Minhas 10 melhores digestões | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Sociedade e Ambiente: território, desigualdade e vulnerabilidade de Zoraide Souza Pessoa (Org.) pela Livraria da Física (2014)
>>> Elementos de Direito Administrativo de Celso Antonio Bandeira de Mello pela Revista dos Tribunais (1987)
>>> Odisséia de Homero - adaptação: Roberto Lacerda pela Scipione (1997)
>>> Constituição e Hermenêutica Constitucional de Márcio Augusto Vasconcelos Diniz pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> A Outra Face do Poder Judiciário: Decisões Inovadoras ...(Encadernado) de Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka pela Del Rey/ Bhz.: Esc. P. Direito (2005)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Globo (2008)
>>> Administração do Tempo: Um Programa de Autodesenvolvimento de Luiz Augusto Costacurta Junqueira pela Cop Ed. (1992)
>>> O Enigma de Rama de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1991)
>>> Do Socialismo Utópico ao Socialismo Científico de Friedrich Engels pela Moraes Editores
>>> Sonhos de Robô de Isaac Asimov pela Record (1991)
>>> Verdadeiras Profecias de A.w. tozer pela Clássicos (2001)
>>> O Homem Eterno de G. K. Chesterton pela Mundo Cristão (2010)
>>> O Observador no Escritório de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1985)
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro Jornalista pela Sulminas (2004)
>>> Verde e Branco Ano 1 Número 1 Abril de 2004 de Eduardo Del Claro Jornalista pela Sulminas (2019)
>>> Nada a perder volume 3 de Edir Macedo pela Planeta (2014)
>>> Campinas no início do século 20: percursos do olhar de Suzana Barretto Ribeiro pela Annablume (2006)
>>> A privataria tucana de Amaury Ribeiro Júnior pela Geração Editorial (2012)
>>> Campinas: visões de sua história de Lília Inés Zanotti de Medrano pela Átomo (2006)
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
COLUNAS >>> Especial Digestivo 10 Anos

Quinta-feira, 18/11/2010
Minhas 10 melhores digestões
Marcelo Spalding

+ de 3300 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Eu não o vi nascer, não vi seus primeiros passos, seu primeiro aniversário, os primeiros dentes, as primeiras gracinhas. Mas tenho orgulho de dizer que estive com esse piá em metade de sua trajetória. Falo do Digestivo Cultural, uma das mais interessantes, independentes e diversificadas revistas culturais da Web, tocada pelo competente Julio Daio Borges há impressionantes dez anos. Dez anos. É tempo pra caramba, especialmente se pensarmos que no começo seus leitores davam os primeiros passos na internet.

Conheci o site por um motivo curioso: havia sido lançado um livro de contos em que eu participava, Fatais, da Casa Verde, e tivemos uma resenha média publicada no Digestivo. Não elogiosa, mas respeitosa. Eu recém havia ingressado no Mestrado em Letras e queria muito escrever para o jornal Rascunho, como meu amigo Luiz Paulo Faccioli, ou para a revista Aplauso, como um outro amigo, Flávio Ilha, pois via na resenha uma forma de dialogar com o universo literário. Mas as portas não pareciam estar abertas para iniciantes. E eis que conheço o Digestivo, entro em contato com o Julio e pergunto se posso enviar uma resenha. Ele topa, compro Um amor anarquista, do Miguel Sanches Neto, e depois de alguns elogios do "chefe" sou convidado a entrar no seleto time de colunistas.

Da primeira resenha, em setembro de 2005, até hoje foram 107 textos e um total de 367.085 acessos, média de 3.430 acessos por texto (algo me diz que é muito mais do que se a Rascunho ou a Aplauso me tivessem aceito na época). A obrigação de manter uma regularidade, primeiro quinzenal, depois mensal, me obrigou a ler muito mais do que o faria não fosse o site, pensar muito mais para escrever os textos e com certeza isso foi fundamental para minha carreira acadêmica (hoje já estou no Doutorado), além de ampliar muito meu conhecimento e gosto pela literatura contemporânea.

Logo percebi o alcance do site. Não bastassem os e-mails e comentários das mais diversas partes do Brasil, uma vez fui dar uma palestra no Salão do Livro de Tocantins e qual não foi minha surpresa quando encontro uma menina esperando para me conhecer pessoalmente, pois era minha leitora no Digestivo. Em Palmas, Tocantins!

Mais lento é o aprendizado dos macetes de um resenhista e também de um colunista de internet, onde o texto fica publicado para sempre, e não apenas durante o mês que circula o jornal ou a revista. Aprendi a importância de dosar bem as palavras no elogio ou na crítica, a fazer bons títulos para fisgar mais leitores, a valorizar os comentários, a escolher com cuidado os temas e os livros. Passei a me aventurar em outras áreas, escrevi sobre cinema, música, quadrinhos, telenovela. Resenhei Nobéis e plebeus.

Que os leitores perdoem a pessoalidade do texto, mas não tem como não se emocionar lembrando de tudo o que aconteceu em cinco anos, cinco anos publicando textos mensalmente, recebendo recados e comentários quase diários. Devo confessar, aliás, que o Digestivo Cultural foi a grande inspiração para eu criar, aqui no RS, o portal Artistas Gaúchos, que hoje tornou-se o carro-chefe do meu trabalho. Não caí na tentação boba de criar um novo Digestivo, pois só o Digestivo pode ser o Digestivo, então fiz um Digestivo do Rio Grande do Sul, bairrista como só nós podemos ser.

A seguir, como forma de deixar registrada essa trajetória, faço uma lista das 10 colunas que mais me marcaram, minhas 10 melhores digestões para celebrar os 10 anos do Digestivo.

Um Amor Anarquista
A primeira vez a gente nunca esquece. Era a primeira resenha, comprei o livro e li com um cuidado e uma atenção que talvez jamais tenha em nenhuma outra leitura. Avançava as páginas fascinado com a história e preocupado com o que dizer, quais trechos abordar, como ser fiel ao livro sem contar a história. Relendo hoje percebo a insegurança de um iniciante, citando referências eruditas já no começo para mostrar conhecimento, e a construção tradicional, priorizando o enredo e econimizando nas impressões mais subjetivas.

Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas
Depois da mais antiga, a coluna mais acessada. Havia acabado de ler Por que sou gorda, mamãe?, da minha amiga Cintia Moscovich, um livro que até hoje tenho a sensação de não ter compreendido plenamente, e fiz uma resenha que por um motivo muito simples tornou-se a mais acessada: o título. E eis que descobri o poder de um título. Não pode ser fraudulento, é fundamental que ele tenha relação com o texto, mas títulos como esse atraem e, mais do que isso, na Era do Google é fundamental colocar no título palavras-chave. Não por acaso a segunda mais acessada é "Sexo, drogas e rock'n'roll", resenha sobre o livro Tempos heróicos, do Jakzam Kaiser.

Um defeito de cor, um acerto de contas
Mil páginas. Na caixa de livros que o Digestivo me enviou como sugestão de pauta no segundo semestre de 2006, veio um de MIL páginas publicado pela Record, que com certeza não gastaria com a impressão de uma única página de autor desconhecido não tivesse o texto muita qualidade. Resolvi ler pelo menos as 100 primeiras páginas para tentar fazer uma resenha, não precisar devolver o livro ao site e lê-lo com calma no verão. Que nada, foi arrebatador, comecei a ler e quando vi estava na 400, na 500, e assim fui até o fim e fiz uma das resenhas mais entusiasmadas sobre Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves. Este livro, aliás, depois me inspiraria a escrever a novela A Cor do Outro, sobre a questão do preconceito.

A caixa de confeitos da literatura contemporânea
Um crítico literário que se preze tem que criticar também, não pode ficar só elogiando e jogando confete, certo? Bem, eu acreditava nisso, e a oportunidade surgiu quando li A caixa de confeitos e contos sortidos, livro de estreia de Leonardo de Moraes. Fui duro na crítica, hoje diria que duro demais, o autor chegou a me escrever pedindo para editar uma parte em que se sentiu pessoalmente desrespeitado. Revelei-me um crítico fraco, mas acredito que uma pessoa razoável, pois fiz a edição (excluindo o trecho, não mudando de opinião, claro), e me dei conta da bobagem dessa afirmação de que um crítico tem que criticar. Nada disso, até porque o pior pesadelo para um livro e um autor é o silêncio, nada pior do que o silêncio em se tratando de literatura. E nada pior do que a pretensão para alguém que está ali para dar uma opinião. E nada mais que isso, UMA opinião, ainda que abalizada por trajetória ou "títulos" acadêmicos.

Confissões de um crítico em tempos de internet
Hoje, relendo minhas crônicas mais antigas, percebo que já havia feito uma auto-retrospectiva, muito melhor do que essa, aliás, quando completei um ano de Digestivo Cultural. Lá não apenas contei com mais detalhes minha chegada ao site como tive a pretensão de dar uma dica aos aspirantes à resenhista: "o escritor deve fazer como o músico, ser crooner. Mas ao invés dos bares da vida, o espaço do crooner literário são os sites, e hoje sei que o Digestivo foi um ótimo espaço para eu exercitar esse texto que não pode abrir mão da qualidade mas também precisa ter apelo de público, precisa da consistência acadêmica mas não pode abrir mão da factualidade jornalística. Um texto ao feitio das músicas do crooner".

Nem memórias nem autobiografia, mas Saramago
Nunca esqueci de um e-mail enviado a mim pelo Julio, o editor, depois de eu publicar essa resenha. Ele dizia, em resumo, que eu era um dos melhores resenhistas do site de todos os tempos. Confesso que esse afago no ego me fez persistir e continuar escrevendo e publicando no Digestivo mesmo nos momentos mais difíceis, ainda que eu mesmo considerasse um exagero do amigo.

Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo?
Com o fim do Mestrado eu inventei de voltar para à graduação e fazer Letras, pois havia me graduado em Jornalismo e para dar aula de literatura na universidade eu precisaria do curso de Letras (que acabarei no final deste ano!). Foi um dos momentos mais difíceis, pois além do meu trabalho e das minhas palestras, havia as aulas e a infinidade de tarefas e leituras, sobrando pouquíssimo tempo para escrever. Então surgiu uma ideia: por que não escrever sobre os temas discutidos em aula? E assim fiz uma das colunas mais acessadas e que mais geram contatos comigo, sobre estrangeirismos. A todo momento estudantes me pedem para ajudar com trabalhos, me pedem bibliografia, querem me entrevistar sobre o tema, e sempre respondo que não sou especialista, apenas escrevi uma coluna onde escrevi tudo o que tinha a dizer.

O hiperconto e a literatura digital
Bem diferente é o caso das colunas em que abordo os temas do meu Mestrado, minicontos, ou Doutorado, literatura digital. Aqui escrevo apenas sobre partes de um trabalho imenso, de um emaranhado de leituras, e aproveito para exercitar a desacademização do meu texto, tornando-o acessível ao público ("Micronarrativa e pornografia" foi o caso mais extremo, aliás). Certa ocasião, falava com minha orientadora sobre o tema de minha Tese e disse que iria criar um novo gênero e batizá-lo de hiperconto. Pretensão à parte, precisava deixar esse nome registrado e associado ao meu de alguma forma, e qual foi a solução? Publicar uma resenha no Digestivo, abusando de sua credibilidade. Assim nasceu o texto "O hiperconto e a literatura digital". Não foi o único sobre o tema e muitos ainda virão, até porque está na ordem do dia.

Geração Coca Zero
O que fazer numa danceteria cheia de mulheres e bebida com a namorada ao lado e um showzinho de rock no palco? Pensar num excelente tema para uma coluna no Digestivo, claro. Brincadeiras à parte, foi assim que nasceu a ideia para o texto "Geração Coca Zero", que depois me inspirou para escrever o "Burguesinha, burguesinha, burguesinha". Acho muito saudável esses textos sobre produtos culturais do nosso cotidiano, pois eles aproximam o olhar crítico do dia a dia das pessoas. Talvez seja isso o que os norte-americanos chamam de cultural studies, e não por acaso hoje alterno resenhas sobre livros com comentários sobre telenovelas, filmes ou fatos relevantes para a cultura e a educação.

Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
Este é o meu preferido, tinha que terminar com ele. E também o mais polêmico. Comecei a escrever porque estava com muita raiva da orientadora de minha esposa, como conto no texto, mas pensei três vezes antes de publicá-lo porque tenho certeza de que isso ainda pode prejudicar minha carreira acadêmica ou profissional. Mas eu tinha que publicar, e não por acaso este é o texto com mais comentários, sem contar os inúmeros e-mails que recebo com depoimentos de pessoas que preferem não se expor em comentários públicos, elogiando minha coragem. Há poucos dias, aliás, alguém fez uma chamada ao texto no Twitter, mais de um ano depois de sua publicação, e ao que tudo indica essa problemática tende apenas a aumentar, o que deve tornar o texto mais e mais lido.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 18/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar de Renato Alessandro dos Santos
02. O ato de criação no texto dos artistas (Parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
03. Toda poesia de Paulo Leminski de Humberto Pereira da Silva
04. Glauco: culpado ou inocente? de Gian Danton
05. Charles Darwin (1809-2009) de Ricardo de Mattos


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2010
01. A quem interessa uma sociedade alienada? - 2/9/2010
02. O hiperconto e a literatura digital - 8/4/2010
03. Free: o futuro dos preços é ser grátis - 11/11/2010
04. Bastardos Inglórios e O Caso Sonderberg - 27/5/2010
05. O espiritismo e a novela da Globo - 30/9/2010


Mais Especial Digestivo 10 Anos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/11/2010
10h10min
Os textos inteligentes de Marcelo Spalding são sempre uma referência, principalmente a respeito de micronarrativas, sobre as quais é especialista. Sou grato a ele pela gentileza com que sempre atendeu às minhas mensagens. Parabéns, Marcelo, Julio e os que fazem deste Digestivo um ponto de encontro de amigos! Um abraço, José Marins (Curitiba).
[Leia outros Comentários de José Marins]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TIMOR, O NOSSO DEVER FALAR
VÁRIOS AUTORES
APEL
(1999)
R$ 22,11



OCIDENTE X ISLÃ
VOLTAIRE SCHLLING
L&PM
(2006)
R$ 10,00



ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DA ARGENTINA E DO BRASIL
JEFERSON LUÍS LOPES GOULARTE, JEFFERSON MARÇAL ROCHA UND ALZIRA ELAINE MELO LEAL
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 413,00



O LIVRO DE OURO DA MITOLOGIA - HISTÓRIAS DE DEUSES E HERÓIS
THOMAS BULFINCH
EDIOURO
(2006)
R$ 53,91



ROTA DOS VENCEDORES
CESAR ROMÃO
ACADEMIA DE INTELIGE
(2009)
R$ 13,90



SOCIOLOGIA SISTEMÁTICA
KARL MANNHEIM
LIVRARIA PIONEIRA
(1962)
R$ 6,00



EM DEFESA DA MEMÓRIA JURÍDICA BANDEIRANTE
ASSOCIAÇÃO DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO
AASP
(2003)
R$ 15,00



PRINCIPIOS DA COMPETICAO EMPRESARIAL
LUPPA,LUIS PAULO
LANDSCAPE EDITORA LTDA-EPP
(2017)
R$ 15,88



MARKETING EM AÇÃO - UMA ABORDAGEM PARA LUCRAR CRESCER E RENOVAR
PHILIP KOTLER - DIPAK C. JAIN - SUVIT MAESINCEE
CAMPUS
(2002)
R$ 9,90



PLURALISMO DE INFORMAÇÃO NOS PALOP
SOPHIE NICK
PRINCIPIA
(2000)
R$ 57,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês