Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 9/7/2019
Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3500 Acessos



A Biblioteca Pública do Paraná acaba de nos presentear com a publicação de um excelente ensaio sobre o poeta Paulo Leminski. O autor do ensaio é o paranaense Rodrigo Garcia Lopes, que é nosso conhecido como poeta, tradutor, romancista, músico e ensaísta.

O livro se chama Roteiro Literário: Paulo Leminski. O primeiro grande valor desse trabalho de Rodrigo G. Lopes é o de alinhavar de forma exemplar a produção poética de Leminski a partir de três vertentes: a biográfica, a da transformação de sua poesia ao longo dos anos e adentrar os pressupostos estéticos-poéticos de sua obra.

Por muitos classificado como um poeta fácil, devido a sua ligação com os signos da comunicação social, ou por suas tiradas ligeiras e de fácil entendimento, Leminski recebe por parte de Rodrigo G. Lopes o tratamento que merece, ao ser retirado dessa clave superficial que não o percebe como um poeta do rigor, de múltiplas faces, antenado às grandes questões da poética moderna e contemporânea.

Como nos mostra Lopes, seus diálogos com criadores do porte de um Augusto de Campos, Haroldo de Campos, Décio Pignatari, Boris Schnaiderman, Affonso Ávila ou de músicos/compositores como Caetano, Gil, Jorge Mautner, Waly Salomão, dentre tantos outros criadores de sua geração, como também com poetas como Mallarmé, Eliot, Pound, atesta o ambiente profícuo ao qual Leminski transitou e do qual, sem dúvida, sofreu forte influência.

Criador em gêneros variados como o romance, poesia, letras de música, ensaio, conto e tradução, também manteve atividades ligadas à publicidade. Como comenta R. G. Lopes em seu ensaio, essas várias áreas não se constituíam como dispersão, mas um ajuntamento de linguagens e conhecimentos que só ampliavam sua verve de poeta. Dizia o próprio Leminski: “Se você quiser fazer só literatura, você talvez não faça literatura, porque ela se alimenta da vida e de outras coisas. Sou ávido de experiências e linguagens novas. À medida que se amplia o repertório de recursos, a poesia verbal se enriquece”.

Leminski, segundo R. G. Lopes, pertence ao grupo de poetas-críticos, ou seja, aqueles que além de produzirem poesia também refletem sobre a linguagem e seu significado dentro da criação poética. Esse interesse em pensar a linguagem foi intensificado no seu contato com os irmãos Campos e Décio, além das leituras atentas de Ezra Pound, Eliot e Paul Valéry, dentre outros.

Sob suspeita de ser um poeta de fácil comunicação (me lembro de um amigo que se propôs a fazer uma tese de mestrado sobre ele, nos idos de 1996, em uma de nossas grandes universidades e a banca que o entrevistou perguntou sobre a razão do interesse por um poeta midiático, aparentemente simplório, se tínhamos tantos poetas importantes para serem tema de tese), Leminski acabou sendo um dos poetas mais vendidos no Brasil: seu livro Caprichos e Relaxos vendeu, em 1983, cinco mil exemplares em vinte dias e, depois de sua morte, a edição de Toda Poesia, com 603 poemas, ficou na lista dos mais vendidos, como informa R. G. Lopes.

Mistura de intelectual rigoroso e hippie, sua imagem dança nessa corda bamba. Defensor da poesia como um “inutensílio” necessário, “uma necessidade orgânica de uma sociedade”, a imagem que nos ficou de Leminski é a de um anarco-poeta, zen-poeta, um eterno fora da linha, um romântico que dizia que “para ser poeta é necessário ser mais que poeta”.

R. G. Lopes defende a ideia de que Leminski conseguiu um equilíbrio entre construção e expressão, sendo a viagem da linguagem dentro da linguagem sua preocupação maior. Seu interesse por Joyce, Mallarmé, Beckett, Withman, Rimbaud, Eliot e outros já citados, demonstra as linhas de frente a que sua poesia se unia. Leminski viveu não só como poeta, mas como tradutor, aquele que se aprofunda na língua alheia para entender o funcionamento da linguagem na sua maior expressão, que é a literatura. Autores da mais alta estirpe passaram pelas suas mãos de tradutor: Joyce, Mishima, Whitman, Jarry, Ferlinghetti, Beckett, Bashô e muitos outros.

O ensaio de R. G. Lopes faz o enorme apanhado do que foi a produção de Leminski, que não nos cabe reproduzir aqui: poemas, canções (gravadas pelos principais músicos da MPB), biografias, romance, as traduções já citadas, artigos, crônicas, palestras etc. Também relembra seu espirito de polemista, boêmio, que fez de seus “ensaios-ninja” uma guerra contra a mediocridade provinciana de Curitiba e dos seus “pares”, os literatos da sua geração.

O interesse por uma poesia da comunicabilidade, como se o poeta descesse ao inferno dos signos da modernidade, querendo atingir um público maior, comunicando a ele o valor dessa “reserva ecológica da linguagem” que é a linguagem poética, o fez temperar com humor/trocadilhos/tiradas parte do que escrevia (muitas vezes também com o fel da desilusão, evidentemente).

Mas R. G. Lopes chama a atenção para a defesa que Leminski faria, lá pelos idos de 1985, de uma poesia mais estruturada, resgatando a poesia de Cabral, como os Concretos fizeram também, atenta à “constituição de objetos claramente estruturados, regidos por uma lei interna de construção e arquitetura, a arte aplicada ao fluxo verbal”.

No sentido do que se afirmou acima, R. G. Lopes defende o poeta dizendo “que pode-se acusar a poesia de Leminski de tudo, menos de ser prosa empilhada em linhas, cortada aleatoriamente, que é o que se vê em boa parte da poesia brasileira hoje”. Ou seja, Leminski prezava valores como a forma, a economia, a concisão, a clareza e o rigor na construção da poesia. É o que o levou, segundo R. G. Lopes, a partir da influência da poesia concreta, de Pound e da poesia oriental, a ter uma verdadeira abominação pelo verborrágico, pelo discursivo, pelo surrealismo e a poesia Beat, como pelo “psicológico, pelo típico, pelo profundo”.

Como uma espécie de Heideggeriano, Leminski tinha noção clara de que poesia não é linguagem sob algum disfarce esotérico, ideológico, decorativo ou ocasional. É a essência da linguagem quando a linguagem é.

O seu lado formalista é, na verdade, a busca pela simbiose entre forma e conteúdo e se relacionava com o rigor e o experimentalismo que moviam seu processo de criação. “A rima impede o verso de desmoronar”, dizia Leminski, temendo o caos e a desordem.



O ensaio de R. G. Lopes é uma aventura por estas e outras questões ligadas à poesia de Leminski, que o espaço dessa resenha não permite desenvolver. Suas análises de poemas, que é um ensaio de crítica literária à parte dentro do livro, nos permite adentrar os modos de construção e percepção da linguagem tal como Leminski os concebia e criava.

Tópicos importantes como os em que R. G. Lopes discute as funções da linguagem poética (fanopeia, melopeia, logopeia) e sua relação com a reflexão poética e crítica de Leminski, valem uma aproximação maior, pois aí se define o Leminski que está longe de ser aquele que a crítica minimizou, suavizou, tentando tratá-lo a partir da superfície, quando ele nadava em águas profundas do universo da poesia.

O livro de R. G. Lopes está aí para nos fazer mergulhar nessa profundeza com instrumentos mais sofisticados.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 9/7/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
02. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
03. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
04. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
05. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2019
01. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar - 16/7/2019
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito - 19/3/2019
03. Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes - 9/7/2019
04. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour - 17/9/2019
05. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite - 11/6/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUÍMICA ENSINO MÉDIO LIVRO DE ATIVIDADES
TELECURSO
FUND ROBERTO MARINHO
(2008)
R$ 25,00



RESISTÊNCIA
AGNÉS HUMBERT
NOVA FRONTEIRA
(2008)
R$ 15,00



GÊNIOS DA MÚSICA BIOGRAFIA DE COMPOSITORES CÉLEBRES
CARLOS IAFELICE
LIVRARIA TRIO
(1974)
R$ 69,40
+ frete grátis



A AMANTE DE BRECHT
JACQUES- PIERRE AMETTE
RECORD/ RJ.
(2005)
R$ 51,90



EXPOENTES DA CODIFICAÇÃO ESPÍRITA
DIVERSOS
FEP
(2002)
R$ 15,90



MATAR OU MORRER
CONTE LOPES
ND
(1994)
R$ 80,00



SUPERCONDUTIVIDADE: O LIMIAR DE UMA NOVA TECNOLOGIA
JONATHAN L. MAYO
MCGRAW-HILL / NEW TEC
(1989)
R$ 15,00



AS PUPILAS DO SENHOR REITOR 2
JULIO DINIZ
EUROPA AMERICA
R$ 4,00



O PROCESSO POLÍTICO AMERICANO
LEONARD W. LEVY / JOHN P. ROCHE
RECORD
(1964)
R$ 7,90



ARRHETON - DESEJO E VIDA NO TEU OLHAR (AUTOGRAFADO)
EDUARDO OYAKAWA
STILGRAF
(2014)
R$ 40,00





busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês