Sexo, drogas e rock’n’roll | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema e os Direitos Humanos
>>> Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes
>>> Se a vida começasse agora
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
Mais Recentes
>>> Ilustrado de Miguel Syjuco pela Companhia das Letras (2011)
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 27/3/2007
Sexo, drogas e rock’n’roll
Marcelo Spalding

+ de 37600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Você certamente já ouviu essa expressão, e se viveu a juventude pelos anos sessenta, setenta, com despreendimento o bastante e dinheiro o suficiente, é bem capaz de ter vivido na pele a fase do sexo, drogas e rock'n'roll. Confesso que passei ao largo dessa geração e nunca achei que essa filosofia de vida tivesse sido seguida à risca por muita gente, atribuindo o rótulo a mais uma simplificação midiática ou hollywoodiana. Isso até ler Tempos heróicos (Letras Brasileiras, 2006, 168 págs.)

Jakzam Kaiser narra em primeira pessoa a história de Beto, um adolescente que aos onze anos vê sua família ruir - com o pai saindo de casa para morar com outra -, cedo conhece o álcool, as drogas, o prazer do sexo livre e um pouco mais tarde a política num tempo de ditadura militar e reconstrução da UNE, a União Nacional dos Estudantes. Num momento histórico conturbado e perigoso, de muita repressão e maior ainda ânsia por liberdade, uma parcela da juventude forja sua identidade partindo para a luta, a luta física contra os grupos de bairros - e depois contra a polícia opressora - e a luta contra os costumes, jogando-se de alma nas drogas e de corpo no sexo.

O narrador baseia sua história numa espécie de inventário de suas transas, com as mais belas e variadas garotas, todas sempre disponíveis, ninfomaníacas e gostosas, além de quase todas chapadas, o que permite ao leitor mergulhar de cabeça na velha e boa expressão sexo, drogas e rock'n'roll em uma leitura leve e alucinante. No terceiro capítulo, onde a personalidade do protagonista está formada e a vida mais estabilizada, a narrativa se transforma numa sucessão de cenas tal qual videoclipe da MTV, representando talvez o ritmo de vida do protagonista ou a repetição cansativa dos fatos cotidianos.

"Domingo, sete e meia da manhã, convenção do PT na Assembléia Legislativa. Ao lado de casa. Saio com Luana, sem dormir. Olheiras fundas. Assino a lista, vejo que a manhã será chata, o pau vai comer de tarde. Volto em casa para um cochilo. Os pensamentos erram pelos escaninhos cerebrais. Penso na militância, nos nossos dogmas, em como não sabemos nada, não somos donos de porra de verdade nenhuma. Temos que buscá-la dentro de nós. Não há consciência sem convicção, e não sinto mais a mesma intensidade em relação ao PT, à militância. Acordo assustado. Luana é grupo de risco, tenho merda na cabeça, devia ter usado camisinha, mas nem tenho em casa. Almoço na mãe, a preocupação não sai da cabeça. Encontro Úrsula na convenção, só cumprimento, ela vem falar comigo, vamos para a Duque, fumamos um, transamos e paz e amor de novo. O domingão acaba em sua casa, jantando uma massa deliciosa e vendo Disque M para Matar, Hitchcock sempre bom. Mas o grilo não sai da minha cabeça."

Alguns poderão ver a obra como uma reconstrução corajosa de uma época e geração, e aí a colocariam ao lado de outras como A idade da paixão, Caminhando na chuva, Ana Sem Terra ou É tarde para saber, obras que aos poucos vão compondo de forma muito rica a história recente do Rio Grande do Sul. Mas basta terminarmos a leitura e conhecermos um pouquinho da história de Jakzam para descobrir que há muito de memórias naquelas páginas, muito mais do que de invenção.

Não que isso seja um defeito, ao contrário. Da forma como os episódios se desencadeiam, com o protagonista cada vez mais viciado em drogas e sexo e sempre se safando praticamente intacto, além de prosperar profissionalmente de forma invejável, a obra, enquanto ficção pura, soaria inverossímil. Não estamos dizendo irresponsável tampouco politicamente incorreta, os livros não estão aí para ensinar ninguém a usar camisinha ou ficar longe das drogas, mas ao leitor desavisado parece impossível que depois de tanta curtição e subversão o protagonista não fosse preso, não ficasse doente, dependente, louco, desempregado, enfim, que sobre ele não caísse nenhuma daquelas maldições que os pais e a mídia sempre reforçam.

Como não caiu, a impressão que fica para o leitor é de um saldo extremamente positivo: esquecemos que Beto é um sobrevivente que teve a sorte que faltou para um Cazuza e um Renato Russo, por exemplo. E se Beto é mesmo Jakzam, talvez um livro de memórias atraísse mais leitores e aproximasse mais o leitor, ainda que nesse caso o autor pudesse ser acusado daquelas balelas de irresponsabilidade por incentivar isso ou aquilo.

* * *

Hoje Jakzam Kaiser é editor de uma das promessas no mercado editorial brasileiro, a Letras Brasileiras, com edições cada vez mais belas, coloridas e bem acabadas (como o próprio Tempos heróicos). E do alto de seus quarenta e poucos anos, vinte de casado, conversou conosco sobre a obra e os temas que ela suscita num rápido pingue-pongue que merece ser reproduzido:

Apesar de ser sua primeira obra de ficção, há muito de sua autobiografia na história. Por que contar sua história?

Não há uma explicação, aconteceu meio por acaso. A idéia do livro era recuperar a atmosfera da época, registrar o modo de vida daquela geração. Na hora de escrever, acabei inspirado pelos autores que me fizeram a cabeça na época, Kerouac, Bukowsky, Henry Miller, Alexis Evremides (que, aliás, a Editora vai publicar)... Gente que escrevia na primeira pessoa, um jeito de escrever que sempre me pareceu mais eficiente para atingir a emoção e o ritmo que eu desejava dar ao texto. A escolha por episódios vividos ou experimentados pessoalmente, ou por amigos próximos, ou nem tão amigos assim, mas presenciados, deu-se porque o material era suficientemente rico para sustentar o projeto de criar a atmosfera da época. Também tinha o viés de mostrar o ingresso do adolescente da época no mundo adulto, como era a formação/construção das personalidades, e a opção pelo texto em primeira pessoa facilitava a tarefa.

Você acha que a história do Beto é a síntese dessa geração que cresceu na ditadura militar ou é apenas uma parte dessa geração?

Acho que é significativo da geração, sim, mas apenas parte dela teve protagonismo, quero dizer, se arriscava a realmente experimentar. Acho que a maior parte tinha vontade, mas por motivos diversos era mais espectadora.

Você acha que a juventude de hoje está muito diferente da sua, mais careta? Por quê?

Diferente, sim. Mais careta, não sei... Naquela época não tinha internet, nosso universo era a rua, o mundo real, com cheiro, toque, gosto. Tinha sangue, dor, suor e cansaço físico. Me parece que a diferença maior entre a geração atual e a minha é que a atual vive mais o mundo virtual que o real. Havia, também, uma maior consciência (ou interesse por) política, movimento estudantil... Isso perdeu-se no tempo.

Você não teme que uma história como a sua incentive os jovens a buscar nas drogas ou no sexo o sentido para uma vida sem sentido em tempos de enorme violência urbana e AIDS?

Ah... não mesmo! Tenho dois filhos, um de doze e um de oito, que irão ler o livro um dia. Pensei nisso, que eles podiam usar o livro como pretexto pra "liberar" geral, entender que estavam sendo incentivados... Mas eu acredito, sinceramente, no exercício do livre arbítrio baseado na liberdade individual. Se o cara quiser usar drogas ou ter sexo promíscuo, não tenho nada a ver como isso. Vou rezar para meus filhos sobreviverem à curiosidade natural da adolescência/juventude e à explosão dos seus hormônios. E confiar que os eduquei e preparei bem para enfrentarem o mundo lá fora. É só o que um pai pode fazer. Ademais, um cara que tem acesso ao livro tem recursos e informações pra usar camisinha - se trepar sem plastificar o pau porque acha que tem o corpo fechado é problema dele. E quanto aos tempos de enorme violência urbana... tudo que acontece hoje já acontecia naquela época. Pode estar mais generalizado, pode ter maior cobertura na mídia. Mas seqüestro, crime organizado, traficante, turma barra pesada, a não-confiança na polícia, tudo isso já existia. A diferença é que a omissão do Estado aumentou.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 27/3/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Casa das Aranhas, de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
02. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
03. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
04. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
05. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
02. O dinossauro de Augusto Monterroso - 10/4/2007
03. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
04. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
05. Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo? - 1/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/3/2007
11h30min
Marcelo, mais uma vez adorei a sua análise sobre o livro "Tempos Heróicos". Como o anterior, "A Idade da Paixão", a gente fica querendo ler, para também ter opinião e ver se é isso mesmo. Como remanescente dessa época, embora fosse eu adolescente , deve ser interessante reviver aqueles momentos pela ótica de um jovem que também viveu aquilo tudo com intensidade. Ainda mais que sou leitora insistente dos beats, ainda os acho geniais e atuais (apesar da lama). Parabéns pelo seu texto e pela entrevista. Continue nos trazendo seus textos. Sempre fazem bem à alma. Bjs. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EU VIM NU/ DEPOIS DA TEMPESTADE/ MOZART PARTE AS 9/ QUANDO LEÃO FOME
AUTORES DIVERSOS
YPIRANGA
(1965)
R$ 10,00



AS PUPILAS DO SENHOR REITOR (TOMO II)
JÚLIO DINIZ
MINHA
R$ 4,35



MEMÓRIAS DE VIAGEM DOS PROFESSORES DO RECIFE
VÁRIOS
PCR
(2003)
R$ 20,00



COLEÇÃO ANALYTICA EM 5 VOLUMES
DIREÇÃO; JAYME SALOMÃO
IMAGO
(1981)
R$ 150,00



PS BEIJEI
ADRIANA FALCÃO E MARIANA VERÍSSIMO
SALAMANDRA
(2004)
R$ 9,80



PARA GOSTAR DE LER VOL 15 A CADEIRA DO DENTISTA
CARLOS EDUARDO NOVAES
ATICA
(2008)
R$ 9,90



BECKY BLOOM - DELÍRIOS DE CONSUMO NA 5º AVENIDA
SOPHIE KINSELLA
RECORD
(2003)
R$ 10,00



PETITE CHIRURGIE
J. MAISONNET
OCTAVE DOIN
(1928)
R$ 39,20



SER SOCIAL 8: DIREITOS HUMANOS E POLÍTICAS SOCIAIS
REVISTA SER SOCIAL
UNB
(2001)
R$ 8,00



PENSAMENTOS QUOTIDIANOS, VOL 10
OMRAAM MIKHAEL AIVANHOV
PROSVETA
(1997)
R$ 27,70





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês