Fui pra Cuba | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OSC Usina da Imaginação, de SC, apresenta obras de crianças e jovens produzidas na pandemia
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi
>>> Açaí com jabá - curta-metragem
>>> End User: We read the manuals
>>> Vivo
>>> Águas de Março
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
Mais Recentes
>>> Tex Nº 247 de G. L. Bonelli pela Globo (1990)
>>> Os gansos selvagens de Bassan de Anne Hébert pela Guanabara (1986)
>>> Tex Nº 244 de G. L. Bonelli pela Globo (1990)
>>> Deixemos falar o vento de Juan Carlos Onetti pela Francisco Alves (1981)
>>> Tex Coleção Nº 125 de G. L. Bonelli pela Globo (1997)
>>> Tex Nº 303 de G. L. Bonelli pela Globo (1994)
>>> Tex Coleção Nº 33 de G. L. Bonelli pela Globo (1989)
>>> A Sutil Arte de Ligar o Foda-se de Mark Manson pela Intrinseca (2017)
>>> Desenho Mecânico de José Oliveira, Luiz Fiorani, Luiz Junior e Luiz Bonasi pela Tetra
>>> Desenho Técnico de José Oliveira, Luiz Fiorani, Luiz Junior e Luiz Bonasi pela Tetra
>>> História da gastronomia paulista de História da gastronomia paulista pela Sem
>>> Resgate de um cão de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1989)
>>> O resgate do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2012)
>>> Small G de Patricia Highsmith pela Mandarim (1996)
>>> As Brumas de Avalon - A Grande Rainha - livro 2 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1989)
>>> O amor não tem limites de Amadeu Ribeiro pela Vida & Consciência (2013)
>>> Fabulosos X-Men: Revolução de Brian Michael Bendis pela Panini Comics (2015)
>>> As Brumas de Avalon - A Senhora da Magia - livro 1 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1989)
>>> O diário de Edith de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1989)
>>> Desperta ao amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> O grito da coruja de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1988)
>>> A maldição do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2011)
>>> Cela de vidro de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1990)
>>> Thor: Em Nome do Pai de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2012)
>>> O manual do bruxo de Allan Zola Kronzek pela Sextante (2003)
COLUNAS

Sexta-feira, 12/2/2016
Fui pra Cuba
Marta Barcellos

+ de 3000 Acessos

Arrisco-me. Com este título, meu texto pode ser lido na diagonal por pessoas apressadas e atraídas pela possibilidade de confirmar suas convicções políticas – a favor de Fla, ou de Flu. Estou no ambiente da internet, devo lembrar. Se quiser outro tipo de leitores, devo ao menos mudar o título, tirar a menção a Cuba. Ao “vai pra Cuba”.

Mas prossigo, no título, na intenção. Não vou falar de política, não desta política. E fui pra Cuba. Fui para descobrir que também eu costumo partir de convicções pré-estabelecidas: minha modesta vantagem é a flexibilidade e alguma vontade de me questionar.

Reconheço agora que se engendrava, em minha cabeça, no trajeto entre Rio e Panamá, sob a expectativa do pouso na ilha mítica, uma espécie de hipótese acadêmica, ou pré-pauta jornalística. Parada no tempo pré-consumo, Cuba seria mais do que um lugar de investigação do passado, mas também uma espécie de laboratório para pesquisar o futuro. A hipótese: haveria uma aproximação entre os cubanos e os jovens europeus (de países ricos, diga-se) anticapitalistas, que esnobam posses, e buscam “apenas” uma vida sustentável, sem automóveis ou PIBs crescentes?

Fui criada com utopias, e elas grudam em mim com facilidade (o que acho ótimo). Che é o herói perfeito - morreu heroicamente no tempo das utopias, antes que as coisas se complicassem. Pois, em Cuba, refestelei-me no mito Che e surpreendi-me com a beleza pacata (e nem tão descascada) de Havana. Eu tentava ultrapassar a condição de turista, para encontrar o cubano que conversaria francamente comigo, fornecendo-me todas as respostas (a confirmação da minha hipótese/pauta?), quando conheci Francisco e sua esposa.

Do alto de minha arrogância política-intelectual, despenquei num clichê, eu saberia depois. Um golpe do vigário.

No conto do vigário (“história elaborada com o objetivo de burlar alguém”) mais clássico, a vítima é fisgada por causa de sua ambição e da possibilidade de levar alguma vantagem, especialmente financeira. É quando o velhinho compra o bilhete da loteria “premiado”, crente de estar se “dando bem” em cima de uma pobre criatura desesperada (na verdade, o vigarista). Ou quando acreditamos na promoção oferecida pelo telemarketing, e aceitamos aquela milagrosa redução na conta do celular, ou aquele cartão de crédito estranhamente sem anuidade. Há golpes do vigário que vão parar na delagacia, outros no Procon, mas a maioria fica impune por envolver somente uma pequena – ou vergonhosa – perda.

Em geral, sou bastante desconfiada de situações nas quais me oferecem vantagem financeira. Não me orgulho disso, pois é algo que pode me afastar da generosidade alheia. Mas, pelo menos no caso das promoções arrasadoras, adotei um ceticismo automático: não gosto delas. Ao telefone, costumo deixar mudos os operadores de telemarketing: não, obrigada, não gosto de promoções, prefiro pagar caro. Prefiro não quero gastar minha energia para descobrir o quanto as vantagens são enganadoras – e não arrasadoras –, para, no fim, ainda perder um pouco da fé na humanidade. Digamos que costumo perder promoções fantásticas, mas vivo bem sem elas.

Dito isto, voltemos a Francisco e sua esposa. Se eles tivessem nos abordado oferecendo alguma vantagem na rua, certamente teríamos os identificado melhor. Mas não. Começou a chover, o museu planejado estava em reforma e paramos sob a marquise por alguns instantes: o que fazer já no quarto dia do centro histórico de Havana, com chuva? Foi quando Francisco, passando pela rua de mãos dadas com a esposa, reconheceu meu marido. Não se lembra de mim?, perguntou. Era funcionário do nosso hotel, estava de folga. .

Simpáticos, mas apressados, tentaram nos dar dicas, apontando a rua onde haveria um festival de salsa mais tarde, próximo também da casa onde Fidel Castro morou antes da revolução, próximo também cooperativa dos produtores de charutos. O caminho não parecia claro, apesar dos muitos gestos, quando a esposa de Francisco, sombrinha cor de rosa em punho, decidiu levar-nos, logo ali, tão próximo. Adorava o Brasil, as novelas, as músicas de Roberto Carlos. Por isso a gentileza, o andar apressado para poder em seguida retomar os compromissos do dia, ela professora, mãe de gêmeas. .

Não fui fisgada pela promessa de festival de salsa fora do roteiro turístico, nem pela perspectiva de comprar charutos mais baratos numa cooperativa. Fui fisgada pela vaidade de poder ser amiga da esposa de Francisco, pensaria mais tarde no hotel, relembrando minha decepção ao ver a expressão simpática dela se fechar, quando dissemos claramente que não compraríamos charutos. Eu, vítima. Vítima de uma trambiqueira, que nos fez pagar uma conta absurda de mojitos numa espécie de bar-emboscada, eu que só queria conversar, ser sua amiga, saber desinteressadamente de sua vida. .

Será? .

Pois é. A vítima do conto do vigário em geral não é tão inocente assim. Eu havia tirado fotos da sua “libreta”, a famosa caderneta de controle dos mantimentos dados pelo governo, e feito perguntas sobre a sua exótica rotina de cidadã cheia de saúde, de escolaridade e sem nenhuma liberdade. Era isso mesmo? E quanto aos detalhes: o que ela poderia me contar para que, ao voltar de viagem, eu pudesse postar minhas exclusivas impressões na rede social, junto com as fotos? Ora, fiquei amiga de uma cubana, me gabaria. Fui pra Cuba e no próximo debate teria minhas opiniões abalizadas. .

Exatamente como os gringos que sobem a favela de jipões camuflados, para “conhecer” de perto os pobres brasileiros. .

Claro que essa reflexão só veio depois, bem depois. Primeiro, espumei de raiva. Repassei minuciosamente o começo do encontro com o casal, cada detalhe, até ter certeza de que Francisco não era funcionário do hotel coisa nenhuma, que não foi por causa da religião afrocubana que minha amiga fugiu do selfie e que até as fotos três por quatro das gêmeas na carteira podiam ser armação. Talvez Francisco fosse apenas um nome emprestado do Papa, que andou por lá. Uma piada interna do casal. .

Enfim, fui pra Cuba e não “desvendei” Cuba. Minhas desculpas para quem chegou até aqui tentando descobrir se sou coxinha ou petralha. Voltei de Cuba com mais perguntas do que antes, e rindo da minha ingênua hipótese/pauta. Tive apenas minha experiência exótica de viagem. Para refletir sobre ela. .



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 12/2/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os defeitos meus de Renato Alessandro dos Santos
02. Paulo Mendes da Rocha (1929-2021) de Julio Daio Borges
03. 10 razões para esquecer 2005 de Marcelo Maroldi


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teoria e Prática da Ação Possessória
Christiano Almeida do Valle
Aide
(1985)



Dicionário de Pintores Brasileiros 2 Vol.
Vários
Spala Bozano Simonsen
(1986)



Francisco candido xavier
Fonte viva pelo espirito emmanuel
Feb
(1972)



Desenho para o Curso Colegial
Sennem Bandeira
Aurora
(1957)



Sexo x Afeto - o Grande Desafio
Sheiva Cherman
Sathya



As Max Saw It
Louis Begley
Knopf
(1994)



Ultrapassando limites
Annie Bryant
Fundamento
(2010)



No Inferno
George P. Pelecanos
Companhia das Letras
(2008)



A Odisseia - Coleção Mitologia Helênica
Homero; Tradução: Menelaos Stephanides
Odysseus
(2011)



As melhores histórias da mitologia
A.S. Franchini
L&Pm
(2012)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês