Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> A LPB e o thriller verde-amarelo
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
Mais Recentes
>>> Fênix Renascendo das Cinzas de Daniel C. Luz pela Dvs (2005)
>>> Casa Limpa e Arrumada de Donna Smallin pela Fisicalbook (2006)
>>> Diversidade na Aprendizagem de Necessidades Especiais de Vários Autores pela Iesde (2010)
>>> Família,Liberdade e Participação de Vários Autores pela Escola de Pais do Brasil (1987)
>>> Desenvolvimento e Personalidade da Criança de Mussen/Conger/Kagan pela Harbra (1977)
>>> Vista Da Janela de Rosali Michelsohn pela Reflexão
>>> Sem Medo De Ser Feliz de Isabel Losada pela Alaúde (2013)
>>> Socorro, Meu Filho Nao Quer Comer! - Um Guia Pratico Para As Maes de Branca Sister pela Alegro (2004)
>>> Dona Beija Feiticeira do Araxá de Thomas leonardos pela Record (1986)
>>> Cura Pelas Mãos, Ou, A Prática Da Polaridade de Richard Gordon pela Pensamento (1978)
>>> Onde Esta Tereza ? de Zíbia Gasparetto / Lucius pela Vida E Consciencia (2007)
>>> Assombrassustos de Stella Carr pela Pioneia (1973)
>>> Uma Viagem ao Mundo Maravilhoso do Vinho de José Wilson Ciotti / Regina Lúcia Ciotti pela Barbacena (2003)
>>> A. Criança em Desenvolvimento de Helen Bee pela Harbra (1977)
>>> A Vida é Sonho de Pedro Calderón De Lá Barca pela Scritta (1992)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
>>> Mercadão Municipal - O Mundo e seus Sabores de Vários Autores pela Map (2004)
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 24/11/2020
Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 3500 Acessos



O primeiro contato que tive com a poesia de Carol Sanches foi através do seu livro Não me espere para jantar, publicado pela editora Patuá, em 2019, e que resenhei aqui no Digestivocultural. Agora volto a encontrar a sua poesia através de seu novo livro, Devo admitir que me dá um certo prazer, publicado pela editora Urutau.

A linguagem e as imagens de sua poesia mantêm-se basicamente na mesma clave: perscrutar o cotidiano, as relações humanas, os acontecimentos (sejam domésticos ou do mundo social ou existencial) e, com argúcia, transformar essa matéria – ou material – numa forma através da qual os contornos que a cercam possibilitem ver e reconhecer a experiência interior do seu mundo.

Em seus quase 40 poemas novos, a poeta “passeia” os olhos pelas coisas do mundo, enfrenta-as com a resistência do olhar crítico de quem não as reconhece como normais e/ou assentadas numa “realidade” tranquila. Elas passam por seu crivo crítico o tempo todo, por vezes desafiando sua verdade com uma narrativa irreal, onde bichos como coelhos e jacarés passam a serem vistos pelo centro da cidade. A angústia diante da linguagem – a que pretende já tudo ter dito -, a incomoda, como no poema “Elipse”, em que a realidade “se estica/ encolhe” e o que sobra “você e eu”, são apenas abstrações – ou seja, a incomunicabilidade inerente aos homens.

Não estamos aqui no reino da “poesia feminina” (essa bobagem conceitual), mas a poeta protesta, por exemplo, contra as convenções que edificaram o cárcere privado do casamento – como paraíso ou inferno para as mulheres? - no poema de mesmo nome, onde, pressupõe-se, aquilo que seria bom, torna-se “a fartura dos fatos/ os poemas vencidos/ os boletos a pagar”. Não se trata, insisto aqui, em “poesia feminina”, mas numa averiguação crítica dos espaços sociais edificados que são confrontados com o humor, com a ironia e com a psicologia que desbrava a situação peculiar das ciladas postas diariamente ao ser humano – em geral - na sua relação com o mundo.

Ironia e sarcasmo, também, porque não!? Poemas como “despertar”, “A dúvida” e “A mudança” nos lançam diretamente nesses modos de operar a linguagem contra o campo da atividade e das ações pragmáticas da existência.

A poesia vai ganhando no âmbito da autonomia da linguagem nesse livro. As palavras começam a brincar, a saberem-se instrumentos de um jogo, por vezes lúdico, por vezes perverso, que rompe a desfaçatez de um mundo que se quer levado à sério. Desconstruir o espaço, o tempo, a forma como os objetos do mundo se alinham, passa a ser quase uma obrigação de sua poesia.

Não estamos diante de uma poética que apenas se atordoa frente ao mundo, pois também há muita ventilação dentro do livro. A poeta admite que lhe “dá um certo prazer” essa capacidade da linguagem em desconstruir o universo organizado do mundo em que habita. Não à toa o título do livro: Devo admitir que me dá um certo prazer. “A colheita”, título de um dos poemas, embora guarde um desconforto com as memórias guardadas, mesmo sendo jogadas fora, são ainda sementes, estas que frutificam na forma dos poemas que lemos ao longo do livro.

No livro há sempre um jogo de tensão entre aquilo que se apresenta como negativo, aquilo que pede um encolhimento, um silêncio e a possibilidade – “ainda que à sombra de tudo” - de alguma réstia de tranquilidade: um desejo por “bons sonhos”. É o que diz o poema “Esconderijo”. Essa tensão permanente serve ao jogo da linguagem poética e ao mesmo tempo produz uma reflexão sobre as inconstâncias da existência, sobre aquilo que se pretende edificar e sua possibilidade de desmoronamento.



Carol Sanches sabe criar imagens densas, geralmente finalizando um poema que parecia anunciar ao longo de seus versos alguma positividade – esta positividade, no entanto, num átimo, se desfaz e “como o corte/ sangra limpo/ sem vestígios”. Uma espécie de dor calada, como no poema “O meridiano” onde “falo baixo/ para contrapor/ meus gritos”.

Um dos poemas mais fortes do livro é “O fio”, intrigante reflexão sobre o existir e o finalizar da existência. Por seu tamanho, infelizmente, não o publicaremos aqui. Memória, corpos, a colcha de retalhos que é a vida, a natureza, os seres inferiores, tudo o que é ligado no tecer do presente e do passado, preservados numa seiva subterrânea, o fio. Apesar de que... “na morte/ todos nós seres/ enquanto vivos/ voltamos ao chão”.

A poesia de Carol Sanches tem crescido e a base desse crescimento é a tensão alimentada entre o existir e a linguagem. A poesia, essa ferramenta de resistência dos seres sensíveis, invoca as “dores do mundo”, mas também liquidifica esse mesmo mundo em sua pretensão de calar as forças vitais dos descontentes.

Para ir além:

Carol Sanches. Devo admitir que me dá um certo prazer. Editora urutau, 2020. Pedidos pela www.editoraurutal.com.br.

Ilustração: Fabricius Nery. A ratoeira do mundo. óleo/ tela.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 24/11/2020

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
02. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
03. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
04. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio
05. O cinema de Weerasethakul de Guilherme Carvalhal


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2020
01. A pintura do caos, de Kate Manhães - 8/9/2020
02. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori - 21/7/2020
03. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida - 7/4/2020
04. Casa, poemas de Mário Alex Rosa - 8/12/2020
05. Entrevista com Gerald Thomas - 7/1/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Biografias Muito Longe de Casa Memórias de um Menino Soldado
Ishmael Heah
Ediouro
(2007)



Diários do Vampiro A Fúria
L. J. Smith
Galera Record
(2013)



Livro Literatura Estrangeira O Museu da Inocência
Orhan Pamuk
Companhia das Letras
(2011)



Alinhando as Estrelas
Jay W. Lorsch; Thomas J. Tierney
Campus
(2003)



A Ciência Médica de House
Andrew Holtz
Best Seller
(2024)



O Coelho Branco
Bruce Marshall
Mérito
(1954)



Ídolos ou ideal?
Humberto Rohden
Martin Claret
(2000)



A Chave da Alquimia
Paracelso
Três
(1983)



Livro Esoterismo O Caminho da Energia domine a arte chinesa da força interior com exercícios de Chi Kung
Mestre Lam Kam Chuen
Manole
(1991)



Livro Literatura Estrangeira Quatro Historias da Serie Divergente
Veronica Roth; Lucas Peterson
Rocco
(2014)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês