Superficialidade e Reducionismo | Evandro Ferreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Jingle Bells
>>> Mano Juan, de Marcos Rey
>>> Relationships Matter
>>> Apesar da democracia
>>> Onze pontos sobre literatura
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Morando sozinha II
Mais Recentes
>>> As estranhas e belas mágoas de Ava Lavender de Leslye Walton pela Novo Conceito (2014)
>>> Um Lugar Perigoso de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das Letras (2014)
>>> Robinson Crusoe de Daniel Defoe pela Ediouro
>>> O pequeno Buda de Gordon McGill pela Círculo do Livro (1998)
>>> O Maior Homem que já viveu de Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados pela Sociedade Torre de Vigia (2020)
>>> Pequot de Vitor Ramil pela Artes e Ofícios (1995)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Record (1979)
>>> O resto é silêncio de Érico Veríssimo pela Globo (1998)
>>> Angústia de Graciliano Ramos pela Globo (2013)
>>> O Recurso de John Grisham pela Rocco (2015)
>>> Os doze mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2020)
>>> Direito Ambiental Positivo de Fabrício Gaspar Rodrigues pela Campus (2012)
>>> Mandado de Segurança de Luiz Fux pela Dir (2011)
>>> Lula: A opção mais que o voto de Cândido Mendes pela Garamond (2006)
>>> Latinomérica de Marcus Accioly pela Topbooks (2015)
>>> Levando a vida leve de Laura Medioli pela Justo Junior (2005)
>>> Les Filles du Feu / Les Chimères de Gérard de Nerval pela Garnier-Flammarion (1965)
>>> Revolucione sua qualidade de vida - Navegando nas ondas da emoção de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Mulheres certas que amam homens errados de Kristina Grish pela Gente (2007)
>>> Pequenos Poemas em Prosa de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> E de Evidência de Sue Grafton pela Ediouro (1999)
>>> M - O Homem Sensual de Record pela Record (1997)
>>> Verdura? Não! de Claire Llewellyn; Mike Gordon pela Scipione (2011)
>>> @s [email protected] de [email protected] York - as Senhoritas de Nova York de Daniel Piza pela Ftd (1999)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 10 Anos Brasil MTV de MTV pela Mtv
>>> 10 Contos de Natal de Gilberto de Nichile pela Scortecci (2015)
>>> 100 Jogos para Grupos de Ronaldo Yudi K. Yozo pela Agora (1996)
>>> 100 Magias para Aumentar Sua Autoconfiança - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2004)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Segredos das Pessoas de Sucesso de David Niven pela Sextante (2002)
>>> 1000 Formas de Interpretar o Seu Horoscopo de Girassol Edicoes pela Girassol (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Melhores Segredos Rapidos e Faceis para Voce de Jamie Novak pela Arx (2007)
>>> 1001 E-mails de Cynthia Dornelles pela Record (2003)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 101 Brasileiros Que Fizeram História de Jorge Caldeira pela Estação Brasil (2016)
>>> 101 Experiências de Filosofia Cotidiana de Roger Pol Droit pela Sextante (2002)
>>> 101 Livros Que Mudaram a Humanidade - Coleção Super Essencial de Superinteressante pela Superinteressante (2005)
>>> 101 Lugares para Fazer Sexo Antes de Morrer de Marsha Normandy; Joseph St. James; Alexandre Rosas pela Best Seller (2010)
>>> 102 Minutos: a História Inédita da Luta de Outros; Jim Dwyer pela Jorge Zahar (2005)
>>> 111 Poemas para Crianças de Sérgio Capparelli pela L&pm (2009)
>>> 117 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Margot Saint-loup pela Ediouro (2005)
COLUNAS

Sexta-feira, 3/5/2002
Superficialidade e Reducionismo
Evandro Ferreira

+ de 3700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Um dos passatempos preferidos dos professores universitários atualmente é dar palestras sobre o que costumam chamar de "sociedade contemporânea". Para ser ainda mais específico, um dos tipos mais bem-sucedidos de conferência nas faculdades brasileiras é aquele que traz o termo "pós-modernidade" ou "pós-moderno" no nome.

Disse bem sucedido e o fiz propositadamente, com o intuito de trazer à tona a relação com a palavra "sucesso", termo tão criticado pelos mesmos indivíduos que dão essas palestras. Mas talvez a relação mais correta seja com a palavra moda. Tenho estado cada vez mais convicto de que falar sobre a "pós-modernidade" e a "sociedade contemporânea" é hoje uma moda em nossas faculdades. Até aí, nada de errado. Todos nós sabemos que a situação sócio-cultural da humanidade é um problema muito grave. O que haveria de errado em tratá-lo em conferências e palestras? Nada, se considerarmos apenas essas informações.

Mas que tal considerarmos uma terceira? Mais especificamente, que exista uma relação inversa entre a amplitude dos conhecimentos adquiridos na faculdade e o crescimento estatístico das palestras sobre os referidos temas. Aí a coisa já se complica. Qualquer um que tenha um mínimo de bom senso é capaz de admitir que, para falar da "sociedade contemporânea", principalmente para um público de estudantes, o palestrante ou professor deveria ser um profundo (no mais rigoroso sentido da palavra) conhecedor de sociologia, filosofia, psicologia, religião, para não falar de antropologia e educação. Entretanto, o que vi durante os 7 anos em que já estive frequentando faculdades foi o seguinte: o palestrante conhece apenas a sua área - que geralmente é psicologia, filosofia ou jornalismo - e detém conhecimentos superficiais sobre as demais, e muitas vezes até faz questão de dizê-lo. Então, a partir do momento que senta na cadeira até a hora dos aplausos, não para mais de expelir clichês como "individualismo contemporâneo", "a sociedade contemporânea é uma sociedade do desejo", "o consumismo e a competitividade desumanizam as pessoas", "as prateleiras dos supermercados oferecem falsas escolhas", etc. Qualquer um que der uma passeada pelo campus perguntando aos alunos pode facilmente descobrir quais são os livrinhos (sempre finos!) que estão na moda.

Por que estou dizendo tudo isso? Simplesmente porque (quase) não aguento mais ver os professores deixarem de dar o conteúdo de sua disciplina para falar que a sociedade contemporânea incita o desejo. E também já estou farto de ver aqueles cartazes que anunciam novos debates em que os participantes vão falar as mesmas coisas sobre a "pós-modernidade" e a "fragmentação da identidade". O que permanece em tudo isso é a impressão de que os intelectuais já sabem há muito tempo quais são os problemas da humanidade, e resta só colocar as soluções em prática, ação que estaria sendo impedida pela "sociedade"! Ou pelo capitalismo, para ser mais preciso.

Os parágrafos anteriores foram quase um desabafo. Mas servem de introdução ao lançamento, senão de uma verdade, ao menos de uma constatação empiricamente fundada: existe um reducionismo analítico muito perigoso praticado pelos nossos professores e intelectuais nas faculdades. E existem hoje pelo menos três mentalidades centrais nas quais podemos encaixar esse reducionismo analítico: mentalidade anti-capitalista, mentalidade psicologista, mentalidade midiática.

A mentalidade anti-capitalista, podemos encontrá-la nas discussões em sala de aula. Jamais ouvi um aluno ou professor defender as virtudes de se exercer uma atividade empreendedora. O comércio é sempre visto como um mal necessário, que deve ser controlado por ser naturalmente maligno e incitador da ambição, da busca pelo sucesso, do consumismo e do hedonismo. Os alunos menos socialistas ficam sempre calados ou terminam dizendo que não se deve ser tão "radical". Além disso, as discussões sobre ética e política giram sempre em torno de como controlar a economia. Não sobra o mínimo espaço para as teorias que defendem que os problemas econômicos vêm da própria intervenção excessiva do Estado. Tais idéias são imediatamente tachadas de neoliberais, venham de onde vierem. Mas o fato é que não chegam nem a vir, já que nem são traduzidas para a língua portuguesa. Assim, as faculdades de administração ensinam os alunos a serem empresários e as demais ensinam a odiá-los.

A mentalidade psicologista reduz tudo a conceitos psicológicos. E a análise da cultura e da sociedade vira uma espécie de psicologia da cultura, através da qual se atribui a uma abstrata "sociedade" qualidades humanas, como hedonismo, individualismo, egoísmo. Se a sociedade é hedonista, o que faria um bom sociólogo? Consideraria a afirmação como metafórica e buscaria uma melhor definição, bem como as origens desse "hedonismo". Talvez sejamos hedonistas porque certas pessoas, há algum tempo atrás, começaram a defender idéias hedonistas e a lançar livros incitando todos a fazer sexo, por exemplo. Essa é uma análise simples, parece até meio ridícula. Mas, se não admitirmos a possibilidade de que o homem produz novas idéias, onde vamos parar? Talvez paremos no marxismo. Então o surgimento do hedonismo seria um resultado das relações materiais capitalistas. E tem muita gente por aí pensando assim. Mais do que se imagina.

O que nunca vejo alguém falar é que o homem deve ser responsável pelas idéias que cria. Se um filósofo francês escreve um tratado em defesa do hedonismo, uma grande editora brasileira o publica e os meios acadêmicos o recebem com louvor e seriedade. Mas se a "sociedade" ameaça aceitar a idéia, então a intelectualidade bem-pensante já vai buscar origens psicológicas e materiais disso, como se as teorias que nascem nas faculdades não dessem origem a comportamentos na sociedade. Enfim, não basta dizer que somos hedonistas - ou qualquer outra coisa. Isso ainda não é fazer ciência.

A mentalidade midiática, por sua vez, nasce nas faculdades de comunicação e se propaga com extrema facilidade através dos próprios meios de comunicação. Ela faz com que se reduza todos os males da humanidade a um problema de "ética na comunicação". Assim, a lógica da TV, por exemplo, é culpada pela degeneração da moral e pelas desigualdades sociais. Centenas de jornalistas gastam suas vidas inteiras cobrando uma "programação de qualidade", sem perceber que as loiras bundudas e os jovens malhados são apenas uma versão moderna dos pais hippies e dos rebeldes sem causa da década de 50, ou seja, deles mesmos. A problemática toda termina na política, isto é, no consenso em torno da criação de novas leis, que vão expandir cada vez mais as mãos do Estado, nova versão do coronel protetor dos ignorantes que não sabem o que é melhor para eles.

Os reducionismos, por certo, vão bem além desses três. Mas estes já suscitam questionamentos suficientes. Um dos grandes problemas do Brasil hoje é a perda do senso de responsabilidade por parte dos professores e intelectuais. Se vão falar de temas abrangentes, precisam ter conhecimentos vastos. Como discutir sobre sociedade com um jornalista que nem leu Weber? Ou ainda, como falar de individualismo, no âmbito social e econômico, com uma pessoa que só estudou o fenômeno no plano psicológico e nem sabe quais são as formas de individualismo defendidas por intelectuais como Thoreau ou Ayn Rand? O que acontece hoje é que estas pessoas estão mais interessadas em criticar a sociedade ocidental do que em saber o que ela é e como se formou.

Um professor de psicologia certa vez me disse que um dos principais problemas da sociedade contemporânea é o individualismo. Então fiquei pensando: como conciliar essa afirmação com a massificação, que transforma as pessoas em robôs e faz com que pareçam todas iguais, vestindo-se da mesma forma e defendendo as mesmas idéias? Onde está o individualismo no meio da massa? Não haveria então um coletivismo? Mas ele nem pensou nesse problema teórico - nem ele e nem outros tantos intelectuais que já vi falarem sobre o tema. Se isso não é sinal de superficialidade analítica, então eu me chamo Elvis Presley!


Evandro Ferreira
Belo Horizonte, 3/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Proibir ou não proibir? de Cassionei Niches Petry
02. Paixão e sucata de Daniela Kahn
03. Lendo no Kindle de Julio Daio Borges
04. Fugindo do apocalipse de Celso A. Uequed Pitol
05. Ensaio de interpretação do Orkut de Julio Daio Borges


Mais Evandro Ferreira
Mais Acessadas de Evandro Ferreira em 2002
01. Apesar da democracia - 24/9/2002
02. Pensando sozinho - 27/8/2002
03. Babação do popular - 13/8/2002
04. O pensamento biônico - 23/7/2002
05. O underground e o Estado - 10/9/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/5/2002
10h48min
E isso, Evandro, sem mencionar a velha tática usada por tais palestrantes iluminados, que é a de se esconder por trás de um jargão nebuloso e impenetrável. Bem que poderia surgir um Alan Sokal por aqui, prá botar em seus devidos lugares uma meia dúzia de densos tagarelas. Abraço Rogério Macedo P.S. Sobre tal jargão já escrevi em meu blog (http://pradomacedo.blogspot.com) no dia 1 de Junho de 2001.
[Leia outros Comentários de Rogério Macedo]
6/5/2002
11h38min
Muito bom, Evandro, muito bom! É isso mesmo. E eu sempre quis escrever algumas das suas frases, colocando a culpa das bundudas nos hippies e dizendo que, enquanto as faculdades de Adm. nos ensinam a sermos empresários, as outras ensinam a odiá-los. Perfeito, e o resto também. Abraço,
Eduardo
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SOCIOLOGIA DA VIDA ECONÔMICA
NEIL J SMELSER
PIONEIRA
(1968)
R$ 5,88



REVISTA ARTE E DECORAÇÃO - JUNHO 1998 Nº 221
OBRA COLETIVA
ABRIL
(1998)
R$ 6,07



MELHORES CONTOS - MACHADO DE ASSIS
JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS
GLOBAL
(2001)
R$ 14,90



HISTÓRIAS CONTADAS CELEBRANDO A VIDA E APRENDENDO COM O CANCER
CENTRON
CENTRON
(2010)
R$ 5,00



GRANDES IMPÉRIOS E CIVILIZAÇÕES - A BÍBLIA VOL. II
NÃO LOCALIZADO
DEL PRADO
(1997)
R$ 6,90



CÁLCULO COM GEOMETRIA ANALÍTICA
EARL W. SWOKOWSKI
MAKRON BOOKS
(1994)
R$ 19,90



GUIA PRÁTICO DOS PAIS
SUZY NCAMACHO
GREEN FORET DO BRASIL
(2000)
R$ 12,00



CRISTAIS
CLÁUDIA BOECHAT
CARAS
(2014)
R$ 5,00



CATÁLOGO GERAL DAS GALERIAS DE PINTURA E DE ESCULTURA 7838
ESCOLA NACIONAL DE BELAS ARTES
O NORTE
(1923)
R$ 22,00



OS PÁSSAROS SELVAGENS
JOSÉ CARLOS LEAL
LE
R$ 5,00





busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês