O feitiço do tempo | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
51744 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Festival da Linguiça de Bragança retorna com expectativa de 70 mil visitantes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Suicídio da grande imprensa
>>> Como ser uma webcelebridade
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> Techbits faz um ano
>>> The Cure Vídeos
>>> Alive and Kicking 1997
>>> Da preguiça como método de trabalho
>>> O Uso do Twitter no Brasil
>>> Górgias, de Platão, por Daniel R.N. Lopes
>>> Brothers Gather Round
Mais Recentes
>>> Livro - Passes e Radiações - Métodos Espíritas de Cura de Edgard Armond pela Aliança (2011)
>>> Tratado de direito penal volume 4 parte especial de Cezar roberto bitencourt pela Saraiva (2011)
>>> Livro - A Interpretação dos Sonhos Volume 2 de Sigmund Freud / Trad. Walderedo Ismael de Oliveira pela Circulo do Livro
>>> Batman o Impostor de Mattson Tomlin; Andrea Sorrentino; Jordie Bellaire pela Panini Comics (2021)
>>> Serviço Social e Ética convite a uma nova praxis de Dilsea Adeodata Bonetti / outros pela Cortez (2005)
>>> Livro - Suicídios Exemplares: Coleção Folha Literatura Ibera-Americana 6 de Enrique Vila Matas pela Folha de São Paulo (2012)
>>> Egitomania: O fascinante mundo do antigo Egito- Volume 7 de Vários Autores pela Planeta Deagostini
>>> Direito administrativo moderno de Odete medauar pela Rt (2013)
>>> Livro - Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1976)
>>> Coros Sacros de Arthur Lakschevitz pela Cpb (1958)
>>> Livro - O Inocente - uma História Real de Crime e Injustiça de John Grisham pela Rocco (2006)
>>> Livro - Cai o Pano de Agatha Christie pela Nova Fronteira
>>> Livro - The Wisdom of Maimonides: the Life and Writings of the Jewish Sage de Edward Hoffman pela Trumpeter (2008)
>>> Livro - Meu Destino é Pecar de Suzana Flag pela Ediouro (1998)
>>> Livro - Lembranças da Meia Noite - a Continuação de o Outro Lado da Meia-noite de Sidney Sheldon pela Record (1990)
>>> Agua Viva - Catecismo Popular de Santuario pela Santuario
>>> Batman Especial: O Cavaleiro das Trevas de Vários Autores pela Panini Comics (2012)
>>> Livro - O Mosteiro de São Jeronimo de Valter Turini e Monsenhor Sintra pela O Clarim (2008)
>>> A Murder is Announced de Agatha Christie pela Penguin Readers Books (2011)
>>> Livro - de Volta À Cabana de C Baxter Kruger, André Costa, Sonia Schwarts pela Sextante (2011)
>>> Livro - Um Fantasma de Peso de Lia Márcia Machado pela Eme (2005)
>>> Livro - Arrisque a Vida Só Vale a Pena Quando de Kenny Luck pela Mundo Cristão (2010)
>>> Batman: Veneno de Dennis O'Neil; Trevor Von Eeden; Braun; García-López pela Panini Comics (2019)
>>> Livro - Conviver e Melhorar - Como lidar com os encontros reencontros e desencontros de Francisco do Espírito Santo Neto pela Boa Nova (1999)
>>> Livro - As Leis de Bronze de Ryuho Okawa pela Irh Press do Brasil (2022)
COLUNAS

Terça-feira, 14/1/2020
O feitiço do tempo
Renato Alessandro dos Santos

+ de 1500 Acessos

Há mais Shakespeare entre a capa e a contracapa do romance Telmah: a tragédia do desencontro, de André Carretoni, do que poderiam imaginar leitores que, por circunstâncias alheias a qualquer destino, acabassem não se anexando à trama toda; por outro lado, aqueles que, por interesse ou por mero acaso, resolvessem atravessar o livro de um lado a outro, bem, esses têm tudo para ser fisgados pelo anzol e pela isca shakespeariana, o que vai fazer toda a diferença ao final, quando apenas o silêncio acabará restando.



A possibilidade de reencontrar-se com o bardo que tantas vezes cortejou o rio Avon de sua famigerada Inglaterra é sempre um prazer, e, neste Carretoni, pela correnteza, em meio aos escombros de uma tragédia, descendo o rio e vencendo suas margens, os leitores deparam-se com Hamlet, Sonho de uma noite de verão, O mercador de Veneza, Romeu e Julieta, Macbeth e com outras pérolas que, do meio do cânone, o demiurgo joga para nós, os porcos, fisgando a gente.

Em Telmah: a tragédia do desencontro, estão também um tanto de realidade e um bocado de insólito que, em literatura, enquanto a cortina não desce, faz a verossimilhança ser rainha. Carretoni flerta com o fantástico, para evocar o pano de fundo que nada de maravilhoso tem: em 11 de março de 2004, no lastro apocalíptico que se seguiu após o 11 de Setembro, explosões quebraram a rotina das estações de trem de Madri, como em Atocha, incrustando no coração dos madrilenos a tragédia que deixou quase 2 mil feridos e acabou com a vida de 190 pessoas (todas lembradas pelo autor, que se preocupou em inserir, ao final de seu romance, a lista com o nome de cada uma das vítimas).

Uma célula ligada à Al-Qaeda, mais tarde, seria responsabilizada pelo atentado. Bombas em sacolas foram estrategi-camente plantadas e esquecidas nos vagões dos trens. Explo-sões destroçaram ossos, carne e ferro, deixando tudo retorcido, carcomido, perfurado. “Além dos explosivos, os terroristas colocaram parafusos e pregos nas bolsas que espalharam pelos trens”, conta um dos personagens. Estivesse o destino mais carrancudo do que fica em ocasiões terríveis como essa, mais bombas teriam explodido. Mas ainda bem que nem tudo deu certo aos criminosos, para a sorte de muitas pessoas que puderam contar com uma segunda chance. Eis o 11-M, o maior atentado terrorista da Espanha e de toda a Europa.

O terror

A alteridade narrativa se sobressai na obra. Os leitores têm conhecimento do que acontece não apenas pelo que conta o protagonista, Hélio Parfia [lê-se Párfia], na longa carta que envia ao autor. Não, não se trata de autoficção, porque o autor aqui é apenas o destinatário da carta, aquele que, por meio de notas, revela ao mundo uma trágica história de amor e morte. Cartas, diário, poemas ampliam a tipologia textual que serve de âncora aos leitores e permite, com isso, que outras vozes tenham vez, ecoando uma tragédia que, provavelmente, será sempre remoída por todos os que perderam pessoas queridas naquela manhã em que o terror manifestou-se em plena luz do dia.



Hélio conta que vai a Madri pesquisar sobre o 11-M. Hospeda-se em um hotel e, na cidade, perambula pelas cercanias da estação, colhendo impressões de tudo e de todos. Um dia, seu quarto é invadido. Roupas e outros pertences são deixados ali, para angústia do hóspede que, como o gerente do hotel, não entende o que houve. Para piorar, Hélio quase é atropelado, mas é salvo por uma moça. Mais tarde, ele vai procurá-la no hospital e não só não a encontra como nada a respeito dela é capaz de descobrir. Uma fresta entre as nuvens abre-se e, em meio àquele céu tenebroso, um raio dourado ilumina a vida de Hélio. Surge a ventura, o amor: é quando ele conhece uma garota, Telmah. Daí, Shakespeare? Também.

Telmah não é uma alcunha qualquer: num espelho, seria murder, como redr[u]m? Fosse André Carretoni mais fã de Stephen [King] do que de William, sim, mas é o bardo trágico que cuida dos títeres em Telmah: a tragédia do desencontro. Desse reflexo, a personagem surge apaixonada e, feito uma pira funerária, incandescente. Nos braços de Hélio, ela encontra uma beliche de onde não quer sair, mas o destino, matreiro, espera, infalível, para aprontar das suas. Será aí que o realismo dará lugar ao fantástico, ao insólito, com o tempo enchendo de mais tragédia a narrativa. Daí, Shakespeare? Também.

Entender a proposta do romance é abrir-se aos mistérios tantas vezes propalados na modernidade com base naquela notória frase do bardo, aquela, calcada na vã filosofia dos céticos. Não é estragar a surpresa, mas toda a carpintaria da obra é construída com base no que há de inexplicável, de estranho entre o céu e a terra, num mistério cuja chave remete tanto a Shakespeare como a Cervantes, e, para entender tal suposição, é preciso atentar para as datas que, efemérides, celebram a morte dos dois autores: o autor de Dom Quixote fora enterrado em 23 de abril de 1616, enquanto Shakespeare falecera no dia três de maio. Mas naquele ano a Inglaterra ainda utilizava não o calendário gregoriano, mas juliano, algo que mudou em 1752, quando, adotado o novo calendário, dez dias foram “surrupiados” do bardo. O que o leitor vai acabar descobrindo é que Hélio e Telmah...

Não foram poucas as vezes que a ficção apelou às peripécias do tempo: Borges, Bioy Casares, Dickens e outros, muitos. A lista segue... Buracos negros, Isabeau e Etienne Navarre em Áquila, Benjamin Button... Em Telmah: a tragédia do desen-contro, André Carretoni construiu uma engenhosa trama, à qual, à medida que o leitor a ela vai se entregando, aos poucos, mais e mais dela vai compreendendo, enquanto junta as peças e as pistas literárias deixadas no caminho pelo autor (até mesmo uma inusitada peça em um ato é inserida no enredo, num pastiche milkshakesperiano que, se contar com a indulgência do leitor, pode remeter tanto à tragicomédia quanto à peça dentro da mais existencial peça do bardo inglês). É como se a ilha de Lost fosse a confluência de dois mundos, onde Cervantes e a Espanha e Shakespeare e a Inglaterra divi-dissem o mesmo fio que leva à fuga do labirinto onde o Mino-tauro aguarda, à espera de sua presa. É o terror.

É o terror, e o terror, aqui, incinera corpos e responde pelo nome de terrorismo. No último episódio de The looming tower (série inspirada no não menos inspirador O vulto das torres, de Lawrence Wright), Ali Soufan, um agente do FBI interroga um suspeito. Ele pede que o outro leia uma passagem do Alcorão. “Quem mata uma alma, é como se tivesse matado toda a hu-manidade”, lê, resignado, o homem. “E quem salva uma alma, é como se tivesse salvado toda a humanidade.” Olhando em sua direção, o agente lhe diz: “Este é o Alcorão. Esta é a pala-vra de Alá. Este é o islamismo”. É uma pena que, para muitos, infelizmente, mais do que o amor, seja o ódio que fale mais alto, e impostando a voz... Foi essa mesma ira que causou a morte de tantas vítimas no 11-M espanhol, e dessa tragédia, o amor, feito a flor drummoniana, espontaneamente veio brotar dos escombros, para a alegria de Hélio e Telmah, personagens que nasceram um para o outro, a despeito do que as cismas do destino venham reservar aos dois.

Telmah: a tragédia do desencontro (Chiado Books, 242 p., R$ 53,00)

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 47, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia e de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (ambos publicados pela Engenho e arte).



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 14/1/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Clássicos para a Juventude de Ricardo de Mattos
02. Uma cidade bárbara de Daniela Sandler
03. Até tu, Raquel! de Alessandro Silva


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2020
01. Meu malvado favorito - 22/9/2020
02. Um grande romance para leitores de... poesia - 14/7/2020
03. Os defeitos meus - 15/12/2020
04. A redoma de vidro de Sylvia Plath - 20/10/2020
05. Contentamento descontente: Niketche e poligamia - 25/8/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Straw Men
Michael Marshall
Jove
(2002)



English in Mind Tb 4
Brian Hart / Herbert Puchta / Jeff Stranks
Cambridge
(2007)



Laços e Amarras Conjugais
Patricia Cristina de Conti Bertaglia
Appris
(2014)



Do outro mundo
Ana Maria Machado
Atica
(2001)



360º Física Caderno de Atividades
Claudio Xavier - Benigno Barreto
Ftd
(2015)



Aqueles Que Queimam Livros
George Steiner
Âyiné
(2020)



Como Educar sem Usar a Violência (lacrado)
Dora Lorch
Summus
(2007)



Os Franceses
Theodore Zeldin
Record
(2000)



Se Eu Ficar
Gayle Forman
Novo Conceito
(2014)



Redação excelente! - Para Enem e vestibulares
Andrea Ramal
Gen
(2015)





busca | avançada
51744 visitas/dia
2,0 milhão/mês