Fui pra Cuba | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
31833 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor III: AMARELO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Historia de Hotmail
>>> Maria Rita: música em estado febril
>>> Ser mãe
>>> Companheiros de Jornada
>>> Aloysio Nunes sobre a mentira
>>> ambiguities and lies
>>> Literatura brasileira hoje
>>> Detefon, almofada e trato
>>> Noturno para os notívagos
>>> YouTube, lá vou eu
Mais Recentes
>>> Wild Cards: Ases nas Alturas de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Wild Cards: O Começo de Tudo de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Superman: Uma Biografia Não Autorizada de Glen Weldon pela Leya (2016)
>>> Os Últimos Dias de Krypton de Kevin J. Anderson pela Leya (2013)
>>> Wayne de Gotham de Tracy Hickman pela Leya (2013)
>>> Tokyo Ghoul: re v.1 de Siu Ishida pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Ataque dos Titãs v.19 de Hajime Isayama pela Panini Comics, Planet Manga (2016)
>>> Jojo's Bizarre Adventure: (Parte 2) Battle Tendency v.2 de Hirohiko Araki pela Panini Comics, Planet Manga (2019)
>>> Jojo's Bizarre Adventure: (Parte 2) Battle Tendency v.3 de Hirohiko Araki pela Panini Comics, Planet Manga (2019)
>>> Berserk v.30 de Kentaro Miura pela Panini Comics, Planet Manga (2019)
>>> BTOOOM! v.6 de Junya Inoue pela Jbc (2014)
>>> Assassination Classroom v.15 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2016)
>>> Assassination Classroom v.16 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.17 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.18 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.21 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Assassination Classroom v.19 de Yusei Matsui pela Panini Comics, Planet Manga (2017)
>>> Gentleman - A Timesless Guide to Fashion de Bernhard Roetzel pela H. F. Ullmann (2009)
>>> Obras Completas - Volume VI de Gil Vicente pela Sá da Costa (1955)
>>> Curso de Português Jurídico de Regina Toledo Damião e Antonio Henriques pela Atlas (1999)
>>> Bíblia Sagrada para a Família Católica de Padre Antônio Pereira de Figueiredo (trad.) pela Barsa (1969)
>>> Toda sua de Sylvia Day pela Paralela (2012)
>>> As Primícias: Alegoria Político- Sexual Em 7 Quadros de Dias Gomes pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Sangue Errante (Série Negra) de James Ellroy pela Record/ RJ. (2011)
>>> Tao-Te King de Lao-Tzu pela Pensamento (1995)
>>> O Rei de Ramos (com as Letras e Canções de Chico Buarque) de Dias Gomes pela Civilização Brasileira/ Rio (1979)
>>> A Invasão de Dias Gomes pela Civilização Brasileira/ Rio (1983)
>>> O Rei de Ramos (com as Letras e Canções de Chico Buarque) de Dias Gomes; Prefácio: Flávio Rangel pela Civilização Brasileira/ Rio (1979)
>>> Carter e o Diabo de Glen David Gold pela Record (2004)
>>> O Fazedor de Cercas de Sun Ling pela Carthago & Forte (1995)
>>> Vitória na Derrota: a morte de Getúlio Vargas de Ronaldo Conde Aguiar pela Verbena (2014)
>>> Percy Jackson e Os Olimpianos A maldição do Titã de Rick Riordan pela Intrínseca (2009)
>>> A Invasão de Dias Gomes pela Civilização Brasileira/ Rio (1983)
>>> Uma Fênix em Praga de Suely Burriasco pela Novo Século (2009)
>>> Violência, Democracia e Segurança Cidadã: o caso das polícias no Distrito Federal de Maria Stella Grossi Porto (Org.) pela Verbena (2017)
>>> Raízes do Turismo no Brasil de Mário Jorge Pires pela Manole (2002)
>>> Um Aprendiz de Quixote de Rogério Cezar de Cerqueira Leite pela Verbena (2016)
>>> Sucupira, Ame-a Ou Deixe-a: Venturas e Desventuras de Zeca Diabo... de Dias Gomes pela Bertrand Brasil/ Rj. (1998)
>>> Histórias de Amor Ardente de Louise Erdrich pela Record (1998)
>>> O Orgulho de Ser Mulher de Shere Hite pela Sextante (2004)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luís Fernando Veríssimo pela Objetiva (2008)
>>> Teatro V: A Cigarra e os Formigas/ Camaleão e a Batatas Mágicas/ Quem Matou o Leão? O Patinho Feio de Maria Clara Machado pela Agir/ RJ. (1979)
>>> Trinta Anos Esta Noite: 1964, o que vi e vivi de Paulo Francis pela Verbena (2019)
>>> Histórias de Autômatos de Mario G. Losano pela Companhia das Letras (1992)
>>> Sociologia da Violência: do conceito às representações sociais de Maria Stella Grossi Porto pela Verbena (2010)
>>> Percy Jackson e os Olimpianos O Mar de Monstros de Rick Riordan pela Intrínseca (2013)
>>> O Curto Reinado de Pepino IV de John Steinbeck pela Record (1970)
>>> Saúde Penitenciária no Brasil: plano e política de Martinho Silva pela Verbena (2015)
>>> Olhos Abertos: a história da nova China de Ivan Quagio pela Verbena (2009)
>>> Sereníssima de Erica Jong pela Circulo do Livro (1987)
COLUNAS

Sexta-feira, 12/2/2016
Fui pra Cuba
Marta Barcellos

+ de 2100 Acessos

Arrisco-me. Com este título, meu texto pode ser lido na diagonal por pessoas apressadas e atraídas pela possibilidade de confirmar suas convicções políticas – a favor de Fla, ou de Flu. Estou no ambiente da internet, devo lembrar. Se quiser outro tipo de leitores, devo ao menos mudar o título, tirar a menção a Cuba. Ao “vai pra Cuba”.

Mas prossigo, no título, na intenção. Não vou falar de política, não desta política. E fui pra Cuba. Fui para descobrir que também eu costumo partir de convicções pré-estabelecidas: minha modesta vantagem é a flexibilidade e alguma vontade de me questionar.

Reconheço agora que se engendrava, em minha cabeça, no trajeto entre Rio e Panamá, sob a expectativa do pouso na ilha mítica, uma espécie de hipótese acadêmica, ou pré-pauta jornalística. Parada no tempo pré-consumo, Cuba seria mais do que um lugar de investigação do passado, mas também uma espécie de laboratório para pesquisar o futuro. A hipótese: haveria uma aproximação entre os cubanos e os jovens europeus (de países ricos, diga-se) anticapitalistas, que esnobam posses, e buscam “apenas” uma vida sustentável, sem automóveis ou PIBs crescentes?

Fui criada com utopias, e elas grudam em mim com facilidade (o que acho ótimo). Che é o herói perfeito - morreu heroicamente no tempo das utopias, antes que as coisas se complicassem. Pois, em Cuba, refestelei-me no mito Che e surpreendi-me com a beleza pacata (e nem tão descascada) de Havana. Eu tentava ultrapassar a condição de turista, para encontrar o cubano que conversaria francamente comigo, fornecendo-me todas as respostas (a confirmação da minha hipótese/pauta?), quando conheci Francisco e sua esposa.

Do alto de minha arrogância política-intelectual, despenquei num clichê, eu saberia depois. Um golpe do vigário.

No conto do vigário (“história elaborada com o objetivo de burlar alguém”) mais clássico, a vítima é fisgada por causa de sua ambição e da possibilidade de levar alguma vantagem, especialmente financeira. É quando o velhinho compra o bilhete da loteria “premiado”, crente de estar se “dando bem” em cima de uma pobre criatura desesperada (na verdade, o vigarista). Ou quando acreditamos na promoção oferecida pelo telemarketing, e aceitamos aquela milagrosa redução na conta do celular, ou aquele cartão de crédito estranhamente sem anuidade. Há golpes do vigário que vão parar na delagacia, outros no Procon, mas a maioria fica impune por envolver somente uma pequena – ou vergonhosa – perda.

Em geral, sou bastante desconfiada de situações nas quais me oferecem vantagem financeira. Não me orgulho disso, pois é algo que pode me afastar da generosidade alheia. Mas, pelo menos no caso das promoções arrasadoras, adotei um ceticismo automático: não gosto delas. Ao telefone, costumo deixar mudos os operadores de telemarketing: não, obrigada, não gosto de promoções, prefiro pagar caro. Prefiro não quero gastar minha energia para descobrir o quanto as vantagens são enganadoras – e não arrasadoras –, para, no fim, ainda perder um pouco da fé na humanidade. Digamos que costumo perder promoções fantásticas, mas vivo bem sem elas.

Dito isto, voltemos a Francisco e sua esposa. Se eles tivessem nos abordado oferecendo alguma vantagem na rua, certamente teríamos os identificado melhor. Mas não. Começou a chover, o museu planejado estava em reforma e paramos sob a marquise por alguns instantes: o que fazer já no quarto dia do centro histórico de Havana, com chuva? Foi quando Francisco, passando pela rua de mãos dadas com a esposa, reconheceu meu marido. Não se lembra de mim?, perguntou. Era funcionário do nosso hotel, estava de folga. .

Simpáticos, mas apressados, tentaram nos dar dicas, apontando a rua onde haveria um festival de salsa mais tarde, próximo também da casa onde Fidel Castro morou antes da revolução, próximo também cooperativa dos produtores de charutos. O caminho não parecia claro, apesar dos muitos gestos, quando a esposa de Francisco, sombrinha cor de rosa em punho, decidiu levar-nos, logo ali, tão próximo. Adorava o Brasil, as novelas, as músicas de Roberto Carlos. Por isso a gentileza, o andar apressado para poder em seguida retomar os compromissos do dia, ela professora, mãe de gêmeas. .

Não fui fisgada pela promessa de festival de salsa fora do roteiro turístico, nem pela perspectiva de comprar charutos mais baratos numa cooperativa. Fui fisgada pela vaidade de poder ser amiga da esposa de Francisco, pensaria mais tarde no hotel, relembrando minha decepção ao ver a expressão simpática dela se fechar, quando dissemos claramente que não compraríamos charutos. Eu, vítima. Vítima de uma trambiqueira, que nos fez pagar uma conta absurda de mojitos numa espécie de bar-emboscada, eu que só queria conversar, ser sua amiga, saber desinteressadamente de sua vida. .

Será? .

Pois é. A vítima do conto do vigário em geral não é tão inocente assim. Eu havia tirado fotos da sua “libreta”, a famosa caderneta de controle dos mantimentos dados pelo governo, e feito perguntas sobre a sua exótica rotina de cidadã cheia de saúde, de escolaridade e sem nenhuma liberdade. Era isso mesmo? E quanto aos detalhes: o que ela poderia me contar para que, ao voltar de viagem, eu pudesse postar minhas exclusivas impressões na rede social, junto com as fotos? Ora, fiquei amiga de uma cubana, me gabaria. Fui pra Cuba e no próximo debate teria minhas opiniões abalizadas. .

Exatamente como os gringos que sobem a favela de jipões camuflados, para “conhecer” de perto os pobres brasileiros. .

Claro que essa reflexão só veio depois, bem depois. Primeiro, espumei de raiva. Repassei minuciosamente o começo do encontro com o casal, cada detalhe, até ter certeza de que Francisco não era funcionário do hotel coisa nenhuma, que não foi por causa da religião afrocubana que minha amiga fugiu do selfie e que até as fotos três por quatro das gêmeas na carteira podiam ser armação. Talvez Francisco fosse apenas um nome emprestado do Papa, que andou por lá. Uma piada interna do casal. .

Enfim, fui pra Cuba e não “desvendei” Cuba. Minhas desculpas para quem chegou até aqui tentando descobrir se sou coxinha ou petralha. Voltei de Cuba com mais perguntas do que antes, e rindo da minha ingênua hipótese/pauta. Tive apenas minha experiência exótica de viagem. Para refletir sobre ela. .



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 12/2/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio
02. Retratos da ruína de Elisa Andrade Buzzo
03. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
04. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
05. Transformação de Lúcifer, obra de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2016
01. A selfie e a obsolescência do humano - 7/10/2016
02. Wanda Louca Liberal - 10/6/2016
03. A melhor Flip - 1/7/2016
04. Na hora do batismo - 12/8/2016
05. Literatura engajada - 8/4/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O LEGADO DE SCHINDLER
ELINOR J. BRECHER
RECORD
(1996)
R$ 20,00



O MEDO DA QUEDA: ASCENSÃO E CRISE DA CLASSE MÉDIA
BARBARA EHRENREICH
SCRITTA
(1994)
R$ 18,28



ANTES QUE O SOL APAREÇA
LUCILIA JUNQUEIRA DE ALMEIDA PRADO
BRASILIENSE
R$ 4,00



PROBLEMAS DE GEOMETRIA ANALÍTICA
KLETENIK - 2ª EDIÇÃO
LIVRARIA CULTURA BRASILEIRA
(1977)
R$ 22,82



ACIMA DE QUALQUER SUSPEITA (PRESUMED INNOCENT)
SCOTT TUROW
RECORD
(1987)
R$ 7,90



EPIDEMIOLOGIA DA PARATUBERCULOSE OVINA NO NORDESTE DE PORTUGAL
ANA CLÁUDIA COELHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



HIERARQUIA CROMOSSÔMICA
BERNARD JOHN E KENNETH LEWIS
LTC/EDUSP
(1979)
R$ 21,82



AS MAIS BELAS HISTORIAS DE BOA NOITE
TODOLIVRO
TODOLIVRO
R$ 12,00



VALORIZE SUA PERSONALIDADE - CULTIVANDO AS RELAÇÕES INTRA E INTERPE...
JUSSIÊ GONÇALVES DE SOUZA
BELÉM
(2010)
R$ 22,00



TODAS IBAMOS A SER REINAS
GABRIELA MISTAL
QUIMANTU
(1971)
R$ 40,00





busca | avançada
31833 visitas/dia
891 mil/mês