O feitiço do tempo | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Pesquisa e blog discutem "Marca Amazônia"
>>> Vida e morte do Correio da Manhã
>>> O site de Dorival Caymmi
>>> Entrevista à revista Capitu
>>> Figuras de linguagem e a escrita criativa
>>> Arte e Poupança
>>> Entrevista com Paulo Polzonoff Jr.
>>> A Marcha da Família: hoje e em 1964
>>> A escola está acabando
Mais Recentes
>>> Civilização e Doença de Henry Sigetist pela Hucitec (2011)
>>> Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco pela Atica
>>> Grandes Histórias de Halloween de Walt Disney pela Abril (2014)
>>> Transmissão do Calor de Renato Salmoni pela Mestre Jou (1966)
>>> A Estetica da Morte de Salomão Jorgf pela Saraiva (1964)
>>> O Pato Donald Xxiv Nº 1. 150 de Abril pela Abril (1973)
>>> Glossário de Dificuldades de Zelio Jota pela Fundo de Cultura (1962)
>>> Valsa Negra de Patricia Melo pela Companhia das Letras (1998)
>>> Principios de Gerencia por objetivos de Paul Mali pela Pallas (1976)
>>> Amanhecer de Stephenie Meyer; Ryta Vinagre pela Intrinseca (2009)
>>> O papel do trabalho na transformação do macaco em homem de F. Engels pela Global (1986)
>>> O Socialismo Pré-marxista de Babeuf Blanqui Fourier Saint-Simon pela Global (1980)
>>> 6º Alvo de James Patterson e Maxine Paetro pela Arqueiro (2012)
>>> Uncharted o Quarto Labirinto de Christopher Golden pela Benvirá (2012)
>>> Alice no País dos Enigmas Vol 1- 60 Jogos e Desafios de R. W. Galland pela Coquetel
>>> 551 atividades: Diversão que não acaba de Waldomiro Neto pela Culturama (2016)
>>> Os Anjos Também Choram de Elzira Ribeiro de Almeida pela São Cristóvão (2005)
>>> Quarup de Antônio Callado pela Circulo do Livro
>>> As Vantagens de Ser Otimista de Allan Percy pela Sextante (2014)
>>> A Turma do Arrepio Nº 22 de Globo pela Globo (1991)
>>> Mundo do Terror Nº 12- Monstro Humano de Press Editorial pela Press Editorial (1987)
>>> Elogio da Mentria de Patricia Melo pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Chefão - a Verdade Sobre a Máfia de Mário Puzo pela Expressão e Cultura (1970)
>>> Vigiar e Punir de Michel Foucault pela Vozes (1999)
>>> Uma Constelação de Fenômenos Vitais de Anthony Marra pela Intrinseca (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 14/1/2020
O feitiço do tempo
Renato Alessandro dos Santos

+ de 1000 Acessos

Há mais Shakespeare entre a capa e a contracapa do romance Telmah: a tragédia do desencontro, de André Carretoni, do que poderiam imaginar leitores que, por circunstâncias alheias a qualquer destino, acabassem não se anexando à trama toda; por outro lado, aqueles que, por interesse ou por mero acaso, resolvessem atravessar o livro de um lado a outro, bem, esses têm tudo para ser fisgados pelo anzol e pela isca shakespeariana, o que vai fazer toda a diferença ao final, quando apenas o silêncio acabará restando.



A possibilidade de reencontrar-se com o bardo que tantas vezes cortejou o rio Avon de sua famigerada Inglaterra é sempre um prazer, e, neste Carretoni, pela correnteza, em meio aos escombros de uma tragédia, descendo o rio e vencendo suas margens, os leitores deparam-se com Hamlet, Sonho de uma noite de verão, O mercador de Veneza, Romeu e Julieta, Macbeth e com outras pérolas que, do meio do cânone, o demiurgo joga para nós, os porcos, fisgando a gente.

Em Telmah: a tragédia do desencontro, estão também um tanto de realidade e um bocado de insólito que, em literatura, enquanto a cortina não desce, faz a verossimilhança ser rainha. Carretoni flerta com o fantástico, para evocar o pano de fundo que nada de maravilhoso tem: em 11 de março de 2004, no lastro apocalíptico que se seguiu após o 11 de Setembro, explosões quebraram a rotina das estações de trem de Madri, como em Atocha, incrustando no coração dos madrilenos a tragédia que deixou quase 2 mil feridos e acabou com a vida de 190 pessoas (todas lembradas pelo autor, que se preocupou em inserir, ao final de seu romance, a lista com o nome de cada uma das vítimas).

Uma célula ligada à Al-Qaeda, mais tarde, seria responsabilizada pelo atentado. Bombas em sacolas foram estrategi-camente plantadas e esquecidas nos vagões dos trens. Explo-sões destroçaram ossos, carne e ferro, deixando tudo retorcido, carcomido, perfurado. “Além dos explosivos, os terroristas colocaram parafusos e pregos nas bolsas que espalharam pelos trens”, conta um dos personagens. Estivesse o destino mais carrancudo do que fica em ocasiões terríveis como essa, mais bombas teriam explodido. Mas ainda bem que nem tudo deu certo aos criminosos, para a sorte de muitas pessoas que puderam contar com uma segunda chance. Eis o 11-M, o maior atentado terrorista da Espanha e de toda a Europa.

O terror

A alteridade narrativa se sobressai na obra. Os leitores têm conhecimento do que acontece não apenas pelo que conta o protagonista, Hélio Parfia [lê-se Párfia], na longa carta que envia ao autor. Não, não se trata de autoficção, porque o autor aqui é apenas o destinatário da carta, aquele que, por meio de notas, revela ao mundo uma trágica história de amor e morte. Cartas, diário, poemas ampliam a tipologia textual que serve de âncora aos leitores e permite, com isso, que outras vozes tenham vez, ecoando uma tragédia que, provavelmente, será sempre remoída por todos os que perderam pessoas queridas naquela manhã em que o terror manifestou-se em plena luz do dia.



Hélio conta que vai a Madri pesquisar sobre o 11-M. Hospeda-se em um hotel e, na cidade, perambula pelas cercanias da estação, colhendo impressões de tudo e de todos. Um dia, seu quarto é invadido. Roupas e outros pertences são deixados ali, para angústia do hóspede que, como o gerente do hotel, não entende o que houve. Para piorar, Hélio quase é atropelado, mas é salvo por uma moça. Mais tarde, ele vai procurá-la no hospital e não só não a encontra como nada a respeito dela é capaz de descobrir. Uma fresta entre as nuvens abre-se e, em meio àquele céu tenebroso, um raio dourado ilumina a vida de Hélio. Surge a ventura, o amor: é quando ele conhece uma garota, Telmah. Daí, Shakespeare? Também.

Telmah não é uma alcunha qualquer: num espelho, seria murder, como redr[u]m? Fosse André Carretoni mais fã de Stephen [King] do que de William, sim, mas é o bardo trágico que cuida dos títeres em Telmah: a tragédia do desencontro. Desse reflexo, a personagem surge apaixonada e, feito uma pira funerária, incandescente. Nos braços de Hélio, ela encontra uma beliche de onde não quer sair, mas o destino, matreiro, espera, infalível, para aprontar das suas. Será aí que o realismo dará lugar ao fantástico, ao insólito, com o tempo enchendo de mais tragédia a narrativa. Daí, Shakespeare? Também.

Entender a proposta do romance é abrir-se aos mistérios tantas vezes propalados na modernidade com base naquela notória frase do bardo, aquela, calcada na vã filosofia dos céticos. Não é estragar a surpresa, mas toda a carpintaria da obra é construída com base no que há de inexplicável, de estranho entre o céu e a terra, num mistério cuja chave remete tanto a Shakespeare como a Cervantes, e, para entender tal suposição, é preciso atentar para as datas que, efemérides, celebram a morte dos dois autores: o autor de Dom Quixote fora enterrado em 23 de abril de 1616, enquanto Shakespeare falecera no dia três de maio. Mas naquele ano a Inglaterra ainda utilizava não o calendário gregoriano, mas juliano, algo que mudou em 1752, quando, adotado o novo calendário, dez dias foram “surrupiados” do bardo. O que o leitor vai acabar descobrindo é que Hélio e Telmah...

Não foram poucas as vezes que a ficção apelou às peripécias do tempo: Borges, Bioy Casares, Dickens e outros, muitos. A lista segue... Buracos negros, Isabeau e Etienne Navarre em Áquila, Benjamin Button... Em Telmah: a tragédia do desen-contro, André Carretoni construiu uma engenhosa trama, à qual, à medida que o leitor a ela vai se entregando, aos poucos, mais e mais dela vai compreendendo, enquanto junta as peças e as pistas literárias deixadas no caminho pelo autor (até mesmo uma inusitada peça em um ato é inserida no enredo, num pastiche milkshakesperiano que, se contar com a indulgência do leitor, pode remeter tanto à tragicomédia quanto à peça dentro da mais existencial peça do bardo inglês). É como se a ilha de Lost fosse a confluência de dois mundos, onde Cervantes e a Espanha e Shakespeare e a Inglaterra divi-dissem o mesmo fio que leva à fuga do labirinto onde o Mino-tauro aguarda, à espera de sua presa. É o terror.

É o terror, e o terror, aqui, incinera corpos e responde pelo nome de terrorismo. No último episódio de The looming tower (série inspirada no não menos inspirador O vulto das torres, de Lawrence Wright), Ali Soufan, um agente do FBI interroga um suspeito. Ele pede que o outro leia uma passagem do Alcorão. “Quem mata uma alma, é como se tivesse matado toda a hu-manidade”, lê, resignado, o homem. “E quem salva uma alma, é como se tivesse salvado toda a humanidade.” Olhando em sua direção, o agente lhe diz: “Este é o Alcorão. Esta é a pala-vra de Alá. Este é o islamismo”. É uma pena que, para muitos, infelizmente, mais do que o amor, seja o ódio que fale mais alto, e impostando a voz... Foi essa mesma ira que causou a morte de tantas vítimas no 11-M espanhol, e dessa tragédia, o amor, feito a flor drummoniana, espontaneamente veio brotar dos escombros, para a alegria de Hélio e Telmah, personagens que nasceram um para o outro, a despeito do que as cismas do destino venham reservar aos dois.

Telmah: a tragédia do desencontro (Chiado Books, 242 p., R$ 53,00)

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 47, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia e de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (ambos publicados pela Engenho e arte).



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 14/1/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A lei da palmada: entre tapas e beijos de Débora Carvalho
02. 2009: enfim, um ano musical de Diogo Salles
03. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia de Jardel Dias Cavalcanti
04. Jornalista, um bicho de 7 cabeças e 10 chifres de Débora Carvalho
05. O ódio on-line de Gian Danton


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2020
01. Um grande romance para leitores de... poesia - 14/7/2020
02. Os defeitos meus - 15/12/2020
03. Meu malvado favorito - 22/9/2020
04. Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest) - 16/6/2020
05. Contentamento descontente: Niketche e poligamia - 25/8/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eragon
Christopher Paolini
Rocco
(2003)
R$ 12,00



A Pintura Flamenga e Holandesa da Fundação Medeiros Almeida
Realidade e Capricho Novembro 2008
Fundação Medeiros e Almeida
(2008)
R$ 19,28



A Pré História
Teófilo Torronteguy
Ftd
(1995)
R$ 5,00



Wish Vol I
Clamp
Jbc
(2009)
R$ 5,00



Nas Fronteiras Celestiais
Stanley Stewart
Publicações Europa América
(2000)
R$ 84,78



Eles eram muitos cavalos
Luiz Ruffato
Record
(2007)
R$ 21,90



Memórias Póstumas de Brás Cubas
Machado de Assis
Martin Claret
(2001)
R$ 24,30



O Campeão de Audiência
Walter Clark Com Gabriel Priolli
Best Seller
(1991)
R$ 19,90



Canadian Country Furniture 1675-1950
Michael S. Bird
Stoddart
(1994)
R$ 40,00



A história de Carmen Rodrigues
Ana Luiza Libânio
Literare Books International
(2012)
R$ 29,90





busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês