O cinema mordaz de Billy Wilder | Maurício Dias | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
>>> Big Bang
>>> 2013: mulheres escritoras e suas artes
>>> Les Misérables
Mais Recentes
>>> Guia Completo Do Tricô de Denise Gianoglio pela Escala (2019)
>>> Livro Literatura Estrangeira Um luxo de Perfume de Roberto D’Angelo pela Caravana
>>> Educação Escolar das Relações Étnico-raciais de José Antônio Marçal, Silvia Maria Amorim Lima pela Intersaberes (2015)
>>> Batman - A Maldição do Caveliro Branco de Sean Murphy pela Panini Comics (2020)
>>> A Guardia Da Minha Irma de Jodi Picoult pela Verus (2011)
>>> Livro Psicologia Motivação, Liderança e Lucro A trilogia para uma empresa de sucesso de Marco Aurélio Ferreira Vianna pela Gente (1999)
>>> Heróis De Verdade: Pessoas Comuns Que Vivem Na Sua Essência de Roberto Shinyashiki pela Gente (2005)
>>> Leonardo Da Vinci E Seu Supercérebro de Michael Cox pela Seguinte (2004)
>>> Ponto de Criação - Contos e Crônicas de Temáticas Livre de Alfer Medeiros pela Andross (2016)
>>> Finding Sky Die Macht Der Seelen: Roman de Joss Stirling pela Dtv Verlagsgesellschaft (2014)
>>> A Menina Que Contava Histórias de Jodi Picoult pela Verus (2015)
>>> Livro Filosofia Platão de Nova Cultural Ltda. pela Nova Cultural Ltda. (2004)
>>> Prosperity? de Ken, Maura, Michael, Piper, John, Grudem, Wayne, Mbewe, Conrad Mbugua pela Acts Kenya (2016)
>>> Introdução a psicologia de Donald Olding Hebb pela Atheneu (1971)
>>> Livro Literatura Estrangeira Meridian Um romance sobre o movimento dos direitos civis e a luta das mulheres negras de Alice Walker pela José Olympio (2022)
>>> O Despertar de Snyder, Murphy pela Panini Comics
>>> Ensaios de Michel De Montaigne pela Edit 34 (2016)
>>> Livro Turismo Mil Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> Coleção Biblioteca Infantil Encyclopedia Britânica do Brasil 10 Livros do Eu + Das Cores + Animais + Formas + Palavras + Números + Animais + Tempo de Christine Timmons pela Encyclopedia Britannica do Brasil Publicações (1979)
>>> Diálogos Da Perplexidade de Bernardo Kucinski pela Fundacao Perseu Abramo (2009)
>>> Livro Literatura Brasileira O Sedutor do Sertão de Ariano Suassuna pela Nova Fronteira (2020)
>>> Introducao À Leitura De Hegel de Alexandre Kojève pela Contraponto (2014)
>>> Encontrando Deus em O Senhor dos Anéis de Kurt Bruner, Jim Ware pela Bompastor (2002)
>>> O Poder Da Mente de R. Stanganelli pela Martin Claret (2006)
>>> Livro Poluição do Ar Polêmica Coleção Polêmica de Samuel Murgel Branco; Eduardo Murgel pela Moderna (2004)
COLUNAS

Terça-feira, 8/7/2003
O cinema mordaz de Billy Wilder
Maurício Dias
+ de 7100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Billy Wilder nasceu no Império Austro-Húngaro em 1906, numa cidade que, após duas guerras mundiais, hoje faz parte da Polônia. Passou a infância morando em hotéis, pois seu pai era gerente de uma rede deste ramo de negócios.

Seu país esteve envolvido desde o início na 1a. Guerra Mundial. Por essa época sua família se mudou para Viena, e embora não tenha havido combates na parte Austríaca do Império, Wilder, ainda garoto, pôde sentir seus efeitos: "Nessa época ficávamos doze, dezesseis horas numa fila para conseguir duas batatas. Muitas vezes saíamos de mãos vazias."

Já adulto trabalhou como repórter policial em Viena. Se mudou para Berlim, em 1926, desejando ingressar como roteirista dos estúdios da UFA. Enquanto não conseguia trabalho, sobrevivia como "dançarino acompanhante" de senhoras de idade.

Esta era a época áurea do expressionismo alemão, de filmes como "A Última Gargalhada", Metrópolis e "A Caixa de Pandora". Apesar de ter sido influenciado por estes filmes, o diretor favorito de Wilder era Ernst Lubitsch, o mestre da comédia sofisticada. Este diretor, célebre na Alemanha, já desde 1923 se transferira para Hollywood, onde seguiu com sucesso.

Enquanto isso, em Berlim, começaram a surgir os primeiros trabalhos, os quais Wilder não assinava. A profissão de ghost writer já então era comum no cinema: um roteirista/escritor famoso pega mais serviço do que pode dar conta, e tem de contratar jovens ainda sem nome no mercado para, em maior ou menor grau, auxiliá-lo, em troca de uma fração dos rendimentos. Anos depois, ao escrever e dirigir "Crepúsculo dos Deuses" (Sunset Boulevard, 1950), Wilder prestaria contas com as lembranças duras de seu passado. Pois Joe Guillis, o personagem principal, é, ao mesmo tempo, o acompanhante de uma senhora e um ghost writer - em mais de um sentido, pois assim como em "Memórias Póstumas de Brás Cubas", de Machado de Assis, o personagem principal está morto desde o início da estória. E se, mesmo estando morto, é ele quem narra, então podemos considerá-lo um fantasma. Um escritor-fantasma.

Ainda na Alemanha, Wilder ganhou seus primeiros créditos como roteirista por dois filmes em 1929 e 1930. Filmes mudos. Ou seja, o mestre do diálogo, ironicamente começou escrevendo intertítulos - aquelas cartelas que narram a ação ou diálogos nos filmes mudos.

Vieram os filmes sonoros, a carreira de roteirista entrou nos eixos, Billy Wilder melhorou de vida. Por esta época pôde se dar ao luxo de começar sua primeira coleção de arte, hábito que manteria pelo resto da vida - na década de 70 tinha originais de Picasso e Egon Schiele, entre muitos outros.

E foi no cinema alemão que conheceu alguns dos nomes que fariam parte do cinema americano dos anos 40 e 50, como Robert Siodmack e Fred Zinnemman. O partido nazista subiu ao poder em 33, e Billy, judeu, se mandou para Paris. A primeira coleção de arte teve que ser vendida às pressas e à preço de banana. Na capital francesa co-dirigiu seu primeiro filme, Mauvaise Graine, sobre jovens criminosos tentando escapar do submundo. No final, os protagonistas encontram a liberdade indo para os EUA, da mesma forma que Billy faria na vida real.

Uma grande comunidade alemã se instalou em Hollywood, todos fugindo de Hitler. Diretores, escritores, dramaturgos, músicos, muitos com alto nível intelectual e de grande refinamento, contribuíram para arejar o provincianismo da Hollywood ainda meio caipira dos anos 30. Estes alemães também se ajudavam mutuamente, e Billy, apesar de enfrentar dificuldades com o idioma - mal falava o inglês, quanto mais escrever - conseguiu seguir com a carreira. O fato de ser judeu era uma desvantagem na Alemanha, mas algo muito útil em Hollywood. Em 1938 se juntou a Charles Brackett - que seria seu parceiro por mais de vinte anos - para escrever um filme para seu grande ídolo desde os tempos de Berlim, Ernst Lubitsch. O filme foi "A Oitava Esposa de Barba-Azul". No ano seguinte, o mesmo trio se reuniria a Greta Garbo para criar "Ninotchka", que concorreu ao Oscar - com filmes como "E O Vento Levou", "Nos Tempos Das Diligências" e "O Mágico de Oz".

Apesar de adorar o estilo de Lubitsch, Wilder e Brackett tinham que escrever para outros diretores menos talentosos, que arruinavam a concepção que os roteiristas tinham do filme (exceção feita a Howard Hawks, com quem Wilder pôde aprender muito sobre profissionalismo e timing.). Desejando maior controle sobre o material, os dois lutaram até conseguir uma chance de fazer um filme só deles: escreviam juntos, Brackett produzia e Wilder dirigia. Foi aí que surgiu "A Incrível Suzana" (The Major and the Minor, 1942), baseado numa peça de Edward Childs Carpenter e estrelado pela ex-parceira de Fred Astaire, Ginger Rogers. Ginger dois anos antes ganhara o Oscar de melhor atriz por Kitty Foyle, e o fato de terem-na conseguido para o papel mostra que o estúdio realmente achou válido investir poder no par de escritores. Isto se deve em grande parte ao sucesso conseguido pelo pioneiro Preston Sturges, que dois anos antes passara de roteirista a diretor, e conseguiu grande sucesso com suas comédias. "A Incrível Suzana" conta a história de uma mulher de vinte e cinco anos que se faz passar por uma menina de treze para pagar meia passagem num trem de volta pra casa. Só que algo dá errado e ela se vê presa numa escola de cadetes, com centenas de adolescentes que dão em cima dela descaradamente. Em 1955, Jerry Lewis protagonizaria a mesma história, trocando-se apenas o sexo do personagem principal, e a ambientação da escola de cadetes para uma escola de moças, em "O Meninão", de Norman Taurog.

Brackett-Wilder continuaram escrevendo para outros diretores, enquanto preparavam "Cinco Covas no Egito" (Five Graves To Cairo, 1943). Neste filme Wilder mostrava a 2a. Guerra no norte da África e a luta de um soldado inglês para derrotar os alemães. Aí Wilder já aproveitou para ridicularizar os nazistas, coisa que voltaria a fazer no futuro. Enquanto isso, na vida real, a guerra comia solta, e na Europa a mãe, a avó e o padrasto de Billy eram mortos num campo de concentração.

Wilder a seguir queria fazer uma adaptação do romance de James M. Cain, Double Indemnity. Brackett preferiu não tomar parte, e Wilder conseguiu a parceria do grande escritor de romances policiais Raymond Chandler. Chandler era alcoólatra, e a convivência entre estes dois talentos não foi exatamente o que se pode chamar de harmoniosa. Mas o resultado valeu à pena: o magistral "Pacto de Sangue", 1944, foi um grande sucesso, concorreu aos Oscars de melhor filme, direção, atriz, roteiro adaptado.

Chocado com o alcoolismo de Chandler, Wilder se uniu novamente a Brackett para escrever sobre a degradação que o álcool pode promover na vida de um homem que não tenha controle sobre a bebida. Rodado em locações (quando aproveita-se cenários naturais, como ruas ou construções verdadeiras) num estilo próximo ao que então se começava a realizar na Itália - e o qual mais tarde se chamaria neo-realismo - , "Farrapo Humano" (The Lost Weekend, 1945) conta com uma grande interpretação de Ray Milland. O filme ganhou Oscars de direção, filme, roteiro adaptado, ator, e consolidou o talento da dupla.

Wilder e Brackett uniram-se ao novato D. M. Marshman Jr. para concluir Crepúsculo dos Deuses em 1950. Este filme, uma das obras fundamentais da Arte (não apenas do cinema, de todas as artes) no século XX, é carregado com o cinismo e a misantropia de Wilder. O gosto do diretor pelo expressionismo alemão se evidencia na ambientação claustrofóbica da velha mansão da estrela - o Boulevard do título original - e temos aqui várias cenas inequecíveis: o corpo boiando na piscina, visto de baixo pra cima; o cortejo do enterro do chimpanzé; os ratos na piscina vazia; a paródia às banhistas dos filmes mudos de Mack Sennett; o holofote que ilumina a velha atriz quando esta visita o estúdio em que ela trabalhou durante anos, trazendo a equipe para admirá-la; no terrivelmente cruel tratamento de beleza a que a mesma é submetida - quase uma mumificação em vida -, na esperança de conseguir voltar a atuar. E a cena final, com a personagem descendo as escadas até o close é um dos momentos antológicos do cinema.

Após este filme a velha dupla separaria-se, e no futuro Wilder se juntaria ao romeno I.A.L. Diamond, num outro casamento artístico que duraria décadas. Juntos fariam "Quanto mais Quente Melhor" (1959, talvez a melhor comédia do cinema americano), "Se Meu Apartamento Falasse" (1960), Irma La Douce (1963), "A Primeira Página" (1974) e outros filmes.


Wilder - o de óculos - dirige Jack Lemmon. O ator protagonizou sete filmes do diretor, ao longo de vinte e dois anos de parceria.

Billy Wilder morreu em março de 2002. Antes de morrer ficou por 21 anos no ostracismo - uma triste ironia para com o homem que mostrou ao mundo como Hollywood criava ídolos e depois os esquecia. As companhias de seguro que cobrem os filmes desaconselhavam que um homem de mais de 70 anos dirigisse uma produção, e seus últimos projetos não haviam sido muito felizes, nem do ponto de vista artístico nem do retorno financeiro.

Mas os bons filmes superam numericamente os ruins, e obras como o ácido "A Montanha dos Sete Abutres" e "O Pecado mora ao Lado" serão apreciados enquanto houver vida inteligente no planeta.


Maurício Dias
Rio de Janeiro, 8/7/2003

Mais Maurício Dias
Mais Acessadas de Maurício Dias em 2003
01. A obra-prima de Raymond Chandler - 21/1/2003
02. Picasso e Matisse: documentos - 10/6/2003
03. Uma teoria equivocada - 14/10/2003
04. Quentin Tarantino: violência e humor - 29/7/2003
05. Por onde anda a MPB atualmente? - 20/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/7/2003
16h01min
Muito informativo, bem escrito, claro e objetivo. Gostei muito.
[Leia outros Comentários de Iara Sydenstricker]
12/7/2003
21h34min
Vish! Só por relembrar meu querido Billy já está valendo! E ainda por cima o texto esta bem interessante!
[Leia outros Comentários de Miguel Andrade ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Em Busca da Espiritualidade
James Van Praagh
Sextante
(1999)



Os Presidentes - Afonso Pena
Hélio Silva
Grupo de Comunicação Três
(1983)



Arquitetos Do Brasil - Athie/Wohnrath
Varios autores
Victoria Books
(2008)



Tratado de Direito Processual Civil
Celso Marcelo de Oliveira
Juridica Brasileira
(2006)



Padre Nostro: Preghiera Della Liberazione Integrale
Leonardo Boff
Cittadella
(1989)



O Poder do Clímax - Fundamentos de Roteiro de Cinema e Tv
Luiz Carlos Maciel
Record
(2003)



Histórias À Brasileira A Donzela Guerreira e outras
Ana Maria Machado
Companhia Das Letrinhas
(2010)



Um Lugar para Todos
Thrity Umrigar
Nova Fronteira
(2008)



Contabilidade Introdutória - livro texto
Stephen Charles Kanitz; Sérgio De Iudícibus; Luiz Benatti
Atlas
(2011)



O Prazer Do Poema. Uma Antologia Pessoal
Ferreira Gullar
Edições De Janeiro
(2014)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês