas Úteis Para Uma Vida Fútil
>>> Coiote
>>> Mães Que Mudaram o Mundo
>>> Quem é Lou Sciortino?
>>> Os Viúvos
>>> Do Inferno 1
>>> Geografia do Brasil
COLUNAS

Quarta-feira, 1/2/2012
O caminho rumo ao som e a fúria
Luiz Rebinski Junior

+ de 2700 Acessos

Alguns livros nos dão a prévia sensação de que estamos diante de um clássico, um monumento literário prestes a nos acachapar. E não me refiro apenas a um tipo de presságio forjado pela crítica, por resenhas e textos laudatórios que, claro, sempre ajudam na construção da imagem de uma obra ou escritor. Mas falo de uma sensação que acontece lá de vez em quando, algo meio místico, que te sopra no ouvido e avisa que você está prestes a iniciar uma leitura que te acompanhará por muito tempo, que vai estar guardada nos porões da mente por décadas e te assombrará nos momentos menos esperados, com um personagem ou mesmo trecho pipocando em sua mente na situação mais inesperada possível. Aconteceu isso quando um dia peguei nas mãos Crime e castigo. Sabia que ia iniciar ali um momento importante de minha vida de leitor e... batata, não deu outra. Ainda guardo comigo muitos detalhes do romanção, mesmo tantos e tantos anos depois da primeira leitura.

Dia desses o "presságio do clássico" me pegou novamente. Havia meses a edição bonitona de O som e a fúria me espreitava no meio da pilha de livros "a ler". Fui protelando a leitura de um livro que, eu imaginava, me exigiria muito como leitor: atenção, longas horas vagas para dedicar à leitura, cabeça limpa, etc. Tudo o que por meses e meses não tive. Mas aí chegou o final de ano e pela primeira vez agradeci aos céus por aquela época piegas e insuportável ter chegado logo. Então finalmente estava livre para ler aquele livro que, ao mesmo tempo em que me trazia a "sensação do clássico", me intimidava. Não foram poucos os relatos de leituras interrompidas no meio do romance. Gente bem mais preparada e inteligente do que eu me dizendo que não conseguira avançar no romance. Não se trata de gente preguiçosa, mas de leitores experimentados que simplesmente não tiveram ânimo para superar um livro complexo. Por outro lado, eu era impulsionado pela "sensação do clássico", que me batia forte. A vontade de me embrenhar no livro era aguçada por textos que funcionavam como verdadeira injeção de ânimo, tal como um texto do Marçal Aquino falando de como o romance o impactou, e, principalmente a orelha da edição que eu tinha em mãos, escrita por Rubens Figueiredo. Um texto que, claro, cumpre seu papel propagandístico (afinal, as orelhas servem para isso), mas que dá a noção exata da importância da obra sem nela jogar um confete sequer. "Faulkner, a princípio, tenta eliminar as perspectivas clássicas do tempo, espaço, casualidade e, até de sintaxe e pontuação, como quem toma, uma a uma, as armas do inimigo. É preciso deixá-lo sem defesa, e assim a primeira voz do romance cabe a um retardado mental que registra percepções imediatas e pensamentos semideformados, sem hierarquia e sem critérios de atenção. Trata-se do idiota de Macbeth em que se diz que a vida é 'uma história cheia de som e fúria, contada por um idiota e que não significa nada.'"

Depois disso, parece impossível não abrir as paginas do livro e se perder naquele caos narrativo prometido por Figueiredo. Sim, mas era exatamente ali, naquele ponto que parecia fascinante, onde um homem com problemas mentais, um jovem-adulto de trinta anos que se comportava como uma criança, começava a contar o romance, que muitos amigos tinham sucumbido. E a dúvida se transformava em curiosidade: como era possível um retardado narrar um romance? Como ordenar isso em uma narrativa que desse a noção exata de uma mente confusa, mas sem que se tornasse hermético para o leitor? Em 1946, mais de quinze anos após publicar o romance, Faulkner escreveu um apêndice em que traçava pequenos perfis da família Compson, cuja saga é contada em O som e a fúria. Não é uma sinopse de filme em caderno de cultura, mas o apêndice é de grande serventia. Escrito na mesma linguagem do livro, o texto não dá as chaves do romance ao leitor, mas indica o caminho para quem está interessado em saber onde elas estão. Alguns textos são muito curtos, outros extensos, consomem páginas e páginas. Mas todos escritos de maneira a aguçar a vontade do leitor em saber mais sobre o personagem a que se refere. Assim Faulkner apresenta Luster, filho da criada que durante décadas serviu os decadentes Compsons: "Um homem, de quatorze anos de idade. O qual não apenas era inteiramente responsável por cuidar de um idiota duas vezes mais velho e três vezes maior que ele e zelar por sua segurança, como também conseguia diverti-lo."

Assim, Faulkner dá um tapinha nas costas do leitor, como se dissesse, vai, meu amigo, você consegue. E eu fui. Encarei aquele que diziam ser um dos mais célebres e complexos romances do século XX. Claro, estava previamente vacinado com o antídoto do próprio senhor Faulkner, mas o que encontrei nas primeiras setenta páginas do romance foi algo como uma recompensa por anos e anos de medo e vontade reprimida. O clima de delírio impregnado na narrativa de Benjamin, o retardado, enreda o leitor em uma história cuja linguagem é tão fascinante quanto a ida ao inferno de uma família decadente no sul dos Estados Unidos no início do século XX, que se afunda em seu próprio preconceito, ódio e ganância. Parte mais complexa e fascinante, a narrativa de Benjamin coloca à prova o próprio leitor, que se sair ileso das primeiras dezenas de páginas, na sequência vai encontrar um livro tão fluído quanto um romance policial de Raymond Chandler. Ou quase.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 1/2/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
02. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio
03. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
04. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
05. Reflexões sobre o ato de fotografar de Celso A. Uequed Pitol


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2012
01. A arte da crônica - 4/1/2012
02. Os contos de degeneração de Irvine Welsh - 17/10/2012
03. O senhor Zimmerman e eu - 9/5/2012
04. O caminho rumo ao som e a fúria - 1/2/2012
05. Luz em agosto - 15/8/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NINE O'CLOCK IN THE MORNING
DENNIS J. BENNETT
COVERDALE HOUSE
(1970)
R$ 29,80
+ frete grátis



THE DREAMING O REINO DOS SONHOS ESPECIAL O GUARDIÃO DO MEU IRMÃO
ALISA KWITNEY E MICHAEL ZULLI
VERTIGO
(1999)
R$ 20,00



UNIDOS PARA SEMPRE
RUTH RENDELL
L&PM
(2007)
R$ 8,00



VINHO - 101 DICAS ESSENCIAIS
TOM STEVENSON
EDIOURO
(2000)
R$ 7,09



LIVRO LIVRE, NOVAS POSSIBILIDADES PARA A LEITURA, A ESCRITA E A PUBLIC
CRAIG MOD, PAULO COELHO, CORY DOCTORROW
ÍMÃ EDITORIAL
(2011)
R$ 37,90



SER MAIS EM EXCELÊNCIA NO ATENDIMENTO AO CLIENTE
MARCIA RIZZI E MAURICIO SITA
SER MAIS
(2012)
R$ 9,00



O ESTRANHO
KYRA DAVIS
SUMA DE LETRAS
(2014)
R$ 12,00



ABDIAS NASCIMENTO - EXEMPLAR NOVO LACRADO
SANDRA ALMADA
SELO NEGRO
(2009)
R$ 57,99



THE BOOK OF RUNES, JOGO DAS RUNAS
RALPH BLUM
ORACLE BOOKS
(2017)
R$ 40,00



O OUTRO LADO DA LUZ
COLUM MCCANN
RECORD
(2000)
R$ 7,00





busca | avançada
27984 visitas/dia
1,1 milhão/mês