Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> São Francisco Xavier II
>>> Rugas e rusgas
>>> Orra, Meu
>>> Uma outra moda
>>> Ler ao acaso
>>> Um ano de reflexões na Big Apple
>>> Steve Jobs apresentando o iPad
>>> De quantos modos um menino queima?
Mais Recentes
>>> Um Amigo da Família de Lisa Jewell pela Record/ RJ. (2006)
>>> Antes Que Eu Queime de Gaute Heivol pela L&pm, Porto Alegre (2013)
>>> Estava Escrito - O que Realmente Sabmos sobre os Nossos Filhos? de Gunnar Staalesen pela Vertigo (2013)
>>> Queimado de Thomas Enger pela Amarilys (2015)
>>> Como Treinar um Grupo de Trabalho Eficiente (com 59 Psico- Jogos, de E de Rainer E. Kirsten / Joachim Müller-schwarz pela Ediouro (1980)
>>> À Margem da Poética Trovadoresca de Celso Ferreira da Cunha/ Autografado pela Dep. Imprensa Nacional/ Rj. (1950)
>>> A Formação Histórica da Língua Portuguesa de Francisco Silveira Bueno pela Livr. Acadêmica (1958)
>>> A Formação Histórica da Língua Portuguesa de Francisco Silveira Bueno pela Livr. Acadêmica (1955)
>>> Constituição do Estado de Minas Gerais: Estatuto dos Servidores Públic de José do Carmo Veiga de Oliveira: Organizad pela Del Rey/ Belo Horizonte (2003)
>>> Compêndio das Etapas do Processo Eleitoral: ... de J. Nepomuceno Silva: Organizador pela Del Rey/ Belo Horizonte (2010)
>>> (Re) Pensando a Pesquisa Jurídica de Miracy Barbosa de Souza Gustin (...) pela Del Rey/ Belo Horizonte (2006)
>>> A C Repórter - Tempo de Arraes e Vietnã do Norte de Antonio Callado pela Agir (2005)
>>> Mahoma, Profeta y Hombre de Estado de W.M.Watt pela Labor (1967)
>>> Em Risco de Stella Rimington pela Record/ RJ. (2010)
>>> O Círculo dos Eleitos de Vialdi Moreira/ Autogrfado pela Imprensa Oficial/ Belo Hte. (1987)
>>> A Amante de Brecht de Jacques- Pierre Amette pela Record/ RJ. (2005)
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2013)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 9/7/2019
Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2700 Acessos



A Biblioteca Pública do Paraná acaba de nos presentear com a publicação de um excelente ensaio sobre o poeta Paulo Leminski. O autor do ensaio é o paranaense Rodrigo Garcia Lopes, que é nosso conhecido como poeta, tradutor, romancista, músico e ensaísta.

O livro se chama Roteiro Literário: Paulo Leminski. O primeiro grande valor desse trabalho de Rodrigo G. Lopes é o de alinhavar de forma exemplar a produção poética de Leminski a partir de três vertentes: a biográfica, a da transformação de sua poesia ao longo dos anos e adentrar os pressupostos estéticos-poéticos de sua obra.

Por muitos classificado como um poeta fácil, devido a sua ligação com os signos da comunicação social, ou por suas tiradas ligeiras e de fácil entendimento, Leminski recebe por parte de Rodrigo G. Lopes o tratamento que merece, ao ser retirado dessa clave superficial que não o percebe como um poeta do rigor, de múltiplas faces, antenado às grandes questões da poética moderna e contemporânea.

Como nos mostra Lopes, seus diálogos com criadores do porte de um Augusto de Campos, Haroldo de Campos, Décio Pignatari, Boris Schnaiderman, Affonso Ávila ou de músicos/compositores como Caetano, Gil, Jorge Mautner, Waly Salomão, dentre tantos outros criadores de sua geração, como também com poetas como Mallarmé, Eliot, Pound, atesta o ambiente profícuo ao qual Leminski transitou e do qual, sem dúvida, sofreu forte influência.

Criador em gêneros variados como o romance, poesia, letras de música, ensaio, conto e tradução, também manteve atividades ligadas à publicidade. Como comenta R. G. Lopes em seu ensaio, essas várias áreas não se constituíam como dispersão, mas um ajuntamento de linguagens e conhecimentos que só ampliavam sua verve de poeta. Dizia o próprio Leminski: “Se você quiser fazer só literatura, você talvez não faça literatura, porque ela se alimenta da vida e de outras coisas. Sou ávido de experiências e linguagens novas. À medida que se amplia o repertório de recursos, a poesia verbal se enriquece”.

Leminski, segundo R. G. Lopes, pertence ao grupo de poetas-críticos, ou seja, aqueles que além de produzirem poesia também refletem sobre a linguagem e seu significado dentro da criação poética. Esse interesse em pensar a linguagem foi intensificado no seu contato com os irmãos Campos e Décio, além das leituras atentas de Ezra Pound, Eliot e Paul Valéry, dentre outros.

Sob suspeita de ser um poeta de fácil comunicação (me lembro de um amigo que se propôs a fazer uma tese de mestrado sobre ele, nos idos de 1996, em uma de nossas grandes universidades e a banca que o entrevistou perguntou sobre a razão do interesse por um poeta midiático, aparentemente simplório, se tínhamos tantos poetas importantes para serem tema de tese), Leminski acabou sendo um dos poetas mais vendidos no Brasil: seu livro Caprichos e Relaxos vendeu, em 1983, cinco mil exemplares em vinte dias e, depois de sua morte, a edição de Toda Poesia, com 603 poemas, ficou na lista dos mais vendidos, como informa R. G. Lopes.

Mistura de intelectual rigoroso e hippie, sua imagem dança nessa corda bamba. Defensor da poesia como um “inutensílio” necessário, “uma necessidade orgânica de uma sociedade”, a imagem que nos ficou de Leminski é a de um anarco-poeta, zen-poeta, um eterno fora da linha, um romântico que dizia que “para ser poeta é necessário ser mais que poeta”.

R. G. Lopes defende a ideia de que Leminski conseguiu um equilíbrio entre construção e expressão, sendo a viagem da linguagem dentro da linguagem sua preocupação maior. Seu interesse por Joyce, Mallarmé, Beckett, Withman, Rimbaud, Eliot e outros já citados, demonstra as linhas de frente a que sua poesia se unia. Leminski viveu não só como poeta, mas como tradutor, aquele que se aprofunda na língua alheia para entender o funcionamento da linguagem na sua maior expressão, que é a literatura. Autores da mais alta estirpe passaram pelas suas mãos de tradutor: Joyce, Mishima, Whitman, Jarry, Ferlinghetti, Beckett, Bashô e muitos outros.

O ensaio de R. G. Lopes faz o enorme apanhado do que foi a produção de Leminski, que não nos cabe reproduzir aqui: poemas, canções (gravadas pelos principais músicos da MPB), biografias, romance, as traduções já citadas, artigos, crônicas, palestras etc. Também relembra seu espirito de polemista, boêmio, que fez de seus “ensaios-ninja” uma guerra contra a mediocridade provinciana de Curitiba e dos seus “pares”, os literatos da sua geração.

O interesse por uma poesia da comunicabilidade, como se o poeta descesse ao inferno dos signos da modernidade, querendo atingir um público maior, comunicando a ele o valor dessa “reserva ecológica da linguagem” que é a linguagem poética, o fez temperar com humor/trocadilhos/tiradas parte do que escrevia (muitas vezes também com o fel da desilusão, evidentemente).

Mas R. G. Lopes chama a atenção para a defesa que Leminski faria, lá pelos idos de 1985, de uma poesia mais estruturada, resgatando a poesia de Cabral, como os Concretos fizeram também, atenta à “constituição de objetos claramente estruturados, regidos por uma lei interna de construção e arquitetura, a arte aplicada ao fluxo verbal”.

No sentido do que se afirmou acima, R. G. Lopes defende o poeta dizendo “que pode-se acusar a poesia de Leminski de tudo, menos de ser prosa empilhada em linhas, cortada aleatoriamente, que é o que se vê em boa parte da poesia brasileira hoje”. Ou seja, Leminski prezava valores como a forma, a economia, a concisão, a clareza e o rigor na construção da poesia. É o que o levou, segundo R. G. Lopes, a partir da influência da poesia concreta, de Pound e da poesia oriental, a ter uma verdadeira abominação pelo verborrágico, pelo discursivo, pelo surrealismo e a poesia Beat, como pelo “psicológico, pelo típico, pelo profundo”.

Como uma espécie de Heideggeriano, Leminski tinha noção clara de que poesia não é linguagem sob algum disfarce esotérico, ideológico, decorativo ou ocasional. É a essência da linguagem quando a linguagem é.

O seu lado formalista é, na verdade, a busca pela simbiose entre forma e conteúdo e se relacionava com o rigor e o experimentalismo que moviam seu processo de criação. “A rima impede o verso de desmoronar”, dizia Leminski, temendo o caos e a desordem.



O ensaio de R. G. Lopes é uma aventura por estas e outras questões ligadas à poesia de Leminski, que o espaço dessa resenha não permite desenvolver. Suas análises de poemas, que é um ensaio de crítica literária à parte dentro do livro, nos permite adentrar os modos de construção e percepção da linguagem tal como Leminski os concebia e criava.

Tópicos importantes como os em que R. G. Lopes discute as funções da linguagem poética (fanopeia, melopeia, logopeia) e sua relação com a reflexão poética e crítica de Leminski, valem uma aproximação maior, pois aí se define o Leminski que está longe de ser aquele que a crítica minimizou, suavizou, tentando tratá-lo a partir da superfície, quando ele nadava em águas profundas do universo da poesia.

O livro de R. G. Lopes está aí para nos fazer mergulhar nessa profundeza com instrumentos mais sofisticados.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 9/7/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour de Jardel Dias Cavalcanti
02. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende de Ana Elisa Ribeiro
03. Notas confessionais de um angustiado (VII) de Cassionei Niches Petry
04. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 de Renato Alessandro dos Santos
05. Treliças bem trançadas de Ana Elisa Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2019
01. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar - 16/7/2019
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito - 19/3/2019
03. Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes - 9/7/2019
04. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto - 5/3/2019
05. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite - 11/6/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A IMPRENSA NA HISTÓRIA DO BRASIL & FOTOJORNALISMO NO SÉCULO XX
OSWALDO MUNTEAL & LARISSA GRANDI
DESIDERATA/PUC
(2005)
R$ 70,00



UM ROSTO DE MENINA
JOSUÉ MONTELLO
DIFEL
(1983)
R$ 10,00



A LIÇÃO FINAL
RANDY PAUSCH
AGIR
(2012)
R$ 9,92



CURSO DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL - VOL. 3
HUMBERTO THEODORO JÚNIOR
FORENSE
(1998)
R$ 39,90



ZABIBA E O REI, 5ª EDIÇÃO
SADDAM HUSSEIN
PUBLICAÇÕES EUROPA - AMÉRICA
(2003)
R$ 65,70



CESPE UNB: 3.000 QUESTÕES COMENTADAS - COLEÇÃO PASSE JÁ
GIANCARLA BOMBONATO
ALFACON
(2015)
R$ 168,30



AS MALUQUICES DO IMPERADOR
PAULO SETÚBAL
SARAIVA
(1971)
R$ 10,00



TERÇO DO MILÊNIO - ORAÇÕES PARA MELHORAR O MUNDO
PAULINO BRANCATO JÚNIOR
NÃO CONSTA
R$ 5,00



ODDISSÉIA
HOMERO
ABRIL
(1981)
R$ 25,00
+ frete grátis



COMPREENSÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL
LENIR ANTONIO HANNECKER
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 363,00





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês