American Dream | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Diploma ou não diploma... não é esta a questão
>>> Minha casa, sua casa
>>> Linger by IMY2
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
Mais Recentes
>>> Pedra do Feitiço - Reportagens Africanas de Ferreira da Costa pela Len Pôrto (1945)
>>> Processo Decisório de Max Bazerman pela Elsevier (2014)
>>> Livro As Grandes Obras Politicas De Maquiavel A Nossos Dias Jean Jacques Chevallier 1998 de Jean-jacques Chevallier pela Fisicalbook (2001)
>>> Manual De Prática Jurídica Civil. Para Graduação E Exame Da Oab de Nehemias Domingos De Melo pela Atlas Juridico - Grupo Gen (2008)
>>> Drummond de Andrade Poesia e Prosa Volume Único de Carlos Drummond de Andrade pela Nova Aguillar (1979)
>>> Contos Chineses de Paulo Bazaglia - Coordenação pela Paulus (2024)
>>> Edith Head's Hollywood de Edith, Calistro, Paddy Head pela Angel City Press (2008)
>>> Neagle. Vivendo Um Sonho Nos Estados Unidos de Victor Trindade pela Astral Cultural (2017)
>>> Celso Furtado E O Brasil de Nd Perseu Abramo pela Fundaçao Perseu Abramo (2000)
>>> A Vida Contemplativa de Alan Watts pela Record (1971)
>>> Paula de Isabel Allende pela BestBolso (1994)
>>> O Cavaleiro da Mão de Ferro de Goethe pela Ultramar (1945)
>>> Energia Programada de José Amorim pela Centro Redentor (1996)
>>> A Magia das Velas de Eddie Van Feu pela Escola (2008)
>>> Camões Médico ou Medicina dos Lusíadas e do Parnaso de Afrânio Peixoto pela Aillaud e Bertrand
>>> Basic Grammar In Use de Raymond Murphy pela Cambridge University Press (1993)
>>> Dossie‚ Peixotinho de Palhano Junior, Lamartine, Neves, Walace Fernando, Lins, Francisco Peixoto pela Lachatre (1997)
>>> Clavigo de Goethe pela Melhoramentos
>>> Por Toda Parte 9 de Solange Utuari pela Fisicalbook (2016)
>>> Impact 4 de Thomas Fast pela Cengage Elt (2016)
>>> Algebra Para Leigos ( For Dummies ) de Mary Janesterling pela Alta Books (2009)
>>> Alice No País Das Maravilhas de Lewis Carrol pela Scipione (2002)
>>> Protesto Extrajudicial de Domingo Pietrangelo Ritondo pela Campus (2015)
>>> The Official Guide To The Gre General Test de Educational Testing Service pela Mcgraw Hill (2016)
>>> O Livro De Dinaer de Jorge Tavares pela Novo Século (2006)
COLUNAS

Quarta-feira, 18/9/2013
American Dream
Marilia Mota Silva
+ de 3900 Acessos

Exatamente, padre. Exatamente por ser menina é que ela deve aprender a dar murros, dentadas, pontapés.

(Mia Couto em A Confissão da Leoa)

"Se você quer o sonho americano, vá para a Finlândia". A frase do líder do partido trabalhista britânico, criticando a crescente desigualdade social nos Estados Unidos, tem sido repetida em discussões domésticas, a propósito de outras áreas em que o sonho americano desfez-se em frustração: a escola pública, o fraco desempenho das crianças, se comparadas as de outros países; o sistema de saúde, a política de imigração. Às vezes o destino varia. Quando se fala de família, maternidade, criança, o país de referência costuma ser a França.

Os Estados Unidos são o único país desenvolvido em que não há licença-maternidade remunerada. (Alguns Estados e empresas preveem pagamento parcial durante licença de quatro ou seis semanas. São exceções.)

A mulher pode obter até três meses de licença não-remunerada para cuidar do recém-nascido, mas mesmo essa licença depende de várias condições. Ela tem que estar no emprego há pelo menos um ano e ter trabalhado pelo menos 1250 horas. A norma não se aplica a empresas com menos de 50 empregados. Assim, quem trabalhava meio-expediente, ou em firma pequena, ou estava no trabalho há menos de um ano, não tem direito à licença. E, mesmo quando preenche as condições, muitas vezes a mulher volta a trabalhar antes da hora porque tem que pagar as contas. Essa "conquista" só foi conseguida em 1993, quando Clinton assinou o Family and Medical Leave Act . Antes nem isso havia.

Na França as mães têm direito a 16 a 26 semanas de licença com salário total, dependendo do número de filhos. E, se quiserem, tem um adicional de 296 semanas de licença não-remunerada com a garantia de ter o trabalho de volta.

Nos EUA não existe um sistema nacional de creches. E as creches privadas que existem são caras - e exigem sempre a participação dos pais, na forma de trabalho voluntário e obtenção de mais recursos. Mesmo assim são poucas, não atendem a demanda. Há sempre lista de espera. Cobram cem dólares apenas para anotar o nome da criança nessa lista - nome que raramente é chamado. Essa cobrança, se não é lei, é praxe. Todas fazem.

Na França, há um sistema nacional de creches subsidiado pelo governo que atende crianças entre dois meses e três anos. As creches ficam abertas de sete da manha às sete da noite. Não dão cobertura total, dependendo da área, pode ser difícil conseguir vaga, mas isso não chega a ser problema porque as mães tem direito à licença. Os pais pagam o que puderem, de acordo com suas posses.

O Jardim de Infância gratuito atende 99% das crianças francesas de três aos cinco anos de idade - o significa que a qualidade é alta, e que crianças de todas as classes sociais frequentam a mesma escola.

Nos Estados Unidos, até a criança atingir cinco anos (ou mais, se nasceu no primeiro semestre porque o ano escolar começa em setembro), os pais tem que se virar sozinhos. Com babá, creche ou escolinha particular. E mesmo depois dos cinco anos, quando a criança vai para a escola, a situação continua muito difícil para a mãe que trabalha fora porque são incontáveis as sextas-feiras livres, os dias em que a aula acaba mais cedo, sem falar nos feriados, recesso de primavera, recesso de fim de ano, e férias de verão, de 20 de junho ao começo de setembro, mais ou menos. Sem ajuda efetiva é impossível que alguém possa assumir seriamente um trabalho.

Nessas circunstâncias, muitas mulheres se veem compelidas a deixar a profissão para ficar em casa cuidando dos filhos. Abrem mão da autonomia, de tudo o que conquistaram em anos de estudo e trabalho, não porque, de repente, enxergaram inacreditáveis alegrias em se tornar dependentes do marido e viver às voltas com fraldas, papinhas e parquinhos, mas porque não suportam a ideia de deixar seu bebê de poucas semanas aos cuidados de estranhos.

As mais pobres não tem nem mesmo essa escolha. Mesmo que contem com o marido, raramente um salário apenas cobre as despesas da casa. De acordo com o último censo, cerca de 500 mil mulheres voltam a trabalhar depois de quatro semanas de ter tido criança. Muitas voltam com poucos dias do parto. Não imagino como essas mulheres se dividem entre o trabalho extenuante com o recém-nascido, as noites maldormidas e o trabalho fora de casa. E a criança estará, provavelmente, em uma creche de baixa qualidade com as graves consequências que isso acarreta.

Foi uma conquista do feminismo que as mulheres fossem mais respeitadas e tivessem mais auto-respeito, seja o que for que decidam: trabalhar em casa, sem remuneração, dependendo do marido, cuidando dele, da casa e dos filhos; ou trabalhar também fora de casa, tendo certa autonomia financeira, desenvolvendo-se profissionalmente, mas em prejuízo dos filhos (se não tiver o suporte necessário). Não se pode falar que ela tenha, de fato, uma escolha quando as alternativas são essas. A menos que ela seja Marissa Mayer, que pode montar os aposentos do bebê com seu próprio staff ao lado de seu escritório.

Em 2003, o New York Times publicou um artigo sobre mulheres altamente qualificadas e bem sucedidas profissionalmente que resolveram deixar tudo para ficar em casa cuidando dos filhos. Dez anos depois, em agosto passado, o jornal foi procurá-las para dar sequência à história, e publicou o resultado: "A geração que optou pela volta ao lar quer retornar ao trabalho", (The Opt Out Generation Wants Back In) . As mulheres retratadas na reportagem estão tentando recomeçar, mesmo muito abaixo da posição que tinham conquistado, mesmo em outras áreas, sob pressão financeira e, nos casos de divórcio, precisando do trabalho até para ter seguro-saúde.

Muita gente criticou o artigo e as entrevistadas, alegando que a mulher americana (especialmente essas com alto padrão de vida) não devia reclamar porque tem vida melhor do que a maioria das mulheres do mundo. Um argumento que não faz sentido. Não se trata de competição na desgraça. Se um prisioneiro levou dez chicotadas perde o direito de reclamar porque outro levou noventa? Não. Ambos deviam se unir para combater a tortura.

Outro argumento míope, que já ouvi algumas vezes: "Por que os que escolheram ter filhos devem ter o suporte dos que escolheram não ter?". Uma das respostas óbvias seria: Porque se ninguém tiver filhos, quem vai pagar sua pensão, cuidar de você na velhice? Onde vão estar os médicos, enfermeiros, agricultores, lixeiros, a infinidade de pessoas de quem nossa vida e bem-estar dependem?

Nos anos 70, houve uma tentativa de criar um sistema nacional de creches, mas os conservadores convenceram Nixon a vetar o projeto com o argumento de que isso tornaria fácil para a mulher trabalhar fora, o que seria o fim da família americana tradicional. Não deu resultado. Ainda que recebendo salários mais baixos para fazer o mesmo trabalho que os homens (77 centavos por dólar), ainda julgadas, (des)valorizadas pela aparência, a maioria das mulheres, mesmo com crianças pequenas, trabalha fora de casa. Porque querem, porque precisam. Depender de outro para seu sustento e dos filhos costuma ser uma estratégia arriscada.

Esse jogo duro contra a mulher-mãe-criança afeta profundamente o presente e o futuro de uma sociedade e, no entanto, o assunto não consta da agenda dos políticos, não aparece em discursos de campanha, de Republicanos ou Democratas. E as mulheres não pressionam como deveriam talvez porque, como foi dito acima, comparando sua situação com as histórias de horror, violência, vilania cometidas contra a mulher em todo o mundo, elas se considerem em posição privilegiada. Ou talvez seja o movimento de maré da história, estaríamos no fim de um período de recuo.

O fato é que há muitas batalhas pela frente, começando pela percepção da mulher sobre si mesma e sobre sua real situação. Como diz a escritoraJessica Valenti "para as mulheres na América, igualdade ainda é uma ilusão".

Ninguém espera que os EUA se equiparem à França, mas algumas medidas simples seriam um grande avanço: horários flexíveis, meio-expediente com pagamento proporcional para pai e mãe, tendo em vista os cuidados com a criança. Os homens também deveriam ter esse direito. Não precisariam ser restritos ao papel de contracheque, penalizados pelo trabalho excessivo que os distancia da família, tirando-lhes o direito a uma vida mais rica, mais saudável, em contato real com os filhos. Mudanças essenciais que beneficiariam a todos e ajudariam o país a se reencontrar.


Marilia Mota Silva
Washington, 18/9/2013

Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2013
01. Amor (in)Condicional - 5/6/2013
02. Quatro autores e um sentimento do mundo - 10/4/2013
03. De olho em você - 1/5/2013
04. O Precioso Livro da Miriam - 20/2/2013
05. O Nome Dele - 7/8/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Boas Vendas! Como vender mais e melhor no varejo
Vários Autores
Sebrae
(2007)



O cartaz
Abraham Moles
Perspectiva
(2005)



Einstein e o Universo Relativístico
José Cláudio Reis e outros
Atual
(2000)



O Processo do Trabalho e o Paradigma Constitucional Processual
Artur Torres
Ltr
(2012)



Trilogia o Século
Ken Follett
Arqueiro
(2010)



O Profeta
Sholem Asch
Companhia Nacional
(1958)



La Reina Jezabel
Jean Plaidy
Ediciones B
(2007)



Conheça e Defenda Seus Direitos
Nova Cultural
Nova Cultural
(2010)



Livro Literatura Estrangeira Assassins Creed 1 Renascença
Oliver Bowden
Galera Record
(2014)



O Brincar & A Realidade
D. W. Winnicott
Imago
(1975)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês