Micronarrativa e pornografia | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
69289 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mostra de Teatro traz quatro peças para assistir on-line
>>> Festival Som na Faixa apresenta edição online com atrações da música instrumental
>>> Leituras Urbanas começa novo ciclo literário
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Papa Francisco
>>> Pequena notável
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> USP: 75 anos de histórias várias
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Minicursos na PUC Minas
>>> 7 de Setembro
>>> Dublinenses
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
Mais Recentes
>>> O Estranho Caso do Cachorro Morto de Mark Haddon pela Record (2011)
>>> Barriga de Trigo: Livre-se do Trigo, Livre-se dos Quilos a Mais e Descubra seu Caminho de Volta para a Saúde de William Davis pela WMF Martins Fontes (2014)
>>> Pecados sagrados de Nora Roberts; Alda Porto pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Orgullosamente Lupita de Marta Anchustegui Y Amparin Serrano pela Independente (2008)
>>> As Crônicas de Bane de Cassandra Clare; Sarah Rees Brennan; Maureen Johnson pela Galera Record (2014)
>>> Quem Manipula os Povos Indígenas Contra o Desenvolvimento do Brasil de Lorenzo Carrasco; Silvia Palacios pela Capax Dei (2013)
>>> FIlho do Hamas de Mosab Hassan Yousef pela Sextante (2010)
>>> Decida você - Como e quanto viver de Renato Maia Guimarães pela Saude e Letras (2008)
>>> O jardim de ossos de Tess Gerritsen; Alexandre Raposo pela Record (2009)
>>> Perdas Necessárias de Judith Viorst pela Melhoramentos (2005)
>>> O corretor de John Grisham pela Rocco (2005)
>>> Cinquenta tons mais escuros de E L James; Juliana Romeiro pela Intrinseca (2015)
>>> Esta Terra Tem Dono - Esta Tierra Tiene Dueño - Co Yvy Oguereco Yara de Alcy Cheuiche pela Age (2012)
>>> A Odisseia da Filosofia: Uma Breve História do Pensamento Ocidental de José Francisco Botelho pela Abril (2015)
>>> Pureza mortal de Nora Roberts; J. D. Robb; Renato Motta pela Bertrand Brasil (2011)
>>> A Hisótira da Ciência Para Quem Tem Pressa: De Galileu a Stephen Hawking em 200 Páginas de Nicola Chalton; Meredith MacArdle pela Valentina (2017)
>>> Contos da seleção o principe e o guarda de Kiera Cass; Cristian Clemente pela Seguinte (2014)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta do Brasil (2007)
>>> Dublinenses de James Joyce pela Biblioteca Folha (2003)
>>> Viaje a Ixtlan de Carlos Castaneda pela Fondo de Cultura Económica (2009)
>>> História do amor no Ocidente de Denis de Rougemont pela Ediouro (2003)
>>> As cidades invisíveis - coleção biblioteca folha de Italo Calvino pela Biblioteca Folha (2003)
>>> O evangelho segundo o espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2004)
>>> Breves Respostas para Grandes Questões de Stephen Hawking pela Intrínseca (2018)
>>> Presença do Vinho no Brasil. um Pouco de História de Carlos Ernesto Cabral de Mello pela Cultura (2018)
>>> Uberizacao de Tom slee pela Elefante (2020)
>>> O Processo de Franz Kafka pela 1117 (2012)
>>> União 100 anos - Receitas que fazem nossa história de Açucar União pela Gold (2000)
>>> Os Miseráveis de Victor Hugo; Walcyr Carrasco pela Moderna (2012)
>>> La Religión Dentro de los Límites de la Mera Razón de Immanuel Kant pela Alianza Editorial (2009)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Alexandria (2015)
>>> Mentes Inquietas: TDAH - Desatenção, Hiperatividade e Impulsividade de Ana Beatriz Barbosa Silva pela Objetiva (2004)
>>> A primeira história do cristianismo de Daniel Marguerat pela Paulus, Loyola (2003)
>>> As erras mais primitivas da terra (Tomo 1 e 2) de G. H. Pember pela Ed Clássicos (2003)
>>> The Witcher Livro 1: O Último Desejo de Andrej Sapkowski pela WMF Martins Fontes (2011)
>>> O Hobbit de J. R. R. Tolkien pela WMF Martins Fontes (2013)
>>> O Silmarillion de J. R. R. Tolkien pela WMF Martins Fontes (2011)
>>> Livro de Uma Sogra – Obra Completa Nº 5 de Aluísio Azevedo pela Waldré (1982)
>>> O Mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (1992)
>>> Os Lusíadas de Luís de Camões pela Abril (1979)
>>> Os Trabalhadores do Mar de Victor Hugo pela Abril (1979)
>>> Decamerão (2 volumes) de Giovanni Boccaccio pela Abril (1981)
>>> Relações entre a Igreja e o Estado de Rafael Llano Cifuentes pela José Olympio (1989)
>>> A Interpretação do Homem de Renato Kehl pela Francisco Alves (1951)
>>> Envelheça Sorrindo de Renato Kehl pela Francisco Alves (1949)
>>> O Milagre de Lourdes de Ruth Cranston pela Melhoramentos (1955)
>>> Diário de um pároco de aldeia de Georges Bernanos pela Agir (1964)
>>> A Doutrina Social da Igreja de G. C. Rutten, O. P. pela Agir (1947)
>>> Maria e o Evangelho de Jean Galot pela Aster (1961)
>>> O que sobrou do paraíso? de Jean Delumeau pela Companhia das letras (2003)
COLUNAS

Terça-feira, 21/3/2006
Micronarrativa e pornografia
Marcelo Spalding

+ de 10100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Encontrei o orgasmo da literatura. Foi quando comecei a estudar a micronarrativa - ou microcontos. Em busca de uma metáfora para explicar a micronarrativa e compará-la aos demais gêneros, cheguei a conclusão de que a leitura de um livro pode ser comparada ao ato sexual, e o orgasmo seria, aí, o que os doutos antigos chamavam de clímax (também consegui uma comparação com o futebol, em que o clímax seria o gol, mas esta analogia mais pornográfica me pareceu melhor pela universalidade e polêmica). Avante, então.

Já se disse que micronarrativas são narrativas muito pequenas. Alguns citam "Um Apólogo", de Machado de Assis, como um pioneiro deste gênero, mas a narrativa do mestre ultrapassa 500 palavras, além de estar inserida num contexto sócio-cultural completamente diferente daquele em que surge e se afirma a micronarrativa contemporânea. A raiz do gênero estaria no minimalismo norte-americano, que gerou um Raymond Carver inspirado na concisão de Hemingway e reducionista como só ele. Daí nasceu o termo Flash Fiction, que abarcaria contos curtos de até 1000 palavras. E com a redução cada vez maior do tempo de leitura e do tamanho dos contos, batizaram os norte-americanos de micro-fiction uma ficção produzida com até 300 palavras.

Para entender como é possível uma narrativa tão curta, recorremos ao sexo. O que caracteriza uma relação sexual completa (não importa aqui se boa ou ruim) na cultura ocidental? O orgasmo, sem dúvida. Pode haver relação sem orgasmo, mas não se diria que seja completa. Mas pode haver sexo sem preliminares, até sem beijos, já diria o vampiro de Curitiba, desde que haja orgasmo. Pois bem, o mesmo ocorre com a micronarrativa.

Enquanto o romance é uma relação sexual profunda, calma, em que os parceiros tocam-se com carinho e perícia, beijam-se demoradamente, procuram os sexos com as mãos, um aperta os seios contra o peito, outra arranha as costas com a ponta das unhas, para finalmente haver a penetração e o gozo, a micronarrativa é a parte da penetração e do gozo. A rapidinha.

Provavelmente a sensação de prazer será maior na primeira relação, em que todo o clima criado pelo casal culminará num êxtase profundo. Exatamente a sensação do leitor ao final de um bom romance: inesquecível. Isso não quer dizer que o casal não goste muito, eventualmente, da relação fugaz e ardente de poucos minutos, menos de um minuto. O casal pode, por exemplo, estar há semanas sem se ver, provocando-se mutuamente por telefone, influenciados por um filme lascivo da TV, pensando na modelo do outdoor ou simplesmente com pressa para não perder o avião.

É provável que antigamente, no tempo dos contos de diversas páginas de Machado, o sexo também fosse mais longo. As relações, os passos, os bondes, a vida era mais devagar e por isso o espaço parecia maior. Não por acaso o século XX inventou a machete e o lead nos jornais, o slogan na publicidade, o refrão na música, o avião, a internet. O tempo do mundo acelerou à medida dos automóveis e, em pleno século XXI, parece impensável alguém ficar horas lendo uma única narrativa como O Tempo e o Vento, de Érico Verissimo.

Além da pressa, o fato de as pessoas estarem acostumadas e até extenuadas de narrativas contribui para a possibilidade de um contato mais fugaz com a literatura sem que se perca o prazer deste contato, assim como o erotismo dos tempos modernos acelera relação, penetração e orgasmo de qualquer amante em condições naturais (não vale praticantes de yoga ou consumidores de Viagra).

No Brasil, o primeiro exemplar de "rapidinhas" foi chamado pelo seu autor de ministórias. É de Dalton Trevisan e foi publicado em 1994. Eis uma destas "rapidinhas" não batizadas:

Assustada, a velha pula da cadeira, se debruça na cama:
- João. Fale comigo, João.
Geme lá no fundo, abre o olhinho vazio:
- Bruuuxa... diaaaba...
- Ai, que alívio. Graças a Deus.

Em trinta palavras o narrador apresentou personagens em movimento dentro de determinado espaço, caracterizando o básico de uma narrativa. Ainda que não estejam definidas as personagens nem delimitado o espaço, entende-se tratar de um casal de idosos em sua casa. E isso basta. Provoca o riso no leitor, terminando a relação. É fugaz, provavelmente seja esquecido até se chegar ao final do livro, mas ficará a impressão geral do conjunto de narrativas.

Nos anos seguintes, diversos livros de "rapidinhas", ou micronarrativas, foram publicados no país e alguns, inclusive, premiados. Entre agosto de 1998 e dezembro de 2001, João Gilberto Noll publica 338 pequenas narrativas na Folha de S. Paulo sob o título de "Relâmpagos", textos que mais tarde, em 2003, seriam reunidos e publicados pela Francis no livro Mínimos, múltiplos, comuns, Prêmio Academia Brasileira de Letras em 2004. Em 2001, Luiz Rufatto surpreende com Eles eram muitos cavalos, onde conta 70 histórias, por ele chamada de "flashes", da cidade de São Paulo no dia 9 de maio de 2000, e fatura o Prêmio Machado de Assis da mesma Academia. No mesmo ano Fernando Bonassi publica o ótimo Passaporte, relatos de viagem em forma de micronarrativas que vão muito além de relatos. Mas precisariam de mais alguns anos para que o reducionismo na ficção chegasse ao seu ápice, uma radicalização enriquecedora para a compreensão e estudo da micronarrativa: Os Cem Menores Contos Brasileiros do Século, organizado pelo escritor Marcelino Freire em 2004.

A antologia traz cem contos de até cinqüenta letras de renomados autores brasileiros contemporâneos como Glauco Mattoso, Sérgio Sant'Anna, Márcia Denser, Miguel Sanches Neto e, claro, Fernando Bonassi e Luiz Rufatto. É nessa obra que se entende a essência do conceito de "rapidinha":

Uma vida inteira pela frente.
O tiro veio por trás.

O texto de Cíntia Moscovich tem dez palavras, sem título nem qualquer outra referência. E a um leitor contemporâneo, acostumado com Rubem Fonseca e a violência urbana, encerra todo um significado. Não há descrição alguma assim como na "rapidinha" não há perfume. As personagens não têm nome, assim como na "rapidinha". Não há cenário, ou melhor, o cenário pode ser qualquer um. Já apresentação da obra, Ítalo Moriconi afirma: "alguém já disse, poesia é uma frase ou duas e uma paisagem inteira por trás". E deve ter havido alguém - provavelmente um homem - que tenha dito: "sexo é orgasmo e uma enrolação inteira antes".

Evidente que a analogia sexo/narrativa é mais humorada do que científica. Mas consegue, além de ser descritiva, dar uma pista para o juízo de valor dessa nova estética. Em meio a uma vida sexual repleta de beijos, carícias, abraços e massagens, há de haver momentos de rompante sexual e transas alucinadamente rápidas. Mas não serão a regra, sob o risco de banalizar o orgasmo e tirar dele seu melhor: a intensidade. Assim o é com a micronarrativa: em meio a aparente mesmice dos romances, novelas, contos, filmes a que somos submetidos, cai bem a velocidade alucinadamente rápida da micronarrativa. Mas não pode ser ela a regra sob o risco de banalizar a narrativa e dela tirar seu melhor: a intensidade.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 21/3/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Formatura de Daniel Bushatsky
02. Hugo Cabret exuma Georges Méliès de Wellington Machado
03. As Memórias de Viktor Frankl de Ricardo de Mattos
04. Ilustres convidados de Carla Ceres
05. A decadência do herói de André Graciotti


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/2/2006
23h34min
Bacana demais, Marcelo. Curti seu texto e vou passar pra frente.
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Ribeiro]
24/3/2006
09h54min
Marcelo, só consigo escrever contos de uma página. Mas também, como leitora, não gosto dos contos compridos. Talvez seja o que você falou: "As relações, os passos, os bondes, a vida era mais devagar e por isso o espaço parecia maior." Quem sabe, num desses feriados, deixo o tempo passar "ao natural" e escrevo, demoradamente, um maior número de palavras!
[Leia outros Comentários de juliana]
30/5/2006
22h50min
No meu blog tenho um conto de página e meia chamado "Camafeu". Tecnicamente, estaria calcado na lição II de I. Calvino-"Rapidez". E o que J. Cortazar "teorizou" a respeito da narrativa breve? E quem andou criando um conto suprimindo-lhe o começo e o final, à moda russa? Simpático o texto do Marcelo, mas acho que o tema não dispensa preliminares.
[Leia outros Comentários de Marco A.A.Bueno]
1/8/2006
18h40min
Genial a comparação :)
[Leia outros Comentários de Ana Claudia]
12/9/2006
04h12min
No momento em que uma receita de bolo começa a ter muito mais palavras que um conto, alguma coisa estranha está acontecendo na literatura. Ei, por que não reduzir mais ainda? Que tal uma palavra só? Uma letra? Opa, acabo de ter uma idéia genial: que tal não escrever nada? Os escritores de micronarrativas estão perdendo a chance de realizar sua melhor obra: não escrever.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ACIMA DE QUALQUER SUSPEITA
SCOTT TUROW
RECORD
(1987)
R$ 5,00



ONTEM À NOITE ERA SEXTA-FEIRA
ROBERTO DRUMMOND
SICILIANO
(1991)
R$ 8,90



CAMPANHA DA BIRMÂNIA
MICHAEL CALVERT
RENES
(1978)
R$ 9,90



COLEÇÃO OBJETIVO PORTUGUÊS LITERATURA BRASILEIRA LIVRO 4
COLEÇÃO OBJETIVO
CERED
R$ 6,90



TUA FÉ TE GUIARÁ
TECA JORGE / JANAINA VIEIRA
GENTE
(1999)
R$ 10,00



O PRIMEIRO TREM EM BRASÍLIA; A BOMBA DO TERROR - SÃO PAULO;
REVISTA MANCHETE, Nº 837 DE 1968
BLOCH
(1968)
R$ 35,28



REVISTA BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA Nª 3
SOCIEDADE BRASILEIRA DE OFTALMOLOGIA
SOCIEDADE BRASILEIRA DE OFT
(1977)
R$ 11,66



PROBLEMÁTICA DA CIVILIZAÇÃO CONTEMPORÂNEA
WILSON DE LIMA BASTOS
EDIÇÕES PARAIBUNA
(1974)
R$ 9,28



BOM LIVRO - MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS
MANUEL ANTONIO DE ALMEIDA
ATICA
(1973)
R$ 6,90



HISTÓRIAS QUE TRAZEM FELICIDADE - 3ª EDIÇÃO
RICHARD SIMONETTI
CEAC
(2005)
R$ 7,00





busca | avançada
69289 visitas/dia
2,0 milhão/mês