A caixa de confeitos da literatura contemporânea | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 17/10/2006
A caixa de confeitos da literatura contemporânea
Marcelo Spalding

+ de 7200 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Certa vez um professor meu comparou a literatura contemporânea com um destes produtos alimentícios que inundam as prateleiras dos supermercados. Uma bolacha recheada Bono, digamos. Vocês já repararam na embalagem, dizia ele, nas curvas, formas e cores vivas da embalagem, na delícia promissora do recheio, na crocância do biscoito, já repararam? Aí a gente abre e é aquele gosto insosso de sempre, pasteurizado, industrializado, enfim o gosto possível para uma bolacha recheada.

Evidentemente discordo do meu digno professor de que toda a literatura contemporânea seja vítima do mundo dito pós-moderno, o mundo midiático, pasteurizado, materialista e individualista em que nos vemos metidos. Prefiro ver nossa literatura como belas caixas de confeitos em que dentro delas pode estar desde o mais saboroso chocolate de Gramado até a tal bolacha Bono ou outras mil vezes piores, verdadeiros isopores achocolatados. Isso porque o barateamento das edições de livros permite que qualquer pessoa imprima dois mil exemplares de boa qualidade, com capa colorida e orelhas dos dois lados, mas nem todo o dinheiro do mundo compra um bom texto, um texto que mereça uma edição de dois mil exemplares com capa colorida e orelhas dos dois lados.

Acredito ser este um bom nariz de certa para falar de A Caixa de Confeitos e Contos Sortidos (Manole, 2006, 148 págs.), livro de estréia de Leonardo de Moraes. Primeiro porque a edição é graficamente belíssima, segundo porque o sabor de seus confeitos é extremamente desigual.

O autor, que muito antes de escritor é um bem sucedido profissional, mestre em Direito, professor universitário e assessor de Cláudio Lembo, hoje governador de São Paulo, é estreante no mundo dos livros, mas não no mundo das Letras. Em tempos de blog, já havia publicado os capítulos de sua novela A Caixa de Confeitos no Ragazzo di Famiglia, o que encorajou-o a levar o projeto adiante. Ou pelo menos estimulou-o, pois numa já não comum "Nota do Autor" faz questão de ponderar:

1) "Escrever é fácil. O difícil é enfrentar as próprias palavras depois de escritas. (...) Como impedir horas, anos de ilusão, senão com a opinião não-viciada a situar palavras, intenções, reindicando contextos? Por isso, meu caro leitor, teus olhos estarão prestando um serviço de absoluta utilidade pública com teu simples torcer de nariz";

2) "Tão de pronto, meus objetivos resumem-se prosaicos".

Se entendermos as palavras de Leonardo como um desarme à leitura exigente, crítica, encerre-se aqui esta resenha e toda discussão. Mas aí encerra-se também o papel social de qualquer texto que sai de uma gaveta para site e depois para uma edição nacional de dois mil exemplares, digamos. É exatamente a discussão e o efeito que a obra vai causar o que interessa para o autor, como já diria Poe. Portanto, sigamos.

A obra traz nove narrativas, sendo uma novela com mais de oitenta páginas e oito contos mais curtos. A novela é que traz o título de "A Caixa de Confeitos", e é também nela que se concentram os maiores problemas do livro. Primeiro, a história: uma loira recebe uma caixa de confeitos de sua amiga com a ordem de não abrir até um dia tal porque nela há algo perigoso. As duas se encontram numa Igreja, percebem estarem sendo seguidas, a morena conta que dentro da caixa há um doce e nele um cartão de memória e quando vai revelar o que há de tão importante no cartão é atropelada e entra em coma. Desesperada e perseguida por homens de terno preto, a loira liga para um delegado e pede ajuda. Logo se descobre que o delegado era namorado de colégio da morena, recém chegada da França, e ele promete ajudar a amiga a desvendar o mistério e prender os bandidos. Quase são mortos, quase são pegos, quase se entregam, mas o final, que não queremos antecipar aqui, coroa os esforços de todos os mocinhos da história e pune exemplarmente todos os bandidos de terno preto.

Enredado em clichês que até Hollywood já abandonou, pelo menos nos seus melhores filmes, a trama peca por em nenhum momento dar um salto em relação a si mesma, criar algum conflito novo e original, trazer à tona ambigüidades que desfaçam um pouco o maquiavelismo da velha luta do bem contra mal. Note que o problema não é se tratar de uma história policial, longe disso, o problema é ficar na superfície de uma trama policialesca que sequer convence num país como o Brasil, onde não temos a tradição de tiras duros de matar como os norte-americanos, ou num Estado como São Paulo, às voltas com o PCC.

Afora isso, há um desleixo formal que nos parece grave. O narrador em terceira pessoa não apenas tudo sabe, vê e sente como antecipa ao leitor sentimentos, medos, dúvidas, até pensamentos das personagens. É a subversão de uma velha regra da criação literária, "to tell, not to show", ou seja, mostre a heroína ansiosa fazendo dela uma chocólatra que não pode parar de mastigar, não diga simplesmente que ela está muito ansiosa com tudo isso. Este detalhe torna-se problemático quando, por exemplo, na última cena, a mais próxima de um clímax, um choque mata o bandido e linhas depois já estão as personagens contando a história, rindo e conversando.

Verdade que estes problemas não são privilégios do Leonardo; já Julio Cortázar alertava, em ensaio sobre os aspectos do conto, que "os contistas inexperientes costumam cair na ilusão de imaginar que lhes bastará escrever chã e fluentemente um tema que os comoveu para comover por seu turno os leitores", aludindo, a seguir, que esta é a mesma ingenuidade daqueles que "acham belíssimo o seu filho e dão por certo que os outros o julguem igualmente belo".

Mas a novela é apenas uma parte do livro, ainda que a parte maior. Há os contos. E nos contos vemos algumas boas realizações, particularmente "Dóris vai pular" e "Episódio de um pai dedicado", que, aliás, poderia ser uma história interessante para a novela longa, pois cria uma situação cômica embaralhando valores sociais arraigados como família, fidelidade e sinceridade.

De qualquer forma, quiçá o autor consiga ultrapassar os desafios do primeiro livro e continue fazendo de seu blog um espaço rico para a experimentação, ainda que nem sempre confiável pela eterna camaradagem entre os blogueiros. Afinal, como diria o próprio Cortázar na continuação deste ensaio, "com o tempo, com o fracasso, o contista, capaz de superar essa primeira etapa ingênua, aprende que em literatura não valem as boas intenções. Descobre que para voltar a criar no leitor essa comoção que levou ele próprio a escrever o conto é necessário um ofício de escritor, e que esse ofício consiste entre muitas outras coisas em conseguir esse clima próprio de todo grande conto, que obriga a continuar lendo, que prende a atenção, que isola o leitor de tudo o que o rodeia, para depois, terminado o conto, voltar a pô-lo em contato com o ambiente de uma maneira nova, enriquecida, mais profunda e mais bela".

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 17/10/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
03. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
04. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/10/2006
07h55min
A arte de escrever e só escrever como auto-ajuda, nada tem a ver com literatura nas prateleiras. Literar é um movimento de crônica, contos, poesias, é uma forma sutil de usar as letras, como beleza singela, e isto é difícil de encontrar nas prateleiras. Temos entulhos de alta vendagem e pouca coisa de boa qualidade.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
18/10/2006
11h11min
Sobre literatura e biscoitos, acho que é preciso manter o ímpeto da infância, o paladar aberto aos novos sabores. Depois, lamber os dedos e catar os farelos que ficaram na camiseta. Se forem bons, os livros ou biscoitos, compartilhe, se forem ruins, troque de marca, ou de escritores. Mas não deixe de reler ou experimentar novamente mais tarde, pois eles mudam com o tempo. Abraço meu e pare de me fazer gastar, vou já comprar A Caixa de Confeitos!!!
[Leia outros Comentários de Ana Mello]
18/10/2006
16h54min
Curioso ler esse texto agora. Ganhei este livro recentemente de uma amiga e gostei muito. A literatura, assim como a culinária, vão do paladar de cada um. Uma coisa eu concordo com o Spalding: o livro é como um pacote de bolachas Bono - gosto e entretenimento com "sabor de conhecido". Mas posso afirmar com absoluta certeza que eu compraria muito mais livros de autores estreantes, se também encontrasse esse mesmo tipo de sabor garantido, ao invés de me deparar com ininteligíveis e amargas "paellas" literárias.
[Leia outros Comentários de Giuliano Deliberador]
18/10/2006
22h35min
Li o livro "Caixa de Confeitos"! Confesso que não sou profunda conhecedora de Literatura e suas técnicas. Sou uma leiga, uma iniciante. Tenho gostos duvidosos, em minha cabeceira você pode encontrar: um gibi, uma revista "Capricho", um livro do Paulo Coelho, um livro de Sociologia de Domenico de Masi ou Bertrand Russell, um livro de Física (matéria mesmo!), um livro de auto-ajuda, outro de Shakespeare, "A Vassoura Voadora e os Brigadeiros de Chocolate", Raymond Radiguet, "Caixa de Confeitos", um caderno inteiro escrito por mim e mais ainda o "Guinness World Records 2007 com incríveis fotos inéditas"! Será que dá para confiar no meu gosto? Não sei. Porém, a variedade me seduz e me mantém de espírito aberto. E, devido a isso, desenvolvi um gosto pessoal não baseado em regras de Literatura, nem em regras de popularidade. E, dentro desse meu gosto diferente, gostei de “Caixa de Confeitos”!
[Leia outros Comentários de Claudine Logrado]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A FORTUNA DE GASPAR (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
CONDESSA DE SÉGUR
DO BRASIL
R$ 10,00



CYRANO DE BERGERAC
EDMOND ROSTAND
OBJETIVO
R$ 6,00



DE OLHO NA MORTE E ANTES
FERNANDO FORTES
ATELIÊ EDITORIAL
(2012)
R$ 22,00



OXFORD ADVANCED LEARNERS DICTIONARY
A. S. HORBNY
OXFORD
(2000)
R$ 30,00



ALICE PARA SEMPRE
ELTON LICKS
BESOUROBOX
R$ 26,00



FISIOLOGIA CELULAR
DAVID LANDOWNE
MCGRAW HILL ARTMED
(2006)
R$ 67,00



NEW ENGLISH 900 BOOK 1
COLLIER MACMILLAN INTERNACIONAL
ENGLISH LANGUAGE SERVICES
(1978)
R$ 15,00



IL NUOVO DOMANI
MAEVE BINCHY
SPERLING & KUPFER
(1998)
R$ 50,00
+ frete grátis



SÓ O AMOR É REAL
BRIAN L. WEISS
ALAMANDRA
(1996)
R$ 4,00



CRIME E CASTIGO
FIÓDOR DOSTOIÉVSKI
NOVA CULTURAL
(2002)
R$ 28,00





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês