Oficina intensiva em 10 contos | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exuberância - Moisés Patrício
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quem somos nós para julgar Michael Jackson?
>>> Culture to Digest
>>> Os novos filmes de Iñárritu
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> One-man show
>>> A difícil arte de fazer arte
>>> O Exército de Pedro
>>> Doida pra escrever
>>> Alguns momentos com Daniel Piza
>>> Desonra, por J.M. Coetzee
Mais Recentes
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> A Escolha de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Amor para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> A última Música de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Primeiro Amor de James Patterson pela Novo Conceito (2014)
>>> Pelos Caminhos de Pedras e de Folhas Secas de Maria José Mamede Galvão pela Caravela (2018)
>>> Violetas na Janela de Patrícia Espirita pela Petit (2020)
>>> Divergente Uma Escolha Pode Te Transformar de Verônica Roth pela Rocco (2012)
>>> Traité Clinique Et Pratique des Maladies Puerpérales Suites de Couches de E Hervieux pela Adrien Delahaye Libraire Éditeur (1870)
>>> Commentaires Thérapeutiques du Codex medocamentarius de Adolphe Gubler pela J B Bailliére Et Fils (1868)
>>> A Esperança de Suzanne collins pela Rocco (2012)
>>> Dictionnaire de Medicine de Chirurgie, de Pharmacie de E Littrè & Ch Robin pela J B Bailliére Et Fils (1865)
>>> Os Pensadores - Fichte de Johann Gottlieb Fichte pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Grandes Profetas de Nova Cultura pela Nova Cultural (1985)
>>> Reflexões Sobre a Historia Moderna de Hans Kohn pela Fundo de Cultura (1965)
>>> História da América Portuguesa de Rocha Pita pela Senado Federal (2011)
>>> Guia de Conversação Langenscheidt Inglês de Vários Autores pela Martins Fontes (1998)
>>> Dicionário Inglês Português / Português Inglês de Amanda Marques & David Draper pela Ática (1988)
>>> Francês Para Viagem e Dicionário de Vários Autores pela Berlitz (1991)
>>> No Giro do Mundo os Periódicos do Real Gabinete Português de Leitura 1 de Eduardo da Cruz ( Org. ) pela Real Gabinete Português de Leitura (2014)
>>> Dicionário Espanhol Português / Português Espanhol de Vários Autores pela Dcl
>>> RL - Uma Autobiografia de Rita Lee pela Globo Livros (2016)
>>> Minidicionário Ruth Rocha de Ruth Rocha & Hindenburg da Silva Pires pela Scipione (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1994)
>>> Dicionário Júnior da Língua Portuguesa de Geraldo Mattos pela Ftd (1996)
>>> Bá, Tchê! – Dicionário Temático de Luis Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros 1 - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1977)
>>> Dicionário de Porto-Alegrês de Luís Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (1999)
>>> Resistência dos Materiais de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1982)
>>> O Constitucionalismo democrático latino-americano em debate de Leonardo Avritzer/Lilian Cristina Bernardo Gomes (Org) pela Autêntica (2017)
>>> Reiki - Medicina Energética de Libby Barnett e Magie Chambers pela Nova Era (1999)
>>> Revista do Livro Ano V Número 20 Dezembro de 1960 de Lêdo Ivo, Mário de Andrade, Heitor Lyra e outros pela Instituto Nacional do Livro (1960)
>>> The Argumentative Indian - Writings on Indian History, Culture de Amartya Sen pela Picador (2005)
>>> O Encanto da Montanha & Caminho ao Lar de Linda Howard pela Harlequin Books (2010)
>>> Afrodiáspora 6 e 7 - Revista de estudos do mundo negro de Vários Autores pela Ipeafro (1985)
>>> Aventura Ardente de Diana Palmer pela Harlequin Books (2013)
>>> Indiscreta de Candace Camp pela Harlequin Books (2005)
>>> Meu Anjo de Sherryl Woods pela Harlequin Books (2005)
>>> Pido la Paz y la Palabra de Blas de Otero pela Cantalapiedra (1955)
>>> Steve Jobs de Walter Isaacson pela Companhia das Letras (2011)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1985)
>>> Comunidades imaginadas de Benedict Anderson pela Companhia Das Letras (2019)
>>> A Segunda Vitória de Morris West pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
>>> O Fã Clube de Irving Wallace pela Abril Cultural (1985)
>>> Palavra Desordem de Arnaldo Antunes pela Iluminuras (2002)
>>> A Filha Pródiga de Jeffrey Archer pela Nova Cultural (1986)
>>> Escritos Sobre o Racismo, Igualdade e Direitos de André Costa pela Inst. Afirmação de Direitos (2009)
>>> A Origem da Família, Da Propriedade Privada e do Estado de Friedrich Engels pela Boitempo (2019)
COLUNAS >>> Especial O que ler

Terça-feira, 26/6/2007
Oficina intensiva em 10 contos
Marcelo Spalding

+ de 11700 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Se tem discutido muito por estes pagos o que é preciso para ser um bom escritor, e talvez o único consenso seja o requisito mais óbvio: é preciso ler. Mas não simplesmente ler, é preciso saber o que ler, ter boas chaves de leitura, se possível discutir o que se lê. Assim são nas oficinas de criação literária, que proliferam assustadoramente aqui em Porto Alegre.

Pois este artigo é ao mesmo tempo um serviço a estes candidatos a contistas e uma ironia: obviamente não se vira um escritor depois de se ler 10 contos. Mas também é um ótimo começo para quem quer ser escritor conhecer um pouco sobre o que é o conto e nada melhor do que 10 contos geniais para se entender o que é este gênero cheio de nuances e ambigüidades.

Quem estuda o conto costuma apontar suas origens às histórias bíblicas, às mil e uma noites de Sherezade, às histórias orais, mas a maioria desses estudiosos concordam que o que hoje entendemos por conto moderno se delineia no século XIX com o trabalho dos Irmãos Grimm e as formulações poéticas de Edgar Allan Poe. Poe, autor do célebre poema "O Corvo" e criador da literatura policial, foi dos primeiros a defender a short story num contexto (e numa língua) em que o romance era a forma literária por natureza. Para o poeta e constista, um texto precisa suscitar efeito no leitor, e para tanto ele precisa ser lido de uma só assentada, sem interrupções, daí a necessidade de ser curto: "se alguma obra literária é longa demais para ser lida de uma assentada, devemos resignar-nos a dispensar o efeito imensamente importante que se deriva da unidade de impressão". Destacamos entre os tantos contos da obra de Poe um bastante curto e presente em muitas antologias contemporâneas, "O gato preto", publicado em 1845. O enredo é relativamente simples: o narrador mata sua mulher por causa do seu gato, a empareda para esconder o corpo e quando a polícia vai até sua casa um miado de dentro da parede o denuncia: é o gato preto que emparedou-se com a morta e agora o acusa. A construção deste enredo é o que o torna singular e suscita no leitor o efeito pretendido pelo escritor, de pavor, de tensão: Poe não se apressa a chegar ao fim mas mantém no texto apenas o que é necessário, suas descrições das personagens culminarão nos assassinatos, os devaneios do narrador justificarão seus atos e o encadeamento dos fatos, de uma sucessão surpreendente mas incrivelmente lógica, denunciarão o narrador dando o fecho inesperado à história. É o que alguns chamam hoje de "conto de acontecimento", em que o final é fundamental para a compreensão da história e a criação do efeito no leitor.

Tradutor de Poe e um dos grandes responsáveis pela sua popularização e canonização, o francês Charles Baudelaire não costuma ser chamado de contista, e nem poderia mesmo sê-lo, mas sua obra Spleen de Paris, que infelizmente foi titulada pelos editores de Pequenos poemas em prosa, esconde pelo menos uma dezena de histórias muito interessantes e que bem poderiam hoje ser vistas como conto, ou como miniconto. "Os olhos dos pobres", publicado em 1869, é um bom exemplo: um narrador (ou sujeito poético) conta para a mulher porque a odeia e lembra do dia em que saem para um rico café e lá vêem um pai com dois filhos maltrapilhos, fascinados com o café; o narrador sente pena mas a mulher se diz enojada e pede que ele mande o maître afastá-los. De uma atualidade impressionante, a pequena narrativa de duas ou três páginas é a síntese da teoria do iceberg, metáfora com que Hemingway mais tarde definirá o conto como aquele um oitavo que está acima do nível da água, sendo a história oculta, o subtexto, a maior parte, submersa. Baudelaire conta a história de um casal que vai a um café, mas sob esta mísera e corriqueira história está toda a desigualdade social que já assola a França, e mais que a desigualdade, o conflito social que gerara tantas revoluções e mortes naquele país.

Diferente do estilo de conto de Poe é o conto do russo Anton Tchekhov, também considerado um mestre: ao invés do final surpreendente, é o desenvolvimento, o jogo entre o dito e o não-dito, o que é oculto e o que é revelado que aprisiona o leitor e produz o tal efeito. Chamado de "conto de atmosfera", influenciou muito os escritores americanos de Joyce a Clarice Lispector, passando por Machado, Borges e Guimarães Rosa. "Angústia", de 1886, é um contundente exemplo deste tipo de texto: o cocheiro Iona Potápov tenta contar que perdeu o filho para os passageiros de seu coche, mas não é ouvido por eles nem por ninguém e acaba por falar com seu cavalo sobre a perda. Resumido assim, em duas linhas, o conto perde a força e o sentido exatamente porque é a atmosfera criada por ele ao longo das páginas que tira o leitor do seu lugar confortável e o faz sentir compaixão por aquele protagonista solitário. O narrador em terceira pessoa conduz os sentimentos do leitor como um cocheiro o faz com seu cavalo, para ao fim abandoná-lo à própria solidão de um final que antes de uma solução é um potencializador do conflito.

No Brasil temos alguns contistas antes de Machado de Assis, mas é mais ou menos consensual que Machado é o grande nome do conto brasileiro. Leitor de Poe e cronista de jornal, usou e abusou do estilo produzindo uma infinidade de prosas curtas, algumas com feitio de crônica, muitas hoje presença obrigatória no vestibular. Destas a mais famosa e forte talvez seja "Pai contra Mãe", de 1906, conto em que um homem pobre, Cândido Neves, é pressionado a deixar seu filho na roda dos enjeitados, quando vê na busca de uma escrava a possibilidade de se reerguer e não dar seu primogênito, mas quando pega a mulher, ela está grávida, e ao ser entregue ela acaba abortando por causa da luta. Numa mescla de conto de atmosfera com conto de acontecimento, Machado se utiliza da forma do conto moderno proposta por Poe e a atualiza com um conflito próprio do Brasil imperial e escravista, potencializando este conflito com os valores universais da maternidade, do amor filial, do desejo pela liberdade.

O gaúcho Simões Lopes Neto também usará a fórmula canônica do conto moderno para tratar de temas locais inovando ainda em outro sentido: usará linguagem local. Em Contos Gauchescos, de 1912, Simões (que estudara no centro do país e mesmo na Europa) recria o jeito de falar do gaúcho na figura de Blau Nunes, um legítimo contador de histórias que lança mão de termos como "taba" e "manantial" para reforçar o ambiente espacial. "No manantial" é um destes contos gauchescos em que o espaço, a linguagem e as personagens são gauchescas, mas o conflito é universal: a bela Maria Altina conhece André e marcam casamento; Chicão, que sempre fora apaixonado e rejeitado pela menina, na véspera do casamento invade a tapera, mata a avó com uma machadada e tenta violentar Maria Altina; ela foge a cavalo mas afunda no manantial; André, que seguia os dois, vê o assassino tentando se livrar do manantial, se atira nele, luta com o outro e caem ambos: "três defuntos de razão de morrer tão diferente e de morte tão a mesma".

Um leitor atento já terá reconhecido o gênio Guimarães Rosa nesta breve explanação sobre Simões Lopes Neto. De fato Rosa, assumido leitor de Simões, se apropria desse narrador em primeira pessoa que faz uso da linguagem como recriação do espaço, levando tal técnica à mestria em Grande Sertão: Veredas. Já nos primeiros contos, porém, se percebe essa recriação lingüística e temática dentro das técnicas do conto formuladas no século XIX, e para tanto basta lermos Primeiras Estórias, boa porta de entrada nas veredas de Guimarães. Entre os tantos belos contos deste livro destacamos "Sorôco, sua mãe, sua filha", que pode levar o leitor às lágrimas narrando a singela história de um homem que leva sua única filha e sua esposa para um carro que as levará ao hospício. É a criação da atmosfera, do não dito, da angústia de Sorôco por ter de internar uma filha que não entende, a opressão do espaço na vida daquelas pessoas, o que encanta e emociona o leitor. Mas nada disso está dito, é tudo a história oculta, cifrada, a parte submersa do iceberg.

Poderíamos agora citar Clarice ou Borges, ambos gênios que a partir da estrutura do conto moderno recriaram e reinventaram técnicas. Mas permita-nos falar de Luandino Vieira e o premiado, polêmico e fenomenal "A estória do ovo e da galinha", publicado em Angola em 1965. Primeiro é interessante notar como a estrutura do conto moderno chega ao novíssimo mundo e nele encontra eco, ainda que novamente tenha sua temática e sua linguagem modificadas. Leitor de Rosa, Luandino mescla o português com termos africanos em sua narrativa e compõe uma história muito singular, conseguindo lidar com um tema seríissimo naquele momento histórico, o direito à posse (lembre-se que Angola era colônia de Portugal), sem abrir mão do humor e, digamos, da ginga africana: a história aparente é a briga de duas vizinhas por um ovo posto no quintal de uma pela galinha da outra; a história oculta é a luta sangrenta entre portugueses e africanos sobre quem tem o direito de explorar o solo - e a gente - angolana. E se têm tal direito. Contemporaneamente se verá ecos desse estilo na obra do moçambicano Mia Couto ou no cabo-verdiano Germano de Almeida, por exemplo.

Já vimos em nossa "breve oficina discursiva" que o conto, antes de um gênero, é um termo que designa um tipo de construção narrativa, termo este consolidado pela freqüência do seu uso mas muito pouco sólido para fazermos afirmações estanques. Se por um lado podemos afirmar que a narrativa deve ser breve, contar uma história aparente que esconda uma história oculta e provocar determinado efeito no leitor, as formas de se fazer isso são variadas, infinitas. E se olharmos historicamente para os grandes contos veremos um fio condutor que vai tecendo essa história. Compare-se, por exemplo, "A estória do ovo e da galinha" com o conto do carioca Roberto Drummond "Rosa, rosa, rosae". Publicado no auge da ditadura, narra a história de um rigoroso professor de latim que observa sua turma em momento de prova, professor este que permite que Rosa, bela morena, cole em suas pernas, para alegria da turma, que liberta-se. Não seria tal narrativa uma alegoria em tempos de ditadura tal qual a disputa pelo ovo em Luandino?

Vale dizer, aliás, que o conto se tornou o tipo de literatura preponderante no Brasil nos anos sessenta, setenta, e alguns estudiosos dizem que exatamente por causa da ditadura: na época era muito comum, por exemplo, jornalistas aproveitarem-se da ambigüidade do conto para fazer críticas contundentes ao regime, aumentando e consolidando uma produção importante deste tipo de ficção no país. Desta época é o hoje canônico "Feliz Ano Novo", em que Rubem Fonseca narra do ponto de vista de um bandido um ataque violento à uma casa de família rica, com roubo, assassinato e estupro. O conto chocou os leitores e a ditadura da época, sendo censurado reiteradas vezes. De violência aparentemente gratuita, está nas entrelinhas, no subtexto a crítica social que o texto suscita, apagando a possibilidade de entendimento entre as classes para provocar o questionamento naquele leitor que não se identifica nem com o narrador-bandido nem com as ricas e histéricas vítimas.

E para terminar esta quase breve e prepotente oficina chamo a atenção de um outro fenômeno que vem ocorrendo com o conto em tempos muito velozes, tempos de internet: sua miniaturização. Obra exemplar neste aspecto é o livro Ah, é?, de Dalton Trevisan (1994), em que o autor publica cento e poucas histórias minúsculas, algumas com uma ou duas linhas. Este tipo de texto, uma espécie de reinvenção ou aprofundamento do miniconto, tem sido muito explorado por alguns escritores contemporâneos e reflete esta miniaturização do conto, que se antes poderia ter várias páginas agora dificilmente ultrapassa o espaço de duas ou três páginas. Verdade que muitos já clamam por novas terminologias e teses para o conto, considerando ultrapassadas as formulações de intensidade, tensão e efeito, a teoria do iceberg, enfim, as tentativas de se encontrar uma constante neste gênero tão fugidio. Mas para o escritor iniciante é um ótimo começo conhecer um pouco desta história tão bonita e destas teorias tão interessantes, ler mais e mais contos e escolher seus dez, reler estes dez e encontrar semelhanças. Assim se faz, se não um bom escritor, um bom leitor. E de cada dez bons leitores se fará um bom escritor, quem sabe pode ser você, quem sabe posso ser eu...

Os dez contos:

1 "O gato preto", Edgar Allan Poe [1845]
2 "Os olhos dos pobres", Charles Baudelaire [1869]
3 "Angústia", Anton Tchekhov [1886]
4 "Pai contra mãe", Machado de Assis [1906]
5 "No Manantial", Simões Lopes Neto [1912]
6 "Sorôco, sua mãe, sua filha", Guimarães Rosa [1962]
7 "A estória do ovo e da galinha", Luandino Vieira [1965]
8 "Rosa, rosa, rosae", Roberto Drummond [1975]
9 "Feliz ano novo", Rubem Fonseca [1975]
10 Ah, é? , Dalton Trevisan [1994]


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 26/6/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Momento ideal & conciliação de Ana Elisa Ribeiro
02. Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim) de Cassionei Niches Petry
03. Margarida e Antônio, Sueli e Israel de Duanne Ribeiro
04. Gargólios, nova peça de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
05. A quem interessa uma sociedade alienada? de Marcelo Spalding


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
02. O dinossauro de Augusto Monterroso - 10/4/2007
03. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
04. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
05. Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo? - 1/5/2007


Mais Especial O que ler
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/6/2007
00h23min
Olá! A abordagem sobre o conto, ou o que é um conto, feita por você é bastante interessante. Com clareza e objetividade, o artigo nos elucida pontos e contrapontos a respeito desse formato. Embora haja inúmeras teorias literárias a esse respeito: a diferença entre conto e crônica, conto e romance, conto e poema, conto e Conto, reafirmo categoricamente que não importam as teorias, não importam as nomenclaturas ou afins, mas sim a qualidade da obra. Cada vez mais acredito nisso. Bom artigo o seu. Dos dez contos citados, não li alguns, mas gostei da lista. Estava relendo, outro dia "Antologia do Moderno Conto Alemão". Incrível! Vale a pena pela singularidade da obra. Não sei se ainda consta nas livrarias, mas em Sebos, pode ser. Vai aí uma sugestão. Abraço, Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
26/6/2007
05h20min
Contos... Muitas coisas são ditas sobre esta Arte no mínimo... absurda! Quem é contista, não é outra coisa senão isso. É inútil gastar palavras e mais palavras na definição de algo que é por si mesmo: um Conto. Eu, um contista limitado a esta forma literária pouquíssimo respeitada, tenho a pretensão imensa de afirmar: não são dez, ou quinze, ou cem, contos que fazem um contista. Assim como um poeta não vê o mundo senão através de imagens poéticas, um contista vive tudo o que lhe vem como cenas isoladas... Das teorias de Poe às genialidades de Borges, Maupassant, Clarice ou Tchekhov, uma coisa é certa: por mais que seja dito, o contista pode ler milhões e milhões de romances com milhões e milhões de páginas, mas sua sensibilidade, por todas essas páginas lidas, captará situações isoladas, gestos inusitados e posições diretas das personagens lidas. Um contista é alguém que não consegue lidar com as complexidades artificiais e excessivas da Arte Romanesca...
[Leia outros Comentários de Adriano Cândido]
26/6/2007
12h03min
Bom... No Brasil temos alguns contistas antes de Machado de Assis, mas é mais ou menos consensual que Machado é o grande nome do conto brasileiro. Leitor de Poe e cronista de jornal, usou e abusou do estilo produzindo uma infinidade de prosas curtas, algumas com feitio de crônica, muitas hoje presença obrigatória no vestibular.
[Leia outros Comentários de isabela rodrigues]
26/6/2007
12h03min
gostei muito desta reportagem!!! o bom é que ela mostra para pessoas que desejam escrever que naum é preciso so' saber escrever e, sim, ler, entender o que lê e saber comentar coisas sobre o que leu!!!
[Leia outros Comentários de Alvaro]
26/6/2007
12h08min
Utimamente, o mundo mestá cada vez mais desenvolvido, o que faz com que, cada vez mais, haja bons escritores brasileiros. O que eu nao acho certo é que essas pessoas nao estao tendo opirtunidades para expor as suas obras e ser gratificadas! É a desigualdade.... Muita injustiça!!! Acho isso pq eu já fiz mais de 3 livros de poesia e nao publiquei nenhum deles, por falta de interesse das editoras!!! UM ABSURDOOOOOOOOOOOOOOOOO
[Leia outros Comentários de Sabrina e Isabela s.]
26/6/2007
12h09min
nós pensamos que só através da leitura é que se tem um bom desenvolvimento na escrita e um aprendizado melhor, ou seja, lendo e aprendendo.
[Leia outros Comentários de jessica e daiane]
26/6/2007
12h10min
A abordagem sobre o conto, ou o que é um conto, é bastante interessante. Pois tem clareza e objetividade.
[Leia outros Comentários de kelvin carlos]
26/6/2007
12h15min
achei muito interessante a abordaagem que você faz sobre o conto. Abordando de maneiraa clara e precisa. achei muito interessante!
[Leia outros Comentários de rê e juh]
26/6/2007
15h06min
(continuando com a segunda parte de meu comentário, acima publicado como o número 2...) Li (e ainda leio) contos, poesias, romances, ensaios e peças dramáticas, e acredito mesmo que qualquer pessoa que escreve deve ler muito (e cuidadosamente). Porém, infelizmente, um contista só consegue ser... um contista. Marcelo, parabéns pela exposição, no mímino, controversa! Num mundo de literatura vampiresca e livros de auto-ajuda, uma argumentação firme como a sua, a respeito do pobre Conto, merece aplausos.
[Leia outros Comentários de Adriano Cândido]
27/6/2007
09h37min
Por falar em Borges, senti falta da menção ao argentino Julio Cortazar, que mesclou as bases do conto, estabelecidas por Poe, com o estatuto do fantástico de Borges, legando à literatura uma obra magistral. Vivendo na França, Cortazar elevou o prestígio da literatura latino-americana na Europa, a partir da fermentação intelectual de Paris em meados do século XX. Tradutor, assim como Baudelaire, assim como Machado e Borges, de obras de Poe, Cortazar é uma das melhores coisas já produzidas pelo talento sulamericano. Sugiro incluir aí na sua lista "A casa tomada", uma das mais geniais criações do autor.
[Leia outros Comentários de Marcia Rocha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A PARÁBOLA DO PLANETA AZUL II
FERNANDO CARRARO
FTD
(1999)
R$ 9,00



O DESTINO
EMÊ RIBEIRO- EDUARDO MASCARENHAS E OUTROS
TEERCEIRA MARGEM
R$ 35,00



OUVINDO ESTRELAS AUTOBIOGRAFIA
MARCO MAZZOLA
PLANETA
(2007)
R$ 25,00



CONECTE QUÍMICA - VOLUME 2 BOX COMPLETO
EDGARD SALVADOR; JOÃO UBESCO
SARAIVA
(2014)
R$ 40,00



HERMENÊUTICA CONSTITUCIONAL
ALENCAR FREDERICO MARGRAF, RAFAEL DE LAZARI
LUMEN JURIS
(2016)
R$ 60,00



O MAPA DOS OSSOS
JAMES ROLLINS
EDIOURO
(2005)
R$ 8,50



PRÉCIS DE PATHOLOGIE EXTERNE I
F. FORGUE
OCTAVE DOIN
(1908)
R$ 98,00



O MUNDO DA ARTE CRISTANDADE CLÁSSICA E BIZANTINA
JEAN LASSUS
ENCYCLOPAEDIA BRITANNICA ED.
(1979)
R$ 13,00



PINTURAS
J. B. CAMPOS
DO AUTOR
R$ 49,11



POÇOS DE CALDAS - CIDADE
CELESTE CALIL (AUTOGRAFADO)
DO AUTOR
(1995)
R$ 18,00





busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês