Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Falta alguma coisa ali no meio
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> Despindo o Sargento Pimenta
>>> 15 de Agosto #digestivo10anos
>>> E se refez a Praça Roosevelt em sete anos
>>> Uma História do LED
>>> Caetano, não seja velho coronel
>>> Vento Bravo, com Edu e Tom
>>> Como o Google funciona
>>> A boa literatura brasileira
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete - Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa de Caldas Aulete - Paulo Geiger ( Org. ) pela Lexikon (2011)
>>> O Laptop de Leonardo de Ben Shneiderman pela Nova Fronteira (2006)
>>> História da Paz de Demétrio Magnoli ( Org. ) pela Contexto (2008)
>>> O amor jamais te esquece de André Luiz Ruiz pela Ide (2003)
>>> Nosso Livro de Francisco Cândido Xavier pela Lake (2005)
>>> Direito Penal 1 Parte Geral de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Em Espírito e Em Verdade de Andy Park pela Vida
>>> Mente e Cérebro Poderosos de Conceição Trucom pela Cultrix (2010)
>>> Todo Ar Que Respiras de Judith Mcnaught pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tudo Bem Ser Diferente de Todd Parr pela Panda Books # (2002)
>>> Sonho Oriental Sabores e Receitas de Editora Caras pela Caras
>>> O Que Fazer? Falando de Convivência de Liliana Iacocca pela Ática
>>> O Homem Que Roubava Horas de Daniel Munduruku e Janaina Tokitaka pela Brinque Book (2010)
>>> Mulheres Inteligentes, Relações Saudáveis de Augusto Cury pela Academia
>>> Ana Karênina Volume 1 de Tolstoi pela Nova Cultural (1997)
>>> A Bíblia do Otimismo de R. Stanganelli pela Tríade
>>> Coleção na Luz da Verdade 1, 2 e 3 de Abdruschin pela Ordem do Graal na Terra (1999)
>>> O Rapto do Garoto de Ouro Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica
>>> Como Fazer Qualquer Pessoa Se Apaixonar por Você! de Leil Lowndes pela Record
>>> A Sombra do Vulcão de Malcom Lowry pela L&pm Pocket (2007)
>>> Manual de Direito Penal Parte Especial Vol II 27ª Edição de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2010)
>>> Do Outro Mundo - Coleção Ana Maria Machado de Ana Maria Machado pela Ática (2002)
>>> Dicionário Jurídico Brasileiro Acquaviva - Edição de Luxo de Marcus Claudio Acquaviva pela Jurídica Brasileira (1995)
>>> A Tecnologia Acima do Bem e do Mal de José Rubens Salles Toledo pela Itafi (2016)
>>> Cómo Pintar a óleo de Jose Maria Parramon pela Parramón
COLUNAS

Terça-feira, 24/11/2020
Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2000 Acessos



O primeiro contato que tive com a poesia de Carol Sanches foi através do seu livro Não me espere para jantar, publicado pela editora Patuá, em 2019, e que resenhei aqui no Digestivocultural. Agora volto a encontrar a sua poesia através de seu novo livro, Devo admitir que me dá um certo prazer, publicado pela editora Urutau.

A linguagem e as imagens de sua poesia mantêm-se basicamente na mesma clave: perscrutar o cotidiano, as relações humanas, os acontecimentos (sejam domésticos ou do mundo social ou existencial) e, com argúcia, transformar essa matéria – ou material – numa forma através da qual os contornos que a cercam possibilitem ver e reconhecer a experiência interior do seu mundo.

Em seus quase 40 poemas novos, a poeta “passeia” os olhos pelas coisas do mundo, enfrenta-as com a resistência do olhar crítico de quem não as reconhece como normais e/ou assentadas numa “realidade” tranquila. Elas passam por seu crivo crítico o tempo todo, por vezes desafiando sua verdade com uma narrativa irreal, onde bichos como coelhos e jacarés passam a serem vistos pelo centro da cidade. A angústia diante da linguagem – a que pretende já tudo ter dito -, a incomoda, como no poema “Elipse”, em que a realidade “se estica/ encolhe” e o que sobra “você e eu”, são apenas abstrações – ou seja, a incomunicabilidade inerente aos homens.

Não estamos aqui no reino da “poesia feminina” (essa bobagem conceitual), mas a poeta protesta, por exemplo, contra as convenções que edificaram o cárcere privado do casamento – como paraíso ou inferno para as mulheres? - no poema de mesmo nome, onde, pressupõe-se, aquilo que seria bom, torna-se “a fartura dos fatos/ os poemas vencidos/ os boletos a pagar”. Não se trata, insisto aqui, em “poesia feminina”, mas numa averiguação crítica dos espaços sociais edificados que são confrontados com o humor, com a ironia e com a psicologia que desbrava a situação peculiar das ciladas postas diariamente ao ser humano – em geral - na sua relação com o mundo.

Ironia e sarcasmo, também, porque não!? Poemas como “despertar”, “A dúvida” e “A mudança” nos lançam diretamente nesses modos de operar a linguagem contra o campo da atividade e das ações pragmáticas da existência.

A poesia vai ganhando no âmbito da autonomia da linguagem nesse livro. As palavras começam a brincar, a saberem-se instrumentos de um jogo, por vezes lúdico, por vezes perverso, que rompe a desfaçatez de um mundo que se quer levado à sério. Desconstruir o espaço, o tempo, a forma como os objetos do mundo se alinham, passa a ser quase uma obrigação de sua poesia.

Não estamos diante de uma poética que apenas se atordoa frente ao mundo, pois também há muita ventilação dentro do livro. A poeta admite que lhe “dá um certo prazer” essa capacidade da linguagem em desconstruir o universo organizado do mundo em que habita. Não à toa o título do livro: Devo admitir que me dá um certo prazer. “A colheita”, título de um dos poemas, embora guarde um desconforto com as memórias guardadas, mesmo sendo jogadas fora, são ainda sementes, estas que frutificam na forma dos poemas que lemos ao longo do livro.

No livro há sempre um jogo de tensão entre aquilo que se apresenta como negativo, aquilo que pede um encolhimento, um silêncio e a possibilidade – “ainda que à sombra de tudo” - de alguma réstia de tranquilidade: um desejo por “bons sonhos”. É o que diz o poema “Esconderijo”. Essa tensão permanente serve ao jogo da linguagem poética e ao mesmo tempo produz uma reflexão sobre as inconstâncias da existência, sobre aquilo que se pretende edificar e sua possibilidade de desmoronamento.



Carol Sanches sabe criar imagens densas, geralmente finalizando um poema que parecia anunciar ao longo de seus versos alguma positividade – esta positividade, no entanto, num átimo, se desfaz e “como o corte/ sangra limpo/ sem vestígios”. Uma espécie de dor calada, como no poema “O meridiano” onde “falo baixo/ para contrapor/ meus gritos”.

Um dos poemas mais fortes do livro é “O fio”, intrigante reflexão sobre o existir e o finalizar da existência. Por seu tamanho, infelizmente, não o publicaremos aqui. Memória, corpos, a colcha de retalhos que é a vida, a natureza, os seres inferiores, tudo o que é ligado no tecer do presente e do passado, preservados numa seiva subterrânea, o fio. Apesar de que... “na morte/ todos nós seres/ enquanto vivos/ voltamos ao chão”.

A poesia de Carol Sanches tem crescido e a base desse crescimento é a tensão alimentada entre o existir e a linguagem. A poesia, essa ferramenta de resistência dos seres sensíveis, invoca as “dores do mundo”, mas também liquidifica esse mesmo mundo em sua pretensão de calar as forças vitais dos descontentes.

Para ir além:

Carol Sanches. Devo admitir que me dá um certo prazer. Editora urutau, 2020. Pedidos pela www.editoraurutal.com.br.

Ilustração: Fabricius Nery. A ratoeira do mundo. óleo/ tela.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 24/11/2020


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2020
01. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori - 21/7/2020
02. Casa, poemas de Mário Alex Rosa - 8/12/2020
03. A pintura do caos, de Kate Manhães - 8/9/2020
04. Entrevista com o tradutor Oleg Andréev Almeida - 7/4/2020
05. Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes - 29/9/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Martin, Filhote de águia
Terezinha Éboli
Agir
(1989)



Ausblick 2 Kursbuch
Anni Fischer Mitziviris
Hueber
(2009)



Espírito Santo, Brasil - Bilíngue
Luis Guilherme Santos Neves e Outros
Casa e Jardim
(1994)



La Mémoire de Lâme
Launier / Mcebius
Stardom
(2001)



Os Pensadores da Grécia - Tomo I - Filosofia Pré-socrática - 1ª Edição
Theodor Gomperz
Ícone
(2011)



Paula
Isabel Allende
Abdr
(1996)



Manual do Engenheiro Globo 2º Volume 1º Tomo
Bolivar Barros e Outros
Globo
(1977)



Dicionário Espanhol Português
A. Tenório Dalbuquerque
Itatiaia



Vivendo Em Meio a Milagres
Steve Hill
Central Gospel
(2008)



São Paulo Em Vinte Artistas
Alberto Hiar Junior
Imprensa Oficial
(2010)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês