Fui pra Cuba | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme recebe o pianista Matheus Ferreira na série EntreMeios
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Filmes de saiote
>>> Aerosmith no Morumbi
>>> E aí...
>>> Goodbye, virtual. Hello, new.
>>> Alguém ainda acredita em Deus?
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> A soberba de Beauvoir
>>> Somos todos consumidores
Mais Recentes
>>> Budapeste de Chico Buarque pela Companhia das Letras (2003)
>>> Sábado de Ian McEwan pela Companhia das Letras (2008)
>>> Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Hollanda pela Companhia das Letras (1999)
>>> Redes Sociais -Twitter,Orkut e Facebook -Oque é certo e errado nas redes sociais de Revista exame pela Abril (2013)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Objetivo (2000)
>>> Quincas Borba -Texto Completo de Machado de Assis pela Avenida (2000)
>>> Mojo The Collectors´ Series de Led Zeppelin 1968 - 1973 pela Bauer Media (2020)
>>> O Cortiço [Coleção Vestibular] de Aluisio Azevedo pela Klick (2000)
>>> Psicologia Para A Vida Familiar – Uma Abordagem Situacional de Paul Hersey e Kenneth H. Blanchard pela Epu (1986)
>>> Julio Cesar de William Shakespeare de William Shakespere pela Ediouro (2015)
>>> Personalidade de Dante Moreira Leite pela Nacional (1967)
>>> He – A Chave do Entendimento da Psicologia Masculina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> O Cão de Baskerville -uma aventura de Sherlock Holmes de Sir Arthur Conan Doyle pela Lpm pocket (2015)
>>> Introdução à Psicologia das Relações Humanas de Irene Mello Carvalho pela Fundação Getúlio Vargas (1964)
>>> A Arte do Aconselhamento Psicológico de Rollo May pela Vozes (1987)
>>> Entre o sertão e Sevilha - de Joao Cabral de Melo Neto pela Ediouro (1997)
>>> Maturidade Psicológica de Angela Maria La Sala Batà pela Pensamento (1983)
>>> Um olhar sobre as serviçais domésticas na literatura portuguesa de Sonia Mara Ruiz Brown pela Brazil Publishing (2020)
>>> o Feiticeiro da Montanha de Fogo - de Steve Jackson pela Jambo (2010)
>>> A definição da psicologia de Fred S.Keller pela E.p.u (1975)
>>> CD Gaúcho da fronteira de Warner music Brasil pela Chantêcler Sonopress (1994)
>>> A inteligência aprisionada de Alicia Fernández pela Artmed (1991)
>>> Veja 25 anos - Reflexões para o Futuro de Diversos pela Abril (1990)
>>> O Enorme livro dos pensamentos de Casseta volume 2 - de Casseta&Planeta pela Record (2012)
>>> Uma Teoria da Justiça de John Rawls pela Presença (2016)
>>> "Encaramujado" ,uma viagem de Kombi pelo Brasil - n de Antoio Lino pela Creative Commons (2011)
>>> Para Leer El Capital - Biblioteca Del Pensamiento Socialista de Louis Althusser; Etienne Balibar pela Siglo Veintiuno (1977)
>>> Aa 500 Melhores coisas de ser pai . de Sérgio Franco pela Matrix (2009)
>>> Três Sombras - em quadrinhos de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos na Companhia (2009)
>>> A Arte de ser leve de Leila Ferreira pela Globo (2010)
>>> Construindo uma Vida de Roberto Justus pela Larousse (2007)
>>> Espaço de G. Carmo pela Ibrasa (1984)
>>> Senha: "Coragem ! " de John Castle pela Flamboyant (1965)
>>> Don Quixote Americano de Richard Powell pela Nova Fronteira (2003)
>>> As Duas Vidas de Audrey Rose de Frank de Fellita pela Circulo do Livro (1975)
>>> O Duelo de Roger Pla pela Brasileira (1951)
>>> Freud e o Desejo de Marie Cariou pela Imago (1978)
>>> O Ponto da Virada de Malcolm Gladwell pela Sextante (2009)
>>> Passeando Pela Vida Lições de Filosofia de Lúcio Packter pela Garapuvu (1999)
>>> A vulnerabilidade do ser de Claudia Andujar pela Cosac Naif (2005)
>>> A Relação ao Outro em Husserl e Levinas de Marcelo Luiz Pelizzoli pela Edipucrs (1994)
>>> O Pensamento Vivo de Teilhard de Chardin de José Luiz Archanjo pela Martin Claret (1988)
>>> Revista Brasileira de Filosofia – Volume XLVI – Fascículo 190 de Vários Autores pela Instituto Brasileira de Filosofia (1998)
>>> Grandes Tendências na Filosofia do Século XX e Sua Influência no Brasil de Urbano Zilles pela Educs (1987)
>>> Descartes – Os Pensadores de Rene Descartes pela Abril Cultural (1983)
>>> O mistério da estrela cadente de Vários Autores pela Ftd (1996)
>>> Lydia e Eu de Dimia Fargon pela Literis (2010)
>>> Na saga dos anos 60 de Carlos Olavo da Cunha Pereira pela Geração (2013)
>>> O paraíso dos desafortunados de Amanda Hernández Marques pela Chiado (2013)
>>> Madamme C 05 de Vinícius Ulrich pela Rocco (2000)
COLUNAS

Sexta-feira, 12/2/2016
Fui pra Cuba
Marta Barcellos

+ de 2600 Acessos

Arrisco-me. Com este título, meu texto pode ser lido na diagonal por pessoas apressadas e atraídas pela possibilidade de confirmar suas convicções políticas – a favor de Fla, ou de Flu. Estou no ambiente da internet, devo lembrar. Se quiser outro tipo de leitores, devo ao menos mudar o título, tirar a menção a Cuba. Ao “vai pra Cuba”.

Mas prossigo, no título, na intenção. Não vou falar de política, não desta política. E fui pra Cuba. Fui para descobrir que também eu costumo partir de convicções pré-estabelecidas: minha modesta vantagem é a flexibilidade e alguma vontade de me questionar.

Reconheço agora que se engendrava, em minha cabeça, no trajeto entre Rio e Panamá, sob a expectativa do pouso na ilha mítica, uma espécie de hipótese acadêmica, ou pré-pauta jornalística. Parada no tempo pré-consumo, Cuba seria mais do que um lugar de investigação do passado, mas também uma espécie de laboratório para pesquisar o futuro. A hipótese: haveria uma aproximação entre os cubanos e os jovens europeus (de países ricos, diga-se) anticapitalistas, que esnobam posses, e buscam “apenas” uma vida sustentável, sem automóveis ou PIBs crescentes?

Fui criada com utopias, e elas grudam em mim com facilidade (o que acho ótimo). Che é o herói perfeito - morreu heroicamente no tempo das utopias, antes que as coisas se complicassem. Pois, em Cuba, refestelei-me no mito Che e surpreendi-me com a beleza pacata (e nem tão descascada) de Havana. Eu tentava ultrapassar a condição de turista, para encontrar o cubano que conversaria francamente comigo, fornecendo-me todas as respostas (a confirmação da minha hipótese/pauta?), quando conheci Francisco e sua esposa.

Do alto de minha arrogância política-intelectual, despenquei num clichê, eu saberia depois. Um golpe do vigário.

No conto do vigário (“história elaborada com o objetivo de burlar alguém”) mais clássico, a vítima é fisgada por causa de sua ambição e da possibilidade de levar alguma vantagem, especialmente financeira. É quando o velhinho compra o bilhete da loteria “premiado”, crente de estar se “dando bem” em cima de uma pobre criatura desesperada (na verdade, o vigarista). Ou quando acreditamos na promoção oferecida pelo telemarketing, e aceitamos aquela milagrosa redução na conta do celular, ou aquele cartão de crédito estranhamente sem anuidade. Há golpes do vigário que vão parar na delagacia, outros no Procon, mas a maioria fica impune por envolver somente uma pequena – ou vergonhosa – perda.

Em geral, sou bastante desconfiada de situações nas quais me oferecem vantagem financeira. Não me orgulho disso, pois é algo que pode me afastar da generosidade alheia. Mas, pelo menos no caso das promoções arrasadoras, adotei um ceticismo automático: não gosto delas. Ao telefone, costumo deixar mudos os operadores de telemarketing: não, obrigada, não gosto de promoções, prefiro pagar caro. Prefiro não quero gastar minha energia para descobrir o quanto as vantagens são enganadoras – e não arrasadoras –, para, no fim, ainda perder um pouco da fé na humanidade. Digamos que costumo perder promoções fantásticas, mas vivo bem sem elas.

Dito isto, voltemos a Francisco e sua esposa. Se eles tivessem nos abordado oferecendo alguma vantagem na rua, certamente teríamos os identificado melhor. Mas não. Começou a chover, o museu planejado estava em reforma e paramos sob a marquise por alguns instantes: o que fazer já no quarto dia do centro histórico de Havana, com chuva? Foi quando Francisco, passando pela rua de mãos dadas com a esposa, reconheceu meu marido. Não se lembra de mim?, perguntou. Era funcionário do nosso hotel, estava de folga. .

Simpáticos, mas apressados, tentaram nos dar dicas, apontando a rua onde haveria um festival de salsa mais tarde, próximo também da casa onde Fidel Castro morou antes da revolução, próximo também cooperativa dos produtores de charutos. O caminho não parecia claro, apesar dos muitos gestos, quando a esposa de Francisco, sombrinha cor de rosa em punho, decidiu levar-nos, logo ali, tão próximo. Adorava o Brasil, as novelas, as músicas de Roberto Carlos. Por isso a gentileza, o andar apressado para poder em seguida retomar os compromissos do dia, ela professora, mãe de gêmeas. .

Não fui fisgada pela promessa de festival de salsa fora do roteiro turístico, nem pela perspectiva de comprar charutos mais baratos numa cooperativa. Fui fisgada pela vaidade de poder ser amiga da esposa de Francisco, pensaria mais tarde no hotel, relembrando minha decepção ao ver a expressão simpática dela se fechar, quando dissemos claramente que não compraríamos charutos. Eu, vítima. Vítima de uma trambiqueira, que nos fez pagar uma conta absurda de mojitos numa espécie de bar-emboscada, eu que só queria conversar, ser sua amiga, saber desinteressadamente de sua vida. .

Será? .

Pois é. A vítima do conto do vigário em geral não é tão inocente assim. Eu havia tirado fotos da sua “libreta”, a famosa caderneta de controle dos mantimentos dados pelo governo, e feito perguntas sobre a sua exótica rotina de cidadã cheia de saúde, de escolaridade e sem nenhuma liberdade. Era isso mesmo? E quanto aos detalhes: o que ela poderia me contar para que, ao voltar de viagem, eu pudesse postar minhas exclusivas impressões na rede social, junto com as fotos? Ora, fiquei amiga de uma cubana, me gabaria. Fui pra Cuba e no próximo debate teria minhas opiniões abalizadas. .

Exatamente como os gringos que sobem a favela de jipões camuflados, para “conhecer” de perto os pobres brasileiros. .

Claro que essa reflexão só veio depois, bem depois. Primeiro, espumei de raiva. Repassei minuciosamente o começo do encontro com o casal, cada detalhe, até ter certeza de que Francisco não era funcionário do hotel coisa nenhuma, que não foi por causa da religião afrocubana que minha amiga fugiu do selfie e que até as fotos três por quatro das gêmeas na carteira podiam ser armação. Talvez Francisco fosse apenas um nome emprestado do Papa, que andou por lá. Uma piada interna do casal. .

Enfim, fui pra Cuba e não “desvendei” Cuba. Minhas desculpas para quem chegou até aqui tentando descobrir se sou coxinha ou petralha. Voltei de Cuba com mais perguntas do que antes, e rindo da minha ingênua hipótese/pauta. Tive apenas minha experiência exótica de viagem. Para refletir sobre ela. .



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 12/2/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
02. Esboços de uma biografia precoce não autorizada de Cassionei Niches Petry
03. Quase cinquenta de Marta Barcellos
04. A Nouvelle Vague e Godard de Humberto Pereira da Silva
05. Todo mundo é bonito de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PRINCIPLES AND PRACTICE OF INFECTIOUS DISEASES VOLUME 1
GERALD L MANDELL
CHURCHILL
(1979)
R$ 39,90



O MERCADO NA ECONOMIA MODERNA
JAN S. HOGENDORN
ZAHAR
(1975)
R$ 18,00



MUITO BARULHO POR NADA
WILLIAM SHAKESPEARE
LELLO & IRMÃO
(1955)
R$ 20,00
+ frete grátis



MARKETING E COMUNICAÇÃO EM TEMPO REAL
SCOTT, DAVID MEERMAN
EDITORA ÉVORA
(2011)
R$ 89,90



EXPLOSÃO URBANA NA AMÉRICA LATINA
GLENN H. BEYER (CAPA DURA)
VICTOR PUBLICAÇÕES (RJ)
(1969)
R$ 27,00



O PEREGRINO
JOHN BUNYAN
PRINCIPIS
(2019)
R$ 15,00



DICIONÁRIO TÉCNICO DE AGRICULTURA
BERND KURT HASELOFF
GIRASSOL
(1975)
R$ 12,24



VOL 2 - 14ª EDIÇÃO - CURSO DE DIREITO COMERCIAL
RUBENS REQUIÃO
SARAIVA
(1995)
R$ 5,00



NUVENS E CALMARIAS
WALDIR CARTOLA
CARTHAGO
(1999)
R$ 12,00



ANUÁRIO DELTA UNIVERSAL 1991 VOL. 2
EDITORA DELTA
DELTA
(1991)
R$ 14,90





busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês